Intolerância à Lactose: um longo caminho para o consenso



Baixar 35.56 Kb.
Encontro09.08.2019
Tamanho35.56 Kb.

Intolerância à Lactose: um longo caminho para o consenso


10 de março de 2010 • Versão para Impressão

Durante três dias (do dia 22 ao 24 de fevereiro deste ano), os Intitutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos reuniram um painél de especialistas (foto) para estabelecer um consenso sobre o atual conhecimento em relação à intolerância a lactose. Os tópicos discutidos incluiram a prevalência e manisfeções clínicas da intolerância a lactose, como medi-la, possíveis tratamentos, o valor nutricional do leite e de fontes alternativas, bem como as consequências da exclusão do leite e derivados para a saúde. Neste artigo resumimos brevemente a definição de intolerância a lactose adotada pelos especialistas, bem como as principais conclusões divulgadas a partir do Encontro. Como poderá se deduzir nas próximas linhas, os especialistas acreditam que a ciência ainda tem que percorrer um longo caminho para a obtenção de respostas sólidas às questões mais comuns envolvendo a intolerância a lactose.

O que é a intolerância à lactose?


A intolerância a lactose advém da impossibilidade de digestão da lactose, o açúcar principal presente no leite. Para ser absorvida, a lactose precisa primeiramente ser digerida pela lactase, uma enzima presente no intestino delgado (a lactase digere a lactose em dois açúcares mais simples, glucose e galactose, os quais podem ser absorvidos pelo organismo). Durante o período de amamentação, a produção de lactase pela criança atinge o seu pico, permitindo a absorção adequada dos nutrientes do leite materno. No entanto, após este período e durante o transcorrer da infância, a produção de lactase gradualmente diminui: embora a lactase ainda continue sendo produzida, para a maioria das pessoas ocorre uma diminuição em sua produção na medida em que estas envelhecem. Como resultado, a lactose não digerida não é absorvida no intestino delgado, passando intacta para o intestino grosso, onde é fermentada pelas bactérias que ali se encontram. Os produtos naturais deste processo de fermentação (entre eles a produção de gases) pode desencadear sintomas como dores abdomais, flatulência, inchaço e diarréia. Segundo o painél de especialistas reunido em fevereiro, a intolerância a lactose se caracterizaria pela presença de sintomas gastrointestinais após a ingestão de lactose por um indivíduo que não consiga absorvê-la. O desenvolvimento (ou não) de sintomas irá depender de uma série de fatores, entre eles da quantidade de lactose normalmente ingerida, do grau de atividade da lactase residual presente no intestino delgado, da ingestão de outros alimentos concomitantemente à ingestão de lactose, bem como da sensibilidade individual aos produtos derivados da fermentação da lactose no intestino grosso.

Diagnóstico


Indivíduos com os sintomas gastrointestinas descritos devem procurar orientação médica, para que possam ser testados e para excluir outras condições médicas mais sérias, como a doença celíaca. A má-absorção de lactose poderá ser diagnosticada através da ingestão em jejum de uma dose de lactose específica, após a qual se testam os níveis de determinados produtos provenientes da fermentação da lactose não digerida. Outros métodos incluem a determinação da atividade da lactase através de uma biópsia do intestino, bem como testes genéticos para a detecção de um polimorfismo associação à menor produção de lactase.

Qual a prevalência da intolerância à lactose, e como esta prevalência diferente entre os grupos étnicos e idades?


A maioria das pessoas pode desenvolver intolerância à lactose, independentemente de sua origem étnica. Apenas uma minoria – primordialmentes os descendentes de culturas do norte da Europa e algumas partes da África, cuja subsistência era baseada no gado e no consumo de alimentos lácteos – possui uma mutação que lhes permite produzir a lactase ainda na vida adulta. No entanto, os especialistas concluem que estimativas sólidas sobre a prevalência da intolerância a lactose ainda são escarsas, uma vez que a maioria dos estudos médicos sobre a questão utilizou interpretações diferentes do que seria a intolerância a lactose, ou porque as amostras usadas não foram suficientemente representativas das populações.

Consequência da exclusão do leite da dieta para a saúde


A exclusão do leite da dieta pode diminuir os sintomas gastrointestinais em indivíduos intolerantes à lactose. O grau de alívio nos sintomas é geralmente associado ao grau de produção de lactase no indivíduo bem como à quantidade de lactose ingerida. No entanto, as consequências da exclusão do leite para a saúde dependerão da possibilidade de ingestão apropriada de nutrientes essenciais como o cálcio, os quais para muitos são fornecidos através dos produtos lácteos. O cálcio é necessário para o crescimento e desenvolvimento ósseo saudável, bem como para a manutenção da densidade óssea. Portanto, se ao excluir o leite da dieta o indivíduo não substitui esta fonte de cálcio por outras em quantidade suficiente, a exclusão do leite pode aumentar os riscos de complicações ósseas como a osteoporose, além de outras complicações médicas relacionadas. Por um lado é certo que, embora o leite e derivados sejam excelentes fontes de cálcio, proteína, magnésio, potássio, riboflavina e outros nutrientes, tais nutrientes também podem ser encontrados em outros alimentos e suplementos. Por outro lado, no entanto, os especialistas observam que ainda não existem dados científicos suficientes e em grande escala sobre a eficácia e facilidade de implementação de tratamentos que substituem a ingestão de leite por fontes alternativas de nutrientes.

Quais as possibilidades de tratamento?


Atualmente o tratamento da intolerância à lactose envolve a redução na ingestão – ou exclusão da dieta – de alimentos contendo leite e derivados, ou a substituição por produtos com baixo teor de lactose, nos quais a lactose já foi ‘digerida’ pela adição de lactase ao produto, ou ainda o uso esporádico de cápsulas de lactase (ou seja, a ingestão da enzima que o corpo deixou de fabricar) antes do consumo de alimentos com lactose. O uso de pré-bióticos (normalmente carboidratos que facilitam a colonização intestinal por bactérias benéficas) e probióticos em suplementos alimentares e produtos como o iogurte é também uma intervenção frequentemente adotada no tratamento da intolerância a lactose. Segundo os especialistas, para algumas pessoas mesmo a ingestão de pequenas quantidades de iogurte, queijos e produtos com baixo teor de lactose podem ter resultados positivos. No entanto, estes advertem que ainda é difícil tirar conclusões sólidas sobre a eficiência destes tratamentos. Segundo eles, pesquisas mais controladas e padronizadas ainda são necessárias para determinar a eficiência das intervenções mais populares no tratamento da intolerância.

Mais informações:

O resumo da opinião dos especilistas pode ler lido em: http://consensus.nih.gov. Já a revisão da literatura científica produzida pode ser lida em http://www.ahrq.gov/downloads/pub/evidence/pdf/lactoseint/lactint.pdf




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal