Membro superior



Baixar 0.52 Mb.
Página5/5
Encontro24.10.2017
Tamanho0.52 Mb.
1   2   3   4   5

GLOTE

(aparelho vocal)

Compreende as pregas e processos vocais, junto com a rima da glote (abertura entre as pregas vocais).

PREGAS VESTIBULARES

(pregas vocais falsas)


Estendem-se entre as cartilagens tireóideas e aritenóideas, têm função de proteção.

TRAQUÉIA
Tubo fibrocartilagíneo sustentado por anéis traqueais incompletos, que mantêm a traquéia aberta. Na região posterior localiza-se o músculo traqueal (músculo liso).


  • Mede aproximadamente 2,5 cm de diâmetro e 10 a 12 cm de comprimento(adultos).




  • É revestida por tecido epitelial ciliado e produz um muco protetor, os quais, em conjunto, filtram as impurezas que chegam nesta região.




  • Carina: bifurcação inferior que forma os brônquios



BRÔNQUIOS PRINCIPAIS E SUAS DIVISÕES
Os brônquios principais são bifurcações da traquéia, neles, os anéis cartilaginosos são substituídos por placas irregulares de cartilagens. Existem dois brônquios principais: o esquerdo e o direito.

O brônquio principal esquerdo passa sob o arco da artéria aorta e cruza a frente do esôfago, podendo impedir a deglutição de grandes objetos. Por outro lado, o brônquio principal direito é mais vertical, mais calibroso e também mais curto que o esquerdo, sendo por isso, mais suscetível à aspiração de corpos estranhos.

Os brônquios principais entram nos pulmões e ramificam-se de maneira constante para formarem os cinco brônquios lobares ou secundários, dois seguem para o pulmão esquerdo e três para o pulmão direito para suprir cada um de seus lobos.

Dos brônquios segmentares originam-se aproximadamente 25 gerações de ramificações que terminam nos bronquíolos terminais os quais, por sua vez, transformam-se nos bronquíolos respiratórios que terminam no interior dos alvéolos pulmonares . Todas estas estruturas formam em conjunto a árvore brônquica.




PULMÕES:
São dois órgãos torácicos elásticos formados por tecido conjuntivo, rico em fibras colágenas e elásticas e células (pneumócitos). Apresentam-se separados pelo coração e grandes vasos do mediastino, são os órgãos vitais da respiração. Têm função de oxigenar o sangue (hematose).
Estruturas:
Cada pulmão possui um ápice que é a parte superior do pulmão próxima à 1ª costela, três faces (face costal, mediastinal e diafragmática) e três margens (face anterior, inferior e posterior).


  • Raiz do pulmão: é formada por estruturas que penetram nos pulmões: brônquios, nervos, vasos linfáticos e vasos sangüíneos.

  • Hilo do pulmão: área na face medial de cada pulmão, onde as estruturas que formam a raiz (brônquios, nervos, vasos linfáticos e sangüíneos) entram e saem dos pulmões.

  • Lobos: O pulmão direito divide-se em três lobos (superior, médio e inferior) e o pulmão esquerdo em 2 lobos (superior e inferior), sendo que entre os dois lobos esquerdos situa-se uma projeção denominada de língula.


ALVÉOLOS PULMONARES
Os alvéolos são cavidades diminutas que se encontram ao final dos ductos alveolares. Apresentam diâmetro médio de 1 a 2 mm e agrupam-se em forma de cachos – sacos alveolares. Suas paredes são muito tênues e estão compostas unicamente por uma capa de células epiteliares planas (0,2 micrômetros), pela quais as moléculas de oxigênio e de dióxido de carbono passam com facilidade.

A troca gasosa entre os alvéolos pulmonares e os capilares sanguíneos circundantes ocorre por difusão e é chamada de HEMATOSE. Um par de pulmões humanos possui cerca de 500 a 700 milhões de alvéolos pulmonares. Isso fornece uma superfície respiratória de aproximadamente 70m2, o que equivale a 40 vezes a área superficial do corpo inteiro.


PLEURA E CAVIDADE TORÁCICA
A cavidade torácica está separada do abdômen pelo diafragma. O centro da cavidade contém outras estruturas, entre os pulmões, as quais estão envolvidas numa área oblonga e larga chamada mediastino. O mediastino está limitado anteriormente pelo esterno, posteriormente pelo corpo das doze vértebras torácicas, superiormente pela entrada torácica e, inferiormente pelo diafragma. Os lados do mediastino são formados pela pleura mediastinal. O conteúdo dos espaços mediastinais inclui o pericárdio, o arco aórtico, o timo, o nervo vago, o esôfago, a traquéia e numerosos vasos sanguíneos.

Cada pulmão é envolvido por uma membrana serosa chamada pleura. Uma camada dessa pleura reveste toda a superfície do pulmão - pleura visceral. A outra camada chamada pleura parietal está em contato direto com o diafragma e a borda interna do tórax. Entre a pleura visceral e a pleura parietal está um espaço virtual, a cavidade pleural que contém um líquido para lubrificação.




FENÔMENOS RESPIRATÓRIOS





Tosse: é um mecanismo para desobstruir as vias aéreas. Resposta à irritação das vias respiratórias. Durante a tosse, um esforço expiratório forçado contra a glote fechada aumenta a pressão do ar no tórax. Após isso, a glote se abre repentinamente, reduzindo a pressão na traquéia e nos brônquios. A alta pressão que permanece ao redor da traquéia colapsa sua parede posterior. Como resultado o ar passa através da traquéia muito mais estreita com grande força e velocidade, soprando para fora material estranho e muco.





Espirro: pode ser descrito como uma tosse respiratória superior. Nos estados preparatórios, mais e mais ar é inspirado, e no clímax, o ar é expelido com uma força explosiva. Durante um espirro a glote é largamente aberta e o ar encontra sua principal resistência na boca ou nas cavidades nasais, de modo que a explosão expiratória serve para limpar as passagens do nariz ou da boca, assim como a tosse limpa os brônquios e a traquéia.






Bocejo: ajuda mais intensamente a respiração ventilando o pulmão de maneira mais completa. Na respiração ordinária, aparentemente nem todos os alvéolos pulmonares são ventilados igualmente, alguns de fato periodicamente se fecham. O sangue passando através dos alvéolos colapsados entra no sistema arterial sem ser oxigenado e dilui o conteúdo médio de oxigênio. Os alvéolos colapsados são abertos pela longa inspiração profunda do bocejo.




Soluço: resposta anormal que não serve a nenhum propósito conhecido. É uma contração espasmódica do diafragma, causado por substâncias no sangue ou por anormalidades circulatórias locais. As cordas vocais geralmente se abrem durante a inspiração (a vocalização é produzida normalmente durante a expiração) e estão aparentemente fechadas durante o soluço; as vibrações produzem o som característico. Soluços persistentes podem geralmente ser parados pela inalação de ar com 5 a 7% de gás carbônico.





SISTEMA DIGESTÓRIO

Sistema adaptado a fazer a quebra mecânica (física) e química dos alimentos.


Funções:


  • Ingestão,

  • Mastigação,

  • Deglutição,

  • Digestão,

  • Absorção e eliminação dos alimentos.



Divisões
Canal alimentar:
Cavidade bucal, faringe, esôfago, estômago, intestinos (delgado e grosso), reto, e ânus.

É aberto nas suas duas extremidades (boca e ânus).


Anexos:
Formado pelas glândulas salivares, o fígado e o pâncreas.
Boca:
Primeira porção do canal alimentar, comunica-se com o exterior através da rima bucal, e com a parte bucal da faringe, através do istmo das fauces.
Limites da boca:


  • Lateral - bochechas.

  • Superior - palato.

  • Inferior - músculos que constituem o assoalho da boca.




  • Estruturas nesta cavidade: gengivas, os dentes e a língua.


Divisões da boca:
1.Vestíbulo da boca:

Espaço limitado por um lado pelos lábios e. bochechas e por outro pelas gengivas e dentes

2.Cavidade bucal: todo restante, palatos, língua, úvula, etc.


3. Palato: Teto da cavidade bucal divide-se em: palato duro, anterior, ósseo, e o palato mole, posterior, muscular. Separa a cavidade nasal da cavidade bucal .
.Úvula: projeção do palato mole.
Arcos do palato:
1. Arco palatoglosso: lateralmente a úvula pregas mais anteriores.
2. Arco palatofaríngico: mais posterior, formado pelos mm. Palatofaríngicos.
Amígdalas (Tonsilas palatinas):
Situadas na fossa tonsilar entre os dois arcos. Auxiliam na defesa do organismo.



Língua
Órgão muscular revestido por mucosa e que exerce importantes funções na mastigação, na deglutição, gustação e na fonação (fala).




Dentes
Estruturas rígidas, esbranquiçadas, implantadas nas cavidades da maxila e da mandíbula, denominadas alvéolos dentários.

Estrutura dos dentes
Coroa: parte acima da gengiva.
Raiz: parte fixada no alvéolo dentário (implantação do dente).
Colo: transição entre a raiz e a coroa.






Marfim ou Dentina: é a maior parte do dente é recoberta pelo esmalte.

Número de dentes
Adultos: 8 incisivos, 4 caninos, 8 pré-molares e 12 molares.
Tipos de dentes
Incisivos (8) - coroa em bisel, com margem cortante e uma única raiz; estão situados anteriormente na arcada dentária.
Caninos (4) - coroa cônica, terminando em ponta, e raiz única; localizam-se lateralmente aos incisivos.
Pré-molares (8) - coroa apresentando dois tubérculos e raiz única ou bífida; situam-se na região lateral da arcada dentária, posteriormente aos caninos.
Molares (12) - possuem coroa com 3-5 tubérculos e duas ou três raízes; são posteriores aos pré-molares.

Glândulas salivares
São responsáveis pela secreção da saliva.
Saliva = água + enzimas (amilase salivar ou ptialina)
Principais glândulas salivares:

Glândula parótida - lateralmente na face e anteriormente ao ouvido externo. Seu canal excretor, ducto parotídico, abre-se ao nível do 2: molar superior.
Infecção = caxumba (parotidite)
Glândula submandibular - localiza-se anteriormente à parte mais inferior I parótida, protegida pelo corpo da mandíbula.O ducto submandibular abre-se no assoalho da boca, abaixo da língua, próximo ao plano mediano.
Glândula sublingual – é a menor das três, situando-se lateral e inferiormente à língua. Sua secreção é lançada na cavidade bucal, por canais que desembocam vários orifícios no assoalho da boca .
Faringe
Cavidade comum à passagem de ar (nasofaringe) alimento (orofaringe).
Esôfago
É um tubo muscular que liga a faringe ao estômago. Divide-se em três porções: cervical, torácica e abdominal.
Estômago
É um órgão muscular oco, que comunica-se com o esôfago (óstio cárdico) e com o intestino delgado (óstio pilórico).
Partes do estômago
a) Parte cárdica (cárdia) - corresponde à junção com o esôfago;
b) Fundo - situada superiormente a um plano horizontal que tangencia a junção esôfago-gástrica;
c) corpo - corresponde à maior parte do órgão;
d) parte pilórica - porção terminal, continuada pelo duodeno

INTESTINOS

Tubos musculares com função de absorção de nutrientes e reabsorção de água e sais minerais.


Divisões
Intestino delgado:
Tubo muscular de calibre fino (delgado) que possui vilosidades intestinais (absorção de alimentos). Subdivide-se em: duodeno, jejuno e íleo.
Intestino grosso:
Tubo muscular de calibre maior com função de reabsorção de água e sais minerais. As fezes são formadas em seu interior devido à reabsorção de água.
Órgãos anexos:
Fígado: Localiza-se abaixo do diafragma e à direita e uma pequena porção à esquerda no abdome.


  • Funções: Auxílio na digestão de carboidratos; lipídios (produz a bile) e proteínas.


Pâncreas:
Situa-se posteriormente ao estômago, fixa-se à parede abdominal posterior, é uma glândula mista (anfícrina).
Função:


  • Insulina e Glucagon;

  • Suco pancreático (peptidases)


SISTEMA ENDÓCRINO

Conjunto de órgãos que produzem secreções denominadas hormônios, lançados na corrente sangüínea e que irão atuar em outra parte do organismo, controlando ou auxiliando sua função. Os órgãos que têm sua função controlada e/ou regulada pelos hormônios são denominados órgãos-alvo.


Glândulas endócrinas:



  • São glândulas que lançam suas secreções diretamente na corrente sangüínea.


Secreções = Hormônios.


  • NÃO possuem ducto excretor por onde a secreção é conduzida.




Glândula hipófise:


  • Corpo ovóide, localizada na fossa hipofisial do osso esfenóide, faz parte do hipotálamo.




Glândula Tireóide:


  • Situa-se no plano mediano do pescoço, abraçando parte da traquéia e laringe.




  • Tem forma de H, possui dois lobos (direito e esquerdo) unidos pelo istmo.




Glândulas paratireóide:
Situa-se na metade medial da face posterior de cada lobo da tireóide, seu número vária de 2 a 6 e cada uma mede no máximo 6 milímetros.




Glândulas supra-renais (Adrenais):
São duas glândulas localizadas sobre os rins, divididas em duas partes independentes – medula e córtex - secretoras de hormônios diferentes. O córtex secreta três tipos de hormônios: os glicocorticóides, os mineralocorticóides e os androgênicos e a medula secreta adrenalina e noradrenalina.


Pâncreas:
É uma glândula mista ou anfícrina.
Ilhotas de Langerhans: porção endócrina, onde estão as células que secretam os dois hormônios: insulina e glucagon.


Gônadas:


  • Ovários: Estrógeno e progesterona.




  • Testículos: Testosterona.


Referências blibiográficas:

ABRAHAMS , P.H. , HUTCHINGS , R.T. , MARKS Jr. , S.C. Atlas colorido de Anatomia Humana de McMinn. São Paulo: Ed. Manole, 1999.


BONTRAGER, K.L. (1999). Tratado de técnica radiológica e base anatômica. 4a ed. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro. 770p.

CASTRO, S.V. (1973). Anatomia fundamental. McGraw-Hill do Brasil: Rio de Janeiro. 414p.

DANGELO, J.; FATTINI, C. A. Anatomia humana sistêmica e segmentar: para o estudante de medicina. São Paulo: Atheneu, 2002.

GARDNER, E. Anatomia: estudo regional do corpo humano. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

GARDNER, Ernest. GRAY: Anatomia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.
GUYTON, A.C. (1988). Fisioloia Humana. 6a ed. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro. 564p.

JACOB, S.W.; FRANCONE, C.A.; LOSSOW, W.J. (1982). Anatomia e Fisiologia Humana. 5a ed. Guanabara: Rio de Janeiro. 569p.

JUHL, J.H.; CRUMMY, A.B.; KUHLMAN, J.E. (2000). Paul & Juhl – Interpretação Radiológica. 7a ed. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro. 1187p.

MONIER, J.P.; TUBIANA, J.P. (1999). Manual de diagnóstico radiológico. 5a ed. MEDSI: Rio de Janeiro. 478p.

NETTER , F.H. : Atlas de Anatomia Humana. Porto Alegre: Artmed, 2000.
ROHEN , J.W. , Yokochi , C. , Lütjen-Drecoll , E. : Anatomia Humana: Atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. São Paulo: Ed. Manole , 1997.
SOBOTTA, J. Atlas de anatomia humana. Rio de Janeiro: Guanabara, 2000.

SPENCE , A.P. : Anatomia Humana Básica. São Paulo: Ed. Manole, 1991.


SLEUTJES, L. (2004). Anatomia Humana. Difusão: São Caetano do Sul, SP. 351p.

SUTTON, D. (2003). Radiologia e Imaginologia para estudantes de medicina. 7a ed. Manole: Barueri, SP. 271p.

WALTER, R.; KOCH, R.M. (2002). Anatomia e fisiologia humana. 2a ed. Século XXI: Curitiba, PR. 123p.

WICKE, L. (1997). Atlas de anatomia radiológica. 5a ed. Revinter: Rio de Janeiro. 304p.

Sites para pesquisas:
http://www.npac.syr.edu/projects/3Dvisiblehuman/3dvisiblehuman.html

http://www.ama-assn.org/ama/pub/category/7140.html

http://www.bartleby.com/107/

http://web.sc.itc.keio.ac.jp/anatomy/osteologia/ (site em japonês mas com ótimas imagens dos ossos)

http://www.innerbody.com/htm/body.html

http://www.netanatomy.com/ (imagens radiográficas e dissecados)

http://elmedico.metropoliglobal.com/Images/rx.htm (imagens e textos com radiografias)

http://www.medstudents.com/content/resumos/anatomia(1).html

http://edtech.kennesaw.edu/web/humanbo.html

http://icarito.latercera.cl/especiales/cuerpo-humano/

http://www.sci.port.ac.uk/rad/anatomy/

http://www.medtropolis.com/VBody.asp

http://www.derrochasvip.com.ar/Rx/Torax.htm

http://faculty.tcc.cc.fl.us/scma/mccrackenb/axial_skeleton_lab.htm (fotos dos ossos esqueleto axial)

http://faculty.tcc.cc.fl.us/scma/mccrackenb/appendicular_skeleton_lab.htm (fotos dos ossos esqueleto apendicular)

http://www.fauxpress.com/kimball/med/sensory/ear.html

http://www.ocorpohumano.com.br/

http://www.montgomerycollege.edu/~wolexik/204_bone_pictures_page.htm

http://www.dartmouth.edu/~anatomy/index.html

http://nba.uth.tmc.edu/courses/gross2004/general/schedule_block1.htm





1   2   3   4   5


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal