IdentificaçÃo do efeito de fontes de calor com funçÕes de


Fig. 3 - Estado médio da anomalia de altura em 200 hPa (a) e linhas de corrente da anomalia do escoamento em 250 hPa, para os mês de fevereiro de 2004. Fonte NOOA-CIRES Climate Diagnostic Center



Baixar 0.58 Mb.
Página4/5
Encontro18.09.2019
Tamanho0.58 Mb.
1   2   3   4   5

Fig. 3 - Estado médio da anomalia de altura em 200 hPa (a) e linhas de corrente da anomalia do escoamento em 250 hPa, para os mês de fevereiro de 2004. Fonte NOOA-CIRES Climate Diagnostic Center.


Em Aravéquia e Silva Dias (2002) foi mostrado que o uso do campo total de anomalia de precipitação, ou outro parametro relacionado à fonte de calor, como forçante do modelo barotrópico não leva a resposta mais próxima da anomalia observada. Assim, a possibilidade de selecionar regiões da forçante permite avaliar qual a contribuição de cada uma para a configuração do campo de anômalo observado.

A figura 4 mostra o resultado obtido com a ferramenta para algumas regiôes selecionadas. Os contornos mostram o resultado da anomalia de altura em 200 hPa e os sobreados mostra as regiões com valores significativos da forçante usada na integração da Etapa B, ou seja, é a configuração da divergência prevista na Etapa A pelo modelo barotrópico. Nota-se que a divegência negativa em alguns casos fica em posições distantes da região da forçante positiva. Entretanto, a região com divergência positiva apresenta a configuração muito similar a configuração da fonte usada na Etapa A.

Nota-se também que em alguns casos os núcleos de divergência negativa têm amplitude pequena quando comparada com o núcleo de divergência positiva. Isso ocorre porque a convergência de compensação ocorre de forma mais distribuída.

Para o estudo do efeito da forçante no mês de fevereiro de 2004 nota-se que a resposta de cada uma das forçantes gera uma configuração que difere da resposta observada (Figura 3a). A configuração de anomalias sobre o Pacífico Oeste pela seleção da forçante da figura 4a, porém no restante do globo o posicionamento não é coerente. A configuração de anomalia observada na América do Sul é melhor reproduzida quando se seleciona a fonte sobre a ZCPS a leste da linha de data (180oE). Assim, a resposta total da atmosfera para o mês de fevereiro se deve a uma combinação e a interação entre as forçantes.



a

b

: col -> cptec.inpe.br -> walmeida -> 2004
2004 -> Um sistema operacional de visualizaçÃo de produtos
2004 -> AvaliaçÃo objetiva do sistema de previsão de tempo global por ensemble do cptec e relaçÃo entre o espalhamento e o desempenho do ensemble médio
2004 -> Universidade federal de campina grande
2004 -> Estudo do transporte das partículas de aerossol de queimada via sensoriamento remoto
2004 -> Análise observacional e de simulaçÃoda numérica da partiçÃo de energia em modos verticais: estudo de caso de nuvem vírgula inv
2004 -> DistribuiçÃo sazonal e global da umidade do solo para inicializaçÃo em modelos numéricos de previsão de tempo e clima
2004 -> Características sinóticas associadas ao jato em baixos níveis e a influência na atividade convectiva sobre a bacia do prata
2004 -> Estudo observacional da propagaçÃo para leste do fenômeno catarina e sua simulaçÃo com modelo global de alta resoluçÃO
2004 -> Validação da temperatura da superfície obtida do sensor modis
2004 -> \indent In order to improve the predictive skill of the mesoscale atmospheric model Advanced Regional Prediction System (arps)


1   2   3   4   5


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal