Justificativa



Baixar 176.01 Kb.
Encontro05.02.2018
Tamanho176.01 Kb.

SENAC – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NAS USINAS SUCROALCOOLEIRAS


DANUZA FREDE SILVA
DANUZA FREDE SILVA

SAÚDE E SEGURANÇA NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NAS USINAS SUCROALCOOLEIRAS

Trabalho apresentado ao SENAC-MG como requisito para obtenção do título: Técnico em segurança do trabalho, sob orientação de Jaqueline Borges Moura.



UBERABA/2009

SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO 03

JUSTIFICATIVA 04

SETORES ENVOLVIDOS 14

CLASSIFICAÇÃO DO PROJETO 15

PÚBLICO ALVO 15

DATAS 15


INVESTIMENTO 16

RETORNO 16

OBJETIVO 17

CRONOGRAMA 18

CONCLUSÃO 19

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA EM CALDEIRA 21

REFERÊNCIAS 26


  1. APRESENTAÇÃO

O trabalho em espaços confinados sempre existiu em vários tipos de empresa, porém, somente com a entrada em vigor da Norma Regulamentadora nº. 33 – NR 33, do MTE – Ministério do Trabalho e Emprego, essas atividades passaram a ser fiscalizadas com mais cautela.

Os espaços confinados são ambientes não projetados para a ocupação humana contínua, e neste trabalho serão apresentados os locais em que são encontrados, os tipos de serviços realizados e o que deve ser feito para proteger os trabalhadores envolvidos, prevenindo-os de acidentes e mortes.

Muitas empresas e principalmente as usinas sucroalcooleiras puderam confirmar com maior clareza, que grande parte de seus serviços são realizados nestes espaços e dessa forma, devem ser observados todos os procedimentos, equipamentos e principalmente a conscientização de todos os trabalhadores, empregadores, gerentes e diretores, especificando obrigações e responsabilidades de cada um dentro da empresa.

O trabalho apresentará de forma clara e precisa, os deveres e responsabilidades das empresas, trabalhadores e demais envolvidos, criando assim uma equipe de trabalho, para que haja um ambiente saudável, seguro, livre de doenças, acidentes e mortes, conforme os ditames da NR 33.

Os espaços confinados são locais extremamente perigosos; contém inúmeros riscos, tais como os de explosão, dentre outros, que podem ser fatais, tanto para aqueles que estiverem dentro, realizando alguma atividade, quanto para aqueles que estiverem de fora monitorando.

Será abordada a importância do uso de EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual e outros equipamentos indispensáveis, bem como tudo aquilo que é proibido utilizar nestes casos.

Além disso, serão citados os equipamentos de resgate e salvamento de trabalhadores no espaço, e os procedimentos utilizados pela equipe responsável pelo resgate e salvamento, em casos de acidentes.




  1. JUSTIFICATIVA

A escolha do tema foi feita, levando em consideração a segurança e a saúde do trabalhador em seu ambiente de trabalho. Os espaços confinados nas empresas e nas usinas sucroalcooleiras, são locais que requerem atenção redobrada do empregado, do empregador e demais envolvidos, pois neles os riscos podem ser fatais, sendo necessário capacitar, alertar e informar a todos, quanto aos perigos existentes dentro e fora destes ambientes.

Deve ser considerada como primordial, a integridade física e psicológica de todos os trabalhadores, especialmente nestes casos, em que colocam em risco sua própria vida. Sendo assim, o presente trabalho contribui de forma esclarecedora para todas as pessoas e profissionais e de forma significativa para meu enriquecimento pessoal e desempenho profissional.

Os espaços confinados são regulamentados pela NR – Norma Regulamentadora nº. 33, que foi aprovada pelo MTE – Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da portaria nº. 202, de 22 de dezembro de 2006.

Há outras normas que também dispõem sobre os trabalhos em espaços confinados, mas sem o caráter disciplinador da NR 33. São elas: Norma Brasileira – NBR nº. 14.787 – Espaço Confinado – Prevenção de Acidentes, Procedimentos e Medidas de Proteção e NBR nº. 14.606 – Postos de Serviço – Entrada em Espaço Confinado.

Após estudos, referidas Normas Brasileiras – NBR serviram de base legal e técnica para a elaboração da NR 33.

Analisando a referida NR, grande parte das empresas, em especial as usinas sucroalcooleiras, constataram a existência de muitas atividades de alto risco para os trabalhadores e, conseqüentemente, a existência de muitos locais que devem ser considerados como espaços confinados.

Espaços confinados são áreas não projetadas para a ocupação humana contínua, possuindo meios limitados para a entrada e a saída do trabalhador; pode ser definido como um volume fechado por paredes e obstruções que apresenta restrições para o acesso, movimentação, resgate de pessoas e ventilação natural.


Espaço confinado é aquele que possui aberturas limitadas para entrada e saída e que originalmente não foi concebido para a ocupação de pessoas de forma permanente. São exemplos típicos de espaços confinados os dutos de ventilação, esgotos subterrâneos, caldeiras, tanques, silos, etc. Geralmente, os espaços confinados necessitam de meios especiais para entrada e saída e não apresentam ventilação própria. MORAES JÚNIOR, (www.coter.eb.mil.br).
Dessa forma, são espaços confinados: caldeiras, tanques, poços, transportadores, silos, tubulações, torres, colunas de destilação, caixas de passagem, fornos, moinhos, secadores, prensas, dutos de ventilação, entre outros.

São encontrados nas usinas sucroalcooleiras, fábricas, empresas, construções e indústrias de papel e celulose, indústria gráfica, alimentícia, de borracha e couro, indústria naval e de operações marítimas, químicas e petroquímicas, siderúrgicas e metalúrgicas, na prestação de serviços como os de gás, água e esgoto, eletricidade, telefonia, construção civil e ainda nos porões de navios, caminhões, túneis, valetas e reatores.

Para melhor exemplificação, serão conceituados alguns espaços confinados. Primeiramente as caldeiras, muito comuns nas indústrias e regulamentadas pela NR 13.

Caldeiras são recipientes metálicos, cuja função é a produção de vapor pelo aquecimento da água. Em geral, são empregadas para alimentar máquinas térmicas, autoclaves para esterilização de materiais diversos, cozimento de alimentos pelo vapor ou calefação ambiental. Produzem e acumulam vapor sob pressão superior à atmosférica, utilizando qualquer fonte de energia.

As caldeiras de qualquer estabelecimento devem ser instaladas em Casa de Caldeiras ou em local específico para tal fim, denominado Área de Caldeiras.

Há ainda os tanques, que também são muito utilizados, e especialmente nas usinas sucroalcooleiras, para decantação dos líquidos, centrifugação dos produtos, tratamento de águas, fermentação do suco da cana, destilaria e depósito de álcool.

Já os silos, destinam-se ao armazenamento de produtos geralmente depositados no seu interior sem estarem ensacados. Os silos destinados ao armazenamento de açúcar, por exemplo, tem como característica principal a manutenção de um ambiente anaeróbio, privado de ar.

Como os espaços confinados não possuem ventilação própria, pode haver pouco ou nenhum oxigênio, e o ar ambiente pode conter ou produzir contaminantes perigosos, como produtos tóxicos ou inflamáveis.

Os trabalhadores que entram nos espaços confinados realizam serviços como manutenções, reparos, limpeza, inspeção de equipamentos ou reservatórios. Esses locais apresentam riscos potenciais e por vezes sutis, não sendo notados em alguns casos.

Por serem mais freqüentes e mais comuns, esses riscos devem ser detectados e identificados, por meio de uma inspeção, a Análise Preliminar de Risco – APR antes da entrada do trabalhador no local, a fim de evitar sua exposição a perigo.

Além das APR´s, o programa de prevenção também deve conter os procedimentos de entrada, trabalho, emergência e salvamento, em especial a elaboração de um modelo de Permissão de Entrada e Trabalho – PET, respeitando sempre a norma, a emissão de Ordem de Serviço – OS, a criação das Instruções de Trabalhos – IT´s e os Procedimentos de Segurança e Saúde – PSS, específicos para cada um dos espaços.

Os espaços confinados apresentam riscos gerais, como os riscos mecânicos, que podem surgir do defeito de algum equipamento a ser utilizado; riscos de choque elétrico por contato com partes metálicas que tenham tensão; quedas, devido a escorregões; quedas de objetos no interior do espaço confinado, enquanto se executa o trabalho; posturas incorretas; riscos de afogamento, soterramento e engolfamento que é o envolvimento e a captura de uma pessoa por líquidos ou sólidos finamente divididos.

Como riscos gerais, temos ainda o ambiente físico agressivo, com ocorrência de ruído elevado e vibrações provenientes de martelos, esmeril, etc., que podem causar fadiga ao trabalhador; ambiente quente ou frio; baixa luminosidade ou iluminação deficiente no local; presença de animais, vivos ou mortos; riscos advindos de problemas de comunicação entre interior e exterior do espaço confinado.

Há também os riscos específicos, que, como os demais, devem ser identificados antes da entrada do trabalhador no ambiente. São eles: deficiência de oxigênio, que causa asfixia e ocorre quando o nível de oxigênio no local está abaixo de 19,5%, sendo que, abaixo de 18% o risco já é grave e iminente e, o excesso de oxigênio, que também é prejudicial e os níveis não podem ultrapassar 23,5%.

Neste sentido, MANCEBO, (www.crh.saude.sp.gov.br):

O mínimo permissível para a respiração segura gira em torno de 19,5% de O2. Teores abaixo deste podem causar problemas de descoordenação (15 a 19%), respiração difícil (12 a 14%), respiração bem fraca (10 a 12%), falhas mentais, inconsciência, náuseas e vômitos (8 a 10%), morte após 8 minutos (6 a 8%) e coma em 40 segundos (4 a 6%). ...a presença de gases considerados inertes ou mesmo de inflamáveis, considerados como asfixiantes, deslocam oxigênio e, por conseguinte, tornam o ambiente impróprio e muito perigoso para a respiração. Logo, antes de entrarmos no interior de espaços confinados devemos monitorá-los e garantirmos a presença de oxigênio em concentração na faixa de 19,5 e 22%.

Outros riscos específicos são: intoxicação pela exposição a agentes contaminantes químicos (aerodispersóides, poeiras, fumaças, fumos, gases e vapores) e infecções por agentes biológicos como bactérias, fungos e vírus.

Os contaminantes não podem ter concentração acima do Limite de Tolerância, pois podem transformar o ambiente numa atmosfera IPVS - Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde, que é aquela que apresenta risco imediato à vida ou produza imediato efeito debilitante à saúde.

Riscos de explosão e incêndio existem quando há presença de substâncias inflamáveis como metano, acetileno, GLP – Gás Liquefeito de Petróleo, gasolina, querosene e outros.

Para a prevenção de acidentes, doenças ou mortes, os espaços confinados nas usinas sucroalcooleiras devem apresentar condição ambiental aceitável, livre de quaisquer riscos, e os critérios técnicos de proteção devem permitir a entrada e permanência para o trabalho em seu interior com segurança.

Dentro de uma empresa ou organização, privada ou pública, deve haver a colaboração e a participação de todos, no que tange à saúde e segurança no trabalho e dessa forma, cada um deve assumir as responsabilidades a ele atribuídas.

Os trabalhadores necessitam de capacitação, informação, treinamentos e motivação, pois são o maior patrimônio que uma empresa possui, e esta, por sua vez, deve criar mecanismos para garantir a melhoria dos recursos humanos e da qualidade de vida de cada um dentro da empresa.

Ótima colocação de JAVERT, (www.segurancanotrabalho.eng.br):
O desafio maior dos gerentes e supervisores é como obter e manter o cumprimento da legislação e das normas internas dentro da empresa. O principal aspecto nesta questão é garantir que estes líderes sejam o exemplo dentro da organização através de atitudes pró-ativas com relação às questões de segurança, saúde, qualidade e meio ambiente na melhoria contínua das condições de trabalho.

A NR 33, subitem 33.2.1, lista as responsabilidades do empregador em se tratando dos espaços confinados nas empresas em geral.

Primeiramente, é de responsabilidade do empregador, indicar o responsável técnico pelo cumprimento da NR 33.

O responsável técnico é o profissional habilitado para identificar os espaços confinados dentro da empresa; elaborar as medidas técnicas de prevenção, administrativas, pessoais, de emergência e resgate; identificar os riscos específicos, considerando que dentro da empresa pode haver mais de um espaço confinado; garantir a capacitação continuada dos trabalhadores, medidas de controle de emergência e salvamento.

O responsável técnico deve prestar informações sobre os riscos a que todos estarão submetidos no local em que serão executados os serviços. Deve exigir dos trabalhadores a capacitação necessária a essa atividade e acompanhar a prática das medidas de segurança e saúde dos trabalhadores, para que estejam aptos a trabalhar nesses espaços, seguindo as disposições da NR 33.

Cabe ao responsável ainda, como medida administrativa, permitir o acesso a espaços confinados, somente após a emissão de um documento, a Permissão de Entrada e Trabalho – PET e interromper todo e qualquer tipo de procedimento, em caso de suspeição de condição de risco grave e iminente e abandonar imediatamente o local.

Os trabalhadores também devem auxiliar a empresa no cumprimento da NR 33, auxiliando na prevenção de acidentes e colaborando com a saúde e segurança no ambiente de trabalho, conforme estabelece o subitem 33.2.2.
Primeiramente, o processo de adequação dos locais confinados deve iniciar com a apresentação, informação e conscientização de todos os profissionais envolvidos, desde a gerência até os trabalhadores autorizados, através de treinamentos e palestras que demonstrem o grau de importância do assunto e o envolvimento de todos. Nesse momento também pode ser feita a definição do responsável técnico, dos supervisores de entrada, dos vigias e dos trabalhadores autorizados para receberem treinamentos e estarem habilitados e capacitados, sendo possível também a parceria das usinas com empresas especializadas em segurança do trabalho e em treinamentos sobre o assunto. PIMENTEL, (www.amigosdanatureza.org.br).

Para serviços em espaços confinados, os trabalhadores devem ser submetidos a exames médicos específicos para essa atividade, incluindo exames psicossociais. Após os exames, é emitido o ASO – Atestado de Saúde Ocupacional.

Devem fazer uso adequado de todos os EPI’s – Equipamentos de Proteção Individual, e EPC’s – Equipamentos de Proteção Coletiva, para a prevenção de acidentes e doenças. Devem comunicar aos responsáveis quaisquer situações de risco que sejam de seu conhecimento e que possam prejudicar a saúde e segurança de si próprios ou de terceiros. Ainda, devem obedecer aos procedimentos e orientações recebidos nos treinamentos, específicos para espaços confinados.

Vale mencionar novamente, que apenas trabalhadores autorizados podem adentrar nos espaços confinados, por meio da PET, que deverá ter um modelo que melhor se adapte aos serviços que forem realizados nos espaços confinados e à estrutura da usina sucroalcooleira.

O Supervisor de Entrada é o responsável pelo preenchimento completo e emissão da PET antes do início das atividades. Para a entrada dos trabalhadores, que serão somente aqueles autorizados, deve haver procedimento com requisitos essenciais, como: abertura de uma OS a cada serviço ou atividade com informações e determinações, contendo as instruções de trabalho e segurança específicas do local; equipamentos de proteção individual e coletivo necessários; medidas preventivas; métodos de inertização de gases, para prevenção de explosões e incêndios; ventilação e exaustão, se necessário; identificação de todos os riscos relacionados na APR.

Apontar o que deve ser realizado antes do início das atividades, como bloqueios, etiquetas, travas, lacres e circuitos elétricos; testes e vistoria dos equipamentos; medição e avaliação de gases tóxicos e explosivos, com os equipamentos de monitoramento da atmosfera; monitoramento e acompanhamento do técnico ou engenheiro de segurança do trabalho.

Os rádios, responsáveis pela comunicação entre o interior e o exterior do espaço confinado devem ser testados e verificados, com o aviso de realização do serviço para a equipe de emergência e salvamento; instalação de iluminação própria para esses trabalhos.

Deve se atentar para os equipamentos de resgate, os movimentadores verticais e horizontais, os cintos e meios de locomoção disponíveis; organização das ferramentas que forem necessárias; informações para todos os envolvidos sobre quais os serviços que serão realizados, bem como os riscos existentes.

A PET deverá ser encerrada após o término dos serviços, pois é válida somente uma vez para cada acesso ao espaço confinado. O supervisor, se achar necessário, poderá cancelar os procedimentos de entrada de trabalho antes do término das atividades, se verificar situações de perigo elevadas.

Os procedimentos para esse tipo de trabalho devem ser avaliados no mínimo uma vez ao ano e revisados sempre que houver alteração dos riscos, com a participação dos SESMT – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e da CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes.

Todo o período dos serviços deve ser devidamente acompanhado e monitorado pelo Vigia. O Vigia é aquele que fica do lado de fora do espaço confinado monitorando os trabalhadores autorizados; deve estabelecer contato permanente com os mesmos. Deve ainda, manter continuamente a contagem precisa do número de trabalhadores autorizados e assegurar que todos saiam ao término da atividade; adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de salvamento e resgate.

É de responsabilidade do Vigia, ordenar o abandono do espaço confinado sempre que reconhecer algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida, acidente, situação não prevista ou quando não puder executar efetivamente suas tarefas, nem ser substituído por outro Vigia. Não poderá realizar quaisquer outras tarefas que possam comprometer o dever principal que é o de monitorar e proteger os trabalhadores autorizados.

Como exposto anteriormente, para a execução destes serviços com segurança deve haver o empenho de vários trabalhadores, dependentes entre si. SERRÃO, QUELHAS E LIMA, (www.abepro.org.br) explicam a importância do trabalho em equipe nos ambientes confinados.

A presença de uma ou mais pessoas fora do espaço confinado para intervenção em emergência (resgate, socorro, etc.) é de fundamental importância. Elas devem estar municiadas de todo material necessário para uma atuação de emergência (respiradores autônomos, maca, oxigênio, etc.). Nos trabalhos em espaço confinado recomenda-se duas ou mais pessoas para realização de qualquer atividade.

Os espaços confinados devem ser devidamente e adequadamente sinalizados, identificados e isolados, para evitar que pessoas não autorizadas neles adentrem. Toda a empresa (empregadores e trabalhadores) é responsável pelo cumprimento da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – NBR nº. 14.787 – Espaço Confinado – Prevenção de Acidentes, Procedimentos e Medidas de Proteção.

A ABNT – NBR 14.787, dispõe que a sinalização deve ter durabilidade no ambiente onde será utilizada; resistente à umidade, ambiente corrosivo e produtos químicos, visando evitar que se torne ilegível. Deve ser padronizado em relação à cor, forma, tamanho, tipo de material e deve ser de fácil identificação.

Ainda, se o empregador decidir que os trabalhadores não devem entrar no espaço confinado deverá tomar medidas efetivas para que isso não ocorra; por outro lado, se decidir que eles podem entrar, deverá desenvolver e implantar um programa escrito, que deve estar disponível para conhecimento dos trabalhadores, seus representantes autorizados e órgãos fiscalizadores.

Somente mediante capacitação prévia que os trabalhadores autorizados, supervisores e vigias poderão executar serviços nos ambientes confinados. Devem realizar cursos como o de Prevenção de Riscos em Espaços Confinados e Primeiros Socorros.

Alguns dos equipamentos utilizados para esses trabalhos são: equipamentos de detecção de gases e vapores à prova de explosão; equipamentos de ventilação mecânica; equipamentos de comunicação; equipamentos de iluminação; equipamentos de proteção respiratória; EPI; EPC e equipamentos de primeiros socorros.

Os equipamentos de detecção de gases e vapores devem estar calibrados de acordo com a definição do fabricante ou normas técnicas de fabricação, possuir leitura direta e com alarme, serem capazes de medir com precisão, níveis de gases tóxicos; serem adequados à atmosferas explosivas, permitir registros de dados, possuir proteção contra interferências de radiofreqüência.

Os equipamentos de ventilação mecânica servem para obtenção de condições de entrada aceitáveis, através de insuflamento e/ou exaustão de ar. A exaustão e/ou insuflamento, tem como objetivo principal, reduzir a concentração de substâncias tóxicas e perigosas presentes na atmosfera do ambiente confinado, seja antes do início dos trabalhos seja no decorrer destes.

Os ventiladores e os demais equipamentos que forem instalados no interior do espaço confinado, bem como aqueles posicionados na parte externa, deverão ser intrinsecamente seguros. Neste sentido, MANCEBO, (www.abratt.org.br):


Um equipamento é intrinsecamente seguro quando não é capaz de liberar energia elétrica (faísca) ou térmica suficiente para, em condições normais (isto é, abrindo ou fechando o circuito) ou anormais (por exemplo, curto-circuito ou falta à terra), causar a ignição de uma dada atmosfera explosiva, conforme expresso no certificado de conformidade do equipamento.

O espaço confinado não pode ser ventilado com oxigênio puro, pois aumentam os riscos de incêndio e explosão; deve ser utilizada ventilação adequada para que o ar seja renovado continuamente.

Os equipamentos de comunicação (rádios) devem ser adequados à classificação elétrica da área e com certificação do órgão competente, credenciado pelo INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, devendo ser implementadas soluções técnicas que viabilizem a utilização desses rádios sempre que necessário.

Exemplos de equipamentos de iluminação são as luminárias com grade de proteção; luminárias adequadas para atmosfera explosiva e alimentação das luminárias com tensão elétrica não superior a 24 Volts.

Há várias espécies de proteção respiratória. Dentre os equipamentos de proteção respiratória existentes, há os dependentes do ar atmosférico (nestes o ar é mandado) e os que independem do ar atmosférico ambiental.

Na impossibilidade de identificação dos riscos existentes ou atmosfera IPVS, o ambiente somente poderá ser adentrado com a utilização de respirador autônomo de demanda, com pressão positiva, ou com respirador de linha de ar comprimido com cilindro auxiliar para escape.

É terminantemente proibido, nos espaços confinados ou próximo a eles, por medida de segurança: fumar; usar telefone celular (não deve ser utilizado como aparelho de comunicação nestes casos); velas; fósforos; isqueiro. Outros objetos que produzam calor, chamas ou faíscas, se necessários à execução dos trabalhos, devem estar previstos na folha de permissão de entrada, PET.

Os EPI’s são todos os dispositivos ou produtos, de uso individual, utilizados pelo trabalhador, com o fim de protegê-lo de riscos que possam ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. Estão regulamentados pela NR 6.

Os EPC’s são aqueles que neutralizam a fonte do risco no lugar em que ele se manifesta. É todo dispositivo, sistema, ou meio, fixo ou móvel de abrangência coletiva, destinado a preservar a integridade física e a saúde dos trabalhadores, usuários e terceiros.

A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento. O empregador deve exigir e orientar o empregado quanto ao uso do EPI; substituir o equipamento de imediato quando danificado ou extraviado; responsabilizar-se pela higienização e manutenção.

O trabalhador deverá usar o EPI apenas para a finalidade a que se destina; responsabilizar-se pela sua guarda e conservação; comunicar à empresa qualquer alteração que o torne impróprio para uso e cumprir com as determinações do empregador sobre seu uso adequado.

Neste sentido, a CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, Decreto-Lei N. 5.452, de 1º de maio de 1943, em seu artigo 166, afirma a obrigatoriedade da empresa no fornecimento dos EPI’s adequados ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento. Além disso, os equipamentos fornecidos não integram salário.


A segurança e higiene do trabalho são fatores vitais na presença de acidentes e na defesa da saúde do empregado, evitando o sofrimento humano e o desperdício econômico lesivo às empresas e ao próprio País. Pratica falta o empregado que não obedece às normas de segurança e higiene do trabalho, inclusive quanto ao uso de equipamentos. A lei quer que as instruções tenham sido expedidas pelo empregador, que hajam sido veiculadas por ele aos seus empregados; (...). (CARRION, 2006, p.172).

Alguns EPI’s utilizados são: capacetes de segurança, para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio e contra choques elétricos; protetores auriculares e abafadores, que protegem contra níveis elevados de ruído; protetor facial de segurança, que protege contra impactos de partículas volantes e contra radiação infravermelha, ultravioleta ou contra luminosidade intensa; máscara de solda, que impede que partículas nocivas entrem em contato com o rosto.

Botinas com bico de aço ou nylon, dependendo do risco; luvas; mangotes para proteção dos braços; óculos de proteção contra impactos de partículas volantes e contra luminosidade intensa, radiação ultravioleta ou radiação infravermelha; respiradores purificadores de ar, contra poeiras, névoas, fumos e outros; máscaras; cilindros de ar respirável; equipamentos para ventilação, exaustão ou refrigeração, que conserve as condições aceitáveis da atmosfera interna, como ventiladores e insufladores.

Os equipamentos de comunicação nesses locais devem operar conforme os riscos existentes e serem intrinsecamente seguros, operando em extra baixa tensão (tensão não superior a 50 volts em corrente alternada ou 120 volts em corrente contínua), para que não ofereçam risco de choque elétrico, incêndio ou explosão.

Quanto ao salvamento nos ambientes confinados das usinas e demais indústrias, devem ser implementados pelo empregador, procedimentos de emergência e resgate adequados, incluindo a descrição dos cenários de acidentes obtidos a partir da Análise de Riscos; descrição dos métodos de salvamento e primeiros socorros a serem utilizados em caso de emergência.

Deve selecionar os equipamentos de comunicação, iluminação, busca, resgate, primeiros socorros e transporte de vítimas e se atentar às técnicas de utilização; acionamento de equipe responsável, pública ou privada, pela execução das medidas de resgate e primeiros socorros, para cada serviço a ser realizado e ainda, deve promover exercício simulado de salvamento nos possíveis cenários de acidentes em ambientes confinados, uma vez ao ano.

A equipe de salvamento deve apresentar aptidão física e mental e estar perfeitamente capacitada para atuar em quaisquer cenários de acidentes identificados na análise de riscos.

Alguns exemplos de equipamentos utilizados em resgates e salvamentos são: suportes de ancoragem; guinchos, destinados à movimentação vertical do trabalhador em serviços constantes ou na emergência; trava-quedas; cinturões de segurança, para descida vertical; cadeiras suspensas; tripés e monopés, que permitem a entrada e saída do trabalhador; cabos de aço ou cordas que, criteriosamente combinados, oferecem solução prática, segura e econômica para qualquer situação de trabalho.

Todas as empresas, em especial as usinas sucroalcooleiras, devem adequar os espaços considerados confinados às determinações da NR 33, devendo ser realizadas análises, estudos e inspeções dos riscos e atividades a serem realizadas.

Essas adaptações podem ser feitas de maneira clara e objetiva, uma vez respeitada a norma e definidas as responsabilidade de cada um dos envolvidos, bem como todos os procedimentos de segurança.

Todos devem contribuir para um ambiente de trabalho saudável, pois saúde e segurança é direito e dever de todos.



  1. SETORES ENVOLVIDOS

Usina sucroalcooleira, setor de produção e preparo da cana, peneiras rotativas, filtros rotativos, filtros de carvão, tanques de evaporação, tanques de centrifugação, tanques de fermentação, tanques decantadores de caldo, caixas de caldo dosado, caixa de caldo decantado, tanques de destilaria, tanques de tratamento de águas, tanques de álcool, tanques de ácido sulfúrico, evaporadores, cozedores de açúcar, caixas de mel, caixas de xarope flotado, caixa de água condensada, caldeiras geradoras de vapor, vasos de pressão, exaustores de gases, chaminés, secadores, silos de açúcar, silos de ensaque, escritórios, sala de reuniões, anfiteatro, ambulatório, pátio central.



  1. CLASSIFICAÇÃO DO PROJETO

Espaços confinados nas indústrias / usinas sucroaaleiras.





  1. PÚBLICO ALVO

Fundada em 1989, com matriz no município de Uberaba/MG, a Usina tem como atividades a produção de açúcar, álcool e energia, por meio de suas quatro unidades situadas nos Estados de Minas Gerais e Alagoas.

Na matriz e nas filiais, existem áreas próprias que são utilizadas para o cultivo da cana-de-açúcar e o restante são áreas de preservação ambiental. Todas as unidades da Usina são complexos industriais de grande importância para a região em que atuam.

A empresa é grande geradora de empregos diretos e indiretos. Investe no planejamento e execução de projetos educacionais, culturais e socioambientais, em parceria com autoridades locais, lideranças comunitárias, instituições sociais e de ensino.

Todos os investimentos na preservação do meio ambiente e no bem-estar social da comunidade foram reconhecidos por meio de certificações e prêmios que a empresa conquistou, tais como, ISO 14001, ISO 9001, OHSAS 18001.

Estão envolvidos nesse projeto, especialmente, os empregadores, diretores, gerentes, supervisores, trabalhadores que atuam nos espaços confinados, trabalhadores das demais áreas da empresa, integrantes da CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, integrantes dos SESMT – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, como técnicos em segurança do trabalho, engenheiros de segurança do trabalho e médico do trabalho.





  1. DATAS

Início: 17/09/2009.

Término: 16/10/2009.



  1. INVESTIMENTO




Materiais / Pessoas

Valor R$

Palestra introdutória

R$ 400,00

1º Módulo do curso de capacitação para trabalhadores em espaços confinados

R$ 600,00

2º Módulo do curso de capacitação para trabalhadores em espaços confinados

R$ 600,00

3º Módulo do curso de capacitação para trabalhadores em espaços confinados

R$ 600,00

Sinalização de segurança nos espaços confinados

R$ 600,00

Avaliação e aplicação dos EPI’s e EPC’s utilizados nos espaços confinados

R$ 900,00

Treinamento da equipe de resgate e salvamento

R$ 600,00

TOTAL

R$ 4.300,00



  1. RETORNO

O presente, que trata da saúde e segurança nos trabalhos em espaços confinados nas usinas sucroalcooleiras, ressalta que, a cada dia, tem sido mais comum a existência desses ambientes nas indústrias. São geradores de altíssimas condições de risco de acidentes e mortes, refletindo problemas para toda a usina e para terceiros.



A adequação das usinas e de seus espaços confinados às disposições da NR 33, bem como a realização de todas as atividades de capacitação propostas, tem como benefícios, melhores condições de trabalho para aqueles envolvidos e os demais trabalhadores da usina, ambiente de trabalho favorável, saudável e o mais importante, promoção da saúde e da segurança, indispensáveis a todo e qualquer tipo de trabalho, com o único fim de proteger o maior patrimônio que a empresa possui: O Trabalhador.


  1. OBJETIVO




    • Apresentar os requisitos para a identificação dos espaços confinados em cada local de trabalho, bem como os riscos existentes;

    • Mostrar o que é necessário para a execução dos serviços com segurança, destacando as responsabilidades da empresa e do trabalhador;

    • Citar formas de prevenção de acidentes, de salvamento e resgate, por meio de procedimentos específicos a serem observados.



  1. CRONOGRAMA




Atividades Programadas

17/09

21/09

24/09

30/09

01/10

05/10

07/10

16/10

18/10

16/10

Palestra introdutória

X




























Reunião de integrantes da CIPA

X




























Reunião de integrantes dos SESMT




X

























Integração CIPA e SESMT




X

























1ª Etapa do curso de capacitação para trabalhadores







X






















2ª Etapa do curso de capacitação para trabalhadores










X



















3ª Etapa do curso de capacitação para trabalhadores













X
















Estudo do mapa de riscos
















X













Identificação e análise dos riscos nos espaços confinados
















X













Elaboração do relatório de inspeção



















X










Sinalização de segurança nos espaços confinados






















X







Avaliação e aplicação dos EPI’s utilizados nos espaços confinados

























X




Treinamento da equipe de resgate e salvamento




























X



  1. CONCLUSÃO

Em relação aos trabalhos em espaços confinados, que são frequentes nas usinas sucroalcooleiras, pode-se afirmar que a preocupação maior de toda uma organização deve ser a segurança e a saúde de todos os seus trabalhadores.

Devem estar resguardados dos possíveis acidentes que possam ocorrer no local de trabalho, em especial nos espaços confinados, onde a incidência de riscos de doenças e morte é extremamente elevada.

O empregador deve desempenhar importantíssimo papel na promoção da saúde e segurança do trabalhador, seguindo as regras que a NR 33 lhe atribui tais como, a inspeção dos riscos no local de trabalho, capacitação e treinamentos específicos, exames médicos e psicológicos e fornecimento de todos os EPI’s e EPC’s imprescindíveis a esse trabalho, prestar socorro e resgate dos trabalhadores, caso necessário.

Dessa forma, foram realizadas na usina, palestras, reuniões de integrantes da CIPA e dos SESMT, cursos de capacitação para os trabalhadores envolvidos nos espaços confinados, aplicação de sinalização de segurança, avaliação e aplicação dos EPI´s e EPC’s adequados a cada risco, treinamento da equipe de resgate e salvamento, a fim de orientar e delimitar os deveres e responsabilidades de todos os envolvidos.

Para a execução de um trabalho seguro, deve haver a colaboração de todos, pois em se tratando de espaços confinados, a vida e a saúde do trabalhador estarão ameaçadas se não respeitados, com cautela, todos os procedimentos, pois a exposição aos riscos químicos, biológicos, físicos, mecânicos ou a falta de oxigênio, pode acabar com sua vida em segundos.

O empregador não é o único responsável. É também dever do trabalhador a conscientização quanto aos perigos que estes trabalhos apresentam, cabendo a ele utilizar todos os EPI’s indicados, e agir conforme as orientações da NR 33 e dos profissionais dos SESMT.

Com a realização de todas as atividades propostas, obteve-se um excelente resultado, pois os espaços confinados da usina foram analisados e revisados conforme a NR 33, os trabalhadores freqüentaram o curso satisfatoriamente, foram implantados mais EPI’s e EPC’s, juntamente com a sinalização de segurança.

O sucesso de um trabalho seguro em um espaço confinado de uma usina sucroalcooleira, e de todas as indústrias do Brasil, está na atenção que a empresa deve dispensar aos trabalhadores, e na conscientização de todos eles para com o trabalho que realizam, pois promover a segurança é preservar a vida.


  1. RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA EM CALDEIRA


1) DADOS PRELIMINARES:
1.1) TIPO DE INSPEÇÃO DE SEGURANÇA:

( ) Inicial ( x ) Periódica ( ) Extraordinária


1.2) DATA DA INSPEÇÃO:

Iniciada em: 01/10/2009 Concluída em: 07/10/2009


1.3) REALIZADA PELO INSPETOR: Danuza Frede Silva – Técnica em Segurança do Trabalho e Antônio Gonçalves – Eng. Mecânico – CREA/MG: 02051633.
1.4) CARACTERÍSTICAS DA CALDEIRA:

1.4.1) IDENTIFICAÇÃO:

Marca: AALBORG Nº.: 4211 (C-1) Ano: 2000

Modelo: AR-4N Categoria: B PMTA: 8,4 kgf/cm²

Capacidade: 2000 Kg/h Superfície de vaporização: 45 m²

Fabricante: Aalborg Ciserv do Brasil Ltda.

Endereço: Rua João Tibiriçá, 600 – Vila Anastácia – São Paulo/SP.

Local de Instalação: Avenida dos Estradeiros, Distrito Industrial II, Uberaba/MG.

Proprietário: USIMIG – Usina Sucroalcooleira de Minas Gerais S/A.
2) RESULTADOS DA INSPEÇÃO:
2.1) EXAME DO PRONTUÁRIO:

O prontuário foi encontrado completo e em dia?

( x ) Sim ( ) Não
A presente inspeção foi iniciada dentro do prazo estipulado?

( x ) Sim ( ) Não

As recomendações anteriores foram executadas?

( x ) Sim ( ) Não


2.2) EXAME EXTERNO:

A caldeira satisfaz todas as condições de segurança constantes da NBR 12177 da ABNT observáveis neste exame?

( x ) Sim ( ) Não
A caldeira funciona normalmente?

( x ) Sim ( ) Não


Foi observada alguma anomalia capaz de prejudicar a segurança?

( ) Sim ( x ) Não


Além do exame normal, com a caldeira em funcionamento, foi realizado exame complementar com a caldeira:

Parada? ( x ) Sim ( ) Não


Resposta em funcionamento? ( x ) Sim ( ) Não
Foram aferidos todos os manômetros e termômetros dos quais dependem a segurança da caldeira? ( x ) Sim ( ) Não
Foram examinadas todas as válvulas de segurança?

( x ) Sim ( ) Não



VÁLVULAS DE SEGURANÇA:


ESTADO DAS VÁLVULAS








SIM

NÃO

SIM

NÃO

SIM

NÃO

Funcionamento normal

-




-




-




Pressão de abertura (Kgf/cm²)

7,5

6,9

7,1

Pressão de fechamento (Kgf/cm²)

7,8

7,0

7,3

Lacração intacta?

-




-




-




Foram desmontadas?

-




-




-




Alguma anormalidade?




-




-




-

Foram consertadas?




-




-




-

Foram substituídas?




-




-




-

Foram reguladas?

-




-




-




Foram lacradas?

-




-




-




Como foram deixadas?

OK

OK

OK

Pressão de abertura (Kgf/cm²)

6,5

7,9

7,5

Pressão de fechamento (Kgf/cm²)

7,0

8,1

7,4



2.3) EXAME INTERNO:

A caldeira, antes de ser limpa, apresentava alguma anomalia?

( ) Sim ( x ) Não
Internamente, a caldeira, depois de limpa, está em ordem e satisfaz todas as condições de segurança, constantes do Anexo I da NBR 12177 e observáveis nesse exame?

( x ) Sim ( ) Não


A parte da caracterização da caldeira acessível a esse exame confere com o que, sobre a mesma, consta no prontuário?

( x ) Sim ( ) Não


Foi observada alguma anomalia capaz de prejudicar a segurança?

( ) Sim ( x ) Não



2.4) ATUALIZAÇÃO DA PMTA:

A PMTA adotada na inspeção anterior pode ser mantida?

( x ) Sim ( ) Não
Caso a PMTA deva ser modificada, qual o novo valor?
Não necessita de modificação.
2.5) PROVA DE PRESSÃO HIDROSTÁTICA:

Pressão de prova: 13,25 Kgf/cm² Tempo de prova: 30 minutos
A caldeira suportou satisfatoriamente a prova?

( x ) Sim ( ) Não


Anomalias observadas: Não há.
2.6) PROVA DE SUFICIÊNCIA DA (S) VÁLVULAS (S) DE SEGURANÇA:

As válvulas de segurança são suficientes?

( x ) Sim ( ) Não
Pressão máxima atingida: 10,50 Kgf/cm².
Tempo de prova: 05 minutos
Anomalias observadas: Não há.
2.7) OUTRAS PROVAS EFETUADAS:

Níveis de alimentação (máximo e mínimo) / Nível extra baixo / Nível extra alto

Pressostato de máxima / Pressostato de segurança e Falha de combustão.
3) CONCLUSÃO

3.1) Em face da inspeção realizada, a caldeira pode ser utilizada normalmente?

( x ) Sim ( ) Não
3.2) Valor da PMTA a ser adotada: 8,4 Kgf/cm².
3.3) Realizar nova inspeção até: 07/10/2010.
4) OBSERVAÇÕES COMPLEMENTARES:

a) A caldeira está regulada para operar com 8,4 Kgf/cm² de pressão, o pressostato de modulação foi regulado para 7,0 Kgf/cm² e o pressostato segurança foi regulado para 8,25 Kgf/cm²;


b) Os sistemas de controle e segurança das caldeiras devem ser submetidos à manutenção preventiva ou preditiva, conforme determina o subitem 13.4.5 da NR 13;
c) As válvulas de segurança devem ser inspecionadas conforme freqüência estabelecida no subitem 13.5.7 da NR 13;


  • pelo menos uma vez por mês, mediante acionamento manual da alavanca, em operação, para caldeiras das categorias “B” e “C”;




  • desmontando, inspecionando e testando em bancada as válvulas flangeadas e, no campo, as válvulas soldadas, recalibrando-as numa freqüência compatível com a experiência operacional da mesma, porém respeitando-se como limite máximo o período de inspeção estabelecido no subitem 13.5.3 ou 13.5.4, se aplicável para caldeiras de categorias “A” e “B”.

d) Providenciar as recomendações anotadas no registro de segurança;


e) A inspeção foi acompanhada pelo operador.

Uberaba, 07 de outubro de 2009.


___________________________________


  1. REFERÊNCIAS

Livros:
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR nº. 14.787. Espaço Confinado – Prevenção de acidentes, procedimentos e medidas de proteção.



São Paulo: ABNT, 2001.
CARRION, Valentim. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 31.ed. São Paulo: Saraiva, 2006.
MARINHO, Luis e outros. Segurança e Medicina do Trabalho – Normas Regulamentadoras. 63º edição, São Paulo: Atlas, 2009.
Meios eletrônicos:
FUNDACENTRO - FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Espaços Confinados – Livreto do Trabalhador. São Paulo, 2.006. Disponível em: www.fundacentro.gov.br. Acesso em 12/03/2009.
JAVERT, Sandro. O papel dos Supervisores. Disponível em: www.segurancanotrabalho.eng.br. Acesso em 12/03/2009.
MANCEBO, Paula E. Scardino. Entrada e Permanência em Espaços Confinados. Disponível em: www.crh.saude.sp.gov.br. Acesso em: 09/03/2009.
MANCEBO, Paula E. Scardino. Espaços Confinados. Disponível em: www.abratt.org.br. Acesso em 11/03/2009.
MORAES JÚNIOR, Cosmo Palasio de. Espaços Confinados. Disponível em: www.coter.eb.mil.br. Acesso em 05/03/2009.
PIMENTEL, Marcus Vinícius Gonçalves. A adequação dos espaços confinados das usinas sucroalcooleiras à nova NR 33. Disponível em: www.amigosdanatureza.org.br. Acesso em 05/10/2009.
SERRÃO, Luiz Carlos Saraiva; QUELHAS, Osvaldo Luís Gonçalves; LIMA, Gilson Brito Alves. Os riscos dos Trabalhos em Espaços Confinados. Disponível em: www.abepro.org.br. Acesso em: 05/03/2009.



: artigos
artigos -> Root Entry
artigos -> Dental loss experiences in adult and elderly users of primary health care
artigos -> Fluorose dentária: relação com teores de flúor nas águas de abastecimento público do Brasil
artigos -> Recobrimento de implantes ti-6Al-4v com hidroxiapatita por eletroforese: reaçÃo metal-cerâmico
artigos -> Cabeça femoral de alumina em artroplastia total do quadril: estado da arte
artigos -> Comportamento em meio sorológico de aço inoxidável 316L
artigos -> O impacto da saúde bucal na qualidade de vida de crianças infectadas pelo hiv: revisão de literatura
artigos -> 6ccsdmmt05-p estudo das estruturas superficiais do pescoçO: os trígonos cervicais
artigos -> Promoção de Saúde: Um resgate a participação da família como agente multiplicador da saúde




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal