Mestre João Grande



Baixar 117.4 Kb.
Encontro07.10.2019
Tamanho117.4 Kb.

Mestre João Grande:

I am an adventurer, a traveler, I enjoy traveling the world.”


Eu sou a fruta madura

que cai do pé lentamente

Na queda larga a semente

Procura uma terra fresca

pra ser fruta novamente”.

(Bule-Bule)
I am a ripe fruit
Falling slowly from the tree
The impact spreads my seeds
Looking for fertile earth
To be fruit once again

It was 1990. That was the year I arrived, and I stayed. I’ve liked it here ever since. It was God who brought me here, who put me here. Capoeira is growing here because it used to be unknown. Mestre Pastinha would say, “Whoever does not know capoeira, doesn’t know to give the value that it has.” [The people of the U.S.] didn’t know that capoeira was like this.
Now the people are getting to know the true capoeira. The true capoeira is a good thing that you do. But everything done correctly, so that it can be seen that capoeira is good and not a business of troublemakers, of drunkards, of wrong things in the midst. I like everything done properly. That is true capoeira. I like to do capoeira as my mestre taught it; I do everything here like my mestre taught me. I don’t do anything wrong; everything that I do here is from my mestre, and there are [also] many things here that I created.
I created many movements here, difficult ones. My work in capoeira is different from all the other mestres, and it has been ever since I lived in Brazil. This was already developed when I had been doing capoeira for three years – I trained to do things differently from everyone else.
The game in Mestre Pastinha [in his academy] was different from the way it is here. There, we trained by playing berimbau and doing the movement. I was the one who created this thing of coming and going, of putting the students in pairs to do movement. Because there are lots of people here and if we train in roda, it will take a long time for everyone to play. I do the movements to use in the roda. Because all the movements that I do here are to show [how to use them] while playing with another person. Many forget this.
Students enter the academy every day here. They enter, they take class, they leave, they come back again. Everything in Portuguese. I am the one who teaches them capoeira; I teach them to speak Portuguese too. English was never needed here. Risadinha herself is English, she didn’t speak any Portuguese, she learned to speak here with me. “Mestre, is that good?” “No, the word is like this, like this…” and there you go. To speak Portuguese cleanly.
One, two, three. If the person doesn’t know how to play instruments, I teach them. Movements – if they don’t know, I teach them. People come here from Japan and from every part of the world. Every part of the world comes here. Japanese students come here who speak neither English nor Portuguese. They spend two months here, and they leave doing everything – making berimbau, making caxixi, knowing the names of the instruments, doing the movements. Even speaking a bit of Portuguese.
Everything can’t be taught at once. It happens little by little. In other words, it’s like teaching a child to walk. Teaching a child to walk is like this: hold the child, slowly, slowly, slowly, until she knows how to put her foot on the ground slowly, walk, walk. Then you tell her to sit, and she sits. Get up, come here again. That’s how it is, very slowly. That’s how a student is taught, just like a child. Because there are basic movements. The basic movements are the ginga, negativa, rolê. Ginga, sapinho, chapa. Sapinho, chapa, rolê. Ginga, passagem de perna. Ginga, corta capim, passagem de perna. All of them have the rolê movement. Corta capim, rolê. There are movements like this. One has to secure the base. After getting the base on the ground, then we go to aú, negativa. Aú, negativa, rolê. And then exiting aú in rolê. Then comes meia lua de frente, another meia lua de frente, now meia lua de costas. After doing all this, I test the student, asking, what is ginga, whatis negativa, what is sapinho, what is passagem de perna, what is rolê? After knowing all this, then we go to rabo de arraia. So the student keeps growing.
Here there is cabaça, there is verga, there is arame, there is material for making caxixis, there is everything here. I make instruments and I teach my students to make them. There are few Brazilian students. If there are ten, it’s a lot.
I really like New York. I love it here… everything. I like everything here… I know few Brazilians here. But those who I know are all good, they all come here. On Sundays this place is full of capoeiristas from all over. They all come to play capoeira here. Because we have to treat our country well. If I am here, I have to treat well whoever comes from there to here. We treat anyone from any country well here. Whether Brazilian, or African, or from any country, they must be treated well, since we are brothers.
Capoeira grew because it is good for one’s health. Mestre Pastinha said: “Capoeira Angola is to be sown in the whole world.” Therefore, I am raising it in the whole world.
Sad, that was a sad thing. Very tough. Right here close by – a horrible thing. When the towers fell, I was here giving class, the Tuesday class, they phoned me and when I turned on the television the other building was burning, and one had already fallen. A sad thing. Many people died, and it shook the whole world. An ugly tragedy.
Capoeira is for peace. If there’s a fight in the roda, I won’t go to that roda anymore. There’s no point to beating each other up. If you have your roda and an outsider appears to cause trouble, it’s wrong. It’s a lack of respect. No one sticks around to watch a fight-like game. People want to see a beautiful game, not a beating. To see a fight, you can go to the movies and watch Kung Fu.
The young capoeiristas must follow capoeira as a dance, not as a martial art, and come together in order to grow capoeira, whether Regional or Angola. To grow because if you step out of line, if you don’t do it with a clean heart, capoeira will never grow. Fighting never grows capoeira. Nothing grows with fighting.
A place where there is no respect can have no progress. Right? No progress. For capoeira to grow... anywhere the capoeira is full of beatings, no one goes. They’ll go watch, and then never come back. If you have a daughter, you won’t put her there to learn, and to see her get beaten up. Pay money to have your son learn capoeira there and see him get beaten up. This is a lack of respect. Lack of respect. They’re paying to train, not to fight. If someone is doing something wrong, call their attention and let them know. You have to do it this way. Here, no one hits anyone. Mestre Pastinha didn’t like violence. No one beats up anyone, everyone wears white clothing. This is teaching. No one learns by getting beaten up. No one enjoys getting beaten up.
I take care of the Academy. The financial aspects, Risadinha takes care of those. I live in #66, in her house, in her apartment. She is married and has a little boy, Lázaro, que é meu afilhado. God sent her from heaven for me. God and my orixás sent her to me, to help me here.
Risadinha. She has helped me and fought for me here. She is English, but has lived here for 20 years. She is a student here, she worked, paid for a lawyer, got my documents and everything. Got my green card. I sleep in Risadinha’s house and I come here. She got me a diploma there where she works; she sent a letter to the director to get me a doctorate. She gave me a doctorate, she gave me various things. She helps me in everything. She also made an application for the thing the government gave me. The president gave me a plaque. It took a year and a half to complete the process, which was started in 2002. I was at the doctor’s. She called, wanting to speak with me. Nana picked up. She said that in an hour the man from the government wanted to speak with me.
Jurandir came, João Pequeno came, Moraes came, also two of my daughters... I paid for the tickets and everything, but they gave permission to be able to enter. Risadinha called. I invited Moraes, João Pequeno, Jurandir, my two daughters, Gildo Alfinete and Frede Abreu, who are good people.
The person at the door is the one who collects payments from the students of the academy. I give the money to Risadinha. She pays taxes, pays the government, pays for everything; I like everything done properly. I don’t like “hidden business” at all. Business should be out in the open. I don’t like enrolacao. I like everything done properly. Risadinha isn’t my associate, no. She helps me. She has her own job; she is a video professor. Her husband is a computer mechanic. She pays everything, taxes, everything, everything, everything. A little money is left over to pay for the space. Everything has to be paid for here. Very little is left over. Little money. Before it was less expensive… but now everything is expensive.
Everything I earn here goes towards paying the rent and the bills. I don’t go out to spend money. As for food, I eat right here, I don’t like eating out on the street. I don’t eat salt. I lead a simple life, I spend all my time in the academy, I only leave sometimes. People come to visit every day. Sometimes there are 3 or 4 visitors here. If the phone rings, I have to answer it. There’s also the dance class that uses the other room in the academy. It’s very little… but little with God is much.
Everything here is very expensive. And here in Manhattan, everything is more expensive than anywhere else. Living here is extremely expensive. I pay $5,000 in rent, besides the taxes, fees and utilities. Very expensive.
Having an academy, when there are lots of students, is more worth it. Traveling a lot is tiring. Sometimes you earn well, other times no. One great place to visit is Japan. When I go to Japan I take a suitcase full of videos, t-shirts, and everything gets sold there. In Europe I sell very little.
I have groups in Belgrade, in Los Angeles, in Italy, and also in Hamburg, in Sweden, in Japan… I give classes to the people there, I spend a week there. The Europeans really like capoeira Angola. Folks with 30 years of capoeira regional are going to capoeira Angola. They say they got tired of doing capoeira regional, and they went to capoeira Angola.
I travel with an attendant. I only go for $3,000. It’s very expensive here. I can’t go for $1,000 because if I do I end up losing lots of money. If I leave here for $1,000 then there are no students here, students only come when I’m here. $3,000. That’s right!
Lodging and everything. I took Sara one time. I took Papagaio, I took Raquel, I took Cabeça Pelada, I took Paciência, I took Nana, a Bahian, to Europe. I took Raquel to Brazil last year. Only those who have time can travel. Others can’t because they study or work. The majority study and work. There are two doctors here. Everyone here helps me, thank God. There is none of this racism business here, no. Not here in the academy. Everything here is like a zebra. Black and white. Everything here is equal. This is a family.
The people like it because it’s African culture. The people want to know. More so than in Brazil. In Brazil they don’t give much value or support. Here, they give much value.
I was born in Itagi, the interior of Bahia. I worked in the fields in Itagi. I worked with my father in the lavoura. And there, at times, I would go into the forest and watch the animals. I didn’t know what capoeira was… capoeira, for me, was underbrush. I would watch the animals in the bush. The birds never collided in flight; they would divert. I would go to the river to jogar farinha and see how the fish swam; the fish never hit each other. That’s what awoke the thought in my mind – how can they not hit each other? I was 10 years old.
Later I came to Itagi, to the city. I worked in the field, and later I came to the city. One day I was sitting in a doorway with two men, one named Pedro and the other Chico. Two guys about 18 years old passed by, and one did a corta-capim. He moved his legs like this. The two men commented. Pedro said to Chico: “Chico, that there is the dance of the nago people. If you do it on a person, the person falls.” I couldn’t talk with him, because he would tell my father, and my father used to beat us. When two adults are talking like that, a small boy shouldn’t interfere. He should keep his distance. Otherwise they would say “Joao was listening in to the conversation of his elders.” My father would arrive and beat us. Only when one of the men left – the one who commented stayed – did I approach and ask: “What is the dance of the nago people? What is corta-capim?” He said:
Não podia

conversar com ele que ele falava para meu pai e meu pai batia na gente. Dois adultos

conversando assim, o menino pequeno não ficava junto não. Ficava de longe. Se passasse e

ficasse escutando eles diziam: “O João fica escutando a palavra dos mais velhos”. Meu pai

chegava batendo na gente. Foi quando um saiu, o que falou ficou, o outro saiu. Ai eu

cheguei e perguntei: Como e que é, Seu Chico, o que é dança de nego nagô ? O que é corta

capim? Ele disse assim: “Aquilo ali é dança de nego nagô”. O que é dança nagô? “Dança

nagô é esse pessoal que vem da África, esse pessoal é africano e se chama Nagô. Eles

fazem esses movimentos, essa dança”. Eu disse: onde é que se aprende isso? Ele disse:

“Não sei. O pessoal trabalha no engenho de cana, trabalha no canavial, cortando cana, no

alambique”. E o que é corta-capim?. Nego pegou o facão e disse: “É isso aqui”. Eu tinha

dez anos de idade.

Capoeira é o seguinte: capoeira é uma dança, uma arte, uma profissão, uma cultura.

Agora, naquela dança ali, se ele tiver coagido ele tem que reagir com luta. É uma dança,

mas na hora que está precisando é uma luta. Veio como dança de N’golo para o Brasil.

Capoeira é africana desenvolvida no Brasil. Os africanos trouxeram ela para cá, mas não

trouxeram como capoeira, trouxeram como dança que desenvolveu no Brasil, no mato ralo,

o mato ralo chama capoeira.

Capoeira é irmão do candomblé. Muitos mestres não querem acreditar. Tudo que

vem da África é irmão do outro. O africano que trouxe para o Brasil. O candomblé, o

samba, a capoeira são irmãos. É irmão, tudo veio da África. Candomblé, samba, maculelê,

capoeira, tudo é irmão. Tudo veio da África. A capoeira chegou no Brasil como dança de

N’golo. Capoeira é uma dança, vamos dançar. Capoeira é mandinga, antigamente

chamavam de mandinga, falavam assim: “Cadê a mandinga, onde é a brincadeira, vamos

praticar aonde, vamos vadiar aonde?”. Aqui no Brasil cresceu mais. Os mestres cresceram e

foram passando para os alunos.

A capoeira que eu faço é natureza. Não copio nada dos outros pra fazer capoeira.

Deus e meus orixás que me dão sabedoria pra fazer aquilo que eu faço. Crio na hora. Peão

de cabeça, criado por mim, relógio, criado por mim, balão com uma mão só, tudo criado

por mim. Uso tudo que meu mestre me ensinou e multiplico mais.

O que meu mestre passou eu peguei tudo e fui crescendo. O Rio Amazonas fica

num lugar somente? Recebe uma coisa de um e outro e num cresce aquele mundão todo? É

como assim a vida da capoeira. Você agora tá aprendendo devagarinho, quando você tiver

bem você vai olhar a cultura, olha o que estou dizendo, você vai pro mato olhar no mato

assim, ver fazer um movimento no mato, você faz o movimento também. Vê um bicho

fazendo um movimento você faz um movimento também. Vê um peixe fazendo um

movimento você faz o movimento daquele peixe. O peixe vai lá e volta, não volta? A

cobra vai lá e não volta em cima pra pegar a pessoa? Tudo daqueles movimentos vai

crescendo dentro daquele só. A cobra nasce pequenininha, daquilo ali a mãe não ensina

nada, ela vai e faz pela peneira dela.

A natureza que dá pra pessoa. A natureza. O rio vai aqui e volta, segue nesta

direção. Não vai direto porque não tem lugar pra passar. Tem uma montanha aqui o rio não

vai subir reto porque não tem onde passar, procura lugar pra entrar, pra passar. Tem uma

formiga no rio num lugar onde não pode passar, ela procura, procura até achar um lugar

pra poder sair. Que nem você também. Jogando capoeira você tem a sua capoeira que seu

mestre te ensinou e você vai crescendo outra coisa aqui no seu corpo. O que seu corpo

pedir você dá a ele.

Corpo pede aqui. É isso, vou fazer isso. Você faz um movimento aqui, seu corpo

quer aquele movimento seguido. Você faz um corta-capim. Eu estou dizendo a você, você

faz um corta-capim, faz essa experiência. Faz um corta-capim e demonstra uma cabeçada,

corta-capim você mostra um rabo-de-arraia, corta-capim você mostra uma chapa de frente,

corta-capim você mostra uma chapa de costas, corta-capim você mostra uma meia-lua,

corta-capim você mostra um aú e volta com uma chapa de costas, corta-capim você mostra

um aú e volta pra tesoura, corta-capim você volta com um aú, corta-capim e volta com

uma cabeçada, corta-capim. Tudo isso você vai fazer.

****


Eu saí andando, andando, andando... Sem destino. Cheguei na Bahia com vinte

anos. Num dia de tarde estava sentado na porta da igreja de Nossa Senhora, chegou uma

família de Bicuí, seis hora da tarde. Um casal e veio um homem também com eles, tinham

três burros. Ele parou na minha frente na igreja e falou: “Você quer ir embora para Bahia?”.

Ele nunca tinha me visto. Bahia, onde é? “É longe, você vai gostar. Quer ir?”. Eu vou.

Estava com 19 anos. Falei com minha irmã. Vou embora pra Bahia. “Não, não vai não,

você não conhece esse pessoal, não conhece ninguém”. Eu vou. Arrumei um saco de

pimenta, botei minha roupinha ali.

Minha mãe tinha morrido e meu pai trabalhava no interior. Eu ficava na cidade,

trabalhava na cidade. Trabalhava com tropa de burro, viajava de Itagi a Jequié, Rio Novo,

carregando mercadoria. Saímos de manhã e fomos até Rio Branco, lá pegamos uma

Marinete. A gente chamava de Marinete o ônibus que ia para Rio Novo. A bagagem ia em

cima. Uma Marinete toda acabada. Passamos um mês em Ilhéus, em Rio Novo. Do Rio

Novo falaram: “Vamos para Bahia agora”. A família tinha parentes em Rio Novo.

Pegamos o trem para São Roque, em Jequié mesmo. Nunca tinha viajado de trem. Nunca

tinha visto o mar. Chegamos em São Roque era seis horas da noite. Pegamos o navio em

São Roque para chegar a Salvador.

Saltei na Bahia, no Mercado Modelo, e fui morar no bairro do Tororó, número 19.

Tem a casa lá até hoje. Trabalhava de graxeiro em casa de família. Sabe o que é graxeiro?

Lavava prato, varria a casa, fazia mandado. Não me davam nada, só a comida e a roupa. A

mesma família que me levou para Bahia.

O homem era mascate, comprava coisas nas lojas e vendia nas festas do interior.

Vendia relógio, jóias, brincos, vendia no interior, nas festas. Ele se chamava Edgar e a

mulher era Júlia. Ele passava dois meses viajando pelo interior todo. Ia para as festas,

ficava lá. Depois vinha de novo.

Tinha um senhor numa casa. Um espanhol chamado Moreira. Ele tinha uma venda.

Conversando comigo ele disse assim: “Vem cá, você é da onde?”. Sou de Itagi. Interior da

Bahia. “Você mora aí? Ganha quanto?”. Ganho nada não, só me dão roupa e comida.

“Quer trabalhar comigo?”. De quê? “É pra trabalhar no depósito de cachaça lá embaixo,

Depósito Vasco da Gama. Eu dou um quartinho para você morar aqui no fundo e dou

cinqüenta mil réis por semana”. Tá bom. Aí saí da casa deles, foi uma peia danada.

Aí comecei. Tirei carteira de trabalho. Quando acabou o depósito de cachaça fui

trabalhar com construção civil, na Delta. Depois trabalhei direto com construção civil,

trabalhei aqui, trabalhei acolá... já tinha descoberto a capoeira. Eu cheguei em Salvador em

1953, foi quando eu descobri a capoeira. Já tinha completado 20 anos. Aí cheguei lá

embaixo e encontrei a capoeira.

Um dia de domingo tava lá no Tororó e depois eu desci. Lá embaixo era a Roça do

Lobo, um bairro onde só tinha pobre morando lá, pobre mesmo. Eu cheguei e de cá de

cima eu vi uma rodinha. Quando eu desci encontrei lá uma roda e três pauzinho

balançando, mas eu não sabia o que era capoeira. Eu perguntei assim pro finado Mestre

Barbosa: Meu sinhô, o que é isso? “É capoeira”. Antes disso eu vi um corta-capim em

Itagi. Quando eu tinha dez anos de idade um cara fez um corta-capim. Sempre que eu

queria saber do corta-capim ninguém sabia informar.

Depois que eu cheguei na Bahia com vinte anos, passei um ano e depois eu cheguei

lá embaixo e vi a rodinha na Roça do Lobo. Desci, fui lá e perguntei: “É capoeira”. Na

hora um cara fez o corta-capim. Pensei: Ah, é o que o senhor me disse que era dança de

nego nagô. Onde é que aprende? Ele disse assim: “Lá em Brotas, com Mestre Pastinha”. E

como é que eu chego? “Fala com o João que ele leva você lá”.

Outra hora eu falei com ele. “Você me espera aqui uma hora que eu passo e pego

você pra gente ir lá em Brotas”. Em 1950 tinha bonde. Ele me levou lá pro finzinho de

Brotas, no Candeal Pequeno. Me levou na casa de Mestre Pastinha. Tinha uma salinha

pequenininha. Pastinha tava lá já sentado. Tinha um outro senhor lá sentado. João falou:

“Pastinha, esse rapaz quer aprender capoeira aqui”.

“O que você faz”? Eu pratico luta livre, gosto de futebol. “Larga tudo isto que isto

não presta. Segue a capoeira que você vai crescer na capoeira, porque a capoeira é a mãe

de todas as lutas e todas as danças”. Eu fiquei sentado num banco. E foi chegando gente,

chegando gente... Eu pensei assim: Esse senhor sabe nada. Não levei a fé. Quando a roda

começou ele foi jogar com Daniel Noronha, eu vi os ticun, eu digo: Ah, ele sabe.

“Você vem treinar aqui terça-feira”. Terça-feira me deu um treino. Na quinta-feira

fui de novo lá, ele me deu outro treino. Terça e quinta, terça e quinta... Depois João

Pequeno treinou também comigo... Depois mudamos pro Pelourinho, 19. Começou aula

direto lá.

Em Brotas era um lugar para treinar...uma academia não, era um espaçozinho. Não

era a casa dele não. Ele morava na Cidade de Palha. Toda semana eu ia para lá treinar.

Treinando, treinando, treinando... trabalhava o dia todo e de tarde treinava, quando não

fazia hora extra de noite na construção civil ia para lá treinar. Treinei um ano na academia

dele sem sair para lugar nenhum.

Depois de um ano, em 1954, fui ver a festa de Bom Jesus dos Navegantes, na Boa

Viagem. Lá no Monte Serrat tem um forte, a roda rolava lá em cima. Eu fui lá. Enquanto o

pessoal chegava a roda estava rolando lá em cima. Eu fui lá e encontrei Boca Rica, Mestre

Canjiquinha também. A roda tava rolando e ele me chamou para dar uma volta. Eu todo

acanhado sem saber nada. Com medo. Nunca joguei na rua. Joguei com ele. Depois perdi o

medo.

Todos os mestres me ensinaram. Cobrinha Verde me ensinou. Mas meu mestre



mesmo foi Pastinha. Meu mestre verdadeiro foi mestre Pastinha. Ele me deu em palavra

meu respeito como mestre. Valdemar me deu em palavra. Livino me deu em palavra.

Daniel Noronha me deu em palavra. Cobrinha Verde me deu em jogo. Cobrinha Verde foi

contra-mestre de Pastinha. Mestre Pastinha é meu pai, meu mestre e meu avô de capoeira.

Com as forças de Deus, por tudo que tem de bom. Com ele e Cobrinha Verde e os outros

antigos. Eu considero eles como mestres. Aí pronto, venho direto, jogando capoeira direto.

Mestre Pastinha me dava muito coisa. Ficava na academia com ele batendo papo,

conversando. Ele dizia faça isso, isso, isso... Me dava muita coisa. Treinei muito com

Mestre Pastinha e Cobrinha Verde. Valdemar joguei com ele uma vez quando tava já bem

doente numa festa em Itapuã. Eu joguei com ele. Ele entrou, jogou e saiu logo. Destes

antigos que eu joguei muito foi com Mestre Pastinha, Cobrinha Verde e Espinho Remoso.

O pai de Vírgilio e Diogo. Tinha roda lá na Jaqueira do Retiro. Tinha esse nome porque

tinha um pé de jaca, o pessoal jogava debaixo do pé de jaca. Livino, Onça Preta, Noronha,

tomava muito conselho deles, eu tenho esses moços como mestre. Meu mestre mesmo é

Mestre Pastinha. Ele e Cobrinha Verde que considero meus mestres mesmo, me deram

muita coisa. Os outros me deram em palavra, e eu considero eles mestres também.

Treinei muito com Cobrinha Verde. Morava na casa de Cobrinha Verde, lá no

Chame-chame. No fundo de quintal, com candeeiro aceso, treinava eu, Bom Cabrito, em

vida, treinava Gato, em vida. Uns quatro ou cinco treinavam de noite na casa de Cobrinha

Verde, no fundo de quintal. E domingo de manhã Cobrinha Verde fazia a roda dele e de

tarde íamos para academia de Mestre Pastinha.

Jogava no fundo de quintal de Cobrinha Verde ou na rua. Cobrinha Verde treinou

com Besouro e com um africano chamado Tio Olímpio. Ele era discípulo de Besouro,

irmão de leite de Besouro e primo carnal. Era irmão porque mamou leite no peito da mãe

de Besouro. Não conheci ele, mas diziam que era Besouro Cordão de Ouro porque usava

um cordão de ouro grande no pescoço.

Besouro Mangangá é porque prenderam ele, que se transformou num besouro e saiu

a voar, fugiu da cadeia. O carcereiro não viu ele sair, só ouviu o zum, zum, zum... Aí que

ficou o nome de Besouro. Ele tinha muita oração forte. Mangangá é um besouro muito

perigoso. Fica num toco de madeira e se descarrega em qualquer pessoa. Quando eu

cheguei a Salvador e entrei na capoeira já tinham matado ele.

Mataram em Maracangalha, morreu no hospital. Assim Cobrinha Verde falou.

Besouro bateu no filho do prefeito de Santo Amaro. Depois o prefeito mandou abrir sete

covas para ele, ia cavando e benzendo as covas, depois pagou uma mulher para ficar com

ele. A mulher pegou o patuá dele. Quando ele passou debaixo de uma cerca o arame cortou

ele. Estava derrotado.

Tinha uma venda que ele bebia cachaça todo dia. Quatro homens foram mandados

por este prefeito para pegar ele. Quatro homens bons de facão. Dois de um lado e dois do

outro lado do balcão. Besouro botou uma cachaça e bebeu. O outro disse: “Você bebe e

não oferece a ninguém que tá aqui”? “Eu não, se quiser você bebe. Compra e bebe”. Eles

discutiram e jogaram cachaça no pé dele. Antigamente se jogasse cachaça no pé da pessoa

era briga. Derrubou a cachaça nos pés dele aí, pronto. Foram pra fora, os quatro pra cima

dele, facão pra cá, pra lá, mas por detrás veio um e cortou a barriga dele com uma faca de

ticum. Faca de Ticum quebra qualquer mandinga. Foi o que Cobrinha Verde falou.

Depois levaram ele para Maracangalha. Botaram numa canoa para levar ele.

Internou. Já estava bom. Mas ele perguntou: “Doutor, eu vou ser o mesmo Besouro”?

“Não. Vai ser metade do Besouro”. “Então pode me matar”. Ele mesmo mandou matarem

ele, não queria viver mais. Devem ter dado um remédio para ele. Apareceu morto.

Cobrinha Verde que falou isso.

Ele tinha corpo fechado. Bala batia nele e caía no chão. Depois quebrou a força. A

mulher abriu o corpo dele. A faca de ticum cortou porque a mulher abriu o corpo dele.

Pegou o patuá dele... quebrou a força. Quem tem proteção assim mulher não pode pegar.

Quem tem essas mandingas não pode passar debaixo de cerca de arame, não come mingau

de tapioca, não pode passar debaixo de vestido de mulher estendido em varal. Tem os dias

certo de dormir com mulher. Diziam que era muita mulher que ele tinha. Aí pronto,

morreu.


Ele era trapicheiro e trabalhava nas usinas. Trabalhou em Maracangalha, na Usina

Aliança, Usina Itapetingui. Trabalhava cortando cana. Como trapicheiro ele trabalhava

embarcado. Diziam que o barco navegando ele jogava capoeira. Jogava também no cais, na

beira do Rio Subaé, em Santo Amaro.

Era desordeiro, mas fazia por vingança, assim me falaram, não procurava briga com

ninguém. Defendia as pessoas. Tomava a arma da mão da polícia para soltar uma pessoa e

brigava com a polícia.

Era muito sabido também esse Cobrinha Verde, muito mandingueiro, diz que sabia

de tudo, mas quebrou a força, fez coisa errada e quebrou a força. Tinha umas orações

muito fortes, mas fez umas coisas errada, não sei o que ele fez que o santinho que ele tinha

sumiu dele. Assim ele falou comigo. Teve problema. Ele tinha 66 orações na cabeça. De

tudo. Você vê ele lá embaixo, quando vê de novo ele está cá nas suas costas, voltava.

Cobrinha Verde. Brigou muito ele, mas nunca foi preso. Eu nunca briguei. Capoeira é pra

vida não pra briga.

Você brigou, perdeu todo o valor seu. Mestre Pastinha brigava quando era novo,

mas depois não brigava. Valdemar nunca foi de brigar, João Pequeno nunca vi brigar.

Besouro e Cobrinha Verde que brigavam em Santo Amaro, eram protegidos das nega da

costa. Sabe o que é nega da costa? Uma africana, chamava nega da costa antigamente, em

Cachoeira. Traíra era brigador também. Cobrinha Verde andava com uma costela de vaca

na cintura, um facão de dois cortes, chamava costela de vaca.

Todo mundo usava navalha. Eu usava também, mas uma vez a polícia me pegou. A

polícia bateu num bar lá da Lapinha, me pegou e tomou minha navalha. Pode levar. Não

quero mais não. Todo mundo usava navalha, Pastinha usava, Cobrinha Verde usava,

Daniel Noronha usava, Livino usava, todo mundo usava. Tem ainda esse costume.

Quem me ensinou a usar faca foi Pastinha e Cobrinha Verde, pra eu jogar faca com

João Pequeno. A faca eu usava pro vídeo. Não uso faca não. Nem ensino pro meus alunos.

Uma vez Valdemar tava ensinado jogo de faca pros alunos dele, a polícia passou, parou,

disse pra ele. “Ensina tudo pro seus alunos menos jogo de faca”. Aprendi pouca coisa de

faca. Mestre Pastinha sabia jogo de faca, esgrima, sabia usar a navalha. Cobrinha Verde

jogava navalha no cordão, com elástico, ia e voltava. Treinava com ele na casa dele.

Mestre Pastinha montou três berimbau. Tinha um, botou mais dois, botou recoreco,

atabaque, dois pandeiros, agogô. Botou castanhola, mas castanhola é negócio de

espanhol, ele tirou. Tinha também viola, quem tocava era um rapaz de Santo Amaro

chamado Damaro, que tocava viola toda segunda-feira na academia de Mestre Pastinha.

Tirou a viola também.

Na academia usava calça preta e camisa amarela porque Mestre Pastinha era

Ipiranga, time dele. Pessoal todo que trabalhava na oitiva era tudo Ipiranga. Jogava na

Graça. Mestre Pastinha gostava do time. Ele só usava branco, o chapéu preto, guardachuva.

Mesmo com sol ele andava com o guarda-chuva. Ele usava pra defesa, era uma

arma perigosa. A gente que era aluno usava preto e amarelo. Moraes usa preto. Cobrinha

usa preto. Lá no Rio todo mundo usa preto. Belo Horizonte usa preto. Europa toda usa

preto. Aqui quis botar roupa branca. Paz. O branco tem mais força. João Pequeno usa

branco também.

Mestre Pastinha era muito reconhecido. Na capoeira Angola todo mundo procurava

ele. Tinham muitos angoleiros na Bahia, mas o pessoal procurava Mestre Pastinha. A

academia do Pelourinho enchia de turistas. Quando ele estava mesmo na ativa, jogava com

oito, dez pessoas, os alunos todos. Dava trinta sapinho, vinte rabo-de-arraia em cima de

você, jogava com Anselmo, jogava com Vermelho da Moenda dando rabo-de-arraia.

Cobrava na porta, pagava na porta, mas era muito pouco. O dinheiro era pouco naquele

tempo no Pelourinho.

Eu só andava viajando. Trabalhava com bate estaca na construção, civil, viajava

para o sul, passava um ano fora da academia, em Itabuna, Ilhéus, trabalhando. Passei três

meses na chapada Diamantina, batendo estaca, depois voltei. Passei mais um ano em

Ilhéus, outro ano em Itabuna, trabalhando em construção civil.

Treinava, este tempo todo eu treinava sozinho em casa. Levantava cedo, fazia café,

ia treinar, treinar, treinar, depois ia trabalhar. Batia meio-dia eu treinava de novo. Treinava,

treinava, treinava...Depois comia e voltava para trabalhar. Cinco horas; treinava na

academia de Mestre Pastinha. Quando não fazia serão. Depois ia pra casa dormir e no dia

seguinte fazia tudo de novo. Sem parar. Eu gostava de capoeira.

Em 1955, eu trabalhava num prédio no bairro do Canela. Eu estava trabalhando e

aproveitava as horas vagas para treinar. Peguei uma escada. Subia e descia de cabeça pra

baixo na escada todo dia. Pra fazer exercício. Treinava no porão direto ao invés de ir jogar

dominó.

Eu passei três meses, em 1958, na Chapada Diamantina, quando estavam



construindo Brasília, eu passei três meses na Chapada Diamantina batendo ponte de Belém

à Brasília. Trabalhando em construção civil. Bate estaca. E lá eu não tinha como treinar,

treinava sozinho no meio do mato. Treinava sozinho com as moitas e com os bichos. Fazia

todos os movimentos sozinho. Não tinha ninguém para treinar. Viajei com três pessoas,

mas ninguém sabia capoeira. Todo dia eu acordava cedo e treinava sozinho no mato.

Treinava com os pé de mato. Rabo de arraia, sapinho, rolê.

Passei um ano em Itabuna e um ano e meio em Ilhéus. Eu demorava pouco na

Bahia, passava a viajar fora. Eu gostava de lá por causa da academia do Mestre Pastinha.

Mas nunca fiquei parado não. Eu trabalhava em construção civil. Trabalhei de trapicheiro,

de doqueiro, ajudante de caminhão, pedreiro, trabalhava nisso, pesado. Depois de sete anos

me casei. Mas não parei a capoeira, fui direto. Casei na Bahia. Depois de sete anos a

mulher morreu, eu fiquei viúvo, até hoje sou viúvo. Tenho filhos criados já. Um estuda com

João Pequeno, o Jurandir. Semana passada ele estava aqui, mas já foi embora.

A capoeira regional foi mestre Bimba que criou. Ele fez dez anos de capoeira

Angola. Depois mudou, disse que a capoeira Angola estava muito fraca, mudou para criar

a luta baiana dele. Os mais considerados eram Mestre Pastinha e os angoleiros. Roda onde

tivesse os angoleiro Regional não entrava. Na Festa da Conceição da Praia a roda rolava a

noite toda, desde o dia oito até o dia nove, a Regional ficava olhando e não entrava. Uma

que Mestre Bimba não queria e outra que antigamente os angoleiros entravam duro com

eles. Se Mestre Bimba visse um aluno dele jogando na rua botava para fora da academia.

Depois foram acostumando. Iam na academia Itapuã, o finado Ezequiel, Camisa Roxa ia

lá, todos alunos de Mestre Bimba.

A capoeira de Mestre Bimba antigamente só tinha Mestre Bimba. Depois que a

capoeira se estendeu no mundo todo cada um vai fazendo o que quer. Tinha uns balões

muito bonitos, cintura desprezada, todo movimento tinha balão: balão de cintura, balão de

pescoço... tudo de balão. Disse que foi do jiu-jitsu. Capoeira muito bonita a capoeira de

Mestre Bimba.

Capoeira de hoje tem soco, tem pontapé, com Mestre Bimba não tinha nada disso.

Não, se um aluno jogasse na rua e tocasse a mão na roupa de um mestre.... Vixe! Tinham o

costume de jogar todo de branco, roupa branca, gravata, camisa muito bonita, sapato

engraxado. Aquele que tocasse na roupa de um mestre desse...Perguntava: “Quem é seu

mestre?”. “Meu mestre é fulano”. “Diga a ele que treinam pouco, tanto você quanto ele.

Diga para lhe dar educação de jogo. Sujou minha roupa”. Porque antigamente tinha a

domingueira. Era aquela roupa que você tinha para jogar capoeira no domingo. Não tem

esse corrido “goma de engomá / ferro de batê”? A goma tirava da mandioca e passava na

roupa dele, pra não ficar tremendo. Antigamente tinha ferro de carvão, botava o carvão

numa caixa de ferro para acender e poder passar a roupa chamada domingueira. Era uma

roupa pra tudo. Passear e jogar capoeira. Chegava em casa botava no guarda-roupa de

novo, vestia a roupa de guerra para trabalhar no outro dia. Era uma roupa só pra domingo.

Capoeira Angola vem do trabalhador, vem de baixo. Trapicheiro, ajudante de

caminhão, carregador, doqueiro, pedreiro, carroceiro, pescador, vem de baixo. Quando

parava o trabalho já tinha um berimbau lá. O couro comia nas docas. “Não tem trabalho

hoje não?”. Hoje é capoeira. Debaixo do pé de tamarineira lá o berimbau fazia sucesso. O

pessoal jogava ali. Camisa de saco, descalço. Depois cresceu, a capoeira foi crescendo,

crescendo, crescendo...aí pronto.

Ninguém gostava de capoeirista. Se você era capoeirista e a filha de um cidadão

daquele olhasse para você e se você quisesse namorar com ela o pai dizia: “Não. Aquele é

capoeira, coisa de vagabundo, aquele é capadócio, malandro. Quem joga capoeira é

malandro”. Depois foi crescendo, crescendo, crescendo... hoje em dia quem está jogando

capoeira é gente fina, acabou essa mania.

Comecei a viajar pelo mundo em 1966. Fui para Dakar com Mestre Pastinha no

Festival da Artes Negras. Eu, Gato, Mestre Pastinha, Júlio Roberto, Camafeu de Oxóssi.

Festival Mundial das Artes Negras, pelo Itamaraty. Nós fomos para África. No dia que

Mestre Pastinha foi tirar passaporte na Piedade para poder viajar ele não subia as escadas

mais, veio carregado num carro, subimos as escadas com ele, eu, Gildo Alfinete e Roberto

Satanás. Professor Valdir falou: “Se Pastinha não for ninguém vai”. Depois a gente viajou.

Lá ele não jogou. Quase não enxergava mais, ficava sentado na sombra. Jogamos eu,

finado Gato, Roberto, Gildo. Camafeu foi tocando berimbau. Festival de Artes Negras de

Dakkar.

Foi muito bom lá. Fui com o grupo de Mestre Pastinha, foi o grupo de samba de



Ataulfo Alves, foi Clementina de Jesus para cantar e outra cantora do Rio. Ataulfo Alves

com samba. Eu sei que foi também o Paulinho da Viola. E Olga de Alaketu para fazer a

comida baiana. Da Bahia foi o grupo de Mestre Pastinha e Olga de Alaketu na comida.

Pastinha enxergava pouquinho. Ficávamos no hotel. De tarde, num larguinho,

chegaram três rapazes. Sentou um com o balafon. Os outros dois estavam sem camisa com

uma lata amarrada no pé. Cheio de pedras, uma lata pequenininha. Sapateando, fazendo

tudo de capoeira. Fazendo corta-capim, aú, mortal, rolê, fazendo tuto, tudo, tudo... Mestre

Pastinha perguntou assim: “Como é que chama essa dança. Isso é capoeira”? “Não, não é

conhecido como capoeira não, é nossa dança daqui. A gente não sabe o que é capoeira

não”. Eles falavam em francês, mas traduziram pra gente. “A capoeira tá no Brasil, a

capoeira Angola de vocês está no Brasil. O pessoal levou pra lá e agora vocês estão

apresentando aqui”.

Quando Mestre Pastinha perdeu a academia eu estava trabalhando na Moenda

fazendo shows. Depois deram um lugar para Mestre Pastinha no Pelourinho. Mas nunca foi

como era a academia não. Caiu, os alunos saíram, foram embora. Mestre Pastinha ficava lá

na porta, Cobrinha Verde ia lá dar aula, João Pequeno às vezes ia, às vezes não ia. Papo

Amarelo ia lá também. O negócio caiu.

Eu só andava trabalhando. Ia lá uma vez ou outra quando tinha uma folga. Quando

eu estava em Salvador, quando eu viajava pronto. Passava três meses fora viajando a

serviço. Aí voltava e ia pra lá, mas caiu mesmo, caiu. Pastinha morou no 14 do Pelourinho.

Morava num quartinho ali. Ficou acabado lá, esquecido. Ninguém lembrava dele. Só Jorge

Amado que deu três salários mínimos a ele. Mas ninguém ajudou ele.

Eu ia lá ficar conversando com ele sentado no banco. Tinha um corredor e a gente

ficava sentado no banco. A mulher dele vendia acarajé na Fonte Nova. Dia de domingo

gente ficava sentado com ele conversando na porta. Sobre capoeira. Capoeira é isso, isso,

isso... Não reclamava. Mestre Pastinha, como vai? “Eu estou bem graças a deus”. Depois

colocaram ele no asilo de velhos lá em Brotas, faleceu lá. Quando ele morreu eu não sabia,

quando soube já tinham sepultado ele. Estava trabalhando na arena, na Ondina. Aí

Vermelho falou: “Mestre Pastinha morreu”. E quando foi isso? “O enterro foi hoje”. Puxa

vida... Eu nunca fui visitar ele no abrigo dos velhos porque não tinha tempo.

Eu trabalhava em Salvador num posto de gasolina o dia todo lavando carros, o dia

todo, não tinha tempo pra nada, de noite saía correndo fazer show na Moenda. Um lugar de

turistas – restaurante e casa de show – que fica na Boca do Rio.

Comecei a fazer show na década de 1970. Fazia show no Hotel da Bahia. Depois a

professora Emília, com o Viva Bahia, vendeu um show nos Estados Unidos, depois vendeu

outro show na Europa. Tudo num mesmo mês. Tivemos que fazer dois grupos, um para o

show dos Estados Unidos e outro na Europa. Eu fui pra Europa com umas vinte pessoas. O

show era dirigido pela professora Emília. Viajamos a Europa toda, passamos oito meses na

Europa fazendo show, em 1974. Irã, Tunísia, Oriente Médio.

Fazia tudo. Fazia maculelê, candomblé, puxada de rede, samba. Capoeira também.

Capoeira de show. Depois voltei para Salvador. Fomos pra Europa de novo, passamos três

meses na Europa indo de Barcelona a Madri. Fazendo shows em discotecas. Saía de

Barcelona para Madri, no sul, no norte, fomos pra França, sul da França, norte da frança.

Fomos para Itália, sul da Itália, norte da Itália. Em 1976. Foi muito bom. Gostava de viajar.

Sempre gostei muito de viajar e fazer show.

Na época que eu trabalhava no posto de gasolina a capoeira Angola estava por

baixo, caída. Fiquei cinco anos sem fazer capoeira Angola. Não tinha como fazer? Não

tinha. Trabalhando muito. Capoeira Angola caiu. Só estava por cima a Regional. Capoeira

Angola só tinha João Pequeno no Forte Santo Antônio. Cobrinha Verde tinha falecido.

Mestre Pastinha estava doente. Valdemar só fazia berimbau. Ninguém jogava capoeira

mais. Eu trabalhava na Moenda fazendo show. Trabalhava no posto de gasolina no Retiro.

Cobrinha Mansa ia lá me chamar pra fazer capoeira. Eu vou, eu vou. Nunca fui. Passou

quase um ano me chamando para ir pra lá. Um dia fizeram um encontro lá, em 1987. Eu

fui ver o encontro, gostei, aí voltei pra capoeira Angola.

Eu estava me sentindo mal. Só fazia show, batia maculelê, puxava rede na Moenda,

mas capoeira que é boa não jogava. Quando o Moraes fez o encontro e me chamou eu

voltei pra capoeira Angola e voltou todo mundo. Voltou Valdemar, finado Zacarias, finado

Bobó. Todo mundo voltou pra capoeira Angola. Moraes e Cobrinha foram no posto de

gasolina me chamar, eu estava na Moenda. Me deram um salário pra eu vir pro GCAP.

Deixei a Moenda e passei três anos trabalhando com o GCAP. Ensinando todo mundo lá.

Depois de três anos não quis mais ficar lá. Fui trabalhar na Moenda de novo.

O Liceu de Ofícios abriu uma academia para mim lá embaixo no comércio. No

quarto armazém, nas docas, onde tinha um depósito de cacau antigamente. Acabou esse

negócio de cacau abriram um espaço para mim e para Nenel, filho de Mestre Bimba. Ele

de um lado e eu de outro. Regional lá e Angola cá. Em 1990, fui chamado para Atlanta

para fazer o Festival de Atlanta e eu vim.

****

Foram me chamar, mas nunca fiz fé. Surgiu esta viagem para o encontro de Artes



Negras. Foram me chamar Daniel Dawson e Cobrinha também. Assim que cheguei e fiz o

show lá Negro Gato disse: “Você vem para aqui”. Terminou lá eu vim para academia dele

aqui. Tinha academia lá no Harlem, um espaço. Negro Gato era mais Regional. Capoeira

regional de show. Vim para aqui. Tinha um bocado de gente fazendo capoeira. Tava aqui

Galo, tinha o Maluquinho, o Motorista, o Amaral, tinha Omolu, Sônia e outras pessoas.

Fiquei com ele um ano ensinando capoeira no Harlem. Fazia capoeira e show em

Woodstok, uma cidade que tem aqui perto, duas horas de Nova York. Fazia show lá e

ensinava capoeira aqui. Risadinha já estava comigo no Harlem. Ela foi lá treinar capoeira

assim que eu cheguei. Risadinha tomou a frente e abrimos o salão. Passei sete anos lá. Sim.

No 69. Depois venceu o contrato e o salão de baixo ia entrar em obra. O dono de lá é o

mesmo daqui. Estava pra alugar aqui. Eu vim pra aqui. Tenho seis anos aqui já.

Quando criei esta academia perguntei à professora Emília: Professora, qual o

símbolo que ponho na minha academia? Foi lá em Woodstok. Ela me deu uma pulseira de

oxum, Cabello copiou o desenho da pulseira, duas cobras. Emília Biancardi, professora de

dança folclórica, ela está no Pelourinho, num casarão de cinco andares que deram para ela

fazer o trabalho dela.

Brasil e África. Ela me disse assim: “Isto aqui é Brasil e África porque os

capoeiristas são duas cobras, os angoleiros são duas cobras no chão”. Cabello desenhou

para poder devolver a pulseira a ela. “Faz o desenho, mas devolve minha pulseira”.

Moraes treinou comigo na Academia de Mestre Pastinha. Treinou comigo lá, mas

eu não era mestre, era aluno também. Treinava eu, Getúlio treinava ele, João Pequeno

treinava ele, mas eu puxava mais duro pra cima dele, puxava mais jogo pesado. É assim,

assim, assim, assim. Mestre Pastinha não enxergava mais pra dar aula. Quem dava aula lá

era Getúlio, João Pequeno. E eu pegava pesado em cima dele.

Eu não ligava pra isto não, queria mais é saber de teatro, não cresci pra ser mestre

de capoeira. Eu quero fazer é maculelê, dançar candomblé, dança e teatro, eu gosto de

fazer é isso. Viajar fazendo show de dança, sempre gostei de fazer isto... Tá vendo aquele

papel ali? Mestre Pastinha deu pra mim, João Pequeno, Gildo, Roberto, o pessoal velho de

lá. Mas não é papel que você veste, seu trabalho é que você vai caprichar. Se amanhã ou

depois seu mestre te der um papel como mestre, o papel não vale nada. O que vale é seu

trabalho daqui pra frente, com seus alunos, com sua capacidade com o pessoal. Todo

mundo tem que ter você como gente boa e dar muito respeito pra você. Gosto muito de dar

aula. Gosto mais de dar aula pra gente que não sabe nada. Eu quero passar pra eles. Os

avançados já sabem.

Depende... fazer mestre é muita responsabilidade, fazer mestre de capoeira... Eu

quero botar meu filho, Jurandir, para continuar meu trabalho. Mas também tem que

trabalhar muito. Tem muito que aprender.

Tem aluno de quinze anos aqui, mas que não está preparado ainda. Depende da

conduta dele. As vezes é bom de capoeira mas não tem força para tomar conta de uma

academia, assumir um cargo. As vezes a pessoa é muito boa de capoeira mas não sabe

ensinar. Sim, sinhô, uma religião. Mas a pessoa tem que trabalhar, olhar quem pode,

devagarinho, treinar, se dedicar...

A capoeira é pra todo mundo, nem todo mundo é pra capoeira. Compreendeu o que

eu falei? Você gosta de capoeira, chegou aqui pra fazer capoeira, mas depois de um ano

você vai embora. Não fica direto na capoeira, não tá mexendo com a capoeira. Tem gente

que treina aqui um mês, dois meses, vai embora e some. “Ah, estou cansado, não vou

treinar mais não”. Por isto eu estou dizendo, a capoeira é pra todo mundo, nem todo mundo

é pra capoeira. Capoeira é pra todo mundo. Tá no nosso corpo.

Eu sou a fruta madura

que cai do pé lentamente

Na queda larga a semente

Procura uma terra fresca

pra ser fruta novamente”.

Na Bahia eu tava fazendo capoeira sem ajuda do dia de amanhã. Bahia é terra

muito boa, abençoada, graças a deus. Adoro minha Bahia, dou valor muito a minha Bahia,

mas pra capoeira não dá. Eu vim para aqui, cresci.

Gosto muito de Nova York. Adoro aqui. Tudo. De tudo eu gosto daqui. Volto pro

Brasil. Mas se Deus me permitir ficar aqui...Se eu estivesse com esse dinheiro lá, que desse

pra viver, ia morar lá. Brasil é terra abençoada. Tá todo mundo saindo de lá para vir pra cá

e pra Europa. Não dá não. Não dá pra viver de capoeira, não dá valor. Passa necessidade.

Na Bahia nego não dá valor.

Tudo de bom me deram aqui. No Brasil também tive tudo de bom para mim, graças

a Deus. Mas tem uma coisa no Brasil que o pessoal não tem, não tem dinheiro, não cresce,

não tem dinheiro. Eu sou aventureiro, sou andarilho, gosto de andar pelo mundo. Eu gosto



de andar muito, desde dez anos de idade eu ando pelo mundo, eu sou aventureiro. Eu parei

aqui, gostei daqui.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal