Grupo de Apoio Nutricional Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional gan / emtn hc hospital das clínicas elaboraçÃo elisabeth Dreyer



Baixar 341.61 Kb.
Página7/11
Encontro21.10.2017
Tamanho341.61 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

Infusão da NP





    • A NP é infundida em bomba de infusão (BI), de forma contínua, em 24 horas. Alterações da velocidade de infusão devem ser evitadas e o volume infundido rigorosamente controlado.

  • Para evitar oscilações do gotejamento e as conseqüentes alterações nas concentrações séricas da glicose e de triglicérides.

    • A infusão cíclica, normalmente noturna, é realizada excepcionalmente no HC e segue um protocolo específico.

    • A bolsa de NP não deve permanecer em infusão por mais de 24 horas.

    • Por conter lipídios, o risco de crescimento bacteriano ou fúngico na NP aumenta consideravelmente após 24 horas.

  • O horário padronizado, para instalação de NP, é 22 horas. Se, após 24 horas, a solução não for totalmente infundida, esta deverá ser desprezada e o volume desprezado anotado na folha de controles do paciente.

  • Retirar as bolsas de NP da farmácia duas horas antes de sua instalação, para atingirem a temperatura ambiente.

  • Caso a instalação da NP seja postergada, a bolsa deverá permanecer na geladeira exclusiva de NP da farmácia e retirada duas horas antes do momento de sua instalação efetiva.

  • Nestes casos, instalar a NP logo que possível, no gotejamento calculado para 24 horas de infusão e desprezar a sobra às 22 horas, quando for instalar a nova bolsa de NP.

      • Verificar a integridade da embalagem;

      • Observar a solução quanto à:

  • Homogeneidade (detectar alterações como agregação dos glóbulos de gordura ou separação das fases)

  • Ausência de corpos estranhos;

  • Temperatura.

      • Conferir o rótulo:

  • Nome do paciente, leito, registro hospitalar;

  • Data e hora de manipulação, prazo de validade;

  • Composição (confirmar com o pedido anexado à prescrição médica);

  • Osmolaridade;

  • Via de acesso;

  • Volume total;

  • Velocidade de infusão.

  • Devolver a bolsa à farmácia caso sejam detectadas anormalidades, registrando o ocorrido.

  • A NP é inviolável até o final de sua administração (Portaria SVS/MS. No 272/98)

  • O equipo é fornecido pela farmácia com as bolsas e deve ser trocado com a bolsa a cada 24 horas.

  • Instalação da bolsa de NP

  • Por determinação do COREN-SP, este procedimento deve ser realizado por um enfermeiro, por ser considerado um procedimento de alta complexidade.

  • Lavar as mãos para manipular a bolsa de NP.

  • Conectar o equipo à bolsa, no balcão do posto de enfermagem ou no carrinho de medicações;

  • Suspender a bolsa de NP com a sua capa protetora no suporte de soro;

  • Abrir a roleta, enchendo o equipo com a NP;

  • Pinçar o equipo da bolsa que estava em uso, retirá-lo da BI;

  • Montar o equipo novo na BI;

  • Programar a BI de acordo com o rótulo da bolsa de NP;

  • Calçar luvas de procedimento;

  • Clampear o cateter para evitar entrada de ar;

  • Desconectar o equipo do soro ou da NP que estava sendo infundida;

  • Proceder à anti-sepsia da conexão por fricção com álcool a 70o;

  • Realizar a lavagem do cateter com 10ml de SF;

  • Conectar o equipo da NP;

  • Iniciar a infusão;

  • Verificar o gotejamento;

  • Cobrir a bolsa de NP com a bolsa protetora;

  • A exposição à luz é um dos fatores causais da peroxidação dos lipídeos e de liberação de fatores tóxicos.

  • Checar a instalação da NP na prescrição médica, anotando o horário de instalação;

  • Anotar, na folha de controles do paciente, o volume instalado e, eventualmente, o volume que foi desprezado.

  • Evitar interrupções da infusão da NP, inclusive para encaminhar o paciente para procedimentos e exames.

  • Quanto mais manipulações do sistema, maior o risco de infecção relacionada ao cateter.

  • Encaminhar o paciente com a bomba de infusão em bateria.

  • Em caso de cirurgia, suspender a NP, instalar SG10% e identificar a via da NP, para evitar que a equipe de anestesia a utilize para outros fins.

  • Em caso de interrupção brusca da NP, instalar SG10%, na mesma velocidade de infusão, durante oito horas, para evitar a ocorrência de hipoglicemia, e comunicar o médico responsável.

  • Para facilitar a distribuição dos equipos, foi padronizada a utilização de bombas de infusão da marca Lifemed® para NP. Estes equipamentos devem ser limpos diariamente com pano umedecido em álcool a 70o; caso sejam detectados defeitos ou anormalidades no gotejamento, encaminhá-los à Unidade Respiratória/Central de Equipamentos para manutenção.



  1. Assistência ao paciente





  • Orientar o paciente e sua família quanto à terapia, mantendo-os informados sobre a sua evolução.

  • Observar sinais e sintomas de complicações; registrar as ocorrências na evolução de enfermagem, comunicar o médico responsável.

  • Controlar os dados vitais conforme rotina.

  • Realizar o controle da glicemia capilar a cada 6 horas nas primeiras 72 horas, espaçando este controle para 12 horas em caso de estabilidade, ou conforme prescrição médica ou de enfermagem.

  • Controlar a diurese e realizar balanço hídrico.

  • Sempre que possível, pesar o paciente semanalmente; a altura deve ser verificada na admissão do paciente.

  • Realizar exame físico conforme rotina do serviço, observando o grau de hidratação, a presença de edema, queixas de fome ou sede, alterações do nível de consciência, sinais de deficiência de vitaminas.

  • Em caso de bacteremia com suspeita de contaminação de NP, seguir as seguintes recomendações da CCIH/HC:

      • Suspender imediatamente a infusão;

      • Com a bolsa ainda suspensa no suporte de soro, colher uma amostra da NP por punção no dispositivo apropriado, após desinfecção com álcool a 70o; transferir este material assepticamente para um frasco de hemocultura devidamente identificado.

      • Na retirada da bolsa do suporte pode ocorrer contaminação bacteriana ascendente.

      • Colher simultaneamente uma amostra de sangue periférico para hemocultura;

      • Enviar os frascos para o laboratório de microbiologia;

      • Desprezar a bolsa e o sistema de infusão;

      • Registrar o ocorrido no prontuário do paciente;

      • Notificar a CCIH/HC e o GAN/EMTN - HC (farmacêutico).



1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal