Estudo histopatológico e clinicopatológico do carcinoma espinocelular oral



Baixar 21.17 Kb.
Encontro26.11.2017
Tamanho21.17 Kb.



Estudo histopatológico e clinicopatológico do carcinoma espinocelular oral
Emylle Caroline Barquez Furlan (PIBIC/Unioeste/PRPPG), Iris Sawasaki Calone(Orientador), Leonardo dos Santos Pereira, Bruna Cristina Longo, e-mail: emyllefurlan@hotmail.com
Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Centro de Ciências Biológicas e da Saúde/Cascavel, PR.

Ciência da Saúde - Odontologia



Palavras-chave: Carcinoma espinocelular, histopatologia, câncer oral.
Resumo

O câncer bucal é um problema de saúde pública em muitas partes do mundo e embora avanços nos métodos terapêuticos tenham ocorrido nas últimas décadas, pacientes com câncer bucal apresentam prognóstico sombrio e taxa de sobrevida de 5 anos. O carcinoma espinocelular (CEC) representa mais de 95% de todos os casos de câncer oral e a busca por um melhor conhecimento dos eventos genéticos e biológicos que estão associados à tumorigênese oral, bem como a identificação de biomarcadores que possam contribuir para o diagnóstico e tratamento de pacientes com este tumor é intensa. O objetivo geral do estudo foi classificar histopatologicamente o carcinoma espinocelular oral e estabelecer um perfil epidemiológico dos pacientes de câncer de boca atendidos na UOPECCAN. Em um estudo retrospectivo, todos os casos de CEC de cavidade oral atendidos no Hospital de Câncer UOPECCAN, entre os anos de 2009 a 2015, foram avaliados. Os critérios de inclusão foram tratamento cirúrgico realizado de acordo com procedimento padrão e consistindo em ressecção do tumor primário, dados clínico-patológicos completos e material do tumor emblocado em parafina e lâmina suficiente para avaliação. Concluiu-se que a média de idade dos pacientes portadores de CEC da cavidade oral foi acima de 40 anos, com maior prevalência do sexo masculino, e que a localização anatômica mais comum foi a língua, seguida de assoalho bucal.


Introdução
O carcinoma espinocelular (CEC), ou também denominado carcinoma de células escamosas ou carcinoma epidermóide, é uma neoplasia maligna derivada do epitélio pavimentoso estratificado e representa cerca de 95% de todas as neoplasias malignas que acometem a cavidade bucal (Scully & Bagan, 2009). Por corresponder a maioria dos tumores malignos da cavidade oral, os CECs são genericamente chamados de câncer oral.

No Brasil, a incidência é considerada uma das mais altas do mundo, sendo o sétimo tipo de câncer mais comum em homens e o oitavo nas mulheres (Brasil, 2011). A etiologia do CEC oral é multifatorial, nenhum agente ou fator (carcinogênico) isolado tem sido claramente definido ou aceito, porém tanto fatores extrínsecos como intrínsecos podem contribuir para o desenvolvimento da doença. Dentre os fatores ambientais, os mais correlacionados são o fumo de tabaco e à exposição da mucosa ao álcool. As características clínicas do CEC oral incluem desde lesões vermelhas (eritroplasias) ou brancas (leucoplasias) nas fases iniciais até lesões proliferativas e ulceradas com necrose e extensão às estruturas vizinhas como osso, músculo e pele (Johnson et al., 2005).

O comportamento imprevisível dos CECs orais conduz pesquisadores a procurar por parâmetros mais confiáveis na predição de metástases cervicais e no prognóstico da doença a fim de que terapêuticas mais eficazes e individualizadas possam ser realizadas (Johnson et al., 2005).
Material e Métodos
Em um estudo retrospectivo, prontuários de todos os indivíduos com diagnóstico de CEC de boca atendidos no Hospital de Câncer UOPECCAN, entre os anos de 2009 a 2015, foram revisados.

Os critérios de inclusão foram: (1) Indivíduos que apresentaram CECs oral atendidos na UOPECCAN entre 2009 a 2015 sem tratamento antineoplásico prévio à biópsia; (2) Tratamento cirúrgico realizado de acordo com procedimento padrão e consistindo em ressecção do tumor primário; (3) Dados clínico-patológicos completos e o material do tumor emblocado em parafina e lâmina para avaliação.

Os dados demográficos (idade, gênero e raça), hábitos nocivos (hábito de fumar e consumo de álcool), clínicos (tempo de queixa, local do tumor e estadio clínico, comprometimento linfonodal, recidiva, metástase, tratamento realizados, sobrevida global e sobrevida livre da doença e comorbidades) foram coletados dos prontuários em ficha apropriada. A pesquisa nos prontuários foi realizada no centro de estudos do próprio hospital.

Para realização da análise histopatológica foram recuperados os blocos e lâminas dos arquivos dos laboratórios que analisam as peças cirúrgicas para o hospital.

.

A confirmação da classificação histopatológica dos casos foi realizada através de leitura das lâminas foi realizada de modo independente por 2 avaliadores e, casos onde houve discordância, a lâmina foi reavaliada.


Resultados e Discussão
O câncer no Brasil é considerado, pelo Instituto nacional do câncer (INCA), um problema de saúde publica. O objetivo dessa pesquisa foi estabelecer um perfil epidemiológico dos pacientes portadores de CEC oral tratados no hospital de câncer de Cascavel UOPECCAN entre os anos de 2009 a 2015 e e estudar e classificar histopatologicamente os CECs orais. Foi realizado uma pesquisa retrospectiva dos prontuários arquivados no hospital que condiziam com 134 prontuários, no entanto apenas 38 pacientes obedeceram a todos os critérios de inclusão e foram estudados nesta pesquisa. Neste estudo encontramos a prevalência de CEC oral do gênero masculino de 82% e leucodermas em 61% dos casos que, assim como na literatura, sugeriu que as mulheres brancas ou não, têm uma taxa de incidência anual muito menor que a dos homens em todas as faixas etárias. A proporção global homem-mulher é de 2:1 (Conway et al., 2008) . Lembrando que a alta taxa de leucodermas se deve principalmente à característica da região estudada que é predominantemente de pessoas brancas.

Outro dado que se confirma com a literatura é quanto ao hábito etílico e de fumo no qual demonstrou que 58% dos pacientes tinham o hábito de fumar e 68% tinham o hábito de beber, e que todos os pacientes que faziam uso de bebida alcoolica associavam ao hábito de fumar. A proporção de tabagistas entre os pacientes com CEC oral (80%) é duas a três vezes maior do que na população em geral. A evidência do papel do álcool no desenvolvimento do câncer oral baseia-se no fato de que aproximadamente um terço dos pacientes do gênero masculino com câncer oral é alcoólatra. As deficiências nutricionais associadas ao alcoolismo também podem contribuir para o risco aumentado do desenvolvimento do câncer oral. É incerto se o álcool isoladamente pode iniciar a carcinogênese, embora seja bem estabelecido que o álcool em combinação com o tabaco é um fator de risco para o desenvolvimento do câncer oral (Neville et al.,2009; Rosenquist, 2005).

Os locais de maior acometimento foram a língua em 55% dos casos seguidos pelo de assoalho bucal 18% dos casos, assim como se confirma na literatura. A língua é considerada o sítio mais comum, compreendendo de 25 a 40% dos casos de CEC oral e juntamente com o CEC de assoalho de boca (15 a 20%) somam mais da metade dos cânceres orais excluindo aqueles que afetam os lábios. Devido a sua arquitetura histológica com riqueza de vasos linfáticos e predominância de estrutura muscular, o CEC de língua é mais frequentemente associado com metástases para linfonodos do que qualquer outro sítio da cavidade oral (Bello et al., 2010).

Analisando o estadiamento clínico verificamos que a maioria dos casos apresentou estadiamento T2 em 34% dos casos em relacão ao tamanho da lesão, N0 em 55% dos casos indicando ausência de comprometimento linfonodal e em 84% dos casos ausência de metastase (M) indicando um melhor prognóstico dos pacientes, diferentemente da grande maioria dos estudos que indicam estágios mais avançados e com pior prognótico assim como nos estudos de Teixeira et al (2009).

Em relação a análise histopatológica observou-se que quase não houve diferença segundo a classificação da OMS em diferenciado 42% dos pacientes e moderadamente diferenciado em 39% dos casos. Além disso, o tratamento proposto em 47% dos casos foi a cirurgia associada a quimio e radioterapia, o qual a literatura propõem como melhora na sobrevida total de pacientes em 8 a 10% em CEC de cabeça e pescoço avançado localmente, sendo a cisplatina o agente isolado mais ativo (Regezzi et al., 2011).
Conclusões
Com base nos resultados obtidos neste trabalho pode-se concluir que a média de idade dos pacientes portadores de CEC da cavidade oral foi acima de 40 anos, com maior prevalência do sexo masculino, e que a localização anatômica mais comum foi a língua, seguida de assoalho bucal. Com esse trabalho foi possível analisar que a maioria dos resultados foi compatível com a literatura, confirmando que o enfoque atual de programas de prevenção do câncer bucal para nossa região pode ser o mesmo do cenário nacional.
Agradecimentos
Agradecimento a instituição Universidade Estadual do Oeste do Paraná a qual me proporcionou a realização da pesquisa, através do CNPq. Ao Dr. Alexandre Galvão Bueno do Laboratório ANATOM de Cascavel e ao Dr. Carlos Floriano do Laboratório APC de Cascavel. Ao Hospital de Câncer UOPECCAN de Cascavel.
Referências
Bello, Ibrahim O, Ylermi Soini, and Tuula Salo. (2010). “Prognostic Evaluation of Oral Tongue Cancer: Means, Markers and Perspectives (I).” Oral Oncology 46, 630–5.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer – INCA. Estimativa 2012: Incidência do câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA.

Conway, David I, Mark Petticrew, Helen Marlborough, Julien Berthiller, Mia Hashibe, and Lorna M D Macpherson. (2008). “Socioeconomic Inequalities and Oral Cancer Risk: A Systematic Review and Meta-Analysis of Case-Control Studies.” International Journal of Cancer. Journal International Du Cancer 122, 2811

Johnson N, Franceschi S, Ferlay J, Ramadas K, Schimid S, MscDonald DG et al. Squamous cell carcinoma. In: Barnes L, Evenson JW, Reichart P, Sidransky. (2005). World Health Organization Classification of Tumors. Pathology and Genetics: Head and Neck Tumors. Lyon: IARC Press.

Neville BW, Dam, DD, Allen CM, Bouquot JE. (2009). Patologia Oral & Maxilofacial. Rio de Janeiro: Elsevier.

Teixeira, A. K. M., Almeida, M. E. L., Holanda. M. E., Fabrício, B. S., Almeida, P. C. (2009). Carcinoma Espinocelular da Cavidade Bucal: um estudo epidemiológico na Santa Casa de Misericórdia em Fortaleza. Revista Brasileira de cancerologia 55, 229-236.

Regezi, Joseph. (2011). Patologia Oral. Rio de janeiro: Elsevier Health Sciences.

Rosenquist, Kerstin. (2005). “Risk Factors in Oral and Oropharyngeal Squamous Cell Carcinoma: A Population-Based Case-Control Study in Southern Sweden.” Swedish Dental Journal. Supplement 179, 1–66.


Scully C, Bagan JV. (2009). Oral squamous cell carcinoma: overview of current understanding of aetiopathogenesis and clinical implications. Oral Dis 15, 388–99.




: eventos -> eaicti -> eaictiAnais2016 -> arquivos
arquivos -> Análise in vitro da perda mineral do esmalte dental devido à ação de diferentes tempos de aplicação do gel de clareamento
arquivos -> Avaliação radiográfica da influência da periodontite experimental em ratos associada ao exercício físico
arquivos -> Avaliação do efeito da desinfecção de boca toda em estágio único em pacientes de periodontite moderada
arquivos -> Auriculoterapia com laser de baixa potência sobre aspectos psicossociais de pacientes com disfunção temporomandibular: ensaio clínico randomizado
arquivos -> Influência de colutórios bucais na sorção e solubilidade de resinas compostas
arquivos -> Avaliação clínica e radiográfica de implantes curtos de titânio e com plataforma protética cone-morse
arquivos -> Efeitos da derivação duodenojejunal sobre a população de células caliciformes do jejuno na alça alimentar em ratos Wistar obesos
arquivos -> Avaliação in vitro da micro infiltração marginal de restaurações classe V com cimento de ionômero de vidro
arquivos -> Avaliação in vitro da microinfiltração marginal de restaurações classe V com pré-tratamento com clorexidina
arquivos -> Imobilização de micocinas em alginato de sódio




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal