Greene, Liz



Baixar 93.7 Kb.
Página1/3
Encontro12.10.2018
Tamanho93.7 Kb.
  1   2   3

Greene, Liz. Neptune. York Beach, Samuel Weiser, 1996


NETUNO

Capítulo12: Netuno em Aspecto


Penteu: Dizem que um estrangeiro chegou, um mágico, um feiticeiro da Lídia, de cachos dourados perfumados, face corada e encantamentos de amor nos olhos. Ele passa seus dias e suas noites na companhia de jovens mulheres, com a intenção de inicia-las nos mistérios báquicos... Não é o bastante fazer com que um homem caia em agonia – atrevido insolente, estrangeiro misterioso?
-Euripides, As Bacantes

A visita de Netuno a outros planetas no horóscopo é como aquela de Dioniso a Penteu. Como o deus de As Bacantes, Netuno é sutil, encantador e perturbador. Ele requer uma resposta mais complexa do que um rígido controle (que é a atitude beligerante de Penteu) ou uma vênia irrefletida ( que é a condição das loucas Bacantes). Este ser estranho exige respeito, o qual , paradoxalmente, envolve auto-respeito; reconhecimento do valor do auto-abandono sem uma imersão cega nele; e uma desistência de um controle contido dentro de fronteiras cuidadosamente definidas, o que permite tanto disciplina quanto êxtase. Tais exigências paradoxais podem ser menos difíceis do que parecem. Muitas expressões artísticas podem cumpri-las, assim como qualquer profundo ato de adoração ritualizada; assim, também, como qualquer envolvimento com uma outra pessoa, no qual compaixão e intimidade emocional são equilibradas por um senso de limite e necessidade individuais. Mas Penteu, como todos nós, em um momento ou em outro, não maneja isso tremendamente bem.


Penteu: Estas suas orgias, que forma elas assumem?
O Estrangeiro: É proibido a mortais comuns conhece-las.
Penteu: Que benefícios elas trazem aos devotos?
O Estrangeiro: Não é possível que você os ouça, mas eles têm seu valor reconhecido.
Penteu: Você enfeita bem a estória, para me deixar curioso.
O estrangeiro: As orgias dos deuses abominam o homem que pratica a impiedade.
Penteu: Você viu o deus claramente. Como ele era?
O Estrangeiro: Assim como dá prazer. Isto não cabe a mim dizer.
Penteu: Mais uma vez você escapa espertamente e evita a questão.
O Estrangeiro: Fale sabiamente com os estúpidos e eles pensarão que você é um tolo.1
Penteu encarna ambos, o grande poder e a grande fraqueza da consciência egoica. Ele é ambos, solar e saturnino. Tenta aliviar sua ansiedade primeiro exigindo respostas simples, e somente depois disso com uma afirmação de sua autoridade. Ainda assim, ele pergunta ao deus as questões erradas; e assim, talvez, nós também.


Netuno e os Planetas Pessoais
Qualquer aspecto entre dois planetas descreve um relacionamento entre duas energias vivas, ambas válidas e necessárias para o indivíduo, e ambas inclinadas a impor seu próprio modo. A dimensão mais importante da interpretação de um aspecto está não em se ele é “fácil” ou “difícil”, mas em se e como os dois planetas poderiam estabelecer uma parceria que funcione, onde – mesmo se as vezes eles lutam – eles são essencialmente honrados, contidos em um self único. Aqui é onde o papel da consciência é tão importante, porque ela é o árbitro entre aquelas compulsões psíquicas em guerra, às quais os antigos compreendiam como destino. Porém, como um visionário, ansiando aturdido e sem fala, no meio de povos mais extrovertidos, Netuno não forma facilmente parcerias que funcionam com outros planetas. A Lua compreende alguns elementos da linguagem de Netuno, porque a necessidade de proximidade emocional provê um solo comum. Mas a Lua, simbolizando necessidades instintivas fundamentais, não praticará voluntariamente uma auto-imolação. Vênus, à qual Netuno é as vezes chamado uma oitava acima, pode também entender a linguagem de Netuno; eles compartilham o sentimento de exaltação que nasce de qualquer lampejo de beleza em idéias ou no mundo da forma. Mas Vênus não seguirá Netuno dentro das águas do esquecimento; ela deseja prazer, não extinção. O Sol pode conversar com Netuno sobre o propósito da vida; mas o Sol deseja servir o divino através de uma personificação ativa, e não de uma sacrifício passivo. Júpiter pode também passar um tempo com Netuno. Eles compartilham a regência de Peixes, e ambos buscam a experiência de uma realidade além dos limites terrenos. Mas a religiosidade de Júpiter é ancorada na filosofia, não na fusão com o divino, e sua percepção de um cosmos com sentido resulta em um conhecimento da generosidade da vida e em uma capacidade de expressar metas pessoais com confiança e fé. Para Netuno, a vida é para ser transcendida, não explorada; e conhecimento, não importa o quão universal, interfere na unio mystico. Mercúrio se comunicará com Netuno somente se as visões de Netuno puderem ser traduzidas em conceitos ou habilidades criativas. Quíron pode compartilhar o conhecimento com Netuno do sofrimento humano, mas ele busca a cura através da compreensão, não a cessação da dor através da não–existência. E Marte e Saturno, antes, não falariam com Netuno de forma nenhuma.
Os aspectos de Netuno com os planetas pessoais simbolizam uma invasão do mundo da penumbra das águas cósmicas no mundo da luz do dia da identidade individual, anunciando a impossibilidade de um contentamento ordinário na esfera da vida regida pelo outro planeta. A visita de Netuno aos planetas pessoais, todos eles concernidos com as necessidades da personalidade individual, não é nem boa nem ruim; é simplesmente a afirmação de um daimon sobre o destino individual, tornando a personalidade mais porosa aos anseios de redenção do coletivo, e exigindo um tipo particular de esforço em troca de uma vivificação da vida dada por ele. Este daimon não pode ser ignorado ou reprimido. Do contrário, cedo ou tarde ele aparecerá como uma onda gigantesca, vinda de dentro ou de fora, para minar as estruturas da personalidade, psiquicamente e, muitas vezes, fisicamente. Da mesma forma, se é permitido a ele esmagar as funções do trabalho do ego por falta de delimitações coerentes ou por uma ausência de respeito pelo self ordinário, a força individual na vida é destruída através da incapacidade de aceitação de um estado de separação. Assim, a pessoa cai inevitavelmente nas garras do complexo materno, não importando o quão esotérica seja a fachada dada a ele; a pessoa se torna, então, uma vítima da vida e da unidade.
Aspectos difíceis com Netuno podem indicar também extremos, dependendo da figura total do mapa da qual os aspectos são uma parte. Ambas as respostas afastam o desafio de viver com lealdade a integridade de si mesmo – pré-requisito para toda separação bem sucedida. Netuno não tem que atuar o Dioniso para o Penteu do ego, destruindo os fundamentos da sanidade individual e da auto-suficiência; nem ninguém tem que ser uma Bacante profissional tempo integral, desamparadamente sendo jogada de um afeto a outro, ou de um redentor a outro, sendo a vítima passiva de sua própria dependência cega. Netuno pode ser experimentado como uma grande força criativa, expressa em formas que honram ambos, o reino oceânico e os limites individuais e necessidades terrenas. Com um Netuno poderoso, a pessoa jamais poderá ser “normal”, seja lá o que isso queira dizer – mas será provavelmente extremamente interessante e viva. É inevitável que cometamos enganos com Netuno – às vezes muitas vezes e às vezes alguns terríveis – antes de começarmos a discernir a possibilidade de um resultado que não soe como o final de As Bacantes, com a cabeça de alguém exibida na ponta de uma vara. Na juventude podemos apenas sentir que algo invisível mina nossa clareza e vontade, deixando-nos infelizes e confusos porque a vida não é como o Éden. Pode nos faltar a firmeza saturnina e a confiança solar para tolerarmos tais desapontamentos; tudo machuca muito. Mais tarde, quando Saturno tiver retornado ao seu próprio lugar, e mais tarde ainda, quando Urano fizer oposição a si mesmo, nos tornamos mais capazes de pensar as questões certas.
Para o indivíduo que é muito defendido, a presença de Netuno é assustadora; para o indivíduo com fronteiras fracas, ele é divinamente viciante, como o fatal anseio de esquecimento de Novalis. Algumas vezes ambas respostas são experimentadas de uma vez. Se não houver um self individual que se coloque entre Netuno e os planetas em aspecto com ele, então Netuno pode fazer o que Dioniso fez com Penteu; ou o indivíduo nunca se torna um indivíduo inteiro, permanecendo, numa esfera particular da vida, eternamente faminto e não-nascido. Embora não precisemos pegar o retrato de Eurípides do deus como uma indicação de qualquer propósito netuniano caprichoso e cruel, é bom, contudo, lembrarmos.
O Estrangeiro: Deixe-nos punir este homem. Primeiro vamos tira-lo de seu juízo, deixa-lo um pouco louco. Se ele estiver em sã consciência, não haverá nenhuma chance dele consentir em vestir um vestido de mulher. Mas se ele estiver fora de si, ele se vestirá... Ele deve vir conhecer Dioniso, filho de Zeus, que é em cada pedaço de si um deus, terrível em poder, mas para os humanos o mais gentil.2


Aspectos Netuno-Sol
Any man’s death diminishes me,

Because I am involved in Mankind;

And therefore never send to know for whom the bell tolls;

It tolls for thee.3
Quando Netuno faz aspecto com o Sol no mapa de nascimento, a necessidade de auto-expressão individual e o anseio pela ausência de forma, como antes do nascimento, são forçados a dialogar. O assunto da conversa, consciente ou inconsciente, é o propósito de vida da pessoa. Sol e Netuno não são fáceis companheiros de leito e geralmente leva, pelo menos, até o primeiro retorno de Saturno para o indivíduo começar a sondar como viver com esta coabitação perturbadora. Que isso seja possível foi sugerido pelos gregos, que colocavam os dois deuses lado a lado com seus altares unidos em Delfos, presenteando o devoto com um ritmo alternado de claridade solar e êxtase ctônico, cada um com sua própria época do ano estabelecida à parte para os ritos apropriados. Porque o Sol simboliza aqueles valores e metas que se desenvolvem inteiramente na idade madura, formando o alicerce do senso de destino pessoal do indivíduo, o indivíduo Sol-Netuno precisa incluir o mundo netuniano em seu caminho escolhido na vida. De outra forma, um descontentamento aborrecedor, desilusão e apatia podem minar tudo o que ele tenta fazer.
Todos os aspectos – pesados e leves – requerem alguma expressão do mundo anterior ao nascimento através de um canal desenvolvido individualmente, preferencialmente (mas não necessariamente) um que possa ser buscado como uma vocação ou profissão. Incluir o mundo netuniano poderia soar como algo simples. Tudo o que a pessoa tem a fazer, aparentemente, é pensar pensamentos transcendentes. Contudo, o sol é uma força dinâmica que busca expressar e atualizar; ele irradia em direção à vida e produz algum impacto, não importa o quão pequeno, no mundo externo. Se a pessoa busca afastar o conforto ilusório de uma “espiritualidade” escapista, ela precisará encontrar um veículo que ofereça uma saída para a teatralidade sensual e emocional de Netuno, bem como para seu anseio de fusão com o divino. Mais importante ainda: este veículo deve ser individual. Doutrinas, não importa o quão belas e valiosas possam parecer, não são individuais, a não ser que sejam processadas através da experiência e dos valores próprios da pessoa.
Sol-Netuno pode significar o músico, o ator, o compositor, o dramaturgo, o poeta e romancista, o pintor, o cinematógrafo, o fotógrafo, o astrólogo, o cientista experimental que se apóia na inspiração tanto quanto na pesquisa empírica4, ou o terapeuta, o conselheiro ou professor que trabalha com os produtos da imaginação para curar. Netuno pode também se sentir em casa alimentando ou redimindo um ambiente que soe como o Éden. A empatia de Netuno para com os anseios e sofrimentos humanos, marca a jornada criativa do indivíduo Sol-Netuno com uma qualidade de universalidade; o indivíduo pode se comunicar através de uma linguagem que todo mundo entende. Essas formas de expressão são solares, bem como oceânicas; elas tem corpo, embora sejam fluidas; necessitam esforço consciente, dedicação, escolha individual, contato sensual e fantasia, e um inter-relacionamento sutil com o resto da vida. Netuno torna o ego-sol poroso, aberto às águas do mundo invisível. Mas, o invisível não é só luz transcendente, é também escuridão primordial. Se a pessoa tentar ser amiga do peixe pequeno, sem levar em conta o peixe grande, a escuridão pode emergir por outros canais: álcool, vício em dogras, desordens compulsivas alimentares, dificuldades sexuais, ou doença mental ou física degenerativa e ‘incapacitante’. Ou isso pode ser experimentado através de projeção e, por algum subterfúgio do destino colorido de humor negro, o parceiro ou filho da pessoa encarnará todos os elementos sombrios netunianos que a pessoa mais fortemente repudia dentro de si mesma. A pessoa Sol-Netuno, tal como Penteu pode, no início, ser bem sucedida em banir o deus, mas pode, no final, acabar casando-se com um maníaco depressivo, um histérico, ou um alcoólatra, ou dar à luz um pequeno Dioniso que se torna viciado quando cresce.
O indivíduo com Sol-Netuno anseia pela experiência de ser “jogado para fora” de si mesmo, através de um ato de submissão voluntária a algo maior ou mais elevado. O Sol é o regente natural da casa 5, e esta casa não diz respeito apenas ao esforço criativo, mas também ao amor. Em ambos, no ato do amor e no ato da expressão criativa, devemos estar verdadeiramente nus, se desejamos oferecer uma idéia genuína de nossa interioridade mais profunda. A pessoa não pode simular isso em nenhum desses universos e depois desejar experimentar o senso de autenticidade pessoal do Sol. Mas estar nu não é o mesmo que “desistir do ego”; é o estado de ser mais genuinamente si mesmo, sem defesas e sem disfarces. Aqueles sonhos comuns em que a pessoa se descobre nua no meio de uma multidão em um lugar público, retrata a dolorosa experiência de auto-exposição – a perda de uma persona ou papel social aceitável. Esta necessidade solar de expressão de um self único, mesmo em face à solidão ou à reprovação coletiva, precisa ser mantida em equilíbrio com o anseio de Netuno por dissolução. Se o ego é abafado, então a individualidade só pode se fazer conhecer por canais velados – sintomas que justificam as demandas inconscientes do indivíduo aparecerem, ou um padrão de relacionamento em que o valor da pessoa é medido pelo grau de vitimização sofrido nas mãos de um parceiro, filho, pai, ou amigo dominador e “egoísta”. Se Netuno é suprimido, sintomas refletindo o desamparo e a dependência do indivíduo podem aparecer, ou ele pode ser repetidamente atraído por aqueles que são, eles mesmos, desamparados e vitimizados. O indivíduo também pode experimentar um anseio insuportável por algo desconhecido e invisível – um anseio por dissolução que pode somente ser satisfeito por um ato, o qual os antigos textos de astrologia chamavam “auto-anulação”.
Sol-Netuno, como todos os aspectos solares, descreve a percepção da pessoa do pai pessoal. O indivíduo pode ter experimentado um pai “que desaparece”, que era ausente física ou emocionalmente, ou alienado e fraco. Há muitas vezes uma idealização profundamente inconsciente do pai. Ele pode ter sido netuniano em si mesmo, e seu mapa de nascimento pode revelar contatos entre Sol-Netuno ou Lua –Netuno, ou um Netuno em um dos ângulos, ou uma ênfase em Peixes. Imaginação criativa e receptividade psíquica podem ter sido fortes na personalidade do pai, e talvez na linhagem masculina, retrocedendo muitas gerações para trás; mas provavelmente estes atributos permaneceram subdesenvolvidos, ou são mascarados por considerações mais materialistas. A vida do pai pode parecer ter sido desperdiçada, seu potencial criativo diluído no álcool, adulteração, depressão, doença, ou repetidas falências financeiras. Em algum nível o pai, inacessível porém fascinante, lesado porém prometendo o êxtase da fusão, amado porém um fracasso para seus descendentes, pode aparecer como uma espécie de Cristo – um redentor que em si mesmo precisa de redenção, empurrado ou escondido atrás de uma esposa mais prosaica.
O pai pessoal, misturado com o pai arquetípico, é um símbolo para o sentido de confiança e poder criativo de toda criança. Esta é a razão do porquê esperamos tanto de nossos pais, que inevitavelmente nos frustrarão de um jeito ou de outro, porque são mortais. Esta é a razão também do motivo do Sol, no horóscopo, parecer personificar o que foi “herdado” do pai como parte do material primitivo do destino individual da própria pessoa. A jornada mítica do herói é invariavelmente a externalização de um atributo corporificado por seu pai-deus.5 Qualquer planeta fazendo aspecto com o Sol aponta para uma faceta particular do arquétipo do pai, a qual é “tarefa” do indivíduo confrontar e expressar o mais criativamente possível. O pai netuniano é o Orfeu despedaçado ou o ferido Rei do Graal, rendido impotente pela crueldade da vida ou por seu próprio fardo de pecado humano. A figura do pai internalizada provê os rudimentos de um senso de propósito, assim como a mãe internalizada provê os rudimentos de uma confiança instintiva na vida. O pai netuniano é um espírito que não corporificou-se na vida; e a seu filho é deixado encontrar seu próprio modelo para uma vida confiante. Não é, portanto, surpreendente que muitos indivíduos Sol-Netuno levem muito tempo para conseguir isso.
Há frequentemente consideráveis potenciais criativos herdados do pai. Tenho encontrado muitas pessoas Sol-Netuno cujos pais foram talentosos atores, músicos, escritores e pintores, embora frequentemente esses pais não tenham conseguido levar seus talentos adiante na vida, ou abandonaram seus dons, ou jamais os expressaram novamente depois que se casaram ou se tornaram pais. O indivíduo com Sol-Netuno pode pagar por este pai-sonhador com um sentimento interno torturante de impotência. Cedo ou tarde ele terá de desenvolver auto-confiança “partindo do nada”, porque o pai pessoal não pôde oferecer um exemplo forte o bastante. Todos nós somos subjugados por algo que alguém deixou de fazer, porque os pais pessoais são pessoas e não arquétipos. Sol-Netuno não diz respeito a um pai melhor ou pior do que qualquer outro; nem horóscopos fazem qualquer comentário objetivo sobre se o pai ou a mãe pessoais são amáveis ou não, bons ou maus, conscientes ou inconscientes. Significantes parentais no mapa de nascimento refletem um padrão arquetípico, experienciado primeiro através dos pais. Sol-Netuno retrata o padrão vítima-salvador, o artista e o visionário. O pai que desaparece torna-se o deus que desaparece (vanishing), cujo abraço procuramos além da vida. Para mulheres com Sol-Netuno, a idealização do pai pode significar que, na vida -adulta, quando a pessoa se apaixona, é por alguém com quem ela não pode ficar, em um nível ou em outro; ou a mulher pode repudiar todos os relacionamentos com homens, porque inconscientemente nenhum deles pode se comparar ao pai divino o qual, no nível consciente, a pessoa pode ter desprezado. Homens com Sol-Netuno podem transferir estes sentimentos a mulheres que, personificando a fonte maternal divina, ilude-os e devora-os, ou para outros homens, em quem eles inconscientemente procuram o querido pai-espírito que uma vez desapareceu. Um enorme potencial imaginativo e criativo é refletido nos contatos Sol-Netuno; mas se o indivíduo quiser expressar este potencial, ele precisará construir um vaso forte para conter o vinho sagrado.


Aspectos Netuno – Lua
But in her web she still delights

To weave the mirror’s magic sights,

For often thro’ the silent nights

A funeral, with plumes and lights,

And music, went to Camelot:

Or when the moon was overhead,

Came two young lovers lately wed:

I am half sick of shadows,” said



The Lady of Shalott.6
Netuno e Lua têm muito em comum. Ambos regem signos de água e ambos estão conectados com a mãe, com a maternidade e com a necessidade de pertencer. Empatia, gentileza, delicadeza de sentimentos, e uma faculdade altamente imaginativa são frequentemente refletidos pelos contatos Lua – Netuno no horóscopo de nascimento. Da mesma forma, estes contatos têm uma reputação de infelicidade, particularmente através de doenças físicas e dificuldades nos relacionamentos. A Lua, embora sendo aquática como é, é também muito corporal, representando as necessidades instintivas do indivíduo. Por ser a Lua tão intensamente pessoal, ela descreve condições específicas para o contentamento físico e emocional. Necessidades pessoais definem um indivíduo tão claramente quanto demandas solares ou marcianas mais agressivas. Há sempre um “eu” por trás da Lua, embora ele seja instintivo, assim como há um “eu” por trás do Sol; e Netuno é inimigo do “eu”. Encontrar um equilíbrio que funcione entre as necessidades individuais da Lua e os anseios universais de Netuno, pode requerer uma garantia de que o desejo de fusão com os outros não esmague a expressão dos próprios sentimentos, desejos e necessidades corporais da pessoa; mas que, igualmente, a dependência de segurança material e emocional não sufoque o anseio de se mover, emocional e imaginativamente, para além da esfera da vida familiar “normal”. Tal equilíbrio pode somente ser realizado se a pessoa é capaz de suspender o glamour do auto-sacrifício, e se puder aprender a restringir uma inerente propensão à manipulação emocional e ao martírio. Alguma reflexão sobre as primeiras experiências emocionais pode nos ajudar, particularmente em relação à mãe pessoal, da qual a Lua é o principal significante astrológico.
O “descontentamento divino” de Netuno, lançará o foco íntimo-familiar (clannish) inerente à Lua para além das fronteiras do âmbito da vida imediata da pessoa. A combinação pode refletir, desta maneira, uma profunda compaixão pelos sentimentos de pobreza e de impotência, e particularmente pelo sentimento de solidão, comuns a todos os seres humanos. Lua-Netuno compreende a necessidade dos outros de amor incondicional e necessita para si este amor em contrapartida; pode haver um profundo sentimento de estar ligado não só a alguns amigos e membros da família, mas a todo o mundo sofredor. Contudo, sem um reconhecimento das exigências emocionais pessoais da própria pessoa, o indivíduo pode se tornar o servo ressentido das demandas dos outros, eternamente faminto, e ainda oferecendo a si mesmo como comida para toda boca faminta que aparecer. Com Lua-Netuno, a necessidade de ser querido, pode dominar a totalidade da vida. Às vezes a fome ilimitada de Lua-Netuno permanece desconhecida para a personalidade consciente, particularmente se o mapa mostra uma perspectiva mais auto-suficiente através de uma ênfase em ar ou em terra, ou um Saturno ou Urano dominante. Então, a pessoa pode experimentar Lua-Netuno através de um parceiro ou filho carente, exigente ou doente; ou profissionalmente, através daqueles que a pessoa tenta ajudar ou curar. Uma Lua-Netuno inconsciente pode também se expressar através do corpo físico, que se torna a voz do bebê inarticulado que não pode expressar sua fome e vulnerabilidade de outra forma.
A Lua reflete ambas, a experiência primeira de vínculo entre mãe e filho, e a natureza da herança materna arquetípica. Sua posição e aspectos no mapa natal descrevem, frequentemente com grande precisão, o clima emocional da infância. As progressões lunares secundárias oferecem valiosos insights, porque qualquer aspecto lunar com um planeta o qual a Lua está se justapondo no nascimento, se tornará exato dentro de nove meses depois do nascimento. Qualquer aspecto em distanciamento, esteve exato em algum ponto dentro dos nove meses que precederam o nascimento. Em outras palavras: aspectos lunares progredidos cobrem o período, aproximadamente, da gestação até nove meses depois da chegada da pessoa ao mundo. Por exemplo: uma conjunção Lua-Urano que está justaposta no nascimento e que, por progressão secundária, se torna exata quatro meses depois do nascimento, sugere experiências de ruptura ou instabilidade, emocional ou física, aos quatro meses de vida. A ansiedade crônica, que geralmente aflige a pessoa com Lua-Urano na vida adulta, pode assim refletir uma experiência de incerteza e instabilidade trazida indiferenciadamente da infância. Compreender a conexão entre medos típicos de Lua-Urano projetados no futuro ( fantasias de queda de aviões, explosões de reservatórios de gás, separações repentinas) e experiências emocionais do passado, pode ajudar o indivíduo a lidar melhor com suas expectativas perturbadoras de que tudo está para acontecer terrivelmente errado.

Da mesma forma, aspectos Lua –Netuno descrevem experiências passadas que podem traduzir-se em expectativas futuras. A pessoa Lua-Netuno pode ter sido a criança “favorita”, desfrutando de um vínculo especial e misterioso com a mãe, assumindo, na vida adulta, que pessoas amadas proverão alimento emocional constante e absoluto. Ser o favorito pode contudo ter um preço alto. Crianças favoritas frequentemente são aquelas nas quais os pais percebem, não a identidade verdadeira da criança, mas uma chance de viverem suas próprias vidas, não realizadas, mais uma vez. Certamente isto é fusão, mas com um considerável custo para a criança, que poderá achar que na vida adulta se sente solitária e irreal sem uma reafirmação emocional incessante. As tendências ao sacrifício de Lua-Netuno são às vezes um meio de tentar criar o estado de fusão primordial. Lua-Netuno, em sua expressão mais difícil, pode estar relacionado com vício em drogas e com alcoolismo, bem como com distúrbios alimentares. Não é surpreendente que interpretemos a fome por tais substâncias como um anseio por uma mãe-fonte incondicionalmente amorosa. Os elementos compulsivos da fome de Lua-Netuno sugerem que, ao invés de experimentar uma mãe pessoal sólida, a pessoa tem experimentado um êxtase de alimentação mútua com uma figura arquetípica de um tremendo poder emocional. Lua-Netuno pode refletir a experiência de uma mãe que sofreu enormemente, frequentemente nas mãos de um “mau” marido. Ás vezes o sofrimento está conectado a temas não pessoais como guerra ou pobreza; ou a mãe pode ter estado doente física ou emocionalmente quando a criança era pequena. Qualquer que seja a situação da criança, o arquétipo vítima-redentor, que é também a mãe-oceano Ti’amat, pode obscurecer a atual identidade e caráter da mãe pessoal.


Esta combinação de ser “engolido” e, ao mesmo tempo, “generosamente” amado, pode gerar um profundo sentimento de culpa – um dos principais tormentos (plagues) do mundo interno de Lua-Netuno. Esta culpa, experimentada pela criança que se torna um adulto, pode ser trazida por qualquer ato “egoísta” que envolva colocar-se a si mesmo, e não a mãe ou mães-substitutas, em primeiro plano. Lua-Netuno não indica que a mãe é uma “má” mãe. Normalmente, o que pode ser dito é que ela pode ter sido, psiquicamente, uma criança; e crianças de qualquer idade, de duas semanas a oitenta anos, tendem a ser muito difíceis quando suas necessidades não são satisfeitas. Não podemos dar a nossas crianças aquilo que nós mesmos não possuímos; e se na vida adulta estivermos ainda buscando o Éden, provavelmente tentaremos encontra-lo através de nossa prole. Mas, para a criança Lua-Netuno, aguçadamente sensitiva a qualquer subterfúgio emocional dos outros, a infelicidade da mãe pode assumir proporções míticas; a pessoa, então, se sente impelida a redimir o seu sofrimento. Na vida adulta, o principal tormento de Lua-Netuno pode ser um vago mas permanente sentimento de culpa, que surge como resultado de qualquer expressão de independência emocional. Frequentemente, sob as idealizações que envolvem a mãe, pode haver uma raiva profunda, porque o indivíduo com Lua-Netuno não se sente reconhecido e apoiado, mas profundamente manipulado. É muito importante para Lua-Netuno aprender a dizer “Não”. A isso se segue moderar o extremo sentimentalismo que frequentemente acompanha qualquer experiência de amor. Lua-Netuno precisa ser Lua primeiro, reconhecendo o valor primordial do bem estar físico e emocional de si próprio, antes de arcar com a responsabilidade de satisfazer as necessidades alheias.
Junto com empatia e receptividade, Lua-Netuno pode expressar uma sensualidade extremamente refinada e uma apurada apreciação do toque, do cheiro, do paladar, da cor, do movimento e do som. Qualquer um, ou todos eles, pode encontrar sua forma em trabalhos criativos de vários tipos, se o resto do mapa estiver de acordo. Tão sensível é o corpo, que Lua-Netuno pode estar relacionado com uma propensão a alergias de todos os tipos, particularmente aquelas que envolvem alimentos. O mundo fora do Jardim do Paraíso pode se mostrar muito grosseiro e abrasivo, e o corpo expressa a reviravolta dos sentimentos. Vícios e alergias são duas dimensões do mesmo dilema netuniano. Se a pessoa conseguir proporcionar a si mesma uma maternidade interna que seja o bastante para contrapor-se à extrema vulnerabilidade que Lua-Netuno experimenta quando confrontado com a aspereza do mundo, então as reações alérgicas podem ser, ao menos em parte, superadas. Mas a sensibilidade (sensitivity) sempre permanecerá. O refinamento de Lua-Netuno pode também conferir grande charme, tato e gentileza, expressos tanto socialmente quanto em qualquer ambiente de ajuda ou de ensinamento. Na história pessoal de Lua-Netuno pode ter havido muita mãe e muito pouca maternidade. Assim, por trás deste dilema pessoal, encontra-se o grande dilema humano do isolamento intrínseco e da dependência absoluta que pode existir entre membros de uma mesma família, feridos pela vida e amedrontados pelo abandono, procurando o Éden uns nos outros. Lua-Netuno, mais do que qualquer outro contato planetário, é aquele que compreende mais profundamente a tragédia da solidão humana.




  1   2   3


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal