Esgotos sanitários



Baixar 12.32 Kb.
Encontro10.12.2017
Tamanho12.32 Kb.

ESGOTOS SANITÁRIOS




01) Características Físicas

As características mencionadas a seguir são parâmetros de relevância para o estudo dos esgotos sanitários.

a) Teor de matéria sólida;
b) Temperatura;
c) Odor;
d) Cor;
e) Turbidez.

a) O teor de matéria sólida é o de maior importância em termos de dimensionamento e controle da operação das unidades de tratamento. Os esgotos domésticos apresentam em média 0,08% de matéria sólida e 99,92% de água. A matéria sólida total do esgoto pode ser definida como a matéria que permanece como resíduo após evaporação a 1030C.

b) A temperatura dos esgotos é, em geral, pouco superior à das águas de abastecimento, pela contribuição de despejos domésticos que tiveram suas águas aquecidas. Normalmente, a temperatura dos esgotos está acima da temperatura do ar, à exceção dos meses mais quentes do verão, sendo típica a faixa de 20 a 25ºC.

c) Os odores característicos dos esgotos são causados pelos gases formados no processo de decomposição. Há dois tipos de odores bem característicos:


* odor de mofo, razoavelmente suportável, típico de esgoto fresco;
* odor de ovo podre, "insuportável", típico de esgoto velho ou séptico, que ocorre devido à formação de gás sulfídrico proveniente da decomposição do lodo contido nos despejos;
Quando ocorrem odores diferentes e específicos, o fato se deve à presença de despejos industriais.

d) A cor e a turbidez indicam de imediato, e aproximadamente, o estado de decomposição do esgoto, ou sua "condição". A cor acinzentada é típica de esgoto fresco. A cor preta é típica de esgoto velho e de uma decomposição parcial. Se os esgotos apresentarem outras cores, pode estar caracterizada a presença de esgotos industriais.


A turbidez pode ser relacionada à concentração de sólidos em suspensão.

02) Características Químicas

A origem dos esgotos permite classificar as características químicas em dois grandes grupos:


a) da matéria orgânica;
b) da matéria inorgânica.

  1. Cerca de 70% dos sólidos no esgoto médio são de origem orgânica.

Geralmente, estes compostos orgânicos são uma combinação de carbono, hidrogênio, oxigênio, algumas vezes com nitrogênio. Os grupos de substâncias orgânicas nos esgotos são constituídos principalmente por:
* compostos de proteínas (40 a 60%)
* carboidratos (25 a 50%)
* gordura e óleos (10%)
* uréia, surfatantes, fenóis, pesticidas, etc.

b) A matéria inorgânica contida nos esgotos é formada, principalmente pela presença de areia e de substâncias minerais dissolvidas. A areia é proveniente de água de lavagem de ruas e de águas do subsolo, que chegam às galerias de modo indevido ou se infiltram através das juntas das canalizações.



03) Características Biológicas

Os principais organismos encontrados nos rios e nos esgotos são as bactérias, os fungos, os protozoários, os vírus, as algas e os grupos de plantas e de animais.

As bactérias constituem talvez o elemento mais importante deste grupo de organismos, responsáveis que são pela decomposição e estabilização da matéria orgânica. Há vários organismos cuja presença num corpo d'água indica uma forma qualquer de poluição. Usa-se adotar os organismos do grupo coliforme como indicadores de poluição. As bactérias coliformes são típicas do intestino do homem e de outros animais de sangue quente (mamíferos em geral), e justamente por estarem sempre presentes no excremento humano (100 a 400 bilhões de coliformes/habitante. dia) e serem de simples determinação, são adotadas como referência para indicar e medir a grandeza da poluição.

SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS


Um sistema de esgotos sanitários é constituído das seguintes unidades:

01. Rede Coletora


02. Interceptores
03. Emissário
04. Elevatórias de Esgoto
05. Estação de Tratamento de Esgotos
06. Emissário Final

DESCRIÇÃO DAS UNIDADES COMPONENTES


01. Rede Coletora: Trata-se das tubulações que recebem os esgotos gerados nas residências, estabelecimentos comerciais e industriais, etc. É implantada sob via pública ou passeios, sendo dotada de poços de visita, para inspeção e introdução de equipamentos de limpeza. Há predominância na utilização de tubulações de 150mm.

02. Interceptores: São tubulações implantadas ao longo dos cursos d'água, que têm as funções de receber os esgotos coletados pelas redes coletoras e conduzi-los ao emissário ou diretamente às estações de tratamento. São assim denominados por interceptar ou impedir que os efluentes das redes coletoras sejam lançados nos rios ou córregos sem tratamento.

03. Emissário: tubulação que conduz os esgotos dos interceptores à Estação de Tratamento.

04. Elevatórias de Esgoto: São estações de recalque concebidas para bombear os esgotos de uma cota inferior para pontos mais elevados. Faz-se necessário implantá-las nos bairros situados em cota mais baixa, com a finalidade de conduzir os esgotos para a Estação de Tratamento de Esgotos ou mesmo para redes coletoras.



05. Estação de Tratamento de Esgotos: destina-se à depuração dos esgotos produzidos na cidade. Existem vários processos de tratamento a serem selecionados em função dos seguintes fatores: tamanho da população, condições climáticas da região, área disponível para a estação, grau de poluição dos esgotos, porte do corpo receptor, etc.

06. Emissário Final: Canalização que conduz os efluentes da Estação de Tratamento de Esgotos, já despoluídos, ao corpo receptor, que pode ser córrego, rio, lago, etc.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal