Filo chordata (peixe)



Baixar 9.83 Kb.
Encontro30.06.2019
Tamanho9.83 Kb.

FILO CHORDATA (PEIXE)
No ambiente aquático, os peixes tem um número maior do que a soma de todas as espécies de vertebrados terrestres. Os primeiros vertebrados surgiram nos mares e eram desprovidos de mandíbula. Esses animais chamados ostracodermos eram pequenos e viviam no fundo do mar, filtrando alimentos que se encontravam no lodo. Alguns ostracodermos surgiram os placodermos, vertebrados que possuíam mandíbulas, que permitiam a eles atuar como eficientes predadores. A lampreia descende dos antigos ostracodermos. Os peixes atuais e todos os demais vertebrados descendem dos placodermos.

Os peixes constituem a maioria dos vertebrados, e todos tem em comuns muitas características que se adaptaram a vida na água.

Os peixes ancestrais, não possuíam mandíbula, eram bentônicos e pertencentes a classe Agnatha. A maioria dos agnathos está extinta mais a classe ainda é representada hoje me dia pelas lampreias e peixes-bruxa.

Os peixes mandibulados atuais estão pados em duas classes: os tubarões, e as arraias na classe chandrichthyes, com esqueletos cartilaginosos, e as percas e outros peixes similares da mesma classe Osteichthyes, que possuem um esqueleto ossificado pelo menos em parte. As características distintas das classes existentes são resumidas a seguir.


CLASSES AGNATHA
A classe Agnatha (do grego a, sem + gnathos mandíbula) inclui os vertebrados fósseis mais antigos, que parecem ter sido os ancestrais dos demais grupos de peixe.

Os Agnathos são animais desprovidos de mandíbulas e seus representantes mais conhecidos são as lampreias e peixes-bruxa.


VERTEBRADOS AMANDIBULADOS EXISTENTES.

Eles não possuem mandíbulas e nem apêndices pares, tem mais aberturas branqueais do que os demais peixes existentes, continuam com o olho pineal e apresentam uma narina mediana. Ao contrário dos ostracodermos, os ciclostomados possuem a forma de enguia, sendo sua pele viscosa e sem escamas; eles são hematófagos ou necrófagos.

A maioria das lampreias é dulcícola, mas algumas passam sua vida adulta no mar, retomando à água doce apenas para reproduzir-se. Um exemplo típico deste grupo é a lampreia marinha.
CLASSE CHONDRICHTHYES
Espécies contemporâneas de tubarões, arraias e peixes semelhantes, com o esqueleto composto apenas por cartilagem. Os condrictes são muito antigo e surgiram no Devoniano inferior. Se evoluíram dos plocodermos ou diretamente dos tracodermos ainda é incerto. As espécies mais primitivas conhecidas eram marinhas. O grupo permaneceu primitivamente marinho desde então, embora espécies extintas e várias outras contemporâneas tem se adaptado secundariamente a água doce.
Tubarões- a maioria dos tubarões são peixes ativos com mandíbulas projetáveis, que alimentam vorazmente, com seus dentes de forma triangular, de outros peixes, crustáceos e certos moluscos. Os tubarões baleia (Rhineodon) que podem ationgir um comprimento de cerca de 12m, possuem minúsculos dentes e alimentam-se de pequenos crustáceos e de outros organismos que foram o plâncton. Eles engolem grandes quantidades de água pela boca e, à medida que a água passa pelas fendas branqueais, o alimento é retido na faringe pelo crivo branquial. Os tubarões – baleia são os maiores peixes existentes atualmente.
Raias – a maioria das raias é bentônica, com seu corpo achatado no sentido do dorso-ventral. As ondulações de suas enormes nadadeiras peitorais impulsionam-nas pelo fundo. Sua boca costuma estarem enterrada na areia ou lodo e a água para respiração entra na faringe por um paz de amplos espiráculos. Uma válvula espiral em cada espiráculo fecha-se e a água é forçada passar pelas típicas fendas branqueais.

CLASSE OSTEICHTHYES


A maioria dos peixes atuais é óssea, membros da classe osteichthyes (do grego osteon, osso + ichthys, peixes). A classe inclui algumas espécies tais como o esturjão, salmão, percas e peixes pulmonados. Os vertebrados terrestres evoluíram dos crossopterígeos, que são primitivos membros do grupo.

Evolução dos peixes ósseos.
A origem dos peixes ósseos podem ser traçadas desde o Devoniano inferior e do Ciluriano superior, quando várias linhagens evolutivas da classe já estabelecidas. Desde então, todos compartilham características como a ossificação, até certo ponto, do esqueleto interno, bem como o desenvolvimento de escamas ósseas e um opérculo (combinação esta não presente nas demais classes de peixes). Isso leva a crer que lês tem como origem evolutiva comum, possivelmente a partir de algum grupo de ostracodermos.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal