Ementa das disciplinas do mestrado em ciências da saúDE



Baixar 122.44 Kb.
Encontro14.08.2019
Tamanho122.44 Kb.

Universidade Federal de Mato Grosso


Faculdade de Medicina

Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Ciências da Saúde



EMENTA DAS DISCIPLINAS DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

Disciplina

Ementa

Princípios de Bioestatística
60h – 4 Créditos (teórica)

(obrigatória)

Código: 9171026

Prof. Responsável – Cor Jesus Fernandes Fontes


  • Análise exploratória de dados: noções sobre dados, fontes dos dados, apresentação dos dados e construção de banco de dados

  • Sumarizando dados contínuos através de medidas de tendência central, de posição e de dispersão.

  • População e Amostra.

  • Noções de probabilidades e distribuição normal.

  • Assimetria e curtose.

  • Inferência estatística: estimação e teste de hipóteses.

  • Testes estatísticos para comparação de dados categóricos

  • Testes estatísticos para comparação de dados contínuos

(Avaliação por meio exercícios em classe com peso 4 e duas

provas escritas de peso 6)
Bibliografia


  • Moore D. A Estatística Básica e sua Prática – (Tradução de Alfredo Alves de Faria) LTC Editora

  • Introdução à Estatística Médica – José Francisco Soares e Arminda Lucia Siqueira, 2ª Ed, CoopMed, Minas Gerais.

  • Jekel, Elmore e Kats. Epidemiologia, Bioestatística e Medicina Preventiva. Artmed, Porto Alegre, 1999.

  • Callegari - Jacques SM. Bioestatística: princípios e aplicações. ArtMed, 2009.

  • Bergamaschi DP. Apostila de Bioestatística.




Introdução à Epidemiologia

60h – 4 Créditos (teórica)



(obrigatória)

Código: 9171027


Prof. Responsável – Francisco José Dutra Souto (45 h) e Cor Jesus Fernandes Fontes (15h)

  • Utilização correta da terminologia e conceitos básicos da epidemiologia

  • Cálculo e interpretação das principais medidas de freqüência de doenças

  • Cálculo e interpretação dos principais indicadores de saúde pública, utilizando as medidas de freqüência de doenças.

  • Análise e interpretação de estudos de validação e confiabilidade dos testes diagnósticos.

  • Desenho e implementação dos diferentes métodos de estudos epidemiológicos.

  • Cálculo e interpretação das principais medidas de associação em epidemiologia

  • Validade e causalidade dos resultados dos estudos epidemiológicos

(Avaliação por meio exercícios em classe com peso 4 e duas

provas escritas de peso 6)
Bibliografia


  • Pereira, M. Epidemiologia-Teoria e Pratica. Guanabara Koogan, 2000.

  • Organização Panamericana da Saúde: Métodos de investigação epidemiológica em doenças transmissíveis, OPAS, 1997

  • Medronho RA, Bloch KV, Luiz RR, Werneck GL. Epidemiologia. 2a ed. Atheneu, São Paulo.

  • Beaglehole, E. Epidemiologia Básica. São Paulo: Santos Editora, 1996. Armenian HK & Shapiro S.

  • Kelsey JL, Whittemore AS, Evans AS & Thompson WD. Methods in observational epidemiology. 2nd ed. New York: Oxford University Press, 1996.

  • Rothman KJ, Greenland S. Modern epidemiology. 2. Ed. Philadelphia: Lippincot-Raven Publishers, 1998.

  • Katz DL. Epidemiologia, Bioestatística e Medicina Preventiva. Rio de Janeiro: Revinter, 2001







Planejamento de Pesquisa

45h – 3 Créditos (teórica)



(obrigatória)

Código: 9171028

Prof. Responsável – Amílcar Sabino Damazo


  • Formulação de projetos de pesquisa, baseados e voltados para a obtenção de resposta à pergunta formulada.

  • Utilização dos recursos eletrônicos atualmente disponíveis para a tabulação e análise de dados.

  • Conhecimento da legislação vigente sobre ética em pesquisa com seres humanos e animais.

  • Uso dos portais Scielo, Lilacs e PubMed para acesso às informações científicas em saúde.

  • Uso do Portal Periódicos Capes para obtenção de textos completos em ciências da saúde.

  • Utilização das recomendações da ABNT e Vancouver para apresentação de textos científicos, resultados e referências bibliográficas.

  • Conhecimento dos atuais conceitos em cienciometria: avaliação Qualis, Fator de Impacto e Índice de Citação.

(Avaliação por meio de duas provas escritas, valendo 10 pontos)
Bibliografia


  • Saul Goldenberg; Carlos Alberto Guimarães; Aldemar Elaboração e Apresentação de Comunicação Científica, http://www.metodologia.org, São Paulo, 2002



Método Epidemiológico em Doenças Infecciosas

30 h – 2 créditos (teórico)

Código: 9171021

(Optativa apenas para a área de concentração: Doenças Infecciosas e Parasitárias)

Professores Responsáveis: Rosane Christine Hahn, Cor Jesus Fernandes Fontes, Francisco José Dutra Souto, Alexandre, Renata Dezengrini, Deijanira Alves, Valéria Dutra e Carmen Lucia


  • A distribuição dos agravos de saúde na população

  • Aspectos biológicos, fisiopatológicos e diagnósticos das principais endemias regionais: Malária, Leishmanioses, Tuberculose, Hepatites virais, SIDA, Paracoccidioidomicose, Hanseníase

  • Situação epidemiológica e Controle das endemias regionais: Malária, Leishmanioses, Tuberculose, Hepatites virais, SIDA, Paracoccidioidomicose, Hanseníase

  • Interpretação de resultados de estudos epidemiológicos para a investigações das doenças infecciosas na população

(Avaliação por meio de dois seminários apresentados pelo aluno,

valendo 10 pontos)
Bibliografia


  • Mandell; Douglas; Bennet – Principles and Practice of Infectious. Wiley Medical. Publ, 3rd ed., 1995, New York.

  • Veonesi – Doenças Infecciosas e Parasitárias. Ed. Guanabara, 1997, Rio de Janeiro

  • Giesecke, J. Modern Infectious Disease Epidemiology. Edward Arnald, London, 1994

  • Souto; Fontes – Estudos de soroprevalência das hepatites virais: da necessidade à execução. Revista Médica de Minas Gerais 6(2): 74-49,1996.

  • Krettli, A; Fontes, CJ – Malária. Ciência Hoje 1196

  • Manual da FNS. Controle da Malária. 1997

  • Rumjanek, FD – Introdução à Biologia Molecular. Vol. I . âmbito Cultural Edições. 2001. Rio de Janeiro.



Avanços em nutrição Clínica

45 h – 3 créditos (Teórica)

Código: 9171022

(Optativa apenas para a área de concentração: Cirurgia, Nutrição e Metabolismo)

Prof. Responsável: José Eduardo Aguilar Nascimento



  • Avaliação e Triagem do Estado Nutricional

  • Nutrição peri-operatória

  • Resposta metabólica ao trauma

  • Glutamina e suas aplicações

  • Ácido Graxo Omega -3 – Evidencias para seu uso em terapia nutricional

  • EMTN

  • Terapia nutricional do doente crítico

  • Doença intestinal inflamatória

  • Terapia nutricional em fístulas digestivas

  • Terapia nutricional nas pancreatites

  • Terapia nutricional no câncer

  • Terapia Nutricional Enteral

  • Terapia Nutricional Parenteral

. (Avaliação por meio de duas provas escritas, valendo 10 pontos)
Bibliografia


  • Aguiar, E. R.; Brandão, M. R.; Boente, P. C. Podem os suplementos nutricionais específicos melhorar a eficácia da terapia anti-câncer? Rev. Br. Nutr. Clin., 12 (2): 60-5, 1997.

  • Aguilar-Nascimento, J. E.; França-da-Silva, L. R.; Oliveira, A. F. and Gomes-da-Silva, M. H. Enhanced mucosal re-epithelialization induced by short chain fatty acids in experimental colitis. Braz. J Med. Biol. Res., 32 (8): 961-6, 1999.

  • Aguilar-Nascimento, J. E.; Gaíva Gomes-da-Silva, M. H.; Caporossi, C.; Serra, M. C.; Gogolevsky, W.; Freire, E. L. Implicações da desnutrição em cirurgia. Rev. Col. Br. Cir., 18 (5): 193-7, 1991.

  • Aguilar-Nascimento, J. E.; Garcia, A ; Lima, S. A ; Pereira, C. C. Effect of an elemental diet on the mechanical resistance and morphology of the colon in rats. Nutrition, 14 (3): 287-90, 1997.

  • Aguilar-Nascimento, J. E.; Salomão, A. B.; Klein, E.; Figueiredo, P. R. V.; Gaíva Gomes-da-Silva, M. H. Modificações morfométricas e do conteúdo protéico na obstrução experimental do cólon esquerdo. Rev. Col. Bras. Cir., 28 (1): 48-55, 2001.

  • Andoh, A., Bamba, T.; Sasaki, M. Physiological and anti-inflamatory roles of dietary fiber and butyrate in intestinal functions. J. Parent. Ent. Nutr., 23: S70-S73, 1999.

  • Anup, R. & Balasubramanlan, A. Surgical Stress and Gastrointestinal Tract. J. Surg. Res., 92: 291-300, 2000.

  • Araújo, R. A C. & Araújo, W. M. C. Fibras alimentares. Rev. Br. Nutr. Clin., 13 (3): 201-9, 1998.

  • Baxter, Y. C.; Cecconello, I.; Pinotti, H. W. Nutrição enteral domiciliar: introdução e bases técnicas. Rev. Br. Nutr. Clin., 12 (1): 8-16, 1997.



Metabolismo

30 h – 2 créditos (Teórica)

Código: 9171058

(Optativa)

Prof. Responsável: Cláudia Balbitoni


  • Estudo de temas gerais relacionados à Nutrição e Metabolismo, permitindo ao aluno a atualização de temas atuais e o aprendizado de métodos e técnicas relevantes para a área.

  • Métodos para determinação da função da célula beta pancreática e da sensibilidade periférica à insulina.

  • Técnicas de biologia molecular para quantificação de proteínas, DNA, RNA mensageiro e atividade de ligação de genes aos seus promotores.

  • Métodos para avaliar as vias do metabolismo de lipídios em tecido adiposo (in vivo e in vitro).

  • Métodos para avaliar as vias do metabolismo de carboidratos em tecidos (in vivo e in vitro).

  • Controle nutricional do metabolismo lipídico.

  • Resistência à insulina e esteatose hepática.

  • Função pancreática e metabolismo na prenhez e na lactação.

  • Associação entre deficiências nutricionais em fases críticas do desenvolvimento e doenças metabólicas na vida adulta.

. (Avaliação por meio de seminários e prova teórica)

Bibliografia



  • PRINCÍPIOS DE BIOQUÍMICA / LEHNINGER / COX

  • Manual de bioquímica com correlações clínicas - Thomas M. Devlin

  • Bioquímica - Voet, Donald; Voet, Judith G.

  • BIOQUÍMICA / Campbell, Mary K. -

Fundamentos de Bioquímica Experimental

(Teórica –20h e Prática 25h)

45h – 3 créditos

Código:


(Optativa apenas para alunos vinculados à linha de pesquisa Nutrição e Metabolismo, da área de concentração: Cirurgia, Nutrição e Metabolismo)

Prof. Responsável: Nair Honda




  • Procedimento experimentais

  • Preparação de soluções

  • Técnicas Bioquímicas e aplicações na pesquisa

- Emprego de atividades experimentais, aulas expositivas e seminários.


Bibliografia


  • BRACHT, Adelar; ISHII-IWAMOTO, Emy Luiza. Métodos de laboratório em Bioquímica. Barueri-SP. Manole, 2003

  • SWITZER, Robert; GARRITY, L. Experimental Biochemistry. Theory and exercises in fundamental methods. 3ª edition.

  • COMPRY-NARDY, Mariane. Práticas de laboratório em bioquímica e biofísica - uma visão integrada. GEN, 2009.

  • WILSON, Keith; WALKER, John. Principles and Techniques of Biochemistry and Molecular Biology . 6th. Ed. University of Hertfordshire, 2005.




Métodos em Farmacologia

75 h – 5 créditos (Teórica – 25h e Prática 50h)

Código: 9171030

(Optativa apenas para a área de Farmacologia)



Prof. Responsável: Domingos Tabajara Oliveira Martins


  • Montagem de várias preparações de uso corrente em Farmacologia com ênfase para as metodologias empregadas de rotina nos laboratórios;

  • A partir dos resultados será feita a obtenção de parâmetros farmacológicos, discussão sobre vantagens e limitações de cada metodologia, bem como conceitos farmacológicos e estatísticos que possam ser visualizados nestes experimentos;

  • Desenvolvimento do pensamento crítico em bioensaio;

  • Emprego de programas de gráficos e elaboração de relatórios;

  • Apresentação de seminários relacionados as metodologias empregadas.

. (Avaliação por meio de seminários, provas prática e teórica,, valendo 10 pontos)

Bibliografia



  • H. P. Rang, M. M. Dale, J. M. Ritter Farmacologia : Editora Guanabara Koogan S.A. 4ed. - Ano: 2001

  • Clive P. Page Farmacologia Integrada Editora Manole Ltda 1a Ed, 1999

  • Batlouni, Michel Farmacologia e Terapeutica Cardiovascular / ATHENEU

  • Ana Beatriz C. B. Destruti, Evanisa Maria Arone, Maria Lucia dos Santos Philippi. Cálculos e Conceitos em Farmacologia

  • Editora Senac São Paulo Edição: 2a - Ano: 2001

  • FERREIRA, S. H. - Medicamentos a partir de plantas medicinais no Brasil. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1998.CORBETT, C.E. Farmacodinâmica, Guanabara koogan

  • F. Fuchs Farmacologia Clínica Editora Guanabara Koogan S.A. 3a Ed, 2000

  • GILMAN, A. G.;GOOMAN,L.S.; RALL, T. W.; MURAD,F. As bases Farmacologicas da terapêutica. 10ed. Editora

  • Guanabara, 1999.

  • KALANT, H.; ROSCHLAU, W.H.E.Princípios de farmacologia médica. Guanabara Koogan.

  • KATZUNG, B. G. Farmacologia Básica e Clínica. 6ed. Guanabara Koogan S. A. Rio de Janeiro, RJ, 1996.

  • Pharmacology Churchill Livingstone 8a Ed, 1997

  • ANDREJUS KOROLKOVAS & JOSEPH H. BURCKHALTER Química Farmacêutica Guanabara Koogan

  • COSTA, ALOISIO FERNANDES FARMACOGNOSIA, V.3 CALOUSTE GULBENKIAN,2001

  • 13. BRUNETON, J ELEMENTOS DE FITOQUIMICA Y DE FARMACOGNOSIA (em ESPANHOL) ACRIBIA (ESPANHA)

  • (1991)

  • 14. SIMÕES, C.M.O.; SCHENKEL, E.P.; GOSMANN, G.; MELLO, J.C.P.; MENTZ, L.A.; PETROVICK, P.R. (Org.)

  • Farmacognosia: da planta ao medicamento. 4.ed. Porto Alegre: UFRGS, Florianópolis: UFSC, 2002. 821 p. ISBN

  • 85-7025-479-2

  • 15. TESKE, MAGRID; TRENTINI, ANNY MARGALY. Herbarium Compêndio de Fitoterapia,

  • 2ª edição. Curitiba:Herbarium Laboratório Botânico, 1995.

  • 16. SALLÉ, JEAN-LUC. O Totum em Fitoterapia, 1ª edição. ão Paulo: Robe

  • Editorial, 1996.


Tópicos Avançados em Farmacologia da Dor e Inflamação

45 h – 3 créditos (Teórica)

Código: 9171023

(Optativa apenas para a área de Farmacologia)



Prof. Responsável: Amílcar Sabino Damazo

  • Apresentação e discussão de trabalhos científicos relacionados ao processo inflamatório e dor, publicados em periódicos indexados;

  • Apresentação de resultados originais sob forma de seminários seguidos de debates;

  • Seminários de atualização e revisão.

. (Avaliação por meio de seminários, valendo 10 pontos)
Bibliografia


  • Apoptosis and Inflammation J. D. Winkler (Editor) / Hardcover / Birkhauser Verlag / July 1999 SPRINGER-VERLAG NY

  • Inflammation: Henry O. Trowbridge,Robert C. Emling,Robert C. Emling / Paperback / Quintessence Pub. Co. / March 1997

  • Inflammation: John I. Gallin,Barton F. Haynes (Editor),Ralph Snyderman (Editor) / Hardcover / Lippincott-Raven Publishers/ April 1999 LIPPINCOTT WILLIAMS

  • MEDICINAL FATTY ACIDS IN INFLAMMATION SPRINGER-VERLAG SPRINGER-VERLAG NY Physiology of Inflammation Klaus Ley (Editor) / Hardcover / Oxford University Press, Incorporated / November 2000 OXFORD USA TRADE

  • WINTER,C.A. and PORTER,C.C.- Effect of alterations in side chain upon anti-inflammatory and liver glycogen activities ofhydrocorticosterone esters. J. Amer. Pharm. Ass., 45: 515-519, 1957.

  • Control of non-malignant chronic pain conditions in Japan and the possible future role of tramadol. Eur J Pain. 2001;5Suppl A:87-9. Review.

  • AKUBE, P.I. & STOHS, S.J. - Endrin-induced production of nitric oxide by rat peritoneal macrophages. Toxicol. Lett.,62(2-3): 311-6, 1992.

  • ARAI, I.; MURAMATSU, M.; AIHARA, H. - Body temperature dependency of gastric regional blood flow, acid secretion andulcer formation in restraint and water-immersion stressed rats. Jpn. J. Pharmacol., 40: 501-4, 1986.

  • BHATTACHARYA, S. K & DAS, N.-Effect of central prostaglandins on carrageenin-induced pedal inflammation in rats. J.

  • Pharm. Pharmacol., 36: 766-767,1884.

  • BLACK, J.W.; DUNCAN, W.A.M.; DURANT, C.J.; GANELLIN, C.R.; PARSONS, E.M. - Definition and antagonism of histamine H2 receptors. Nature, 236: 385-390, 1972.

  • Carlson, R.P., OlNeill-Davis, L., Chang, J., Lewis, A.J., 1985. Modulation of mouse ear edema by cyclooxygenase and lipoxygenase inhibitor and other pharmacologic agents. Agents and actions 17, 197-204.

  • DAMAS. J, VOLON, G. Inhibition of carrageenan edema by carrageenan itself. C R Seances Soc Biol Fil 173(3): 637-43,1979.

  • DAMAS. J, VOLON, G. Inhibition of carrageenan edema by carrageenan itself. C R Seances Soc Biol Fil 173(3): 637-43,1979.

  • Di Rosa, M., Willoughby, D.A., 1971. Screens for anti-inflammatory drugs. Journal of Pharmacy and Pharmacology 23, 297-298.

  • DUGGAN, J.M.; DOBSON, A.J.; JOHNSON, H.; FAHEY, P. Peptic ulcer and non-steroidal anti-inflammatory agents. Gut., 27: 929-33, 1986.

  • Gouret, C., Mocquet, G., and Raynaud, G. (1976). Use of Freund's adjuvant arthritis test in anti-inflammatory drug screening in the rat: Value of animal selection and preparation at the breeding center. Lab. Animal. Sci. 26, 281-287.

  • HIGSS, G. A.; EAKINS, K E.; MUGRIDGE, K. G.; MONCADA, S.; VANE, J. R.- The effects of nonsteroid anti-inflammatory drugs on leukocyte migration in carrageenin-induced inflammation. Eur. J. Pharmacol., 66: 81-86, 1980.

  • HUNSKAAR, S., FASMER, O.B., HOLE, K., 1985. Formalin test in mice, a useful technique for evaluating mild analgesics. Journal of Neuroscience and Methods 14, 69-76

Tópicos Avançados em Farmacologia da Úlcera Gastrointestinal

45 h – 3 créditos (Teórica)

Código: 9171024

(Optativa apenas para a área de Farmacologia)



Prof. Responsável: Domingos Tabajara Oliveira Martins

  • Apresentação e discussão de trabalhos científicos relacionados a úlcera gastrointestinal, publicados em periódicos indexados;

  • Apresentação de resultados originais sob forma de seminários seguidos de debates;

  • Seminários de atualização e revisão.

. (Avaliação por meio de seminários, valendo 10 pontos)

Bibliografia


  • DANI, RENATO - CASTRO, LUIZ DE PAULA GASTROENTEROLOGIA CLÍNICA 3ª edição.1993

  • Vilela, Moacyr Padua Gastroenterologia & Hepatologia / ATHENEU

  • MILLER, D.R. - Treatment of nonsteroidal anti-inflammatory drug-induced gastropathy. Clin. Pharm., 11(8):690-704, 1992

  • HAUG, T.T.; WILHELMSEN, I.; BERSTAND, A.; URSIN, H. - Life events and stress in patients with functional dyspepsia compared with patients with duodenal ulcer and healthy controls. Scand J. Gastroenterol., 30: 524-530, 1995.

  • KATO, HIRATO, T, TAKEUCHI, K. Nitric oxide, prostaglandin, and seusory neurons in gastric mucosal blood flow response during acid secretion in rats. Gen 28(4):513-519, 1997.

  • CORNE, S.J.; MORRISSEY, S.M.; WOODS, R.J. - A method for the quantitative estimation of gastric barrier mucus. J. Physiol., 242: 116-117, 1974.

  • AINLEY, C.C.; FORGACS, I.C.; KEELING, P.W.N.; THOMPSON, R.P.H. - Outpatient endoscopic survey of smoking and peptic ulcer. Gut, 27: 648-51, 1986.

  • CORNE, S.J.; MORRISSEY, S.M.; WOODS, R.J. - A method for the quantitative estimation of gastric barrier mucus. J. Physiol., 242: 116-117, 1974.

  • DJANANGUIRI, B. - The production of acute ulceration by indomethacin in the rat. Scand J. Gastroent., 4: 265-267,1969.

  • HAUG, T.T.; WILHELMSEN, I.; BERSTAND, A.; URSIN, H. - Life events and stress in patients with functional dyspepsia compared with patients with duodenal ulcer and healthy controls. Scand J. Gastroenterol., 30: 524-530, 1995.

  • KRAWISZ,J.E., SHARON, P.,STENSON,W.F. Quantitative assay for acute intestinal inflammation based on myeloperoxidase activity. Gastroenterology87:1344-1350, 1984.

  • MILLER, D.R. - Treatment of nonsteroidal anti-inflammatory drug-induced gastropathy. Clin. Pharm., 11(8):690-704, 1992.

  • NEWBOULD, B. B. (1963). Chemotherapy of arthritis induced in rats by mycobacterial adjuvant. Brit. J. Pharmacol. 21, 127-136.

  • ROBERT, A.; NEZAMIS, J.E.; LANCASTER,C. HAUCHAR,A.J. Cytoprotection by prostaglandin in rats. Prevention of gastric necrosis produced by alcohol, Hcl, NaOH, hypertonic NaCl and thermal injuryl. Gastroenterology, 77:433-443, 1979.

  • SCHLESINGER, P.K.; ROBINSON, B.; LAYDEN, T.J. - Epidemiology consideration in peptic ulcer disease. J. Assoc. Acad. Minor. Phys., 3(3):70-77, 1992.

  • SCHLESINGER, P.K.; ROBINSON, B.; LAYDEN, T.J. - Epidemiology consideration in peptic ulcer disease. J. Assoc. Acad. Minor. Phys., 3(3):70-77, 1992.

  • SEDLAK, J. & LINSAY, R. H. Estimation of total protein bound and nonprotein sulfhydril groups in tissues with Ellman'sreagent. Anal. Biochem., 25: 195-205, 1988.

Farmacoepidemiologia

60 h – 4 créditos (Teórica)



Código: 9171029

(optativa apenas para a área de Concentração: Farmacologia)

Prof. Responsável: Domingos Tabajara Oliveira Martins

  • Conceituação da farmacoepidemiologia;

  • Conhecimento sobre a política de medicamentos em Saúde Pública;

  • Interpretação dos testes estatísticos em farmacologia;

  • Delineamento dos estudos em farmcaoepidemiologia;

  • Compreensão do delineamento dos ensaios clínicos em farmacoepidemiologia;

  • Noções sobre a farmacovigilância;

  • Noções sobre as normas e rotinas sobre a utilização de medicamentos e abuso de drogas psicotrópicas.

. (Avaliação por meio de seminários e prova teórica,, valendo 10 pontos)

Bibliografia


  • Arnau JM, Vallano A, Artigas R, Vallès JA, Agustí E, Colomé E, et al. La investigación sobre la utilización de medicamentos en atención primaria en revistas nacionales. Atencion Primaria 1991; 11: 932-6.

  • Aguiar PV. Bioestatística: Manual de Apoio, FML, 2001.

  • Bonfim, J.R.A & Mercucci, V (Org.), 1997. A construção da política de medicamentos. São Paulo: Hucitec - Sobravime.

  • Brasil. Lei nº 6360, de 23 de setembro de 1976. Dispõe sobre a Vigilância a que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos, correlatos, cosméticos e saneantes. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 24 set. 1976.

  • Brasil. Decreto nº 79094/PR, de 05 de janeiro de 1977. Regulamenta a Lei nº 6360/76. Dispõe sobre o controle sanitário de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 07 jan. 1977.

  • Brasil. Lei nº 8080/90, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação de saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 20 set. 1990.

  • Brasil. Portaria nº 83/SVS, de 30 de setembro de 1994. Estabelece a norma para renovação de registro de medicamentos.

  • Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 04 out. 1994.

  • Brasil. Portaria nº 40/SVS, de 09 de maio de 1995. Institui Comissão visando propor um Sistema Nacional de Farmacoepidemiologia. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 10 mai. 1995.

  • Brasil. Resolução 300/CFF, de 30 de janeiro de 1997. Regulamenta o exercício profissional em Farmácia e unidade hospitalar, clínicas e casa de saúde de natureza pública ou privada e revoga a Resolução n. 208/90. Diário Oficial (da

  • República Federativa do Brasil), Brasília, 18 fev. 1997. Brasil. Portaria nº 3916/MS/GM, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Diário Oficial (da

  • República Federativa do Brasil), Brasília, 10 nov. 1998. Brasil. Portaria nº 06, de 29 de janeiro de 1999. Aprova a Instrução Normativa da Portaria nº 344 SVS/MS, de 12 de maio de

  • 1998, que institui o Regulamento Técnico das substâncias e medicamentos, sujeitos a controle especial. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 01 fev. 1999.

  • Brasil. Resolução nº 328/MS/ANVS, de 22 de julho de 1999. Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 26 jul. 1999.

  • Brasil. Resolução nº 33/MS/ANVS, de 19 de abril de 2000. Aprova o regulamento Técnico sobre Boas Práticas de Manipulação de Medicamentos em farmácias e seus Anexos. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 24 abr. 2000.

  • Brasil. Portaria nº 593/MS/ANVS, de 25 de agosto de 2000. Aprovação do regimento interno e quadro demonstrativo de cargos em comissões da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diário Oficial (da República Federativa do Brasil), Brasília, 22 dez. 2000.

  • Box, George E. P. Statistics for experimenters. An Introduction to Design, Data Analysis, and Model Building. Editor John Wiley & Sons, Inc Canada, 1978.

  • Brisbane, Toronto, Singapore 2000. Bakke OM, Cladellas XC, Alonso FG. Ensayos Clínicos com Medicamentos. Bland M. An Introduction to Medical Statistics. Oxford University Press. Oxford, New York 2000.

  • Cardoso, F.H., 1994. Mãos à Obra Brasil: proposta de governo. Brasília: s.ed. Castro, L. L. C. Fundamentos de Farmacoepidemiologia.2007. Centro de Estudios y Asesoria en Salud (CEAS-Equador). 1990. El Sistema de Suministro en los Programas Sociales de Medicamentos. Quito: Gráfica Alborada.

  • Central de Medicamentos, 1987. Medicamentos essenciais: medidas para assegurar o abastecimento interno. Brasília:CEME. Central de Medicamentos, 1987.

  • Medicamentos essenciais - Os caminhos da autonomia. Documento - proposta. Brasília:CEME. Central de Medicamentos, 1988. I Encontro Nacional de Assistência Farmacêutica e Política de Medicamentos. Relatório Final. Brasília: CEME.

  • Dukes, G. & Broun, D., 1994. Pharmaceutical Polices: Rationale and Design. Washington: World Bank (HRO Working

  • Papers). Dukes MNG. Drug Utilization Studies. Methods and Uses. Copenhagen 1993

  • Hogerzeil HV, Ros-Degnan BD, Laing RO, et al. Field tests for rational drug use in twelve developing countries. Lancet 1993.342: 1408-10.




Tópicos avançados em reprodução humana

45 h – 3 créditos (Teórica)

Código: 9171035

(Optativa apenas para a área de Reprodução Humana e Climatério)



Prof. Responsável: Sebastião Freitas de Medeiros.

  • Mecanismo do consumo folicular ovariano nas diferentes espécies;

  • Influência de fármacos e contaminantes ambientais na função ovariana;

  • Determinação da reserva ovariana;

  • Controle neuroendócrino da função ovariana;

  • Foliculogênese e esteroidogênese;

  • Ovulação;

  • O espermatozóide: controle de espermiogênese e espermatogênese;

  • Efeito dos medicamentos e poluentes ambientais sobre a qualidade dos gametas;

  • Perfil seminal através do tempo;

  • Função lútea;

  • Falência ovariana prematura.

(Avaliação por meio de seminários, valendo 10 pontos)
Bibliografia


  • Speroff l, Glass RH, Kase NG. Neuroendocrinologia. IN: Endocrinologia Ginecológica Clínica e Infertilidade. São Paulo. Ed Manole. P.59-102, 1991.

  • Knobil E, Neill D. The menstrual cycle and its neuroendocrine control. In: The physiology of eproduction. Hotchkiss, J, Knobil, E. New York, Raven Press. P. 711-49, 1994.

  • Dungan HM, Clefton DK, Steiner RA. Microreview: Kisspeptin neurons as central processors in the regulation of gonadotropin-releasing hormone secretion. Endocrinology. 147(3): 1154-8, 2006.

  • Halasz B, Kiss T, Molnar J. Regulation of the gonadotropin-releasing hormone (GnRH) neuronal system: Morphological aspects. J Steroid Biochem. 33(4B): 663-8. 1989.

  • Mais V, Kazer RR, Cetel NS, Rivier J, Vale W, Yen SSC. The dependency of folliculogenesis and corpus luteum function on pulsatile gonadotropin secretion in cycling women using a gonadotropin-releasing hormone antagonist as a prove. J Clin Endocrinol Metabol. 62(6)1250-63, 1986.

  • Fritz MA, Speroff L. The endocrinology of the menstrual cycle: The interaction of folliculogenesis and neuroendocrine mechanisms. Fertil Steril. 38(5): 509-35, 1982.

  • Stoffel-Wagner B. Neurosteroid biosynthesis in the human brain nd its clinical implication. Ann N Y Acad Sci. 1007(1): 64-78, 2003.

Biologia Molecular

45 h – 3 créditos (teórica)

Código: 9171025

(optativa para todas as areas de concentração)

Prof. Responsável: Carmen Lucia Bassi


  • História e Conceitos básicos de Biologia Molecular

  • Estrutura dos genomas

  • Estrutura e duplicação do DNA

  • RNA : transcrição, estrutura e processamento

  • Tradução e estrutura das proteínas

  • Regulação da expressão gênica

  • Técnicas de Biologia Molecular (teórico e prático)

  • Extração de ácidos nucléicos

  • Reação em cadeia da polimerase

  • Northern e Southern blot

  • Western blot, imunohistoquímica

  • Citogenética molecular

  • DNA microarrays, RNAi

(Avaliação por meio de duas provas escritas, valendo 10 pontos)
Bibliografia


  • Lodish H, Berk A, Zipursky SL, Masudaira P, Baltimore D, Darnell. Biologia Celular e Molecular, 4 ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

  • Alberts, Bruce; Johnson, Alexander; Lewis, Julian; Raff, Martin; Roberts, Keith; Walter, Peter. Biologia Molecular da Célula, 4 ed. Porto Alegre: Artmed,2002.

  • Brown, TA. Genomes, 2 ed. London, Garland Sciences,2002.

  • Strachan T, Read AP. Genética Molecular Humana, 1 ed. Porto Alegre: Artmed,2001.

  • Lehningher A, Nelson DL, Cox MM. Princípios de Bioquímica, São Paulo: Sarvier.

  • Lewin B. GenesVii, Porto Alegre: Artmed,2001.

Tarefa Especial/Atividade Programada

30h – 2 Créditos (Disciplina de Estágio)

Código: 9171018

(obrigatória para todas as áreas)

Prof. Responsáveis: Domingos Tabajara, Rosane, João Henrique Guntler Scatena, José Eduardo Aguilar e Sebastião Freitas


Aatividades realizadas pelos alunos, sob anuência do(a) orientador(a), de interesse da área de concentração e linha de pesquisa e aprovadas previamente pelo Colegiado de Curso, conforme se segue:

  • orientação e co-orientação de estudantes de graduação e pós-graduação lato sensu;

  • atividades didático-pedagógicas, excetuando-se as de docência já ministradas na graduação;

  • produção técnico-científica, exceto a dissertação;

  • participação em projetos de ensino, extensão e pesquisa, exceto o da dissertação;

  • organização, coordenação e participação de eventos científicos;

  • participação em comissões de trabalho e bancas examinadoras;

  • participação em mini-cursos, estágios supervisionados e treinamento técnico-científico.

(Avaliação da pertinência como tarefa especial é feita pelo

Colegiado do PPG)
Bibliografia

(não se aplica)



Elaboração da Dissertação I

75 h – 5 créditos (Disciplina de Estágio)

Código: 9171051

(obrigatória)

Prof. Responsáveis: Domingos Tabajara, Rosane, João Henrique Guntler Scatena, José Eduardo Aguilar e Sebastião Freitas


  • Elaboração de dissertação de mestrado, contendo Introdução, Objetivos, Metodologia, Resultados, Discussão e Referências Bibliográficas.

  • Elaboração de artigo científico apresentando os resultados (ou parte deles) da pesquisa desenvolvida.

(Avaliação é feita em sessão de qualificação, que recomenda ou não a dissertação para a defesa. Para a defesa é necessária a comprovação de já ter sumetido o artigo científico à um periódico com classificação mínima de Qualis A Nacional. A Banca examinadora da defesa fará a avaliação final do trabalho)

Elaboração da Dissertação II

75 h – 5 créditos (Disciplina de Estágio)

Código: 9171052

Prof. Responsáveis: Domingos Tabajara, Rosane, João Henrique Guntler Scatena, José Eduardo Aguilar e Sebastião Freitas




  • Elaboração de dissertação de mestrado, contendo Introdução, Objetivos, Metodologia, Resultados, Discussão e Referências Bibliográficas.

  • Elaboração de artigo científico apresentando os resultados (ou parte deles) da pesquisa desenvolvida.

(Avaliação é feita em sessão de qualificação, que recomenda ou não a dissertação para a defesa. Para a defesa é necessária a comprovação de já ter sumetido o artigo científico à um periódico com classificação mínima de Qualis A Nacional. A Banca examinadora da defesa fará a avaliação final do trabalho)

Cuiabá, 06 de setembro de 2011.



Prof. Dr. Amílcar Sabino Damazo

Coordenador de Programas de Pós-Graduação em Ciências da Saúde

Faculdade de Medicina –FM/UFMT










©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal