IntroduçÃo um dos pontos mais interessantes da ecologia evolutiva é o estudo do mimetismo. No entanto, apesar de estar sendo estudado a mais de cem anos e já se ter um número enorme de publicações sobre este assunto



Baixar 51.32 Kb.
Encontro14.08.2019
Tamanho51.32 Kb.

INTRODUÇÃO
Um dos pontos mais interessantes da ecologia evolutiva é o estudo do mimetismo. No entanto, apesar de estar sendo estudado a mais de cem anos e já se ter um número enorme de publicações sobre este assunto, ainda existem muitos dos pontos não esclarecidos na teoria. Uma das revisões mais recentes e abrangentes é a de BROWER (1988).
O QUE É MIMETISMO?
Mimetismo é a semelhança de indivíduos de uma espécie com os de outra e evoluiu por conferir maior aptidão aos indivíduos da primeira, permitindo tanto a proteção quanto a agressão.

Quaisquer características que envolvam a falha na percepção dos sentidos, do predador ou da presa, podem ser usadas. Isso significa que podem evoluir características visuais (cores, marcas, formas, etc), tanto na faixa do visível quanto na faixa do invisível para o olho humano (ultravioleta e infravermelho), características olfativas (emissão de odores) envolvendo moléculas com as mais variadas estruturas químicas e características auditivas (emissão de sons ou ultrasons).

Todas essas características podem aparecer isoladas ou estar em conjuntos, sendo também comum o comportamento das espécies envolvidas ser parecido. Nessa conceituação geral não é necessário que as espécies envolvidas sejam próximas filogeneticamente.

O mimetismo Mülleriano foi inicialmente proposto por MÜLLER (1878, 1879), que observou a grande semelhança entre as borboletas dos gêneros Ituna (Nymphalidae: Danainae) e Thyridia (Nymphalidae: Ithomiinae) e entre Eueides (Nymphalidae: Heliconiini) e Actinote (Nymphalidae: Acraeinae). Ele achou que a semelhança entre padrões de cores das asas nessas borboletas reduziria a pressão de predação em cada uma dessas espécies.

Como ambas eram consideradas impalatáveis a predadores, haveria uma somação nos efeitos de proteção conferidos às duas.

Essa proposição diferia da feita por BATES alguns anos antes (1862) que considerava que uma espécie considerada palatável, chamada de mímico, ganhava proteção quando se tornava parecida com uma espécie impalatável, chamada de modelo.

Hoje chamamos de modelo à espécie que tem características que a tornam pouco interessante para um predador.

Quando duas ou mais espécies tem a mesma função de modelo, são chamadas de co-mímicos. O indivíduo da espécie imitadora é chamado de mímico.

No mimetismo Batesiano o mímico é ecologicamente um parasita do modelo e no mimetismo Mülleriano os co-mímicos são mutualistas.
Segundo FISHER (1930) os critérios para reconhecer a existência do mimetismo são três:


  • Convergência superficial em linhas filéticas divergentes, envolvendo adaptações complexas em estruturas e funções.

  • Simpatria geográfica e micro-espacial razoável entre os táxons.

  • Prova do efeito na natureza através de observação ecológica intensa e experimentação em campo e laboratório.

O mimetismo envolve uma ação sinalizadora, onde o predador deve, de alguma forma, reconhecer o mímico ou o modelo pelos sinais que estes enviam. Nessa conceituação a homocromia ou camuflagem deve ser excluída, pois não envolve o envio de sinal.

Geralmente o mimetismo implica na formação do aposematismo, cujas principais características são:



  • Primariamente um padrão de sinalização muito forte e claro (cores, odores ou sons); secundariamente impalatabilidade.

  • Comportamento muito calmo, mostrando claramente o padrão para o eventual predador.

  • Taxa de resistência à ataques muito alta.

  • Presença de substâncias químicas tóxicas que afetem o predador.

Comparando-se borboletas palatáveis com impalatáveis, vemos que as adaptações, decorrentes do processo de seleção, levaram à profundas modificações nos padrões dos componentes de cada um desses grupos.
A ECOLOGIA QUÍMICA DAS BORBOLETAS, SUAS PLANTAS DE ALIMENTO E TENDÊNCIAS EVOLUTIVAS
Foram somente cem anos após as propostas iniciais da teoria do mimetismo que se obtiveram provas concretas da existência de compostos químicos que conferiam proteção contra predação em borboletas e mariposas. Po isso, um dos produtos da teoria do mimetismo foi a criação de um novo ramo na ecologia. Esse ramo, a ecologia química, tem por objetivo estudar a interface química entre dois ou mais tipos de organismos. Ela se iniciou na década de 1960, com os trabalhos do professor Lincoln P. Brower e colaboradores nos EUA e da professora Miriam Rothschild e colaboradores na Inglaterra.

Hoje já dispomos de um razoável conjunto de dados a respeito dos compostos químicos secundários existentes nas cinco famílias de borboletas verdadeiras e nas famílias de suas plantas de alimento, tanto das larvas, quanto dos adultos.


As cinco famílias de borboletas verdadeiras, suas plantas de alimento (larval e de adultos) e seus compostos químicos secundários e suas relações miméticas ou mutualísticas. Modificado de Brown et al. (1991). Dados referentes apenas aos grupos Neotropicais. Os grupos escritos com letra vermelha possuem substâncias químicas que conferem proteção contra predadores.

Família Papilionidae


Grupo de borboletas

Plantas e seus compostos

Relações miméticas

Sub-família

Planta larval

Compostos secundários da planta

MÜLLERIANA

BATESIANA

Baroniinae.

Leguminoseae.

-

-

DAN.

Papilioninae: Troidini.

Aristolochiaceae.

ácidos aristolóquicos, alcalóides, terpenos, compostos fenólicos.

EUM, ITH, HEL.

-

Papilioninae: Graphiini.

Lauraceae, Annonaceae.

-

-

TROI, HEL.

Papilioninae: Papilionini.

Lauraceae, Rutaceae.

-

-

TROI, DAN.


Família Pieridae


Grupo de borboletas

Plantas e seus compostos

Relações miméticas

Dismorphiinae.

Leguminoseae.

-

-

TROI, PIE, DAN, ITH, ACR, HEL.

Coliadinae.

Leguminoseae, Bignoniaceae.

-

-

PIE.

Pierinae [brancos].

Cruciferae, Capparidacea.

Glicosinolatos.

-

-

Pierinae [outros].

Lorathaceae.

-

-

TROI, PIE, DAN, TIH, ACR, HEL.


Família Libytheidae


Grupo de borboletas

Plantas e seus compostos

Relações miméticas

-

Ulmaceae (Celtis).

-

-

-


Família Nymphalidae


Grupo de borboletas

Plantas e seus compostos

Relações miméticas

Danainae.

Apocynaceae, Asclepiadaceae, Moraceae.

Cardenolídeos (glicosídios cardíacos), alcalóides deseidropirrolizidínicos, Saponinas, compostos fenólicos.

ITH, ACR, HEL.

-

Ithomiinae

Apocynaceae, Solanaceae.

Alcalóides, esteróides, terpenos. cardenolídeos (glicosídios cardíacos), compostos fenólicos.

TROI, DAN, ACR, HEL.

-

Satyrinae

Gramineae, Cyperaceae, Marantaceae.

-

-

TROI, PIE, ITH, HEL, ACR.

Brassolinae.

Palmae, Musaceae, Zingiberaceae.

-

-

ACR.

Morphinae.

Gramineae, Palmae, Leguminosae, Menispermaceae.

-

-

-

Charaxinae.

Lauraceae, Myrtaceae, Piperaceae, Euphorbiaceae, Leguminosae, Flacourtiaceae.

-

-

PIE, ITH, ACR, HEL.

Apaturinae.

Ulmaceae.

-

-

-

Acraeinae.

Asteraceae.

Alcalóides desidropirrolizidínicos, sesquiterpenos.

DAN, ITH, HEL.

-

Nymphalinae: Heliconiini.

Passifloraceae.

alcalóides e compostos cianogênicos.

TROI, DAN, ITH, ACR.

-


Família Lycaenidae


Grupo de borboletas

Plantas e seus compostos

Relações miméticas

Riodininae.

muitas famílias [mutualistas com formigas].

-

-

PIE, EUM, DAN, ITH, ACR, HEL.

Plebejinae.

muitas famílias, principalmente Leguminoseae.

-

-

PIE.

Theclinae [Eumaeus].

Cycadaceae (Zamia).

Glicosídios pseudocianogênicos.

TROI.

-

Theclinae [outros].

muitas famílias [mutualistas com formigas].

-

-

-


Esses compostos abrangem vários tipos de estruturas químicas diferentes que são sintetizados ou pelas plantas ou pelas borboletas. Alguns desses compostos provocam efeitos deletérios em pequenas quantidades (defesas qualitativas) e outros só em grandes quantidades (defesas quantitativas)



©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal