Fatos Marcantes do Brasil 1963 2012



Baixar 0.77 Mb.
Página1/11
Encontro15.06.2018
Tamanho0.77 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

Fatos Marcantes do Brasil 1663 - 2012
1) Criação dos Correios-Mores no Brasil (1663)
Resumo: 25 de janeiro: A partir do Regimento de 25 de janeiro de 1663, com a criação dos Correios-Mores no Brasil, o Correio-Mor do Reino passou a se intitular também Correio-Mor das Cartas do Mar, do qual Luís Gomes da Matta Neto foi também o primeiro detentor. Assim, com esse Regimento,  principiou a funcionar, pelo menor teoricamente, o Correio no Brasil, como organização paraestatal e qualificada para receber e expedir toda correspondência do Reino.

          Em ato real, de 19 de dezembro desse mesmo ano, foi nomeado para o cargo de assistente do Correio-Mor na Capitania do Rio de Janeiro o alferes João Cavaleiro Cardoso.


          Essa nomeação teve aprovação real pela Provisão da mesma data, dirigida ao Capitão-Governador da Capitania do Rio de Janeiro, Pedro de Melo, e tinha jurisdição apenas em relação às cartas recebidas da Metrópole.

          De 1663 a 1667,  Vasco de Mascarenhas, Conde de Óbidos, foi Governador-Geral do Brasil.


Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html
2) Criação Naufrágios na Baía de Angra (1663)

Resumo: Naufrágio de 11 navios, o total de uma frota que provinha do Brasil, foi o maior desastre de que há registo ocorrido na Baía de Angra, por acção duma tempestade. Fora o que deu à costa, a carga perdeu-se. Este acontecimento provoca a interdição real da arribada em Angra durante algum tempo.

Fonte: wikipédia, a enciclopédia livre

3) Publicação sobre o Brasil no periódico Mercúrio Português (1663)



Resumo: notícias sobre o Brasil publicadas no Mercúrio dizem respeito quase exclusivamente ao comércio entre a metrópole e o Brasil Colônia e à construção naval. No entanto, intui-se que António de Sousa de Macedo, redator do Mercúrio, olhou para o Brasil com esperança e empolgamento. Esperança porque do Brasil afluíam os recursos de que Portugal necessitava para manter a guerra pela sua independência que travava com Castela; empolgamento porque se percebia que o Brasil oferecia ao Reino enormes possibilidades de exploração e uma retaguarda estratégica particularmente útil numa guerra – o que, aliás, se tornou visível em 1808.

Fonte: http://seer.utp.br/index.php/vol11/article/view/61

4) Padre António Vieira é desterrado (1663)



Resumo: Desterro para Coimbra; depõe no Santo Ofício sobre a sua obra Esperanças de Portugal.

Fonte: http://www.vidaslusofonas.pt/padre_antonio_vieira.htm

5) Insatisfação na Colônia pelo pagamento do Destinatário pelas Cartas (1664)



Resumo: Esse serviço, ao contrário do que pensou Luís Gomes da Matta Neto, não cairia no agrado do público.

Já no seu início, em 1664, encontrava óbices à sua implantação em terras brasileiras.


          A concessão real desagradou aos moradores e mesmo às autoridades da Colônia, sofrendo sérias restrições, para execução de seu ofício, os assessores do Correio-Mor do Reino e das Cartas do Mar e de Terra, nas diferentes povoações para onde foram nomeados.
          Para a população, acostumada com o serviço que, quando necessário, eram prestados por escravos, serviçais e conhecidos, naturalmente não interessava pagar por algo que praticamente nada lhe custava, nem entregar suas cartas a mensageiros que não escolhia e em quem não sabia se podia confiar ou não.

Em suma, o público não queria saber de correio para nada. Obstou a introdução do terrestre e combateu o marítimo. Em mão própria continuavam indo as cartas em domicílio, de graça e secretas. Até mesmo na Metrópole levantaram-se clamores contra os “portes” que ao correio precisavam pagar os que recebiam cartas chegadas do Ultramar, por meio dele. Isso porque, via de regra, o custo dos portes das cartas eram pagos pelos destinatários e não pelos remetentes.



Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html
6) Início da Revolta de “Nosso Pai”, em Pernambuco (1664)

Resumo: Na Revolta de "Nosso Pai", em Pernambuco (1664-65), também houve a rebelião local contra o governador português Jerônimo de Mendonça Furtado, alcunhado "Xumbrega", acusado de corrupção e de ser conivente com os franceses. Na realidade, nesse acontecimento já havia indícios da rivalidade entre Olinda e Recife.

Fonte: http://www.coladaweb.com/historia-do-brasil/movimentos-nativistas
7) Padre António Vieira escreve a História do Futuro (1664)

Resumo: Escreve a História do Futuro; adoece gravemente. 

Fonte: http://www.vidaslusofonas.pt/padre_antonio_vieira.htm

8) Padre António Vieira vai para inquisição (1665)



Resumo: É preso pela Inquisição, depois mantido em custódia.

Fonte: http://www.vidaslusofonas.pt/padre_antonio_vieira.htm

9) Revolta contra o imposto do sal (1665)



Resumo:  17 de outubro: Na primeira grande manifestação contra o odioso imposto do sal, em 17 de outubro de 1665, a população da Bahia se apoderou do estoque do sal, incendiando a casa do contratador.

10) Primeira evidência de censura a correspondências (1666)




Resumo:  Há notícias, embora sem documentação comprobatória a respeito, de que Agostinho Barbalho Bezerra tenha sido nomeado para Correio-Mor de Terra do Brasil, em 1666, função de que não se tem evidência que ele ou qualquer outro depois dele tenha exercido.

          A primeira referência ao serviço postal regular no atual território paulista, embora não se saiba se sob a égide do Correio-Mor ou não, é de abril de 1666, com a apreensão, pela Câmara de Vereadores, de cartas provenientes de Santos, pelo correio oficial, que trazia também cartas particulares.

          As cartas foram abertas, para verificação de seu conteúdo, na intenção de se comprovar a ocorrência de uma epidemia em Santos, o que realmente se confirmou, sendo providenciado, então, o fechamento da estrada, para se evitar que a doença se alastrasse para São Paulo.

          Provavelmente, esse foi o primeiro caso de censura oficial e ostensiva de correspondências, comprovado em nosso País.

          Um movimento nativista, de 9 de março de 1666, conhecido como “Conjuração do Nosso Pai”, chefiado por André de Barros Rego, procurava coibir os privilégios dos portugueses em relação aos nativos de Pernambuco.
Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html

11) Problemas na Colônia (1667)




Resumo: A disputa pela mão-de-obra indígena levou à determinação régia, em 1667, de se enviarem degredados ao Pará e Maranhão, a fim de aumentar o número de colonos na área.
          As debilidades física e mental do Rei, associadas às intrigas palacianas de sua jovem esposa D. Maria Francisca de Sabóia, levaram-no  à interdição, em 23 de novembro, e o infante D. Pedro, seu irmão, assumiu a  Regência.
          Nesse ano, a Santa Inquisição condenava o Pe. Antônio Vieira ao silêncio, após 27 meses de prisão.

De 1667 a 1671, Alexandre de Sousa Freire foi Governador-Geral do Brasil.


Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html

12) Estabelecimento de sistema de avisos nas áreas litorâneas (1668)




Resumo: Em 1668, o Governo-Geral resolveu estabelecer, oficialmente, um sistema de avisos entre as povoações litorâneas do Nordeste.

          O então Morgado da Torre de Garcia D’Ávila encarregou-se dele, combinando os fachos (almenaras) de sinalização de seu baluarte, com um segundo facho na aldeia jesuítica de São João ( hoje Jacuípe); o terceiro na aldeia do Espírito Santo ( hoje Vila Abrantes);  o quarto em Itapoã e o quinto em Rio Vermelho, já visível da fortaleza de Santo Antônio da Barra, sendo, por meio desses atalaias, a capital da Colônia avisada da aproximação de navios, invasores e piratas.




Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html

13) Bartolomeu Fragoso nomeado Correio-Mor (1669)




Resumo: 15 de maio: Foi nomeado Bartolomeu Fragoso Cabral para o cargo de assistente do Correio-Mor da Capitania da Bahia e, depois, Manuel da Fonseca Feio, para o da de Pernambuco, os quais encontraram as costumeiras resistências das autoridades e do povo.

          Por esse motivo, o Correio-Mor do Reino e das Cartas do Mar requereu ao Soberano provisão especial para os Governadores e Ministros das Conquistas e Partes Ultramarinas, a fim de que se cumprisse o Regimento desse ofício, ajudando o exercício do Correio de Cartas do Mar, cuja correspondência deveria vir em sacos fechados e lacrados pelos seus assistentes, com rótulos feitos pelos mestres das embarcações.


          Em 1669, foi decretada “guerra justa” contra os aimorés de Ilhéus, Paraguaçu e Bahia.
          A partir de 1669, moedas de prata portuguesas passaram a circular no Brasil, carimbadas com um sinete real, nos valores de 80, 160, 320 e 640 réis.
          A confusão de vários tipos de moedas, com diversas origens e valores instáveis, persistia, mas isso não causava problemas, pois comercializava-se pouco; o mercado interno era muito pequeno.

          A maioria da população era de escravos e colonos livres: os negros, por sua própria condição social, não podiam comprar nem vender; os colonos recebiam seu pagamento quase que somente em mercadorias.


Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html
14) Erguido o Forte de São José do Rio Negro - Manaus (1669)

Resumo: Francisco de Mota Falcão ergue o Forte de São José do Rio Negro (atual Manaus).

Fonte: http://www.historiamais.com/brasil.htm

15) Crise dos engenhos no Brasil e busca infrutífera de metais e pedras preciosas (1670)




Resumo:  Bandeiras paulistas, entre as quais a de Bartolomeu Bueno de Siqueira, palmilharam, por volta de 1670, o sertão de Goiás, em preamento de índios e infrutíferas buscas de metais e pedras preciosas.

          Nesse ano, a baixa do preço do açúcar na Europa, por força da superprodução do Caribe, provocava crise nos engenhos do Brasil.


Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html

16) Expedições contra Palmares (1671)




Resumo: Em 1671 era enviada, por Pernambuco, uma expedição militar do mestre-de-campo Francisco Barreto contra Palmares.

          Entre 1671 e 1673, Estêvão Ribeiro Baião Parente e Brás Rodrigues de Arzão cruzavam os sertões do Nordeste.

          Nesse mesmo ano, Domingos Jorge Velho iniciava a “limpeza” do sertão nordestino de índios caçadores de gado, a serviço dos grandes criadores da região.
          De 1671 a 1675, Afonso Furtado de Castro do Rio de Mendonça, Visconde de Barbacena, foi Governador-Geral do Brasil.
17) Liberação da entrada de navios estrangeiros no Brasil (1671)

Resumo: Decreto libera entrada de navios estrangeiros em portos brasileiros.

Fonte: http://www.historiamais.com/brasil.htm

18) Abertura da navegação no rio Tocantins e ataque a Palmares (1672)




Resumo: Uma precária rota terrestre de bandeirantes, explorada por Pascoal Pais de Araújo em 1672, ligando Goiás a Belém do Pará, abriu à navegação o rio Tocantins.
          Nova expedição militar pernambucana, chefiada por Domingos Gonçalo, atacava Palmares, nesse ano.
Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html

19) Criação de “Regras humanitárias” para o transporte de escravos (1673)




Resumo: Em 1673, foram estabelecidas “regras humanitárias” para o transporte  negreiro, com vistas a diminuir o número de mortes durante as viagens e chegar com escravos em melhores condições físicas aos portos de desembarque.
          Nesse ano, Manuel Dias da Silva, o “Bixira”, atingia Santa Fé, nas missões paraguaias, enquanto Manuel de Campos Bicudo percorria as terras entre as bacias Platina e Amazônica.
Fonte: http://www.guyfandrade.com/Correios/ect18.html
20) Criado o Mito do Eldorado de Sabará (1674)


Resumo: Segundo alguns historiadores, em 1674 o mito do eldorado atraiu os primeiros bandeirantes e aventureiros a região Sabará. Os primeiros méritos, na corrida contra o ouro no leito do rio das velhas, foram para o bandeirante Manuel Borba Gato, que acabou sendo acusado de assassinato por ter se desentendido com o fidalgo português Dom Rodrigo Castelo Branco pela posse das minas. Mesmo ficando foragido por 18 anos nas matas, Borba Gato manteve contato com a família em São Paulo e chegou a ser condecorado a tenente-general do Mato em 1698, em seu primeiro encontro com o governador Arthur de Sá Menezes.
Fonte: http://www.desvendar.com/cidades/sabara/default.asp
21) Procura por metais preciosos abrindo caminhos pelo interior do Brasil (1674)


Resumo: Os paulistas, que conheciam bem o sertão, iriam desempenhar um papel importante nessa nova fase da história colonial. Já em 1674, destacou-se a bandeira de Fernão Dias Pais, que, apesar de não ter descoberto metais preciosos, serviu para indicar o caminho para o interior de Minas. Poucos anos depois, a bandeira de Bartolomeu Bueno da Silva – o Anhangüera – abriria caminho para o Brasil central (Goiás e Mato Grosso).

Os principais exploradores do sertão, foram os paulistas. Com um irrisório apoio oficial, Fernão Dias Pais partiu em 1674 para o sertão, onde permaneceu por seis anos, chegando ao Jequitinhonha. Porém, não descobriu nada de valor. Em 1681 encontrou turmalinas acreditando serem esmeraldas.


Fonte: http://www.culturabrasil.org/mineracao.htm
22) Prosegue a destruição as aldeias de Palmares (1675)
Resumo: Em 1675, Manuel Lopes à frente de um grande exército destruiu uma das aldeias de Palmares, capturando dezenas de negros e instalando-se no local conquistado. Em 1676, recebeu a ajuda de um grande estrategista na luta contra quilombolas e índios, Fernão Carrilho, o qual, em 1677, atacou de surpresa Aqualtene, montou seu quartel general na aldeia e fez uma série de ataques, matando um e aprisionando outros dois filhos de Ganga Zumba, o rei de Palmares, capturando depois o próprio rei.


Fonte:ahttp://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/quilombo-dos-palmares/quilombo-dos-palmares-1.php
23) Domingos Afonso Mafrense ganha sesmarias da Coroa Lusa (1676)
Resumo: Em 1676 a Coroa Lusa doou sesmarias a Domingos Afonso Mafrense, que fundou fazendas de gado, posteriormente legadas aos jesuítas. Com a expulsão, em 1760, dos religiosos da Companhia de Jesus, as fazendas passaram ao domínio do Estado.
Fonte: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/piaui/floriano.pdf
24) Encenação de comédia teatral no Pará (1677)
Resumo: O teatro chega ao Pará por volta do século XVII junto com os missionários e colonos europeus, com a função de evangelizar e entreter as famílias economicamente privilegiadas. Em 1677, na portaria do Convento das Mercês, aconteceu a encenação de uma comédia, o que, na época, pareceu compatível com as missões evangelizadoras.
Fonte:ahttp://www.ufpa.br/beiradorio/novo/index.php/leia-tambem/118-edicao-87/1108-o-teatro-no-para
25) “Acordo de 1678” ou “acordo de Recife” (1678)
Resumo: Mediante a resistência daquela população quilombola e não mais suportando a exaustão das derrotas, o governador de Pernambuco, Aires Sousa e Castro, e Ganga Zumba, importante líder palmarino, assinaram o chamado “acordo de 1678” ou “acordo de Recife”. Por esse tratado, o governo pernambucano reconhecia a liberdade de todos os negros nascidos em Palmares e concedia a utilização dos terrenos localizados na região norte de Alagoas.
Fonte: http://www.brasilescola.com/historiab/quilombo-dos-palmares.htm
26) Morte de Maurício de Nassau (1679)
Resumo: 20 de Dezembro: João Maurício de Nassau-Siegen, em neerlandês Johan Maurits van Nassau-Siegen e em alemão Johann Moritz von Nassau-Siegen (Dillenburg, 17 de junho de 1604– Cleves, 20 de dezembro de 1679), cognominado "o Brasileiro", foi conde e (após 1674) príncipe de Nassau-Siegen, um Estado do Sacro Império Romano-Germânico e mais tarde da Confederação Germânica, localizado nas cercanias das cidades de Wiesbaden e Coblença. Assim que chegou ao Brasil, Nassau passou imediatamente à ofensiva contra a tropa hispano-luso-brasileira aquartelada em Porto Calvo, Alagoas, comandada pelo conde de Bagnoli, oficial napolitano, que comandando cerca de quatro mil homens, preferiu retirar-se. Nassau em seu encalço marchou para o rio São Francisco, desceu em terra em Jaraguá, cavalgou pela costa até Penedo. Ali se demorou dois meses, na construção de uma fortaleza a que deu seu nome, encetou relações com os Tapuias, e assentou no grande rio o limite meridional do Brasil holandês. Regressou ao Recife no início do Inverno e se dedicou à tarefa imensa de recompor a administração civil e militar e ao complexo problema do abastecimento da conquista.

Fonte: wikipédia, a enciclopédia livre

27) Lei que distribui terra aos índios (1680)


Resumo: Lei de abril de 1680, restabelece algum benefício da Lei de 30-06-1609.
Grande inovação, determina "seja distribuída terra aos índios"
Fonte: http://www.overmundo.com.br/overblog/a-escravidao-do-indio-brasileiro-i-1
28) Morre o bandeirante Fernão Dias Pais Lemes (1681)
Resumo: Entre cascalho descobre o primeiro lote de pedras verdes. Morre de febre no meio da mata.
Fonte: http://www.vidaslusofonas.pt/fernao_pais_leme.htm
29) Criação da Companhia de Comércio do Maranhão (1682)
Resumo: Em 1682, Portugal cria a Companhia de Comércio do Maranhão com o objetivo de estimular o desenvolvimento econômico do norte do Brasil. Em troca da concessão do monopólio do comércio do açúcar e da arrecadação dos impostos, a empresa deveria fornecer escravos, utensílios, equipamentos e alimentos aos colonos a juros baixos. Mas ela não cumpre o compromisso assumido, sobretudo em relação ao fornecimento de escravos africanos.
Fonte:ahttp://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/companhias-de-comercio/companhias-de-comercio-1.php
30) Criação da Bandeira de Dom Pedro II (1683)
Resumo: Esta bandeira presenciou o apogeu da epopéia bandeirante, que tanto contribuiu para nossa expansão territorial. É interessante atentar para a inclusão do campo em verde (retângulo), que voltaria a surgir na bandeira imperial e foi conservado na bandeira atual, adotada pela República.
Fonte:ahttp://educacao.uol.com.br/historia-brasil/bandeiras-brasileiras-os-estandartes-do-pais-da-colonia-a-republica.jhtm
31) Gregório de Matos Guerra sobre sanções (1683)
Resumo: No início do ano, depois de 32 anos em Portugal, está de volta a Bahia, Brasil. Meses após seu retorno, é destituído de seus cargos eclesiásticos pelo Arcebispo D. Fr. João da Madre de Deus, por se recusar a usar batina e também por não acatar a imposição das Ordens maiores obrigatórias para o exercício de suas funções. É nessa época que surge o poeta satírico, o cronista dos costumes de toda a sociedade baiana. Ridiculariza impiedosamente autoridades civis e religiosas.
Fonte:ahttp://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/gregorio-de-matos/gregorio-de-matos-2.php
32) A Revolta dos Beckman (1684)
Resumo: Em 1.661, por seu trabalho de intransigente defesa da liberdade dos índios, os religiosos da Companhia de Jesus foram expulsos do Maranhão. Só puderam voltar em 1.680 quando o governo português proibiu terminantemente a escravização de índios.

Para resolver o problema da falta de braços para a lavoura e controlar o comércio naquela região do Brasil, o governo português criou em 1.682, a Companhia do Comércio do Estado do Maranhão.

A Companhia não cumpriu os compromissos assumidos, o que despertou grande descontentamento entre os colonos da região. Os escravos africanos não foram trazidos para o Maranhão em número suficiente, e os gêneros alimentícios negociados pela Companhia, além de muito caros, não eram de boa qualidade. Ela exagerava em seu monopólio, fraudava pesos e medidas, produtos da região como cacau e baunilha eram vendidos por preços alvitantes a agentes da própria Companhia disfarçados.

Revoltaram-se contra essa situação elementos do Clero, da classe mais elevada e do povo, chefiados por Manuel Beckman, fazendeiro muito rico e respeitado na região. Em 25 de Fevereiro de 1.684 numa reunião na Câmara Municipal de São Luís, os revoltosos decidiram expulsar os Jesuítas e abolir o monopólio comercial da Companhia do Maranhão.

Beckman governou o Maranhão durante um ano, até a chegada de uma frota portuguesa sob o comando de Gomes de Freire de Andrada. Beckman fugiu, mas foi preso e enforcado.

A extinção da Companhia de Comércio do Maranhão foi mantida pelo governo português como queriam os revoltosos, mas os jesuítas puderam retornar e continuar seu trabalho.


Fonte:ahttp://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/revolta-dos-beckman/revolta-dos-beckman-1.php
33) 1º registro de epidemia de Febre Amarela no Brasil (1685)
Resumo: Odair Franco refere que a primeira epidemia da Febre Amarela registrada no Brasil ocorreu em 1685, no Recife, Pernambuco. Para se ter uma idéia da gravidade, apesar de não existir referência da população sob risco, o número de óbitos no período 25/12/1685 a 10/01/1686 foi de mais de 600.
Fonte:ahttp://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X1985000300010&script=sci_arttext
34) Construção de fortes na amazonia e proibição de produção de manufaturas (1685)
Resumo: Construídos quatro fortes na região amazônica, ameaçada pelos franceses de Caiena. A Coroa Portuguesa proíbe a produção de manufaturas no Brasil.
Fonte: http://www.historiamais.com/brasil.htm
35) Cometa descoberto no Brasil (1686)
Resumo: 15 de agosto: Segundo Camille Flammarion (Lês Etoiles), um grande cometa foi descoberto no Brasil em 15 de agosto de 1686. O astro foi visto pelos Jesuítas na Bahia e no Pará. O cometa assou por periélio em 6 de setembro de 1686. Segundo Guillemin, o cometa alcançou a primeira magnitude. Provavelmente deve ter sido o mesmo cometa descoberto por van der Stel - C/1686 R1 - em 11.99  de agosto de 1686, na África do Sul.
Fonte: http://rea-brasil.org/cometas/ago.htm
36) Confederação dos Cariris ou “Guerra dos Bárbaros” (1686)
Resumo: Confederação dos Cariris, também chamada de "Guerra dos Bárbaros", foi um movimento de resistência de indígenas brasileiros da nação Cariri (ou Kiriri) à dominação portuguesa, ocorrido entre 1683 e 1713.
Fonte: wikipédia, a enciclopédia livre
37) Os Sete Povos das Missões: São Luiz Gonzaga (1687)
Resumo: Sua origem está na transferência, em 1687, de 2.922 pessoas que antes habitavam as reduções de São Joaquim e Santa Tereza. O Padre Alfonso del Castillo, Superior de todos os Povos, liderou a fundação. O 1º Cura foi o padre Miguel Fernandez. 
Fonte: wikipédia, a enciclopédia livre
38) São Luís torna-se capital do Maranhão e Grão-Pará (1688)
Resumo: Em 23 de março de 1688, a cidade de São Luís foi designada capital do Estado do Maranhão e Grão-Pará.

          Decreto Real de 1688 obrigava os navios portugueses a andar em comboios, principalmente os que deixavam o Brasil carregados de açúcar, em direção à Europa. 


          De 1688 a 1690, o Governo-Geral do Brasil foi ocupado por uma junta provisória de que fazia parte o Arcebispo da Bahia e o Chanceler da Relação Manoel Carneiro de Sá.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal