Manual popular de dúvidas, enigmas e "contradições" da Bíblia


ATOS 1:18 - Como foi que Judas morreu?



Baixar 2.59 Mb.
Página37/55
Encontro11.06.2018
Tamanho2.59 Mb.
1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   ...   55

Atos




ATOS 1:18 - Como foi que Judas morreu?

(Veja os comentários de Mateus 27:5.)



ATOS 2:16-21 - Pedro errou ao citar Joel?

PROBLEMA: Em Atos 2, chega o Pentecostes, e os discípulos são cheios do Espírito Santo. Em resposta às críticas, Pedro diz que o que eles ouvem e vêem o que foi dito por intermédio do profeta Joel" (cf. Jl 2:28-32). Contudo, na passagem que Pedro cita, há eventos que não aconteceram no dia de Pentecostes, como a conversão da lua em sangue. Será que Pedro errou nessa ocasião?

SOLUÇÃO: Primeiro, Pedro estava simplesmente mostrando que o Pentecostes envolvia um cumprimento parcial ou inicial de Joel 2:28-32. Esse cumprimento parcial refere-se à habitação interior do Espírito Santo nos crentes. E foi precisamente isso que aconteceu no dia de Pentecostes. Em Joel, Deus diz: "derramarei o meu Espírito sobre toda a carne... derramarei o meu Espírito naqueles dias" (Jl 2:28-29). E de fato Deus derramou o seu Espírito naquele dia de Pentecostes.

Segundo, a referência de Pedro foi para indicar que os últimos dias tinham começado (cf. Hb 1:1-2; 2:4). As maravilhas lá no céu e os sinais em baixo na terra (At 19-21) deverão acontecer mais tarde na história deste mundo, no tempo da segunda vinda de Cristo. Observe que tais coisas acontecerão "antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor" (v. 20), o que ainda está no futuro (cf. Mt 24:lss).



ATOS 2:34 - Davi está no céu, ou não?

PROBLEMA : Pedro parece querer dizer que Davi não estava no céu. Ele disse: "Davi não subiu aos céus". Contudo, a Bíblia indica que Davi foi um servo escolhido por Deus (At 13:22), que obviamente foi estar com 0 seu Senhor quando morreu (cf. Mt 22:42-46).

SOLUÇÃO: Pedro não está falando da alma de Davi, mas do seu corpo. A alma de Davi está no céu junto com todos os outros crentes, mas o seu corpo está ainda na sepultura (At 2:29). Como o corpo de Davi ainda não ressuscitou, é claro que ele ainda não "ascendeu" corporalmente ao céu. É por essa mesma razão que Jesus disse a Maria: "Ainda não subi para meu Pai" (Jo 20:17).

No dia em que Jesus morreu, o seu espírito foi estar com o Pai (veja Lc 23:43, 46). Assim, o seu espírito estava com o Pai, mas o seu corpo não tinha ainda ascendido ao céu quando Ele falou com Maria. A ascensão corporal aconteceu algumas semanas depois (cf. At 1:3; 9-10). (Veja ainda os comentários de Efésios 4:9.)



ATOS 2:38 - Pedro declarou que o batismo é necessário para a salvação? PROBLEMA: Pedro parece estar dizendo que aqueles que responderam à sua palavra teriam de arrepender-se e ser batizados antes de receberem o Espírito Santo. Mas isso é contrário ao ensino de Paulo, de que o batismo não é parte do Evangelho (1 Co 1:17) e que somos salvos pela fé somente (Rm 4:4; Ef 2:8-9).

SOLUÇÃO: Isso se resolve quando consideramos o possível significado de ser batizado "para" a remissão dos pecados, à luz do seu uso, de todo o contexto e do resto das Escrituras. Considere o seguinte:

Primeiro, a palavra "para" (eis) pode significar "com vistas a" ou até mesmo "por causa de". Nesse caso, o batismo na água seria por causa de eles terem sido salvos, não para que fossem salvos.

Segundo, as pessoas são salvas por receberem a palavra de Deus, e os que ouviram a Pedro "aceitaram a palavra com prazer" antes de serem batizados (At 2:41).

Terceiro, o versículo 44 fala de "todos os que creram" como constituintes da igreja primitiva, e não fala de todos os que foram batizados.

Quarto, mais tarde, pessoas que creram na mensagem de Pedro claramente receberam o Espírito Santo antes de terem sido batizadas. Pedro disse: "Porventura, pode alguém recusar a água, para que não sejam batizados estes que, assim como nós, receberam o Espírito Santo?" (At 10:47).

Quinto, Paulo separa o batismo do Evangelho, dizendo: “Porque não me enviou Cristo para batizar, mas para pregar o Evangelho (1 Co 1:17), pois é o Evangelho que nos salva (Rm 1:16)”. Portanto, o batismo não faz parte do que nos salva.

Sexto, Jesus referiu-se ao batismo como uma obra de justiça (Mt 3:l5).-Mas a Bíblia com clareza declara que não é "por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou"(Tt 3:5)

Sétimo, nem uma só vez em todo o Evangelho de João, escrito explicitamente para que as pessoas pudessem crer e ser salvas (Jo 20:31), ele menciona o batismo como necessário para a salvação. Ele simplesmente diz vez após vez que as pessoas têm de "crer" para serem salvas (cf.Jo3:16,18,36).

Em vista de todos esses fatores é melhor entendermos as palavras de Pedro da seguinte forma: "Arrependei-vos e sede batizados considerando o perdão dos pecados". Fica claro - pelo contexto e pelo restante das Escrituras - que esta "consideração" é retrospectiva, ou seja, feita à luz dos pecados, já perdoados após a salvação. Crer (ou arrepender-se) e ser batizado são colocados juntos, já que o batismo deve vir depois da crença. Mas em parte alguma está escrito: "aquele que não é batizado será condenado"(cf. Mc 16:16). Contudo, Jesus disse enfaticamente que "o que não crê já está julgado" (Jo 3:18). Portanto, nem Pedro nem o restante das Escrituras fazem do batismo uma condição para a salvação.

ATOS 2:44-45 - Os cristãos primitivos praticaram o comunismo?

PROBLEMA: Alguns concluíram que os cristãos primitivos estavam praticando uma forma de comunismo, porque eles "vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos" e "tinham tudo em comum". Entretanto, até mesmo os Dez Mandamentos pressupõem o direito à propriedade privada, proibindo o "roubo" e até mesmo a "cobiça" do que pertence a outra pessoa (Êx 20:15,17).

SOLUÇÃO: Há várias razões para se acreditar que essa passagem não está ensinando uma permanente forma de comunismo ou socialismo cristão. Primeiro, essa passagem não é prescritiva, ela é simplesmente descritiva. Em parte alguma ela estabelece essas coisas como sendo normativas. Ela tão-somente descreve o que os crentes estavam fazendo.

Segundo, até onde o texto indica, aquele procedimento era apenas temporário, e não permanente. Aparentemente eles estavam juntos em Jerusalém, já que foi lá que o Espírito Santo desceu e a primeira grande conversão a Cristo ocorreu. A necessidade de viverem juntos longe de casa ocasionam tais medidas na comunidade.

Terceiro, as medidas para a comunidade eram voluntárias. Não há indicação no texto de que seriam compulsórias. Aparentemente era apenas uma conveniência temporária e voluntária para o progresso do Evangelho naqueles primeiros e cruciais dias da Igreja cristã.

Quarto, a venda de propriedades e a entrega do dinheiro era apenas parcial. No texto está implícito que eram vendidas apenas as terras e outras propriedades excedentes, e não suas próprias residências. Por fim, todos eles acabaram deixando Jerusalém, para onde tinham ido por causa da festa de Pentecostes (At 2:1), e voltaram para suas casas, que se espalhavam por todo o mundo (cf. At 2:5-13).



ATOS 3:21 - Todas as coisas serão restauradas a Deus, ou apenas algumas coisas?

PROBLEMA: Por um lado, esse versículo fala da "restauração de todas as cousas", o que parece demonstrar que finalmente todos serão salvos. Por outro lado, as Escrituras declaram que muitos se perderão (Mt 25:41; Ap 19:20-20:15). Será que todos serão realmente salvos?

SOLUÇÃO: Deus deseja que todos se salvem (1 Tm 2:4; 2 Pe 3:9). Entretanto, alguns simplesmente não estão querendo aceitar a graça de Deus (cf. Mt 23:37). Como Deus é amor (1 Jo 4:16) e os seres humanos são livres, Deus não pode forçá-los a amá-lo espontaneamente. Liberdade forçada é uma contradição em si. Portanto, Deus permitirá àquele que não se arrependeu que siga o seu caminho. Aqueles que não dizem a Deus: "faça-se a tua vontade", um dia ouvirão Deus lhes declarar: "seja feita a vontade de vocês". Tal é a natureza do inferno.

Em parte alguma da Bíblia há qualquer base para sustentar esperança por aqueles que se recusam a aceitar o amor de Deus. Um Deus de amor não pode forçar ninguém a amá-lo. Amor forçado também é uma contradição em si. O amor sempre atua de forma persuasiva, mas nunca coercivãmente (veja também os comentários de Colossenses 1:20).

O que então significa essa "restauração de todas as cousas"? Nesse versículo, ao falar da "restauração de todas as cousas, de que Deus falou por boca dos seus santos profetas desde a antigüidade"(At 3:21), Pedro está-se referindo à "aliança que Deus estabeleceu com vossos pais [judeus], dizendo a Abraão: 'Na tua descendência, serão abençoadas todas as nações da terra' " (At 3:25). Essa aliança com Abraão era incondicional e incluía a promessa da posse da terra da Palestina "para sempre" (Gn 13:15).

É, portanto, ao cumprimento futuro dessa aliança com Abraão que Pedro se refere, bem como à restauração de todas as coisas a Israel, e não à salvação de todas as pessoas (veja também os comentários de Rm 11:26-27).



ATOS 4:12 - Cristo é o único caminho para a salvação?

PROBLEMA: Pedro declara que "não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos". Mas não é isso um exclusivismo estreito? O que dizer quanto aos pagãos sinceros ou aos budistas? Deus vai mandá-los para o inferno?

SOLUÇÃO: Várias observações são relevantes nessa questão. Primeiramente, a sinceridade não é um bom teste da verdade. Muita gente pode e tem estado sinceramente errada em muitas coisas (Pv 14:12).

Segundo, toda verdade é exclusiva. A verdade que "dois mais três são cinco" é muito exclusiva também. Ela não permite nenhuma outra conclusão. O mesmo é verdade a respeito de afirmativas de valor, tais como "racismo é errado" e "não se deve ser cruel". Tais afirmações não aceitam nenhuma alternativa.

Terceiro, toda declaração de uma verdade é exclusiva. Por exemplo, se o humanismo é verdadeiro, então todo não-humanismo é falso. Se o ateísmo é verdadeiro, então todos os que acreditam em Deus estão errados. Toda afirmativa de uma verdade exclui a que lhe é oposta. Portanto se Jesus é o único caminho para Deus, então não há outros caminhos. Isso não é mais exclusivo do que nenhuma outra afirmativa. A questão é se tal declaração é verdadeira.

Quarto, Jesus e o NT com toda clareza e repetidamente enfatizam Jesus é o único caminho para a salvação. (1) Jesus disse: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (Jo 14:6).

Jesus declarou também ser a porta (Jo 10:9), insistindo que "o que não entra pela porta no aprisco das ovelhas... esse é ladrão e salteador" (vj 1) (3) O apóstolo Pedro acrescentou: "E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos" (At 4:12). (4) Paulo, ainda, argumentou que "há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem" (l Tm 2:5).

ATOS 4:34-35 - Os cristãos primitivos praticaram o comunismo?

(Veja os comentários de Atos 2:44-45.)



ATOS 5:31 - O arrependimento é uma dádiva de Deus ou um ato humano?

(Veja o que é apresentado sobre 2 Timóteo 2:25.)



ATOS 5:36-37- Lucas não comete um erro a respeito de Teudas e Judas?

PROBLEMA: Em Atos, um fariseu chamado Gamaliel faz menção de um tal de Teudas e de um Judas da Galiléia. Contudo, o historiador judeu Josefo, do primeiro século, também se refere a Teudas e a Judas. Alguns pensam que há uma discrepância entre os indivíduos referidos por Gamaliel e os referidos por Josefo.

SOLUÇÃO: Primeiro, com referência a Teudas, o relato de Lucas e o de Josefo não falam da mesma pessoa. O Teudas do relato de Josefo revoltou-se no ano 44 a.D., ao passo que o mencionado em Atos revoltou-se antes do recenseamento que se realizou por volta de 7 a.D. (cf. At 5:37). Em outras palavras, houve dois homens diferentes que se chamavam Teudas. Sabemos disso porque este precedeu Judas da Galiléia, que surgiu durante os dias do recenseamento. Portanto, o Teudas a que Gamaliel se refere não é o mesmo mencionado por Josefo.

Segundo, a respeito de Judas da Galiléia, não há discrepância entre Gamaliel e Josefo. Uma vez esclarecida a questão de Teudas, a de Judas também se esclarece. O Teudas de que fala Gamaliel não é o de que fala Josefo. Contudo, Josefo refere-se ao mesmo Judas mencionado por Gamaliel porque considera-se que este falou por volta do ano 33 a.D., e esse período de tempo é bem anterior ao Judas do ano 44 a.D., referido por Josefo. Não há contradição a respeito de Judas, porque Gamaliel e Josefo referem-se à mesma pessoa.



ATOS 7:14 - Por que esse texto diz "setenta e cinco pessoas", se Êxodo 1:5 diz que eram "setenta pessoas"?

PROBLEMA: De acordo com Êxodo 1:5, foram apenas 70 descendentes que desceram ao Egito com Jacó. Mas, quando Estêvão relata esse mesmo incidente em Atos 7:14, ele dá o número de 75 pessoas. Isso parece uma clara contradição.

SOLUÇÃO: Há várias possíveis maneiras de se explicar a diferença de números. Alguns eruditos sugerem que Atos 7:14 está incorreto em sua afirmativa de que eram 75 pessoas. Eles observam que tanto a tradução grega da Bíblia (Septuaginta) como um manuscrito hebreu encontrado na região do Mar Morto usam o número 75, tal como Estêvão disse.

Outros sugerem que Lucas, com todo cuidado, registrou o sermão de Estêvão, contudo este teria cometido um erro. Assim, a passagem de Atos é um registro fiel do discurso em que Estêvão cometera esse engano. O relato paralelo de Gênesis 46:27 também dá o número como sendo 70. A maior objeção a essa posição é o fato de que a inclusão feita por Lucas desse discurso traz consigo a implicação de que o que foi dito seja correto. Ainda, o texto afirma que Estêvão estava "cheio do Espírito Santo" quando ele proferiu a sua preleção (7:55).

Outro ponto de vista alega que a diferença pode ser explicada pelo fato de que Estêvão provavelmente estivesse citando com base na Septuaginta (a versão grega do AT), que afirma: "Todas as almas descendentes de Jacó eram setenta e cinco" (Êx 1:5), e não com base na versão hebraica, que afirma: "Todas as pessoas, pois, que descenderam de Jacó foram setenta; José, porém, estava no Egito". A diferença surge em função da maneira como os totais são calculados.

Jacó tinha doze filhos. Acrescentando-se os seus netos e bisnetos, o total é 66. Acrescentando-se Efraim e Manasses, que nasceram de José no Egito, o total chega a 68. Com Jacó e sua esposa dá 70, como o texto hebraico registra. A Septuaginta, contudo, começando com os 12 filhos de Jacó, acrescenta seus 54 netos e bisnetos, que dá 66; acrescenta ainda os sete descendentes de José, que provavelmente eram filhos de Efraim Manasses, e que nasceram algum tempo depois da migração de Jacó ao Egito, mas antes da sua morte. A Septuaginta omitiu também Jacó e sua mulher. Isso dá um total de 75 pessoas, como Estêvão mencionou na passagem de Atos.








TEXTO HEBRAICO

TEXTO GREGO

Jacó e sua esposa

2

Não contados

Filhos de Jacó

12

12

Netos e bisnetos de Jacó

54

54

Filhos de José:

Efraim e Manassés



2

2

Outros descendentes

de José no Egito



Não contatods

7

TOTAL

70

75



ATOS 15:20 - Essa passagem ensina que é pecado receber uma transfusão de sangue?

PROBLEMA: A habilidade da medicina moderna de manter a vida por meio dá transfusão de sangue é uma prática comum, que sem dúvida tem sido usada por cristãos. Entretanto, esse versículo é usado por alguns grupos religiosos, tais como as Testemunhas de Jeová, para sustentar que as transfusões de sangue não estão de acordo com a vontade de Deus.

SOLUÇÃO: Essa passagem está falando acerca da restrição do AT quanto a comer ou beber sangue (Gn 9:3-4; cf. At 15:28-29). Entretanto, uma transfusão não é nem o ato de "comer" nem o de "beber" sangue. Isso é claro em vista de vários fatos. Primeiro, muito embora um médico possa dar alimento a um paciente por via intravenosa e chamar isso de "alimentação", não é o caso de dizer que dar sangue por via intravenosa seja também "alimentação", já que o sangue não é recebido no corpo como "alimento".

Segundo, referir como sendo "comer" o ato de dar um alimento diretamente na corrente sangüínea é apenas uma figura de linguagem. Embora o alimento seja absorvido no sangue de uma maneira semelhante àquela feita por meio das funções digestivas normais, comer é o ato literal de tomar um alimento de maneira normal pela boca, passando pelo sistema digestivo. A razão por que as injeções intravenosas são consideradas "alimentação" é que o corpo recebe os mesmos nutrientes que ele receberia ingerindo-os normalmente. Isso é semelhante à prática de se chamar um alimento de "saudável". O alimento não é realmente saudável, porque a saúde é uma característica dos seres vivos, não de alimentos. Mas chamamos um alimento de "saudável" porque ele proporciona saúde.

Terceiro, a única maneira possível de entender a palavra "comer", tanto no AT como no NT, é tomá-la como referindo-se ao processo de levar alguma coisa para o corpo, como alimento, através da boca e do sistema digestivo. Isso é evidente, já que a tecnologia que permitiu a aplicação de injeções intravenosas não tinha sido inventada no tempo em que aquelas passagens foram escritas.

Quarto, é claro que essa passagem do AT não diz respeito primariamente ao ato de comer sangue, mas sim ao fato de que há vida no sangue. Levítico 17:10-12 torna isso claro:


Qualquer homem da casa de Israel ou dos estrangeiros que peregrinam entre eles, que comer algum sangue, contra ele me voltarei e o eliminarei do seu povo. Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pelas vossas almas: porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida. Portanto tenho dito aos filhos de Israel: nenhuma alma de entre vós comerá sangue, nem o estrangeiro, que peregrina entre vós, o comerá.
As proibições em Gênesis 9:3-4 e em Levítico 17:10-12 foram primariamente dirigidas contra comer carne fresca ainda pulsando com vida, porque o sangue vivo estava ainda nela. Mas a transfusão de sangue não é o ato de comer carne com o sangue vivo ainda nela.

Finalmente, a proibição em Atos não foi necessariamente dada como uma lei pela qual os cristãos teriam de viver, porque o NT ensina claramente que não estamos debaixo da lei (Rm 6:14; Gl 4:8-31). Antes, o concilio de Jerusalém teve a preocupação de aconselhar os cristãos gentios a respeitar seus irmãos judeus por meio da observação dessas práticas, para que assim não fossem "causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus" (1 Co 10:32).

De qualquer maneira, a restrição de forma alguma pode ser interpretada como uma proibição das transfusões sangüíneas.

ATOS 16:1-3 - Por que Paulo fez com que Timóteo fosse circuncidado, já que o próprio apóstolo se pronunciou tão fortemente contra a circuncisão?

PROBLEMA: O ponto principal de Paulo em Gaiatas pode ser resumido com suas palavras: "Se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará" (Gl 5:2). Contudo, Paulo admite ter feito com que Timóteo se circuncidasse "por causa dos judeus daqueles lugares" (At 16:3). Isso não foi uma contradição ao seu próprio ensino?

SOLUÇÃO: Mesmo que Paulo estivesse errado pelo que fez, isso não seria uma prova de que a Bíblia tenha errado em seu ensino, mas simplesmente de que Paulo errou. O apóstolo, como qualquer outro ser humano, era sujeito ao erro. Como a Bíblia é a Palavra de Deus (veja Introdução), ela não pode errar em nada do que ensina.

Além disso, a ação de Paulo, fazendo Timóteo circuncidar-se, não é necessariamente inconsistente com o que ele ensinou em Gaiatas, já que o$ dois casos são diferentes. Paulo se opunha violentamente a quem quer que fizesse a circuncisão como necessária para a salvação. Mas ele não se opôs a ela como proveitosa para a evangelização. De fato, Paulo disse também: "Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não e&teja eu debaixo da lei" (1 Co 9:20). Entretanto, quando os judaizantes insistiram que "se não vos circuncidardes segundo o costume de Moisés, não podeis ser salvos" (At 15:1), então Paulo tomou uma obstinada posição contrária à circuncisão.



ATOS 16:6 - Por que o Espírito Santo proibiu Paulo de pregar na Ásia, uma vez que Jesus disse para ir por todo o mundo?

PROBLEMA: Jesus ordenou aos seus seguidores para fazer "discípulos de todas as nações" (Mt 28:19) e para serem testemunhas dele "até aos confins da terra" (At 1:8). Mas em Atos 16 Paulo e Timóteo foram "impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia" (v. 6).

SOLUÇÃO: Paulo foi impedido apenas de imediato. Deus tinha uma rota mais estratégica para o Evangelho, passando primeiro pela Europa (At 16:9). Posteriormente, entretanto, em decorrência dessa estratégia, o Evangelho chegou até a Ásia e a cada lugar por intermédio dos convertidos de Paulo na Europa (cf. 1 Ts 1:7) e por meio do próprio Paulo (At 19:10, 22, 26; 20:4, 16,18; 1 Co 16:19). Dessa forma, a proibição foi apenas temporária, não permanente.

ATOS 17:28 - Por que Paulo citou um poeta pagão, não inspirado?

(Veja os comentários de Tito 1:12.)



ATOS 20:9-10 - Como Êutico podia estar morto, se ele tinha vida em si?

PROBLEMA: O versículo 9 diz que ele "foi levantado morto". Mas já no versículo seguinte Paulo disse: "a vida nele está".

SOLUÇÃO: A vida estava nele somente depois de Paulo ter realizado o milagre (v. 10), não antes (v. 9).

ATOS 23:5 - Paulo mentiu quando disse que não conhecia o sumo sacerdote?

PROBLEMA: O sumo sacerdote Ananias deu ordem que batessem na boca de Paulo. O apóstolo censurou-o por ter agido assim, e aqueles que estavam por perto condenaram Paulo por injuriar o sumo sacerdote. Paulo respondeu declarando "Não sabia... que ele é sumo sacerdote" (At 23:5). Mas isto seria altamente improvável, já que o próprio Paulo era um membro do sinédrio judeu e trabalhava junto com ele antes de sua conversão (At 9:1-3).

SOLUÇÃO: Há várias posições diante desta passagem. Alguns sugerem que é possível que Paulo não conhecesse o sumo sacerdote pessoalmente, mesmo tendo sido antes um membro do conselho judeu. Outros alegam que Paulo talvez tivesse uma visão sofrível (quem sabe o seu "espinho no carne") e assim não teria podido reconhecê-lo. Outros ainda crêem que Paulo teria mentido para livrar-se de uma má situação, já que os apóstolos também estavam sujeitos ao pecado (Gl 2:11-13). Neste caso, Atos estaria simplesmente dando-nos um relato fiel do pecado de Paulo.

Parece ser mais plausível, entretanto, considerar a afirmação de Paulo como sarcástica, mas não falsa. Neste caso, a sua afirmação "Não sabia ... que ele é sumo sacerdote" poderia ser parafraseada mais ou menos assim: "Este é o sumo sacerdote da Lei de Deus? Como é que eu poderia saber isso se, contrariamente à Lei, ele mandou que me batessem?!"






1   ...   33   34   35   36   37   38   39   40   ...   55


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal