Influência da ansiedade e do estresse nos níveis pressóricos em jovens praticantes de futsal competitivo



Baixar 26.13 Kb.
Encontro18.09.2019
Tamanho26.13 Kb.

ALTERAÇÕES NO ESTADO EMOCIONAL E NA REATIVIDADE CARDIOVASCULAR DE JOVENS PRATICANTES DE FUTSAL
KAFER, Eduardo de Sena*; OLIVEIRA, Luis Gustavo Farias; TEIXEIRA, André de Oliveira; SIGNORI, Luis Ulisses.

Email: eduardo.kafer@yahoo.com.br


Palavras-chave: Estresse, ansiedade, pressão arterial.

Introdução: Evidências sugerem que o estresse e a ansiedade promovem um aumento da reatividade cardiovascular, podendo esta ser percebida em esportes competitivos, sendo os jovens possivelmente mais vulneráveis a estas alterações. Este trabalho objetiva comparar as alterações no estado emocional (estresse e ansiedade) e na pressão arterial em jovens praticantes de futsal em período de treino e competição.

Método: A amostra foi composta por 19 jovens normotensos do gênero masculino, idade 15,6 ±1,10 anos, índice de massa corporal (IMC) de 22,99 ±2,72kg/m2, que participaram do time de futsal do Círculo Operário Riograndino durante a X Copa Estudantil da cidade do Rio Grande- RS no primeiro semestre de 2010. A reatividade cardiovascular foi avaliada pela pressão arterial sistólica (PAS), diastólica (PAD), pressão arterial média (PAM), pressão de pulso (PP), freqüência cardíaca (FC), freqüência respiratória (FR) e pelo duplo produto (DP). O estresse foi avaliado pelo protocolo de Cohen & Williamson (1988) – Escala de estresse percebido e pelo protocolo de Lipp e Guevara (1994) - Inventário de sintomas de estresse (ISE), o qual compreende as últimas 24 horas, último mês e últimos três meses. A ansiedade foi avaliada pelo Teste de ansiedade-traço em competições esportivas (SCAT), e as ansiedades cognitiva e somática pelo Inventário de ansiedade-estado competitiva-2 (CSAI-2). As medidas físicas e emocionais foram mensuradas 30 min antes do treino (T) e da competição (C). Os resultados estão apresentados em forma de médias e os respectivos desvios padrões, os momentos (T e C) foram comparados pelo Test-t pareado.
Resultados: A competição modificou a reatividade cardiovascular verificada através do aumento da PAS (T: 113 ±11 vs C: 129 ±14mmHg; P<0,01), da PAD (T: 67 ±9 vs C: 78 ±12mmHg; P<0,01), da PAM (T: 83 ±8 vs C: 95 ±12mmHg; P<0,01), do DP (T: 7409 ±2194 vs C: 8638 ±2626mmHg.bpm; P<0,01). Entretanto, não foram observadas alterações na PP (T: 46 ±8 vs C: 51 ±7mmHg; P=0,086), na FR (T: 20 ±3 vs C: 20 ±3mov/min; P=0,892) e na FC (T: 70 ±8 vs C: 69 ±7bpm/min; P=0,680). O estado emocional avaliado pelo estresse e pela ansiedade se modificou pela competição (Tabela 1). O Inventário de sintomas de estresse mostrou aumento nas últimas 24 horas (P<0,001), no último mês (P<0,001) e nos últimos três meses (P<0,001), sendo estes resultados confirmados pela escala de estresse percebido (P=0,023). A ansiedade verificada pelos protocolos ansiedade-traço em competições esportivas apresentou-se aumentada (SCAT: P<0,001), bem como, a ansiedade cognitiva (CSAI-2: P<0,001) e a ansiedade somática (CSAI-2; P>0,001).

Conclusão: As competições esportivas alteram as respostas cardiovasculares e o estado emocional de jovens praticantes de futsal, verificadas pela hiper-reatividade pressórica e pelo aumento da ansiedade e do estresse. Estas alterações podem revelar um estado favorável a hipertensão latente em jovens.


Tabela 1: Avaliação do estado emocional

VARIÁVEIS

TREINO

COMPETIÇÃO

Test t

Inventário dos Sintomas de Estresse - 24 horas (pontos)

2 ±1

4,6 ±2

P< 0,001

Inventário dos Sintomas de Estresse - último mês (pontos)

2,3 ±1

4,1 ±1

P< 0,001

Inventário dos Sintomas de Estresse - últimos três mês (pontos)

2,1 ±1

4,8 ±2

P<0,001

Escala de estresse percebido (pontos)

34,5 ±4

36,6 ±5

P=0,023

Ansiedade-traço em competições esportivas - SCAT (pontos)

13,3 ±2

20,6 ±3

P<0,001

Ansiedade cognitiva CSAI – 2 (pontos)

14,8 ±3

20,7 ±5

P<0,001

Ansiedade somática CSAI – 2 (pontos)

11,4 ±2

15,5 ±4

P<0,001

Bibliografia
CRUZ, J.F. Stress, ansiedade e rendimento na competição desportiva. 1996. 540 f. Tese Doutorado. Instituto de Psicologia - Universidade do Minho, Portugal, 1996.
ROSE JUNIOR, Dante. A competição como fonte de estresse no esporte. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Brasília v. 10 n. 4 p. 19-26 out, 2002.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal