História da anatomia



Baixar 0.49 Mb.
Página3/5
Encontro24.10.2017
Tamanho0.49 Mb.
1   2   3   4   5









Tem o comprimento maior que a largura e são constituídos por um corpo e duas extremidades. Eles são um pouco encurvados, o que lhes garante maior resistência. O osso um pouco encurvado absorve o estresse mecânico do peso do corpo em vários pontos, de tal forma que há melhor distribuição do mesmo. Os ossos longos tem suas diáfises formadas por tecido ósseo compacto e apresentam grande quantidade de tecido ósseo esponjoso em suas epífises.

Exemplo: Fêmur.









Ossos Curtos









São parecidos com um cubo, tendo seus comprimentos praticamente iguais às suas larguras. Eles são compostos por osso esponjoso, exceto na superfície, onde há fina camada de tecido ósseo compacto.

Exemplo:
Ossos do Carpo.









Ossos Laminares (Planos)









São ossos finos e compostos por duas lâminas paralelas de tecido ósseo compacto, com camada de osso esponjoso entre elas. Os ossos planos garantem considerável proteção e geram grandes áreas para inserção de músculos.

Exemplos:
Frontal e Parietal.







Além desses três grupos básicos bem definidos, há outros intermediários, que podem ser distribuído em 5 grupos:

Ossos Alongados









São ossos longos, porém achatados e não apresentam canal central.

Exemplo: Costelas.









Ossos Pneumáticos









São osso ocos, com cavidades cheias de ar e revestidas por mucosa (seios), apresentando pequeno peso em relação ao seu volume.

Exemplo: Esfenóide.









Ossos Irregulares









Apresentam formas complexas e não podem ser agrupados em nenhuma das categorias prévias. Eles tem quantidades variáveis de osso esponjoso e de osso compacto.

Exemplo: Vértebras.









Ossos Sesamóides









Estão presentes no interior de alguns tendões em que há considerável fricção, tensão e estresse físico, como as palmas e plantas. Eles podem variar de tamanho e número, de pessoa para pessoa, não são sempre completamente ossificados, normalmente, medem apenas alguns milímetros de diâmetro. Exceções notáveis são as duas patelas, que são grandes ossos sesamóides, presentes em quase todos os seres humanos.









Ossos Suturais









São pequenos ossos localizados dentro de articulações, chamadas de suturas, entre alguns ossos do crânio. Seu número varia muito de pessoa para pessoa.
















Estrutura dos Ossos Longos:
A disposição dos tecidos ósseos compacto e esponjoso em um osso longo é responsável por sua resistência. Os ossos longos contém locais de crescimento e remodelação, e estruturas associadas às articulações. As partes de um osso longo são as seguintes:
Diáfise: é a haste longa do osso. Ele é constituída principalmente de tecido ósseo compacto, proporcionando, considerável resistência ao osso longo.

Epífise: as extremidades alargadas de um osso longo. A epífise de um osso o articula, ou une, a um segundo osso, em uma articulação. Cada epífise consiste de uma fina camada de osso compacto que reveste o osso esponjoso e recobertas por cartilagem.

Metáfise: parte dilatada da diáfise mais próxima da epífise.















Configuração Externa dos Ossos:


Saliências Ósseas




Articulares

Não Articulares

- Cabeça


- Côndilos

- Facetas



- Processos

- Tubérculos

- Trôcanter

- Espinha

- Eminência

- Lâminas

- Cristas










Cabeça do fêmur (fêmur)

Processos transversos e espinhoso (vértebras)



Depressões Ósseas







Articulares










Não Articulares









- Cavidades

- Acetábulo

- Fóvea












- Fossas


- Sulcos

- Forames

- Meatos

- Seios


- Fissuras

- Canais












Cavidade glenóide (escápula)

Fossa do olécrano (úmero)








Configuração Interna dos Ossos:









As diferenças entre os dois tipos de osso, compacto e esponjoso ou reticular, dependem da quantidade relativa de substâncias sólidas e da quantidade e tamanho dos espaços que eles contém. Todos os ossos tem uma fina lâmina superficial de osso compacto em torno de uma massa central de osso esponjoso, exceto onde o último é substituído por uma cavidade medular. O osso compacto do corpo, ou diáfise, que envolve a cavidade medular é a substância cortical. A arquitetura do osso esponjoso e compacto varia de acordo com a função. O osso compacto fornece força para sustentar o peso.

Nos ossos longos planejados para rigidez e inserção de músculos e ligamentos, a quantidade de osso compacto é máxima, próximo do meio do corpo onde ele está sujeito a curvar-se. Os ossos possuem alguma elasticidade (flexibilidade) e grande rigidez.

Periósteo e Endósteo:

O Periósteo é uma membrana de tecido conjuntivo denso, muito fibroso, que reveste a superfície externa da diáfise, fixando-se firmemente a toda a superfície externa do osso, exceto à cartilagem articular. Protege o osso e serve como ponto de fixação para os músculos e contém os vasos sangüíneos que nutrem o osso subjacente.


O Endósteo se encontra no interior da cavidade medular do osso, revestido por tecido conjuntivo.



Tecido Ósseo Compacto

Tecido Ósseo Esponjoso

Contém poucos espaços em seus componentes rígidos. Dá proteção e suporte e resiste às forças produzidas pelo peso e movimento. Encontrados geralmente nas diáfises.

Constitui a maior parte do tecido
ósseo dos ossos curtos, chatos e irregulares. A maior parte é
encontrada nas epifises.









Sistema Esquelético

Cabeça
Tórax
Coluna Vertebral
Membro Superior
Membro Inferior







OSSOS  DA  CABEÇA















O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas, partes proximais dos nervos cranianos e vasos sangüíneos. O crânio possui um teto semelhante a uma abóbada – a calvária – e um assoalho ou base do crânio que é composta do etmóide e partes do occipital e do temporal. O esqueleto da face consiste em ossos que circundam a boca e o nariz e contribuem para as órbitas.

Neurocrânio
Oito (08) ossos




Esqueleto da Face
Quatorze (14) ossos

Frontal (01)
Occipital (01)
Esfenóide (01)
Etmóide (01)
Temporal (02)
Parietal (02)

Crânio como um Todo





Mandíbula (01)
Vômer (01)
Zigomático (02)
Maxila (02)
Palatino (02)
Nasal (02)
Lacrimal (02)
Concha Nasal Inferior (02)







FRONTAL
















O osso frontal é um osso largo ou chato, situado para frente e para cima e apresenta duas porções: uma vertical, a escama, e uma horizontal, os tectos das cavidades orbitais e nasais.
Escama

Face Externa: esta face é convexa e nela encontramos as seguintes estruturas:

 Borda Supra-Orbital

 Túber Frontal - 3 centímetros acima da borda supra-orbital

 Arcos Superciliares - saliências que se estendem lateralmente à glabela

 Glabela - entre os dois arcos superciliares (ponto antropométrico)

 Sutura Metópica - encontrada em alguns raros casos e localiza-se logo acima da glabela e se estende até o bregma pela linha sagital mediana. Esta sutura, na infância, divide o osso em dois, podendo permanecer por toda a vida.

 Incisura ou Forame Supra-Orbital - passagem de vasos e nervos supra-orbitais

 Incisura Nasal - intervalo áspero e irregular

 Espinha Nasal - localiza-se anteriormente e no centro da incisura nasal

Face Interna:

 Crista Frontal

 Forame Cego - localiza-se na terminação da crista frontal e é nele que a dura máter se insere
Tectos das Cavidades Orbitais e Nasais

Formam o teto da órbita, a incisura etmoidal (separa as duas lâminas orbitais) e os óstios do seio frontal (anteriores a incisura etmoidal). Este seio torna o frontal um osso com características de osso pneumático, oco.


O frontal articula-se com doze ossos: esfenóide, etmóide, parietais (2), nasais (2), maxilares (2), lacrimais (2) e zigomáticos (2).


Ilustrações



Frontal - Vista Anterior



Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.



Frontal - Cavidades Orbitais e Nasais



Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.






OCCIPITAL















É perfurado por uma abertura grande e oval, o forame magno, através do qual a cavidade craniana comunica-se com o canal vertebral. Apresenta duas porções: escamosa e basilar.

      a) Escamosa - lâmina curvada que se estende posteriormente ao forame occipital.

      b) Basilar - anterior ao forame occipital e espessa.


Escamosa
Face Externa: posterior e convexa. Apresenta as seguintes estruturas:

 Protuberância Occipital Externa - localiza-se entre o ápice do osso e o forame magno

 Crista Occipital Externa

 Linha Occipital (Nucal) Suprema - local de inserção da gálea aponeurótica. Localiza-se lateralmente a protuberância occipital externa

 Linha Occipital (Nucal) Superior - localiza-se abaixo da linha nucal suprema

 Linha Occipital (Nucal) Inferior - logo abaixo da linha nucal superior

Face Interna: localiza-se anteriormente. Apresenta as seguintes estruturas:

 Eminência Cruciforme - divide a face interna em quatro fossas

 Protuberância Occipital Interna - ponto de intersecção das quatro divisões

 Sulco Sagital - aloja a porção posterior do seio sagital superior

 Crista Occipital Interna - porção inferior da eminência cruciforme

 Sulco do Seio Transverso - lateralmente à protuberância occipital interna

 Fossas Occipitais Superiores (Cerebrais)

 Fossas Occipitais Inferiores (Cerebelares)

Basilar:

 Forame Magno - grande abertura oval que dá passagem à medula oblonga (tronco encefálico - bulbo) e suas membranas (meninges), líquor, nervos, artérias, veias e ligamentos

Lateral:

 Côndilos Occipitais - tem forma oval e articulam com a 1ª vértebra cervical (Atlas)

 Canal do Hipoglosso - pequena escavação na base do côndilo occipital que dá saída ao nervo do hipoglosso (12º par craniano) e entrada a um ramo meníngeo da artéria faríngea ascendente.

 Canal Condilar - ao lado do forame magno (dá passagem à veias)

 Processo Jugular - localizado lateralmente ao côndilo occipital
O occipital articula-se com seis ossos: parietais (2), temporais (2), esfenóide e atlas.


Ilustrações



Occipital - Vista Externa



Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.



Occipital - Vista Interna



Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.







ESFENÓIDE















É um osso irregular, ímpar e situa-se na base do crânio anteriormente aos temporais e à porção basilar do osso occipital.

O osso esfenóide é dividido em: corpo (1), asas menores (2), asas maiores (2) e processos pterigóideos (2).

Corpo

a) Face Superior:



 Fossa Hipofisária

 Processos Clinóides Médios e Posteriores

 Espinha Etmoidal - articula-se com a lâmina crivosa do osso etmóide

 Sela Túrsica - aloja a hipófise

 Clivo - apoio da porção superior da ponte

b) Face Anterior:



 Crista Esfenoidal - forma parte do septo do nariz

 Seio Esfenoidal - cavidades preenchidas com ar (osso pneumático) e servem para deixar o crânio mais leve. Raramente são simétricas

c) Face Inferior:



 Rostro Esfenoidal - espinha triangular na linha mediana

 Processo Vaginal - de cada lado do rostro esfenoidal

c) Face Lateral:



 Sulco Carótido - sulco em forma de "S"

 Língula - crista óssea no ângulo entre o corpo e a asa maior
Asas Menores

 Canal Óptico - passagem do nervo óptico (2º par craniano) e artéria oftalmica

 Processo Clinóide Anterior
Asas Maiores

 Forame Redondo - passagem do nervo maxilar (5º par craniano - nervo trigêmeo)

 Forame Oval - passagem do nervo mandibular (5º par craniano - nervo trigêmeo) e artéria meníngea acessória

 Forame Espinhoso - passagem de vasos meníngeos médios e a um ramo do nervo mandibular

 Espinha Esfenoidal

 Face Temporal

 Face Orbital
Processos Pterigóideos

 Lâmina Pterigódea Medial

 Lâmina Pterigóidea Lateral

 Fossa Pterigóidea

 Incisura Pterigóidea - entre as duas laminas
Entre as Asas Menores e Maiores:

 Fissura Orbitária Superior ou Fenda Esfenoidal - passagem do nervo oculomotor (3º par craniano), nervo troclear (4º par craniano), romo oftálmico do nervo trigêmeo (5º par craniano) e nervo abducente (6º par craniano)


Ilustrações



Esfenóide - Vista Posterior



Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.



Esfenóide - Vista Anterior



Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. 21ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.






TÓRAX
















É uma caixa osteocartilagínea que contém os principais órgãos da respiração e circulação e cobre parte dos órgãos abdominais.

A face dorsal é formado pelas doze vértebras torácicas, e a parte dorsal das doze costelas. A face ventral é constituída pelo esterno e cartilagens costais. As faces laterais são compostas pelas costelas e separadas umas das outras pelos onze espaços intercostais, ocupados pelos músculos e membranas intercostais.



Esterno

Costelas



Ilustrações



Tórax - Vistas Anterior e Posterior



Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.






ESTERNO












1   2   3   4   5


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal