Manual de Massagem Terapêutica



Baixar 2.29 Mb.
Página16/25
Encontro21.10.2017
Tamanho2.29 Mb.
1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   ...   25

a. Camada superficial

Fáscia toracolombar, camada posterior

Fibras inferiores do músculo eretor da coluna

Fibras inferiores do músculo trapézio



b. Segunda camada superficial

Músculo serrátil póstero-inferior



c. Camada intermediária

Músculo eretor da coluna e tendão comum

Músculo ileocostal lombar (borda lateral do grupo muscular paravertebral)

Músculo longuíssimo do tórax (intermediário) Músculo espinhal do pescoço (músculo intermediário do grupo muscular paravertebral)



d. Camada profunda

Fáscia do músculo transversal do abdome

Multífidos e rotatórios (não facilmente palpados)

Postura do profissional




Coloque-se na postura de esgrimista, com os pés bem afastados e o joelho frontal flexionado. Nessa posição, você pode deslocar facilmente seu peso corporal para a perna frontal enquanto aplica a manobra. Gire o tronco de leve, de modo a posicionar as mãos no lado ipsilateral da coluna. Incline-se ligeiramente para a frente na direção do centro da maca de tratamento e posicione-se distalmente ao corpo.
Procedimento
Feche os dedos da mão cefálica (mais próxima da cabeça do paciente). Alinhe a ponta dos dedos nas eminências tenares e hipotenares, formando um punho. Mantenha retas as articulações interfalangianas distais, de modo que os dedos permaneçam retos. Use as falanges proximais do punho para efetuar o deslizamento, evitando qualquer pressão com as articulações metacarpofalangianas ou articulações interfalangianas.

Posicione o punho no lado ipsilateral da coluna. Repouse o polegar da mesma mão no lado contralateral, desde que você possa estendê-lo nessa distância. O polegar atua como um guia enquanto você o desliza pelo lado oposto dos processos da coluna. Agarre o punho da mão que massageia com a mão mais caudal; isso permite que você firme o punho &a mão que massageia e empurre-o ao longo da musculatura. Aplique a pressão em duas direções; em uma direção perpendicular pela mão cefálica e para a frente pelo braço mais caudal.

Realize deslizamento na região lombar na direção cefálica (rumo à cabeça). Estenda a manobra para a borda mediana inferior da escapula e desloque o peso corporal para a perna frontal para aumentar a pressão para a frente. Ao chegar no nível da escapula, erga as mãos e desloque o peso corporal para o pé traseiro.

Coloque o punho novamente na região lombar e repita a manobra. Adote um ritmo mediano, destinando cerca de 5 segundos para o deslizamento da região lombar para a escapula.

Aumente levemente a pressão nos músculos que parecem rígidos - desde que isso ainda seja confortável para o paciente - e depois a reduza à medida que os tecidos relaxam e cedem. Diminua a pressão se os músculos reagirem à manobra retesando-se ou tensionando-se, o que pode ser causado por irritação nervosa, desalinhamento da coluna ou outros distúrbios.

Manobra alternativa de deslizamento


Em vez de aplicar uma manobra contínua da região lombar para a escapula, você pode executar uma série de manobras mais curtas. A técnica é a mesma: aplique a pressão enquanto desloca o peso corporal para a frente e, ao término da manobra, desloque o peso novamente para a perna traseira.

Se optar por esse método, repita a manobra algumas vezes em uma área e depois leve as mãos mais para cima nas costas e repita o procedimento. Continue assim até ter coberto a área da escápula.



Técnica de compressão

Amassamento na borda lateral
Efeitos e aplicações
■ A circulação é melhorada nos músculos locais e na fáscia, principalmente no quadrado lombar, no transverso do abdome e na fáscia lombar. Assim como a circulação, a drenagem linfática dos músculos e dos tecidos superficiais também é melhorada.

■ As fibras musculares e da fáscia são alongadas. A técnica também reduz aderências entre as camadas de tecidos.

■ A ação do amassamento ajuda a romper e dispersar nódulos de gordura do tecido adiposo.

■ Embora geralmente seja executada com pressão firme, essa técnica também é relaxante. Entretanto, pode não ser apropriada se o paciente estiver muito tenso.

Postura do profissional

Coloque-se na postura ereta, com os pés levemente separados. Encoste-se à maca de tratamento e alcance o lado contralateral. Mantenha as costas retas para evitar qualquer tensão.


Procedimento
Nessa técnica, os tecidos são comprimidos e manipulados entre os dedos de uma mão e o polegar da outra. Coloque os dedos da mão cefálica na borda externa da área dos quadris. Coloque o polegar da mão caudal no mesmo tecido, porém mais medialmente e, portanto, mais próximo à coluna. Use toda a extensão do polegar e a eminência tenar; isso permite melhor preensão e evita que os dedos afundem desconfortavelmente nos tecidos. Com os mesmos dedos e com o polegar, comprima e erga o grupo muscular dos tecidos subjacentes, aplicando pressão igual entre as duas mãos.

Mantendo essa preensão, retorça os tecidos no sentido horário, evitando beliscar a pele; depois, solte a preensão e permita que as mãos relaxem e percorram sentidos opostos, de modo que os dedos caudais sejam colocados mais longe e o polegar cefálico posicione-se mais medialmente. Repita a compressão em direção inversa e aplique uma ação de torsão no sentido anti-horário. Depois relaxe novamente as mãos e leve-as à posição original. Repita a manobra várias vezes. A técnica também pode ser executada mais para cima, na borda externa do tronco. Ela é particularmente indicada quando há um acúmulo considerável de gordura ou quando os músculos são bem desenvolvidos.


Também pode ser estendida na direção caudal para incluir a região glútea.



Técnica de compressão
Compressão na região lateral
Efeitos e aplicações
■ Compressão é uma técnica adicional ou alternativa para o amassamento e, de modo similar, aplicado para afrouxar os músculos. A pressão pesada exercida por esse movimento torna-o apropriado aos casos em que os músculos estão bem desenvolvidos.

■ O efeito fundamental da técnica é aplicar um alongamento lateral nos músculos paravertebrais e nos músculos da região externa da área lombar. Os músculos cronicamente contraídos, como os que se encontram no lumbago, podem beneficiar-se muito desse movimento de amassamento.

■ Pouca ou nenhuma lubrificação deve ser utilizada para evitar que a mão deslize acidentalmente pelos tecidos; isso também permite uma boa preensão e, portanto, um melhor alongamento.
Postura do profissional

Coloque-se na postura ereta ao lado da maca de tratamento. Alcance a área contralateral dos quadris. Aplique o peso corporal inclinando-se levemente para a frente, com uma curvatura mínima das costas. Uma alternativa é ficar em pé na postura de vaivém, a qual permite a aplicação de uma pressão mais pesada pelo deslocamento do peso corporal para a frente e levantamento do calcanhar do pé traseiro.

Procedimento
Coloque a mão caudal no lado contralateral, próximo à ;oluna. Evite qualquer pressão na própria coluna. Posicione a mão cefálica mais para cima nas costas e utilize-a para estabilizar sua postura. A ação de compressão é realizada em dois estágios. Com os dedos, erga os tecidos e puxe-os medialmente na direção da coluna. Depois, aplique uma pressão de compressão com a região tenar da mão, comprima e role os tecidos para a frente; concentre a ação no alongamento lateral da manobra. Aplique pressão pelo braço, inclinan-do-se para a frente ou deslocando o peso corporal, depois solte a preensão nos tecidos enquanto se inclina para trás. Repita a manobra algumas vezes na mesma região.



Fricção profunda com aponta dos dedos
Fricção transversal nos músculos paravertebrais
Efeitos e aplicações
■ Além de estarem tensos, os músculos paravertebrais com freqüência aderem às estruturas adjacentes. A fricção é usada para reduzir as aderências entre camadas de tecidos, como a fáscia e o músculo, a fáscia e o osso, e feixes musculares adjacentes.

■ A pressão profunda e localizada da manobra tem o efeito de exercer um alongamento transversal no tecido fibrótico, melhorando sua maleabilidade.

■ É importante notar que, assim como a hiperemia que a manobra pode causar, existe a possibilidade de alguma microinflamação, já que as aderências são "rompidas". No evento pouco provável de os tecidos se tornarem doloridos, pode-se combater facilmente a dor com a aplicação de uma bolsa de gelo por cerca de 5 minutos; a irritação será gradualmente reduzida, em 1 ou 2 dias.

Postura do profissional


Permaneça na postura ereta, ao lado da maca de tratamento. Posicione-se a uma ligeira distância da borda, de modo que seja possível deslocar o peso corporal para a frente e para trás com a manobra. Mantenha uma posição confortável, com as costas razoavelmente retas.


Procedimento
Coloque a ponta dos dedos de ambas as mãos no lado ipsilateral da coluna; faça com que os dedos permaneçam mais ou menos retos e unidos. Nenhuma lubrificação é necessária para esse movimento. Aplique uma pressão considerável com a ponta dos dedos e mova os tecidos para trás e para a frente, sem deslizar sobre eles. O objetivo da técnica é apreender os músculos ou tecidos, comprimindo-os, e movê-los sobre as estruturas subjacentes. Incline-se ligeiramente para a frente para exercer uma pressão adicional. Continue essa ação por cerca de 10 segundos, depois dirija as mãos para outro segmento da região lombar e repita toda a manobra.


Técnica de compressão
Compressão ao longo da crista ilíaca
Efeitos e aplicações
■ Alguns músculos da região lombar estão ligados à crista ilíaca diretamente ou pela inserção fascial. Esses incluem o transverso do abdome, o eretor da espinha, o longuíssimo dorsal, o quadrado lombar e o oblíquo externo. A compressão ao longo da crista ilíaca ajuda a relaxar os músculos, liberando suas inserções e reduzindo aderências e nódulos.
Postura do profissional

Permaneça na postura de vaivém ao lado da maca de tratamento. Posicione-se no nível da coxa do paciente, de modo que você consiga alcançar a crista ilíaca ipsilateral com ambas as mãos. Incline-se levemente para a frente para exercer pressão com os braços.
Procedimento
Coloque as pontas dos dedos de ambas as mãos próximas uma das outras, na borda superior da crista ilíaca e perto do sacro. Mantenha os dedos retos ou com uma leve flexão das articulações interfalangianas. Aplique uma pressão considerável com a ponta dos dedos para "apreender" os tecidos (fáscia e músculos). Mantendo a pressão e sem deslizar sobre os tecidos, role-os lateralmente para alongá-los na direção transversal. Solte a preensão e deixe os tecidos voltarem ao seu estado original. A ação assemelha-se a um amassamento circular com pressão intermitente. Repita a manobra em uma área, depois leve as mãos mais adiante na crista ilíaca e aplique a mesma técnica. Trate apenas o lado ipsilateral, depois vá para o outro lado da maca de tratamento para massagear a crista ilíaca no outro lado. Essa manobra não requer nenhuma lubrificação.


Técnica de trabalho corporal
Técnica neuromuscular para os

músculos paravertebrais
Efeitos e aplicações

■ As manobras neuromusculares são aplicadas para tratar os músculos paravertebrais profundos da região lombar. A posição dos polegares pode ser ajustada para a abordagem de determinados músculos; por exemplo, quando os polegares estão próximos aos processos da coluna, a técnica é aplicada em músculos como o espinhal torácico, o multífido, os rotatórios profundos e até mesmo os intercolunais. A medida que os polegares são afastados dos processos da vértebra, o ileocostal lombar e o longuíssimo torácico são abordados, junto com o longuíssimo dorsal mais superficial.

■ A técnica neuromuscular é particularmente útil para o tratamento de dores do tipo lumbago e pode ser usada com outras técnicas já descritas. A manobra também pode ser estendida aos tecidos da região lombar mediana.

■ Se os músculos lombares estiverem muito rígidos ou bem desenvolvidos, o deslizamento com os punhos pode ser aplicado em conjunção com a técnica neuromuscular ou em lugar desta.

■ As principais contra-indicações para a técnica neuromuscular são dor na região lombar que se irradia para outras áreas e qualquer sensibilidade que leva a uma contração muscular espontânea durante a palpação.
Postura do profissional

Assuma a postura de vaivém e alinhe seu corpo com apelve do paciente. Gire um pouco o corpo, para posicionar con-fortavelmente as mãos na região lombar inferior do paciente. Encoste-se à maca de tratamento e mova o corpo até um ponto intermediário para aplicar pressão durante e no final da manobra.
Procedimento
Coloque uma mão em cada lado da coluna. Mantendo os dedos nas bordas externas das costas do paciente, repouse ambos os polegares no lado ipsilateral dos processos das vértebras. Coloque os polegares próximos um do outro, mas apontando para sentidos opostos, com o polegar lateral apontado medialmente e vice-versa. Alinhe as pontas dos polegares uma atrás da outra. Permita que os polegares flexionem-se levemente nas articulações interfalangianas e mantenha-os nesta posição para evitar qualquer extensão para trás nessas articulações. Execute uma manobra curta com ambos os polegares; cada manobra deve cobrir uma área de cerca de 5 cm.

Aplique pressão por meio dos braços e aumente-a por meio do peso corporal. Flexione o joelho frontal e levante o calcanhar do pé traseiro, levando o corpo para a frente e acrescentando descarga de peso no final da manobra. Aplique igual pressão com os polegares, aumente-a nas zonas enrijecidas por nódulos e reduza-a quando os tecidos cederem. Ajuste a pressão de acordo com a resistência e com o "afundamento" dos tecidos. Esse método permite avaliar a tensão dos tecidos e tratá-los simultaneamente. Após completar a manobra para a frente, reduza completamente a pressão e leve os polegares de volta a um ponto mais distai antes de repetir a manobra. Após realizá-la algumas vezes, leve as mãos mais adiante nas costas e repita-a em outra seção; continue com esse método até chegar à área torácica.
════════════════
TÉCNICAS DE MASSAGEM PARA A REGIÃO TORÁCICA E CERVICAL

Técnica de deslizamento profundo
Deslizamento com o polegar na escápula
Efeitos e aplicações
■ A massagem de deslizamento profundo é muito apropriada aos músculos da região inferior da escapula, especificamente o infra-espinhoso, o redondo maior e menor. A técnica melhora a circulação nos músculos e, com isso, ajuda a remover qualquer acúmulo de resíduos metabólitos, o que também incentiva o relaxamento dos músculos.

■ Esse movimento também alonga as fibras musculares e suas fáscias, reduzindo aderências entre essas estruturas.

Postura do profissional

Posicione-se na postura ereta, com os pés levemente afastados. Encoste-se à maca de tratamento e estenda os braços para alcançar a escapula no lado contralateral. Nesta posição, enquanto seu peso corporal é apoiado principalmente pela maca de tratamento, você também pode aplicar algum peso pelos braços. Para essa manobra, a cabeça do paciente é virada em sua direção. Como alternativa, ela pode repousar na depressão apropriada da maca, ou, se isso for desconfortável, ser virada para o outro lado.

Procedimento
Coloque as mãos na escapula contralateral. Pouse a mão cefálica (mais próxima da cabeça do paciente) na região superior da escapula, com os dedos curvados em torno da porção superior do ombro. Coloque a mão caudal na região inferior, com a palma e os dedos curvados em torno da borda póstero-lateral da caixa torácica. Aplique o deslizamento com o polegar nos músculos posteriores da escapula. Execute manobras alternadas dos polegares, com uma extensão de cerca de 5 cm para cada uma. Começando a partir do lado mais mediai da escapula, movimente cada polegar em uma curva leve, na direção lateral. Talvez seja mais fácil mover toda a mão para a frente enquanto desliza o polegar sobre a escapula; neste caso, siga uma linha mais reta enquanto aplica pressão predominantemente com o polegar. Repita as manobras algumas vezes, depois reposicione as mãos para massagear a área da borda externa da escapula, que inclui o redondo maior e menor.

Técnica de compressão
Compressão na região superior do ombro
Efeitos e aplicações

■ Durante a realização de uma massagem profunda, essa técnica de compressão também é muito relaxante. Indica-se sua aplicação aos casos de cefaléias por estresse ou tensão. Esses estados, contudo, podem fazer os tecidos da área das costas ficarem muito tensos ou hipersensíveis. Por isso, a pressão deve ser introduzida gradualmente e as respostas dos músculos e do receptor da massagem levadas em consideração. Se o paciente reagir à manobra com maior tensão, podem ser aplicadas técnicas relaxantes de deslizamento. Estas podem substituir o amassamento ou ser aplicadas somente até os tecidos começarem a relaxar; a partir de então, a técnica de amassamento pode ser reiniciada. Além dos fatores emocionais, a sensibilidade e a tensão durante a palpação podem resultar de distúrbios que envolvam as raízes nervosas e a coluna vertebral. Se as reações à massagem persistirem, é aconselhável encaminhar o paciente a um profissional adequado.

■ O grupo principal de músculos tratados por essa técnica são as fibras superiores do trapézio, o elevador da escapula, as fibras medianas do supra-espinhoso e as fibras superiores dos rombóides.

Postura do profissional


Coloque-se na postura de vaivém, com um pé levemente atrás do outro. Estenda o braço cefálico (aquele mais próximo da cabeça do paciente) para o ombro no lado contralateral. Mantenha o cotovelo fixo em extensão, para transmitir seu peso através do braço. Acrescente peso corporal inclinando-se para a frente e levantando o calcanhar do pé traseiro levemente. Para esse movimento, o paciente deita-se com a cabeça na depressão apropriada da maca. Como alternativa, a cabeça pode ser virada para o lado oposto do que está sendo tratado.


Procedimento
Use a mão cefálica (aquela mais próxima da cabeça) para massagear o lado contralateral da região torácica e repouse a mão caudal na região lombossacral ou na região lombar mediana. Coloque os dedos da mão cefálica na região anterior do trapézio. Ajuste as eminências tenar e hipotenar da mesma mão entre a escapula e a coluna, ou tão próximo deste nível quanto você possa alcançar confortavelmente.

Com os dedos, erga os tecidos de modo suave, evitando qualquer pressão excessiva que cause desconforto. Depois, comprima os tecidos com as eminências tenar e hipotenar enquanto aplica uma contraforça


simultânea com os dedos. Com deslizamento mínimo da mão, empurre os tecidos para a frente, para alongá-los transversalmente com delicadeza; sincronize essa ação com o deslocamento do peso corporal para o pé frontal. Solte a preensão exercida pelas eminência tenar e hipotenar enquanto mantém o contato com os dedos.

Posicione a região tenar da mão entre a escapula e a colin novamente. Erga novamente os tecidos com os dedos e repita o procedimento. A cada manobra, aumente a pressão gradualmente; repita a técnica várias vezes, até sentir que músculos estão suficientemente relaxados.

Técnica de deslizamento profundo
Deslizamento com o polegar na região torácica

Efeitos e aplicações

■ O deslizamento de movimentos profundos é eficaz para redução de nódulos e alongamento de músculos tensos, fáscia ou tecido fibrótico. Além disso, a técnica melhora a circulação e promove o relaxamento. Por essa razão, a mane pode ser adotada para o alívio da dor na área cervical, particularmente quando esta se associa a espasmos musculares e contraturas na região superior das costas.

■ Os músculos tratados com esse movimento incluem as fibras medianas do trapézio e do rombóide (sobretudo entre suas fibras). Quando a pressão é suficientemente profunda, os músculos seguintes também são tratados: o semi espinhal do pescoço (ao longo de suas fibras inferiores iliocostal-cervical (ao longo de suas fibras); o longuíssimo cervical (ao longo de suas fibras); e as fibras superiores | longuíssimo torácico.

■ A massagem nessa região pode ter benefícios que se refletem no funcionamento cardíaco e estomacal, no tratamento de insônia e dores de cabeça.

Postura do profissional



Permaneça na cabeceira da maca de tratamento, na postura inclinada, com os pés separados e paralelos um ao outro, incline-se para a frente para transferir o peso corporal através dos braços. Você também pode adotar a postura de vaivém com uma perna posicionada levemente atrás da outra. Neste arranjo, você r«de aplicar a pressão erguendo o calcanhar do pé traseiro e inclinando-se para a frente. O paciente repousa a cabeça na depressão apropriada da maca de tratamento ou pode virá-la para o lado.

Procedimento


Coloque as mãos na região torácica, de modo que os polegares repousem um de cada lado da coluna. A fim de evitar cansaço nos polegares, mantenha-os planos em relação à superfície e, portanto, sem nenhuma extensão nas articulações interfalangianas. Aplique a manobra de deslizamento com ambos os polegares simultaneamente ou alternando um e outro. Começando na região torácica, deslize cada polegar em uma linha curva e na direção caudal (rumo aos pés); cada movimento tem a extensão de cerca de 5 cm. Talvez seja mais fácil deslizar toda a mão com o polegar. Neste caso, mova a mão na mesma direção enquanto aplica a pressão principalmente com o polegar. Incline-se para a frente para acrescentar peso corporal à manobra; introduza a força gradualmente e de acordo com a rigidez e com o estado dos tecidos. Os nódulos, por exemplo, podem estar bastante doloridos à palpação e responder melhor à pressão com aumento em estágios suaves. Repita os movimentos de deslizamento algumas vezes antes de reposicionar as mãos para massagear outra seção dos músculos paravertebrais.

Mantenha a manobra de deslizamento com o polegar na região torácica, inclinando-se para a frente apenas até onde for confortável e sem colocar tensão em suas próprias costas.




Técnica de deslizamento profundo
Deslizamento com os punhos na região torácica
Efeitos e aplicações
■ O deslizamento com os punhos é adotado quando é necessária uma pressão mais pesada do que a exercida pelos polegares. A situação surge quando os músculos estão bem desenvolvidos ou tensos. Esse estado é comum nos músculos da região torácica e cervical, por seu uso na manutenção da postura ereta e sua suscetibilidade à tensão. A técnica tem o efeito de alongar os tecidos fibróticos, especialmente aqueles dos músculos paravertebrais (por exemplo, o eretor da coluna e o semi-espinhoso torácico). Apesar da pressão que exerce, esse deslizamento também é muito relaxante.

■ Os músculos tratados por essa técnica incluem as fibras medianas do trapézio; rombóide (entre suas fibras); fibras inferiores do esplênio da cabeça; fibras inferiores do esplênio do pescoço; eretor da coluna torácica; semi-espinhoso torácico; e fibras inferiores do iliocostal-cervical.

Postura do profissional

Posicione-se à cabeceira da maca de tratamento e assuma a postura inclinada ou de vaivém. Permaneça a uma curta distância da borda da maca de tratamento, para poder inclinar-se para a frente e exercer pressão no final da manobra. Para esse movimento, o paciente deita-se com a cabeça repousada sobre a depressão apropriada da maca.

Procedimento
Feche as mãos, fechando as palmas e colocando a ponta dos dedos nas eminências tenar e hipotenar (Figura 5.24). Coloque uma mão em cada lado da coluna, na área torácica. Use apenas a parte "plana" do punho, isto é, os ossos da falange proximal, e evite qualquer pressão com as articulações metacarpofalangianas. Um ajuste adicional na posição das mãos é feito pela colocação de um polegar dentro do punho fechado da outra mão. Esse arranjo permite manter as mãos muito juntas, embora posicionadas uma em cada lado da coluna.


Começando pela extremidade superior das costas, aplique o deslizamento na direção caudal (rumo aos pés) até o nível da borda inferior da escapula ou até o ponto confortável mais próximo. Ajuste a pressão, inclinando-se para a frente, e mantenha os punhos planos aos tecidos. Tendo completado a manobra, erga as mãos levando-as de volta à área torácica. Repita o procedimento várias vezes.


Método alternativo


A manobra de deslizamento realizada com os punhos pode ser aplicada com apenas um punho, em lugar dos dois. Essa opção facilita a execução da manobra e exige menor descarga de peso corporal. Realize o movimento com o punho em um lado da coluna.

Mantenha a outra mão aberta e use, como "guia" do deslizamento no outro lado da coluna. Uma as duas mãos colocando o polegar da mão aberta dentro da mão fechada em punho. Execute o deslizamento unilateral algumas vezes antes de inverter a posição das mãos massagear o outro lado da região torácica.



Técnica de deslizamento profundo
Deslizamento com os punhos na região

cervical e nos ombros

Efeitos e aplicações


■ Os efeitos dessa técnica são os mesmos que os já descritos para a técnica anterior. O deslocamento realizado com osj punhos exerce uma pressão profunda e, portanto, é indicado para músculos muito desenvolvidos ou muito tensos.

■ O deslizamento auxilia na circulação, reduz a tensão a aplica um alongamento nos tecidos.

■ Ela também é relaxante.

■ Essa técnica não é aplicável quando os músculos estão flácidos ou atrofiados. Também é substituída por movimentos mais leves quando há tensão relacionada com fatores psicogênicos.

■ Os músculos tratados por essa técnica incluem o elevador da escapula; as fibras medianas do músculo supravertebral; as fibras superiores do trapézio; o esplênio da cabeça e do pescoço; as fibras inferiores do longuíssimo da cabeça; as fibras superiores do longuíssimo do pescoço; e as fibras superiores do iliocostal-cervical.

Postura do profissional



Permaneça à cabeceira da maca de tratamento. A postura de vaivém é a mais apropriada para essa técnica; uma alternativa é a postura inclinada. Assuma uma posição a uma curta distância da borda da maca de tratamento; este espaço é necessário para que você se incline para a frente e desloque seu peso corporal no final da manobra. Coloque seu cotovelo em seu abdome, para exercer pressão pelo braço. Para essa manobra, o paciente deita-se com a cabeça repousada na depressão apropriada da maca de tratamento ou com o rosto virado para o lado oposto do que está sendo massageado.

Procedimento


Massageie o lado do ombro mais próximo à sua mão; isto é, use a mão direita para massagear o ombro esquerdo e vice-versa. Faça um punho com a mão e posicione-o na base do pescoço, no nível das três ou quatro vértebras cervicais inferiores. Neste estágio, talvez você precise flexionar o punho levemente a fim de posicioná-lo plano aos tecidos. Use apenas a parte plana do punho para a massagem; evite qualquer pressão com as articulações interfalangianas ou metacarpo-falangianas. Evite também qualquer pressão na coluna. Repouse a mão que não está massageando na região torácica e utilize-a para estabilizar sua postura e contrabalançar a pressão aplicada com a mão em punho.

Execute o deslizamento a partir da base do pescoço em uma direção lateral, rumo à articulação acromioclavicular. Ajuste a pressão de acordo com a tensão e o volume dos músculos e, enquanto move a mão sobre os tecidos, mantenha-a plana com a superfície. Ao chegar na parte lateral do ombro, alivie a pressão; cuide para não passar sobre a saliência do acrômio da escapula. Erga a mão e leve-a de volta à base do pescoço. Repita a manobra várias vezes. Continue ajustando a pressão de acordo com a resposta e o "afundamento" dos tecidos, a fim de evitar qualquer desconforto, particularmente enquanto você executa o deslizamento entre as fibras do iliocostal-cervical e do longuíssimo do pescoço, que com freqüência estão tensas.




Técnica de compressão

Compressão nos músculos

póstero-laterais do pescoço
Efeitos e aplicações
■ Com essa manobra de compressão, os músculos e tecidos são delicadamente comprimidos e alongados. A circulação para todos os tecidos do pescoço também é melhorada.

■ A técnica pode ser aplicada para ajudar no alívio de cefaléias associadas a tensão muscular; também pode ser incluída na manobra geral de massagem de relaxamento.

■ Embora não seja contra-indicado, a manobra é aplicada com cautela se existe degeneração das vértebras cervicais, o que é comum em pacientes idosos.

■ Os músculos tratados por essa manobra incluem o elevador da escapula; as fibras superiores do trapézio; o semi-espinhoso da cabeça; o longuíssimo torácico; as fibras superiores do escaleno médio e as fibras superiores do esterno-clidomastóideo.

Postura do profissional

Posicione-se ao lado da maca de tratamento, no nível do ombro do paciente. Permaneça em uma postura ereta, com os pés paralelos e um pouco separados. Você também pode inclinar-se contra a maca de tratamento, desde que isso não perturbe o paciente. Aplique as manobras enquanto está neste lado do paciente; não há necessidade de repeti-los no outro lado. Se você ficar no lado direito, use a mão esquerda para realizar a manobra, e vice-versa. O paciente deve estar reto e com a cabeça posicionada na depressão apropriada da maca. Como alternativa, a testa do paciente pode repousar em suas mãos, que são colocadas uma sobre a outra ou sobre uma toalha enrolada.

Procedimento


Use a mão caudal (mais distante da cabeça do paciente) para aplicar a massagem enquanto está em pé ao lado da maca de tratamento. Repouse a mão cefálica no crânio do paciente; use esta mão, se necessário, para erguer suavemente os cabelos do paciente e liberar a área de massagem. Posicione os dedos da mão caudal no lado contralateral do pescoço. Coloque o polegar da mesma mão no lado ipsilateral. Neste estágio, repouse a palma na parte de trás do pescoço. Aplique uma leve compressão nos músculos póstero-laterais do pescoço, mantendo os dedos e o polegar razoavelmente retos (Figura 5.28a).



Mantenha a compressão enquanto ergue e alonga lentamente os tecidos para cima, deixando que, ao mesmo tempo, a mão deslize um pouco (Figura 5.28b). Você pode inclinar-se um pouco para trás para facilitar a manobra. Como alternativa, use a eminência hipotenar como um fulcro e estenda seu pulso para criar um levantamento, tendo em mente que esta ação pode colocar tensão na articulação de seus pulsos. Enquanto alcança os tecidos superiores do pescoço com o polegar e os dedos, reduza gradualmente a preensão para evitar beliscões na pele. Depois, reassuma a posição inicial da mão e repita a manobra.

Posição alternativa da mão (1)
Um método alternativo para essa manobra é usar ambas as mãos, colocadas próximas uma da outra. Neste caso, ambos os polegares são colocados no lado ipsilateral do pescoço e os dedos de ambas as mãos ficam no lado contralateral. Comprima os tecidos com as mãos nessa posição e com muito pouco deslizamento, acrescentando simultaneamente um suave alongamento para cima.

Posição alternativa da mão (2)


A técnica de compressão pode ser aplicada enquanto você permanece à cabeceira da maca de tratamento, ainda na postura ereta. Use apenas os dedos para essa manobra e evite qualquer pressão com as eminências tenar ou hipotenar. Comprima os tecidos com os dedos de ambas as mãos, colocadas uma de cada lado do pescoço. Mantenha as mãos nessa posição, aplicando ao mesmo tempo um suave alongamento para cima (Figura 5.29).

Incline-se um pouco para trás para exercerem uma tração suave nos tecidos. Deixe os dedos deslizarem um pouco para cima, sem beliscar os tecidos. Solte a compressão e coloque os dedos mais para baixo, novamente nos lados do pescoço. Repita a manobra algumas vezes.



Técnica de trabalho corporal

Técnica neuromuscular na borda occipital

Efeitos e aplicações


■ A fáscia na base do occipício é uma inserção para os músculos póstero-laterais do pescoço e para os músculos do crânio posterior. Em virtude de estressores físicos, químicos ou emocionais, os tecidos na borda occipital com freqüência estão sensíveis à palpação e são a causa de cefaléias por tensão. A técnica neuromuscular é realizada nessa região para auxiliar no alívio da tensão e melhorar o estado dos tecidos. A técnica diminui a intensidade do desconforto, reduzindo qualquer irritação dos nervos e, por sua vez, a hipersensibilidade. Ela também promove o relaxamento dos músculos associados e, portanto, sua circulação. A melhora no fluxo sangüíneo reverte o estado isquêmico dos tecidos.

■ Uma condição comum que obtém alívio por essa técnica é a cefaléia por tensão. Em alguns casos, a dor pode ser referida para os ouvidos e olhos, a partir dessas áreas de tecido sensível. A normalização desses tecidos, portanto, pode aliviar a dor.

■ Músculos e fáscias tratados por essa técnica incluem o trapézio, o esternoclidomastóideo, o esplênio da cabeça, o semi-espinhal da cabeça, o occipital, o oblíquo superior profundo e o longuíssimo da cabeça.

Postura do profissional



Posicione-se ao lado da maca de tratamento. Alinhe-se com o ombro do paciente, permanecendo na postura ereta, com os pés afastados e paralelos um ao outro. A postura de vaivém é uma alternativa e permite que você se incline para a frente e aplique pressão no final da manobra. Em ambos os casos, a pressão é mínima. O paciente deita-se de bruços, com a cabeça repousada na depressão apropriada da maca.

Procedimento


Enquanto você está ao lado do paciente, use a mão caudal (a mais próxima dos pés) para a massagem. Repouse a mão cefálica no ombro ipsilateral na cabeça do paciente; ou, se necessário, use esta mão para afastar suavemente os cabelos do paciente e liberar a área da massagem. Coloque o polegar da mão caudal sobre o processo mastóide do osso occipital e os dedos no lado contralateral do pescoço. Aplique pressão com o polegar enquanto a movimenta medialmente ao longo das inserções fasciais na base occipital. Mantenha os dedos parados e utilize-os como uma contraforça. Ajuste a pressão de acordo com a condição dos tecidos, isto é, com a tensão e com o grau de sensibilidade. Ao chegar à área intermediária do occipício, alivie a pressão completamente e, depois, levante o polegar e leve-o de volta ao processo mastóide. Repita a manobra algumas vezes. Dê a volta na maca para massagear o outro lado da borda occipital.



Técnica de trabalho corporal
Técnica neuromuscular na região torácica

Efeitos e aplicações


■ Como já notado, a técnica neuromuscular reduz a congestão na fáscia, aumentando a circulação sangüínea local. Isso ocorre por meio de um mecanismo reflexo, que tem o efeito de relaxar os músculos involuntários dos vasos sangüíneos.

■ A pressão mecânica da técnica, junto com a melhora na circulação local, tem o efeito adicional de reduzir nódulos (áreas endurecidas, em forma de pequenos nós) no interior dos músculos ou da fáscia.

■ Infiltrações fibrosas (aderências), que podem ocorrer entre as camadas de tecido e no interior do músculo, são separadas pelo efeito mecânico da manobra.

■ Um benefício adicional da técnica é diminuir as contrações musculares crônicas. Ao melhorar a função muscular, a técnica neuromuscular também aumenta a mobilidade das articulações associadas. Neste caso, as articulações da coluna.

■ O tratamento dos tecidos superficiais pela técnica neuromuscular exerce um efeito normalizador e benéfico (reflexo) sobre órgãos relacionados, neste caso, o coração e os pulmões.

■ Os músculos e a fáscia tratados por essa técnica incluem a inserção mediana do rombóide na escapula; a inserção facial do trapézio nas vértebras torácicas; o iliocostal do tórax (com pressão profunda); o torácico vertebral (com pressão profunda); o longuíssimo torácico (com pressão profunda) e a fáscia superficial torácica e profunda.

■ Além da região torácica, a técnica neuromuscular é aplicada em outras áreas, como sobre os músculos rombóide, trapézio e borda mediai da escapula. Os efeitos e as aplicações são comuns a todas essas regiões.

Postura do profissional


Permaneça à cabeceira da maca de tratamento e assuma a postura de vaivém. Posicione-se a uma curta distância da borda da maca de tratamento, para inclinar-se para a frente e deslocar o peso corporal no final da manobra. Erga o calcanhar do pé traseiro para acrescentar peso corporal por um ângulo mais perpendicular. Para essa manobra, o paciente deita-se de braços com a cabeça repousada na depressão apropriada da maca de tratamento.

Procedimento
Posicione ambos os polegares em um lado da região torácica e arranje-os um atrás do outro e bem próximos. Aplique pressão igual com a borda lateral da ponta de cada polegar. Incline-se para a frente para acrescentar peso corporal no final da manobra. Cubra uma área de cerca de 5 cm em aproximadamente 4 segundos por movimento. Com os polegares, localize possíveis nódulos e trate-os por um aumento na pressão da manobra. Reduza a intensidade se encontrar uma área de "afundamento" durante a manobra ou quando os próprios nódulos cederem à pressão. Repita a técnica várias vezes, até que os tecidos percam sua tensão e a hipersensibilidade seja reduzida. Execute o tratamento em uma área antes de direcionar as mãos a uma nova posição para repetir o procedimento. Trate ambos os lados da coluna.

Aplique a técnica neuromuscular nas seguintes direções:


1. próximo aos processos da vértebra, na direção caudal (rumo aos pés), começando pela área torácica e descendo para a região mediana;

2. ao longo de duas ou três linhas similares, na direção caudal, mas trabalhando entre a escapula e a coluna;

3. ao longo da borda mediana da escapula, a partir do ângulo mediano superior para o ângulo inferior. Este movimento também pode ser aplicado enquanto o massagista está em pé ao lado da maca de tratamento (descrito a seguir).

Técnica de trabalho corporal

Técnica neuromuscular ao longo do rombóide e do trapézio inferior
Postura do profissional

Coloque-se na postura ereta, ao lado da maca de tratamento. Alinhe-se com o ombro do paciente.

Procedimento
Coloque os polegares na borda medial da escápula do paciente. Arranje os dedos da mão mais cefálica sobre o supravertebral e a clavícula, e os dedos da mão mais caudal na borda lateral da escápula. Começando a partir de sua inserção na escápula, siga as fibras do rombóide na direção das vértebras torácicas superiores. Use ambos os polegares ao mesmo tempo e mantenha-os próximos um do outro. Aplique pressão igual e uniforme com ambos os polegares ao avaliar e tratar os tecidos. Aplique a técnica executando apenas movimentos curtos, repetindo-os várias vezes em cada seção. Enquanto se move na direção cefálica, preste atenção ao músculo iliocostal - porção cervical; se essas fibras estiverem tensas ou fibróticas, podem mostrar-se sensíveis à palpação. Tendo abordado o rombóide, realize o mesmo procedimento nas fibras inferiores do trapézio.

Comece em sua inserção na coluna da escápula e continue os movimentos rumo às vértebras torácicas medianas e inferiores. Nesta região, você cruza com algumas fibras do iliocostal torácico, que também podem estar doloridas e tensas ou fibróticas. Repita a técnica ao longo das fibras intermediárias do trapézio.



Técnica de trabalho corporal

Técnica neuromuscular ao longo da borda

medial da escápula
Postura do profissional

Coloque-se na postura ereta, ao lado da maca de tratamento. Mantenha as costas retas enquanto estende os braços para a escápula no lado contra-lateral do tronco.

Procedimento
Segure e estabilize a escápula em sua borda superior, por meio da mão cefálica (a mais próxima da cabeça do paciente). Levante delicadamente a escápula enquanto a segura ou inserindo uma toalha dobrada sob o mesmo ombro. Essa manobra para cima encurta e relaxa o rombóide e as fibras medianas do trapézio. Coloque o polegar da mão mais caudal na borda mediana, e os dedos na borda lateral da escápula. Acompanhe e palpe as inserções do rombóide na escápula enquanto movimenta o polegar ao longo da borda mediana. Aplique uma contraforça com os dedos, enquanto exerce pressão com o polegar. Efetue manobras curtas e repita-as várias vezes em uma seção antes de ir para outra área. Trate toda a borda medial da escápula enquanto está nessa posição.
Técnica de trabalho corporal

Técnica neuromuscular para o elevador

da escápula, o trapézio e o supra-espinhoso
Postura do profissional

Coloque-se na postura de vaivém à cabeceira da maca de tratamento. Um peso corporal mínimo é empregado para essa técnica; portanto, você pode ficar razoavelmente próximo à maca de tratamento.

Procedimento
Aplique a técnica em um lado do pescoço. Coloque uma mão no ombro a ser tratado e a outra na região torácica ou no ombro oposto. Abra e estenda os dedos da mão que aplica o tratamento e repouse a ponta dos dedos na escápula e nos músculos do ombro. Coloque o polegar na região póstero-lateral do pescoço, próximo à coluna cervical. Com a ponta do polegar, acompanhe as fibras do trapézio e do elevador da escápula. Continue a manobra no músculo supra-espinhoso, parando antes de chegar à articulação acromioclavicular. Estabilize a mão durante toda a manobra, mantendo os dedos estendidos. Deixe-os deslizar sobre a escápula e o ombro enquanto seu polegar percorre o supra-espinhoso. Repita a manobra várias vezes.



Técnica de trabalho corporal
Tratamento de pontos de gatilho

Efeitos e aplicações


■ Uma formação nodular pode desenvolver-se e tornar-se uma zona crônica e hipersensível. Quando isso acontece, a área pode atuar como um ponto de gatilho e refletir uma sensação, geralmente de dor, para uma região distante. A sensação é exacerbada pela palpação da área do ponto de gatilho. Reduzir a irritabilidade dessa zona hipersensível auxilia a aliviar a percepção referida. Além disso, o tratamento auxilia a normalizar o estressor subjacente (desequilíbrios mecânicos, disfunção orgânica etc.) associado à formação do nódulo.

■ Os pontos de gatilho e suas áreas-alvo tendem a apresentar o mesmo trajeto em cada pessoa; por exemplo, se a área-alvo for a área parietal lateral do crânio, o ponto de gatilho estará no músculo esplênio da cabeça, abaixo do processo mastóide.

Postura do profissional

Coloque-se na postura de vaivém; como alternativa, permaneça em pé ou incline-se. Essa técnica requer muito pouco peso corporal; conseqüentemente, você pode posicionar-se ao lado da maca ou à sua cabeceira.

Procedimento
Coloque o polegar ou o dedo médio na zona do ponto de gatilho, por exemplo na inserção do elevador da escápula. Aplique pressão suficiente para criar uma sensação na área-alvo e mantenha a pressão por 6 a 10 segundos. Reduza a pressão levemente por alguns segundos, depois reaplique-a por mais alguns segundos. Continue com esse procedimento de pressas intermitente até que o paciente sinta uma redução na sensação, ou por um máximo de 2 minutos.

Após o tratamento por pressão, realize alongamento passivo dos tecidos, preferivelmente após resfriar a área com gelo, spray ou toalhas frias. Os pontos de gatilho exigem que os tecidos sejam alongados passivamente após seu tratamento, o que pode envolver procedimentos mais pertinentes à área do trabalho corporal que à da massagem. Contudo, um efeito simples de alongamento é obtido pelo levantamento dos tecidos das estruturas subjacentes. Um método adicional ou alternativo é aplicar um alongamento passivo entre as fibras do músculo que está sendo tratado ou ao longo delas. A mobilização da escápula, como descrita mais adiante, ilustra um método de alongamento passivo nos músculos (Figuras 5.36 e 5.44).





Técnica de trabalho corporal
Mobilização da escápula
Efeitos e aplicações
■ A técnica alonga os músculos que se inserem na escápula, principalmente o rombóide e as fibras medianas do trapézio. As conexões fasciais da articulação escápulo-costal (tecido mole) também são alongadas por esse movimento.

■ A ação de rotação da técnica ajuda a mobilizar todo o ombro.

Postura do profissional


Permaneça na postura ereta, do lado da maca de tratamento. Posicione-se em linha com o ombro do paciente e estenda seus braços para o lado contralateral.

Procedimento


Coloque os dedos da mão cefálica no ombro e os dedos da mão caudal na borda lateral da escápula. Prenda a escápula entre ambas as mãos, nessa posição, e levante-a suavemente. Pressione ambos os polegares na borda medial. Mantenha essa preensão com os dedos e os polegares, e empurre a escápula em uma direção lateral. É importante ter em mente que essa manobra apenas é possível se os músculos (e, naturalmente, o paciente) estiverem relaxados; assim, aplique a pressão gradualmente e apenas se os tecidos estiverem respondendo, cedendo a ela. Mantenha o alongamento por alguns segundos, antes de deixar que os tecidos voltem a seu estado normal de repouso. Repita a técnica de alongamento uma ou duas vezes.

Um movimento rotativo também pode ser aplicado à escápula. Mantenha a preensão com os dedos na mesma posição e reduza a pressão com os polegares.




Mova a escápula no sentido horário e mantenha essa posição por alguns segundos, antes de realizar a mesma ação no sentido anti-horário. Repita o procedimento uma ou duas vezes.

══════════════════


TÉCNICAS SUPLEMENTARES PARA AS COSTAS: PACIENTE EM DECÚBITO LATERAL
O paciente pode estar incapacitado para se deitar de bruços por razões como ferimento, gravidez, obesidade ou idade pancada. Nesses casos, você pode massagear as costas enquanto a pessoa se deita de lado (a posição de recuperação). O conforto e a segurança são importantes; por isso, apoie o paciente com almofadas quando necessário. Coloque um travesseiro de altura apropriada sob a cabeça do paciente e talvez outro na frente do abdome - isso pode ser necessário na gravidez ou quando o paciente tem excesso de peso ou idade avançada. Enquanto está em decúbito lateral, o paciente pode manter o joelho superior, que se estende sobre o joelho inferior, repousando em uma almofada. Esse arranjo não apenas é confortável mas também impede que o paciente role para a frente. Um arranjo alternativo é flexionar ambos os joelhos do paciente e repousá-los na maca de massagem, um sobre o outro, podendo ser colocada uma almofada ou toalha dobrada entre eles. O paciente que está em decúbito lateral também pode necessitar de apoio por baixo do tronco, para evitar que a coluna se posicione em uma curva escoliótica. Embora seja melhor evitar uma torsão da coluna, o paciente pode considerar confortável girar o tronco para a frente, como se estivesse de bruços, em vez de manter uma posição mais reta. Uma leve rotação é apropriada, desde que não cause nenhuma dor ou desalinhamentos da coluna. Algum apoio adicional sob o tórax também pode ser necessário. A postura escolhida não deve, em nenhum caso, provocar tensão nos músculos das costas. Além disso, é importante que você estabilize o paciente em uma posição segura, com a mão que não está massageando.

Efeitos e aplicações


■ A maior parte das manobras de massagem descritas com o paciente em decúbito lateral são similares aos movimentos executados com o paciente em decúbito ventral. Além disso, os efeitos e as aplicações são comuns a ambos os conjuntos de técnicas. Como já foram descritos no tópico anterior, não serão repetidos aqui.

Técnica de deslizamento
Deslizamento para toda a região das costas
Postura do profissional

Coloque-se na postura de esgrimista, com um pé na frente do outro. Posicione-se no nível da pelve do paciente e gire o tronco levemente, de modo que fique voltado para a cabeça do paciente. Para não colocar tensão em suas costas, curve-as o mínimo possível. Execute a massagem no lado mais alto da coluna.

Depois que o paciente tiver virado para o outro lado, você pode repetir as manobras. Se o paciente estiver incapacitado para se virar, aplique a massagem em ambos os lados da coluna ao mesmo tempo.

Uma alternativa é realizar essa técnica de deslizamento sentado na borda da maca de massagem. Isso é eticamente correto desde que aceito pelo paciente. Se você optar por essa postura, mantenha um pé no chão para apoiar o peso de seu corpo.

Procedimento


Coloque o antebraço ou a mão mais próxima do paciente na crista ilíaca, para estabilizar e limitar os movimentos do tronco e da perna. Realize o deslizamento do lado mais alto da coluna, passando a palma e os dedos da mão mais externa. Aplique a manobra a partir da área sacral na direção cefálica (rumo à cabeça). Aumente a pressão levemente, com as eminências tenar e hipotenar, na área lombar. Tenha o cuidado de não causar tensão ou estender demais seu pulso. Flexione o joelho frontal e mova todo seu corpo para a frente, para descarregar o peso no final da manobra. Quando chegar à região torácica, coloque a mão em concha e continue a manobra no ombro. Depois, avance com um deslizamento superficial na direção caudal (ramo aos pés), até a pelve lateral. Começando novamente pela área sacral, repita o procedimento várias vezes. Adote sempre um ritmo lento, demorando cerca de 5 segundos para chegar à região lombar superior.


Técnica de deslizamento profundo
Deslizamento com os punhos
Postura do profissional

Coloque-se na postura de esgrimista, com o joelho frontal levemente flexionado. Gire o tronco e o pé frontal na direção da cabeceira da maca de tratamento. Coloque o cotovelo do braço que massageia em seu próprio abdome ou pelve. Repouse a mão que não está massageando sobre a pelve do paciente e use-a para firmar e apoiar o corpo.

Procedimento
Feche a mão que massageia, fechando os dedos e encostando as falanges distais nas eminências tenar e hipotenar. Mantenha o pulso reto ou em flexão ou extensão mínimas.

Evite aplicar qualquer pressão com as articulações meta-carpofalangianas e interfalangianas. Coloque o cotovelo do mesmo braço que massageia em seu abdome ou pelve; essa posição permite a inclinação para o lado da maca de tratamento e a aplicação de pressão por seu antebraço. Faça deslizamento com o pulso plano, usando apenas as falanges proximais, na direção cefálica (rumo à cabeça). A partir da região lombar, massageie para cima até a região torácica mediana ou até um ponto que possa ser alcançado confortavelmente (Figura 5.38). Flexione ainda mais o joelho frontal para mover seu corpo na direção da cabeça do paciente. Simultaneamente, aplique pressão aos tecidos inclinando-se para a frente na maca de tratamento e, assim, transferindo o peso corporal pelo antebraço. Ao chegar no meio das costas, reduza a pressão, inclinando-se um pouco para trás. Depois, leve a mão de volta à região lombar. Repita a manobra várias vezes. Para executar deslizamento na área torácica, reajuste sua posição corporal para ficar no nível das costelas inferiores do paciente.

Deslizamento com os punhos na região sacral
Quando aplicada na direção caudal, a manobra de deslizamento realizada com os punhos tem o efeito de alongar a fáscia lombar e sacral. Uma pressão adicional também pode ser exercida no ápice do sacro, o que ajuda a reduzir qualquer lordose na coluna lombar.

Postura do profissional


Para executar essa técnica, inverta sua posição, virando-se na direção da pelve. Aposição das mãos também é mudada; estabilize o tronco com a mão mais medial enquanto aplica a massagem com a mão mais externa. Posicione o cotovelo do braço que massageia em seu próprio abdome ou pelve, enquanto executa a manobra com a mão em punho. Com a mão que não massageia, aplique um alongamento simultâneo na fáscia, empurrando a pelve na direção caudal.

Procedimento
Feche a mão que irá massagear e aplique o deslizamento a partir da área lombar na direção do sacro e do cóccix e sobre eles. Acrescente peso corporal inclinando-se para a maca de tratamento. Flexione o joelho frontal e mova todo o corpo na direção da manobra. Realize a manobra muito lentamente, reservando 4 segundos para que as mãos realizem o deslizamento da área lombar até o ápice do sacro. Repita a manobra várias vezes.
Técnica de deslizamento profundo

Deslizamento com o polegar nos

músculos paravertebrais
Postura do profissional

Coloque-se na postura de esgrimista. Gire o tronco levemente, ficando de frente para a cabeceira da maca de tratamento, e aponte o pé frontal na mesma direção. Repouse o cotovelo da mão que massageia em seu próprio abdome ou pelve; essa posição permite a descarga do peso corporal no final da manobra.

Procedimento
Coloque a mão mais lateral na região lombar, com a palma e os dedos apontados para a maca de tratamento e curvados em torno da borda lateral do tronco. Posicione o polegar no lado mais alto da coluna, apontando para a cabeça. Flexione o polegar levemente na articulação interfalangiana. Mantenha essa posição durante toda a manobra e evite estender as articulações interfalangiana e metacarpofalangiana. Repouse a outra mão na pelve do paciente e utilize-a para estabilizar o torso. Realize deslizamento nos músculos paravertebrais com a ponta do polegar, efetuando uma manobra curta de cerca de 5 cm. Acrescente pressão no final da manobra, flexionando o joelho frontal e transferindo todo seu peso corporal para a frente. Para facilitar a manobra, deslize toda a mão enquanto dirige a pressão com o polegar. Aplique força suficiente para comprimir o polegar nos tecidos enquanto o desliza para a frente, depois solte-o novamente no final da manobra. Depois de ter executado algumas manobras, ou quando os tecidos estiverem livres de tensão, mova sua mão para outra posição e repita a série de manobras. Continue com a manobra ao longo do lado da coluna e no nível da escápula.

Técnica de trabalho corporal
Técnica neuromuscular nos

músculos paravertebrais
Postura do profissional

Coloque-se na posição de esgrimista. Gire seu corpo ficando de frente para a cabeceira da maca de tratamento e aponte o pé frontal na mesma direção. Posicione-se no nível da pelve ou da região lombar do paciente, o que for mais confortável.

Procedimento
Posicione os polegares no lado mais alto da coluna, um atrás do outro e muito próximos. Flexione a articulação interfalangiana de ambos os polegares e ligue um ao outro nessa posição enquanto realiza a manobra neuromuscular. Execute uma série de manobras curtas com ambos os polegares, movendo-os juntos e mantendo sua proximidade. Pressione os tecidos com a ponta de cada falange distai e com ambos os polegares, aplicando igual pressão. Essa força nos músculos paravertebrais é mais profunda do que a do deslizamento com o polegar. Enquanto move suas mãos na direção cefálica, flexione o joelho frontal e mova seu corpo para a frente, acrescentando peso corporal no final da manobra. Aumente a pressão nas zonas nodulares endurecidas e reduza-a enquanto os tecidos cedem. Repita cada movimento algumas vezes antes de avançar para outra seção. Execute a manobra neuromuscular na região lombar, estendendo-a gradualmente para a região torácica.


Técnica de compressão
Compressão na região superior do ombro
Postura do profissional


Coloque-se na postura ereta, de frente para o paciente. Posicione-se em linha com os ombros do paciente e próximo à maca de tratamento. Incline-se um pouco para a frente para acrescentar peso corporal no final da manobra.

Procedimento


Posicione a mão cefálica nos músculos da parte superior do ombro. Coloque as eminências tenar e hipotenar na região anterior e os dedos no lado posterior. Use as eminências tenar e hipotenar para comprimir os músculos contra os dedos. Mantenha essa preensão leve enquanto alonga os tecidos afastando-os de você, sem deslizar sua mão. Incline-se levemente para a frente para aplicar alguma pressão no final da manobra, evitando, ao mesmo tempo, qualquer compressão excessiva com a mão na área supraclavicular (entre o músculo esternomastóideo e a borda anterior do trapézio). Solte a pressão e, mantendo os dedos na mesma posição, erga sua mão e leve-a para a região mais anterior do ombro. Repita o procedimento e a manobra várias vezes. Coloque a outra mão na escápula ou no ombro. Use essa preensão para controlar o movimento do ombro e acrescentar certo grau de contraforça enquanto aplica o alongamento.


Técnica de compressão

Amassamento nos músculos póstero-laterais

do pescoço

Postura do profissional



Coloque-se na postura ereta, próximo à maca de tratamento. Mantendo as costas retas, incline-se para a frente levemente para tornar a manobra mais fácil.
Procedimento
Execute a manobra de compressão nos músculos póstero-laterais do pescoço com a mão cefálica. Ajuste os dedos no lado contralateral ou no lado inferior do pescoço e as eminências tenar e hipotenar no lado ipsilateral ou no lado mais alto. Aplique compressão entre os dedos e as mãos, prevenindo-se contra uma força excessiva. Mantenha essa compressão enquanto alonga os tecidos para trás, isto é, para longe de você. Deixe que seu peso corporal facilite o alongamento, inclinando-se levemente para a frente. Tendo aplicado o alongamento, deslize os dedos e a mão (de modo semelhante ao deslizamento) para longe de você. Reduza totalmente a pressão enquanto completa a manobra e ajuste a posição da mão para recomeçar. Repita o procedimento algumas vezes. Durante toda a manobra, mantenha a mão caudal no ombro ou na escápula para criar uma leve contraforça à manobra de amassamento.

Técnica de trabalho corporal
Mobilização da escápula
Efeitos e aplicações
■ A mobilidade da escápula torna-se restrita quando os músculos à sua volta estão contraídos e encurtados. Essa técnica aplica um alongamento passivo a esses músculos e, com isso, aumenta a amplitude de movimentos da escápula. Os músculos que se beneficiam mais dessa mobilização incluem o serrátil anterior; o elevador da escápula; todas as fibras do trapézio e o rombóide.

Postura do profissional



Coloque-se na postura ereta, inclinando-se contra a maca de tratamento e de frente para o paciente. Nenhum peso corporal é necessário para esse movimento. Alguma inclinação para a frente é inevitável, mas deve ser mantida em um grau mínimo.

Procedimento


Segure o ombro com a mão cefálica (mais próxima da cabeça do paciente) colocando os dedos nas regiões mais altas da escápula, com a palma sobre a articulação acromioclavicular e o polegar sobre a região anterior. Apreenda a borda inferior da escápula com a mão caudal, usando a ponta dos dedos na borda medial e as eminências tenar e hipotenar na borda lateral.

Incentive um movimento de rotação da escápula enquanto mantém uma preensão firme; o eixo de rotação localiza-se no centro da escápula. Erga a borda inferior enquanto pressiona para baixo a região superior. Mantenha a posição no final da manobra para aplicar um alongamento passivo nos músculos. Os músculos mais afetados são o rombóide e as fibras inferiores do trapézio.



Tendo mobilizado a escápula em um sentido, inverta a ação erguendo a região superior enquanto pressiona para baixo a borda inferior. Aplique um alongamento passivo similar nos músculos, principalmente nas fibras superiores do trapézio, do serrátil anterior e do elevador da escápula. O subescápular, o redondo maior e menor e o intravertebral também são alongados, em menor grau. Uma vez completado esse alongamento, repita todo o procedimento, mobilizando a escápula em ambas as direções.




Técnica de deslizamento profundo

Deslizamento com os punhos no

pescoço e no ombro
Postura do profissional

Coloque-se à cabeceira da maca de tratamento, na postura de vaivém, com um pé levemente atrás do outro. Direcionando o olhar para a direção caudal (rumo aos pés), use a mão medial, que está mais próxima do centro da maca de tratamento, para aplicar a massagem. Estabilize o ombro com a mão mais lateral, aquela mais próxima à borda externa da maca de tratamento. Para essa manobra, a cabeça do paciente precisa estar em posição plana; por isso, utilize apenas uma almofada baixa para apoio.

Procedimento
Feche a mão que irá massagear, fechando os dedos e alinhando suas pontas nas eminências tenar e hipotenar.


Use as falanges proximais dos dedos para efetuar o deslizamento e evite exercer qualquer pressão com as outras articulações metacarpofalangianas ou interfalangianas. Coloque a mão em punho sobre as fibras superiores do trapézio, próximo ao processo mastóideo. Ajuste a mão de modo que o dorso do punho fique na direção da região anterior do pescoço. Realize o deslizamento, com o punho nessa posição, ao longo dos músculos da borda posterior do pescoço, e em direção aos ombros. Continue a manobra no lado superior do ombro, na região do supra-espinhal. Em geral, o peso da mão em punho é suficiente para a manobra; por isso, evite aplicar qualquer pressão pesada. Você pode, contudo, acrescentar alguma pressão inclinando-se para a frente ou transferindo o peso corporal para o pé frontal. Solte a pressão quando chegar à clavícula e leve o punho de volta à região mais alta do pescoço. Repita a manobra várias vezes.

É extremamente importante restringir essa técnica aos músculos da região posterior do pescoço, isto é, devem ser evitadas as fibras superiores do trapézio e do elevador da escápula e as estruturas mais centrais, como os músculos escalenos.

Técnica de trabalho corporal

Técnica neuromuscular no pescoço e no ombro
Efeitos e aplicações
■ A técnica neuromuscular é aplicada para reduzir nódulos e contrações crônicas nos músculos do pescoço e do lado superior do ombro. Também aplica um alongamento passivo nos tecidos e auxilia na redução de aderências.

■ Os músculos que mais se beneficiam dessa técnica incluem as fibras superiores do trapézio; o elevador da escápula; o esplênio da cabeça e do pescoço; as fibras inferiores do longuíssimo da cabeça; as fibras superiores do longuíssimo do pescoço e o ileocostal-cervical; e as fibras medianas e superiores do supra-espinhoso.

Postura do profissional

Coloque-se na postura ereta ao lado da maca de tratamento. Alinhe sua posição próximo ao ombro do paciente. Gire o corpo posicionando-se de frente à direção cefálica (rumo à cabeça). Uma opção é sentar-se na borda da maca de tratamento; esse arranjo é muito prático, embora implique alguma curvatura do tronco para a frente.

Procedimento para a técnica neuromuscular (1)

Segure e estabilize o ombro com a mão mais medial, isto é, a mão mais próxima do centro da maca de tratamento. Mantenha essa posição enquanto aplica um puxão leve no ombro durante a manobra. Coloque o polegar da mão mais lateral no lado mais alto do ombro, na região do supravertebral. Repouse a palma e os dedos da mesma mão na região lombar superior. Aplique uma série de manobras curtas com a ponta do polegar plana em relação aos tecidos. Você pode optar por flexionar a articulação interfalangiana distai do polegar, para aplicar um pouco de pressão extra. Repita a manobra na mesma área até que os tecidos fiquem relaxados ou, no caso de nódulos, a sensibilidade seja reduzida. Tenha em mente que um tratamento muito demorado em uma área pode causar abrasões.

Execute a técnica neuromuscular no lado superior do ombro e prossiga ao longo das regiões lateral e posterior do pescoço até chegar ao occipício. Enquanto alonga os tecidos na direção cefálica a cada manobra, aplique um contra-alongamento com a mão que segura o ombro (na direção caudal).




Procedimento para a técnica neuromuscular (2)
A técnica neuromuscular pode ser realizada com esse método alternativo. Sente-se na borda da maca de tratamento ou permaneça na postura ereta. Coloque os dedos de ambas as mãos próximos aos músculos póstero-laterais do pescoço, próximo ao occipício e ao processo mastóideo. Posicione as mãos de modo que os dedos de ambas as mãos fiquem em contato.

Flexione as articulações interfalangianas distais de todos os dedos e pressione a ponta dos dedos nos tecidos. Aplique a manobra neuromuscular com as duas mãos ao mesmo tempo, mantendo a proximidade dos dedos. Execute uma ação contínua, da região occipital para o lado superior do ombro.



Incline-se levemente para trás para aumentar a pressão e alongar os tecidos. Quando chegar à borda lateral do ombro, alivie a pressão, leve as mãos de volta à região cervical superior e repita a manobra.
══════════════
TÉCNICAS SUPLEMENTARES PARA AS COSTAS: O PACIENTE SENTADO NA MACA
O paciente pode estar incapacitado de se deitar na maca de tratamento devido a certos problemas, como enfisema. Nessa situação, você pode executar as manobras de massagem nas costas com o paciente sentado na maca de tratamento. Outras manobras, descritas mais adiante, podem ser aplicadas com o paciente sentado em uma cadeira ou banco.

O paciente pode sentar-se em uma ponta da maca de tratamento enquanto você assume uma posição ao lado dela. Fique muito próximo do paciente, na postura ereta, e coloque um braço em torno da parte superior do tórax dele. Alcance o outro lado para segurar e estabilizar o ombro contralateral. Apoie o peso do paciente permitindo que ele se encoste em seu peito. Continue ajustando a postura até que o paciente esteja completamente relaxado, em particular quanto aos músculos das costas. Para um apoio mais confortável, pode-se inserir uma almofada entre seu tórax e o paciente. Além disso, você pode colocar uma almofada ou toalha dobrada em seu ombro para apoiar a cabeça do paciente, que deve ser mantida mais ou menos vertical, já que uma grande inclinação lateral do pescoço pode ser dolorosa e até mesmo perigosa, como é o caso de espondilose.



É importante notar que a maca deve ser suficientemente baixa para que você tenha acesso confortável às costas do paciente. Se a maca de tratamento não for ajustável ou for muito alta, talvez seja melhor fazer o paciente sentar-se em uma cadeira, enquanto você se senta próximo a ele, aplicando o mesmo método para segurá-lo e apoiá-lo. Esta também pode ser uma opção melhor se o paciente não sentir-se confortável sentado na maca.

Efeitos e aplicações


■ A maior parte das manobras de massagem aqui apresentadas é similar aos indicados quando o paciente em decúbito ventral. Ambos os conjuntos de técnica compartilham os mesmos efeitos e aplicações. Como já foram descritos no tópico anterior, não serão repetidos aqui.

Técnica de deslizamento
Deslizamento em toda a região das costas
Procedimento
Enquanto segura e apoia o paciente com uma mão, como já descrito, realize o deslizamento nas costas com a outra mão. Execute o deslizamento em qualquer uma das seguintes direções: transversalmente nas costas, em direção circular ou em direção cefálica (rumo à cabeça). Introduza uma leve ação de

mobilização do tecido a cada movimento de deslizamento, deslocando o peso corporal de um para outro pé ou inclinando-se para trás e para a frente. Isso aumenta o efeito tranqüilizante e relaxante do deslizamento, especialmente se realizado em ritmo lento. O receptor mais provável dessa técnica é a pessoa idosa; se for este o caso, aplique apenas pressão mínima. Em outros casos, ajuste a pressão conforme a condição e o tamanho dos tecidos.

Não é necessário repetir a manobra indo para o outro lado do tronco.

Técnica de compressão
Compressão dos músculos paravertebrais
Procedimento
Segure o paciente do mesmo modo que para a manobra anterior e execute a técnica de compressão no lado contralateral da coluna. Use as eminências tenar e hipotenar para exercer pressão nos músculos paravertebrais, lateralmente aos processos da coluna. Com a mão nessa posição, aplique um alongamento nos tecidos na mesma direção contralateral (isto é, longe da coluna). Incline-se de leve para a frente, para aumentar a pressão por meio do braço; evite qualquer deslizamento da mão sobre os tecidos. Comece na região lombar e avance gradualmente com os movimentos para cima, até a região torácica. Massageie apenas o lado contralateral, depois vá para o outro lado da maca de tratamento e repita o procedimento.



Técnica de compressão

Compressão na região superior do ombro
Procedimento
Mantenha a posição das manobras anteriores e massageie o lado superior contralateral do ombro. Certifique-se de que a cabeça do paciente não esteja pendendo demais para seu lado, já que isto colocaria tensão nos músculos no lado contralateral. Coloque os dedos da mão que massageia na região anterior do trapézio e nas eminências tenar e hipotenar na área posterior da região lombar superior.

Comprima os tecidos entre a mão, que aplica a maior parte da pressão, e os dedos. Role e alongue os tecidos para a frente e, ao mesmo tempo, em uma direção anterior. Cuidado para não deslizar muito a mão e para não beliscar a pele. Depois de ter comprimido os tecidos, solte completamente a pressão e leve a mão novamente até a região torácica. Repita a manobra várias vezes. Massageie apenas o lado contralateral, depois dê a volta na maca de tratamento e execute o mesmo procedimento no outro lado.




═════════════

TÉCNICAS SUPLEMENTARES PARA AS COSTAS: O PACIENTE SENTADO

EM UMA CADEIRA
Se o paciente estiver incapacitado para se deitar, algumas técnicas de massagem para as costas podem ser executadas enquanto o paciente fica sentado em um banco ou em uma cadeira. Nessa posição, o paciente pode inclinar-se para a frente e descansar os antebraços e a cabeça na maca de tratamento ou em outro móvel similar. Se necessário, use almofadas como apoio. Incentive o paciente a colocar-se em uma posição confortável para relaxar os músculos das costas. Escolha sua própria postura para realizar a massagem: ajoelhe-se no chão, sente-se perto do paciente em uma cadeira ou fique de pé. Altere essa postura, se necessário, e massageie apenas por curtos períodos, para evitar qualquer tensão nas costas.

Efeitos e aplicações


■ A maior parte das manobras de massagem aqui apresentadas é similar aos realizados quando o paciente está de bruços. Os dois conjuntos de técnica compartilham os mesmos efeitos e aplicações. Uma vez que esses já foram descritos no tópico anterior, não serão repetidos aqui.

Técnica de deslizamento

Deslizamento em toda a região das costas
Postura do profissional
Uma posição alternativa para a aplicação do deslizamento é ajoelhar-se com uma das pernas, enquanto o outro joelho é flexionado com o pé apoiado no chão; isso permite a transferência do peso corporal para a frente durante a manobra. Você também pode ajoelhar-se completamente.

Procedimento para o deslizamento nas costas (1)


Apoie o paciente colocando uma mão na pelve dele. Realize o deslizamento nas costas, em apenas um lado da coluna, com a outra mão. Comece pela região lombar inferior, ou tão baixo quanto você possa alcançar confortavelmente, e avance na direção cefálica (rumo à cabeça). Enquanto executa o deslizamento para cima, incline-se para a frente para aplicar alguma pressão com o peso corporal. Continue a massagem no ombro, depois faça o trajeto até a borda externa da região torácica.

Repita a manobra várias vezes. Inverta sua ação para poder apoiar-se no joelho oposto e, tendo também alternado as mãos, massageie o outro lado da coluna.

Um ação alternativa é massagear ambos os lados da coluna simultaneamente, usando uma mão em cada lado. Essa manobra é mais prática se você estiver ajoelhado, com ambos os joelhos no chão.

Procedimento para o deslizamento nas costas (2)


Uma alternativa para a posição de joelhos é sentar-se em uma cadeira, próximo ao paciente. Apoie o paciente segurando seu ombro com uma mão e realize o deslizamento com a outra mão. Leve sua mão na direção cefálica, de modo circular ou transversal nas costas, aplicando uma série de movimentos sobre toda a região das costas.

Técnica de deslizamento profundo

Deslizamento com o polegar nos músculos paravertebrais
Postura do profissional

A posição de joelhos talvez seja a mais prática para realizar esse deslizamento com o polegar. Sentarem um banco ou cadeira é uma opção.

Procedimento
Coloque os polegares em cada lado da coluna, nos músculos paravertebrais. Realize o deslizamento com ambos os polegares simultaneamente, aplicando uma série de manobras curtas. A massagem apenas com um polegar às vezes pode ser mais confortável do que com os dois polegares ao mesmo tempo.


Mantenha cada polegar razoavelmente reto, ou flexione-o de leve na articulação interfalangiana distai. Aplique pressão inclinando-se um pouco para a frente. Repita as manobras em uma área algumas vezes, ou até reduzir a tensão, depois mova os polegares mais para cima, na direção cefálica, e repita o procedimento. Continue com a massagem no nível da escápula.


Técnica de deslizamento profundo

Deslizamento com os punhos
Efeitos e aplicações
■ O efeito principal dessa técnica é aplicar pressão nos músculos lombares quando estes se encontram muito contraídos. Além de aliviar os músculos, a técnica de deslizamento realizado com os punhos tem o efeito de alongar a fáscia lombar, que está invariavelmente tensa.

Postura do profissional


Coloque-se por trás do paciente e incline-se para a frente, para alcançar a área lombar. A postura de vaivém pode ser a mais apropriada para esse movimento, já que permite o deslocamento do peso corporal para trás e para a frente. Uma vez que o deslizamento realizado com os punhos envolve certo peso corporal, não é prático realizá-lo sentado em uma cadeira.

Procedimento para o deslizamento com os punhos (1)


Feche as mãos, fechando os dedos e apoiando suas pontas nas eminências tenar e hipotenar.

Coloque as mãos em punho na região lombar superior, uma em cada lado da coluna. Mantenha os pulsos planos enquanto realiza deslizamento com ambas as mãos simultaneamente sobre a região lombar e sobre o sacro. Massageie os músculos paravertebrais e a fáscia, próximo à coluna; tenha cuidado para não exercer pressão sobre



os rins ou não atingir os tecidos com as articulações interfalangianas ou metacarpo-falangianas. Aumente o peso da manobra inclinando-se levemente para a frente. Complete a manobra na extremidade inferior do sacro, depois alivie a pressão e leve as mãos em punho para a região lombar superior.



Repita o procedimento algumas vezes.

Observe que essa técnica é contra-indicada se o paciente sentir muita dor na área lombar, dor ciática, um disco herniado ou distúrbio similar.

Procedimento para o deslizamento realizado

com os punhos (2)
Um segundo método para a aplicação de deslizamento profundo é ficar de pé, próximo ao paciente, e administrar a massagem no lado ipsilateral da coluna. Nessa posição, você também pode começar a massagem mais para cima e avançar na direção caudal.

Use uma mão em punho, como já foi descrito, para aplicar o deslizamento. Mantenha-a plana junto aos tecidos e evite exercer pressão com o nó dos dedos. Aplique o deslizamento realizado com os punhos com o pulso nessa posição, acompanhando os músculos paravertebrais e a fáscia lombar. Repita a manobra longa sobre toda a região lombar várias vezes. Apoie e estabilize as costas com a mão que não está massageahdo. Observe que, em vez de usar a mão em punho, você pode executar o deslizamento com a palma plana e com os dedos. A mão plana possibilita menor pressão e melhor palpação dos tecidos.




Técnica de compressão
Compressão na região superior do ombro
Postura do profissional

Coloque-se na postura ereta, atrás do paciente. Massageie os lados esquerdo e direito da região superior da coluna simultaneamente. Uma segunda opção é permanecer ao lado do paciente e massagear o lado contralateral.

Procedimento


Para massagear ambos os lados da região torácica ao mesmo tempo, coloque os dedos no aspecto anterior do lado superior dos ombros, na região da clavícula. Estenda os polegares para o aspecto posterior e coloque-os entre a coluna e a escápula. Aplique pressão com ambos os polegares e comprima os tecidos contra os dedos do lado anterior. Mantenha essa preensão e role os tecidos para a frente com os polegares. para alongar as fibras transversalmente. Depois, solte e coloque os polegares na posição mais posterior. Repita o procedimento várias vezes. Se optar por permanecer ao lado do paciente e tratar o lado contralateral, substitua o polegar pelas eminências tenar e hipotenar. Realize a mesma manobra, comprimindo os tecidos e rolando-os para a frente.

Capítulo 6






1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   ...   25


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal