Jejunostomia



Baixar 0.73 Mb.
Encontro18.09.2019
Tamanho0.73 Mb.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

FACULDADE DE MEDICINA


DEPARTAMENTO DE CIRURGIA

DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA

Relatório de Aula Prática


Jejunostomia



Mesa nº 2:
Gisele Juliana Silva

Heitor Luiz Gomes

Flávia Paduan de Lima

Patrícia Rodrigues Bernadelle


JEJUNOSTOMIA



Conceito
É a colocação de um cateter comunicando a luz jejunal ao meio externo, com a finalidade descompressiva ou, mais freqüentemente, para alimentação.
Indicações
Via de acesso a nutrição enteral, nas situações de impedimento da utilização das porções altas do tubo digestivo, como nos processos estenosantes do esôfago e do estômago, interrupção alimentar temporária do esôfago após operações extensas sobre os mesmos, descompressão luminal, após a correção cirúrgica de traumatismos que envolvem o confluente biliopancreático-duodenal, recuperação de fístulas de portadores de deiscências em anastomoses gastrintestinais. Tumores gástricos inextirpáveis, carcinoma de esôfago, proteção de suturas gastrintestinais, pancreatite aguda necro-hemorrágica.

A opção pela gastrostomia ou pela jejunostomia para a nutrição enteral depende da doença e do planejamento operatório. Em pacientes com estenose inflamatória ou neoplásica do esôfago pode-se optar pela jejunostomia em função da possibilidade de utilização do estômago como substituto esofagiano.



Técnica Operatória

Pode ser a de Witzel, que é mais freqüente, ou a de Stamm. Diferem basicamente pela tunelização do cateter na primeira.


Técnica de Witzel – O acesso é por incisão supra-umbilical paramediana pararretal interna (Lennander), de cerca de 10 cm, à esquerda. Após a abertura de todos os planos da cavidade abdominal, identifica-se e expõe-se a alça jejunal, situada a 20-25 cm do ângulo duodeno-jejunal (Treitz), com mobilidade adequada para se justapor, sem tensão, ao local selecionado para a fixação da jejunostomia à parede abdominal. Aplicam-se dois pontos de reparo na alça jejunal e uma sutura em bolsa (Figura 1).

Figura 1


Faz-se uma pequena incisão no centro desta, na borda antimesenterial, o suficiente apenas para a passagem de um cateter (sonda de Levine, Silastic ou Foley nº 10 ou 12). Introduz-se de cerca de 20 cm da sonda multiperfurada, no sentido do peristaltismo (Figura 2). Após o fechamento da sutura em bolsa, aplicam-se pontos seromusculares, de cada lado da sonda, numa extensão aproximada de 6 a 8 cm, com fio monofilamentar de náilon 4.0, em agulha atraumática, para sepultamento da sonda, constituindo-se um túnel seromuscular (Figura 3).

Figura 2



Figura 3


A exteriorização é feita através da contra-abertura da pele de 1 cm, no quadrante superior e esquerdo do abdome. Perfura-se a parede com pinça hemostática reta, exteriorizando a sonda com a mesma pinça. Realizam-se 4 pontos cardeais com o fio monofilamentar de náilon 4.0, fixando a seromuscular do jejuno, linearmente ao peritônio parietal, evitando a angulação ou torção do intestino. A sonda é fixada à pele com um ponto, seguido de curativo.



Figura 4

Na confecção de jejunostomia com o objetivo de descompressão biliopancreático-duodenal, a sonda é introduzida no sentido cranial (antiperistáltico), com progressão suficiente para alcançar a região desejada, sendo as outras etapas da técnica semelhantes às descritas anteriormente.



Complicações

Decorrem mais freqüentemente da retirada inadvertida da sonda. Manobras intempestivas para a sua reintrodução podem levar à perfuração da alça intestinal. Estas complicações podem ser evitadas fixando-se adequadamente a sonda à pele. A suboclusão e oclusão resultam do uso incorreto da sonda ou do seu excessivo sepultamento.

Outras complicações:


  • Deiscência; fístula; estenose e hemorragia;

  • Diarréia;

  • Dumping (síndrome do esvaziamento gástrico rápido);

  • Dor abdominal.

O suporte nutricional adequado pela jejunostomia demanda uma estrutura para o manuseio das dietas, uma vez que esta via de alimentação apresenta particularidades em função da exclusão dos mecanismos da digestão existentes na via orogástrica e duodenal. Os alimentos deverão ser a base de soja e deve-se ficar atento às perdas de ácidos e bases.

DESCRIÇÃO DA AULA PRÁTICA DE JEJUNOSTOMIA
Os primeiros passos para a realização da jejunostomia foram: a devida paramentação da equipe, definição do papel de cada integrante durante o ato cirúrgico, a montagem da mesa e do instrumental, o correto posicionamento da cobaia (já tricotomizada) e dos campos cirúrgicos.

Foi realizada a Técnica de Witzel, iniciando-se pela laparotomia paramediana pararretal interna para a abertura de todos os planos da parede abdominal.

O segundo passo do procedimento foi a tentativa de se localizar o ângulo duodeno-jejunal, que é um ponto de referência para a cirurgia, pois o cateter será colocado a uma determinada distância do mesmo. O ângulo duodeno-jejunal do animal estava inacessível, e, portanto, optou-se por se realizar a cirurgia no estômago, mas vale ressaltar que apesar de o procedimento ter sido realizado nesse órgão, a técnica empregada foi a da jejunostomia (Técnica de Witzel).

Na distância média entre a grande e pequena curvatura estomacal, realizou-se uma sutura em bolsa seromuscular com fio inabsorvível. Logo após, uma pequena incisão cutânea foi realizada ao nível do flanco esquerdo para a introdução do cateter de Foley.

O próximo passo deu-se ao nível da sutura em bolsa, através de uma incisão central para atingir a luz do órgão.

Observando o mesmo sentido do peristaltismo foi introduzida no estômago a extremidade da sonda de Foley e posteriormente à mesma foi insuflada para permitir sua fixação.

Após o sepultamento das bordas gástricas através da amarração da sutura em bolsa, procedeu-se a tunelização do cateter ao longo da superfície externa do estômago, através de pontos seromusculares separados de fio inabsorvível numa extensão de aproximadamente 3cm. A tunelização se faz necessária devido ao calibre reduzido da alça jejunal que não permitiria duas suturas em bolsa.

O penúltimo passo foi o de fixar o estômago na parede abdominal através de 4 pontos cardeais de fio inabsorvível, próximos ao local de exteriorização do cateter, evitando-se, dessa forma, a angulação ou torção do estômago.



Por fim, foi realizado o fechamento da parede abdominal por planos anatômicos.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS



  • Técnica cirúrgica – Bases Anatômicas, Fisiopatológicas e Técnicas da Cirurgia. Fábio S. Goffi, 4a Ed., Ed. Atheneu, 1997.




  • Cirurgia de Urgência, Alcino Lázaro da Silva, Vol. 2; 2ª Ed., 1994.



Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande