Do curso de medicina



Baixar 3.81 Mb.
Página77/114
Encontro24.10.2017
Tamanho3.81 Mb.
1   ...   73   74   75   76   77   78   79   80   ...   114

9. SISTEMA DE AVALIAÇÃO


O Sistema de avaliação do módulo segue as orientações descritas no Projeto Pedagógico do Curso, o qual é compreendido como um procedimento solidário ao desenvolvimento do processo de construção do conhecimento e pautado no diálogo entre os sujeitos do processo ensino-aprendizagem. Nessa perspectiva, a avaliação terá caráter formativo e somativo.
Avaliação Formativa:

Tem o objetivo de acompanhar o processo de aprendizagem do aluno, observando-se os quesitos da pontualidade, assiduidade, iniciativa e interesse, habilidades do trabalho em equipe e sua integração com ela, competência, responsabilidade e compromisso no cumprimento de determinações e tarefas, respeito mutuo, capacidade de gerar hipóteses, habilidade em solucionar problemas, criticar com objetividade e constitui-se de:

  1. Avaliação das sessões tutoriais e morfo funcionais:

Realizada ao final de cada sessão tutorial e morfo funcional.

Autoavaliação (AV)- realizada pelo aluno, sobre o seu próprio desempenho; deve englobar conhecimento, atitudes e habilidades, ajudando-o a reconhecer e assumir mais responsabilidade em cada etapa do processo de aprendizagem em cada grupo tutorial e morfo funcional;

Avaliação interpares (AI) - realizada pelos membros do grupo sobre o desempenho de cada um dos participantes, em cada grupo tutorial e morfo funcional;

Avaliação pelo tutor (AT) - para identificar as atitudes, habilidades e progresso de cada aluno em todos os grupos tutoriais e morfo funcional.

  1. Avaliação e discussão das provas cognitivas:

Ocorre após a correção das provas somativas, com o fornecimento do gabarito e discussão das questões, para que o aluno possa fazer uma reflexão dos seus erros e acertos.

  1. Avaliação e discussão das provas de habilidades e competências: “feed back”:

A discussão das provas práticas de habilidades e competências acontece durante a realização da prova ou imediatamente após a sua aplicação. Quando se discute e mostra –se ao aluno que atitudes teve corretamente e quais precisam ser melhoradas. Além disso é possível mostrar ao aluno que habilidades precisam ser melhor trabalhadas.

Avaliação Somativa

Tem o objetivo de identificar a aprendizagem efetivamente adquirida pelo estudante e ocorre mediante a atribuição dos conceitos satisfatório ou insatisfatório nas avaliações das atividades das unidades educacionais referentes ao ano letivo, considerando a resolução própria do curso de medicina.

Constituem-se como elementos da avaliação somativa, para alcance do conceito final de aprovação de cada Módulo:

  • Avaliação Cognitiva (prova final escrita)- em cada módulo, o aluno será submetido a avaliações cognitivas dos conteúdos trabalhados nos tutoriais, conferências e no Morfofuncional, correspondendo a 50% da nota final;

  • Avaliação dos tutoriais (autoavaliação - AA, avaliação interpares - AI e Avaliação do tutor - AT), sendo assim distribuída: 0– Insuficiente, 0,5 – Pouco suficiente, 1– Suficiente, 1,5 – Bom, 2 – Excelente. Sendo que o conceito final será atribuído pelo tutor baseado nas AA , AI e AT.

  • Avaliação do Morfofuncional, correspondendo a 30% da nota final. A avaliação do conteúdo trabalhado no morfofuncional é realizada sob a forma de “gincana”, onde os materiais são distribuídos em bancadas numeradas com material apontado e cada bancada é ocupada por um aluno por determinado tempo. Os alunos devem ser capazes de identificar a estrutura apontada (lâmina, peças anatômicas, resultado de experimento e etc) e responder a questões diretas sobre o funcionamento daquela estrutura, sempre que possivel integradas com o conhecimento clinico. Passado o tempo, ocorre o rodízio dos alunos nas bancadas, de forma que ao final todos os alunos tenham respondido as questões em todas as bancadas. Contudo, outras formas de avaliações podem ser adotadas.

O resultado final da avaliação somativa será composto da soma dos três conceitos acima definidos.
    1. 10. BIBLIOGRAFIA


GOMES PEREIRA, M. Epidemiologia. Teoria e Prática. Editora Guanabara Koogan S.A, 1995 . 12ª Reimpressão em 2008.

ROUQUAYROL, ZÉLIA. Epidemiologia e Saúde, 2003.

ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e Saúde. Rio de Janeiro: Medsi, 1999.

CURRENT – Medical Diagnosis & Treatment; Tierney, Mcphee, Papadakis; quinta edição; editora mac Graw Hill; 2000

HARRISON, Wilson, Braunwald et al; editora Guanabara Koogan; segunda edição. 1992

CECIL, Wyngaarden & Smith. Tratado de Medicina Interna. Editora Guanabara Koogan; 1990.

Anatomia

GRAFF, Van de. Anatomia Humana. 6ª ed., Editora Manole, 2003;

MOORE, K.L. Anatomia Orientada para a Clínica, 3a. ed., Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2007.

NETTER, F. H., Atlas de Anatomia Humana. Porto Alegre, Editora Artes Medicas, 1996;

SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana. 22ª.ed. 2006

GRABOWSKI, SR.TORTORA; GJ CORPO HUMANO- Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. ARTMED, 6ª.ed. 2006

Fisiologia e Medicina Interna:

AIRES, M (ORG.) Fisiologia. 3ª. Ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2009.

BERNE, R.N.Fisiologia. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

GOLDMAN, L.; BENNETT, J. C. (Ed.), CECIL: Tratado de Medicina Interna. 21ª.ed Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

GUYTON, A.C.. Fisiologia Humana 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

HARRISON. Medicina Interna, 15ª. ed. Rio de Janeiro: McGraw Hill, 2002.

Patologia

BOGLIOLO, L. Patologia. 7ª.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006

ROBBINS, S. L. Patologia Estrutural e Funcional. Saunders: Rio de Janeiro, 2006

Neurologia

NITRINI R & BACHESCHI A. A Neurologia que todo Médico Deve Saber. São Paulo, Atheneu, 2004

REIMÃO R. Sono: Estudo abrangente. São Paulo, Ed. Atheneu, 1996, 442.

SPECIALI, JG & SILVA, W F. Cefaléias. São Paulo : Lemos Editorial, 2002, v.1. p.493.

SPECIALI, JG. Entendendo a Enxaqueca. Ribeirão Preto : FUNPEC, 2003 p.142.

KRYMCHANTOWSKI AV, BORDINI CA, BIGAL ME. As cefaléias na prática médica. Abordagem para o clínico e para o não-especialista. São Paulo. Lemos Editorial, 2004.

SOUZA, D. G. B.; VOLTARELLI, J. C.; BARREIRA, A. A.. Transplante autólogo de células tronco na Esclerose Múltipla. In: Dr Sergio Roberto Haussen. (Org.). Esclerose Múltipla: Informações Científicas para o Leigo. 1ª ed. Porto Alegre, 2004, v. 1, p. 107-116.

BARREIRA, A. A.; TILBERY, C. P.; PAPAIS-ALVARENGA, R. M. et al. Características da esclerose múltipla no Brasil. Projeto Atlântico Sul. Arquivos de Neuropsiquiatria, v. 58, n. supl 2, p. 233, 2000.

BARREIRA, A. A.. Síndrome de Guillain-Barré. In: Sebastião Eurico Melo-Souza. (Org.). Tratamento das doenças neurológicas. Rio de Janeiro, 2000, v. 1, p. 397-401.

BARREIRA, A. A.. Diagnóstico das Doenças do Sistema Nervoso Periférico. Neurológica Clínica: Um método de ensino integrado. 1ª ed. Rio de Janeiro, 1998, v. , p. 88-92.

MARQUES JUNIOR, W.; MARQUES, V. D.; TOSCANO, P. et al. Tratamento da Síndrome de Guillain-Barré em Imunoglobulina Humana Endovenosa em altas doses associadas à metil-prednisolona. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 60, p. 129-130, 2002.

MARQUES JUNIOR, W.; NASCIMENTO, O. J.; ESCADA, T. et al. Polirradiculoneuropatia desmielinizante inflamatória crônica em crianças: estudo de 14 casos. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 62, p. 22-22, 2002.

BARREIRA, A. A.. Neuropatias Periféricas. In Porto. SEMIOLOGIA MÉDICA. RIO DE JANEIRO, 1990, v. , p. 1053-1075.

MARQUES W JR. Tratamento das Neuropatias Diabéticas. In: Rezende SE. (Org.). Tratamento das Desordens Neurológicas. São Paulo, 2000, v. , p. -.

MARQUES W JR; PEREIRA, R. C.; MAZER, N. et al. Síndrome do túnel do carpo: comprometimento diferencial das fibras motoras.. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 60, p. 215-215, 2002.

OLIVEIRA, M. F.; BARREIRA, A. A.; MARQUES W JR. Phenotypic characterization of late-onset TTR MET 30 familiar amyloid polyneuropathy. Arq Neuro-Psiquiatria, SP, v. 62, n. SUPL, p. 30-30, 2004.

MARQUES W JR. Tratamento das Neuropatias Periféricas Secundárias às Vasculites. In: Rezende SE. (Org.). Tratamento das Desordens Neurológicas. São Paulo, 2000

MARQUES W JR; DAVIS, M. B.; ABOU-SLEIMAN, P. M. et al. Hereditary motor and autonomic neuronopathy 1 maps to chromosome 20q13.2-13.3. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, Brasil, v. 37, 2004.

LINHARES, S. C.; HORTA, W. G.; MARQUES W JR. Ataxia espinocerebelar do tipo 7: aspectos clinicos de uma família brasileira. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 62, n. Supl 2, 2004.

MARQUES W JR; BARREIRA, A. A.; SOBREIRA, C.. Myalgia as the revealing symptom of multicore disease and fibre type disproportion myopathy.. Journal of Neurology Neurosurgery and Psychiatry, v. 74, n. 9, p. 1317-1319, 2003.

MARQUES W JR. Reflexo cutâneo plantar em extensão: Sinal de Babinski. Coluna, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 123-124, 2003.

MARQUES W JR. Neuropatias hereditárias sensitivo-motoras. Revista Brasileira de Ortopedia Pediátrica, Brasil, v. 3, n. 2, p. 58-66, 2003.

SOBREIRA, C.; MARQUES W JR. Clinical Phenotypes of primary coenzyme Q10 deficiency.. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, Sao Paulo, v. 62, n. suppl, p. 14-14, 2004.

MARQUES W JR; BARREIRA, A. A.; MARQUES, V. D.. Neuropatia hereditária motora e autonômica. O Dendrito, v. 7, p. 12-12, 2001.

MARQUES W JR; CAMARGOS, S. T.; GALESSO, A. P. et al. Aspectos clinico-moleculares da doença de Huntington em pacientes atendidos em um hospital universitário em Ribeirão Preto. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 60, p. 228-229, 2002.

BARREIRA, A. A.. Estudo das neuropatias periféricas em São Paulo de 1939 a 1985. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 55, n. 1, p. 149-157, 1997.

TAKAYANAGUI, O. M.; D'AVILA, C.; BERGAMINI, A. M. et al. Fiscalização de verduras comercializadas no município de Ribeirão Preto, SP. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 34, n. 1, p. 37-41, 2001.

BRUTTO, O. H.; RAJSHEKHAR, V.; WHITE JR, A. et al. Proposed diagnostic criteria for neurocysticercosis. Neurology, Philadelphia, v. 57, n. 2, p. 177-183, 2001.

TAKAYANAGUI, O. M.; LEITE, J. P.. Neurocisticercose. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba-MG, v. 34, p. 283-290, 2001.

PONTES NETO, O.; FABIO, S. C.; TAKAYANAGUI, O. M. et al. Neurosyphilis as a cause of cerebrovascular disease: clinical spectrum and diagnostic problems in AIDS era. Cerebrovascular diseases (Basel, Switzerland), Basel, Switzerland, v. 11, n. suppl 4, p. 95-95, 2001.

GARCIA, H. H.; EVANS, C. A. W.; NASH, T. E. et al. Current consensus guidelines for treatment of neurocysticercosis. . Clinical Microbiology Reviews, Washington, v. 15, n. 4, p. 747-756, 2002.

TAKAYANAGUI, O. M.. Therapy for neurocysticercosis. Expert Review of Neurotherapeutics, London, v. 4, n. 1, p. 129-139, 2004.

TAKAYANAGUI, O. M.. Doenças infecciosas, parasitárias e inflamatórias do sistema nervoso central. In: Marleide da Mota Gomes. (Org.). Classificações e Critérios Diagnósticos em Neurologia. 1aed. Rio de Janeiro, 1999, v. , p. 47-71

TAKAYANAGUI, O. M.; CAPUANO, D. M.; TAKAYANAGUI, A. M. M. et al. Prevenção da neurocisticercose: busca ativa de teníase nos manipuladores de alimentos de Ribeirão Preto, SP. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 60, n. Supl 1, p. 104-104, 2002.

CABOCLO, L.; YACUBIAN, E.; GARZON, E. et al. Absence status: clinical aspects and EEG. J Epilepsy Clin Neurophysiol, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 67-72, 2003.

SILVA, A.V.; MARTINS, H.; PRIEL, M. Et Al. Esclerose Mesial Temporal Como Manifestação De Um Distúrbio Do Desenvolvimento Do Lobo Temporal. J EPILEPSY AND CLIN NEUROPHYSIOL, PORTO ALEGRE-RS, v. 9, n. 4, p. 264-264, 2003.

CARVALHO, V. A. S.; CAMARGO, A. L. M.; OLIVEIRA, G. S. et al. Caracterização do Atendimento Clínico E Cirúrgico Em 15 Meses De Funcionamento Da Unidade De Video-Eletrencefalografia. J EPILEPSY AND CLIN NEUROPHYSIOL, PORTO ALEGRE-RS, v. 9, n. 4, p. 279-279, 2003.

WICHERT-ANA L.; ARAÚJO D.B.; SAKAMOTO, A. C.. Aplicações clínicas do SPECT, PET E RNM FUNCIONAL em epilepsia. In: AMÉRICO C. SAKAMOTO; VERA C. TERRA-BUSTAMANTE; JOÃO A. ASSIRATI JR; CARLOS G. CARLOTTI JR.. (Org.). ATUALIZAÇÕES NO TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS EPILEPSIAS. RIBEIRÃO PRETO, 2002, v. , p. 77-92.

YACUBIAN, E.; GARZON, E.; SAKAMOTO, A. C.. Video-Eletrencefalografia: Fundamentos e Aplicação na Investigação das Epilepsias. 1a. ed. São Paulo: Lemos Editorial, 1999. v. 1. 200p.

SAKAMOTO, A. C.; GARZON, E.. Epilepsias do Lobo Temporal. In: S.E. Melo-Souza. (Org.). Tratamento das Doenças Neurológicas. 1aed. Rio de Janeiro, 2000, v. 1, p. 433-437.

SAKAMOTO, A. C.; GARZON, E.. Estado de Mal Epiléptico. In: S.E. Melo-Souza. (Org.). Tratamento das Doenças Neurológicas. 1aed. Rio de Janeiro, 2000, v. 1, p. 456-459.

COSTA DA COSTA J, PALMINI A, YACUBIAN EMT, CAVALHEIRO E. Fundamentos Neurobiológicos das Epilepsias: Aspectos Clínicos e Cirúrgicos. São Paulo, Lemos Editorial, 1998

SAKAMOTO, A C; JR, J A Assirati(Org.)et al. Atualizações no tratamento cirúrgico das epilepsias., 2002.

LEITE, J. P.; CAVALHEIRO, E. A.. Neurobiologia da Esclerose Mesial Temporal. FUNDAMENTOS NEUROBIOLOGICOS DAS EPILEPSIAS: ASPECTOS CLINICOS E CIRURGICOS. PORTO ALEGRE, 1998, v. , p. 129-136.

VALE FAC. Transtornos cognitivos e demências na clínica privada do especialista. Estudo piloto de um inquérito de auto-avaliação. Arq Neuropsiquiatr 2004;62(1):75-80.

Neurologia Infantil

DIAMENT, A & CYPEL S. Neurologia Infantil. 4a. Ed em preparação – São Paulo, Atheneu.

MOURA RIBEIRO, MVL & FERREIRA, LS - Condutas em Neurologia Infantil. RJ, Revinter, 2004

FONSECA, LF. Compompêndio de Neurologia Infantil, MEDSI, 2002

FUNAYAMA, C. A. R.; COSTA, L. A. A.; NOSTRI, C. O.. Seqüela de Toxoplasmose Congênita: diagnóstico diferencial. Temas sobre Desenvolvimento, São Paulo, v. 10, n. 60, p. 21-25, 2002.

FUNAYAMA, C. A. R.; MOURARIBEIRO, M. V. L.; GONÇALVES, A. L.. Encefalopatia hipóxico-isquêmica no Rn a termo - aspectos prognósticos. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, Brasil, v. 55, n. 4, p. 771-779, 1997.

FUNAYAMA, C. A. R.; PENNA, M. A.; TURCATO, M. F. et al. Paralisia Cerebral-diagnóstico etiológico. Medicina (Ribeirão Preto), Brasil, v. 33, p. 155-160, 2000.

FUNAYAMA CAR. Exame Neurológico na Criança. Ribeirão Preto, FUNPEC, 2004

Psiquiatria

KAPLAN, H. I.; SADOCK, B. J.; et all. Compêndio de Psiquiatria Ciências do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 7ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas 1997. 1.169 p.

MELLO, FILHO. J. de. Psicossomática Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. 385 p.

ALMEIDA, O. P. DE; DRATCU, L; et. all. Manual de Psiquiatria. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 1996. 307 p.

ALMEIDA, O. P.; NITRINI, R. Demência. São Paulo: BYK, 1995. 136 p.

BUSSE E. W.; BLAZER, D. G. Psiquiatria Geriátrica. 2ª ed. Porto Alegre: Art Med, 1999.496 p.

FELDMANN, H. Psiquiatria e Psicoterapia: Um Manual Condensado para Estudantes e Médicos. 9ª ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1986. 312 p.

FONTANA, Antônio Matos. Manual de Clínica em Psiquiatria. São Paulo: Atheneu, 2005. 511 p.

JASPERS, KARL. Psicopatologia Geral. Rio de Janeiro: Atheneu, 1973. 2 vs.

KAPLAN, H. I.; SADOCK, B. J. Medicina Psiquiátrica de Emergência. Porto Alegre:Artes Médica, 1995. 397 p.

NUNES, FILHO, E. P.; BUENO, J. R.; et all. Psiquiatria e Saúde Mental: Conceitos

Clínicos e Terapêuticos Fundamentais. São Paulo: Atheneu, 1996. 279 p.

SCHATZBERG, Alan F., Cole, Jonathan O. & DeBattista, Charles. Manual de Psicofarmacologia Clínica, 4ª ed. – Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2004.

Classificação dos Transtornos Mentais e do Comportamento da CID-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas – Coord. Organiz.Mund. da Saúde; trad. Dorgival Caetano. – Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000

Oftalmologia

DANTAS, Adalmir M. Clínica Oftalmológica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1980. 987 p.

KANSKI, J. J. Oftalmologia Clínica: uma abordagem sistemática. 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. 733 p.

NOVER, Arno. O Fundo de Olho. Métodos de Exame e Achados Típicos. 4ª ed.São Paulo: Manole, 2000. 197 p.

ORÉFICE, F. Uveíte Clínica e Cirúrgica. Atlas & Texto. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2000. 2v.

PAVAN-LANTON, D. Manual de Diagnóstico e Terapêutica Ocular. São Paulo:Tecmedd, 2007. 686 p.

PAVAN-LANGSTON, Deborah. Manual of Ocular Diagnosis and Therapy. Boston:Little, 1996. 488 p.

SPALTON, D. J. et al. Atlas de Oftalmologia Clínica. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier,2006. 723 p.

VAUGHAN, Daniel; ASBURY, Taylor; RIORDAN-EVA, Paul. Oftalmologia Geral. 15ªed. São Paulo: Atheneu, 2003. 432 p.

BARSKY, David. Color Atlas of Pathology of the Eye. New York: McGraw-Hill, 1966, 135 p.

SITES ÚTEIS PARA A DINÂMICA DE ESTUDO:

Sociedade Brasileira de Oftalmologia: www.sboportal.org.br

Conselho Brasileiro de Oftalmologia: http://www.cbo.com.br

Universidade McGill – Canadá : www.medicine.mcgill.ca/ophthalmology/

UNIFESP – Instituto da Visão :

http://www.virtual.unifesp.br/home/oftalmoclinicamedica

Através destes sites é possível encontrar vários links importantes, que serão úteis para o aprendizado.

Otorrinolaringologia

CAMPOS, Carlos Alberto Herrerias de; COSTA, Henrique Olival. Tratado de Otorrinolaringologia;, 5 Volumes, São Paulo: Roca, 2002.

Fundamentos em Laringologia e Voz, Silvia Pinho, Domingos Tsuji, Saramira C. Bohadana, Rio de Janeiro, Editora Revinter, 2006.

Otologia Clínica e Cirúrgica, Oswaldo Laércio, Sady Selaimen da Costa, Rio de Janeiro, Editora Revinter, 2000.

Otorrinolaringologia, Yotaka Fukuda, São Paulo, Editora Manole, 2002.

Otorrinolaringologia, Hélio Hungria, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2000.

Otorrinolaringologia: Clínica e Cirurgia, Ricardo Ferreira Bento, Aroldo Miniti, Ossamu Butugan, Atheneu, 2000.

Otorrinolaringologia Pediátrica, Tania Sih, Rio de Janeiro, Editora Revinter, 1998.

Otorrinolaringologia – Princípios e Prática (2ª ed.), Sady Selaimen, Oswaldo Laércio, José A. de Oliveira, POA, Editora Artmed, 2006.

Rinologia e Cirurgia Endoscópica dos Seios Paranasais, Richard Voegels, Marcus Lessa, Rio de Janeiro, Editora Revinter, 2006.

Publicações oficiais da ABORL-CCF.

BAILEY - Head & Neck Surgery – Otolaryngology by Byron J. Bailey, Karen H., M.D. Calhoun, Gerald B., M.D. Healy, Harold C., III, M.D. Pillsbury, Jonas T. Johnson, M. Eugene Tardy, Robertk., M.D. Jackler, Lippincont-Raven, Philadelphia – USA.

BULL. T. R. Atlas Colorido de Otorrinolaringologia. Diagnóstico e Tratamento. 3ª ed. Rio de Janeiro: Revinter. 1997. 246 p.

COSTA, S. S. DA; CRUZ, O. L. M.; et all Otorrinolaringologia - Princípios e Prática. Porto Alegre: Artes Médicas. 1994. 558 p.

HUNGRIA, H. Otorrinolaringologia. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 593 p.

BOIES, Jr.; LAWRENCE. R. Otorrinolaringologia de Boies. 5ª ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1979. 439 p.

GANANÇA, M. M. Vertigem tem cura? São Paulo: Lemos Editorial, 1998. 301 p.

NASPITZ, C. K. Alergias Respiratórias. São Paulo: Vivali, 2003. 356 p.



1   ...   73   74   75   76   77   78   79   80   ...   114


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal