Mestrado em Economia – especialização em Economia Financeira 4º curso



Baixar 350.57 Kb.
Página4/4
Encontro08.10.2019
Tamanho350.57 Kb.
1   2   3   4

12) Suponha que um determinado consumidor só adquire dois bens, X e Y. A sua função utilidade é dada por U = XY.

    1. Trace as curvas de indiferença descritas num gráfico de coordenadas cartesianas.

Good

Y


Good X



    1. Suponha que o nosso consumidor tem um rendimento mensal de 2000 u.m. e que Px = 1 e Py = 1. Trace a restrição orçamental do consumidor em causa, sobre o gráfico onde tenha as suas curvas de indiferença. Qual o ponto de optimização do consumo da nossa personagem? Porquê?

Good


Y
2000


1000

1000 2000 Good X
Os preços são iguais o que traduz uma TMS idêntica, a combinação óptima é (1000,1000)


    1. Se o seu rendimento mensal subisse para 2800 u.m. qual seria o novo ponto de consumo óptimo? E se descesse para 1200 u.m.?

Good


Y

2800


2000

1400


1200

1000


600

600 1200 1400 2000 2800




    1. Se unirmos todos os pontos óptimos de consumo, quando o seu rendimento varia e os preços dos produtos ficam constantes, que linha obteríamos? Como é que a partir dessa linha é possível obter as curvas de Engel para cada um dos produtos em causa?

A Curva de Engel representa a procura de um bem em função do rendimento. Por isso será, Uma curva crescente se se tratar de bens normais, mas com acrescimos cada vez menores. Ela corresponde aos pontos óptimos para cada nível de rendimentos.






    1. Suponha agora que o rendimento do consumidor fica constante ao nível 2000 u.m. e que Px = 0.5 mantendo-se Py = 1

  1. O que acontece à restrição orçamental?

A restrição orçamental muda de inclinação pois com o mesmo rendimento de 2000 o consumidor passa a poder comprar um máximo de 4000 unidades e não 2000 como anteriormente. Relativamente ao bem y mantem-se num valor máximo de 2000 unidades




  1. Qual o novo ponto de equilíbrio do consumidor?

Good

Y

2800




2000

1000



1000 2000 4000
U marginal x/ P x = U marginal y/ P y
Umarg x / 0,5 = Umarg y /1 logo TMS = 1/o,5 = 2/1 logo o consumidor está disposto a ceder uma unidade de y por duas de x, ou uma de x por metade de Y….

O ponto de equilíbrio que obedece a esta condição será 2/3 para x e 1/3 para y:

(2+1 = 3 e 2/3 e 1/3)

2/3 * (4000) = 1666 de x e 1/3* (2000) = 666 de y


  1. Se unirmos os pontos de equilíbrio encontrados à medida que Px varia, que curva encontramos?


A curva das escolhas óptimas (dos bens x e y) face à variação dos preços.
Como é que a partir de tal curva encontramos a curva da procura individual do bem X?
Afectar a cada ponto da curva, que corresponde a uma escolha óptima dado o preço, a quantidade de bem óptima escolhida. Se unirmos os pontos da relação preço quantidade consumida chegamos à curva de procura individual que é descendente.
13) Diga, justificadamente, se as afirmações contidas em cada um das três alíneas seguintes são verdadeiras ou falsas.

  1. A curva da procura individual de determinado bem não pode ter inclinação positiva para todos os preços.

Verdadeiro. A curva de procura de um bem mostra que a quantidade procurada de um bem varia inversamente com o preço desse bem. Logo a inclinação tem de ser negativa.


  1. Suponha que a elasticidade preço procura individual do bem X - um dos muitos que o consumidor adquire – é menor do que 1. Nessas circunstâncias a subida do preço X reduzirá quer a sua procura quer a procura de pelo menos um dos outros bens que o consumidor adquire.


Verdadeiro. Se a elasticidade é menor do que um, significa que uma variação positiva de preços provoca uma variação negativa mas menor das quantidades consumidas. Ora, neste caso o rendimento real do consumidor diminuirá, mas com o bem é menos elástico e o rendimento nominal não se altera, ele irá afectar menos à compra de outros bens, conduzindo também à diminuição da procura de outros bens.


  1. Um consumidor é cliente de duas lojas, cada uma delas vendendo um tipo de produto semelhante. A deslocação a uma dessas lojas envolve um custo de transporte. Se esse custo aumentar o consumidor aumenta as suas compras na outra loja.


Verdadeiro. Parte-se do pressuposto que os bens vendidos nas duas lojas são substitutos. Ora se o preço do bem na loja que fica mais longínqua se torna maior para o consumidor (pois tem de adicionar o custo de transporte para chegar à loja) ele irá preferir os produtos da loja que lhe fica próxima (pois não tem que adicionar o custo de transporte ao preço do produto)
14) Um executivo de meia-idade diz que bebe agora mais champanhe do que quando começou a trabalhar, apesar do champanhe estar mais caro. Pensa que ele tem uma curva da procura de champanhe positivamente inclinada?

Não! não tem… o seu rendimento é que se alterou (aumentou) o que fez deslocar a curva de indiferença para a direita , mais longínqua do ponto de origem. Por isso, as quantidades consumidas serão maiores em virtude do rendimento ser maior, mas a sua reacção às quantidades consumidas continua a ser inversa ao preço… cuja variação depende da sua elasticidade preço-quantidade consumida… e isso não sabemos…
15) Diga qual ou quais as elasticidades que seria importante conhecer para responder à seguinte pergunta: “Será que os transportes públicos mais baratos contribuiriam para aumentar os lucros das lojas da Baixa de Lisboa?”. Justifique a sua resposta.

Elasticidade rendimento positiva. Menores preços de transporte, maior rendimento real e maior procura de outros bens.

Elasticidade preço quantidade cruzada (positiva). Uma variação negativa do preço dos transportes (preço mais baixo) provocará uma maior procura por este tipo de transportes. Ora, um maior número de pessoas na baixa convida a um aumento das compras, isto é das quantidades procuradas de outros bens.


  • Efeito Substituição e Efeito Rendimento


16) Considere um consumidor com rendimento monetário de 3000 u.m., que pode afectar à compra de dois bens, X e Y, cujos preços são respectivamente Px = 20 Py = 25. A esses preços o consumidor encontra-se em equilíbrio no ponto (x = 75 ; y = 60).

Suponha que o preço de Y diminui para 15 e que a nova posição de equilíbrio será X = 37.5 e Y = 150



  1. Represente graficamente o problema e discuta os efeitos de substituição e de rendimento.

Rendimento = 3000 máximo de aquisição do bem X : 150 do bem y : 120.



Good

Y 200

C

150


120

100


B

A
60


37.5 75 150


Se preço de bem y diminui para 15 : pode adquirir 200 unidades deste bem ou 150 do bem X (p=20).

Com a baixa de preços do bem Y o consumidor passou a consumir mais 90 (150-60) do bem y e menos 37.5 (75-37.5) do bem x mesmo que este tenha mantido o preço. Pelo facto de descida do preço do bem Y o seu rendimento real aumentou. Dantes adquiria (135 unidades dos bens x e y (75+60) e agora 187.5 dos bens x e y (37.5+150). Este é o efeito rendimento… A passagem é primeiro de A para B (efeito de substituição) em que o consumidor consome menos de X e mais de Y. Depois o efeito rendimento é a passagem de B para C.



  1. Classifique o bem X com base no efeito rendimento e no efeito total observado.


Trata se de um bem normal pois assim que desceu o preço desse bem (Y) as quantidades procuradas aumentaram, diminuindo as quantidades do outro bem (X). O rendimento real que aumentou e permitiu ainda mais a aquisição de mais do bem Y.
17) Considere dois bens. Suponha que se verifica uma descida do preço de um deles, mantendo-se constante o preço do outro e o rendimento nominal do consumidor (rendimento este que é integralmente dispendido na compra dos dois bens). Explique o efeito de substituição e o efeito de rendimento e ilustre graficamente o caso em que o bem cujo preço baixou é normal e o caso em que ele é inferior.



Se se trata de um bem normal, a descida de preço desse bem provoca alterações nas quantidades consumidas dos bens x e y (efeito de substituição). O ponto de equilíbrio C passa para K na mesma curva de indiferença. As combinações é que se alteraram…. A descida do bem x (filmes) fez aumentar o rendimento real e o ponto de equilíbrio passa de K para J que é o efeito total.
Se o bem for inferior a descida do preço desse bem não provoca aumento das quantidades procuradas desse bem. O rendimento real em principio aumentaria porque pode comprar mais do bem inferior mas como não vai adquirir mais desse bem, o rendimento real não se altera .


18) Se a família só consome dois bens, X e Y, e o preço do bem X cai e o efeito de substituição sobre a quantidade consumida do bem X é maior, em valor absoluto, que o efeito rendimento, então sabe-se que:

    1. X é um bem normal.

    2. X é um bem inferior.

    3. X não é um bem Giffen.

    4. Y é um bem normal.

    5. Y é um bem inferior.



Será um bem normal quando uma descida de preços de um bem provoca uma aumento da procura desse bem e uma diminuição do outro. Todavia, o efeito de substituição é maior do que o efeito rendimento. Logo, o aumento do rendimento real provocado pela descida do bem X apenas provocou um efeito positivo no consumo do bem X e não no Y, logo este parece ser um bem inferior… A v parece-me uma resposta plausível… A I também mas não justifica o comportamento do efeito de rendimento ser inferior ao de substituição.
docentes.fe.unl.pt/~bmorais/Int.%20Micro/Caderno4.doc

4º CADERNO DE EXERCÍCIOS, Teoria do Consumidor, Vasco Santos, Bernardo Cruz Morais, Gonçalo Pina, João Vareda




1   2   3   4


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal