Filosofia para quem quer sabedoria



Baixar 9.55 Kb.
Encontro12.10.2018
Tamanho9.55 Kb.

FILOSOFIA PARA QUEM QUER SABEDORIA

Sabedoria é a compreensão dos princípios superiores das coisas, que funciona como um guia para levar uma vida humana verdadeiramente exemplar. Nos pré-socráticos e em Platão a noção de sabedoria era unificada. Aristóteles, porém, introduziu a diferença entre sabedoria teórica (sophia) e sabedoria prática (phronesis). Sophia é a virtude intelectual que dá a alguém a condição intelectual de compreender a natureza da realidade em sua causa final (metafísica). Phronesis é a virtude prática fundamental que dispõe alguém para fundamentar juízos conforme sua conduta de vida. A primeira diferencia compreensão profunda de informação ampla, enquanto a segunda faz um contraste entre juízo fundamentado e mera facilidade técnica. A distinção dessas duas formas de sabedoria perdurou por toda a Idade Média e continua ainda hoje quando se usa a palavra sabedoria para designar tanto o alto conhecimento como juízo fundamentado em matéria de conduta. (Dicionário de Filosofia de Cambrigde)


É possível estabelecer uma distinção entre conhecimento e sabedoria? Em princípio, conhecimento e sabedoria, conhecer e saber são noções que podem ser confundidos, muitas vezes até aplicados como sinônimos. Com efeito, conceitualmente falando, ter o conhecimento é ter noção, informação, saber. Por outro lado, ter sabedoria é ter grande conhecimento, erudição, prudência, moderação, temperança, sensatez, reflexão.

Pois bem, claramente percebem-se semelhanças no conceito dessas palavras, o que acarreta no emprego indiscriminado de ambas sem a distinção do conceito intrínseco de cada uma. Porém, existe uma distinção entre elas que muda totalmente o sentido da frase onde são colocadas.

Conhecimento é ter informação, noção ciência de algo ou alguma coisa. É conhecer alguma técnica ou ciência, distingui-la de outras técnicas ou ciência, ser versado por essa técnica ou ciência. No entanto, o simples fato de conhecer uma dada informação não implica em ser aquilo que se conhece. É ter acesso àquele dado, e até mesmo procurar aplicá-lo, mas sem se tornar aquele conhecimento. Em síntese, o conhecimento não está dentro do conhecedor, mas é apenas algo que pode ser acessada, empregado, usado por ele.

Por outro lado, a sabedoria é igualmente ter grande conhecimento, erudição, prudência, moderação, temperança, sensatez, reflexão, mas com uma característica diferente. A sabedoria pressupõe não só ter o conhecimento, mas também saber como utilizar esse conhecimento, não só em ocasiões especiais, mas em todos os fatos da vida. Ou seja, saber não é apenas ter conhecimento, mas é ser o conhecimento. E aqui reside a diferença entre conhecimento e sabedoria, pois a sabedoria pressupõe não só o conhecimento, mas a transformação daquele que conhece na própria imagem da sabedoria, a representação desse saber.

E é aplicando esses conceitos na vida que poderemos distinguir se a pessoa tem conhecimento ou é a sabedoria. É evidente que conhecer algo é importante, pois se pode aplicar esse conhecimento em determinado campo de saber humano. No entanto, o mais importante é saber, ou seja, é tornar-se esse conhecimento, é transformar a sua vida a imagem da própria sabedoria.

E o que fazemos com as lições que a vida nos oferece? Apenas tomamos conhecimento dela e seguimos ou passamos a reconhecê-la, aplicá-la e vivê-la?

ILUSTRANDO COM HISTÓRIA

Dois discípulos procuraram um mestre para saber a diferença entre conhecimento e sabedoria.

O mestre disse-lhes:

- Amanhã, bem cedo, coloquem dentro dos sapatos vinte grãos de feijão, dez em cada pé.

Subam, em seguida, o monte que se encontra junto a esta aldeia, até o ponto mais elevado, com os grãos dentro dos sapatos.

No dia seguinte os jovens discípulos começaram a subir o monte. Lá pela metade um deles estava padecendo de grande sofrimento: seus pés estavam doloridos e ele reclamava muito.

O outro subia naturalmente a montanha.

Quando chegaram ao topo, um estava com o semblante marcado pela dor; o outro, sorridente.

Então, o que mais sofrera durante a subida perguntou ao colega:

- Como você conseguiu realizar a tarefa do mestre com alegria, enquanto para mim foi uma verdadeira tortura?



O companheiro respondeu:

- Meu caro colega, ontem à noite cozinhei os vinte grãos de feijão.



©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal