Manual de Terapia Nutricional I introdução



Baixar 115.75 Kb.
Encontro29.03.2018
Tamanho115.75 Kb.

Manual de Terapia Nutricional

I Introdução:
A metade dos pacientes internados em hospitais públicos brasileiros está desnutrida, dados levantados por um estudo multicêntrico envolvendo 23 hospitais de diferentes regiões do Brasil (Ibranutri, 1.996). Este mesmo estudo mostra o quanto temos negligenciado nossos pacientes da Terapia Nutricional: 85% dos pacientes não tinham qualquer referência sobre seu estado nutricional, e somente 10% dos pacientes receberam nutrição enteral, número considerado baixo pela literatura especializada.
Por outro lado, a desnutrição se mostra como um fator extremamente negativo para a evolução clínica de uma maneira geral, isto porque seus efeitos deletérios são sentidos em todos os sistemas orgânicos, tornando o indivíduo desnutrido incapaz de se adaptar adequadamente a situações de “stress”. Consequentemente, nessa população de pacientes, a morbi-mortalidade chega a dobrar quando comparada a indivíduos com a mesma patologia, nutridos, o que se reflete num tempo de intrnação prolongada e num alto custo hospitalar, bem como social.
Se de um lado a desnutrição se mostra deletéria, a adequada Terapia Nutricional já é um cuidado que não podemos negligenciar. Dados suportando tal afirmação estão disponíveis na literatura desde a década de 70.
Assim, o Ministério da Saúde criou uma portaria que exige que todo hospital tenha uma equipe direcionada para o adequado suporte nutricional dos seus pacientes. A abrangência da atuação de uma Equipe Multidisciplinar em Terapia Nutricional vai desde garantir a confiabilidade e segurança em relação à fonte dos produtos utilizados, até conduzir adequadamente o suporte nutricional, avaliando periodicamente os pacientes desnutridos ou sob risco de desnutrição intra-hospitalar, clinica e laboratorialmente.
No Hospital de Clínicas da Unicamp, o serviço está ainda sendo estruturado. O GAN – Grupo de Apoio Nutricional, dentro da nossa realidade, coloca-se à disposição do corpo clínico para esclarecimentos teóricos e práticos, bem como avaliação e seguimento dos pacientes que se julgue necessário.

Colocamos aqui, algumas noções básicas de Terapia Nurtricional, noções estas práticas e de extrema importância para nossos pacientes, mas que frequentemente não são observadas no dia-a-dia. Este manual não pretende ser absoluto e muito menos definitivo, estando sujeito a alterações periódicas, visando o aprimoramento das informações e a boa prática da Terapia Nutricional no Hospital das Clínicas da Unicamp.



II. Necessidades Calóricas:
1. Equação de Harris Benedict (1.901): Calcula-se a Taxa Metabólica Basal (TMB), multiplicada pelo Fator Atividade (FA), pelo Fator de Lesão (FL e pelo Fator Térmico (FT):
# TMB: ♀: 655,1 + 9,5 x Peso (kg) + 1,8 x Altura (cm) – 4,7 x idade (anos)
♂: 66,5 + 13,8 x Peso (kg) + 5 x altura (cm) – 6,8 x idade (anos)
# Fator Atividade: Acamado: 1,2

Acamado + móvel: 1,25


Deambulando: 1,3
# Fator Lesão: Paciente não complicado: 1

Pós operatório oncológico: 1,1

Fratura ossos longos: 1,2

Sepse moderada: 1,3

Peritonite: 1,4

Politrauma em reabilitação: 1,5

Politrauma + Sepse: 1,6

Queimadura 30 a 50%: 1,7


Queimadura 50 a 70%: 1,8

Queimadura 70 a 90%: 2


# Fator Térmico: 38°: 1,1

39°: 1,2


40°:1,3

41°: 1,4


Gasto Energético Total: TMB x FA x FL x FT



2. “Regra de Bolso”: 25 a 35 calorias / kg / dia, lembrando que em situações especiais deveremos usar números mais próximos de 25 (paciente criticamente enfermo), ou 20 a 40% além do calculado, quando o objetivo é o ganho de peso, em paciente sem “stress” metabólico.

Observações: 1.. 30% do Valor Calórico Total (VCT) são fornecidos como lipídeos, número que pode chegar a até 50% do VCT em situações especiais. Não se deve fornecer mais de 2g/kg/dia ou mais que 60% do VCT na forma de lipídeos.
2. A taxa de oxidação da glicose é estimada em 4 a 5 mg/kg/min.

A administração de glicose em valores próximos ou maiores que este, predispõe à ocorrência de hiperglicemia e seus efeitos metabólicos indesejáveis, necessitando vigilância cuidadosa.



III. Necessidades Protéicas:
Variam de acordo o com o “stress”metabólico, sendo mais altas quanto maior for o grau de stress:

Sem Stress: 0,5 a 1 gr/kg/dia


Stress Moderado (pós-operatório com SIRS leve) : 1 a 1,5g/kg/d
Stress grave (politraumatizado, sepse grave): 1,5 a 2 g/kg/d

Stress severo (grande queimado): >2g/kg/d

# Restrição proteica e o paciente com insuficiência renal: indicada somente nos casos crônicos, onde se almeja protelar o início da hemodiálise. No paciente em Insuficiência Renal Aguda não se indica restrição proteica, mas sim o aporte indicado para o grau de stress metabólico conforme discutido acima.
# Restrição proteica e o paciente com insuficiência hepática: indicada somente se o paciente está em encefalopatia, ou já a apresentou em algum momento.

#A restrição proteica inadvertida tem sérias consequências para a evolução clínica a médio prazo.

III. Monitoramento da Terapia Nutricional:


  1. Clínica:

Diariamente, observar grau de hidratação do paciente, sinais clínicos de distúrbios hidroeletrolíticos, ocorrência de edema, alterações do nível de consciência, curva térmica, número de evacuações e propedêutica abdominal. Sempre que possível, solicitar controle de diurese e cálculo do balanço hídrico.




  1. Laboratorial: -

Ao se instituir a Terapia Nutricional, seja Enteral ou Parenteral, além da dosagem eletrolítica, do hemograma, da função renal e da dosagem das proteínas plasmáticas, deve-se também solicitar dosagem de colesterol total e triglicérides, como parte da avaliação nutricional inicial.

Pelo menos semanalmente, solicitar hemograma, dosagem de Sódio, Potássio, Cálcio, Magnésio, Fósforo, Uréia, Creatinina e Albumina. Se o paciente está em Nutrição Parenteral Total Prolongada, solicitar a cada 15 dias, dosagem de transaminases e bilirrubinas.

Deve-se estar sempre atento à Síndrome do Roubo Celular, também conhecida como a Síndrome da Realimentação: uma vez ofertados os macronutrientes, estes serão incorporados a membranas, proteínas estruturais, e enzimas a nível celular, para o que os eletrólitos são indispensáveis, podendo ocorrer queda importante dos níveis séricos dos mesmos, com todos os riscos imediatos associados.

Estando o paciente estável, tendo atingido o aporte calórico-protéico desejado, com exames mantendo a normalidade por duas ou três semanas, os exames podem ser espaçados para 15 dias, situação esta mais frequente quando o paciente está em assistência domiciliar.


IV. Terapia Nutricional Enteral (TNE):


  1. Indicações:

Pacientes impossibilitados de ingestão oral, seja por patologias do trato gastro-intestinal alto, por intubação oro-traqueal, por distúrbios neurológicos com comprometimento do nível de consciência ou dos movimentos mastigatórios. Indicado também nos casos em que o paciente vem com ingestão oral baixa, por anorexia de diversas etiologias. A administração de dieta por sonda nasoenteral não contraindica a alimentação oral, se esta não implicar em riscos para o paciente.


2.Vias:
A . Sondas Naso-Enterais:
Utilizamos as sondas de polietileno, nos diâmetros de 8 a 12 French (“Dubbohoff”). A administração por sondas de calibres maiores não é indicada, pelo risco de regurgitação e microaspirações, além de complicações mecânicas outras.

A posição da sonda pode ser gástrica, duodenal ou jejunal. Não há contra-indicação de se iniciar a administração da dieta se a sonda está em posição gástrica desde que não haja contra-indicações para tal, e desde que sejam respeitados os cuidados orientados durante a administração da mesma. A posição duodenal pode ser desejável se houver gastroparesia, ou grande risco de microaspiração. A posição jejunal está indicada na TNE em pacientes com pancreatite, devendo ser usada uma fórmula elementar ou semi-elementar; exige sonda específica e passagem endoscópica da mesma.



B. Estomias:

Indica-se classicamente a realização de uma estomia para alimentação enteral por questões mecânicas envolvendo o Trato Gastro-Intestinal alto, ou se existe uma previsão de utilização desta via por mais de 6 semanas. Em relação a esta última indicação, no nosso meio, por questões culturais envolvendo equipe médica e também familiar, sua prática é um tanto limitada.




3. Fórmulas dietéticas disponíveis no HC / Unicamp até março de 2.001 (a ser atualizado após a definição do processo de licitação) :


Terapêutica

Padrão

Hiper/Hiper


Nefropata

Encefalopatia


Semi-

elementar

Suporte

VO

Cal/ml


1,2

1,5

2,0

1,25

1,0

1,5

g proteínas / cal


0,036

0,04

0,015

0,027

0,04

0,033

Lipídeos / ml


41g/l

58g/l

95,6g/l

29g/l

10g/l

64g/l

Cal n prot/g N

151:1

134:1

150:1

205:1

146:1

167:1

Osmolaridade

-

340mOsm/l

427mOs/l

365mOsm/l

400mOsm/l

390mOsm/l

Na+ (mEq/l)


48

17

34

49

34

48

K+ (mEq/l)


46

17

25

23

34

46

Vol 100% RDA

1500 ml

1500 ml

948 ml

1400 ml

1500 ml

1400 ml

Observações


C/ fibras






Contém sacarose







Caixas 300cal, aceitação

Fonte: Divisão Nutrição e Dietética / Nutricionista Luciana C. R. Sundseld

4. Escolha da fórmula dietética:


  1. Evitar associações rápidas e superficiais do tipo “paciente com insuficiência renal recebe dieta para nefropata”. Avaliar as necessidades proteico-calóricos adequadamente, levando sempre em consideração as condições clínicas do paciente e suas necessidades para aquele momento metabólico.




  1. Conforme já comentado anteriormente, indica-se restrição proteica para o paciente com insuficiência renal (dieta para nefropata) somente na insuficiência renal crônica sem stress metabólico. A insuficiência renal aguda está sempre ligada a um fator precipitante, um eventro agudo, hipercatabólico, onde as necessidades protéicas estão aumentada. Restrição protéica nesses pacientes significa consequências extremamente deletérias a médio prazo.




  1. Da mesma forma, a restrição protéica no paciente com insuficiência renal só se aplica quando o mesmo está em encefalopatia, ou já a apresentou anteriormente.




  1. Indica-se a fórmula semi-elementar nos pacientes que permaneceram tempos prolongados em jejum, quando se espera algum grau de atrofia da mucosa intestinal e um risco maior de intolerância (distensão, diarréia). Mesmo assim, tal fórmula, por não ser fisiológica, não deve ser mantida por períodos maiores que 5 a 7 dias, devendo então ser feita a transição para a dieta padrão. Também é uma opção para os pacientes que não estejam tolerando bem a dieta padrão, o que se verifica frequentemente em pacientes críticos, pacientes com desnutrição grave, hipoalbuminêmicos, e em anasarca.



  1. Em relação à suplementação oral, observar sempre o grau de aceitação do paciente, evitando prescrever quantidades elevadas que não serão ingeridas e ainda poderão induzir à recusa irrestrita a médio prazo. Iniciar com 350 cal/dia, progredindo somente se o paciente aceitar. Oriente-o a tomar o suplemento após ou entre as refeições, em pequenas quantidades, para que não haja prejuízo do apetite no momento das refeições.


E. Administração da fórmula dietética indicada:


  1. No HC/Unicamp utilizamos o sistema aberto, em infusão intermitente; checar o mapa de horários com o Serviço de Nutrição e Dietética se houver interesse.

2. Iniciar e progredir o aporte calórico conforme esquema abaixo, observando sempre a tolerância do paciente (ocorrência de vômitos, distensão, diarréia, resíduo gástrico alto), até que as necessidades calóricas programadas sejam atingidas:




  • Primeiro dia: 500 cal

  • Segundo dia: 1.000 cal

  • Terceiro dia: 1.500 cal

  • Quarto dia: 2.000 cal




  1. Solicitar à equipe de enfermagem que anote corretamente o horário da administração da dieta, e eventuais intercorrências. Estar sempre atento às condições de admistração da dieta.


  1. Complicações Frequentes em TNE:




  1. Diarréia em TNE: Este é um capítulo à parte, sobre o qual poderíamos discorrer longamente. Considera-se Diarréia em paciente em TNE a ocorrência de 4 ou mais evacuações líquidas ou semi-líquidas, em moderada a grande quantidade, em 24 horas, e suas causas são bastante diversas. Orienta-se não suspender imediatamente a TNE, mas tentar adequar a administração (mais lenta, em bomba de infusão s/n), ou a fórmula em uso às condições clínicas do paciente, bem como identificar a causa da diarréia. A contaminação da dieta é um evento raro dentro das condições em que é preparada no hospital; culpar a “dieta” pela diarréia é uma forma um tanto quanto simplista na avaliação do problema.




  1. Na ocorrência de vômitos ou resíduo gástrico alto, orienta-se a suspensão imediata da TNE se houver risco de broncoaspiração, ou diminuição temporária do aporte calórico-proteico programado. Também orientamos a prescrição de gastrocinéticos, a administração lenta e cuidadosa da fórmula, em bomba de infusão se necessário. Caso o quadro se mantenha, avaliar passagem pós-pilórica endoscópica da sonda enteral.




  1. Atenção para a avaliação clínica diária e o controle laboratorial periódico, conforme citado anteriormente.


V. Nutrição Parenteral (NP)


  1. Indicações:

Classicamente, indica-se a via parenteral para terapia nutricional quando há contra-indicação absoluta para o uso do trato gastro-intestinal (fistulas digestivas de alto débito, pancreatite na fase aguda, íleo paralítico prolongado, fase inicial de adaptação nas síndromes de intestino curto, etc). Também se utiliza a NP se o trato gastro-intestinal não está tolerando receber todo o aporte calórico-proteico indicado, paralelamente à NE ou VO, mediante cálculo adequado do aporte das duas vias.




  1. Soluções Padronizadas de Nutrição Parenteral no Hospital das Clínicas da Unicamp (volumes para 24 horas ):

A padronização das soluções visa garantir a prescrição segura e adequada para a grande maioria dos nossos pacientes. Casos especiais (pacientes com menos de 55 quilos, pacientes com hiperglicemia de difícil controle, com dislipidemia severa, etc.) deverão ser discutidos com o médico clínico do GAN.






Básica

Encefalopatia

Hepática

Insuficiência

Renal

Pobre em CHO

Periférica

Glicose 50%

800ml

800ml

800ml

600ml

----

Glicose 10%

----

----

----

---

1000ml

Aminoácidos10%

1000ml

----

----

1000ml

600ml

Aminoácidos 8%

----

1000ml

----

---

----

Aminoácidos 6%

----

----

500ml

---

----

Lipídeos 10%

200ml

200ml

200ml

400ml

300ml

NaCl 10%

20ml

----

20ml

20ml

10ml

KCl 19,1%

20ml

20ml

----

20ml

10ml

Glu Ca 10%

10ml

20ml

10ml

10ml

10ml

Sulf Mg 10%

20ml

20ml

20ml

20ml

10ml

Fosf. Mon. K 10%

10ml

10ml

6ml

10ml

10ml

Polivitamínico A

10ml

10ml

10ml

10ml

10ml

Polivitamínico B

5ml

5ml

5ml

5ml

5ml

Oligoelementos

1ml

1ml

1ml

1ml

1ml

Volume final

2.096 ml

2.086 ml

1.572 ml

2.096 ml

1.966ml

Calorias Totais

1980 cal

1.900 cal

1.700 cal

1860c al

910 cal

Cal não prot : g N

99 : 1

123:1

315 : 1

91:1

70:1


Observações importantes:

  1. Ao introduzir e ao retirar a NPP, ou seja, no primeiro e no último dia, utilizar metade dos volumes de macronutrientes (glicose, lipídeos e aminoácidos) propostos acima, para que haja adaptação metabólica, hormonal e enzimática, evitando assim iatrogenias como hiperglicemia, uremia pré-renal, hiperosmolaridade, distúrbios hidro-eletrolíticos, etc.




  1. Os volumes propostos acima são para o período de 24 horas.


3. Vias:
Periférica: A utilização das veias superficiais exigem soluções de osmolaridades baixas, no máximo de 800 mOsm/l. Consequentemente, o aporte oferecido por essas soluções serão bem menores que as necessidades protéico-calóricas, salvo pacientes com menos 45 quilos. Assim, enquanto suporte único, são insuficientes e devem ser mantidos por não mais que 7 dias, com o risco de desnutrição se mantido por tempo maior.

Está indicada para pacientes que não suportam todo o aporte calórico-proteico calculado pela via oral ou enteral, ou para pacientes com risco de desnutrição que necessitem jejum por dias consecutivos, como ocorre frequentemente com pacientes em estadiamento oncológico.

Utilizam-se as veias antecubitais e a veia cefálica. Deve-se examinar diariamente o local da punção, observando sinais inflamatórios. O acesso deve ser trocado a cada 72 horas pelo menos, para evitar ocorrência de flebites.

Como para a via central, o acesso deve ser exclusivo para NP, não sendo admitido a infusão concomitante de medicações ou outras soluções pela mesma via.


Central: Várias técnicas e tipos de cateteres são utilizados para administração de NP, todos necessariamente com a extremidade distal à nível de veia cava superior, o que torna possível a administração de soluções de alta osmolaridade sem risco de tromboses pelo alto fluxo sanguíneo garantido nesta posição.

O cateterismo venoso central traz consigo riscos inerentes ao procedimento e ao local puncionado (pneumotórax, hemotórax, hidrotórax, laceração da veia puncionada, embolia gasosa, arritmia cardíaca, lesão do ducto torácico, etc) e à manutenção do cateter (sepse relacionada a cateter, trombose venosa profunda).

A dissecção venosa periférica também pode ser utilizada em casos especiais (distúrbio de coagulação, plaquetopenia, insucesso na punção venosa) , lembrando sempre que a posição da extremidade deve ser central.

A técnica de passagem do cateter deve ser rigorosamente asséptica, com paramentação cirúrgica conforme preconizado pela CCIH

É necessário Rx de tórax confirmando a posição do cateter antes de se iniciar a infusão da NP.

A via de administração é obrigatoriamente exclusiva para NP, e idealmente virgem.


4. Observações especiais:


  1. Preconiza-se a administração de vitamina K 10mg 2 x/ semana.

.

  1. Manter sempre controle de glicemia capilar a cada 6 horas pelo menos, identificando assim ocorrência deletéria de hiperglicemia, bem como seu tratamento. Pode-se espaçar tal controle se o paciente se apresentar estabilidade glicêmica após 3 a 5 dias de NP; deve-se aumentar o controle e correção se o paciente se mostra hiperglicêmico, e na dificuldade da correção com insulina regular, consultar o médico clínico do GAN.




  1. Na suspeita de bacteremia relacionada à NP, interromper imediatamente a infusão da solução, colher 3 amostras de hemoculturas e uma amostra colhida diretamente da bolsa de NP e encaminhar ao laboratório de microbiologia.




  1. Evitar desconexão e interrupções da infusão da NP, pois a abertura do sistema de infusão aumenta em muito o risco de contaminação da solução e a colonização do cateter. Se seu paciente será submetido a algum exame, encaminhe-o sem a bomba de infusão, regulando o fluxo na pinça do equipo e orientando a enfermagem a evitar disparos no gotejamento.




  1. Sempre que interromper o uso da NP por qualquer motivo, instalar solução de glicose a 10% na mesma velocidade de infusão, por pelo menos 8 horas, evitando assim ocorrência indesejável de hipoglicemia.



  1. Atenção para o controle laboratorial e clínico diário orientado anteriormente. Como se trata de uma via de nutrição extremamente artificial, os riscos de complicações metabólicas são maiores que com a NE, e a vigilância deve ser redobrada.




  1. O GAN – Grupo de Apoio Nutricional coloca-se à disposição das diversas equipes envolvidas no processo de nutrição dos pacientes internados no HC/Unicamp, para esclarecimentos e avaliações que se julgue necessário.

Nosso ramal: 87366



BIPs: Dra. Rita de Cássia Rodrigues: 3743-9777 código 5963

Nutricionista Salete Brito: 3236-1166 código 1922565




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal