Informe técnico sarampo



Baixar 43.17 Kb.
Encontro18.09.2019
Tamanho43.17 Kb.



PREFEITURA DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE


COORDENAÇÃO DE VIGILÂCIA EM SAÚDE - COVISA

CENTRO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS - CCD



ALERTA EPIDEMIOLÓGICO – SARAMPO

Janeiro 2007

No Brasil, desde o ano 2000, não há relato de circulação endêmica do vírus do sarampo. Até 2005, os casos de sarampo que ocorreram no país foram relacionados direta ou indiretamente à importação do vírus. Até a presente data (31/01/2007), não há registro de casos confirmados de sarampo no estado de São Paulo.

Desde novembro de 2006 está ocorrendo um surto de sarampo no estado da Bahia. Até o dia 26/01/07, a SESAB (Secretaria da Saúde do Estado da Bahia) confirmou 47 casos da doença, nos municípios de João Dourado (18), Irecê (1), Filadélfia (26) e Senhor do Bonfim (2), e uma suspeita mais recente, em Pindobaçu. Mais de 300 casos notificados como suspeitos foram descartados, e outros 65 casos ainda sendo investigados.

Frente a este surto o CCD/ COVISA/ SMS adota as estratégias e recomendações já instituídas e divulgadas pelo Estado de São Paulo:

- informação e divulgação, aos viajantes e profissionais de vigilância e saúde, sobre a situação epidemiológica do sarampo no Brasil e no estado de São Paulo;

- vacinação com a vacina tríplice viral SCR (sarampo, caxumba e rubéola) de viajantes não vacinados e nascidos a partir de 1960 com destino à Bahia nas Unidades de Saúde do Estado, Terminais Rodoviários (Tietê e Barra Funda) (onde estão disponíveis “folders” e informes sonoros com recomendação da vacinação);

- vacinação dos funcionários dos terminais rodoviários (Tietê e Barra Funda), incluindo comerciários, taxistas, entregadores, motoristas das empresas de ônibus;

- vacinação dos caminhoneiros nos armazéns alfandegários do Estado de São Paulo;

- informe sonoro nos aeroportos do estado de São Paulo;

- extensão da vacinação com vacina SCR a todos os terminais rodoviários do estado;

- disponibilização da informação e recomendação de vacinação aos que viajam com destino a áreas de risco, assim como o alerta da doença aos viajantes que retornam ao estado, em locais alternativos de transito da população;

- divulgação à sociedade e entidades profissionais de classe.

As medidas de vigilância e controle das doenças exantemáticas devem seguir intensificadas. Aos principais equipamentos de saúde públicos e privados do município de São Paulo recomenda-se a manutenção do alerta quanto à possibilidade de ocorrência de casos de sarampo, o reforço da vacinação de rotina e manutenção de ações de busca ativa de casos de doença exantemática febril.

A definição de caso suspeito de sarampo é:

Toda pessoa que apresente febre e exantema acompanhados de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independente da idade e situação vacinal”.

Ressalta-se ser importante que os casos de doença exantemática febril sejam imediatamente investigados seguindo rigorosamente a definição de caso suspeito de sarampo, com coleta de espécimes clínicos, otimizando o recurso laboratorial.

Caso sejam detectados novos casos suspeitos, as SUVIS devem proceder à notificação imediata (por telefone 3350 6626/ fax: 3350 6658) ao CCD/ COVISA/ SMS, proceder à coleta de espécimes clínicos (sangue) para a realização do diagnóstico laboratorial e adotar as medidas de prevenção e controle de forma oportuna.



ATENÇÃO PROFISSIONAL DE SAÚDE:

Notifique todo caso suspeito de sarampo (atenção aos pacientes com quadro clínico compatível com sarampo que regressaram de regiões de risco até 30 dias antes do inicio do exantema)

Frente a um caso suspeito de sarampo fique especialmente atento às seguintes situações:

  • IgM + sem vacinação prévia ou vacinação ignorada

  • IgM + com deslocamento para área onde estão ocorrendo casos de sarampo

  • IgM + e IgG – na 1ª amostra e IgG + na 2ª amostra – pode ocorrer após vacinação ou por soroconversão após doença recente

Lembramos que se considera oportuna a coleta:

1ª amostra: até 28 dias do início do exantema

2ª amostra: 15 a 21 dias após a 1ª amostra.

Fontes:

1.CVE/ CCD/ SES

2.SESAB - Secretaria da Saúde do Estado da Bahia

3.SVS/ MS






Centro de Prevenção e Controle de Doenças -CCD/COVISA/SMS

Rua Santa Isabel, 181 – 7º andar – Vila Buarque

FONE: (11) 3350-6626 Fax: (11) 3350-6658







©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal