Memórias pré-históricas



Baixar 6.34 Kb.
Encontro26.05.2018
Tamanho6.34 Kb.

Memórias pré-históricas
Muitas vezes estive em locais tão agradáveis que imaginei poder viver ali por anos. Mas em duas ocasiões não consegui entender a origem do sentimento de conforto. Um destes locais são as ruínas de Mesa Verde, no Arizona. As ruínas estão encravadas em um enorme barranco aproveitando cavernas naturais. A cidade é um terraço estreito na face vertical da montanha. O acesso só é possível por rampas. Dos terraços se observa um vale quase desértico e um pequeno riacho. O local é primitivo, apertado e de difícil acesso, daí a dificuldade de entender a sensação de conforto. Anos mais tarde visitei ruínas da idade da pedra no sul da França. Tive a mesma sensação quando subi até as cavernas localizadas em um despenhadeiro de onde se avista um vale rico em vegetação e entremeado por diversos riachos. Apesar das cavernas serem menores e o acesso ainda mais difícil, senti o mesmo bem estar.
Estas memórias estavam perdidas até esta semana quando li a descrição de E.O. Wilson dos estudos que geraram o conceito de Biofilia. Estes estudos propõem que nós, seres humanos, temos um prazer especial em conviver com a natureza, uma espécie de afeição inata, gravada em nossos genes. Na pesquisa que chamou minha atenção cientistas entrevistaram pessoas das mais diversas culturas, que vivem nos mais diversos ambientes, desde as grandes cidades da China até o interior de florestas, passando por favelas e palafitas. O objetivo era determinar o local em que cada um gostaria de viver se pudesse escolher livremente. Para surpresa dos pesquisadores, independente da cultura ou nível de educação, três elementos estavam presentes em todos os grupos. Todos preferiam ter atrás de suas casas uma montanha íngreme, uma parede, ou um penhasco. A habitação deveria estar em um nível um pouco mais alto que o terreno a sua frente, de modo que o horizonte visual fosse amplo. Finalmente esta vista deveria conter algum tipo de vegetação e a paisagem deveria conter água, um rio ou um lago. Estes resultados indicam uma preferência que não parece ser cultural e sugere que este “amor pela natureza”, ou biofilia, está incutido em nosso cérebro de maneira semelhante à nossa tendência a escolher os pés para caminhar ou as mãos para segurar objetos.
A interpretação dos pesquisadores é que estas preferências refletem o local em que nossos antepassados viveram nos últimos milhões de anos. Cavernas onde não podiam ser atacados por traz, de onde pudessem observar suas presas e próximas à água. Provavelmente os únicos hominídios que deixaram descendentes foram aqueles que possuíam genes que os levaram a escolher locais como estes, os outros foram devorados ou morreram de fome. A idéia é que nossa afeição por este tipo de ambiente ainda sobrevive em nosso cérebro e isso talvez explique a sensação de conforto que senti em Mesa Verde. Na verdade o cérebro que escreve este texto foi selecionado durante centenas de milhares de anos em ambientes como Mesa Verde. Somente nos últimos mil anos se viu em frente a uma mesa em um apartamento. Que outras preferências préhistóricas, semelhantes a minha sensação de conforto em Mesa Verde, estão “escritas” em nossos circuitos cerebrais e exercem sua influência sem nosso conhecimento?
Mais informações no livro de E.O. Wilson: The Creation. An appeal to save life on earth. Ed. W.W. Norton, NY 2006
Fernando Reinach (fernando@reinach.com)




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal