Histologia animal



Baixar 103.87 Kb.
Encontro29.06.2019
Tamanho103.87 Kb.



HISTOLOGIA ANIMAL




  • INTRODUÇÃO

O estudo dos tecidos (conjunto organizado de células com formas e funções definidas) é feito pela histologia.





    1. EPITELIAL: É caracterizado por:




      • Justaposição celular (pouquíssima substância intercelular);

      • Ausência de circulação sangüínea (avascular);

      • Ausência de nervos (anervado).

Sua principal função é a de revestimento de superfícies (externa ou interna), porem, também pode apresentar a função glandular (secretora).




  • FUNÇÃO DE REVESTIMENTO:

Neste tecido, a justaposição das células é mais evidente e, para manter essa justaposição as células epiteliais apresentam estruturas como desmossomos, interdigitações e barras terminais. As células componentes apresentam formas geométricas (o que favorece o encaixe entre elas), podendo ser: achatadas (pavimentosas), cúbicas ou prismáticas (cilíndricas).















Quanto à quantidade de camadas de células que pode apresentar, pode ser classificado em: simples (uma só camada), estratificado (várias camadas) e pseudoestratificado (uma camada, porém desorganizada).



Observe a tabela a seguir que associa os diversos tipos de epitélios de revestimento às suas devidas ocorrências:



No de Camadas

Tipo de Célula

Ocorrência

Simples

Pavimentosa

Revestimento dos alvéolos pulmonares e dos vasos sangüíneos, serosas (pleura, pericárdio e peritônio)

Simples

Cúbica

Ductos das glândulas exócrinas e túbulos renais.

Simples

Prismática

Revestimento intestinal (com microvilosidades) e tubas uterinas (com cílios).

Estratificado

Pavimentoso

Não queratinizado nas mucosas e queratinizado na epiderme.

Pseudoestratificado

Colunar

Mucosa traqueal e brônquica.




  • FUNÇÃO GLANDULAR:

As células do tecido epitelial glandular se especializaram na secreção de substâncias , e podem fazer essa secreção de duas maneiras distintas: através de ductos (canais) em alguma superfície corporal (interna ou externa) ou na corrente sangüínea.




As glândulas podem ser classificadas, principalmente, de duas formas:


  1. Quanto ao local onde lançam suas secreções.

    1. EXÓCRINAS(exo=fora ; crinos=glândula): lançam suas secreções através de ductos nas superfícies corporais (externa e interna).

Ex. glândulas: sudorípara, sebácea, lacrimal e mamaria (externa); glândulas: salivares, estomacais e entéricas (internas).


  1. ENDÓCRINAS(endo=dentro ; crinos =glândula): lançam suas secreções (hormônios) diretamente na corrente sangüínea.

Ex. hipófise, tireóide, adrenais, paratireóides.


  1. ANFÍCRINAS(anfi=duplo ; crinos =glândula): comportam-se como exócrinas e endócrinas ao mesmo tempo.

Ex. : PANCREAS : Suco pancreático (duodeno – exócrina); Insulina e Glucagon (sangue – endócrina).




CLASSIFICAÇÃO

GLÂNDULAS

EXEMPLOS




Quanto ao número de células

Unicelulares

Células secretoras de muco no intestino




Pluricelulares

Glândulas sebáceas e outras.




Quanto à forma da glândula

Tubulosas

Células secretoras de suco gástrico



Acinosas

Glândulas sebáceas (simples) e de veneno nos anfíbios (ramificado)



Túbulo-acinosas

Glândulas lacrimais



Quanto à forma como eliminam a secreção

Merócrinas

Glândulas salivares



Apócrinas

Glândulas mamárias



Holócrinas

Glândulas sebáceas








  1. TECIDO CONJUNTIVO.

Nesse tipo de tecido ocorre uma grande quantidade de substancia intercelular, e a presença de diversos tipos funcionais é uma de suas principais características. Por apresentar vários tipos funcionais, apresenta tipos celulares diversos, e as características de cada variedade de tecido conjuntivo serão apresentadas após a classificação geral apresentada a seguir.







FROUXO

PRÓPRIO

DENSO

ADIPOSO
HIALINO
CARTILAGINOSO FIBROSO

TECIDO

CONJUNTIVO ELÁSTICO

ÓSSEO
LINFÓIDE

HEMATOPOIÉTICO

MIELÓIDE

SANGÜÍNEO



  • Tecido Conjuntivo Próprio: É o mais característico dos tecidos conjuntivos por apresentar abundante substancia intercelular (intersticial), rica em fibras protéicas, o que lhe permite funções como preenchimento de cavidades e ligação entre órgãos. Entre as fibras que o compõem podemos citar:

      • COLÁGENAS: compostas pela proteína colágeno, tendo como principal função dar resistência e flexibilidade ao tecido.

      • ELÁSTICAS: compostas pela proteína elastina, tendo como principal função dar elasticidade ao tecido.

      • RETICULARES: compostas pela proteína colágeno, tendo como principal função dar sustentação aos órgãos hematopoiéticos.


Esse tecido pode ocorrer em dois tipos funcionais:




  • FROUXO: apresenta fibras dispersas na substancia intersticial, ocupando grande volume. É, normalmente, empregado para o preenchimento de espaços, daí o nome de conectivo (por unir órgãos entre si). Apresenta uma grande variedade de tipos celulares, cujas funções apresentaremos a seguir:

  • FIBROBLASTOS: células de formato estrelado, que são responsáveis pela produção das fibras protéicas abundantes nesse tipo de tecido.

  • MACRÓFAGOS: células grandes, globulares, com grande capacidade fagocitária, atuam na defesa do tecido contra agentes infecciosos.

  • PLASMÒCITOS: células derivadas do sistema imune, são responsáveis pela produção de anticorpos, destacam-se na defesa do organismo.

  • MASTÒCITOS: células relacionadas com a produção de heparina (substância anti-coagulante) e histamina (substância que desencadeia processos alérgicos).

  • MELANÒCITOS: células ativas na produção do pigmento melanina.




  • DENSO: Nessa variedade de tecido próprio a substância intercelular é densamente ocupada pelas fibras protéicas (principalmente as colágenas) de forma ordenada e formando feixes fibrosos. Por esse motivo, o tecido conjuntivo denso é encontrado nos tendões (conexão músculo – osso), também chamados feixes musculosos e nos ligamentos (conexões osso – osso).



  • Tecido Conjuntivo Adiposo: É formado por células adaptadas ao armazenamento de gordura (lipídios) em grades quantidades. Ocorre sobre, praticamente, todos os órgãos, onde atua como fonte de energia de reserva. Na superfície do corpo (abaixo da pele) forma o PANÍCULO ADIPOSO (o popular “toucinho”), que além da função de armazenar energia atua como proteção contra choques mecânicos e provê isolamento térmico.


Obs: O tecido adiposo pode exercer função glandular, produzindo um hormônio chamado LEPTINA, que ativa neurorreceptores no hipotálamo que por sua vês descarregam neurotransmissores (neuro-hormônios) capazes de inibir a fome (sensação de saciedade).

  • Tecido Conjuntivo Cartilaginoso: Forma as cartilagens, estruturas associadas à estrutura (sustentação) dos organismos. A exemplo do tecido epitelial não possui vascularização nem enervação. O tecido cartilaginoso é formado a partir de células embrionárias chamadas CONDROBLASTOS, que evoluem para células permanentes, os CONDRÓCITOS, estes costumam se localizar em lacunas chamadas CONDROCLASTOS.

As diversas funções do tecido cartilaginoso podem ser associadas a seus três tipos estruturais:






  • CARTILAGEM HIALINA: protege as articulações dos ossos longos contra o atrito provocado pelo movimento continuo.

  • CARTILAGEM ELÁSTICA: dá forma a estruturas como o pavilhão auditivo (orelha).

  • CARTILAGEM FIBROSA: confere grande resistência aos discos intervertebrais (sistema de amortecimento da coluna vertebral).

O tecido cartilaginoso foi responsável pelo primeiro sistema orgânico de sustentação interna (endoesqueleto). Até hoje, ainda pode ser encontrado nos peixes cartilaginosos (Condrycthies = tubarões e arraias) e também nos embriões de outros vertebrados.



OBS: O tecido cartilaginoso é precursor do tecido ósseo nos vertebrados que apresentam esqueleto rígido.



  • Tecido Conjuntivo Ósseo: Forma os ossos (esqueleto), associados à sustentação dos organismos (vertebrados). O tecido ósseo é formado a partir de diferenciações do tecido cartilaginoso embrionário, este, por sua vez, formará os OSTEOBLASTOS, células embrionárias dos ossos, que formarão os OSTEÓCITOS (células adultas, permanentes). O tecido ósseo pode ser reposto através de estruturas chamadas OSTEOCLASTOS, que destroem os osteócitos velhos, para que novos possam ocupar seu espaça, regenerando a matriz óssea.


O tecido ósseo apresenta duas formas distintas COMPACTO e ESPONJOSO.




  • Osso Compacto: Apresenta matriz óssea compacta e espessa, é percorrida por canais ( Harvers – longitudinais ; Volkman – transversais) por onde passam os vasos sangüíneos e a enervação do tecido. Nesse osso também encontramos o canal ósseo, onde se situa a medula óssea amarela (tutano) reserva nutritiva do osso.




  • Osso Esponjoso: Apresenta matriz óssea laminada e esparsa, rica em medula óssea vermelha (tecido hematopoiético mielóide).






  • Tecido Conjuntivo Hematopoiético: É responsável pela formação dos glóbulos sangüíneos. Pode ser classificado em MIELÓIDE e LINFÓIDE.




  • MIELÓIDE: Localizado, principalmente, nos ossos planos (chatos) e nas epífises dos ossos longos, é representado pela medula óssea vermelha e responsável pela produção de células como: glóbulos vermelhos, megacariócitos e os leucócitos granulócitos.

  • LINFÓIDE: Localizado, principalmente nos órgãos linfáticos (baço e timo) e nos gânglios linfáticos, é responsável pela produção de células como os leucócitos agranulócitos.




  • Tecido Conjuntivo Sangüíneo: Entre os tecidos conjuntivos é o que apresenta a substancia intercelular mais diferenciada. Pelo fato de apresentar proteínas dissolvidas em água, apresenta consistência liquida. Podemos destacar dois componentes no tecido sangüíneo: o plasma (substância intersticial líquida) e os elementos figurados (células – parte sólida).

O plasma sangüíneo é composto por água, íons e gases (CO2 e O2) dissolvidos, ácidos graxos, moléculas de proteínas, carboidratos, lipídios, colesterol e uréia na forma de uma solução, aparentemente, homogênea.

Os elementos figurados dos sangue apresentam três variedades fundamentais de células, que apresentam aspectos e funções distintas. A seguir falaremos sobre cada tipo.



  • HEMÁCIAS (eritrócitos ou glóbulos vermelhos): São originados na medula óssea vermelha, a partir de células embrionárias chamadas eritroblastos. Durante seu processo de formação (amadurecimento), sofrem uma série de transformações onde perdem o núcleo e a grande maioria dos componentes citoplasmáticos (orgânulos), para poder conduzir uma grande quantidade do pigmento hemoglobina, responsável pelo transporte de 80% do oxigênio circulante no organismo. Assume um formato de disco bicôncavo, o que otimiza seu volume e a quantidade de hemoglobina que carrega.

Sua taxa normal na corrente sangüínea oscila em torno de 4 milhões/mm3 de sangue para as mulheres e 4,5 milhões/mm3 de sangue para os homens.

OBS: Essa diferença se deve ao fato da taxa ser proporcional à massa do indivíduo (homens possuem cerca de 15% a mais de massa corporal que as mulheres).

Quando essa taxa se reduz, ocorre a eritropenia (anemia), quando aumenta temos a eritrocitose.

As hemácias são repostas constantemente, uma vez que seu metabolismo é enfraquecido pela ausência do núcleo e da maior parte dos orgânulos citoplasmáticos. É comum dizer que, em média, a cada 120 dias (quatro meses), todas as hemácias do corpo são repostas.





  • LEUCÓCITOS(glóbulos brancos): Podem ser originados da medula óssea vermelha (origem mielóide) ou de órgãos linfáticos (origem linfóide), apresentam formas variadas e atuam, principalmente, na defesa do organismo (sistema imunológico). Podem ser classificados em dois grupos fundamentais: GRANULÓCITOS: com granulações citoplasmáticas e núcleo segmentado, sendo todos de origem mielóide; AGRANULÓCITOS: sem granulações citoplasmáticas e com núcleo ocupando, praticamente, todo o espaço citoplasmático, sendo todos de origem linfóide. Sua taxa na corrente sangüínea oscila em torno de 8000/mm3 de sangue, sendo os valores acima considerados como leucocitose e os valores abaixo considerados como leucopenia.






  • PLAQUETAS(Trombócitos): São formadas a partir da fragmentação de células chamadas megacariócitos encontradas na medula óssea vermelha (origem mielóide). Cada fragmento (plaqueta) é repleto de substâncias desencadeadoras do processo de coagulação sangüínea.



As plaquetas ocorrem em uma taxa aproximada de 250 mil/mm3 de sangue. Quando a taxa se eleva muito temos a trombocitose, o que pode causar obstruções (entupimentos) nos vasos sangüíneos pela formação de coágulos. Quando essa taxa abaixa muito, temos a trombopenia, o que provoca dificuldade na coagulação do sangue e uma tendência a hemorragias.




  1. TECIDO MUSCULAR.

Para exercer a função de movimento nos organismos, encontramos o tecido muscular. É um tecido a partir de uma diferenciação do mesoderma embrionário. Suas células, os miócitos, são originadas a partir de células embrionárias, os mioblastos. Cada célula muscular é composta internamente por um conjunto de fibras protéicas em forma de feixe chamadas actina e miosina. Nos músculos esqueléticos essas fibras se organizam em uma unidade funcional chamada sarcômero.





Existem, basicamente, dois tipos de tecido muscular, o liso (sem estrias transversais) e o estriado (com estrias transversais) sendo que este último pode ser subdividido em mais dois tipos.

Para melhor diferenciarmos os tipos musculares, vamos observar a tabela a seguir.






  1. TECIDO NERVOSO.

Para manter a comunicação entre as diversas partes do corpo, e deste com o ambiente externo, temos um conjunto de órgãos formados pelo tecido nervoso.

Nos vertebrados, o tecido nervoso se forma a partir de uma diferenciação do ectoderma chamada tubo neural. A partir daí suas células vão tornando-se cada vez mais especializadas e diferenciadas, até chegarem ao ponto de perder a capacidade reprodutiva (células permanentes).

O neurônio, célula definitiva do tecido nervoso, deriva de uma célula chamada neuroblasto.




O tecido nervoso é formado, basicamente, por dois tipos de células: o neurônio – célula condutora do impulso nervoso; e as células da glia (gliócitos) – células que dão apoio (sustentação, proteção e nutrição) aos neurônios.









Os neurônios se especializaram na comunicação, entre si, e com os órgãos, e sempre que exercem essa comunicação, a fazem através de uma conexão chamada sinapse.


As sinapses mais comuns são a neuronal (neurônio – neurônio) e a neuro-motora (neurônio – musculatura) ou placa motora.


Após ser transmitido de um neurônio a outro, a propagação do impulso nervoso dentro de um neurônio e, principalmente, em seu axônio, se dá por diferença de potencial elétrico na membrana plasmática, como veremos a seguir.


EXERCICIOS DE FIXAÇÃO
01 – (U.F. Uberlândia-MG) Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa correta.


      1. A epiderme humana tem vários estratos ou camadas. No limite com a derme fica o estrato germinativo, cujas células estão em contínuas mitoses.

      2. Entre as células do estrato basal ou germinativo da epiderme humana, se infiltram células especiais, muito ramificadas, os melanócitos, produtores de melanina, o pigmento que dá cor à pele.

      3. Na hipoderme humana, a região mais profunda da derme, fica o tecido adiposo subcutâneo, uma camada de gordura cuja espessura depende da parte do corpo e do estado de nutrição da pessoa.

      4. A camada superficial da epiderme humana é cornificada. Abaixo do estrato germinativo as células parenquimáticas estão em contínuas meioses.




        1. I, II e III são corretas.

        2. Apenas I e III estão corretas.

        3. I, II e IV são corretas.

        4. Somente a II está correta.


02 – (UERJ)

OBESIDADE


Proteína facilita a absorção de gorduras A proteína FATP4, que tem um papel importante na absorção da gordura pelo organismo, se presente em nível elevado nas células que revestem pequenas saliências vasculares do intestino delgado e responsáveis pelo transporte dos ácidos graxos dentro do corpo, leva à obesidade, um problema de saúde…

(Jornal do Brasil, 24/09/99)

As pequenas saliências vasculares no intestino delgado mencionadas acima consistem na seguinte estrutura e respectiva constituição:


  1. glândulas – epitélio e membrana basal.

  2. vilosidades – epitélio e tecido conjuntivo.

  3. evaginações – paredes de vasos sangüíneos e linfáticos.

  4. microvilosidades – membrana plasmática e microtúbulos.


03 – (U.F. Viçosa-MG) Pode-se dizer que os folhetos embrionários (ectoderma, mesoderma e endoderma) originarão tecidos bem definidos nos períodos pós-embrionários. Qual dos tecidos relacionados abaixo pode originar-se a partir dos três folhetos?


    1. Conjuntivo.

    2. Muscular.

    3. Ósseo.

    4. Nervoso.

    5. Epitelial.


04 – (U. Santa Úrsula-RJ) Assinalar a alternativa que apresenta os tecidos cujas características principais são: grande quantidade de substância intercelular e mesma origem embrionária:

  1. tecido epitelial e tecido nervoso.

  2. tecido ósseo e tecido conjuntivo propriamente dito.

  3. tecido muscular e tecido conjuntivo.

  4. tecido epitelial e tecido sangüíneo.

  5. tecido cartilaginoso e tecido nervoso.


05 – (UFMG – 98) O filme “O óleo de Lorenzo” conta a história de um menino afetado por uma doença chamada leucodistrofia, que leva a deficiências auditivas, visuais e motoras. Essas deficiências devem-se à destruição da bainha de mielina das células nervosas.

Analise a figura abaixo, referente a uma célula nervosa na qual alguns componentes foram numeradas de 1 a 4. Assinale a alternativa que contém o número correspondente à bainha de mielina.





  1. 1.

  2. 2.

  3. 3.

  4. 4.


06 - (UFMG – 98) Este quadro refere-se ao número de células sangüíneas, expresso em células/mm3 de sangue, encontradas nos exames de sangue de um indivíduo normal e de um indivíduo doente.

Entre as possíveis alterações apresentadas pelo indivíduo doente, NÃO se inclui:




        1. alergia.

        2. distúrbio de coagulação.

        3. anemia.

        4. d) infecção.


07 - (UFPE/UFRPE – 97-B1) Analise as proposições a respeito das figuras a seguir





I

II




0

0

Na figura 1 encontramos o tecido que reveste internamente o coração e que se caracteriza por apresentar o mínimo de substância intercelular.

1

1

Na figura 2 está representada uma célula com função condutora, formada a partir dos neuroblastos.

2

2

A célula da micróglia (figura 3) origina-se dos espongioblastos e têm função de nutrir os neurônios..

3

3

As fibras musculares estriadas (4) apresentam contração rápida e involuntária, enquanto que as lisas (5) apresentam contração lenta e voluntária.

4

4

Na figura 6 encontramos algumas células sanguíneas responsáveis pelos processos de defesa do organismo.


08 – (UPE) Quando a matriz envolve o corpo celular e prolongamentos dos osteoblastos, estes diferenciam-se em:


  1. Osteócitos.

  2. Osteoclastos.

  3. Condrócitos.

  4. Condroblastos.

  5. Fibroblastos.


09 – (UPE) As funções de proteção, absorção, secreção e sensorial são funções do tecido:


  1. Conjuntivo.

  2. Nervoso.

  3. Cartilaginoso.

  4. Conjuntivo denso.

  5. Epitelial.


10 – (Unirio) O esquema a seguir representa os cortes transversais de uma glândula exócrina e outra endócrina.

Assinale a alternativa indica o ducto e o capilar sangüíneo, respectivamente:




  1. 2 e 3.

  2. 1 e 4.

  3. 1 e 5.

  4. 3 e 4.

  5. 2 e 5.

11 – (FMABC – SP) A que tecido animal se referem as características:




Função: envolve e suporta e une outros tecidos, com papel modelador.
Aparência: massa esbranquiçada, mais ou menos rígida, fibrilar, com numerosos tipos celulares.
Ocorrência: muito difundido pelo organismo.


  1. Tecido de revestimento.

  2. Muscular.

  3. Cartilaginoso.

  4. Conjuntivo propriamente dito.

  5. Nervoso.


12 – (UFBA) A queratinização das células do tegumento nos vertebrados tem por função:


  1. originar, por invaginação da epiderme, os diferentes tipos de glândulas que lubrificam o organismo.

  2. proteger as células vivas subjacentes da epiderme contra a ação de agentes externos.

  3. estabelecer uma zona de recepção sensorial, controle e regulação dos estímulos internos do corpo.

  4. formar a derme, cuja missão principal é dar firmeza e flexibilidade à epiderme.

  5. produzir depósitos de substâncias calcárias, como os ossos chatos do crânio de muitos vertebrados e as escamas dos peixes teleósteos.


13 – (SGM – 05) Assinale a opção que associa corretamente os tecidos animais apresentados por numerais romanos, com suas características apresentadas por numerais arábicos.


  1. Fibras longas e multicelulares.

  2. Fibras formadas por prolongamentos celulares.

  3. Pouca substância intercelular.

  4. Canalículos na matriz calcificada.




    1. Tecido epitelial.

    2. Tecido conjuntivo propriamente dito.

    3. Tecido ósseo.

    4. Tecido muscular estriado.

    5. Tecido nervoso.




  1. 1 – I ; 2 – V ; 3 – IV ; 4 – III.

  2. 1 – I ; 2 – III ; 3 – II ; 4 – IV.

  3. 1 – I ; 2 – V ; 3 – IV ; 4 – II.

  4. 1 – IV ; 2 – V ; 3 – 1 ; 4 – II.

  5. 1 – IV ; 2 – V ; 3 – I ; 4 – III.


14 – (UPE) Os esquemas numerados de I a VI representam tecidos epiteliais classificados de acordo com o numero de camadas e o formato das células que apresentam.





Assinale a alternativa que faz a correlação verdadeira.




  1. I – cúbico simples.

  2. IV – transição.

  3. II – prismático simples.

  4. III – pavimentoso simples.

  5. V – pseudo-estratificado.


15 – (PUC - SP) No esquema a seguir, estão relacionadas as reações básicas de dois importantes mecanismos fisiológicos:

As etapas 1 e 2 apresentam em comum a dependência de:




  1. ATP.

  2. Fosfocreatina.

  3. Íons de cálcio.

  4. Íons de magnésio.

  5. Oxigênio.


16 - (PUC - SP) O desenho a seguir representa um ferimento ocasionado por uma farpa de madeira. As células apontadas pela seta 1 têm a função de:


  1. transportar oxigênio para o local do ferimento, onde ocorre intenso metabolismo.

  2. coagular o sangue, impedindo que ocorra grande sangramento devido ao ferimento.

  3. transmitir impulsos dolorosos.

  4. delimitar o processo agressivo, formando paredes fibrosas ao redor do corpo estranho.

  5. fagocitar bactérias e outros corpos estranhos.


17 – (Covest) A seguir são relacionadas as funções gerais de vários tecidos e respectivos nomes. Faça a associação correta.

  1. Segregação de substancias.

  2. Sustentação do organismo.

  3. Reserva de lipídios.

  4. Contração lenta e involuntária.

  5. Modelagem.

  6. Contração rápida e involuntária.

  7. Condução de impulso elétrico.

  8. Proteção em relação ao meio esterno.

  9. Preenchimento de espaços.

  10. Contração rápida e voluntária.




    1. Epitelial de revestimento.

    2. Nervoso.

    3. Muscular estriado esquelético.

    4. Conectivo.

    5. Ósseo.

    6. Glandular.

    7. Muscular estriado cardíaco.

    8. Cartilaginoso.

    9. Adiposo.

    10. Muscular liso.

I

II




0

0

3 – f ; 2 – g ; 1 – h.

1

1

3 – j ; 2 – g ; 1 – h.

2

2

6 – a ; 9 – c ; 7 – f.

3

3

6 – a ; 9 – b ; 7 – f.

4

4

5 – b ; 4 – i ; 7 – j.


18 – (Unicap) A respeito dos tecidos animais podemos afirmar que:

I

II




0

0

O tecido epitelial é composto de células justapostas, entre as quais se encontra pouca substância intercelular.

1

1

O epitélio estratificado é composto por varias camadas de células.

2

2

As glândulas endócrinas possuem uma porção secretora e um ducto, que serve para transportar o produto da secreção.

3

3

Fibroblastos, macrófagos, plasmócitos e adipócitos, são tipos de células das diversas modalidades de tecido conjuntivo.

4

4

O tecido cartilaginoso possui células chamadas condrócitos e quantidade razoável de material intercelular.


19 - (Unicap)

I

II




0

0

As células da neuroglia têm como função estabelecer as sinapses interneurais.

1

1

O tecido epitelial caracteriza-se por possuir células justapostas. As funções sensoriais, de revestimento, secreção e absorção, justificam a existência desse tecido em órgãos de diferentes sistemas.

2

2

As cápsulas que envolvem os órgãos, como o baço e o fígado, são de natureza histológica, de tecido conjuntivo denso não modelado.

3

3

O tecido linfóide e uma variedade do tecido epitelial encontrado nos gânglios linfáticos.

4

4

O sistema de Harvers, condroblastos, osteócitos e pericôndrio são elementos fundamentais do tecido ósseo.










©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal