Do curso de medicina


DIMENSÃO: ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA: ASPECTOS GERAIS



Baixar 3.81 Mb.
Página5/114
Encontro24.10.2017
Tamanho3.81 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   114

3. DIMENSÃO: ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA: ASPECTOS GERAIS




3.1 Perfil profissional do egresso

A estrutura curricular do Curso de Medicina da UNIFAP, em consonância com as diretrizes curriculares do curso, formará Médicos generalistas e humanistas, promotores da saúde integral do ser humano, capacitados a atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde sob a perspectiva da integralidade da assistência e que, com base no senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, tenham ação crítica e reflexiva na promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, respeitando os princípios éticos, sócio-culturais do indivíduo e da coletividade.

Os profissionais egressos serão dotados das competências e habilidades previstas nas Diretrizes Curriculares Nacionais de medicina, quais sejam: atenção à saúde, tomada de decisões, liderança, comunicação, administração e gerenciamento e educação permanente.

Além disso, dotará o futuro profissional de um perfil que o permitirá ser capaz de:



  • Reconhecer a história do homem e relacioná-la com o processo saúde-doença nas diversas etapas do desenvolvimento humano;

  • Aplicar os valores políticos e éticos da profissão, como norteadores da prática;

  • Agir de forma empreendedora, no sentido de criar oportunidades de trabalho e ser agente de mudança;

  • Trabalhar de maneira inter-pluri-transdisciplinar, considerando a complementaridade e diversidade dos saberes, integrando-se com outros profissionais no planejamento, organização e execução de ações conjuntas em saúde;

  • Agir com competência técnico-científica, compreendendo o ser humano em suas diferentes expressões e fases evolutivas, assumindo compromisso com a sociedade, auxiliando-a na reflexão sobre as questões de saúde e atuando na promoção, proteção e restauração da saúde da pessoa e da coletividade;

  • Desenvolver a capacidade de gerenciamento da assistência em saúde;

  • Gerenciar o processo de trabalho nos diferentes âmbitos profissionais (saúde da família, unidades básicas e hospitalares, escolas, clubes esportivos, empresas, indústrias e serviços autônomos);

  • Valorizar e desenvolver a capacidade de trabalhar em equipe;

  • Interagir na dinâmica do trabalho institucional;

  • Reconhecer-se como sujeito ativo e integrante da equipe de saúde e, como tal, co-responsável por ações conjuntas de atenção à saúde e pelo processo de formação de recursos humanos;

  • Buscar a apropriação e a construção do conhecimento e desenvolver habilidades para o processo de cuidar nos diversos níveis de atenção à saúde;

  • Realizar procedimentos básicos de uma investigação científica e resolver os problemas encontrados na sua prática, utilizando-se do conhecimento apreendido quando a situação exigir;

  • Participar dos movimentos de qualificação das práticas de saúde;

  • Inserir-se na realização de produção do conhecimento voltadas ao desenvolvimento da área médica;

  • Exercer a cidadania plena, sendo solidário, participativo e com discernimento e compreensão da alteridade e da complementaridade em relação ao outro e à coletividade na busca da consolidação dos direitos do ser humano à saúde e da proteção e preservação do meio-ambiente;

  • Buscar conhecimentos com vistas ao constante aperfeiçoamento profissional, construindo, utilizando, participando do desenvolvimento de pesquisas e outras formas de produção científica e técnica;

  • Valorizar e por em prática os novos conhecimentos da área visto que o conhecimento é construído historicamente e, portanto, provisório;

  • Reconhecer a saúde como direito e condições dignas de vida e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência em serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos;

  • Contribuir para a manutenção da saúde, bem estar e qualidade de vida das pessoas, famílias e comunidade, considerando suas circunstâncias éticas, políticas, sociais, econômicas, ambientais e biológicas;

  • Realizar análise crítica e contextualizada da realidade social e de seu perfil epidemiológico, visando identificar problemas e intervir de forma a transformá-la.

  • Desempenhar atividades de planejamento, organização e gestão de serviços de saúde públicos e privados, além de assessorar, prestar consultorias e auditorias no âmbito de sua competência profissional;

O perfil dos egressos deste curso deverá refletir uma formação inovadora, interdisciplinar e de qualidade, diante das responsabilidades e funções que estes egressos terão que assumir no desempenho de sua profissão. A formação generalista e humanista do médico o permitirá atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde. Essa atuação implica ter sólida formação que permita a compreensão, interligação e operacionalização dos aspectos que envolvem o assistir, educar, pesquisar e administrar. O que possibilitará ao profissional autonomia intelectual, e segurança na tomada de decisão visto que o que busca é a intervenção profissional contextualizada e competente.


3.2 Perfil do curso

O Curso de Graduação em Medicina da UNIFAP visa a formação de médicos generalistas, humanistas que saibam trabalhar em equipe, que compreendam o ser humano globalmente considerando seus aspectos sociais e biológicos e em suas diversas etapas de desenvolvimento. Esta formação, associada ao desenvolvimento de uma postura crítica e reflexiva, que tornará o futuro médico apto a atuar nos diversos níveis de atenção à saúde e comprometido com a promoção da saúde e com políticas que garantam qualidade de vida da comunidade.

O Médico deverá trabalhar e coordenar equipes numa perspectiva que transcenda o fazer técnico e o cuidado com o corpo biológico. É necessário resgatar o cuidado autêntico, solicitude que reconhece o homem como ser social, histórico e existência. Almeja-se, ainda, um profissional que integre e interaja criticamente, como sujeito ativo, co-responsável e co-participante nas decisões de qualquer natureza, em equipe de forma inter, multi, pluri e trans disciplinar.

O Projeto Pedagógico propõe experiências superadoras do conhecimento estanque e compartimentalizado que quando revertidas em práticas no trabalho coletivo serão enriquecedoras e dinamizadoras do aprender a conviver e, ao mesmo tempo, aprender a respeitar o outro, que faz a diferença para o cuidar do ser humano de forma integrada, integral e individual.

Tal concepção levaria a formação de um médico preocupado com o cuidado do paciente, produtor de conhecimento, que compreenda a realidade e a transforma em defesa da qualidade de vida e promoção da saúde.

Para tanto, o curso é desenvolvido em eixos temáticos de maneira a oferecer o conhecimento de maneira integrada através de problemas reais e inseridos na comunidade, utiliza metodologia ativa centrada no aluno que tem sido utilizada no mundo todo desde a sua criação na Universidade de MacMaster, Canadá, em 1960. No Brasil foi introduzida pela FAMEMA em 1976 e posteriormente pela Universidade Estadual de Londrina é denominada PBL (Problem Based Learning) ou ABP (Aprendizagem Baseada em Problemas). Em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) de 2001, visa a formação de um profissional competente para o atendimento das necessidades de saúde da população em geral, no que diz respeito à promoção e prevenção de doenças, diagnóstico e eficácia de suas ações terapêuticas e reabilitadoras.

No PBL o aprendizado desloca-se da transferência passiva do conhecimento para a responsabilização do aluno na procura de novas informações e análises, reconhecidas como necessárias para explicarem os problemas resultantes. O estudante deverá compreender e conhecer os primeiros passos do caminho para aprender a aprender, como um processo de apropriação do conhecimento e elaboração ativa, em interação com o objeto e outros sujeitos. Este é o ponto chave do processo de ensino-aprendizagem de adultos.

Como a busca e a aquisição de conhecimentos constituem um processo contínuo ao longo da vida de cada indivíduo, os estudantes, durante o curso, serão encorajados a definirem seus próprios objetivos de aprendizagem, além de tomarem a responsabilidade por avaliar seus progressos pessoais no sentido do quanto estão se aproximando dos objetivos formulados.

O conhecimento, portanto, não se separa da vida material da sociedade, ou seja, é processo inerente à relação que os homens estabelecem entre si e com a natureza, na produção e reprodução de sua existência. É isto o que distingue os homens dos demais seres naturais: a propriedade de ser ativo e consciente, a possibilidade de desenvolver capacidades e forças reais. E é nisto que reside o fundamento da educabilidade humana - na existência do conhecimento prévio. Na atividade prática, material e consciente, o homem apreende fatos e leis do mundo objetivo, assimila e comunica resultados dessa apreensão. O conhecimento, portanto, é ingrediente de toda educação.

Teoria e prática devem, portanto, estar integrados na construção de um saber significativo. Essa interação se faz presente na construção curricular do curso de medicina na medida em que se estabelece a articulação entre o mundo da aprendizagem e o mundo do trabalho. Dessa forma, os elementos disparadores da aprendizagem são as situações-problema de saúde-doença que devem ser enfrentadas na prática profissional. O confronto com essas situações, reais ou simuladas, visa garantir o desenvolvimento de uma aprendizagem significativa, uma vez que dão sentido às capacidades requeridas. As capacidades relacionadas às dimensões ético-social, técnico-política e das relações intersubjetivas devem ser abordadas de maneira articulada, visando o desenvolvimento integrado dos domínios cognitivo, psicomotor e afetivo, sempre frente a situações-problema.



Objetivos Gerais
Formar profissionais médicos que saibam respeitar os princípios éticos/bioéticos, morais e culturais do indivíduo e da coletividade. Um profissional voltado à educação, promoção, prevenção e reabilitação da saúde, buscando continuamente o conhecimento científico e apto a adquirir, por iniciativa própria, conhecimentos que possam garantir uma educação continuada e permanente a fim de transformar a realidade e intervir no melhoramento da saúde e da qualidade de vida das comunidades, capaz de reconhecer e intervir sobre os problemas/situações de saúde e doença mais prevalentes no perfil epidemiológico, com ênfase na sua região de atuação, identificando as dimensões sociais dos seus determinantes. Capacitado a atuar, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, como promotor da saúde integral do ser humano.

Formar um profissional que seja sujeito ativo e criativo no contexto onde se insere, atuando intencionalmente e com sabedoria na equipe interdisciplinar, em situações de atendimento individual e/ou coletivo.


Objetivos Específicos


  • Propiciar ao aluno formação intelectual na área médica, favorecendo sua atuação profissional nos diversos campos da saúde;

  • Desenvolver a consciência do compromisso social, da cidadania, no cumprimento do exercício profissional;

  • Capacitar o aluno para atuar no campo da medicina de forma a preservar os valores morais, éticos e sociais, com vistas ao aperfeiçoamento da sociedade e à busca do bem-estar social da comunidade;

  • Promover, através do engajamento de discentes e docentes, a prestação de serviços na área de acordo com às necessidades da comunidade local e regional;

  • Oportunizar o fiel cumprimento do preceito constitucional da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, na área das ciências da saúde;

  • Propiciar ao aluno uma formação teórico-prática na área, que favoreça o desenvolvimento de uma visão crítica e futuramente, como profissional a intervir de forma adequada nos distintos campos de sua atividade profissional;

  • Preparar o futuro Médico para lidar e atuar com as demandas sociais e comunitárias emergentes na saúde, educação e assistência.



1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   114


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal