ManutençÃo de volume tecidual da anêmona-do-mar, Bunodosoma cangicum, em baixas salinidades



Baixar 28.61 Kb.
Encontro09.08.2019
Tamanho28.61 Kb.





MANUTENÇÃO DE VOLUME TECIDUAL DA ANÊMONA-DO-MAR, Bunodosoma cangicum, EM BAIXAS SALINIDADES
Dias, V.M.; Souza, M.M.
Fisiologia Comparada
Palavras Chave: Cnidários, salinidades reduzidas, regulação de volume, K+

Resumo
Bunodosoma caissarum vive associada a substrato arenoso ou rochoso na zona entre marés, é incapaz de escapar de situações desfavoráveis que acontecem nessa região. Espécies deste gênero são conhecidas como tolerantes à salinidade. Assim, este trabalho teve o objetivo de avaliar se a espécie varia seu volume diante de oscilações de salinidades típicas da região entre marés. Exemplares de B. caissarum foram coletados na Praia do Cassino (Rio Grande, RS), e aclimatados a uma salinidade de 30‰, fotoperíodo 12C:12E.  22ºC. Após aclimatação, os animais foram submetidos às salinidades de 20 e 15 ‰ por 6 horas. Na 1ª hora de exposição o animal foi pesado a cada 15 min, depois da primeira hora voltou a ser pesado quando completou 6h de experimentação. Para a pesagem foi utilizada uma balança de 1 mg de precisão, e o animal era retirado do béquer, o excesso de água era removido com papel de filtro, e então pesado. Além das salinidades reduzidas foi avaliado também o efeito da salinidade de 15 com manutenção da concentração do íon K+, osmólito utilizado para manutenção de volume celular. As salinidades reduzidas (20 e 15‰) não alteraram o peso dos animais por 1h e nem por 6h (P= 0,916 e P= 0,32; respectivamente). Já na exposição à salinidade 15, com manutenção de K+, houve um aumento de volume progressivo, em 1h de exposição o peso foi de 111,8 ± 4,7 % (P, 0,001; n=8), passando para 123 ± 9,4 % (P, 0,001; n=8) com 6h de exposição. Nossos resultados indicam que B. cancigum apresenta alta capacidade de manutenção de volume celular quando em salinidades baixas. Quando o gradiente de saída de K+ foi impedido pela manutenção de sua concentração, foi observado ganho de peso, refletindo inchaço celular. Assim, podemos concluir que a manutenção do volume é dependente do efluxo de K+.


De 22 a 26 de outubro de 2012.

FURG - Campus Carreiros







©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal