Hoje vamos estudar uma nova forma de classificação do sistema nervoso



Baixar 27.43 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho27.43 Kb.

Aula VI – Sistema Lemniscal Posterior

(Transcrição da aula – vídeo)


Hoje vamos abordar as grandes vias aferentes da medula espinhal e tronco encefálico.

São, na verdade, as grandes aferências ao sistema nervoso. Provêm de receptores localizados na periferia. Trazem informações específicas. Nesse caso, considerando o sistema lemniscal posterior, que é a nossa primeira abordagem, nós vamos considerar as sensações do tacto e epicrítico, um tacto fino, a sensação de discriminação de dois pontos, sentidos de posição e movimento, a estereognosia, que é a capacidade de reconhecer um objecto de olhos fechados. A lesão desses câmbios neurais vai causar prejuízos nesse tipo específico de percepção.



Bem! Nós temos aqui uma visão de cortes transversais da medula espinhal, em dois níveis, nível torácico e nível cervical, uma visão de corte transversal do bulbo, da ponte e do mesencéfalo. E aqui nós estamos vendo uma visão da superfície supra-lateral do encéfalo humano.

Bem! O primeiro neurónio dessa via do chamado Sistema Lemniscal Posterior, situa-se no gânglio dorsal do nervo espinhal... gânglio da raiz dorsal do nervo espinhal. Esse neurónio... ele é um neurónio pseudounipolar. Ele tem um componente ligado ao receptor situado na pele, nas caves articulares (?) e ele possui um outro componente que o liga ao neuro-eixo. Por isso nós chamamos pseudo unipolar... É um neurónio aferente, presente no sistema nervoso somático. A via penetra na medula espinhal... próximo ao corno posterior... pelas radículas posteriores. Não há sinapses neste nível. A conexão sobe para o bulbo, um componente, uma divisão do sistema nervoso pertencente ao tronco encefálico. E a primeira sinapse dessa via vai ser feita no núcleo grácil e no núcleo cuneiforme. Os neurónios aqui localizados enviam os seus axónios formando arco, fibras arqueadas internas, que sobem em forma de fita. Em Latim fita recebe o nome de "lemniscus". Como está medialmente localizado... este então é o chamado Lemnisco Medial. O lemnisco medial sobe em direcção ao tálamo, no mesencéfalo, já... Temos aqui um corte... passando pelo diencéfalo e pegando parte do tronco encefálico, no caso o mesencéfalo cranial... Aqui está o tálamo... e este aqui é um núcleo específico do tlamo, chamado... núcleo ventral posterolateral do tálamo. Esse núcleo, então, está recebendo conexões importantes da via lemniscal posterior e vai, por sua vez, se projectar para o giro pós-central... do córtex cerebral. Estamos então vendo que daqui a conexão ganha o giro pós-central.

Vejamos então como que caminha o impulso nervoso... levando informações, então, de sensibilidade epicrítica. Há um impulso... Caminha pelo primeiro neurónio, faz sinapse no bulbo e depois... o núcleo ventral posterolateral do tálamo... e por fim, a sinapse no giro pós-central. Então... é a área de córtex cerebral ligada ao processamento de sensações, da sensibilidade. Então... nós temos aqui a via traçada: primeiro neurónio do corno dorsal do nervo espinhal, que envia o seu axónio que sobe pelo funículo posterior da medula espinhal, um segundo neurónio, aqui localizado, forma as fibras arqueadas internas, o lemnisco medial, que vai se direccionar ao tálamo, núcleo ventral posterior lateral. E, neste núcleo há o último neurónio que vai fazer conexão com o córtex cerebral. Então nós temos: primeiro neurónio no gânglio sensitivo, gânglio espinhal; segundo neurónio no núcleo grácil e cuneiforme; terceiro neurónio, no núcleo ventral posterolateral do tálamo; quarto neurónio, no giro pós-central, do córtex cerebral.

Bem! Esse é o componente, são as vias que levam informações do pescoço para baixo. E quanto às sensações da cabeça? O nervo craniano que responde principalmente pela maior parte da sensibilidade da cabeça é o nervo trigémeo. Então nós temos um componente trigeminal no sistema lemniscal posterior. Vejamos agora como ele se organiza. Então vejamos a via trigeminal.

Bom! Vocês estão vendo agora cortes mais limitados, cortes transversais passando pelo diencéfalo, mesencéfalo, um corte transversal passando pela ponte... Na ponte, onde se localiza o núcleo sensitivo do nervo trigémeo. Ele tem esse nome porque ele possui três raízes... três raízes sensitivas gémeas e tem ainda uma raiz motora. Esse é o gânglio semilunar de Gasser. É o gânglio que contém o primeiro neurónio da via sensitiva que traz informações da cabeça. De onde? Dos alvéolos denteados (?), da mucosa da boca, sensibilidade geral da língua, a sensibilidade da face...do globo ocular da conjuntiva. Então... essas informações estão subindo, se direccionando ao neuro-eixo, através do trigémeo. O primeiro neurónio equivale ao neurónio do corno, do gânglio da raiz dorsal do nervo espinhal e... ele se localiza então... repousando no rochedo temporal... estando ligado ao nervo trigémeo. É o gânglio semilunar de Gasser, ou gânglio sensitivo do nervo trigémeo. Aqui está ele... Essa via, que tem o seu primeiro neurónio aqui localizado, faz sinapse... a primeira sinapse, no gânglio sensitivo do trigémeo, chamado gânglio principal do trigémeo. A partir daqui a via cruza o plano mediano e ascende para o tálamo. No tálamo essa sinapse vai-se dar no núcleo ventral posteromedial, o núcleo afiado do tálamo, que responde pela sensibilidade da cabeça... Núcleo ventral posterior medial do tálamo... A partir daqui a conexão ganha o córtex cerebral, mais precisamente o giro pós-central, a região da cabeça...

Então vamos agora activar essa conexão: a primeira sinapse, no gânglio principal do trigémeo, a segunda no tálamo e a terceira no giro pós-central...

No tálamo, num núcleo situado ao lado do núcleo ventral posterolateral, o chamado núcleo ventral posteromedial do tálamo... Esse é o componente trigeminal. Essa via leva também informações de tacto epicrítico, sensibilidade de posição e movimento, discriminação de dois pontos e também de estereognosia. Por exemplo, nós mastigamos um bolo alimentar. No meio do arroz existe uma pedra... Quem informa o SN de que existe algo mais duro do que o arroz?... e que não pode ser triturado com a mesma força que se tritura um grão de arroz?... sob pena de quebrar os dentes... Essa informação é transitada pela via trigeminal, componente lemniscal equivalente ao da via lemniscal posterior. Só que um componente trigeminal... Ele leva informações de tacto fino... Leva informações de localização... de onde está essa "pedra"... Leva a discriminação do ponto da pedra e do ponto onde está o grão de arroz... do bolo alimentar... Então são informações muito precisas, são informações epicríticas, de grande poder de descriminação... Agora, a discriminação em si é feita no córtex cerebral, na área correspondente à cabeça... ou, no giro pós-central.

Vejamos agora cortes transversais da medula espinhal e do tronco encefálico onde passa o sistema lemniscal posterior. Então, nós vamos agora ver cortes transversais do tronco encefálico e da medula espinhal. Vamos ver por onde... por quais as estruturas passam essas vias.

Aqui nós estamos vendo um corte transversal da medula espinhal ao nível sacral.

Aqui está a localização anatómica da medula espinhal, região sacral, do sistema anterolateral...Nós vamos abordá-lo a seguir...

E aqui, no funículo posterior, está a localização do sistema lemniscal posterior.



Tanto o sistema lemniscal posterior quanto o sistema lateral são aferências ao sistema somático... sistema nervoso somático. E essas aferências são importantes para a organização do movimento. Mas agora nós vamos dar atenção ao sistema lemniscal posterior.

Então, no nível sacral está aqui localizado. Num corte mais cranial, passando pela região lombar, nós temos aqui, ainda, a posição do funículo posterior... do sistema lemniscal posterior.

Então, não há sinapse no corno posterior da medula espinhal. O primeiro neurónio, que estaria localizado no gânglio espinhal, entra no corno posterior e sobe pelo funículo posterior, em direcção às estruturas supra-espinhais.

Na região torácica... nós temos aqui o funículo posterior... onde está passando o sistema lemniscal posterior.

Num corte transversal, agora da medula cervical... a nível do pescoço...



Então nós temos aqui a localização do sistema lemniscal posterior... Agora nós temos, além do fascículo cuneiforme, o fascículo grácil. Então nós temos componentes que vêm dos membros inferiores e do abdómen e aqui nós temos... do tórax e componentes que vêm dos membros superiores. Essas informações que compõem o funículo posterior ascendem em direcção ao bulbo, onde vão promover a sua primeira sinapse. Então nós estamos vendo aqui um corte transversal do bulbo... região dorsal... região ventral...



Nós estamos vendo aqui um núcleo, o núcleo grácil... e aqui o núcleo cuneiforme. Então, o fascículo grácil e fascículo cuneiforme terminam no núcleo grácil e no núcleo cuneiforme, fazendo a sua sinapse local... a primeira sinapse da via lemniscal posterior. Então o funículo posterior vai desaparecer a nível do bulbo.

Num corte um pouco mais cranial do bulbo, nós estamos vendo aqui... já... o núcleo grácil maior, pouca expressão do fascículo grácil, o núcleo cuneiforme maior, pouca expressão do fascículo cuneiforme...

Esses fascículos estão desaparecendo e dando lugar aos neurónios que vão agora promover, formar fibras arqueadas internas e que vão, então, cruzar o plano mediano para formar o lemnisco medial. Essa "fita" vai aparecer claramente... fita = lemnisco... no bulbo cranial mais característico...



Num corte mais característico do bulbo cranial, como aqui se apresenta, localizamos então, paralelemente à rafe do bulbo... em posição paramediana. Então nós estamos vendo aqui o lemnisco medial... Lemnisco medial: a conexão entre os núcleos grácil e núcleo cuneiforme com o tálamo... núcleo ventral posterolateral do tálamo. Vocês estão compreendendo aqui as conexões que vão do pescoço... as informações que ascendem... que vêm do corpo... do pescoço para baixo... e estão-se dirigindo para o tálamo. Agora, as conexões que levam informações da cabeça... elas vão entrar... juntar-se a essa via mais cranialmente... a nível da ponte.

Num corte ainda mais alto, nós temos aqui a passagem da via lemniscal posterior.

Então nós estamos aqui com o lemnisco medial... ainda... já num corte passando próximo à ponte. Então... aqui nós temos o outro componente sensorial, que é o sistema anterolateral, e aqui nós vamos ter já a união do componente trigeminal... Aqui nós já estamos num corte da ponte.

Vamos ver um pouco mais alto.

Então vejamos aqui... nós temos o nosso lemnisco lateral. Num corte típico da ponte... aqui é o quarto ventrículo... aqui são os pedúnculos cerebelares médios... e aqui é o nervo trigémeo. Então, lá em cima está o nervo... o núcleo do nervo trigémeo, o núcleo espinhal do trigémeo e aqui o nervo trigémeo... E aqui vai estar a junção do componente trigeminal com o lemnisco medial... Sistema lemniscal posterior...

Agora o nosso destino é o tálamo.

Num corte mais cranial, novamente aqui... muito próximo do mesencéfalo, parte mais alta da ponte, ainda o lemnisco medial... sistema lemniscal posterior...



Novamente aqui, sistema lemniscal posterior, já na transição entre a ponte e o mesencéfalo.



No mesencéfalo caudal... a nível dos colículos inferiores, nós temos aqui o sistema lemniscal posterior já com o componente trigeminal...



E no mesencéfalo cranial, ao nível dos colículos superiores, nós estamos vendo aqui o lemnisco medial... Sistema lemniscal posterior com o componente trigeminal...

A partir daqui a conexão ganha o tálamo...

O tálamo, onde a sinapse vai-se processar no núcleo ventral posterolateral, considerando as vias trigeminais que trazem informações do pescoço... Núcleo ventral posteromedial, considerando as informações sensitivas da cabeça que sobem junto com as vias trigeminais. Então essa via, quando lesada, vai gerar um prejuízo na... incapacidade... na necessidade táctil fina... tacto epicrítico... a discriminação de dois pontos, sentido de posição e movimento, assim como informações acerca de vibração... a palestesia, a sensibilidade vibratória... vai estar comprometida... Considerando o campo lesado..., quer dizer, a via pode ser lesada durante toda a sua extensão... Considerando a área em que houve lesão nós temos comprometimentos das estruturas abaixo relacionadas e que levam a que se perca então aquele tipo de sensibilidade.

Naturalmente, essas informações, para serem processadas, precisam do córtex cerebral. Então nós vamos considerar sempre a importância da área cortical na elaboração da localização dessas funções sensoriais... e, neste caso, nós temos que considerar o giro pós-central.

Até à próxima aula, quando então nós falaremos sobre um outro tipo de caminho neural: aquele que leva informações de temperatura, de pressão e também de dor. Falaremos então sobre o sistema anterolateral. Até lá!



(Transcrição do vídeo apresentado pelo Prof. Coimbra, realizada por Celso Oliveira).


: cursos -> neuroanatomia
neuroanatomia -> Hoje nos vamos abordar mais um componente importante aferente do sn …vamos considerar o sistema antero lateral, o sistema que
cursos -> Bráquetes autoligantes
cursos -> Psiconeuroimunologia aliene Silva Gonçalves dos Santos Vou discorrer sinteticamente sobre um apêndice da Ciência, que por mais explícita que seja a sua importância, ainda não é reconhecida como tal. Psiconeuroimunologia
neuroanatomia -> Prova da metade do curso Elaborada por Dr. Norberto Cysne Coimbra
neuroanatomia -> Transcrição da mini-aula “Transdução e Codificação da Amplitude de duração dos Estímulos”
neuroanatomia -> Respostas a algumas questões do fórum (Sistema Autônomo/Sistema Sensorial)
neuroanatomia -> Os corpúsculos de Vater-Paccini, possuem grande distribuição abrangendo desde o tecido sub-cutâneo de mãos e pés até tecidos p




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal