Livro do professor: Língua Portuguesa ª Classe



Baixar 202.57 Kb.
Encontro28.06.2019
Tamanho202.57 Kb.

livro do professor: Língua Portuguesa 3.ª Classe

ÍNDICE

Introdução 2

Objectivos 3

UNIDADE 0


  1. Apresentação 5

  2. Alfabeto 7

UNIDADE 1

  1. Contar até cem 12

  2. O tempo 12

  3. O estado do tempo 13

UNIDADE 2

  1. O vestuário e as cores 15

  2. Como sou? 18

  3. A família 19

  4. Vamos à escola! 21

UNIDADE 3

  1. A alimentação 23

  2. A saúde é importante! 25

UNIDADE 4

12. As actividades da nossa terra/as profissões 27

UNIDADE 5

13. A natureza que nos rodeia 29

14. As festas fazem falta! 30

UNIDADE 6

15. Ajudar a família 31

16. O que há para fazer nos tempos livres? 32

INTRODUÇÃO
O Manual Cresço Aprendendo! foi concebido para uma aprendizagem mais facilitada da Língua Portuguesa. Teve como processo de elaboração o ensino gradual de conteúdos; este deverá ser também o processo adoptado pelo professor no ensino: partir do mais simples para o complexo, como se subisse um degrau por lição. Daí que o livro comece com frases simples para um primeiro contacto linguístico mais agradável e motivante e, progressivamente, parta para o textual.

Relativamente às competências a praticar numa língua: o Ouvir/Falar (Oral), o Ler, o Escrever e a Reflexão sobre a língua (Funcionamento da Língua/Gramática), foram distribuidas pelas lições, tentando partir sempre que possível do oral para a leitura e só depois para a escrita; já os conteúdos gramaticais foram introduzidos sempre que necessários a uma determinada temática.

Neste manual, o professor encontrará alternativas aos exercícios do manual do aluno. O livro está dividido em lições sumariadas com os respectivos passos a seguir em cada aula. São sugestões que o professor poderá aproveitar para enriquecer, desenvolver e estimular a criatividade e capacidade dos alunos. Encontrará, portanto, uma diversidade de recursos, tais como a mobilização de expectativas de leitura, ou seja, a motivação para a leitura; novas propostas de tarefas de interpretação/compreensão dos textos lidos; processos de leitura dos textos, etc.

A metodologia adoptada em ambos os manuais tem como centro a aprendizagem do aluno, embora o presente manual também ofereça ao professor estratégias várias de ensino. O que aqui é pretendido é que o aluno faça uma aprendizagem pela descoberta, isto é, deverá ser o próprio a ir de encontro ao pretendido; o papel do professor é CONDUZI-LO, ORIENTÁ-LO ao conhecimento e desenvolvimento das competências atrás mencionadas.


Acreditamos que um ensino que vise as necessidades do aluno é um ensino com sucesso. Desta forma, esperamos ir de encontro às expectativas e necessidades dos vossos alunos e esperamos ser úteis na planificação das aulas do professor.

As autoras,

Carla Araújo e Edna Araújo

OBJECTIVOS




OUVIR/ FALAR




LER

  • se oralmente, compreendendo e utilizando pequenas frases;

  • Comunicar em diferentes situações, sabendo construir frases.

  • Saber ouvir discursos em português;

  • Reter o essencial daquilo que foi ouvido;

  • Descobrir, pelo contexto, o significado de palavras ainda desconhecidas;

  • Reconhecer as finalidades do discurso do interlocutor;

  • Falar de modo claro e perceptível;

  • Interagir e participar nas exposições;

  • Utilizar as formas de tratamento adequadas à situação escolar;

  • Exprimir momentos de mímica, dramatizações e afins;

  • Narrar situações vividas e/ ou imaginadas;

Usar o vocabulário apreendido.

  • Contactar com pequenos textos de temáticas do dia-a-dia;

  • Desenvolver a competência de leitura, exprimindo reacções espontâneas de leitor em dramatizações e leituras de textos.

  • Identificar as ideias principais;

  • Organizar uma leitura fonológica1 e de reconhecimento global2.

  • Atingir um modo de leitura descendente (de cima para baixo), articulando ideias, sentidos, palavras;

Promover uma leitura recreativa (voluntária; de ritmo pessoal

ESCREVER





REFLECTIR SOBRE

  • Produzir frases, que revelem a compreensão da língua numa dada realidade;

  • Experimentar novas actividades, que conduzam ao prazer da escrita.

  • Processar ideias, por tópicos;

  • Textualizar as ideias;

  • Rever o enunciado escrito;

  • Conhecer a ortografia.

  • Descobrir aspectos gramaticais fundamentais ao nível estrutural, partindo do uso da língua.

  • Utilizar e articular as estruturas morfológicas, sintácticas e semânticas.

  • Reflectir, utilizar e articular as classes de palavras
OBJECTIVOS FINAIS

  • Preservar a língua portuguesa, como herança cultural guineense.

  • Conhecer conteúdos orais e escritos.

  • Dominar a leitura, a oralidade, a escrita.



1. APRESENTAÇÃO

Lição n.º 1

Sumário: Apresentação.



Como cumprimentar as pessoas.

Apresentação


O ano lectivo começou e isso é sinónimo de aprendizagem, convívio, alunos, professores, enfim...

A apresentação é um momento fundamental e de extrema importância para o conhecimento e relacionamento com os outros. Assim, existem dois grupos: o grupo dos professores e o grupo dos alunos. Cada um dos grupos tem objectivos. O maior objectivo dos alunos é aprender e o dos professores é ensinar. Mas para que o professor consiga fazer chegar a sua mensagem torna-se necessário que o aluno esteja receptivo para captar essa mensagem. A partir da apresentação pode estabelecer-se uma relação de proximidade, o que facilitará a aprendizagem que o aluno fará nos próximos meses.




  • Propostas de Actividades de Apresentação para o 1º Dia de Aulas:



Proposta A


  • Sugere-se que se faça, oralmente, o seguinte jogo a pares:

1.º: um colega faz de entrevistador e o outro de entrevistado.

2.º: o entrevistador pergunta os dados pessoais ao entrevistado, do tipo “Como te chamas?”; “Que idade tens?”; “Com quem vives?”.

3.º: o entrevistador faz agora de entrevistado e vice-versa.

4.º: no final, um colega faz a apresentação do outro à turma.

Proposta B


  • O professor solicita aos alunos que façam um desenho com o qual se identifiquem.

1.º: O professor sugere que se desenhe ou um animal, ou uma árvore, ou uma pessoa conhecida, ou até mesmo algo abstracto, o que importa é reforçar a ideia de que o desenho terá de ilustrar algo que tenha a ver com eles.

2.º: Todos os elementos da turma terão individualmente de explicar o seu desenho começando por dizer o seu nome e a sua idade.

3.º:O aluno terá de explicar aos colegas o porquê da escolha do seu desenho e o que ele significa para si.

O objectivo desta actividade não se restringe apenas à apresentação formal: nome, idade, onde vive, com quem vive, mas ficar a conhecer um pouco mais da sua personalidade e gostos pessoais.




  • O professor dará então início à unidade 0 do manual do aluno, no âmbito da apresentação, ou seja, começar pelas perguntas 1, 2 e 3.




  • Como devemos cumprimentar as pessoas?

O aluno deverá saber como cumprimentar as pessoas, sejam elas os seus amigos, os seus familiares ou até mesmo aquelas com quem se cruzam no dia-a-dia. Para isso têm de se guiar pela hora do dia.


    • Nota: Fazer exercícios do manual, correspondentes a este tema.

Lição n.º 2

Sumário: Os pronomes pessoais.

Conjugação do verbo ser.


  • PRONOMES PESSOAIS

Para que servem os pronomes pessoais ?



Os pronomes servem para substituir os nomes.
Assim, os alunos devem saber que:



1ª Pessoa
2ª Pessoa
3ª Pessoa


EU - é a pessoa que fala

TU - é a pessoa para quem se fala

ELE/ELA - é a pessoa de quem se fala


SINGULAR




NÓS - são as pessoas que falam

ELES/ELAS - são as pessoas de quem se fala



1ª Pessoa
3ª Pessoa

PLURAL

[Omitiu-se a 2.ª pessoa do Plural – VÓS – devido a não ser muito utilizada no Português actual, daí que se considere ser desnecessário que o aluno tome conhecimento.]


Ela é simpática. = A Né é simpática.

Deve explicar-se aos alunos desta forma por que é que os pronomes substituem os nomes.




    • Nota: Fazer exercícios do manual, correspondentes a este tema.

2. O ALFABETO

Lição n.º 3

Sumário: O alfabeto.

As vogais e os ditongos.

A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z


a b c d e f g h i j l m n o p q r s t u v x z
As letras do alfabeto têm obrigatoriamente de ser soletradas pausadamente, letra a letra, levando o aluno a repeti-las. Este processo deverá ser realizado com algum cuidado, pois é neste momento que o aluno terá contacto com o som que cada letra emite.


  • Fazer exercícios do manual até à questão 2.1.




  • Os alunos deverão praticar as letras do alfabeto português no caderno; aconselham-se duas linhas do caderno, repetindo a letra com a caligrafia manual (cujo modelo deverá ser a letra do Professor).




  • No livro do aluno, página 7, a cada letra do alfabeto é atribuída uma imagem/desenho. Esta ideia serve para captar a atenção do aluno de modo a estimular a sua imaginação e a provocar, desta forma, a associação do som a uma imagem. Por exemplo, ao som da letra a associamos a imagem da água.


    • Proposta de actividade:

O ideal seria os alunos desenharem essa imagem e, com a ajuda do professor, colar todos os desenhos à volta da sala de aula. Este exercício ajuda o aluno a visualizar na sua mente o alfabeto.


  • Inicia-se então o estudo das vogais, que os alunos deverão destacar do alfabeto, ou sublinhando-as no caderno, ou pintando-as de cor diferente das consoantes. Devem decorá-las.




  • Após apreenderem as vogais, os alunos devem começar a uni-las com outras, de modo a formarem os ditongos:




DITONGOS

ui, iu


ei , eu


oi , ou


ão, ãe ã, õe



Ditongos

Orais


Ditongos

Nasais






  • Há que ter em conta que:

- As vogais que formam ditongo nunca se separam. Ex.: sai/a; di/rei/to.

- As vogais que não formam ditongo podem separar-se. Ex.: sa/í/da; ca/ir.




  • Como se formam os ditongos?

Os ditongos formam-se da junção de vogais com semivogais. O i e o u são as semivogais, as restantes são vogais.


  • Emprego do e e do i / emprego do o e do u:

Em algumas palavras, o e e o i têm sons iguais, assim como o o e o u. Isso pode gerar confusão na escrita dos alunos.

Pode ajudar a solucionar esse problema ao procurar palavras da mesma família daquela de que se tem dúvida, de modo a chegar até à “palavra mãe”. Ex.: passeata, passear - passeio




Estes e têm o som de i. Se formos à raíz das palavras não nos restam dúvidas de que se escrevem com e.



  • Para ensinar as vogais e os ditongos aconselha-se que se faça também a associação letra – imagem/desenho e que se resolvam os exercícios do manual do aluno.

Lição n.º 4

Sumário: Continuação do estudo do alfabeto.

As consoantes.


  • Os sons das consoantes


O som da letra p:
O pé do Paulo.

A pá do papá.




O som da letra t:
O apito do tio.

O pote é teu.




O som da letra l:
O livro é lindo.

A lata é da Lili.






O som da letra n:
O navio navega.

A menina e o menino.




O som da letra b:
A bola rebola.

A boneca é bonita.



O som da letra d:
O dado é da Deolinda.

O dedo dói.


O som da letra f:


A fada fala.

A filha é feliz.



O som da letra j:
O João está à janela.

A jaula está arranjada.






O som da letra m:
A meia é minha.

A mãe Maria.




O som da letra x:
O xaile do Xavier.

O peixe mexeu.


O som da letra v:
O avô vai à vila.

O cavalo é veloz.



O som da letra z:
O zangão zumbe.

A beleza do búzio.



O som da letra q:
Quando foi isso?

A equipa de futebol.




Todas estas consoantes têm sempre o mesmo som, seja qual for a sua posição, com exepção do m e do n, que em alguns casos têm som nasal. Ex.: ainda / ambulância / entrada / ímpar.


  • Aconselha-se que se adopte o mesmo procedimento que foi adoptado para o estudo das vogais, ou seja, os alunos devem desenhar uma imagem que comece pela letra a estudar. De seguida devem resolver os exercícios do manual do aluno.

Lição n.º 5, 6, 7 e 8

Sumário: Continuação da aula anterior.
Nestas aulas o professor deve insistir com exercícios, que tenham como função o aluno conhecer bem as consoantes, de modo a que as reconheça e distinga. Aconselha-se que o professor elabore exercícios onde os alunos comecem a juntar as consoantes a vogais, de modo a formarem sílabas e palavras.
Lição n.º 9 e 10

Sumário: Continuação do estudo do alfabeto.



Os casos especiais das consoantes.


  • Os casos especiais.




    1. A letra s tem o valor de s e de z:

Com som de s:


A sua saia é bonita.

O sapato é branco.

Com som de z:
A casota do cão.

O casamento da Maria.





    1. A letra c tem o valor de s e de q:


Com som de s:
O velho é cego.

O céu é azul.




Com som de q:
O cão caminha.

A caixa e o caixote.







      • A grafia ç tem sempre o valor de s:


Com som de s:
O açúcar é bom.

O laço da Maria.





    1. A letra g tem o valor de g e de j:


Com som de g:
O gato mia.

A goiaba é doce.

Com som de j:
A girafa é alta.

A gema do ovo.





    1. A letra r tem o valor de rr e de r :


Com som de rr:
O rato rói a rolha.

A roda rola.






Com som de r:
A estrada é perigosa.

O prado é verde.





    1. A letra h não tem um valor oral, digamos assim, porque é uma letra que não se ouve.


O que acontece é que o h não é lido, não tem um som; ele apenas existe na escrita. Portanto, quando uma palavra começa por h é lida com a letra que a procede.

A horta da avó.

O hipopótamo é cinzento.


  • O que é importante neste tema é que os alunos saibam distinguir as consoantes umas das outras e que conheçam os diferentes sons que cada uma pode ter, consoante a sua posição na palavra.




  • O Professor deve insistir com exercícios extra-manual.



3. CONTAR ATÉ CEM

Lição n.º 11 e 12

Sumário: Os algarismos.

As idades e as datas.


  • Esta subunidade tem como objectivo a aprendizagem dos algarismos por extenso. Os alunos devem praticar todas as temáticas que abordem números, assim como é exemplificado no manual do aluno: idade; datas; etc.




  • É importante que haja uma primeira fase de oralidade, em que os alunos saibam ordenadamente dizer os algarismos e depois passar à escrita.




  • Deve então associar-se a conjugação do verbo ter, que auxilia nas temáticas subjacentes à subunidade.

4. O TEMPO

Lição n.º 13 e 14

Sumário: As horas, os dias da semana e os meses do ano.


  • Pretende-se com esta subunidade que os alunos conheçam os dias da semana e os distingam do fim-de-semana (dias de trabalho vs. dias de descanso); os dias dos meses do ano e que saibam anunciar as horas, consoante o período diurno/nocturno.




    • Os alunos devem seguir os exercícios do manual. Na página 20 há uma “sopa de letras” cuja finalidade é os alunos partirem à descoberta das palavras contidas no quadro, para tomarem um conhecimento mais próximo das mesmas. Aconselha-se que depois de as descobrirem, as passem para o caderno diário.

5. O ESTADO DO TEMPO

Lição n.º 15 e 16

Sumário: Os diferentes estados do tempo.

O verbo estar.




  • O aparecimento do primeiro texto dá-se nesta subunidade, quando o aluno já adquiriu as competências necessárias para avançar com novas exigências.




  • O texto: “Um dia na praia” (página 22) é o primeiro texto deste manual, contudo, não achámos conveniente seguir o mesmo modelo de tratamento de texto que será feito ao longo de todo o manual. Será a primeira vez que o aluno tomará um contacto mais directo com um texto mais “denso”, daí que o professor se deva focalizar no aprofundamento da leitura.


Leitura do texto:

1º O professor deverá ler em voz alta o texto de forma a que o aluno consiga seguir a pronunciação das palavras;
O aluno segue atentamente a leitura do texto, sublinhando as palavras cujo significado não é compreendido;
O professor explica o significado dessas palavras ;
Após a compreensão do texto, o professor deverá então solicitar aos alunos a leitura individualizada do mesmo;
O aluno lê em voz alta o texto.
Compreensão/Interpretação do texto

  • Proposta de exercício : Texto lacunar.

O objectivo deste exercício é testar o nível de atenção de cada aluno e a sua capacidade de memorização, praticando desta forma algum vocabulário.

O texto lacunar é um exercício que consta no preenchimento dos espaços em branco. O texto é exactamente o mesmo que aparece no livro do aluno só que com pequenas lacunas.

O texto lacunar deverá ser passado no quadro pelo professor, certificando-se de que os alunos terão fechado o livro, para evitar que copiem, pois esse não é o objectivo do exercício. Os alunos terão como auxílio as palavras que preencherão nos espaços em branco.

Este exercício só poderá ser realizado se o texto a que nos referimos tiver sido bem estudado.

Um dia na praia.
Está um dia _______ de sol!

A Né e a Eva estão na _______. Está muito calor.

- Olha só _______ está ali! – diz a Né.

- É o Ivo e o Arafan! - responde a Eva.

- Olá, também _______ aqui? – pergunta o Ivo.

- Venham para junto de _______. Estamos com _______, vamos nadar! - diz o Arafan.

Os quatro _______ estão contentes.

Eles divertem-se muito: nadam, brincam e jogam.
estão lindo nós praia quem amigos calor


  • Para praticar a oralidade e o presente tema, o professor deverá conversar com os alunos de uma maneira menos formal. Perguntar-lhes-á o que têm por hábito fazer quando está menos calor e quando os dias estão mais tristes. Este é um estado que contraria o do texto. Assim começam a conhecer vocabulário para duas realidades distintas.




  • Os alunos deverão prosseguir com os exercícios do manual.



    • Sugestão de vocabulário suplementar:


Calor Húmido Tremer

Praia Convívio Transpirar

Campo Frio Suor

Amigo(a) Colega Quente

Vento Chuva Brisa

Seco Arrepio Fresco








6. O VESTUÁRIO E AS CORES

Lição n.º 17, 18, 19 e 20

Sumário: As cores.

As peças de vestuário.

Os artigos definidos e indefinidos.

Os determinantes possessivos e os pronomes possessivos.

O substantivo.




  • A finalidade do exercício da página 25 é o de aprender as cores, por associação de ideias (desenhos), para que a memorização das mesmas seja mais eficaz.




  • O professor deverá, como reforço à aprendizagem das cores, levar para a sala de aula cartões de várias cores ou objectos de várias cores, ou, em último recurso, lápis de várias cores. O objectivo é o de praticar oralmente as cores, levando-os novamente a fazer uma associação de ideias.




  • Proposta de exercício

Como opção ao exercício anterior o professor poderá solicitar aos alunos que descrevam as cores da roupa que trazem vestida, ou a dos seus colegas.


  • Segue-se na página 27 a aprendizagem de algumas peças de vestuário às quais o professor, se achar conveniente, poderá acrescentar mais algumas, levando os alunos a registá-las no caderno diário.




  • Antes da introdução ao estudo dos determinantes possessivos e dos pronomes possessivos, o professor deverá dar relevo ao género masculino e feminino na página 28.




    • Proposta de exercício

O professor poderá usar a turma para este exercício:

1.º Chamar dois alunos: um rapaz e uma rapariga para lhes ser mais fácil identificar o género:

O Ivo é um rapaz  pertence ao género masculino.

 A Ana é uma rapariga  pertence ao género feminino.
2.º Chamar outro par de alunos para identificarem através do vestuário que trazem, os géneros masculino e feminino.

Por exemplo:


O Arafan traz uma camisa.


camisa = género feminino

O Arafan traz um chapéu.




chapéu = género masculino


  • Em relação ao género e ao número pode explicar-se aos alunos, com registo no quadro:


O que há de diferente nas palavras sublinhadas?

Saia acaba em a e vestido em o.



A saia da Né é verde.

O vestido da Ana é azul.
Normalmente, todas as palavras acabadas em a pertencem ao género feminino e as terminadas em o pertencem ao género masculino. Tendo esta informação em conta,
O que é que se nota?
 Regra geral, os nomes de rapariga são do género feminino, porque terminam em a e os de rapaz são do género masculino, porque terminam em o.


  • Após a aquisição deste conhecimento, o aluno sentir-se-á mais seguro para compreender a distinção entre artigos definidos e artigos indefinidos.



  • Na página 31 pretende-se que os alunos saibam distinguir os determinantes possessivos dos pronomes possessivos. Para isso há que saber que:

O pronome substitui o nome/substantivo, ao passo que o determinante está lado a lado com o mesmo. Assim:

A Né gosta muito da sua saia. Mas a Ana não gosta da sua.



Neste caso temos o determinante possessivo junto do substantivo possuído.



Neste caso está presente o pronome possesssivo, que substitui o substantivo possuído, uma vez que este está subentendido.


Actividade de Motivação à Leitura

Sugere-se um exercício oral de motivação. O professor pede aos alunos que imaginem que é o dia do seu aniversário e que vão sair com os amigos. Pede-lhes que descrevam a roupa que escolheriam vestir. No diálogo com os alunos, o professor deverá diversificar o vocabulário, ou seja, usar as cores, os feitios, os tecidos, etc.


Leitura do texto

Adopta-se a mesma metodologia usada anteriormente.


Compreensão/Interpretação do texto


  • Proposta de exercício

1 – Que dia especial é o que a Né vai celebrar?

2 – Com quem vai sair a Né?

3 – De que cor é a saia da Né?

4 – O que combinou com a saia?

5 – A Né está bonita?


  • No final deste tema 6, apresentamos na página 34 do livro do aluno um exercício com os substantivos.

Os alunos devem ter a noção de que o substantivo/nome é uma palavra que designa todos os seres e as coisas (entenda-se por coisas os objectos e o que é mais subjectivo, como os sentimentos, as ideias, etc. Exemplo: amor, amizade, razão, chuva, ar).

  • Proposta de exercício

Há outros exercícios que se podem fazer relativamente aos substantivos, tais como perguntar oralmente aos alunos:

- o que têm em cima da mesa (um lápis, uma borracha, um caderno, um manual, etc.);

- o que sentem pelos pais (amor, carinho, etc.);

E assim chegariam à CATEGORIA DAS COISAS.

- como se chamam (Né, Zé, João, etc.);

- quais os animais que mais gostam (cão, gato, etc.);

E assim chegariam à CATEGORIA DOS SERES.





    • Sugestão de vocabulário suplementar:



justo claro algodão colar brilhante

largo escuro seda brincos baço

cintado esbatido lã anel transparente

pregas manchado acessórios pulseira estampado

rodado sujo manga curta/comprida roupa interior liso

amarrotado tecido salto alto/baixo óculos arco-íris




7. COMO SOU?

Lição n.º 21

Sumário: A descrição física.
Actividade de Motivação

Como motivação à introdução deste tema o professor poderá levar para a sala de aula uma boneca de papel feita por si. De seguida afixa-a no quadro e os alunos deverão descrevê-la, dizer como é fisicamente e o que traz vestido.


Leitura das explicações

O professor lerá em voz alta as explicações nas páginas 35, 36 e 37, explicando pormenorizadamente. Após a leitura, os alunos farão os exercícios propostos (páginas 37 e 38).


Compreensão/Interpretação do tema


  • Proposta de exercício

Como exercício extra, o professor pode levar para a sala de aula recortes de jornais ou revistas, de pessoas o mais diferentes possível umas das outras. Pode então entregar um recorte a cada dois alunos e descrevê-lo- -ão em conjunto (o trabalho será feito a pares).


    • Sugestão de vocabulário suplementar:


estatura mediana bonito anão

ruivo feio gigante

louro gordo/forte bem constituído

frizados magro/pele e osso unhas compridas/curtas

macios moreno pestanas

ásperos musculoso dentes



8. A FAMÍLIA

Lição n.º 22

Sumário: Os laços familiares.




    • Nesta unidade considera-se suficiente que os alunos apreendam os diferentes laços que nos unem à família, isto é, os vários graus de parentesco.

    • Será suficiente fazerem os exercícios apresentados no manual do aluno, que constam na árvore genealógica de uma família – a do personagem principal do texto. Ou seja, de quem descende.


Proposta de resolução da árvore genealógica do José, com base no texto:

Avó Inês

Avô Zé

Pai


Mãe

João

Ana

Francisco

António


Tio Chico

Maria









Tia Joaquina

Arafan







Filomena


Fernanda

Paula

Paulo



Eva

Manuel

José




  • Seria enriquecedor para os alunos se organizassem com a ajuda do professor uma pequena peça de teatro, cujo tema seria “Um dia em família”. O professor orientaria o guião da peça, com ideias dos alunos. O objectivo é criar algo simples, em que sejam os próprios alunos a encarnar um grau de parentesco: um será o pai, outro a mãe, outro o irmão, outro o avô, outro a tia, etc. Desta forma, perceberão melhor a ligação das pessoas no seio familiar.




    • S
      tetravó/tetravô cunhado noivo

      trisavó/trisavô comadre/compadre marido/mulher

      bisavó/bisavô madrasta/padrasto sogro

      tetraneto primo nora/genro

      trisneto tio avô/tia avó

      bisneto namorado



      ugestão de vocabulário suplementar:

9. VAMOS À ESCOLA

Lição n.º 23

Sumário: A escola.

Os materiais escolares.

Verbo ir.

As relações pessoais na escola.


    • Será fundamental que neste tema os alunos conheçam o nome dos materiais com que trabalham na sala de aula e a importância das relações com os colegas e com o professor.


Actividade de Motivação à Leitura

Aconselha-se que o professor inicie a sua aula com o seguinte procedimento:



1.º Começa por pegar no material de um e de outro aluno, perguntando à turma do que se trata e vai registanto no quadro (enquanto os alunos vão passando para o caderno).

2.º Pergunta à turma para que serve cada um dos objectos mencionados e adopta o mesmo procedimento (regista no quadro e os alunos passam).
Leitura do Texto

O professor lerá em voz alta o texto e explicará ao mesmo tempo palavras que lhe pareçam vir a suscitar dúvidas.


O professor deve reforçar a ideia do comportamento a ter em aula:

- a atenção;

- a relação harmoniosa entre colegas e para com o professor;

- o respeito para com o professor;

- o respeito para com os colegas;

- o cumprimento dos deveres de casa (ou trabalho de casa);

- a disciplina; etc.


  • Proposta de Actividade:

Este tema pode levar o professor a propor aos alunos um trabalho de grupo. Cada grupo de trabalho terá de apresentar cerca de 8 regras a cumprir na escola.

1º O professor forma grupos de 3 a 4 elementos, elegendo um porta-voz.

2º Cada porta –voz terá a função de apresentar as regras reunidas pelo seu grupo.

3º À medida que os grupos vão apresentando o seu trabalho, o professor vai registando as regras, sem repetir nenhuma.

4º O número de regras obtido será copiado para uma cartolina/papel e afixado na parede da sala de aula.

Nota: Imaginando que o professor conseguiu reunir cerca de 12 regras, a todos os elementos do grupo caberá copiar uma regra para a cartolina de forma a que todos participem.
Compreensão/Interpretação do Texto


  • Proposta de exercício

1 – Do que nos fala a personagem do texto?

2 – Quem é o seu melhor amigo(a)?

3 – Porque é que a Maria é uma boa colega?

4 – Que material leva a personagem para a escola?

5 – Por que motivo vai a personagem principal à escola?


  • Os alunos deverão então seguir os exercícios do manual.

  • Sugestão de vocabulário suplementar:



Régua Regras Papel Actividade Mímica

Recreio Sacola Tesoura Leitura Gesto

Sala de aula Estojo Canetas de cor Escrita Participar

Deveres/trabalhos de casa Lanche Gramática Oral Ditado

Exercícios Bata Apagador Verbal Cópia

Comportamento Cartolina Teste/Exame Expressão Aprender








10. A ALIMENTAÇÃO

Lição n.º 24

Sumário: A alimentação e os alimentos.



Verbo gostar.

Verbo comer.
Actividade de Motivação à Leitura

Antes de iniciar a leitura do texto, página 46, o professor poderá solicitar aos alunos que tragam de casa uma receita culinária. A finalidade desta actividade é a de motivar os alunos para a importância da alimentação no dia-a-dia, conduzindo-os indirectamente ao tema do texto, exercitando desta forma a mente, sem que seja o professor a fazê-lo directamente.

O professor pode iniciar a actividade pedindo a 2 ou 3 alunos para lerem as suas receitas, fazendo-os enumerar os alimentos/ingredientes mais saudáveis, favoráveis à saúde e os menos saudáveis, aqueles que podem ser prejudiciais.

Após a familiarização com o tema, o professor poderá então proceder à leitura do texto.


Leitura do texto

A leitura do texto deverá ser cuidada. É muito importante que sempre que o aluno proceda à leitura de um texto pela primeira vez esteja atento às palavras que podem ser um obstáculo à compreensão do mesmo. Para tal sugerem-se os seguintes passos:



1.ºLeitura do texto em voz alta pelo professor (o momento em que o professor lê o texto é muito importante, pois é neste momento que o aluno deverá ter especial atenção à pronunciação das palavras, uma vez que o deverá seguir);

2.º Leitura do texto em voz alta pelo aluno (será aconselhável que o professor registe diariamente a evolução/progressão da competência da leitura);

3.º Sublinhar as palavras cujo sentido não é compreendido;

4.º Passá-las para o caderno diário;

5.º Esclarecimento de dúvidas por parte do professor.


Compreensão/Interpretação do texto

Após a leitura, o professor poderá praticar a oralidade colocando algumas questões para a melhor compreensão do texto (as questões que se seguem podem ser resolvidas no caderno diário para praticar a competência da escrita).




  • Proposta de exercício

  1. Em que casa decorre a festa?

  2. Ao personagem do texto não foi atribuído um nome. Que nome lhe darias?

  3. Que personagem levou o peixe frito?

  4. Quem ajudou a preparar a salada?

  5. Quem levou o arroz cozido?

6. O texto não tem um título. Sugere um.

Nota: Sugere-se que a questão 6 seja realizada para estimular um pouco a criatividade do aluno e alargar um pouco o seu vocabulário.


  • Os alunos deverão prosseguir com os exercícios do manual.




  • Seguindo o exemplo da página 49, “Quantas vezes comes por dia?”, o professor poderá solicitar aos alunos que escrevam no seu caderno diário o que comem ao pequeno-almoço, ao almoço e ao jantar.




  • Sugestão de vocabulário suplementar:




pão tomate proteínas sorver confecção panela

leite arroz vitaminas prato fundo/raso vegetariano copo

café peixe ferro legumes culinária faca

fruta carne comida cadeia alimentar forno garfo

feijão cenoura refeição doçaria fogão colher

alface batata ingerir caldo tacho caçarola



11. A SAÚDE É IMPORTANTE!

Lição n.º 25

Sumário: A importância extrema da saúde.



Cuidados a ter.

Verbo beber.

Verbo tomar.

Verbo lavar-se.
Actividade de Motivação à Leitura

A actividade desta subunidade tem como objectivo não só a aprendizagem da língua portuguesa, mas também a interiorização de alguns hábitos alimentares e de higiene.

O professor deverá levar para a sala de aula:

a) imagens de pessoas a tomarem banho;

b) imagens de pessoas a lavarem alimentos;

c) imagens de pessoas a irem ao médico.

À medida que o professor mostra essas imagens deverá descrevê-las com algum pormenor, de modo a que os alunos participem também na descrição das mesmas, praticando assim a oralidade.


Leitura do texto

Seguir a metodologia do texto anterior.


Compreensão/Interpretação do texto

  • Proposta de exercício

1 Ditar as seguintes palavras-chave, que o aluno passará para o caderno diário:



saúde importante




cuidado doentes




lava alimentos




comida variada




beber água
meninos médico
2.º Corrigir os erros no quadro.

3.º Após a correcção, o professor explicará aos alunos que o par de palavras que passaram para o caderno são o resumo das ideias principais do texto. Vejamos:
(A) saúde (é muito) importante




( Devemos ter) cuidado (para não ficarmos) doentes




(Devemos) lavar (os) alimentos
(A) comida (deve ser) variada




(Devemos) beber (muita) água
(Os) meninos (vão ao) médico



  • É muito importante que o professor realize este exercício no quadro, sempre com a participação activa dos alunos para que desta forma obtenham as ideias principais do texto e ao mesmo tempo aprendam um pouco sobre o tema.




  • Como actividade final desta unidade seria pedagógico que professor e alunos elaborassem um quadro em cartolina, registando o que devem e o que não devem fazer, seguindo as orientações dos textos desta unidade.

Após a conclusão da actividade, o quadro deverá ser afixado na sala de aula como conjunto de regras a seguir.

Proposta de material a usar:

- cartolina;

- lápis de cor;

- canetas de cor;

- recortes;

- tesoura.




  • Sugestão de vocabulário suplementar:



higiene duche/banho cuidado

asseado sabão limpeza

vacinas sabonete cheiro

bactérias escova dos dentes/do cabelo desinfectante

injecção prevenção






12. AS ACTIVIDADES DA NOSSA TERRA

Lição n.º 26

Sumário: As actividades/profissões.



Verbo lavrar.

Verbo pescar.

Verbo ensinar.

Verbo curar.
Actividade de Motivação à Leitura

O professor poderá propor aos alunos, de uma forma divertida, que participem num jogo de mímica. Este consiste no seguinte:



O professor informará os alunos de que o tema do jogo será as profissões/actividades;

Explicar-lhes-á que terão de adivinhar por meio de mímica a actividade/profissão que o gesto simula;

Dividirá os alunos em grupos de 2/3 no máximo;

Cada grupo terá de adivinhar a profissão/actividade e o primeiro que o conseguir será pontuado.

O objectivo deste jogo consiste em exercitar a mente de forma a desenvolver a competência da oralidade.


Leitura do texto

Seguir a metodologia do texto anterior.


Actividade de Motivação à Leitura

Página 60.

Antes da leitura deste pequeno texto, o professor deverá propor aos alunos que tragam um desenho de casa. A cada aluno caberá a apresentação de um desenho que ilustre uma profissão, que terá como finalidade a exposição à turma.

Após a exposição, o professor questionará os alunos acerca do motivo pelo qual escolheram a profissão ilustrada. Esta atitude obrigará os alunos a se expressarem verbalmente.


Leitura do texto

Desta vez, o professor não iniciará a leitura do texto, mas sim os alunos. O professor dividirá o texto em três partes e escolherá três alunos para a leitura de cada parte. Será importante que o professor vá registando a evolução de cada aluno.


Compreensão/Interpretação do texto

  • Proposta de exercício

      1. Identifica todas as profissões presentes no texto.

      2. Qual a profissão que mais gostarias de exercer?

      3. Qual a profissão do teu pai?

3.1- E a da tua mãe?

        • Propõe-se o seguinte exercício para a aprendizagem dos verbos da página 60:


ensina

pescam


lavro

cura




  1. Eu, João, _____________ a terra todos os dias.

  2. O médico _____________ os seus doentes.

  3. O professor _____________ os alunos na escola.

  4. Os pescadores _____________ muitos peixes.



  • Sugestão de vocabulário suplementar:


ofício colher colheita despesa

labuta executar tarefa trocar poupança

cavar sustento vender moeda

arar adubar comprar nota

semear apanhar gasto dinheiro







13. A NATUREZA QUE NOS RODEIA

Lição n.º 27

Sumário: A Natureza.



Os animais.


Actividade de Motivação à Leitura (Página 65)

(Anexo 1)

O objectivo da actividade que se segue é o de conduzir os alunos à temática principal do texto, sem que o tenham lido, exercitando e desenvolvendo a sua capacidade de expressão.



1.º O professor solicita aos alunos que observem a imagem em silêncio;

2.ºPede-lhes então que a descrevam o mais pormenorizadamente possível;

3.º Solicita-lhes que inventem uma história;

4.º Todas as histórias irão ser confrontadas com a história do texto original.

No final o professor passará no quadro a história que mais se aproximou da real e os alunos copiam-na.


Leitura do texto

O professor pede a três alunos que se ofereçam para ler o texto. Um fará de narrador, outro de Arafan e o último de Ivo.




  • Sugestão de vocabulário suplementar:



respeito ramos cascata doméstico

cuidar tronco queda de água selvagem

desfrutar leito espécies paisagem

sombra foz selva vista

folhagem nascente mato bestas

14. AS FESTAS FAZEM FALTA!

Lição n.º 28

Sumário: As festas.



Tradição e popularidade.

(Página 68)



  • Será pertinente que o professor acrescente outras festas que mereçam ser destacadas pela sua importância histórico-cultural.




  • Sugestão de vocabulário suplementar:



alegria amizade jogos

convívio festejo tradição

partilha desfile antigo

grupo riso moderno

animação dança traje







15. AJUDAR A FAMÍLIA

Lição n.º 29

Sumário: A Família deve ser ajudada!



As tarefas domésticas.

(Página 70)



Actividade de Motivação à Leitura

O professor passará no quadro o seguinte esquema, que os alunos completarão:






Separo os peixes, para levar para o mercado.






Lavo a loiça após o almoço e o jantar.


  • A esta actividade dá-se o nome de “chuva de ideias”. O objectivo é fazer com que o aluno lance o maior número de ideias possível acerca da informação contida na nuvem, permitindo o desenvolvimento do vocabulário. Após concluída a actividade, dever-se-á proceder à organização da informação, de modo a que se construam frases coerentes.



Leitura do texto

Repete-se o mesmo processo das leituras dos textos anteriores.


Compreensão/Interpretação do texto

    1. Quantas irmãs tem o Etiéne?

    2. O que faz o Etiéne e os seus irmãos?

    3. A família do Etiéne ajuda-se mutuamente. Porquê?




  • Sugestão de vocabulário suplementar:



tarefa lavar vassoura arado

obrigação detergente lavar a loiça pá

disponibilidade pôr a mesa limpar o chão utensílio

varrer auxiliar limpar o pó martelo

limpar pano lavrar picareta

cuidar cortar pescar terra

regar aparar rede plantar/colher


16. O QUE HÁ PARA FAZER NOS TEMPOS LIVRES?

Lição n.º 30

Sumário: Os tempos livres.



Férias grandes.

Despedida.
Actividade de Motivação à leitura

Como motivação os alunos fariam a sua primeira produção escrita apelando à criatividade. O professor daria o tema “O que vou fazer nos meus tempos livres nas férias grandes?” e em 4/5 linhas os alunos contariam tudo. De seguida, leriam o resultado em voz alta.





  • Sugestão de vocabulário suplementar:


brincar saltar

jogar dançar

ajudar divertimento

estudar descanso



correr passeio






1 Leitura fonológica: ao ler, o leitor faz a conversão dos grafemas em fonemas (identifica as letras com o som respectivo).

2 Leitura global: quando o leitor reconhece instantaneamente uma palavra visualmente, no seu todo, sem separação de letras).



C. Araújo / E. Araújo




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal