Do curso de medicina



Baixar 3.81 Mb.
Página74/114
Encontro24.10.2017
Tamanho3.81 Mb.
1   ...   70   71   72   73   74   75   76   77   ...   114

9. SISTEMA DE AVALIAÇÃO






O Sistema de avaliação do módulo segue as orientações descritas no Projeto Pedagógico do Curso, o qual é compreendido como um procedimento solidário ao desenvolvimento do processo de construção do conhecimento e pautado no diálogo entre os sujeitos do processo ensino-aprendizagem. Nessa perspectiva, a avaliação terá caráter formativo e somativo.
Avaliação Formativa:

Tem o objetivo de acompanhar o processo de aprendizagem do aluno, observando-se os quesitos da pontualidade, assiduidade, iniciativa e interesse, habilidades do trabalho em equipe e sua integração com ela, competência, responsabilidade e compromisso no cumprimento de determinações e tarefas, respeito mutuo, capacidade de gerar hipóteses, habilidade em solucionar problemas, criticar com objetividade e constitui-se de:

1.Avaliação das sessões tutoriais e morfo funcionais:

Realizada ao final de cada sessão tutorial e morfo funcional.

Autoavaliação (AV)- realizada pelo aluno, sobre o seu próprio desempenho; deve englobar conhecimento, atitudes e habilidades, ajudando-o a reconhecer e assumir mais responsabilidade em cada etapa do processo de aprendizagem em cada grupo tutorial e morfo funcional;

Avaliação interpares (AI) - realizada pelos membros do grupo sobre o desempenho de cada um dos participantes, em cada grupo tutorial e morfo funcional;

Avaliação pelo tutor (AT) - para identificar as atitudes, habilidades e progresso de cada aluno em todos os grupos tutoriais e morfo funcional.

2.Avaliação e discussão das provas cognitivas:

Ocorre após a correção das provas somativas, com o fornecimento do gabarito e discussão das questões, para que o aluno possa fazer uma reflexão dos seus erros e acertos.

3.Avaliação e discussão das provas de habilidades e competências: “feed back”:

A discussão das provas práticas de habilidades e competências acontece durante a realização da prova ou imediatamente após a sua aplicação. Quando se discute e mostra –se ao aluno que atitudes teve corretamente e quais precisam ser melhoradas. Além disso é possível mostrar ao aluno que habilidades precisam ser melhor trabalhadas.
Avaliação Somativa

Tem o objetivo de identificar a aprendizagem efetivamente adquirida pelo estudante e ocorre mediante a atribuição dos conceitos satisfatório ou insatisfatório nas avaliações das atividades das unidades educacionais referentes ao ano letivo, considerando a resolução própria do curso de medicina.

Constituem-se como elementos da avaliação somativa, para alcance do conceito final de aprovação de cada Módulo:

  • Avaliação Cognitiva (prova final escrita)- em cada módulo, o aluno será submetido a avaliações cognitivas dos conteúdos trabalhados nos tutoriais, conferências e no Morfofuncional, correspondendo a 50% da nota final;

  • Avaliação dos tutoriais (autoavaliação - AA, avaliação interpares - AI e Avaliação do tutor - AT), sendo assim distribuída: 0– Insuficiente, 0,5 – Pouco suficiente, 1– Suficiente, 1,5 – Bom, 2 – Excelente. Sendo que o conceito final será atribuído pelo tutor baseado nas AA , AI e AT.

  • Avaliação do Morfofuncional, correspondendo a 30% da nota final. A avaliação do conteúdo trabalhado no morfofuncional é realizada sob a forma de “gincana”, onde os materiais são distribuídos em bancadas numeradas com material apontado e cada bancada é ocupada por um aluno por determinado tempo. Os alunos devem ser capazes de identificar a estrutura apontada (lâmina, peças anatômicas, resultado de experimento e etc) e responder a questões diretas sobre o funcionamento daquela estrutura, sempre que possivel integradas com o conhecimento clinico. Passado o tempo, ocorre o rodízio dos alunos nas bancadas, de forma que ao final todos os alunos tenham respondido as questões em todas as bancadas. Contudo, outras formas de avaliações podem ser adotadas.

O resultado final da avaliação somativa será composto da soma dos três conceitos acima definidos.



    1. 10. BIBLIOGRAFIA





GOMES PEREIRA, M. Epidemiologia. Teoria e Prática. Editora Guanabara Koogan S.A, 1995 . 12ª Reimpressão em 2008.

ROUQUAYROL, ZÉLIA. Epidemiologia e Saúde, 2003.

ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e Saúde.. Rio de Janeiro: Medsi, 1999.

CURRENT – Medical Diagnosis & Treatment; Tierney, Mcphee, Papadakis; quinta edição; editora mac Graw Hill; 2000

HARRISON, Wilson, Braunwald et al; editora Guanabara Koogan; segunda edição. 1992

CECIL, Wyngaarden & Smith. Tratado de Medicina Interna. Editora Guanabara Koogan; 1990.

Anatomia

GRAFF, Van de. Anatomia Humana. 6ª ed., Editora Manole, 2003;

MOORE, K.L. Anatomia Orientada para a Clínica, 3a. ed., Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2007.

NETTER, F. H., Atlas de Anatomia Humana. Porto Alegre, Editora Artes Medicas, 1996;

SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana. 22ª. ed. 2006

GRABOWSKI, SR.TORTORA; GJ CORPO HUMANO- Fundamentos de Anatomia e fisiologia. ARTMED, 6ª.ed. 2006.

Fisiologia e Medicina Interna:

AIRES, M (ORG.) Fisiologia. 3ª.Ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan,2009.

BERNE, R.N.Fisiologia. 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

GOLDMAN, L.; BENNETT,J.C.(Ed.), CECIL: Tratado de Medicina Interna. 21ª.ed Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

GUYTON, A.C.. Fisiologia Humana 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2008.

HARRISON. Medicina Interna, 15ª ed. Rio de Janeiro: McGraw Hill,2002.

Histologia / Patologia

COMARK, D.H. Fundamentos de Histologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1993

JUNQUEIRA, I.C.; CARNEIRO, J. Histologia Básica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

BOGLIOLO, L. Patologia. 7ª.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006

ROBBINS, S.L. Patologia Estrutural e Funcional. Saunders: Rio de Janeiro, 2006

Pneumologia

BETHLEM, N. Pneumologia. 4ª. ed. São Paulo: Atheneu, 1995. 957p.

BLASI, A.; olivieri, d. Hipersecreção brônquica. São Paulo: Andrei, 1983. 304p.

BRUNDI, E. Enfisema pulmonar crônico, tratamento e reabilitação. Rio de Janeiro: Atheneu, 1958

Atualização e Reciclagem, Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia volumesI, II e III. ed. Atheneu ,1999.

Doenças Pulmonare, Affonso B. Tarantino,, 4a. edição, Ed. Guanabara Koogan, 1997.

Pneumologia: Aspectos Práticos e Atuais, SOPTERJ. Ed. Revinter, 2001.

Pneumologia-Atualização, Ed. Atheneu SP,1999

Compêndio de Pneumologia, LC Correa da Silva, 1993, Fundação BYK.

TARANTINO AB, Doenças Pulmonares. Editora Guanabara KOOGAN, 6ª. Edição, 2007.

NERY LE, Fernandes ALG, Perfeito JAJ. Guia de Pneumologia. Editora Manole, 2007.

O Pulmão na Prática Médica. EPUB – Editora de Publicações Biomédicas, 4ª. Edição , 2010.

TORRES BS. Pneumologia. Editora Guanabara Koogan, 2005.

FAUCI, Anthony S et. Al. Harrison’s Principles of Internal Medicine 17th Edition . ed. MCGraw Hill, 2008.

GOLDMANN, Lee; Bennett, J. Claude; et. al.. Cecil Textbook of Medicine W.B. Sanders Company, 23th Edition, 2008.

Cardiologia

AIRES, M. M. Fisiologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guananabara Koogan, 1999.

BRAUNWALD,N. Heart disease, a text book of cardiovascular medicine. Saunders,Anh Internacional, 1992.

MYERS, R. S. Saunders manual of physical therapy practice. Philadelphia:

Sanders, 1995.

GOLDWASSER, G. Eletrocardiograograma orientado para o clínico. 2ª ed. RJ:Revinter, 2002.

GHORAYEB, N.; MENEGHELO, R. S. Métodos diagnósticos em Cardiologia. SP: Atheneu,1997.

GUIMARÃES. Propedêutica e semiologia em cardiologia. SP: Atheneu, 2004.

HESS, M. L. Doenças Cardíacas: primeiros cuidados. SP: Manole, 2002.

LEITE, P.F. Fisiologia do exercício. 3ª ed. Robe, 1993.

SAAD. Tratado de cardiologia/Semiologia. Vol. I, Guanabara, 2003.

ESTEFANNI. Cardiologia-Guia de medicina ambulatorial e hospitalar UNISFEP/EPM.SP: Manole, 2004.SCANLAN. C.L.; WILKINs.R.L; STOLLER,J.K. Fundamentos da terapia respiratória Intensiva de Egan. 7ª ed. SP: Manole, 2000.

VIVACQUA, R.; HESPANHA, R. Ergometria e reabilitação em cadiologia. RJ: Ed.

Nefrologia

Atualidades em nefrologia - Volumes 10 (2008) e 11 (2010). Editores – Cruz,Jenner; Cruz, HelgaMaria Mazzarolo; Kirsztajn, Gianna Mastroianni, Barros, Rui Toledo; Editora – Sarvier, São Paulo.

Ética e legislação na prática nefrológica - Portaria, Decretos e Leis de Interesse – Portarias sobre Transplante renal, Diálise e Assuntos gerais. Em: Portal da Sociedade Brasileira de Nefrologia

(www.sbn.org.br/index.php?portarias&menu=9

Fisiopatologia renal - 2ª edição, 2011. Editor - Roberto Zatz; Editora Atheneu, São Paulo.

Jornal brasileiro de nefrologia – brazilian journal of nephrology - Volumes 31 (ano 2009,nos 1-4), 32 (ano 2010, nos 1-4) e 33 (ano 2011, nos 1-4).. Edição impressa - Editora Elsevier, São Paulo.

Versão online - Acessar: http://www.jbn.org.br/ ou http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_serial&pid=0101-

2800&lng=en&nrm=iso (2009 - 2010).

NEFROLOGIA: GUIA DE MEDICINA AMBULATORIAL E HOSPITALAR DA UNIFESP – EPM 3ª edição, 2010. Editores – Ajzen, Horácio; Schor, Nestor. Editora – Manole, São Paulo.

Nefrologia - rotinas, diagnóstico e tratamento – 3ª edição, 2006. Editores – Barros, Elvino;Manfro, Roberto; Thomé, Fernando; Gonçalves, Luiz Felipe. Editora – Artmed, São Paulo.

O RIM - brenner & rector - referência rápida – 7ª edição, 2007. Editores – Clarkson, Michael R.; Brenner, Barry M. Editora – Artmed, São Paulo.

Primer on kidney diseases – 5ª edição, 2009. Editor - Greenberg, Arthur. Editora – Saunders Elsevier, USA.

Princípios de nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos – 5ª edição, 2010. Editor –Riella, Miguel Carlos; Editora – Guanabara Koogan, Rio de Janeiro.






1   ...   70   71   72   73   74   75   76   77   ...   114


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal