Influência da ansiedade e do estresse nos níveis pressóricos em jovens praticantes de futsal competitivo



Baixar 26.13 Kb.
Encontro18.09.2019
Tamanho26.13 Kb.

ALTERAÇÕES NO ESTADO EMOCIONAL E NA REATIVIDADE CARDIOVASCULAR DE JOVENS PRATICANTES DE FUTSAL
KAFER, Eduardo de Sena*; OLIVEIRA, Luis Gustavo Farias; TEIXEIRA, André de Oliveira; SIGNORI, Luis Ulisses.

Email: eduardo.kafer@yahoo.com.br


Palavras-chave: Estresse, ansiedade, pressão arterial.

Introdução: Evidências sugerem que o estresse e a ansiedade promovem um aumento da reatividade cardiovascular, podendo esta ser percebida em esportes competitivos, sendo os jovens possivelmente mais vulneráveis a estas alterações. Este trabalho objetiva comparar as alterações no estado emocional (estresse e ansiedade) e na pressão arterial em jovens praticantes de futsal em período de treino e competição.

Método: A amostra foi composta por 19 jovens normotensos do gênero masculino, idade 15,6 ±1,10 anos, índice de massa corporal (IMC) de 22,99 ±2,72kg/m2, que participaram do time de futsal do Círculo Operário Riograndino durante a X Copa Estudantil da cidade do Rio Grande- RS no primeiro semestre de 2010. A reatividade cardiovascular foi avaliada pela pressão arterial sistólica (PAS), diastólica (PAD), pressão arterial média (PAM), pressão de pulso (PP), freqüência cardíaca (FC), freqüência respiratória (FR) e pelo duplo produto (DP). O estresse foi avaliado pelo protocolo de Cohen & Williamson (1988) – Escala de estresse percebido e pelo protocolo de Lipp e Guevara (1994) - Inventário de sintomas de estresse (ISE), o qual compreende as últimas 24 horas, último mês e últimos três meses. A ansiedade foi avaliada pelo Teste de ansiedade-traço em competições esportivas (SCAT), e as ansiedades cognitiva e somática pelo Inventário de ansiedade-estado competitiva-2 (CSAI-2). As medidas físicas e emocionais foram mensuradas 30 min antes do treino (T) e da competição (C). Os resultados estão apresentados em forma de médias e os respectivos desvios padrões, os momentos (T e C) foram comparados pelo Test-t pareado.
Resultados: A competição modificou a reatividade cardiovascular verificada através do aumento da PAS (T: 113 ±11 vs C: 129 ±14mmHg; P<0,01), da PAD (T: 67 ±9 vs C: 78 ±12mmHg; P<0,01), da PAM (T: 83 ±8 vs C: 95 ±12mmHg; P<0,01), do DP (T: 7409 ±2194 vs C: 8638 ±2626mmHg.bpm; P<0,01). Entretanto, não foram observadas alterações na PP (T: 46 ±8 vs C: 51 ±7mmHg; P=0,086), na FR (T: 20 ±3 vs C: 20 ±3mov/min; P=0,892) e na FC (T: 70 ±8 vs C: 69 ±7bpm/min; P=0,680). O estado emocional avaliado pelo estresse e pela ansiedade se modificou pela competição (Tabela 1). O Inventário de sintomas de estresse mostrou aumento nas últimas 24 horas (P<0,001), no último mês (P<0,001) e nos últimos três meses (P<0,001), sendo estes resultados confirmados pela escala de estresse percebido (P=0,023). A ansiedade verificada pelos protocolos ansiedade-traço em competições esportivas apresentou-se aumentada (SCAT: P<0,001), bem como, a ansiedade cognitiva (CSAI-2: P<0,001) e a ansiedade somática (CSAI-2; P>0,001).

Conclusão: As competições esportivas alteram as respostas cardiovasculares e o estado emocional de jovens praticantes de futsal, verificadas pela hiper-reatividade pressórica e pelo aumento da ansiedade e do estresse. Estas alterações podem revelar um estado favorável a hipertensão latente em jovens.


Tabela 1: Avaliação do estado emocional

VARIÁVEIS

TREINO

COMPETIÇÃO

Test t

Inventário dos Sintomas de Estresse - 24 horas (pontos)

2 ±1

4,6 ±2

P< 0,001

Inventário dos Sintomas de Estresse - último mês (pontos)

2,3 ±1

4,1 ±1

P< 0,001

Inventário dos Sintomas de Estresse - últimos três mês (pontos)

2,1 ±1

4,8 ±2

P<0,001

Escala de estresse percebido (pontos)

34,5 ±4

36,6 ±5

P=0,023

Ansiedade-traço em competições esportivas - SCAT (pontos)

13,3 ±2

20,6 ±3

P<0,001

Ansiedade cognitiva CSAI – 2 (pontos)

14,8 ±3

20,7 ±5

P<0,001

Ansiedade somática CSAI – 2 (pontos)

11,4 ±2

15,5 ±4

P<0,001

Bibliografia
CRUZ, J.F. Stress, ansiedade e rendimento na competição desportiva. 1996. 540 f. Tese Doutorado. Instituto de Psicologia - Universidade do Minho, Portugal, 1996.
ROSE JUNIOR, Dante. A competição como fonte de estresse no esporte. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Brasília v. 10 n. 4 p. 19-26 out, 2002.


Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande