Elton flaubert de figueredo


O “caráter” do povo brasileiro: meio, raça e cultura



Baixar 0.93 Mb.
Página16/20
Encontro11.06.2018
Tamanho0.93 Mb.
1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   20

4.2. O “caráter” do povo brasileiro: meio, raça e cultura


Entremeados na construção teórica da sua obra, Romero empenha-se na reflexão de nossas singularidades. O que formou o Brasil? O que é o povo brasileiro? Qual o caráter do povo brasileiro? Em busca destas respostas, ele vai desbravar as disciplinas das ciências humanas, fundadas no mesmo século, desejando dar respostas objetivas, baseadas em fatos, documentos, guiados pela intuição crítica. Para alguns intérpretes de Sílvio, ele não pretendia propriamente uma síntese da cultura brasileira, mas buscava entender o país a partir das leis naturais e sociológicas, influenciado por seu tempo.

A partir desta chave, Romero apropria-se dos métodos da etnografia de sua época, tornando-se entre nós também um pioneiro da antropologia cultural. Segundo o próprio, as suas maiores referências, de onde se inspirou, vieram dos livros de etnógrafos de sua época: Taine, Renan, Max Muller, Gubernatais, Bréal, Gobineau.

Em 1875, o sergipano publica o livro Etnologia Selvagem, composto de um artigo sobre o livro de Couto Magalhães, publicado no semanário A Escola, e do artigo, o “caráter nacional”. Nele, Romero analisa a tese central de um livro de Couto Magalhães, que afirmava a existência de cruzamentos pré-históricos de nosso caboclo com alguma raça branca. Para Couto, principalmente, entre os que falavam o idioma tupi, não existindo nela vestígio do sânscrito como no quíchua, provando que a raça que lhe cruzou não foi a mesma dos incas e da América Central.

Romero elogia Couto Magalhães por romper com o misticismo indígena imposto pela literatura romântica, e pelo caráter científico do seu livro; mas, contesta as teses centrais do autor, que segundo ele estavam pouco de acordo com as novas metodologias científicas para refletir sobre a origem dos povos americanos, e sua classificação dentro dos quadros evolutivos.

O sergipano critica o fato de o índio ser visto de maneira exótica, lúdica e até grotesca pelo romantismo brasileiro, impedindo a intuição crítica e científica do tema. Assim, ele traça no início de sua argumentação uma linha crítica dos estudos indígenas até aquela época no país; que estavam em dissonância com as descobertas científicas americanas, para o qual, o índio era objeto da ciência, e não da poesia.

Romero reclama que falta ciência e modernidade a Couto Magalhães, que ainda encontra-se muito perto dos antigos terrenos românticos, pouco afeitos a métodos científicos, demonstrando a fragilidade da vida intelectual brasileira. Ele elogia a descrição geográfica objetiva, mesmo sem caráter original, rompendo com o idílio indianista dos românticos, na apresentação do livro de Couto. Ainda assim, segundo ele, “uma parte forte e vibrante, mas sem descoberta e originalidade”.

Contrapondo-se a tese central de Couto, Romero afirma que irá derruba-la a partir dos erros básicos, chegando a sua estrutura. Estes são os principais erros anotados por Sílvio: a) multiplicidade da língua ariana, b) peruanos não só são incas, mas estes eram o cume de diversos povos peruanos, como os quíchuas, os pirhuas, e os purhuas; c) existiam muitas diferenças entre os peruanos e os povos da América Central; d) dificuldade em provar os parentescos entre a língua tupi e as línguas indo-germânicas e as semíticas (hebreus, árabes, etc.); e) não há prova de cruzamento entre arianos e peruanos.

Mas, para mostrar os erros estruturais da argumentação de Couto, Romero toma como certa sua hipótese para mostrar o nexo científico e levando as devidas consequências. Ele mostra que Brasil e Tupi possuem origem transcrita, e que poderia existir a origem aria de muitas expressões tupis, em palavras como Pernambuco e Paraná, por exemplo.

A partir da metodologia de Firtz e Delitsch, que mostraram a irmandade das línguas semíticas e arianas, e dos livros de Martius e Fidel Lopes, respectivamente, “Glossário” e “Vocabulário Ario-Quíchua”; Romero cita uma série de exemplos que ligariam a língua tupi às línguas indo-germânicas. Então, ele levanta a pergunta: o tupi é uma língua ariana?

Sílvio Romero argumenta que todas essas relações nada provam. Estes nexos encontrados entre as línguas provariam apenas a “uniformidade das leis que presidiam ao desenvolvimento do espírito humano por toda parte” (ROMERO, 1875: p. 28). Para ele, através de um método fluído como o de Fidel Lopes poder-se-ia provar o parentesco de todas as línguas.

À contrapelo, Romero via muitos desacordos entre a língua dos caboclos e dos arianos. O sergipano afirma que o caboclo desconhecia o bronze, o ciclo do tempo, a domesticação dos animais, e as gramáticas das línguas eram extremamente diferentes uma da outra. As semelhanças etimológicas não seriam suficientes para provar o parentesco das línguas, e consequentemente, o cruzamento das raças. Portanto, Romero descarta que o tupi tenha vindo do arianismo.

Assim, Couto teria repetido o erro de Laet e Garcilazo, ao especular que a civilização inca foi formada em 400 anos. Só é possível explicar os incas, indo as suas origens remotas, entre os quíchuas. A falta de escrita entre os indígenas atrapalharia o estudo de sua história através dos métodos científicos, impossibilitando um estudo mais certeiro quanto às teorias explicativas da origem e do desenvolvimento das raças americanas. Afirma o crítico:

“As diferentes teorias explicativas da origem e do desenvolvimento das raças americanas estão bem longe de ter um apoio serio da ciência. Até a sua classificação é ainda incompleta por mais ele uma face. É inexcedível como prova de vacilação, também para os que mais se têm empenhado no estudo do problema, a maneira por que, explicam a gênese das ideias indianas. Os filólogos, em geral, imbuir dos da justeza das vistas que lhes fornece o estudo comparativo das línguas asiáticas, maxime as indo-germânicas, estudo que tem por base também a história, aventuram-se a explicar semelhantemente as línguas americanas. Quando o digo, não quero taxar de absurdo o emprego do mesmo método ás línguas ao nosso continente, longe dai: refiro-me á ideia preconcebida de encontrar aqui na América justamente os mesmos três tipos de linguagem, que é costume deparar na Ásia”. (ROMERO, 1875: p. 24-25).

Seguindo as observações de Muller, Romero afirma que três línguas encontradas na Ásia, seria também a base das encontradas na América: a turana, a ariana, e a semítica. Apesar disso, ele critica a insistência de Couto em colocar arianos e turianos entre as raças americanas, por causa da língua. Ele afirma:

“Admitidas às três grandes ramificações da linguagem, cumpre observar que elas correspondem a outras tantas ordens de ideais também distintas na esfera religiosa, política, artística, econômica... A filologia não eleve esquece-lo; sempre que quiser, sem prova suficiente, aplicar a tríade asiática ao resto do mundo, no empenho de ver reproduzidas as exatidões de seus achados por lá, corre o perigo de falsificar a ciência. E' o que vai fazendo em larga escala para a América.

Para certa classe de escritores, com toda a segurança, nem mais, nem menos, as velhas populações do continente são arianas, turanas, e ha também quem nos fale de cruzamentos semíticos como cousa bem provável.

A filiação dos povos de cada um dos grupos daqueles idiomas asiático-europeus tem uma base, além da linguística, na historia. Não assim na América, onde falta este elemento do moderno método”. (ROMERO, 1875: p. 25).

Esta tendência em exportar modelos filológicos de fora, e tentar ver no tupi uma origem nas três línguas de origem asiática é criticada por Romero. Para compreender a história do povo era preciso estar atento a outros quesitos da história além das filiações idiomáticas asiático-europeias.

Compreendendo não só a língua, mas outros elementos de cultura, como as ideias e as religiões, poder-se-ia classificar as tribos do Novo Mundo em grupos diferentes. Um parentesco distante que ligue estas ao velho mundo não passa de hipótese sem provas para Romero, pois, ambos os povos resguardam inúmeras diferenças, não havendo provas nos fatos positivos. As dessemelhanças entre as famílias americanas podem provar que as similitudes entre elas não passa do “fator humano”, aquilo que dá unidade aos homens, e que Romero denomina de “fundo da espécie”. As semelhanças entre os povos primitivos americanos e os povos do antigo continente se deviam mais as semelhanças entre os humanos do que propriamente uma linhagem familiar.

Então, qual a origem dos americanos? Eis, a pergunta que Romero tenta responder em seu texto. Ele sintetiza duas hipóteses aclamadas na ciência europeia da época: a) origem asiática, que era predominante entre os cientistas; b) e a origem própria, defendida por Buckle.

O sergipano raciocina que se a primeira hipótese está correta, ocorreu um desenvolvimento muito diferente do ariano, graças a vários fatores: a natureza, a geografia, o clima, as mutações raciais, e por último, os fatores humanos. Apesar de não ser predominante, a segunda hipótese teria peso depois da explicação de Buckle a respeito das civilizações do México e do Peru, assim como, do Egito e da Índia, como produtos naturais. Diz Romero:

“Os dois sistemas de provas têm a seu favor bem ponderadas razões; mas, tomados em absoluto e exclusivamente, oferecem mais de um embaraço. Se é certo de um lado, que se pode aceitar a probabilidade de uma transmigração pela chamada ponte aléutica, e que se notam encontros entre as línguas e ideias das tribos americanas e as de alguns povos da Ásia, não o é menos a falta das mesmas tendências e, sobretudo, dos mesmos resultados” (ROMERO, 1875: p. 27).

A hipótese autóctone dos habitantes que se encontravam na América na chegada dos europeus já foi amplamente desmentida pelas descobertas arqueológicas de hoje. Porém, fazia algum sentido para Romero na diferenciação de tipos humanos, incluindo nisto, outras raças. Ainda assim, ele advoga um ecletismo entre a hipótese asiática e a hipótese da origem própria. Pois, mesmo que o americano tenha uma filiação genealógica com outros povos, quer os “inteiramente selvagens” (tupis e demais tribos sem escrita), quer os “civilizados” (incas, mais, astecas, etc.), seguiram uma evolução muito distinta com os parentes do velho mundo.

A diferença entre os “conquistadores europeus” e os povos encontrados nos novos continentes gerou a busca por uma explicação a respeito dessas diferenças. E no começo do Século XIX, havia uma disputa entre monogenistas e poligenistas na antropologia. O monogenismo tinha como hipótese o pertencimento de todas as raças (ou etnias) numa mesma espécie; descendendo, portanto, de um ancestral comum. Ou seja, todos os homens seriam uma mesma espécie, com único tronco. Já o poligenismo defendia a hipótese de que havia diferentes linhagens de raças (ou etnias) humanas, não se podendo encontrar um ancestral comum. A partir de meados do século XIX, com o predomínio do evolucionismo de Darwin, o monogenismo tornou-se inquestionável.

O monogenismo, defendido por etnólogos como Morgan Tylor, traçava uma linha de evolução, onde os vários povos se encontravam em diferentes estágios. Éramos todos de uma única espécie, com o mesmo potencial para alcançar o ato final do paraíso, não negando até mesmo certa conotação divina. Já poligenistas, como Buffon, partiam da perspectiva de colonizadores, que enxergam os habitantes das Américas como inferiores e de outra linhagem dos que vieram da Europa.

Com a aceitação desde Darwin da origem única, os monogenistas se voltaram ainda mais para o conceito de evolução social para explicar as diferenças entre os vários povos. Havia uma marcha linear que iria do atraso ao progresso, do primitivo ao moderno, e os povos – todos tendo uma origem única – encontravam-se em diferentes estágios de evolução da sociedade. As diferenças entre as etnias ocorriam devido a sociedade e seu estágio desigual de desenvolvimento, e não devido a uma inferioridade inicial, ocorrendo níveis necessários de passagem. Esta ideia progressista prevaleceu não só na ciência, como em outras áreas e no próprio discurso público.

Boa parte do debate público do Brasil, ainda hoje, é permeada por esta contraposição entre atraso e progresso, não raro colocando numa linha de desenvolvimento e modernização econômica. E várias filosofias dos últimos séculos bebeu nela, como o marxismo, que lia a história (o materialismo histórico) como uma sucessão de modos de produção, a partir da luta de classes, que moldaria a superestrutura cultural. A contradição entre o desenvolvimento das forças produtivas e as relações de produção capitalistas levaria necessariamente a insurreição do proletariado contra a burguesia, dando início a próxima fase da história (desta feita, a última): a ascensão do comunismo, uma espécie de libertação judaica, e promessa redentora do paraíso em terra.

Os poligenistas daquela época se voltaram para outros fatores radicais de desnível entre as etnias, criaram-se então vários tipos de determinismo, como o geográfico (baseado no espaço físico, no clima, na topografia, etc.); e o racial, voltadas para supostas diferenças biológicas entre elas, e superioridade de uma raça sobre a outra. Por este caminho, enveredaram Buckle, Renan, Gobineau, entre outros. De certa forma, os filhos do poligenismo foram os principais responsáveis pelo racismo científico da época ou por preconceitos naturalistas, pois não haveria mobilidade entre as raças ou o meio. Romero tenta um caminho eclético entre estes grupos. Diz ele:

“Os poligenistas estribam-se em fatos tais. A, de certo, não cumpre, obcecarmo-nos por, talvez, menos estudadas aparências. Quem não conhece os celebres dolmens druidicos com que a poesia tanto nos embalou, e quem não sabe que nunca foram construídos pelos sacerdotes dos celtas '? Hão sido encontrados na Europa toda, e até nas costas da África e no centro da índia. O que prova esse fato? Uma lei geral:—O homem, sob as mesmas influencias de cultura, produz por toda a parte os mesmos resultados. Não é necessária uma só origem de todas as raças para explicar estas normalidades.

Por outra parte, si é verdade que as leis naturais sabem dar o móvel das direções que uma civilização tenha tomado, e é exata a falta de certos fenômenos característicos entre os povos do continente, supostos descidos da Ásia, qual a ausência dos animais domésticos, também já referida, comuns aos povos daquele continente, como negar a filiação de algumas línguas, talvez, e a repetição de alguns factos idênticos?” (ROMERO, 1875: p. 28).

Apesar de não negar o monogenismo, Romero advoga que a primazia da unidade entre alguns fatos humanos não comprova necessariamente uma origem única. Por influência tanto do evolucionismo quanto de Buckle e companhia, ele tenta integrar essa base poligenista, do meio e da raça, com os diferentes estágios de desenvolvimento das sociedades.

Então, seria necessário ampliar a investigação para além das raças. Para ele, a raça era um elemento preponderante para o desenvolvimento das civilizações e de suas diferenças, mas não “doutrinaria” o todo. Para dar cabo das variedades que apresenta o pensamento humano nos períodos primitivos da historia seria preciso ir além do fator da raça, embora ele estivesse longe de despreza-lo. À raça, Romero acrescentava o clima e a geografia da região na formação do caráter de um povo. E junto com estes, o elemento humano de orientação do conhecimento.

E através do quadro de eras do positivismo, o índio encontra-se na primeira fase de todas as classificações, havendo elementos dissonantes e atrasados na nossa miscigenação. Porém, esse atraso poderia ser elucidativo para ciência, uma espécie de país-laboratório, demonstrando teses, avançando o conhecimento sobre atraso e progresso, e elementos determinantes na formação de um povo. Esta seria nossa contribuição. Uma espécie de otimismo numa maré de pessimismo a cerca de nossa formação, legada pela ciência posta no altar.

Sílvio Romero continua a análise de Couto de Magalhães num artigo de 1876, depois publicado no livro Etnografia Brasileira, intitulado: Couto de Magalhães e a influência dos selvagens no folk-lore brasileiro. O alvo de Sílvio, desta vez, é outro livro de Couto, Os Selvagens, que se apresenta como uma união de contos dos “selvagens” (índios) brasileiros.

Romero critica a “monomania” de Couto em forçar parentescos e filiações entre os povos do velho mundo e os indígenas da América. Se o livro tem como mérito chamar atenção para as origens do tupi, mas fracassa ao ser pouco científico, estudando pouco os fatos, fragmentando-os, e gerando confusão numa retórica abusiva. A grande crítica de Romero é que os indianistas brasileiros não estudam as origens portuguesas e os negros, ficando restritos ao campo de observação dos indígenas. Isto impossibilitaria o olhar científico, ainda mais porque, para o crítico, o africano possuiria ainda mais força do que o índio para modificar o português, sendo um elemento mais vibrante na miscigenação.

Após analisar os contos apresentados por Couto de Magalhães, diz Romero no final do artigo: “O povo mudou o símbolo da destreza indiana, o veado, por um animal mais seu conhecido – o bode. Assim vai se operando por uma raça a assimilação dos contos de outra. É o que se dá na língua e em tudo mais”. (1876: p. 63). Romero demonstra interesse pelo efeito cultural causado pela miscigenação, ocasionando uma cultura híbrida. Ele pretende explorar essa criatividade para dar cabo ao seu projeto científico original. Há durante todo o texto também uma tensão entre a simpatia pela causa abolicionista, e pela incorporação do negro na interpretação da nacionalidade brasileira; em relação à adoção de teorias que tinham a superioridade da cultura branca como normatividade.

Seja como for, fica apresentada uma espécie de doutrina étnica brasileira, com as leis do nosso desenvolvimento espiritual, a partir do hibridismo entre português, negro e indígena, além de outras culturas periféricas. Romero critica os estudos de Wolf por só destacar os europeus na nossa formação, o que impediria a visualização de nossas peculiaridades.

Assim, Sílvio inaugura como intepretação do pensamento brasileiro, a linha que tinha por base a crítica naturalista. É nesta época, a partir da década de 70 do Século XIX, que chega ao Brasil este paradigma científico, e junto com ele, modelos de análise baseada no desvelamento entre as raças. Junto com o abolicionismo, então, vemos a construção de teorias raciais vindas da Europa a partir de uma importante pergunta: qual o espaço da nação, um país mestiço, frente ao Ocidente e as ideias de predominância raciais (que não eram hegemônicas no velho continente, mas tomava conta do ideário progressista)? Tendo em vista que, junto com a modernização econômica do Império, veio também os símbolos de modernidade.

As teorias raciais que colocavam na mistura racial a culpa por nosso atraso diante da Europa eram bastante influentes nos debates públicos brasileiros, e podem ser vistos no Parlamento, nos livros, nos jornais. Estas teorias chegaram a ter mais influência na periferia do mundo moderno do que no velho continente, onde sempre foram combatidas por um número razoável de pessoas dentro da cultura letrada.

Orbitando entre evolucionismo e determinismo, Romero concordava com a influência do fator racial e geográfico, mas incluía nestas uma orientação de pensamento que poderia contribuir para o desenvolvimento da nação. E esta orientação encontrava-se, por influência do evolucionismo, na “intuição crítica moderna”. O país deveria modernizar o seu pensamento, corrigir seus eixos orientadores, olhando para a verdade do momento, almejando estar no ponto mais alto da evolução histórica. E sem negar e ser pessimista com nossa construção inferior pelo clima e pelo misticismo racial, Romero – ambiguamente – procurou também visualizar o lado positivo de nosso legado, querendo-lhe dar uma orientação moderna. Então, ele combina estas teorias raciais com outros métodos sociológicos; evolucionismo, monismo e determinismo naturalista com culturalismo e historicismo. E isto tudo, mesmo com tantas reclamações, sem romper com aquela tradição bacharelesca e verborrágica nacional, de muita figura de linguagem, e pouca realidade.

Ao analisar a formação do país e os quatro séculos de escravidão, ele acredita que há sobre a miséria do nosso pensamento, não só o efeito da ação do meio físico, mas por outros efeitos culturais, até em relação à alimentação. O ímpeto moderno, criador e crítico, poderia reformar a cultura brasileira, e dar-lhe ar moderno.

A modificação da nação viria numa equação entre meio e intelecto, onde este poderia modificar o meio, e dar-lhe um terreno propício. O meio seria os aspectos físicos do país (clima, topografia, etc.) e as suas raças constituintes. E o intelecto seriam as ideias predominantes e ordenadoras da ação humana. Estas ideias se estivessem de acordo com a verdade de sua época, poderiam determinar o meio. Ou seja, determinadas ideias, direcionadas ao progresso evolutivo, poderiam agir sobre o meio determinado. Sendo assim, há uma composição entre meio físico, raça, e momento espiritual do país. E o escritor deveria encontrar-se neste encontro entre momento social do país e do mundo na escala evolutiva, como sua ideologia.

Este talvez seja um dos aspectos mais importantes e sintomáticos da obra em formação de Sílvio Romero, a importância dada por ele às essas novas ideias, como papel da ideologia que deve formar um país. Ele enxergava isto como uma verdade momentânea, um espírito da época que se dirige ao progresso de mais liberdade do espírito humano, a tal ponto que este conjunto de ideias pode modificar o meio, a raça, e outros aspectos determinantes em sua análise. A ideologia do escritor é alçada a um patamar decisivo do transcorrer histórico. De tal modo que, o nascimento destes estudos sociais científicos já vem do berço com a ação de uma doutrina coerente de ideias, mesmo ela sendo materialista ou culturalista, relativizando sua verdade no tempo.

E a ação da ideologia nos estudos culturais das ciências humanas deveria ser guiada pelo método crítico, que irá combinar a ação do clima sobre a população, a formação e origem racial, o folclore e sua gênese, e o hibridismo cultural. Para trazer a tona o espírito do seu tempo, o método crítico na cultura deveria combater os estudos sociais que tiveram como base o “superficialismo romântico”, tentando ser intérprete de nossa realidade; além de traçar um caminho para renovação intelectual.

A feitura do “caráter” nacional é uma síntese de cultura, e não apenas uma determinação racial ou geográfica. Sendo uma relação entre o mistiscismo racial, as condições do meio geográfico, e a estética e orientação das obras que norteiam o pensamento nacional.

Escrito em 1873, e publicado no Diário de Pernambuco, o artigo O caráter nacional e as origens do povo brasileiro é uma síntese de Romero a respeito da formação do nosso povo. Preliminarmente, ele afirma que dois fatores podem pesar na feitura de um caráter nacional: a natureza e a aglomeração de populações distintas.

Assim, os povos se modificam pela natureza que os cerca, depois de muitos séculos, e também através da orientação dada a um grupo culturalmente heterogêneo que se une. Por outro modo, as várias aglomerações podem desenvolver-se de maneira diferente de acordo com o ambiente. Portanto, há uma ambiguidade dialética entre estas duas proposições. Um exemplo dado pelo escritor são os Arias, que se desenvolveram diferentemente de acordo com cada ambiente e população que se agrupava.

No caso brasileiro, Romero afirma que “somos um povo moderno oriundos de outro também comparativamente novo e civilizado”. (ROMERO, 1875: p.40). Ele diz que os portugueses trouxeram a língua, a religião, as instituições duradouras, e os costumes polidos. Mas, a formação do povo brasileiro se dá no trabalho de labor entre o português, o negro, e o índio.

Embora, a natureza ainda não tivesse força para modificar o sentido português, a diversidade da população aglomerada faria este trabalho de acomodação do hibridismo cultural. Romero critica os trabalhos historiográficos que não abordam o negro, e aqueles que abordam no índio apenas o seu aspecto estéril e errôneo.

Neste sentido, Romero põe-se contrário aos estudos da historiografia nascente por deificar o português em detrimento de indígenas e negros ou por dar mais importância ao índio do que ao negro na formação do caráter nacional. Os índios eram primitivos e pequenos, estavam no estado de selvageria, não tinham tanta força para influenciar e modificar a civilização trazida pelos portugueses, como os negros africanos. A forte derrocada indígena provaria isto.

Em especial, Romero dava importância ao estudo da língua nacional. Para ele, o fato da língua predominante ser a portuguesa, demonstrava a centralidade deste elemento na formação do país. Mas, as diferenças práticas do português falado no Brasil do que português falado em Portugal demonstrava a mistura de nossa cultura. Os africanos tiveram, para ele, mais vigor do que os índios para alterar a língua, com seus costumes e hábitos. Por isto, o elemento africano seria mais influente em nosso caráter, apesar dos historiadores da época não perceberem. Então, qual seria o caráter do país? Para Romero, o Brasil era uma junção híbrida entre portugueses ruins, negros e indígenas.

Como o fator racial ainda era um determinante de nossa formação para o sergipano, havia em sua obra um tom claramente racista, embora não odioso. Afirmando a superioridade biológica dos brancos, o crítico afirma que este hibridismo alterou sem vantagem nossa composição: “o africano, rebelde aos progressos intelectuais, tem alterado, sem vantagem, nossa fisionomia pretérita”. (1875: p. 46). Não deixa de ser interessante que, ao mesmo tempo, quando se trata da elite letrada e da construção das ciências no país, ele recorra de maneira muito mais otimista ao elemento negro em nossa cultura contra o atraso do saber português. Não renegava do colonizar a civilização, mas afirmava que os traços originais do país deveriam vir do hibridismo, e a partir dele, entrar na “intuição crítica moderna”. Porém, o negro teria sido mais importante do que o elemento indígena na composição racial, por oferecer um fator “robusto e civilizador” que ajudou aos mestiços a se adaptarem ao clima.

Com o passar do tempo, o tom racista será abrandado, mas nunca abandonado. Isto se deve a maior influência do evolucionismo e do monogenismo durante sua obra intelectual: “Não deve haver aí vencidos e vencedores; o mestiço consagrou as raças e a vitória deve ser assim de todas as três” (ROMERO, 2002: p. 116). Ele sempre colocou na mestiçagem uma característica essencial para a construção cultural do Brasil, e o seu pensamento sempre se ordenou a partir disto. Sua obra sempre fluirá a partir dessa ambiguidade, nunca cessando, mas mudando sua intensidade por tempos. No início do século XX, sua obra voltará a adotar um tom mais racista, por exemplo.

Consiste numa originalidade da obra de Romero o resgate do negro perante a tradição literária brasileira, e a redefinição da mestiçagem (menos pessimista) perante as teses cientificistas da Europa. A miscigenação aparece como uma fatalidade nacional, que agora precisaria ser trabalhada e orientada. E o elemento negro seria o mais destacado dentro de nosso potencial mestiço. Uma inovação para época onde o negro era escanteado em prol do indianismo nacionalista e idealizado. Nos museus, a ciência nascente interessa-se bem mais pelos indígenas, influenciado pelas expedições científicas estrangeiras, que traziam a influência da antropologia e etnologia europeia. Argumenta Neiva (1994: p. 114), que o primeiro estudo etnográfico mais sério a respeito do elemento afro-brasileiro veio apenas nos de 1890, através de Nina Rodrigues na Faculdade de Medicina da Bahia, e ainda assim, confirmava o racismo da época ao proclamar a inferioridade do negro.

Um dos embates de Romero com Celso de Magalhães era por este renegar o papel do negro na cultura brasileira, coube ao crítico sergipano o pioneirismo na importância dada a este elemento. Mas, Romero não desmente a tese do branqueamento da população, dominante nos anos 1880, acreditando que, em mais ou menos tempo, restará no país os brancos e os mestiços. Os negros tendem a diminuir sua presença devido às questões genéticas e de adaptação ao meio.

O debate em torno dessas ideias se amplia, e ação política em torno da abolição da escravatura também. Mais uma prova da relação entre o que se pensa, como se age, e a condensação disso num símbolo revelador de seu tempo. O abolicionismo nasceu no caldeirão de ideias da geração de 1870 e ocaso do Império. Havia, porém, muitas discordâncias internas, inclusive quantos aos meios e velocidade dessa transição.

Joaquim Nabuco representava a voz dos abolicionistas moderados, que apostavam em reformas, na mobilização da opinião não-parlamentar, e nos fatores morais e anacrônicos daquela instituição. Enquanto outros abolicionistas, mais sensíveis as vogas cientificistas da época, falavam até num triunfo gradativo do branco após o fim da escravidão. A abolição e a imigração europeia ajudariam a branquear o país.

Neste sentido, o historiador Thomas Skidmore (1976) classifica Romero como um “nacionalista frustrado”. Se, por um lado, era promulgador das teorias cientificistas, que não eram confortáveis quanto ao futuro da nação mestiça; por outro, era otimista quanto a possibilidade da elite letrada apreender tais doutrinas e orientar seu pensamento e ação a partir dele, modificando o país no que era possível, através da cultura. Por isto, havia uma variação de humor, ora mais otimista, ora mais pessimista, nunca alcançando seu ideal. A pena da melancolia se abatia sobre o crítico sergipano sem nem perceber.

Em síntese, Sílvio vai além da mera análise determinista, seja da raça ou do meio climático, mas faz uma junção entre a população em seu aspecto racial interagindo com o meio geográfico, e a orientação geral de sua cultura, a partir da elite letrada. Romero estendeu o critério etnográfico, que dizia ter introduzido entre nós, às explicações sociais na busca de compreender o verdadeiro Brasil, o que tanto motivou sua vasta produção literária, dentro de uma orientação ambígua e direcionada as filosofias do progresso.




1   ...   12   13   14   15   16   17   18   19   20


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal