Doença de kawasaki: um desafio diagnóstico nome dos autores



Baixar 5.89 Kb.
Encontro02.07.2019
Tamanho5.89 Kb.





DOENÇA DE KAWASAKI: UM DESAFIO DIAGNÓSTICO

Nome dos autores:

Marina Pacheco Coelho, William Graupner Pereira, Gustavo Razente Fassina, Estefânia Mocelin, Flávia Saraçol Vignol



Área do Conhecimento: Saúde Materno-Infantil

Palavras Chave: Doença de Kawasaki, diagnóstico, tratamento.

Resumo
Introdução: Lactente, 10 meses, atendida em pronto socorro infantil com febre há 3 dias acompanhada de calafrios e episódio convulsivo, sem aparente foco de infecção. Internada, manteve-se febril 38ºC, prostrada, com eritema em tórax e dorso que poupava membros, hiperemia e placas em orofaringe. Iniciado tratamento para Faringite com Amoxicilina, teve alta 2 dias depois. Um dia após alta, criança é novamente internada, com persistência da febre, inapetência, não aceitando antibiótico via oral e hipótese diagnóstica de escarlatina pós faringite estreptocócica. Ao exame físico: febril, taquicardica, eritema em face e tronco e hiperemia conjuntival bilateral. Evoluiu com lesões pápulo-eritematosas de caráter migratório para mãos e pés (não descamativas), edema em extremidades, fissuras labiais e língua em framboesa. Ao Ecocardiograma: dilatação de ambas artérias coronárias com presença de derrame pericárdico circular pequeno. O quadro sugeria Doença de Kawasaki (DK), vasculite sistêmica que acomete principalmente crianças menores de 5 anos. Iniciada terapêutica de prova com imunoglobulina endovenosa e ácido acetilsalicílico, a criança evoluiu com rápida defervescência, desaparecimento do exantema, aumento do apetite e aparente melhora clínica. Objetivo: apresentar um caso de DK em que a apresentação inicial foi um quadro de convulsão febril. Metodologia: Revisão do caso clinico, analise de exames. Resultados: O diagnóstico da DK é predominantemente clínico e os exames laboratoriais e de imagem pouco auxiliam, desta forma, mesmo na presença de diversos sinais e sintomas, o diagnóstico se torna difícil pela semelhança com outras patologias. A suspeita precoce é de suma importância uma vez que a prescrição da terapêutica específica, em curto período de tempo, diminui as probabilidades de complicações.


De 22 a 26 de outubro de 2012

FURG - Campus Carreiros







©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal