Membro superior



Baixar 0.52 Mb.
Página4/5
Encontro24.10.2017
Tamanho0.52 Mb.
1   2   3   4   5

PARTE SÓLIDA DO SANGUE




Eritrócitos (glóbulos vermelhos ou hemácias)




  • São os elementos mais abundantes do sangue;


  • Possuem grande elasticidade, podendo deformar-se temporariamente para passar pelos mais finos capilares;




  • São células em forma de disco, sem núcleo, cuja principal característica é possuírem a hemoglobina;

  • A hemoglobina (Hb) que dá a cor vermelha ao sangue, é o pigmento respiratório responsável pelo transporte de oxigênio e CO2;


  • Os eritrócitos formam-se e amadurecem na medula óssea, fígado e baço. Possuem uma vida média de 120 dias após o que se desintegram sendo removidas da corrente sanguínea por células especializadas dos mesmos órgãos que as criaram;

  • Após a desintegração de um eritrócito, o ferro da hemoglobina é reaproveitado para a construção de outro e uma substância extremamente tóxica para as células é produzida: a bilirrubina → enviada para o fígado e eliminada pela bile (icterícia = concentração de bilirrubina plasmática aumentada, causando uma coloração amarelada na pele e mucosas);

  • Valores normais de eritrócitos no sangue:

  1. 4,2 a 5,4 milhões / mm3 de sangue (homem)

  2. 4,1 a 5,1 milhões / mm3 (mulher)

  3. 5 a 6 milhões / mm3 no recém nascido;

  • Valores normais de hemoglobina no sangue: 14 a 16 g por 100 ml de sangue;

  • Hematócrito: porcentagem de eritrócitos no sangue (48% ± 6) → usualmente maior nos homens.


Hemácea (Eritrócito)



Leucócitos ou glóbulos brancos





  • Responsáveis pelos mecanismos de defesa do organismo;

  • Possuem a capacidade de abandonar o sistema circulatório e migrar para os tecidos (movimentos amebóides);

  • São maiores que as hemácias, mas em quantidade menor;

  • Valor normal de leucócitos no sangue: 6000 a 9000 por ml de sangue;

  • Existem dois tipos básicos de leucócitos:

  1. Granulócitos: contém grânulos no citoplasma.

  2. Agranulócitos: não contém grânulos no citoplasma



GRANULÓCITOS (3 TIPOS)


São produzidos na medula óssea

São destruídos e eliminados pelo baço e fígado.



Neutrófilos – 60 1 75%. Defesa em processos inflamatórios e infecciosos agudos. Fagocitose.

Eosinófilos – 2 a 4%. Processos alérgicos.

Basófilos – 1%. Defesa em processos inflamatórios e infecciosos agudos.


Neutrófilos Eosinófilos Basófilos

AGRANULÓCITOS (2 TIPOS)

Linfócitos – 25 a 40%. São formados pelos órgãos linfáticos. Resposta imunitária e inflamações crônicas.

Monócitos – 3 a 6%. São formados na medula óssea. Participam no combate às infecções crônicas. Fagocitose.



Plaquetas (ou trombócitos)
São muito pequenas e de difícil observação por serem incolores;

Apresentam formato ovóide ou esférico;

Seu número varia de 250.000 a 400.000 por mm3 de sangue;

Sua função é a de colaborar no fenômeno de coagulação, pois na sua ausência o sangue coagula-se com mais lentidão);

Formam-se na medula e possuem vida média de 4 a 10 dias.






Plaqueta (1) Eritrócitos (2) Plaquetas


PARTE LÍQUIDA DO SANGUE - PLASMA
O plasma sanguíneo corresponde a 56% do volume de sangue;Sua composição química é complexa, mas pode-se dizer que contém água (91,5%), proteínas (albumina, globulina, fibrinogênio e protrombina), sais inorgânicos e orgânicos (cloreto, sódio, potássio, cálcio e magnésio), pigmentos, numerosas enzimas e produtos de desintegração das células (uréia, ácido úrico, creatinina e amoníaco). Aparecem ainda em suspensão no plasma açúcares e gordura, além de hormônios e anticorpos.


Coagulação do sangue




Esse é um fenômeno ligado ao plasma, onde a proteína fibrinogênio se transforma em fibrina, através da enzima trombina (rede). A trombina não existe livre no sangue, ela encontra-se na sua forma inativa (protrombina) que é sintetizada no fígado.







SISTEMA CARDIOVASCULAR


O sistema cardiovascular é composto pelo coração, o sangue e os vasos sangüíneos. O termo CARDIO refere-se ao coração e VASCULAR refere-se aos vasos sanguíneos.



CORAÇÃO


  • Órgão muscular oco situado na cavidade torácica, atrás do esterno, acima do m. diafragma, onde repousa em parte sobre dois sacos pleurais que recebem o nome de pericárdio.

  • O coração é revestido por três camadas:

1. Endocárdio = revestimento interno do coração.

2. Epicárdio = reveste externamente o coração (membrana serosa).

3. Miocárdio = formado por tecido muscular estriado cardíaco é responsável pela sístole e diástole.









1 – Clavícula

3b – Ápice do coração

3g – Pericárdio

8 – Aorta

2a – Manúbrio

3c – Átrio direito

4 – T8

9 - Esôfago

2b – Processo xifóide

3d – Ventrículo direito

5 – Pleura




3 – Coração

3e – Ventrículo esquerdo

6 – Pulmão direito




3a - Arco aórtico

3f – Átrio esquerdo

7 – Pulmão esquerdo











1 – Endocárdio

2 – Miocárdio

3 – Pericárdio

3a – Pericárdio visceral

3b – Cavidade pericárdica

3c – Pericárdio parietal



MORFOLOGIA INTERNA DO CORAÇÃO



  • Septos cardíacos: dividem as paredes do coração em 4 câmaras, dois átrios e dois ventrículos

  • Septo inter-atrial: separa o átrio direito do esquerdo.

  • Septo inter-ventricular: separa o ventrículo direito do esquerdo.

  • Septo átrio-ventricular: divide o coração em parte superior e inferior.

  • Possui dois orifícios os óstios átrio-ventriculares direito e esquerdo que possuem as valvas tricúspide (direita) e mitral (esquerda).



  • Átrio direito: recebe o sangue venoso através da veia cava superior, veia cava inferior e veia coronária;

  • Ventrículo direito: expulsa o sangue venoso para o pulmão através da artéria pulmonar;

  • Átrio esquerdo: expulsa o sangue arterial através das veias pulmonares;

  • Ventrículo esquerdo: leva o sangue arterial para todo o organismo através da artéria aorta.


OS GRANDES VASOS DO CORAÇÃO
O átrio direito recebe o sangue venoso através de 3 vias:


  1. Veia cava superior – traz o sangue das partes do corpo acima do coração e tórax;

  2. Veia cava inferior – traz o sangue das partes do corpo que ficam abaixo do coração;

  3. Seio coronário – drena o sangue da maioria dos vasos da parede do coração.

O átrio direito bombeia então o sangue para o ventrículo direito → tronco pulmonar (artérias pulmonares direita e esquerda).


O sangue arterial é transportado ao átrio esquerdo por quatro veias pulmonares → ventrículo esquerdo.
Do ventrículo esquerdo → aorta ascendente, arco da aorta, aorta descendente e artérias coronárias.






1 – Esôfago

10 – Coração

2 – Traquéia

11 –Pulmão esquerdo

3 – Artéria braquiocefálica direita

12 –Veia pulmonar superior esquerda

4 – Veia braquiocefálica direita

13 – Artéria pulmonar esquerda

5 - Costelas

14 – Arco aórtico

6 –Ramos do brônquio direito

15 –Veia braquiocefálica esquerda

7 – Pulmão direito

16 –Artéria subclávia esquerda

8 - Diafragma

17 –Artéria carótida comum direita

9 – Processo xifóide





VISTA ANTERIOR DO CORAÇÃO



VISTA POSTERIOR DO CORAÇÃO




VALVAS DO CORAÇÃO
Quando cada câmara do coração contrai-se ela impulsiona uma porção de sangue para dentro do ventrículo ou para fora do coração por uma artéria. Para evitar o refluxo ou retorno de sangue, o coração tem quatro valvas compostas de tecido conjuntivo denso. As valvas são:


  1. Atrioventriculares




  1. Tricúspide – entre o átrio direito e o ventrículo direito

  2. Bicúspide ou mitral – entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo.




  1. Semilunares




  1. Valva do tronco pulmonar – no óstio onde o tronco pulmonar deixa o ventrículo direito

  2. Valva da aorta – no óstio onde a aorta inicia, deixando o ventrículo esquerdo.

Uma doença cardíaca valvular refere-se a qualquer condição na qual uma ou mais valvas cardíacas não operam apropriadamente.




RITMO CARDÍACO
O coração é inervado pelos nervos simpático e parassimpático, que são antagônicos em sua função. Esses dois sistemas afetam a função cardíaca, alterando sua freqüência ou a força contrátil do miocárdio:


  • Simpático: acelera a origem e transmissão de estímulos no sistema cardiovetor, levando a uma aceleração do batimento cardíaco, a um aumento da força de contração do miocárdio, e, conseqüentemente, da quantidade de sangue expulso pelo coração;

  • Parassimpático: é de atuação inversa a do simpático, pois diminui o batimento cardíaco através da diminuição da excitabilidade e da transmissão de estímulos.

O coração trabalha automaticamente, sob o controle do sistema nervoso, mas o impulso da atividade cardíaca origina-se no próprio coração. Esse sistema cardiovetor é composto por:




  1. Nódulo (nodo ou nó) sinusal: é o ponto de origem de todos os estímulos. Situa-se no átrio direito, próximo à desembocadura da veia cava superior. Esses estímulos gerados no nódulo sinusal são transmitidos diretamente para as fibras musculares dos átrios e para o nódulo atrioventricular. O nódulo sinusal também é conhecido como nódulo sinoatrial (SA).

  2. Nódulo atrioventricular (AV): situa-se próximo do septo atrial. Recebe os estímulos do nódulo sinoatrial e os transmite com ligeira defasagem para a musculatura ventricular.




  1. Feixe de His: é a continuação do nódulo AV. Recebe os estímulos desse nódulo e os transmite para as fibras de Purkinge.

  2. Fibras de Purkinge: os estímulos são distribuídos aos ventrículos por meio de seus feixes direito e esquerdo.

O controle automático do trabalho cardíaco do sistema cardiovetor pode ser influenciado por:

a) Temperatura: o aumento da T promove o aumento da freqüência cardíaca;

b) Teor de sais sanguíneos: alterações nas concentrações de Na, K e Ca provocam diminuição da freqüência cardíaca;

c) Excitações psicológicas: alegria e raiva aumentam a freqüência cardíaca; a depressão pode diminuí-la;

d) Trabalho corporal físico: o esforço físico aumenta a atividade cardíaca.



ESQUEMA GERAL DO SISTEMA CARDIOVETOR



SÍSTOLE E DIÁSTOLE
O músculo cardíaco contrai-se periodicamente causando expulsão do sangue para as artérias e pulmões. A cada contração sucede um período de repouso, de afrouxamento das paredes, em que as cavidades novamente se enchem de sangue.

Sístole – é o nome que se dá ao período de contração cardíaca;

Diástole – é o período de relaxamento das paredes do coração.



ESQUEMA GERAL MOSTRANDO O FLUXO SANGUÍNEO EM CORTE DE CORAÇÃO



FISIOLOGIA CARDÍACA: CIRCULAÇÃO


Circulação pulmonar ou pequena circulação:
O sangue venoso sai do ventrículo direito pela artéria pulmonar que se ramifica em direita e esquerda, indo para os pulmões. Após a hematose, o sangue arterial retorna ao átrio esquerdo pelas quatro veias pulmonares (duas direitas e duas esquerdas). Função: oxigenar o sangue.
Circulação sistêmica ou grande circulação:
O sangue arterial sai do ventrículo esquerdo pela artéria aorta para todo o organismo a fim de abastecer as células com oxigênio e nutrientes. Após receber gás carbônico e excretas das células do organismo retorna ao átrio direito com sangue venoso pelas veias cava superior e inferior.








Temas para pesquisar:

- Pericardite

- Infarto do miocárdio

- Hipertensão arterial

- Insuficiência cardíaca

- Varizes

- Valvulopatias aórtica, mitral e tricúspide

- Aterosclesose




SISTEMA TEGUMENTAR

Sistema formado pela pele e seus anexos.


Funções: proteção, revestimento, controle da temperatura e sensibilidade.

Pele:


  • Adulto: área de aproximadamente 2 m2.

  • Espessura: 1 a 4 mm, e varia de acordo com a idade e região do corpo.

  • Distensibilidade: garantida pelas fibras colágenas e elásticas.



Epiderme:

Camada mais superficial, formada por células pavimentosas (achatadas) transformadas em queratina.


Queratina: proteína que protege a pele. (hidratação).
Derme:

Camada subjacente à epiderme, possui fibras elásticas e colágenas. Dá resistência à pele e é ricamente vascularizada.


Tela subcutânea (hipoderme):

Camada profunda, rica em tecido adiposo. Geralmente é mais espessa nas mulheres.


Evita perda de calor e serve de reserva de material nutritivo.

Glândulas anexas:

Glândulas sudoríparas:

Localizam-se na derme ou na tela subcutânea. Produzem o suor e assim, controlam a temperatura do corpo. Possuem ducto que se abrem os poros da pele.


Glândulas sebáceas:

Localizam-se na derme. Ausentes na região palmar e plantar. Sua secreção é o sebo, que lubrifica a pele e os pêlos.


Coloração da pele
Depende da quantidade de pigmentos, vascularização, e espessura dos estratos superficiais da pele.

Melanina: produzida pelos melanócitos é o pigmento mais importante, responsável pela coloração da pele, varia de acordo com a raça.

Anexos da pele

Pêlos:
Recobrem quase todo o corpo, auxiliam na proteção e na manutenção da temperatura corporal.


Partes dos pêlos:


  1. Haste: localizada acima da pele.




  1. Raiz: Alojada num tubo epidérmico denominado folículo piloso, localiza-se na derme ou na tela subcutânea.


Músculo eretor dos pêlos: músculo liso responsável pela ereção dos pêlos.

Unhas

São placas curvas queratinizadas, com função protetora. Repousam sobre o leito ungueal.


Estrutura:
Corpo: parte distal.

Raiz: proximal que fica oculta.




Temas para pesquisar:

- Câncer de pele

- Vitiligo

- Psoríase

- Hanseníase

- Micoses



SISTEMA TEGUMENTAR



  • Sistema formado pela pele e seus anexos.




  • Funções: proteção, revestimento, controle da temperatura e sensibilidade.



PELE:


  • Adulto: área de aproximadamente 2 m2.

  • Espessura: 1 a 4 mm, e varia de acordo com a idade e região do corpo.

  • Distensibilidade: garantida pelas fibras colágenas e elásticas.




    • Epiderme:

Camada mais superficial, formada por células pavimentosas (achatadas) transformadas em queratina.


Queratina: proteína que protege a pele. (hidratação).


  • Derme:

Camada subjacente à epiderme, possui fibras elásticas e colágenas. Dá resistência à pele e é ricamente vascularizada.




  • Tela subcutânea (hipoderme):

Camada profunda, rica em tecido adiposo. Geralmente é mais espessa nas mulheres.


Evita perda de calor e serve de reserva de material nutritivo.



  • Glândulas anexas:



  • Glândulas sudoríparas:

Localizam-se na derme ou na tela subcutânea. Produzem o suor e assim, controlam a temperatura do corpo. Possuem ducto que se abrem os poros da pele.




  • Glândulas sebáceas:

Localizam-se na derme. Ausentes na região palmar e plantar. Sua secreção é o sebo, que lubrifica a pele e os pêlos.



COLORAÇÃO DA PELE
Depende da quantidade de pigmentos, vascularização, e espessura dos estratos superficiais da pele.

Melanina: pigmento mais importante, responsável pela coloração da pele, varia de acordo com a raça.

ANEXOS DA PELE


PÊLOS:
Recobrem quase todo o corpo, auxiliam na proteção e na manutenção da temperatura corporal.
PARTES DOS PÊLOS:


  1. HASTE: localizada acima da pele.




  1. RAIZ: Alojada num tubo epidérmico denominado folículo piloso, localiza-se na derme ou na tela subcutânea.


Músculo eretor dos pêlos: músculo liso responsável pela ereção dos pêlos.


UNHAS

São placas curvas queratinizadas, com função protetora. Repousam sobre o leito ungueal.


Estrutura:
Corpo: parte distal.

Raiz: proximal que fica oculta.

TEMAS PARA PESQUISAR:
- Câncer de pele

- Vitiligo

- Psoríase

- Hanseníase



SISTEMA RESPIRATÓRIO

CONCEITO
Sistema adaptado a realizar as funções de captação, absorção e transporte de gases (oxigênio e gás carbônico).
DIVISÕES:
1. Porção condutora: é formada pela nasofaringe, laringe, traquéia, brônquios e bronquíolos.

2. Porção respiratória: formada pelos bronquíolos respiratórios, ductos alveolares e alvéolos.

ESTRUTURAS:
1. NARIZ:
1.1. Nariz externo: é visível externamente no plano mediano da face. Na base encontram-se as narinas separadas pelo septo nasal. Possui um esqueleto ósteo-cartilaginoso, além dos ossos nasais e porções das duas maxilas.
1.2. Cavidade nasal:
Comunica-se com o meio externo pelas narinas, e com a porção nasal da faringe pelas coanas.
Coanas: limite entre a porção nasal e a nasofaringe.
É dividida pelo septo nasal em metade direita e esquerda.
Septo nasal: formado pela cartilagem do septo nasal e pelas lâmina perpendicular do osso etmóide e vômer.
Conchas nasais: são projeções do seio etmoidais. São três: superior, média e a inferior. São recobertas pela mucosa nasal, umedecem e aquecem o ar.

1.3. Seios paranasais (seios da face):



  • São cavidades dos ossos frontal, etmóide e maxilas repletas de ar.


O nariz filtra substâncias de duas maneiras:




  1. Vibrissas (pêlos do nariz) – filtram os corpos mais grosseiros tais como insetos.

  2. Correntes de ar passando pela mucosa umedecida nos meatos, depositam partículas finas tais como poeira, fumaça e pó na parede. Essas partículas são subsequentemente levadas para a faringe e eliminadas.

A membrana mucosa do nariz continua anteriormente com a pele, cobrindo o vestíbulo e posteriormente, com a membrana mucosa da nasofaringe. A parte posterior da cavidade nasal e a nasofaringe são cobertas com epitélio ciliado. Os cílios ondulam para frente e para trás cerca de 12 vezes por segundo e ajudam o muco a limpar o ar. A porção superior do nariz está coberta com tecido neuroepitelial contendo as células olfatórias que funcionam na sensação do olfato. O fumo destrói este tecido e impede a filtração de secreções neste local propiciando o acúmulo desta e a proliferação de bactérias que podem causar infecções no trato respiratório.



O ar que entra para os pulmões deve ser aquecido, de outra forma, o tecido que reveste o trato respiratório funcionaria precariamente. A vascularização nasal tem a função de aquecimento do ar inspirado.
De forma geral tem-se que a cavidade nasal apresenta as seguintes funções:


    1. Reter substâncias do ar através das vibrissas (cílios nasais);

    2. Formar muco (que mantém a umidade natural da mucosa e auxilia na retenção de partículas);

    3. Pré-aquecer o ar inspirado através da rede venosa;

    4. Olfação através das células olfativas.



9 – seio esfenoidal

19 – sela túrsica

20 – artérias nasais posteriores, laterais e septais posteriores

21 – articulação atlantoaxial

22 – palato mole e a. palatinas menores

23 – seio frontal

24 – a. meníngea anterior

25 – a. etmoidal anterior

26 – ramo da a. etmoidal anterior

27 – a. dorsal do nariz

28 – ramo nasal a. etmoidal anterior

29 – canal incisivo com a. nasopalatina

30 – palato duro e a. palatina maior



2. FARINGE:


  • Tubo muscular associado ao sistema respiratório e digestório. Situa-se posteriormente á cavidade nasal, bucal e à laringe.



REGIÕES DA FARINGE:


  • Parte nasal (Nasofaringe): é superior e comunica-se com a cavidade nasal através das coanas.




  • Parte bucal (Orofaringe): parte média que se comunica com a boca através do istmo da garganta (ou das fauces).




  • Parte laríngica: parte inferior, situada posteriormente à laringe e ligada diretamente ao esôfago.




  • Na parede lateral da nasofaringe, localiza-se o óstio faríngico da tuba auditiva, limitado superiormente pelo tórus tubal.




  • A nasofaringe comunica-se com a cavidade timpânica do ouvido médio através da tuba auditiva.


3. LARINGE:


  • É anterior à faringe e ligada diretamente à traquéia.




  • Órgão tubular, situado no plano mediano anterior do pescoço, serve de via aerífera e também como órgão da fonação.

ESQUELETO DA LARINGE


  • Esqueleto cartilaginoso e formado por 9 cartilagens: três cartilagens ímpares (tireóidea, cricóide e epiglótica) e três pares (aritenóide, corniculada e cuneiforme).


1. Cartilagem cricóide: é ímpar, tem forma de anel e situa-se inferiormente à cartilagem tireóide.
2. Cartilagem tireóide: é a maior e formada por duas lâminas que se unem anteriormente em V.
3. Cartilagem aritenóide: uma de cada lado, assemelha-se com uma pirâmide com ápice superior, articula-se com a cartilagem cricóide.


  • Cartilagem epiglótica:

Fibrocartilagínea, é ímpar, fina e mediana, situa-se posteriormente à raiz da língua e cartilagem tireóide.





Fonte: Netter, F. Atlas de anatomia humana.


CAVIDADE DA LARINGE
É contínua com a laringe e divide-se em 3 partes:
1. Vestíbulo da laringe – acima das pregas vestibulares.
2. Ventrículo da laringe (seio laríngico):
São expansões laterais, acima das pregas vocais e entre as vestibulares.

3. Cavidade infraglótica:


Cavidade inferior da laringe, estende-se das pregas vocais até a cartilagem cricóide.

Pregas vocais:
As cordas vocais são constituídas por duas pregas músculo-membranosas de forma prismática que fecham em parte a abertura da laringe.
Estrutura das pregas vocais:

a) Ligamento vocal: tecido elástico espessado, margem livre do ligamento cricotireóideo lateral.


b) Músculo vocal: fibras musculares bem finas que formam a maior parte do músculo tireoaritenóideo

A B

Pregas vocais:A) abertas; B) fechadas



1   2   3   4   5


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal