M 41 ( Cáo Maior )



Baixar 25.02 Kb.
Encontro26.05.2018
Tamanho25.02 Kb.

M 41 ( Cáo Maior )

M 41 é um aglomerado aberto fácil de encontrar, pois além do seu brilho encontra-se

4 graus a sul de Sírio (a estrela mais brilhante do céu nocturno). Encontra-se a 2300

anos-luz e tem aproximadamente 25 anos-luz de diâmetro.


M 36 ( Cocheiro )
M 36 é um jovem aglomerado aberto (25 milhões de anos) contendo cerca de

60 estrelas, a uma distância de 4100 anos-luz.


M 37 (Cocheiro )

M 37 é o mais brilhante e mais rico dos aglomerados abertos da constelação do Cocheiro (os outros são M 36 e M 38), contendo cerca de 500 estrelas em aproximadamente 25 anos-luz.


M 38 ( Cocheiro )
À excepção do número de estrelas, este é um aglomerado aberto muito semelhante ao anterior e seu vizinho na constelação do Cocheiro, M 37: diâmetro - 25 anos-luz; distância - 4200 anos-luz; idade - 220 milhões de anos.
M 42 ( Òrion )

A Nebulosa de Orion é a mais brilhante nebulosa difusa, visível a olho nú como a

"estrela" do meio da "espada" de Orion. Faz parte de uma nuvem muito mais vasta (e ténue) que cobre metade da constelação de Orion. Assim, a sua extensão é muito dificil de determinar, apesar da distância ser conhecida com alguma precisão (1600anos-luz).

É uma zona de intensa actividade, recheada de estrelas jovens e muito brilhantes, onde

o telescópio espacial Hubble fotografou discos protoplanetarios (centros de condensação da nebulosa, onde se encontram estrelas em formação). No centro da nebulosa, onde esta é mais brilhante, encontra-se um trapézio de estrelas jovens, responsáveis pela excitação dos átomos desta parte da nuvem (visível com binóculos).
M 1 ( Touro )

Nome: Nebulosa do Caranguejo

Tipo: Vestígio de Supernova

Const: Touro

NGC: 1952

A.R.: 05h 34.5m

Dec.: +22º 01'

Mag.: 8.2


A Nebulosa do Caranguejo consiste em matéria ejectada por uma estrela que explodiu em supernova no anode 1054. Durante alguns dias foi visível mesmo durante o dia, e com um brilho semelhante ao da Lua cheia.

A nebulosa foi descoberta em 1731 por John Bevis e independentemente por Messier em 1758, que primeiro julgou tratar-se de um cometa. Ao verificar que o objecto não se tinha deslocado durante duas semanas, Messier reconheceu o seu erro e começou a catalogar os objectos difusos que poderiam ser confundidos comcometas. E está a uma distância de 6300 anos-luz, tem cerca de 10 anos-luz de diâmetro e encontra-se ainda em expansão à velocidade de 1800 Km/s.

A sua luz provém de duas contribuições: uma componente vermelha que forma uma rede caótica de filamentos brilhantes, e um 'fundo' azulado de radiação de sincrotão. É também uma fonte de rádio e de raios X. No centro da nebulosa encontra-se um pulsar, cuja radiação visível só pode ser detectada em grandes telescópios.
Supernovas = Algumas estrelas terminam a sua vida em grandes explosões, as supernovas. Durante a explosão uma estrela pode ficar biliões de vezes mais brilhante que o Sol, rivalizando em luminosidade com o resto da galáxia. A última supernova observada na nossa galáxia deu-se em 1604, pelo que muito do que sabemos delas provém de observações deste fenómeno em galáxias próximas. Existem vários tipos de supernova, conforme o tipo de estrela que lhe dá origem.
Pulsares = são fontes de rádio cujo sinal é recebido a intervalos regulares, geralmente da ordem do segundo. Consistem em estrelas de neutrons, com cerca de 20-30 km de diâmetro, cujo eixo magnético se encontra inclinado reletivamente ao eixo de rotação. À medida que a estrela gira, um "raio" de rádio varre o espaço e pode eventualmente ser detectado da Terra. Os períodos observados estão entre 1,56 milisegundos e 4,3 segundos. Podem ser formados, por exemplo, pelo colapso do núcleo de estrelas supergigantes durante as explosões de supernova.
M 45 ( Touro )
As Pleiades são um grupo de estrelas jovens, das quais se podem ver a olho nú de 6 (em condições normais) a 9 estrelas (condições excelentes). Até uns pequenos binóculos podem mostrar várias dezenas das cerca de 500 estrelas que constituem este enxame.

Conhecidas desde a antiguidade, representavam na mitologia grega as sete filhas de Atlas e Pleione: Alcyone, Asterope (estrela dupla), Electra, Maia, Merope, Taygeta and Celaeno.

Fotografias de longa exposição mostram vestigios de nebulosidade, cuja cor azulada revela que se trata da reflexão da luz das estrelas próximas.

Este aglomerado, que dura há cerca de 100 milhões de anos, irá dispersar-se daqui a cerca de 250 milhões de anos.

Como se encontra apenas a 4 graus da eclíptica, ocultações de estrelas das Pleiades pela Lua são frequentes e podem ser observadas com equipamento modesto ou mesmo à vista desarmada.

M 35 ( Gemeos )
M 35 é um enxame aberto contendo mais de 200 estrelas, distribuidas por uma área (aparente) semelhante à da Lua cheia. A distância de 2800 anos-luz indica um diâmetro real de 24 anos-luz.

É facilmente visível a olho nú junto aos "pés" dos Gémeos e esplêndido através de binóculos. Pequenos telescópios podemmostrar o seu "vizinho", mais distante (aparentemente mais denso) e

mais ténue, NGC 2158 (New General Catalogue, listagem feita por Dreyer de 7800 objectos celestes, a grande maioria visível apenas com telescópios), no canto da fotografia
O Hubble volta à ativa
O telescópio espacial está apto novamente para captar imagens reveladoras do universo

Depois da missão de reparo, feita em dezembro de 1999, o Hubble voltou a enviar imagens surpreendentes do universo. Em janeiro, ele registrou dois objetos intrigantes. Um deles é a NGC 2392, também conhecida pelos astrônomos como Nebulosa Esquimó (imagem abaixo).

Quando vista através de telescópios terrestres, ela lembra um rosto de uma pessoa envolto por

um capuz de pele - daí a alusão aos habitantes do Pólo Norte. Essa nebulosa, formada por gases ao redor de uma estrela semelhante ao Sol, está próxima da morte e fica a cerca de 5 mil anos-luz da Terra.

Na imagem feita pelo Hubble, o que lembra o capuz de pele se parece com cometas gigantes localizados ao redor da estrela central. Os cientistas supõem que as bolhas que formam as cabeças desses cometas estejam à mesma distância da estrela. "Este fato será fundamental no desenvolvimento da teoria que irá explicar por que houve formação de bolhas e cometas nesta nebulosa", explica o astrônomo J. Patrick Harrington, especialista em nebulosas planetárias. "De todas as nebulosas já fotografadas pelo Hubble, esta imagem é uma das mais belas."
The Eskimo Nebula from the Newly Fixed Hubble

Explanation: In 1787, astronomer William Herschel discovered the Eskimo Nebula. From the ground, NGC 2392 resembles a person's head surrounded by a parka hood. In 2000, just after being fixed, the Hubble Space Telescope imaged the Eskimo Nebula. From space, the nebula displays gas clouds so complex they are not fully understood. The Eskimo Nebula is clearly a planetary nebula, and the gas seen above composed the outer layers of a Sun-like star only 10,000 years ago. The inner filaments visible above are being ejected by strong wind of particles from the central star. The outer disk contains unusual light-year long orange filaments. The Eskimo Nebula lies about 5000 light-years away and is visible with a small telescope in the constellation of Gemini.


NGC 2392

It is appropriate that this particular nebula is seen high in the sky during the early evening hours of winter (northern hemisphere). At a distance of around 3,000 light years away this bubble gas appears

very bright in our telescope. With your eyes you can see the central star and surrounding nebulosity easily. More difficult to see is the "fur" of the hat that this gentleman wears.

Documento
A explosão de uma estrela com as dimensões de nosso sol, na Constelação de Gemini, e que forma a Nebulosa do Esquimó, corrobora a conclusão: "Os elementos originais retornarão ao eterno círculo,

determinado pelas leis cósmicas fundamentais..."

Esta extraordinária fotografia, a primeira missão do Hubble deste ano, foi comprovada pelo Telescópio orbital após a missão espacial do último mês de dezembro, em que foram reparados os giroscópios do observatório. Ao centro, nota-se a estrela residual após a explosão:

Um sol que morre
A Nebulosa do Esquimó (NGC 2392), que se situa a 5000 anos-luz da terra, mostra os remanescentes da explosão. A foto, uma relíquia do passado remoto, foi tomada nos dias 10 e 11 de janeiro de 2000. Na composição dos gases encontram-se traços de Nitrogênio (vermelho) Hidrogênio (verde), Oxigênio (azul) e Hélio (Violeta). Observe-se a alta predominância de Hidrogênio. (AP Foto/NASA)
NGC 2158
NGC 2158 is a much smaller and fainter open cluster that lies quite nearby. Comparing this cluster to its neighbor is a wonderful study in contrast. NGC 2158 has a beauty all its own; where M35 is a bright and widely scattered, NGC 2158 shimmers faintly; M35 is loud, whereas NGC 2158 is a quiet interlude. Much of the difference is due to distance. NGC 2158 is over five times further away, nearly 16,000 light

years. It is also ten times older. In my 18" at 100x NGC 2158 looked very much like a faint, unresolved globular with a smattering of brighter stars strewn over it. At 425x the faint stars became resolved and the shape appeared too irregular to be a globular, taking on the appearance of an arrow head.


M35 and NGC 2158

Star Clusters in the Winter Milky Way M35 is the spangle of bluer stars towards the top and left. It is a cluster about 800pc distant. The smaller cluster to the lower right (NGC 2158) contains many more redder stars. It is older than M35 and about 6 times more distant. The photometric data from which this picture was produced were used to support an astrometric calibration of Fine Guidance Sensor #3 aboard Hubble Space Telescope.


Betelgeuse
Situada na constelação de Orion ( em cima, a esquerda em vermelho) é uma estrela 60 000 vezes mais brilhante do que o sol e mil vezes maior

A 9ª estrela mais brilhante no céu e a mais brilhante na constelação de Orion. Estrela variável de magnitude aparente média de 0,41 e magnitude aparente de -5,6, Betelgeuse é uma gigante vermelha do tipo espectral M2, de cor laranja-avermelhada quando vista a olho nu. Apesar de sua distância de 520 anos-luz, é uma das estrelas mais visíveis no céu.



Estrelas de Carbono, as Mais Vermelhas das Estrelas
Por Ricardo Motta
No final do século passado, os astrônomos ao fazerem observações espectroscópicas de estrelas, classificaram algumas delas que foram colocadas em três amplas categorias. Estrelas azuis brancas tais como Sirius apresentavam umespectro marcado por poucas e fortes linhas escuras, hoje em dia sabe-se que são devido a absorção do hidrogênio. Outro grupo, incluindo o Sol, mostram linhas fracas. Na terceira classe estavam as estrelas vermelhas tais como Antares e Betelgeuse, as quais tinham inumeráveis linhas finas na faixa escura. No início deste século estas faixas escuras foram identificadas como o resultado de moléculas de óxido de titânio (TiO). Também foi isolada uma quarta classe, na qual estavam as mais vermelhas das estrelas. Estas também mostravam uma faixa espectral escura, mas de forma diferente daquelas estrelas como Antares. Essas faixas foram identificadas como sendo devido ao carbono, o qual foi deduzido comparando o espectro estelar com o espectro da chama de parafina em laboratório. Estas

estrelas muito vermelhas são agora chamadas de estrelas de carbono. A imagem de uma estrela envolta por fuligem e fumaça torna-se apropriada. Como tanto carbono surge na atmosfera de uma estrela? Depois que uma estrela com uma massa aproximadamente a do Sol entra na fase gigante vermelha de sua evolução, correntes convectivas circulam profundamente no interior estelar. Elementos pesados tal como o carbono, os quais foram criados por fusão nuclear na fase inicial de vida das estrelas, são trazidas para a superfície. As faixas na parte visível do espectro são as impressões digitais de moléculas (tais como C3, CN, e CH) formadas pelo arrasto do carbono. Estrelas laranja-avermelhadas como Betelgeuse tem sua cor devido a suas baixas temperaturas na superfície. Estrelas de carbono também são gigantes frias, mas elas são profundamente vermelhas porque as porções azuis e violetas dos seus espectros são quase totalmente absorvidos por várias moléculas em sua atmosfera. Em outras palavras, elas são envoltas em um filtro gasoso vermelho. Estrelas de carbono são raras. Os astrônomos acham que elas formam uma sequência paralela a das gigantes frias. Atualmente elas tem sido mais pesquisadas que qualquer outra classe espectral de estrelas.


X-Rays From Sirius B
Explanation: In visible light Sirius A (Alpha Canis Majoris) is the brightest star in the night sky, a closely watched celestial beacon throughout recorded history. Part of a binary star system only 8 light-years away, it was known in modern times to have a small companion star, Sirius B. Sirius B is much dimmer and appears so close to the brilliant Sirius A that it was not actually sighted until 1862, during Alvan Clark's testing of a large, well made optical refracting telescope. For orbiting x-ray telescopes, the Sirius situation is exactly reversed, though. A smaller but hotter Sirius B appears as the overwhelmingly intense

x-ray source in this Chandra Observatory x-ray image (lines radiating from Sirius B are image artifacts). The fainter source seen at the position of Sirius A may be largely due to ultraviolet light from the star leaking into the x-ray detector. With a surface temperature of 25,000 kelvins, the mass of the Sun, and a radius just less than Earth's, Sirius B is the closest known white dwarf star. Can you guess what makes Sirius B like Neptune, the Sun's most distant gas giant planet? While still unseen, the presence of both celestial bodies was detected based on their gravitational influence alone ... making them early examples of



dark matter.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal