Estudo cefalométrico da relaçÃO Ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula, em indivíduos da cor amarela



Baixar 119.41 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho119.41 Kb.


ESTUDO CEFALOMÉTRICO DA RELAÇÃO ÂNTERO-POSTERIOR ENTRE A MAXILA E A MANDÍBULA, EM INDIVÍDUOS DA COR AMARELA*
A CEPHALOMETRIC STUDY OF THE ANTEROPOSTERIOR RELATIONSHIP BETWEEN THE JAWS IN YELLOW HUMAN BEINGS (MONGOLOID RACE)*

Ewaldo Luiz de Andrade**

Cláudio Fróes de Freitas***
* Parte da Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Radiologia.

** Mestre e Doutorando em Odontologia pela F.O.U.S.P. / Professor Adjunto de Ortodontia da Universidade Guarulhos. Coordenador de Cursos de Ortodontia do CAPE-SOESP.

*** Professor Associado da Disciplina de Radiologia da F.O.U.S.P.
Descritores: Cefalometria. Relação ântero-posterior. Radiologia Odontológica.
Resumo: Neste trabalho estudamos a relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula em 41 telerradiografias de indivíduos com a cor da pele amarela (mongolóides), sendo 22 do sexo feminino e 19 do sexo masculino, nas quais foram feitos traçados cefalométricos e registradas cinco medidas; o ângulo ANB, Wits, TPi, ProjUSP e FABA. Comparando os resultados com a observação de cinco especialistas em Ortodontia, concluímos que não existe diferença significativa entre os sexos em nenhum dos cinco métodos da avaliação da relação antero-posterior entre a maxila e a mandíbula, na amostra estudada. Apesar de todos os percentuais de concordância estarem abaixo de 80%, os melhores níveis de concordância entre as classificações dos observadores (utilizando a classificação mais comum entre eles) e os métodos de medição foram obtidos para as medidas FABA (72,5%) e ANB (65,0%), sendo estas duas as mais indicadas para o estudo em indivíduos de cor da pele amarela. Os métodos TPi e WITS não devem ser utilizados para o estudo da relação ântero-posterior entre os maxilares nos indivíduos da cor amarela, pois as concordâncias foram muito baixas (25,0% e 37,5% respectivamente).
INTRODUÇÃO
No tratamento das más oclusões dentárias, em fase de crescimento e desenvolvimento, o diagnóstico e o planejamento dependem muito da avaliação da relação de como os maxilares se relacionam no sentido ântero-posterior. Atualmente se pode avaliar a provável relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula, utilizando-se das telerradiografias em norma lateral e das análises de diversos autores, mas que em muitos casos não concluem o mesmo diagnóstico. A mandíbula varia muito a sua posição ântero-posterior, dentro da nossa espécie e talvez nas diferentes etnias humanas. Podendo a mandíbula estar de muito retruída a muito protruída em relação à maxila, passando por um bom e equilibrado relacionamento, despertou o interesse em pesquisar o que ocorre em um grupo de indivíduos da cor amarela.


REVISÃO DA LITERATURA

DOWNS5 (1948) introduziu os pontos A e B, que representavam os limites anteriores da maxila e mandíbula, respectivamente. RIEDEL22 (1948) introduziu os ângulos SNA e SNB para verificar as posições ântero-posteriores da maxila e mandíbula, respectivamente, em relação à base do crânio. A diferença entre esses dois ângulos (ANB) era a forma proposta pelo autor para avaliar a relação ântero-posterior entre as bases apicais. WALKER & KOWALSKY26 (1971) consideraram o ângulo ANB o maior guia de orientação no diagnóstico e tratamento de uma má oclusão. Em vista disto, acreditaram ser de grande interesse a determinação de valores médios para este ângulo em diferentes grupos populacionais. Para estes autores o valor de 2 graus poderia representar o “melhor” mas não o “normal” individual. JACOBSON13 (1975) opinou que para se relacionar ântero-posteriormente às bases apicais da maxila e mandíbula, estas não deveriam estar relacionadas a estruturas da base do crânio, mas sim, uma em relação à outra. O autor admitiu que, relacionar as bases apicais através do ANB era uma manobra passível de erro, visto que variações nas posições de algumas estruturas poderiam alterar o valor deste ângulo, de maneira não condizente com a realidade. Com a finalidade de solucionar este problema, o autor preconizou o método ¨Wits¨, denominação esta derivada de University of Witwaternand (Johannesburg, África do Sul), que consistia em se traçar perpendiculares dos pontos A e B ao plano oclusal. Aos pontos de intersecção, no plano oclusal, chamou de AO e BO, respectivamente. A distância entre os pontos citados representava, linearmente, o relacionamento ântero-posterior existente entre maxila e mandíbula. FERRAZZINI7 (1976) utilizando telerradiografias cefalométricas, realizou um estudo onde fez uma avaliação crítica ao emprego do ANB como medida para relacionar ântero posteriormente os pontos A e B. O autor chamou de distância ântero-posterior das bases maxilares aquela obtida entre as projeções A’ e B’, dos pontos A e B, sobre o plano palatino

CHANG4 (1987) estudou a relação ântero-posterior da mandíbula em telerradiografias de 80 indivíduos chineses (de Taiwan), adultos jovens (40 homens e 40 mulheres) com idade entre 20 anos e 1 mês e 29 anos e 10 meses, portadores de uma oclusão clinicamente aceitável e que nunca tinham recebido tratamento ortodôntico. Avaliou a discrepância sagital da mandíbula com o ângulo ANB, com a análise Wits, com o ângulo AFB e com a distância AF-BF. Concluiu que a distância AF-BF era a melhor maneira de medir a relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula ao longo do plano horizontal de Frankfort, que a análise Wits era uma avaliação apenas da relação sagital da dentição sobre o plano oclusal e que os ângulos ANB e AFB não descreviam exclusivamente a relação ântero-posterior da mandíbula.

Estudando a relação sagital ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula em 101 crianças de 10 a 15 anos de idade cronológica (55 do sexo masculino e 46 do sexo feminino) originadas do sul da China, SO25 et al. em 1990 relataram a dificuldade em definir a posição do ponto cefalométrico N por causa do achatamento da região anterior da fronte e do nariz. Encontraram nessas 101 crianças, com oclusão normal e boa aparência esquelética, uma média de -4,9 mm e -4,5 mm, respectivamente para meninos e meninas, na avaliação “Wits”. Não observaram a diferença de 1 mm na avaliação “Wits” entre os sexos, relatada por Jacobson15 em 1988. Encontraram, também, para a medida ANB, valores médios de 3,21 graus para meninos e 3,55 graus para meninas.

OKTAY21 em 1991 estudou o relacionamento entre as medidas ANB, Wits, AF-BF, e ADPI, usadas na determinação das desarmonias ântero-posteriores entre a mandíbula e a maxila. Como conclusão, afirmou que a avaliação Wits, AF-BF e o critério de determinação das bases apicais APDI não eram mais confiáveis em diagnóstico clínico do que o ângulo ANB.

SATO-TSUJI23 (1993) em sua Tese de Mestrado e INTERLANDI & SATO-TSUJI11 (1999) propuseram uma análise que relacionava maxila e mandíbula, denominada Projeção USP (em virtude de ter sido pesquisada na Universidade de São Paulo), cuja abreviatura é “ProjUSP”, sem a interferência negativa de qualquer referência cefalométrica fora das duas citadas bases apicais. Os autores justificaram que a maxila e a mandíbula constituíam o “continente” onde ocorria a essência do tratamento ortodôntico. Os arcos dentários se constituíam no “conteúdo” daquela área com variações cefalométricas de certa independência. Os autores utilizaram a projeção ortogonal dos pontos A e B, no plano formado pela bissetriz do ângulo formado pelos planos maxilar (ENP-P’) e mandibular (GoM).

YANG & SUHR26 em 1995 estudaram a relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula em 110 telerradiografias em norma lateral, de crianças coreanas, com idade de 8 a 13 anos de idade cronológica, portadoras de oclusão normal, sendo 55 meninos e 55 meninas. Obtiveram médias para diversas medidas cefalométricas, e sugeriram a medida FABA (ângulo formado pela linha que passava pelos pontos A e B com o plano de Frankfort) como uma referência da verdadeira relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula, e também, do perfil facial para indivíduos coreanos (cor da pele amarela). Salientaram que as mudanças de inclinação dos planos oclusal e palatal, assim como a altura facial, dificultavam a correta avaliação, e que não alteravam significativamente a avaliação da relação antero-posterior, quando se utilizava o FABA. Para estas crianças, YANG & SUHR26 encontraram para o ângulo formado entre o plano horizontal de Frankfort e a linha formada pelos pontos A e B (FH.AB), uma média de 80,92 graus para os meninos e de 80,57 graus para as meninas. HURMERINTA9 et al. em 1997, na Finlândia, compararam duas análises cefalométricas sagitais, o ângulo ANB e a avaliação Wits, justificando serem as mais largamente utilizadas. Concluíram que as normas rígidas de avaliação foram questionáveis, e que para interpretações cefalométricas consideradas extremas ou controvertidas, a avaliação visual promovia uma essencial ajuda no diagnóstico e na classificação esquelética.

LINO20 (1998), definiu um plano na região da maxila, tendo como referência os pontos T (Túber) e Pi (Protuberância Incisal Superior), denominado Plano Tpi; projetava ortogonalmente neste plano os pontos A e B, e obtinha desta forma dois pontos (A’ e B’) neste plano, tinha então uma referência linear para analisar o relacionamento antero-posterior entre a maxila e a mandíbula.

KASE & ANDRADE17 (2001) compararam quatro métodos de avaliação da relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula (Riedel, Jacobson, Ferrazzini e Lino), em 30 indivíduos com idade de oito a onze anos de idade cronológica, do sexo masculino, com diversos tipos de má oclusão. Foi verificado o número de coincidências com a avaliação de vinte especialistas e professores de Ortodontia. Concluíram que a análise com maior número de coincidências era a de Lino, mas todas com índice próximo de 50%.No mesmo ano de 2002, IWASAKI12 et al. investigaram as diferenças estatísticas na determinação do relacionamento entre a maxila e a mandíbula com o ângulo ANB e a avaliação Wits em crianças portadoras de má oclusão Classe III de Angle. Todas as crianças estudadas eram da cor da pele amarela (raça mongolóide). Concluíram que a discrepância da mandíbula foi determinada com mais rigor, usando o ângulo ANB do que pela avaliação Wits nos casos de Classe III de Angle, e estes indivíduos com uma rotação anti-horária da mandíbula e um plano oclusal reto, o ângulo ANB era um parâmetro cefalométrico mais válido do que a avaliação Wits, para determinar a discrepância esquelética ântero-posterior.
MATERIAL E MÉTODOS
A amostra é constituída de quarenta e uma (41) telerradiografias em norma lateral, em oclusão habitual, obtidas de indivíduos brasileiros, de cor amarela, sendo 22 do sexo feminino e 19 do sexo masculino, com idade cronológica de 6 a 19 anos e com os dentes primeiros molares permanentes erupcionados e em oclusão. As telerradiografias foram obtidas segundo as normas preconizadas por BROADBENT em 1931. Foram consultados cinco profissionais, todos especialistas em Ortodontia e professores assistentes do curso de extensão universitária em Ortodontia do Centro de Aperfeiçoamento Profissional e Especialização do Sindicato dos Odontologistas no Estado de São Paulo, para fazer uma avaliação do relacionamento ântero-posterior entre a maxila e mandíbula, tomando-se como referência as telerradiografias. Junto foi entregue um questionário para que fosse preenchido por estes especialistas. Os resultados obtidos foram comparados com cinco métodos de avaliação deste relacionamento, sendo eles: RIEDEL, JACOBSON, INTERLANDI, YANG e LINO. O traçado foi o sugerido de acordo com LINO em 1998.
As análises empregadas para a comparação dos casos foram:

1- Riedel (ângulo ANB)



2- Jacobson (Avaliação Wits)

3- Lino (Plano TPi)

4- Sato & Interlandi (ProjUSP)

5- Yang & Suhr (ângulo FABA)


Para a obtenção dos pareceres dos ortodontistas consultados, usamos o seguinte critério:

Foram colocadas, separadamente, as telerradiografias em norma lateral de todos os indivíduos da amostra. Os profissionais colocaram em uma tabela, contendo 03 (três) escores, os seus pareceres, no sentido de optar por:

R- mandíbula retruída em relação à maxila;

B- mandíbula bem relacionada com a maxila;

P- mandíbula protruída em relação à maxila.
RESULTADOS
Caracterizamos a amostra dos pacientes em relação às 5 medidas, comparando-se os sexos. Após, estudamos a concordância entre os observadores na avaliação das telerradiografias e comparamos com o resultado obtido nas 5 medidas.

Característica dos pacientes

ANB


Tabela 5.1 Medidas descritivas dos pacientes para ANB

Medidas

Feminino

Masculino

Geral

Média

3,91

3,84

3,88

Desvio Padrão

2,12

2,22

2,15

Mediana

4,3

4,0

4,0

Mínimo

-0,7

-2,0

-2,0

Máximo

8,5

7,0

8,5

No Gráfico 5.2 temos a distribuição percentual deles. Por eles podemos observar que: a diferença entre os dois sexos é muito pequena; temos um percentual baixo de pacientes P e pouco mais da metade dos pacientes está no grupo R.




Gráfico 5.2 – Distribuição percentual dos pacientes para ANB

Para verificarmos se a distribuição percentual nos dois sexos é ou não a mesma, fizemos o teste Exato de Fisher por meio do qual obtivemos o nível descritivo de 0,999 e concluímos que não existia diferença significativa entre os sexos.


TPi


Pela Tabela 5.4 podemos observar que: as médias dos dois grupos são bem próximas e temos uma pequena diferença entre as medianas (0,7); a variabilidade os dois grupos são parecidas.

Tabela 5.4 – Medidas descritivas dos pacientes para TPi

Medidas

Feminino

Masculino

Geral

Média

-3,52

-3,91

-3,70

Desvio Padrão

3,96

4,50

4,21

Mediana

-2,3

-3,0

-2,5

Mínimo

-16,0

-13,0

-16,0

Máximo

2,3

2,5

2,5

Analisando os percentuais dos pacientes nos grupos P, B e R, podemos observar pelas tabelas Tabela 5.5 e pelo Gráfico 5.4 que: a diferença entre os dois sexos é muito pequena; temos um percentual alto de pacientes P (78%) e nenhum paciente classificado como sendo R.

Tabela 5.5 – Distribuição dos pacientes para TPi

Sexo

P

B

R

Total

Feminino

17

5

0

22

Masculino

15

4

0

19

Total

32

9

0

41




Gráfico 5.4 – Distribuição percentual dos pacientes para TPi
Para verificarmos se a distribuição percentual nos dois sexos é ou não a mesma, fizemos o teste Exato de Fisher por meio do qual obtivemos o nível descritivo de 0,999 e concluímos que não existia diferença significativa entre os sexos.

WITS


Pela Tabela 5.7 podemos observar que: as médias dos dois grupos são bem próximas e as medianas são idênticas; aparentemente o sexo masculino apresenta uma variabilidade um pouco maior e temos duas das pacientes do sexo feminino bem diferente das demais (com o valor de -14,5).

Tabela 5.7 – Medidas descritivas dos pacientes para WITS



Medidas

Feminino

Masculino

Geral

Média

-3,62

-3,56

-3,59

Desvio Padrão

3,74

4,21

3,95

Mediana

-3,0

-3,0

-3,0

Mínimo

-14,5

-11,0

-14,5

Máximo

2,5

3,5

3,5

Analisando os percentuais dos pacientes nos grupos P, B e R, podemos observar pelo Gráfico 5.6 que: notamos uma certa diferença entre os sexos, com um percentual maior de R no sexo masculino; no geral temos uma maior concentração de pacientes P (58,5%) e menos de 10% de pacientes R.



Gráfico 5.6 – Distribuição percentual dos pacientes para WITS
Para verificarmos se a distribuição percentual nos dois sexos é ou não a mesma, fizemos o teste Exato de Fisher, por meio do qual obtivemos o nível descritivo de 0,295 e concluímos que não existia diferença significativa entre os sexos.

FABA


Pela Tabela 5.10 podemos observar que: a média (e a mediana) do sexo feminino é um pouco maior que a do sexo masculino; aparentemente o sexo feminino apresenta uma variabilidade um pouco maior que a do sexo masculino.

Tabela 5.10 – Medidas descritivas dos pacientes para FABA

Medidas

Feminino

Masculino

Geral

Média

78,89

77,82

78,39

Desvio Padrão

6,14

5,11

5,57

Mediana

79,3

76,0

78,0

Mínimo

71,0

68,5

68,5

Máximo

92,0

93,5

93,5

Analisando os percentuais dos pacientes nos grupos P, B e R, podemos observar pelo Gráfico 5.8 uma certa diferença entre os sexos, com um percentual bem maior de R no sexo masculino e um percentual de P também maior neste sexo.


Gráfico 5.8 – Distribuição percentual dos pacientes para FABA
Para verificarmos se a distribuição percentual nos dois sexos é ou não a mesma, fizemos o teste Exato de Fisher por meio do qual obtivemos o nível descritivo de 0,117 e concluímos que, apesar da diferença observada, não existia diferença significativa entre os sexos.

ProjUSP


Pela Tabela 5.13 podemos observar que: a média (e a mediana) do sexo masculino é um pouco maior (mais negativa) que a do sexo feminino; aparentemente o sexo masculino apresenta uma variabilidade um pouco maior que a do sexo feminino, com este último apresentando algumas pacientes bem distantes das demais.

Tabela 5.13 – Medidas descritivas dos pacientes para ProjUSP



Medidas

Feminino

Masculino

Geral

Média

-4,15

-4,91

-4,50

Desvio Padrão

3,70

4,29

4,00

Mediana

-3,3

-4,0

-3,5

Mínimo

-16,0

-14,0

-16,0

Máximo

2,0

0,0

2,0

Analisando os percentuais dos pacientes nos grupos P, B e R, podemos observar pelo Gráfico 5.10 que: a diferença entre os dois sexos é bem pequena com o masculino com um percentual um pouco maior em P e menor em R. notamos os pacientes bem distribuídos, com aproximadamente metade de lês como B e a outra metade em R e P.


Gráfico 5.10 – Distribuição percentual dos pacientes para ProjUSP
Para verificarmos se a distribuição percentual nos dois sexos é ou não a mesma, fizemos o teste Exato de Fisher, por meio do qual obtivemos o nível descritivo de 0,845 e concluímos que não existia diferença significativa entre os sexos.

COMPARAÇÃO GERAL


No geral percebemos que não existia diferença significativa entre os sexos em nenhuma das 5 medidas, mas notamos uma grande diferença entre os resultados delas como podemos observar pelo Gráfico 5.11. No geral temos que os resultados para ANB, FABA e ProjUSP foram um pouco mais parecidos entre si e extremamente diferentes dos resultados de TPi e WITS.


Gráfico 5.11 – Distribuição percentual dos totais marginais para as medidas
Para verificarmos quais grupos são iguais entre si, fizemos para cada combinação entre os grupos um teste de homogeneidade marginal, o qual compara a distribuição dos totais marginais. Na Tabela 5.18 temos os resultados dos testes comparando as medidas das linhas com as das colunas e podemos observar que temos igualdade somente na comparação entre ANB e FABA. Todas as outras comparações apresentaram diferenças significativas.

Tabela 5.18 – Níveis descritivos do teste de homogeneidade marginal (as comparações significativamente diferentes estão hachuradas)

Medida

ANB

TPi

WITS

FABA

ProjUSP

ANB




0,0000

0,0000

0,5488

0,0033

TPi

0,0000




0,0005

0,0000

0,0000

WITS

0,0000

0,0005




0,0000

0,0000

FABA

0,5488

0,0000

0,0000




0,0213

ProjUSP

0,0033

0,0000

0,0000

0,0213

 

Classificação mais comum dos observadores


Na Tabela 5.65 e no Gráfico 5.13 temos os percentuais de concordâncias. Pelo gráfico podemos notar que a melhor concordância ocorreu para a medida FABA com 72,5% de concordância e kappa de 0,5626, seguida de perto pela ANB (65% e 0,4318). O pior caso foi para TPi (25% e -0,2220) e a medida WITS também teve valores bem baixos (37,5% e 0,0366). Lembramos que mesmo no melhor caso (FABA) os valores do percentual de concordância e do kappa ficaram ainda abaixo do padrão desejado (80% e 0,7 respectivamente).

Tabela 5.65 – Percentuais de concordância entre observadores e medidas



Medida

Concordantes

Percentual

IC

Kappa

ANB

26

65,0

(48,3 ; 79,4)

0,4318

TPi

10

25,0

(12,7 ; 41,2)

-0,2220

WITS

15

37,5

(22,7 ; 54,2)

0,0366

FABA

29

72,5

(56,1 ; 85,4)

0,5626

ProjUSP

23

57,5

(40,9 ; 73,0)

0,3372




Gráfico 5.13 - Percentuais de concordância entre observadores e medidas

DISCUSSÃO

A relação ântero-posterior entre a maxila e mandíbula, é de extrema importância no diagnóstico do padrão facial. WALTER & KOWALSKY26 (1971), consideravam o ângulo ANB o maior guia de orientação no diagnóstico e tratamento de uma má oclusão, destacando ser de grande interesse a determinação de valores médios deste ângulo em diferentes grupos populacionais; sendo corroborado por OKTAY21 (1991) que, estudando o relacionamento entre as medidas ANB, Wits, AF-BF E ADPI, usadas na determinação das desarmonias ântero-posteriores entre a maxila e a mandíbula, concluiu que no diagnóstico clínico nenhuma era mais confiável que o ANB.

Para esclarecer se o ângulo ANB seria menos confiável que Wits, TPi e o plano bi-espinal (FERRAZZINI7 1976), sendo estas últimas estruturas próximas das bases apicais, KASE & ANDRADE17 (2001) compararam os quatro métodos e concluíram que nenhum é totalmente confiável, sendo o TPi o método que mais coincidiu com o laudo dos observadores em seu trabalho, vindo a confrontar com os resultados de OKTAY em 1991, o qual comparando as medidas ANB com Wits, AF-BF e ADPI, concluiu que estas últimas não eram mais confiáveis que o ângulo ANB.

HUMERINDA9 et al. em 1997, estudando e comparando ANB e Wits com observadores especialistas, concluíram que para interpretações cefalométricas consideradas extremas ou controvertidas, a avaliação visual é essencial; endossando a metodologia utilizada em nosso trabalho, pela comparação das análises de diversos autores com a observação direta na telerradiografia em norma lateral.

Entretanto, YANG & SUHR26 em 1995, avaliando telerradiografias de 110 crianças com a cor da pele amarela, sugeriram ser a medida FABA (geometricamente semelhante à medida AF-BF) uma referência da verdadeira relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula; a mesma conclusão que JUDY16 et al. ,no mesmo ano, tiveram com a medida AF-BF, mas agora em indivíduos de origem caucasiana.

No trabalho de BAIK2 et al. em 2000, observamos que em indivíduos com a cor da pele amarela e com oclusão normal, o ângulo ANB apresentava valores compatíveis com uma boa relação entre os maxilares, mas na avaliação Wits os valores estavam bem mais negativos. O mesmo aconteceu com IWASAKI12 et al. em 2002, que indicaram o ângulo ANB como um parâmetro mais confiável do que Wits em indivíduos da raça mongolóide (cor da pele amarela). Também SO25 et al. em 1990 encontraram uma média bem baixa para Wits; e valores próximos do normal para ANB em crianças com a cor da pele amarela. Em nosso trabalho, os resultados foram semelhantes com os de So24 et al. (1990), como observados na Tabela 5.1 para o ângulo ANB (média geral de 3,88 graus) e na Tabela 5.7 para os valores de Wits (média geral de -3,59 mm). O que nos leva a sugerir que a avaliação Wits deveria ser diferente para indivíduos com a cor da pele amarela, considerando-se valores de normalidade da avaliação Wits mais negativos.

RIEDEL22 (1948), LINO20 (1998) e INTERLANDI & SATO-TSUJI11 (1999) encontraram nos estudos para a avaliação da relação sagital ântero-posterior entre os maxilares, medidas únicas para ambos os sexos, o que não aconteceu com BAUN1 (1951), JACOBSON13 (1975), SO25 et al. (1990), JUDY16 et al. (1995), YANG & SUHR26 (1995), BAIK2 et al. (2000) e IWASAKI12 et al. (2002).

Na comparação geral percebemos não existir diferença significativa entre os sexos em nenhuma das cinco medidas, mas notamos uma grande diferença entre os resultados delas, como podemos observar pelo Gráfico 5.11. No geral temos que os resultados para ANB, FABA e ProjUSP são um pouco mais parecidos entre si e extremamente diferentes dos resultados de TPi e WITS. Para verificarmos quais grupos são iguais entre si, na Tabela 5.18 temos os resultados do teste de homogeneidade marginal, comparando as medidas das linhas com as das colunas e podemos observar uma igualdade somente na comparação entre ANB e FABA. Todas as outras comparações apresentam diferenças significativas.

O índice Kappa de todos os observadores ficou em 0,411, valor considerado baixo, haja visto que os valores comumente considerados como bons são acima de 0,7.

Pelo Gráfico 5.13 podemos notar que a melhor concordância ocorreu para a medida FABA com 72,5% de concordância e Kappa de 0,5626, seguida de perto pela ANB (65% e 0,4318). O pior caso foi para TPi (25% e -0,2220) e a medida WITS também teve valores bem baixos (37,5% e 0,0366). Cabe ressaltar que mesmo no melhor caso (FABA) os valores do percentual de concordância e do Kappa ficaram ainda abaixo do padrão desejado (80% e 0,7 respectivamente).

Assim como CHANG4 em 1987, JUDY16 et al. em 1995 e YANG & SUHR também em 1995, nossos resultados indicam a medida FABA como melhor referência para observar o relacionamento ântero-posterior entre os maxilares, conforme observamos na Tabela 5.65 e no Gráfico 5.13, sendo nossa investigação e destes dois primeiros autores supracitados, sobre uma amostra com indivíduos com a cor da pele amarela. Cabe enfatizar que utilizamos em nossa pesquisa os valores propostos por YANG & SUHR26 em 1995, sobre uma amostra de indivíduos com oclusão normal, todos com a cor da pele amarela, para a medida FABA.

Comparando os resultados obtidos por KASE & ANDRADE17 em 2001, que encontraram na medida TPi uma boa referência para avaliação ântero-posterior dos maxilares, com os da nossa pesquisa, conforme observado no Gráfico 5.4 não ocorreu um caso em que a mandíbula estivesse retruída pela avaliação TPi.

Como em nossos resultados TPi e Wits, foram as medidas menos indicadas para indivíduos com a cor da pele amarela, levamos também a sugerir que para estes indivíduos, os valores de normalidade para TPi deveriam ser mais negativos do que LINO propôs em 1998.

Com relação aos valores do percentual de concordância e do Kappa, na Tabela 5.65 e no Gráfico 5.13, ressalta-se que os valores ficaram ainda mais abaixo do padrão desejado para TPi (25% e -0,2220); e a medida WITS também obteve valores bem baixos (37,5% e 0,0366), o que nos leva a pensar que para estas duas medidas em particular, deveríamos adotar valores mais negativos, como ponto de referência da normalidade.


CONCLUSÕES
1. Não existe diferença significativa entre os sexos em nenhum dos cinco métodos da avaliação da relação ântero-posterior entre a maxila e a mandíbula, na amostra estudada.

2. Apesar de todos os percentuais de concordância estarem abaixo de 80%, os melhores níveis de concordância entre as classificações dos observadores (utilizando a classificação mais comum entre eles) e os métodos de medição, foram obtidos para as medidas FABA (72,5%) e ANB (65,0%), sendo estas duas as mais indicadas para o estudo em indivíduos de cor da pele amarela.


3. Os métodos TPi e WITS não devem ser utilizados para o estudo da relação ântero-posterior entre os maxilares nos indivíduos da cor amarela, pois as concordâncias foram muito baixas (25,0% e 37,5% respectivamente).


ABSTRACT
A CEPHALOMETRIC STUDY OF THE ANTEROPOSTERIOR RELATIONSHIP BETWEEN THE JAWS IN YELLOW HUMAN BEINGS

(MONGOLOID RACE)
The propose of this study was to valuate the anteroposterior sagittal relationship between the jaws, using 5 measurements registraded: ANB angle, Wits appraisal, TPi, ProjUSP and FABA. In this study 41 yellow human beings (mongoloid race) were studied, being 22 females and 19 males, on which cephalometric traces were done. Comparing the results, with 5 orthodontic experts observations, it can be concluded that there was no significant difference between males and females, in no one of the 5 valuation methods of the anteroposterior relationship between the jaws in the studied sample. Although, all agreement percentages were below 80%, the best levels among observer classifications and the measurement methods were obtained by the FABA (72,5%) and ANB (65,0%) measurements, being these both the more appropriated for the assessment for yellow human beings. The TPi and Wits appraisal methods weren´t appropriated for the assessment of the anteroposterior relationship between jaws in yellow human beings, because the agreements were too low (25% and 37,5% respectively).

REFERÊNCIAS*


1. BAUN, A. T. A cephalometric evaluation of the normal skeletal and dental pattern of children with excceellent occlusions. Angle Orthod, New York, v. 21, n. 2, p. 96-103, Apr. 1951.


2. BAIK, H.; HAN, H.; KIM, D. ; PROFFIT, W. R. Cephalometric characteristics of Koreans Class III surgical patients and their relationship to plans for surgical treatment. Int Adult Orthod Orthognath Surg, Lombard , v. 15, n. 2, p. 119-128, 2000.

3. BROADBENT, B. H. A new x-ray technique and its application to Orthodontia. Angle Orthod, New York, v. 1, p. 45-66, 1931.


4. CHANG, H. Assessment of anteroposterior jaw relationship. Am J Orthod, v. 91 , n. 2, p. 117-122, Feb. 1987.
5. DOWNS, W. B. Variations in facial relationships: their significance in treatment and prognosis. Am J Orthod, St. Louis, v. 34, n. 10, p. 812-840, Oct. 1948.
6. DOWNS, W. B. The role of cephalometrics in orthodontic case analysis and diagnosis. Am J Orthod, St. Louis, v. 38, n. 3, p. 162-182, Mar. 1952.
7. FERRAZZINI, G. Critical evaluation of the ANB angle. Am J Orthod, St. Louis, v. 69, n. 6, p. 620-626, June 1976.
8. FREEMAN, R. S. A radiographic method of analysis of the relation of the structures of the lower face to each other and to the occlusal plane of the teeth. 1950. Tese (Master of Science) - Northwestern University Dental School, Chicago.
9. HURMERINTA, K.; RAHKAMO, A.; HAAVIKKO, K. Comparison between cephalometric classification methods for sagittal jaw relationships. Eur J Oral Sci, Copenhagen, v. 105, n. 3, p. 221-227, 1997.
10. INTERLANDI, S. A new plane of reference for direct cephalograms. 1963. 51 f. Tese (Master thesis). Saint Louis University, Saint Louis.
11. INTERLANDI, S.; SATO-TSUJI, A. As bases cefalométricas da Projeção USP (“ProjUSP”) na relação sagital dos maxilares. In: ______. Ortodontia: bases para a iniciação. São Paulo: Artes Médicas, 1999. cap. 14, p. 224-237.
12. IWASAKI, H.; ISHIKAWA, H.; CHOWDHURY, L.; NAKAMURA, S.; LIDA, J. Properties of the ANB angle and the Wits appraisal in the skeletal estimation of Angle’s Class III patients. Eur J Orthod, London, v. 24, n. 5, p. 477-483, 2002.

13. JACOBSON, A. The ¨Wits¨appraisal of jaw disharmony. Am J Orthod, St. Louis, v. 67, n. 2, p. 125-138, Feb. 1975.


14. JACOBSON, A. Application of the ¨Wits¨appraisal. Am J Orthod, St. Louis, v. 20, p. 179-189, Aug. 1976.
15. JACOBSON, A. Up date on the ¨Wits¨appraisal. Angle Orthod, St. Louis v. 58, n. , p. 205-218, July 1988.
16. JUDY, D. L.; FARMAN, A. G.; SILVEIRA, A. M.; YANCEY, J. M.; REGENNITTER, F. J.; SCARFE, W. C. Longitudinal predictability of AF-BF value in Angle class I patients. Angle Orthod, New York, v. 65, n. 5, p. 359-365, 1995.
17. KASE, M.; ANDRADE, E. L. Relação ântero-posterior das bases apicais: maxila e mandíbula. Rev Paul Odontol, São Paulo, ano 23, v. 4, p. 32-36, jul./ago. 2001.
18. KIM, Y. E.; NANDA, R. S.; SINHA, P. K. Transition of molar relationship in different skeletal growth patterns. Am J Orthod, St. Louis, v. 121, n. 3, p. 280-290, Mar. 2002.
19. LINO, A. P. Ortodontia preventiva básica. São Paulo: Artes Médicas, 1990. p. 19-23.
20. LINO, A. P. Análise cefalométrica de referência incisal superior. In: SOUZA, L. C. M. Cirurgia ortognática e ortodontia. São Paulo: Editora Santos, 1998. p. 67-77.
21. OKTAY, H. A comparison of ANB, WITS, AF-BF, and ADPI measurements. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 99, n. 2, p. 122-128, Feb. 1991.
22. RIEDEL, R. A. A cephalometric roentgenographic study of the relation of the maxilla and associated parts to the cranial base in normal and malocclusion of the teeth. 1948. Tese (Master of Science) - Northwestern University Dental School, Chicago.
23. SALZMANN, J. A. The research workshop on cephalometrics. Am J Orthod, St. Louis, v. 46, n. 11, p. 834-847, Nov. 1960.
24. SATO-TSUJI, A. M. Avaliação da projeção USP, uma nova dimensão cefalométrica de interesse ortodôntico. Tese (Mestrado) – Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo.
25. SO, L. L.; DAVIS, P. J.; KING, N. M. “Wits” appraisal in southern Chinese children. Angle Orthod, New York, v. 60, n. 1, p. 43-48, 1990.
26. WALKER, G. F.; KOWALSKI, C. J. The distribution of the ANB angle in ¨normal¨ individuais. Angle Orthod, New York, v. 41, n. 4, p. 332-335, Oct. 1971.
26. YANG, S. D.; SUHR, C.H. F-H to AB plane angle (FABA) for assessment of anteroposterior jaw relationships. Angle Orthod, New York, v. 65, n. 3, p. 223-232, 1995.



* De acordo com NBR6023:2002. Abreviatura de periódicos segundo Bases de Dados MEDLINE.






©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal