Manual popular de dúvidas, enigmas e "contradições" da Bíblia



Baixar 2.59 Mb.
Página40/55
Encontro11.06.2018
Tamanho2.59 Mb.
1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   ...   55

2 Coríntios




2 CORÍNTIOS 3:7,13 - Moisés usava o véu ao falar com o povo, ou não?

PROBLEMA: Algumas versões da Bíblia dão a entender, em Êxodo 34:33, que quando Moisés falava com o povo de Israel, ele cobria o seu rosto com um véu. Contudo, em 2 Coríntios está claro que ele estava sem o véu, pois os filhos de Israel não podiam fitar a face dele, por causa da glória do seu rosto.

SOLUÇÃO: As traduções de Almeida não acarretam problema algum nesse ponto: "Tendo Moisés acabado de falar com eles, pôs um véu sobre o rosto" (Êx 34:33). Isso fica ainda mais claro no versículo 35: "Assim, pois, viam os filhos de Israel o rosto de Moisés, viam que a pele do seu rosto resplandecia; porém Moisés cobria de novo o rosto com o véu até entrar a falar com ele [Deus]". Então Moisés voltava, tirava o véu e falava com o povo, a ponto de eles não poderem suportar a glória refletida no seu rosto, por isso ele se cobria de novo e ia estar diante do Senhor (v. 34).

2CORINTIOS5:21 -Como Jesus foi feito pecado, sendo ele sem pecado?

PROBLEMA: Paulo afirma, a respeito de Jesus, que Deus "o fez pecado por nós". Entretanto, muitos outros textos das Escrituras insistem em que Jesus estava "sem pecado" (Hb 4:15; cf. 1 Pe 3:18). Mas como Jesus poderia estar sem pecado, se ele foi feito pecado por nós?

SOLUÇÃO: Jesus realmente sempre esteve sem pecado, mas foi feito pecado por nós judicialmente. Isto é, pela sua morte na cruz, ele pagou a penalidade por nossos pecados, cancelando o débito do pecado que havia contra nós. Assim, mesmo não tendo Jesus jamais cometido um pecado pessoalmente, ele se fez pecado por nós como nosso substituto. A questão pôde ser resumida da seguinte maneira:


CRISTO ERA SEM PECADO

CRISTO FOI FEITO PECADO

Em si mesmo

Por nós

Pessoalmente

Como nosso substituto

Realmente

Judicialmente



2 CORÍNTIOS 11:5 - Paulo foi o maior ou o menor dos apóstolos?

PROBLEMA: Paulo disse a seu respeito: "Porque penso que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos" (2 Co 11:5, SBTB). Mas em outro versículo ele nos fez acreditar que ele era "o menor dos apóstolos" (1 Co 15:9). Uma dessas duas afirmativas não pode ser então verdadeira.

SOLUÇÃO: Paulo está falando em diferentes contextos. Numa das passagens ele está falando a respeito de sua capacidade, de seu treinamento e de seu zelo. Entretanto, diferentemente dos demais apóstolos, Paulo tinha perseguido a Igreja de Cristo antes da sua conversão e, portanto, considerava-se indigno até mesmo de ser um apóstolo (cf. Gl 1:13; At 9:1). Assim, a respeito de seu antagonismo a Cristo anteriormente à conversão, ele corretamente considerou-se "o menor dos apóstolos".

Gálatas




GÁLATAS 1:15-16 - Nessa passagem, Paulo está ensinando a reencarnação?

(Veja os comentários de Jeremias 1:5.)



GÁLATAS 3:13 - Cristo foi abençoado ou amaldiçoado?

PROBLEMA: Paulo declara que perante Deus Cristo foi amaldiçoado, "fezendo-se ele próprio maldição em nosso lugar". Entretanto, a Bíblia declara repetidamente que Jesus é "bem-aventurado" (cf. SI 72:17), o único digno de receber "glória e louvor" eternamente (Ap 5:12).

SOLUÇÃO: Essas passagens focalizam Cristo sob diferentes aspectos. Ele é abençoado no céu, mas na terra tornou-se uma maldição por nossa causa. Ele é abençoado em si mesmo, mas foi amaldiçoado em nosso lugar na cruz. Realmente, como o perfeito Filho de Deus, Cristo é o miais bem-aventurado de todos os homens. Contudo, judicialmente, ao tornar-se o nosso substituto, foi o mais amaldiçoado de todos. A diferença manifesta-se no seguinte contraste:

CRISTO FOI BEM-AVENTURADO PERANTE DEUS

CRISTO FOI AMALDIÇOADO PERANTE DEUS

Realmente

Judicialmente

Por quem ele é

Pelo que fez por nós

No céu

Na cruz

Pela pessoa que é

Pela morte que sofreu



GÁLATAS 3:17-Será que Paulo errou a respeito do tempo decorrido de Abraão até quando a Lei foi dada?

PROBLEMA: Em Gálatas 3:17, o apóstolo afirmou que decorreu um período de 430 anos de quando Deus fez suas promessas a Abraão (Gn 12:1-3) - o que foi por cerca do ano 2000 a.C. - até o momento em que ele deu a Lei a Moisés- o que foi por volta de 1450 a.C. Isso seria um erro, pois a diferença é de mais de 100 anos.

SOLUÇÃO: O tempo a que Paulo se referiu não foi a partir de quando Deus de início fez a aliança com Abraão (Gn 12-15), mas de quando ela posteriormente/o; confirmada a Jacó (Gn 46), o que se deu por volta de 1877 a.C. Como o êxodo ocorreu por volta de 1447 a.C. (cf. 1 Rs 6:1), resulta uma diferença de exatamente 430 anos.

Há uma boa indicação de que Paulo estaria referindo-se ao tempo da confirmação feita com Jacó, e não ao tempo de quando ela foi estabelecida com Abraão. O texto refere-se com clareza aos 430 anos depois de ser a aliança "confirmada por Deus" (Gl 3:17). Assim, esse período é o que decorre de quando Deus reafirmou as promessas que fizera a Abraão, para a sua descendência (sua semente), na pessoa de Jacó. Isso está em Gênesis 46:2-4, e ocorreu cerca de 430 anos antes dos filhos de Israel saírem do Egito.



GÁLATAS 6:5 - Devemos levar as cargas dos outros, ou a nossa?

PROBLEMA: Em Gaiatas 6:2, Paulo exorta-nos dizendo: "Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo". Mas, poucos versículos depois, ele diz: "cada qual levará a sua própria carga" (v. 5, SBTB).

SOLUÇÃO: A palavra "carga" tem um sentido diferente em cada caso. No primeiro versículo, Paulo recomenda simpatia pelos outros. No segundo, ele está falando de assumirmos responsabilidade por nós mesmos. Não há conflito algum entre sermos responsáveis por nossas próprias vidas e sermos colaboradores de outras pessoas.



1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   ...   55


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal