I n s t r u ç Õ e s



Baixar 294.25 Kb.
Página1/4
Encontro18.09.2019
Tamanho294.25 Kb.
  1   2   3   4

REDAÇÃO
PROPOSTA 1

Disponível em:

Acesso em: 20 out. 2010.
Escreva uma carta (com no mínimo 20 linhas) para a Câmara dos Deputados com base no Projeto de Lei e no texto de Graciliano Ramos, transcritos abaixo.

Inicie sua carta com “Senhores Deputados” e termine assinando apenas “Cidadã(o) Brasileira(o)”.



PROJETO DE LEI


O CONGRESSO NACIONAL decreta:
Art. 1o - A Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, passa a vigorar acrescida dos seguintes artigos:
Art. 17-A. A criança e o adolescente têm o direito de serem educados e cuidados pelos pais, pelos integrantes da família ampliada, pelos responsáveis ou por qualquer pessoa encarregada de cuidar, tratar, educar ou vigiar, sem o uso de castigo corporal ou de tratamento cruel ou degradante, como formas de correção, disciplina, educação, ou qualquer outro pretexto.
Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, considera-se:
I - castigo corporal: ação de natureza disciplinar ou punitiva com o uso da força física que resulte em dor ou lesão à criança ou adolescente.
II - tratamento cruel ou degradante: conduta que humilhe, ameace gravemente ou ridicularize a criança ou o adolescente.

[...]
Disponível em:

integras/790543.pdf>

Acesso em: 20 out. 2010.







“[...] Fabiano sombrio, cambaio, o aió a tiracolo, a cuia pendurada numa correia presa ao cinturão, a espingarda de pederneira no ombro. O menino mais velho e a cachorra Baleia iam atrás.

Os juazeiros aproximaram-se, recuaram, sumiram-se. O menino mais velho pôs-se a chorar, sentou-se no chão.

– Anda, condenado do diabo, gritou-lhe o pai.

Não obtendo resultado, fustigou-o com a bainha da faca de ponta. Mas o pequeno esperneou acuado, depois sossegou, deitou-se, fechou os olhos. Fabiano ainda lhe deu algumas pancadas e esperou que ele se levantasse. Como isto não acontecesse, espiou os quatro cantos, zangado, praguejando baixo.

[...]

Pelo espírito atribulado do sertanejo


passou a ideia de abandonar o filho naquele descampado. Pensou nos urubus, nas ossadas, coçou a barba ruiva e suja, irresoluto, examinou os arredores. Sinha Vitória estirou o beiço indicando vagamente uma direção e afirmou com alguns sons guturais que estavam perto. Fabiano meteu a faca na bainha, guardou-a no cinturão, acocorou-se, pegou no pulso do menino, que se encolhia, os joelhos encostados no estômago, frio como um defunto. Aí a cólera desapareceu e Fabiano teve pena. Impossível abandonar o anjinho aos bichos do mato. [...]”
RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 58. ed. Rio/São Paulo: Record, 1986. p. 9-10.

PROPOSTA 2
Com base nos mesmos excertos apresentados para a proposta 1, escreva um texto (conto ou crônica) a partir de uma experiência pessoal.

PROPOSTA 3

Você deve ter percebido que a “água” é tema comum a três dentre as obras listadas para o Concurso Vestibular-UFSC/2011.

Em O guarda-roupa alemão, da catarinense Lausimar Laus, encontramos páginas retratando cenas que se referem a enchentes pelo excesso de chuvas. Já nas obras Vidas secas, do alagoano Graciliano Ramos, e Morte e vida severina, do pernambucano João Cabral de Mello Neto, a quase absoluta falta de água persegue a vida de seus personagens.

Redija uma dissertação, expondo e analisando o comportamento de personagem(ns) das obras citadas diante das adversidades provocadas, seja pela enchente, seja pela seca (ou por ambas).



INSTRUÇÕES

QUESTÕES DISCURSIVAS

1. Leia atentamente as questões e responda de acordo com o que é solicitado no enunciado.


2. Escreva com letra legível, use linguagem clara e utilize a norma culta da língua portuguesa.
3. Na folha de rascunho, redija suas respostas no espaço estipulado para os itens de cada questão.
4. Transcreva suas respostas da folha de rascunho para a respectiva folha oficial, seguindo a ordem proposta nas questões.
5. Use caneta esferográfica, fabricada com material transparente, de tinta preta (preferencialmente) ou azul para transcrever suas respostas.
6. Não serão corrigidas respostas escritas a lápis, nem respostas na folha de rascunho.

Questão Discursiva 1

No urbanismo e na arquitetura, a questão da acessiblidade tem recebido grande atenção nas últimas décadas, preocupação que pode ser verificada pela elaboração de normas para regulamentar a acessibilidade.


A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), por meio da norma NBR 9050 elaborada no Comitê Brasileiro de Acessibilidade, define:
- Acessibilidade: Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos.
- Rampa: Inclinação da superfície de piso, longitudinal ao sentido de caminhamento. Consideram-se rampas aquelas com declividade igual ou superior a 5%.


A figura apresenta uma rampa com 5% de inclinação, sobre a qual se encontra uma pessoa em pé e parada. Para facilitar a visualização, o desenho não está apresentado em escala.



A inclinação das rampas deve ser calculada segundo a seguinte equação:



Considerando as informações acima apresentadas:


a) Desenhe e identifique as forças que atuam sobre a pessoa.

b) Identifique o tipo de atrito que existe entre a pessoa e a rampa para que ela possa caminhar com segurança sobre a mesma.



c) Determine o coeficiente de atrito mínimo para que a pessoa não deslize ao caminhar nesta rampa. Mostre explicitamente o raciocínio matemático utilizado, que deve ser fundamentado em princípios físicos.



  1   2   3   4


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal