Do curso de medicina


COERENCIA DOS CONTEÚDOS CURRICULARES COM OS DCN



Baixar 3.81 Mb.
Página21/114
Encontro24.10.2017
Tamanho3.81 Mb.
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   114

14. COERENCIA DOS CONTEÚDOS CURRICULARES COM OS DCN

Os conteúdos essenciais do curso de Medicina da UNIFAP estão de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais, pois foram pensados tendo como eixo o processo saúde-doença do cidadão, da família e da comunidade integrado à realidade epidemiológica e profissional da região em que está inserida.



14.1 IESC – Prática de Interação Ensino Serviços e Comunidade


A IESC consiste em desenvolver um trabalho cotidiano, coletivo, pactuado e integrado entre docentes do curso de medicina, preceptores, alunos e profissionais da UBS (Unidade Básica de Saúde), visando à reorientação da formação profissional com ênfase na atenção primária desde o início da formação médica.

O Módulo de IESC objetiva uma formação médica generalista, holística, humanista, crítica e reflexiva, com profissionais dotados de capacidades e habilidades para desempenhar a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, com vistas a melhorar a formação e fortalecer o SUS (Sistema Único de Saúde).

Os cenários práticos, extramuros universitários, onde o estudante poderá conhecer e, até criar vínculos com a comunidade, proporcionarão ao futuro profissional médico uma visão social abrangente, assim como capacidade para prestar cuidados permanentes, resolutivo diante da tomada de decisões.

A IESC é um dos módulos longitudinalmente que se desenvolve ao longo de todo o ano letivo, do primeiro ao quarto ano, e representa um apoio pedagógico a diferentes momentos da formação do aluno de medicina. Esse módulo acontece sempre em consonância com os módulos verticais.

Assim sendo, desde o início da formação profissional dos futuros médicos, os acadêmicos são encaminhados para os cenários de práticas, especificamente para as UBS’s onde atuam equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) desenvolvendo atividades de Atenção Primária à Saúde (APS), segundo princípios e diretrizes do SUS, voltando-se principalmente, para atenção integral à saúde.

A riqueza de informações oferecida quando o universitário entra em contato com a comunidade, amplia sua visão de mundo através da reunião de conhecimentos adquiridos na academia e na prática, proporcionando a formação de um profissional reflexivo e crítico, capaz de construir, desconstruir e reconstruir conhecimentos, para atuação em um mundo cada vez mais novo e em constante processo de transformação, garantindo o atendimento integral e humanizado à população.

No final de cada ano letivo o aluno deverá estar dotado de uma maior qualificação na dimensão técnica, ética, comunicacional e de inter-relações pessoais, estando apto a desenvolver de forma crescente, ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo, dentro do conhecimento desenvolvido no decorrer de cada ano.



14.2 Internato Médico


O internato médico compreende o estágio curricular obrigatório de treinamento em serviço, destinado a complementar e aprimorar os atos médicos e conhecimentos apreendido os períodos anteriores do curso de graduação.

O Internato é uma atividade obrigatória, como etapa que integra o processo da graduação do aluno do curso de medicina, para o treinamento em serviço, sob supervisão direta dos docentes da própria Universidade.

O Internato compreende atividades de aprendizagem social, profissional e cultural proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais de vida, em cenários de prática diversos, ambientes de futura atuação dos alunos do curso, como uma complementação do processo ensino-aprendizagem.

As atividades do internato são desenvolvidas nas áreas definidas na matriz curricular do curso de Medicina da UNFAP, conforme descrição no item a cima que define o Intenato Médico.

15. DISCIPLINA OPTATIVA DE LIBRAS

A Instituição através da Resolução nº 014/2009-CONSU aprovou a normatização de Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, que torna obrigatória para os Cursos de Licenciatura e Optativa nos demais Cursos de Graduação, no âmbito da UNIFAP. Dessa forma, optou-se por inserir LIBRAS como Módulo Optativo, na Matriz Curricular do Curso de Medicina.



16. CARGA HORÁRIA MÍNIMA E TEMPO DE INTEGRALIZAÇÃO (Parecer CNE/CES 08/2007 e Resolução CNE/CES 02/2007) 

Carga horária total do Curso de Medicina : 10616 horas



17. CONDIÇÕES DE ACESSO PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (Dec. 5.296/2004, a vigorar a partir de 2009) 

A construção do prédio de Medicina da UNIFAP, foi executada seguindo as especificidades de acesso aos portadores de necessidades especiais, como rampas e banheiros com adaptações específicas aos mesmos.



BIBLIOGRAFIA

Barrows HS, Tamblyn RM. Problem-based learning. New York: Springer Press; 1980.

BRASIL. Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de Regulação, Controle e Avaliação, Macapá-AP, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Caderno de Informações de Saúde. Informações Gerais. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Saúde Amazônia: relato de processos, pressupostos, diretrizes e perspectivas de trabalho para 2004/ Ministério da Saúde- Brasília, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Aprender SUS: o SUS e os cursos de graduação da área da saúde/ Ministério da Saúde, Brasília, 2004.

Columbia Encyclopedia, Sixth Edition. Bibliography: See J. Walton et al., ed., The Oxford Companion to Medicine (2 vol., 1986);

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 4, de 7 de novembro de 2001.

Estrutura Curricular do Curso de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em http: //www.ufmg.br

Estrutura Curricular do Curso de Medicina da Universidade de Marília. Disponível em http: www.unimar.br

Estrutura Curricular do Curso de Medicina da Universidade de Campinas- SP. Disponível em http: // www. unicamp.br

Governo do Amapá (Brasil). Indicadores de dados básicos: IDB 2010 Brasil. Indicadores de recursos. Número de leitos hospitalares por habitante. 2010 [acesso em: 2013 Set. 18]; Disponível em:



http://www.ap.gov.br/amapa/site/paginas/historia/indios.jsp

IBGE. Os indígenas no Censo Demográfico. 2010. [Acesso em: 17 set. 2013] Disponível em: >.

IBGE. Os indígenas no Censo Demográfico. 2010. [Acesso em: 17 set. 2013] Disponível em: .

Historical study by H. E. Sigerist (2 vol., 1951-61);



LIBÂNEO, José C. Didática. São Paulo, Cortez, 1998

Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993. Disponível em http: // www.planalto.gov.br

Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Disponível em http:// www.saude.inf.br.

Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Disponível em http:// www.planalto.gov.br

Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Disponível em http:// www.conselho.saude.gov.br

MARTINS, M. A. & Niza, I. Psicologia de aprendizagem da linguagem escrita.

Ministério da Saúde (Brasil). Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a

vigilância da saúde da mulher. Como morrem os brasileiros: tendências e desigualdades nas regiões, unidades federadas e nas categorias de raça-cor nos anos de 2000 a 2010 [acesso em: 2013 Set. 20]; Disponível em:



<http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Fev/21/saudebrasil2011_parte1_cap5.pdf

Lisboa: Universidade Aberta, (1998).

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Painel de monitoramento da mortalidade materna. Brasília; 2010. [acesso em: 2013 Set. 20]. Disponível em: http://svs.aids.gov.br/dashboard/mortalidade/materna.show.mtw

Norma Operacional Básica do SUS 96. Disponível em htpp: // www.saude.gov.br

Rede Interagencial de Informações para a Saúde (RIPSA). Indicadores de dados básicos: IDB 2010 Brasil. Indicadores de recursos. Número de leitos hospitalares por habitante. 2010 [acesso em: 2013 Set. 18]; Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?idb2011/e03b.def>
Rede Interagencial de Informações para a Saúde (RIPSA). Indicadores de dados básicos: IDB 2010 Brasil. Indicadores de recursos. Número de postos de trabalho de nível superior em estabelecimento de saúde. 2009 [acesso em: 2013 Set. 18]; Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?idb2011/e16.def>

Rede Interagencial de Informações para a Saúde (RIPSA). Indicadores de dados básicos: IDB 2010 Brasil. Indicadores de mortalidade. Número proporcional por grupo de causa. 2007-2010 [acesso em: 2013 Set. 17]; Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?idb2011/c04.def>

Regimento Geral da Universidade Federal do Amapá. Disponível em http: //www.unifap.br

Relatório de Gestão 2006 da Universidade Federal do Amapá. Macapá – AP, abril de 2005.

Studies by R. Hudson (1983), P. Starr (1983), D. Dutton (1988), and E. Shorter (1991).




1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   114


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal