Greene, Liz


Aspectos Netuno - Mercúrio



Baixar 93.7 Kb.
Página2/3
Encontro12.10.2018
Tamanho93.7 Kb.
1   2   3

Aspectos Netuno - Mercúrio
Imagination! lifting up itself

Before the eye and progress of my song

Like an unfathered vapour – here that Power,

In all the might of its endowments, came

Athwart me; I was lost as in a cloud... 7
Ebertin se refere à combinação de Mercúrio com Netuno como “a faculdade imaginativa”.”8 Entre os traços positivos deste aspecto, ele inclui uma imaginação abundante e um captar de correlações sutis; entre seus atributos negativos, ele lista um julgamento falho, percepções confusas e a tendência a contar mentiras. Mercúrio, deus dos ladrões e dos mentirosos, servindo ao poder emocional e ao dom da fantasia de Netuno, pode tecer encantadoras inverdades, refletindo o contador de estórias talentoso, bem como o enganador talentoso. Contar estórias é, antes de tudo, uma forma de engano; somos levados para dentro de um mundo que, por um momento, acreditamos completamente verdadeiro, até nos lembrarmos de que foi, realmente, “ficção”. A memória também é estória, porque recordamos aqueles incidentes que nos afetam emocionalmente, enquanto esquecemos aqueles que não tocaram nossas almas. Para Mercúrio-Netuno, a verdade pode ser fluida e flexível, e imaginações podem ser tão reais quanto eventos literais. Uma novela histórica tardia, como The Mask of Apollo de Mary Renault, é menos verdadeira do que uma história erudita da Atenas do século V? É a Ilíada de Homero falsa porque nela há deuses, bem como atos heróicos dos homens? O professor dos clássicos da Oxford poderia objetar que a novela é irreal porque o autor “inventou” muitas coisas; a história é válida porque é baseada em fatos. Mas, como qualquer pessoa Mercúrio-Netuno sabe, “fatos” são tão abertos à interpretação subjetiva quanto um sonho.
Mercúrio, enquanto psicopompo, traz das águas netunianas o poder do encantamento e do ritual, bem como um insight incomum das regiões escondidas da alma humana. Para Mercúrio-Netuno, o mundo interno é tão real quanto, ou mais real que, o mundo dos objetos; símbolos e imagens têm uma substância que à substância material, desprovida de cor e sentimento, falta. Os pensamentos e sentimentos não ditos dos outros, são mais tangíveis do que o que eles estão vestindo, ou do que a cor dos seus cabelos. Os dons de Mercúrio-Netuno são muitos, e estão mais em evidência quando o indivíduo tenta traduzir o reino fluido de Netuno em linguagem, que pode ser compreendida por “aqueles que não têm visão” (landlocked) e não têm acesso às águas do oceano primordial. A linguagem pode nem sempre ser a das palavras; pode ser a das imagens, ou a da música. Mas, Mercúrio-Netuno, no que tem de melhor, é o construtor-de-pontes entre o Éden e o mundo externo, transmitindo mensagens de um para o outro, capaz de tocar corações e mentes através de reinos comunicáveis e incomunicáveis. O problema é que o indivíduo pode nem sempre ser capaz de distinguir um mundo do outro. Como um tradutor bilíngüe que não consegue se lembrar mais que língua está falando, Mercúrio-Netuno pode começar a substituir, ao invés de enriquecer, experiências externas por suas próprias fantasias e, pior ainda, acreditando em suas próprias mentiras, confundindo o mundo interno com o externo, de forma que sua percepção das pessoas e dos eventos são inevitavelmente distorcidas por seus anseios redentores. Porque Mercúrio-Netuno requer um ego forte como mediador, ele pode, se a estrutura da personalidade for frágil, ir muito longe no mundo da fantasia como verdade, e a verdade desempenha o papel das fantasias pessoais da pessoa. Por essa razão, Mercúrio-Netuno é associado não só com um contar inverdades deliberado, mas com sérios delírios. O mundo externo pode progressivamente ser obscurecido por cenários míticos. Outras pessoas então, bem como a própria pessoa, não têm papéis a serem desempenhados, a não ser o de Ti’amat ou Cristo.
Colocados no meio do caminho, entre um mundo externo vasto e alheio a nós enquanto seres solitários, e um mundo interno que, embora nosso, é também de cada um e, no limite, igualmente vasto e alheio, precisamos registrar objetos e experiências, sentimentos e imagens, identificar o que são e de onde vieram, agrupa-los de acordo com o quanto são benéficos ou desafiadores para nossa vida e formular o que significam para nós em muitos níveis. Mercúrio mantém sob sua guarda nossa capacidade de sermos conscientes de nossa própria existência. Por essa razão, os alquimistas medievais elevaram Mercurius à posição daquele que realiza a transformação do chumbo humano em ouro humano. Um dos modos mais profundos e perturbadores de se ganhar insight sobre Mercúrio, é trabalhar separadamente com crianças autistas, que parecem ter colocado o planeta dentro de um invólucro gelado. Muito pouca ou nenhuma comunicação passa da criança autista para o mundo externo, nem qualquer evento externo entra no cerco das águas uterinas da criança. As experiências emocionais não podem passar, a seu modo, por essas barreiras e produzir respostas reconhecíveis além de terror ou fúria. Em algum nível todos temos dentro de nós elementos autistas, onde as linhas de comunicação se quebraram, ou onde nossa percepção não é mais do que está ali, mas é do que uma vez esteve, ou do que acreditamos estar. Os aspectos de Mercúrio com outros planetas podem sugerir não somente onde somos capazes de construir pontes entre mundos diferentes, mas também onde somos incapazes de contatar qualquer outro mundo fora daquele no qual estamos encerrados. Mercúrio-Netuno pode prover um canal entre o mundo imaginal e o intelecto, e entre o indivíduo e a fonte oceânica. Igualmente, ele pode refletir pontes quebradas e linhas telefônicas separadas, onde o indivíduo fica trancado no Jardim do Paraíso e não consegue perceber nada do lado de fora de seus muros, a não ser a ameaça de aniquilamento.
Se Netuno encharca Mercúrio, o comportamento da pessoa com os outros pode ser profundamente distorcido pelas próprias fantasias. Tudo é justificado, incluindo as formas mais flagradas de engano, em ordem a preservar o mundo da fantasia da intrusão dos pensamentos, sentimentos e desejos dos outros. A pessoa relembra coisas estranhamente; conversas que se estabeleceram que nunca se estabeleceram, palavras que foram ditas que nunca foram ditas, e motivos são atribuídos aos outros, como Ti’amat em sua destrutividade ou como Cristo em sua santidade, que existem unicamente no olho daquele que olha. Isso não diminui o poder de Mercúrio-Netuno de usar as diretrizes do mundo arquetípico para compor com elas. O poeta, o novelista, o músico, podem ser simplesmente iluminados, mesmo se forem terríveis mentirosos. Porém, Mercúrio também pode tentar reprimir Netuno, aterrorizado pelo medo da irracionalidade ou mesmo da insanidade, e pode manejar as armas do intelecto para combater os anseios e sonhos que parecem ser tão perigosamente corrosivos para a “verdade objetiva”. Lutando contra a inundação de Netuno, Mercúrio pode tentar suprimir toda inclinação imaginativa. Isso frequentemente resulta num trapacear (slipperiness) inconsciente – uma infeliz característica daqueles que falsificam estatísticas e escondem informações para provar uma verdade científica ou política. Acompanhando esta tendência, está a inclinação a projetar Netuno sobre aqueles que parecem ingênuos e irracionais. Esta dinâmica foi maravilhosamente colocada no famoso artigo produzido alguns anos atrás, The Humanist, no qual vários cientistas “eminentes”, de bom grado, distorceram, desvirtuaram, ou se negaram a mencionar o laborioso trabalho estatístico de Gauquelin, em ordem a desqualificar a astrologia – que foi declarada como sendo um monte de mentiras e distorções. Mercúrio-Netuno é mais criativo quando o indivíduo pode reconhecer - e ser honesto sobre isso – sua inclinação para misturar fatos e fantasia em uma percepção mais inclusiva da realidade.
A educação apresenta um quadro especial de desafios para Mercúrio-Netuno. Os valores correntes valorizam a apresentação de fatos; um pensamento linear, ao invés de um associativo, é requerido; as universidades demandam especialização. A idéia de educação de Platão – o re-despertar da memória da alma, sintetizando a matemática, a astrologia, a filosofia, a geometria, a música e o desenvolvimento físico num grande quadro, mirando a interconexão do cosmos – não é, até o presente, popular nas escolas ocidentais. Em algumas escolas inclusivas britânicas, uma doença diferente atacou: aspirações “elitistas” à excelência acadêmica, foram tiradas de circulação em favor do que é chamado “auto-expressão” na sala de aula. Isso tem muito pouco a ver com o mundo imaginal de Mercúrio-Netuno, ou com educação em qualquer sentido; isso simplesmente justifica o não aborrecer-se em aprender como soletrar, pontuar, ou falar com sentenças coerentes, e isso lida com o dilema das diferenças intelectuais entre as pessoas simplesmente pretendendo que estas diferenças não existam. Esta corrente, entretanto, pretende que a educação, em nossa presente sociedade, defina a verdade em caminhos muito específicos, que são aceitos pelo estatuto científico. Estes caminhos são frequentemente profundamente estranhos para Mercúrio-Netuno, que pode ser acusado de sonhar acordado, de preguiça, ou mesmo de “incapacidade de aprendizado”, porque a pessoa acha as verdades que fluem dos interstícios entre os fatos, mais verdadeiras do que os fatos em si mesmos. As instituições educacionais não valorizam normalmente os dons de contar estórias de Mercúrio-Netuno como valorizam as pesquisas trabalhosas de Mercúrio-Saturno, ou as habilidades práticas de Mercúrio-Marte. Como resultado, Mercúrio-Netuno pode sofrer de profundos sentimentos de inadequação intelectual, causados em parte pela colisão do seu próprio modo de percepção, com o modo coletivo cultuado no cânon cultural. O dom da imitação, outro dos talentos de Mercúrio-Netuno, pode ser esplêndido para o ator, mas não para ganhar o título de melhor pupilo. Mais provavelmente isso trará a ele a acusação do plágio, que pode ou não ser justificada.
Para o indivíduo Mercúrio-Netuno, a mediação da consciência é crítica. Pode ser preciso alguma reflexão sobre feridas que acompanharam as primeiras experiências educacionais. Pode haver igualmente grandes feridas que surgem do fato da criança Mercúrio-Netuno falar numa linguagem que os pais não podem ou não irão entender. A criança imaginativa, falando em uma língua simbólica, pode ser punida por mentir antes que qualquer mentira tenha sido contada, ou pode ser acusada de estupidez ou preguiça mental porque a linguagem simbólica é, por natureza, indireta e obliqua. Mercúrio-Netuno é um mestre da inferência, da implicação e do doublé-entendre. Isso pode ser expresso, num modo inconsciente, por uma criança que, sem querer, escorrega por baixo das barreiras defensivas dos pais e provoca raiva injustificada e retaliação. Em última análise, o indivíduo Mercúrio-Netuno precisa compreender a natureza dos seus talentos e de suas responsabilidades. Clareza, disciplina mental e a disposição para reconhecer que a comunicação não é efetiva, a não ser que esteja em uma linguagem que os outros possam entender, podem ser lições importantes que Mercúrio-Netuno precisa aprender. Verdades terrenas, bem como conceituais, precisam ser honradas ao lado das verdades cósmicas e oceânicas de Netuno. Mercúrio-Netuno tem a capacidade de reconhecer muitas facetas da verdade, mas depende da consciência para distingui-las, e assim cada uma pode ser expressada em seu lugar apropriado.


Aspectos Netuno-Vênus
I pursued a maiden and clasped a reed.

Gods and men, we are all deluded thus!

It breaks in our bosom and then we bleed.9
Os contatos entre Netuno e Vênus são os mais românticos dos aspectos, tanto no sentido coloquial da palavra quanto no sentido histórico. Vênus não descreve amor no nível emocional; antes, é portadora de um ideal de amor que envolve o que o indivíduo percebe como belo e valoroso. Relacionamentos venusianos nos permitem descobrir nossos valores; o que uma pessoa ama, ela secretamente é, e são essas qualidades que formam o alicerce de um senso de valor próprio. Fazendo aspectos com outros planetas pessoais, Vênus encontrará sua visão de beleza encarnada nas pessoas, nos objetos e em experiências da vida de todo dia. A expressão de valores individuais através do gosto pessoal cria sentimentos de contentamento, e cada dia pode proporcionar felicidade através dos prazeres dos sentidos e das delícias da companhia humana. Netuno, diferente de Vênus, tende à infelicidade crônica, pois nada neste mundo, não importa o quão maravilhoso, pode compensar a perda das águas do Paraíso. Duas manifestações características de Vênus-Netuno são

“ descontentamento divino” em matéria de amor, e obstrução da capacidade de felicidade pessoal. Se o amante não é perfeito, a pessoa se sente traída; se o ambiente não e´perfeito, a pessoa começa a ficar deprimida; se a sociedade não é perfeita, a pessoa se desespera; se o corpo não é perfeito, a pessoa anseia por esconde-lo, aumenta-lo, remodela-lo, disfarça-lo ou, se tudo o mais falhar, destruí-lo – pois qualquer coisa menos do que a beleza absoluta do Éden, não pode nascer.


Vênus-Netuno frequentemente é associado com magnetismo sexual e sedução; exemplos como Brigitte Bardot e Marilyn Monroe abundam no mundo do cinema. Porém, ter o tipo de carisma que permite a alguém ser tudo para todos, pode não ser um augúrio promissor para uma estabilidade e contentamento futuros. O indivíduo pode inconscientemente se identificar com o vítima-redentor através de sua sexualidade, procurando descobrir um sentido sólido de valor próprio oferecendo a si mesmo àqueles que foram feridos pela vida. Compaixão, e mesmo pena, podem ser componentes poderosos naquilo que o indivíduo define como amor. Vênus–Netuno pode também ser atraído por aqueles que parecem oferecer redenção; este é o aspecto, por excelência, da busca pelo inacessível. Ideais de amor podem vir conjugados com temas de sofrimento e sacrifício, e somente um relacionamento que envolva dor e expiação é sentido como autêntico. A poesia do amor-cortês nunca está muito longe dos sonhos de Vênus–Netuno. Nem está o triângulo edipiano do amor-cortês muito distante da psicologia de Vênus–Netuno. Vênus diz respeito a rivalidade tanto quanto a harmonia, porque uma pessoa não consegue definir seu próprio valor sem se comparar com outras. A propensão a formar triângulos de Vênus é tão evidente na vida quanto nos mitos da deusa. Mas o normal ou as variáveis comuns do triângulo edípico que, se acreditamos em Freud, é parte ordinária da experiência da infância, parece mais dramático nas águas do mundo de Netuno. O pai que a pessoa solicita é a fonte divina; e o pecado edípico não é mero desejo erótico ilícito, mas um anseio, através da fusão, pela onipotência da divindade. Como escreveu uma vez Plotino: “nosso interesse não está em sermos puros, mas em sermos Deus.”10 Vênus–Netuno não deseja um parceiro mortal em cujo espelho seus valores próprios possam ser refletidos; ele busca união com a divindade. Somente aí a beleza e a perfeição absolutas podem ser encontradas.
Porque a perfeição do Éden cintila por trás das aspirações de Vênus–Netuno em relação ao amor, a perfeição física, ou a falta dela, pode se tornar um tema maior nos padrões de relacionamento do indivíduo. A pessoa Vênus–Netuno pode experimentar uma relutante, mas inexorável reviravolta assim que o parceiro é descoberto como sendo fisicamente imperfeito. Às vezes a desilusão pode se dar após um único encontro sexual; às vezes, ela se desenvolve ao longo do tempo, conforme o parceiro vai mostrando aqueles pequenos mas inconfundíveis sinais de envelhecimento, que desafiam a imortalidade do Paraíso. A fantasia da união sexual perfeita é frequentemente tão afastada do mecanismo do ato físico, que este último pode revelar-se como um profundo desapontamento; assim, a desilusão nunca está muito distante, nem a mágoa e a raiva de um parceiro que não pode compreender o porquê de estar sendo rejeitado simplesmente porque existe em um corpo físico. Uma das mais difíceis dimensões de Vênus–Netuno não é a propensão própria do indivíduo ao descontentamento – tal estado de melancolia pode ser visto como parte do ethos do amor sacrificial – mas é, antes, o sofrimento causado a outros, que podem não reconhecer que o problema não repousa em suas próprias falhas físicas ou sexuais. A perfeição que Vênus-Netuno procura pode, contudo, ser apreendida através da arte, e é aí que o aspecto expressa um dos seus maiores recursos. Mesmo se o indivíduo não é talentoso para a música, há normalmente um sentimento profundo em relação a ela, que toca seu anseio por harmonia absoluta e preenche muitos dos mais insistentes desejos de Vênus-Netuno. Poesia, pintura, ficção e drama também podem conjurar o Éden perdido, que parece acenar na face da pessoa amada e depois desaparecer completamente tão cedo. Uma leitura atenta dos mapas de artistas consagrados revela uma abundância de contatos Vênus-Netuno, embora o ímpeto para o trabalho criativo não possa ser atribuído a esta combinação. Se o ímpeto não está lá, Vênus-Netuno pode refletir o crítico e amante da arte – particularmente aquela arte Romântica que reflete os sonhos redentores de Netuno.
Porque Vênus tradicionalmente está exaltada no signo de Netuno, muito tem sido escrito sobre a harmonia entre os dois planetas e sua conexão com o amor universal. Empatia pela humanidade, particularmente pelas vítimas da vida, e um senso de identidade mística com a totalidade da natureza são frequentemente expressos, delicada e sensitivamente, nas interações de Vênus-Netuno com o mundo. Igualmente, frequentemente, Vênus-Netuno reflete uma tolerância ilimitada e compaixão pelo objeto do seu amor idealizado – às vezes a ponto do indivíduo ser capaz de suportar todo tipo de humilhação e mágoa. A falta de Netuno de um “eu”, suaviza a vaidade e o orgulho inerentes a Vênus, e o indivíduo pode ser genuinamente complacente e extremamente bondoso. Mas os aspectos tenebrosos do mundo de Netuno nunca estão muito longe, e a pessoa pode também dividir suas afeições entre uma Madona idolatrada e uma desprezada Ti’amat – ou seus equivalentes masculinos. Vênus-Netuno pode lançar mão de extrema crueldade e insensibilidade em direção àqueles que recebem a projeção do monstro-oceânico primordial, enquanto, ao mesmo tempo, expressa extraordinária compaixão e ilimitada generosidade em relação àqueles que recebem a projeção do vítima-redentor. O amor universal de Vênus-Netuno permanece como o limite de velocidade das estradas italianas: um ideal em direção ao qual a pessoa aspira. Os homens podem transpor Netuno para uma mãe-esposa idealizada, capaz de reivindicar sua devoção e pena, mas não sua paixão sexual; tal vínculo é carregado de sentimentos de culpa e obrigação, misturados com uma inclinação a perseguir a satisfação venusiana em terrenos sombrios. A propensão a triângulos pode algumas vezes ser mais prosaicamente edipiana do que o indivíduo

Vênus-Netuno, inclinado poeticamente, gostaria de reconhecer. As mulheres podem transpor cada um dos planetas para uma rival, ou para uma mulher que para elas representa um ideal de modelo sexual ou de feminilidade espiritual que elas sentem que nelas falta. Ou a pessoa pode se identificar com o aspecto, a despeito de outros fatores no mapa, condenando assim a si mesma, a ser amada não como uma mulher íntegra, mas como uma sereia ou melusina, que precisa manter sua magia e mistério, ou ser abandonada pelos amantes Vênus-Netuno que são capturados na mesma trama mítica.


Com todas essas armadilhas em potencial, Vênus-Netuno possui e pode criar uma magia extraordinária. Sua delicadeza, poesia e sensibilidade romântica geram visões exaltadas de amor e harmonia, que podem encontrar seu caminho em produtos criativos agraciados com grande beleza. A profunda infelicidade que o aspecto tão frequentemente reflete na vida pessoal não é, contrariamente à própria visão de Vênus-Netuno, uma inevitabilidade kármica, ou o sinal de uma espiritualidade elevada. Mais comumente, ela é o produto de um conflito edipiano fortemente colorido pelos sonhos míticos de Netuno, permanecendo uma inevitabilidade psicológica unicamente enquanto sua dinâmica é inconsciente. Não importa o quão sofisticado psicologicamente o indivíduo possa ser, Vênus-Netuno sempre afastará qualquer introspecção sobre a natureza dos padrões de seus relacionamentos, até que a dor se torne muito severa. Só então ele considerará uma perspectiva outra, diferente da tragédia romantizada do amor-cortês. Quando questões são finalmente feitas, o astrólogo precisa ser capaz de oferecer alguma outra coisa além de “isso é o seu karma”. Se o indivíduo consegue construir um sentido de valor próprio suficiente, como um mortal comum, e não exige o impossível de pessoas amadas, Vênus-Netuno pode encontrar contentamento em vislumbres ocasionais do Éden, sem requerer isso cotidianamente. Então a pessoa pode desfrutar plenamente a dádiva de infundir na vida de todo dia uma beleza rara e transformar a troca cotidiana entre duas pessoas, numa obra de arte.


Aspectos Netuno-Marte
I will a round unvarnish’d tale deliver

Of my whole course of love; what drugs, what charms,

What conjuration, and what mighty magic,

For such proceeding I am charg’d withal,

I won his daughter.11
Os contatos entre Marte e Netuno foram muito difamados pela literatura astrológica. Ebertin mensiona “fraqueza”, bem como doença, vício, aversão ao trabalho e fanatismo. Ele admite que a inspiração poderia ser um produto dos aspectos benignos, mas é claramente relutante em encontrar qualquer coisa de agradável neste complexo par de planetas.12 Os aspectos “difíceis”, em particular, são associados com abuso sexual e magia negra. A dimensão criativa de Marte-Netuno é algumas vezes descrita, mas é normalmente limitada ao ator ou ao músico; e o contato é frequentemente visto como perigoso, para se lutar contra ele ou “transcende-lo”. Não há dúvida que Marte-Netuno pode se manifestar de forma problemática, assim como qualquer aspecto de Netuno, ou, por assim dizer, em geral, qualquer aspecto planetário. Mas nós precisamos olhar por debaixo dos padrões de comportamento de Marte-Netuno, do significado ao cerne, para compreender porque este contato aparece com regularidade nos mapas daqueles com sérios problemas com bebidas ou drogas, bem como sérias debilidades físicas do tipo netuniano. Marte é o braço guerreiro do Sol; as funções de agressividade e desejo são fundamentais para a vida física e psíquica auto-suficientes. Por querer uma coisa e ficar com raiva quando frustrada, a criança começa a se separar da fusão originária com a mãe, e forma um senso do seu próprio corpo-identidade e de sua potência pessoal. Neste sentido, Marte é como o babilônico deus-fogo Marduk, que guerreou contra a mãe-oceano para criar o mundo. Nós nos tornamos nós mesmos primeiramente por aquilo que queremos, e nossos desejos primários são físicos, passionais e protetores da vida, muito antes da consciência solar transformar a libido bruta naquilo que chamamos metas e aspirações. Falar sobre identidade num nível abstrato é insuficiente; cedo ou tarde a pessoa é chamada a firmar sua posição e lutar por sua autonomia na vida concreta. Se a função de Marte está debilitada, a pessoa não pode se separar propriamente, experimentando dificuldades em atualizar quaisquer metas e vontades que emergem na vida adulta. Ou, a pessoa pode se dissociar totalmente dos desejos e sentimentos agressivos, empurrando-os para o inconsciente, onde apodrecem no ócio. Esta agressividade encoberta pode então ser expressa indiretamente em direção aos outros, ou internalizada contra a própria pessoa.
Culpar os pais por “criarem” este problema seria uma abordagem muito simplista. Embora o ambiente da infância possa exacerbar os conflitos de Marte, sementes precisam cair em um solo fértil para poderem germinar. Marte-Netuno inerentemente afasta qualquer expressão aberta do desejo, por causa do anseio de fusão de Netuno. Éden é uma palavra onde Marte não existe, porque raiva e unidade são mutuamente excludentes; no Paraíso, os animais não comem uns aos outros. Nem é a iniciativa individual, produto natural do desejo, bem vinda no Jardim; ela é interpretada como desobediência. A fusão é quebrada; o pecado original cometido; e a expulsão do Jardim se segue inexoravelmente a esta transgressão. Os desejos edípicos são um pecado no Éden, não por causa da fusão erótica que eles demandam, mas porque a mãe ou o pai não sustentarão a competição. Marte-Netuno, então, procurará cumprir seus desejos, ao mesmo tempo assegurando que ninguém seja ofendido. A receptividade de Netuno ao sentimento coletivo transforma Marte; no lugar dos guerreiros assassinos da


1   2   3


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal