Diretoria legislativa


BAÍA DE GUANABARA E PORTO DO RIO



Baixar 9.04 Mb.
Página75/81
Encontro07.10.2019
Tamanho9.04 Mb.
1   ...   71   72   73   74   75   76   77   78   ...   81

BAÍA DE GUANABARA E PORTO DO RIO:


1. OBJETIVO: Verificação de pontos críticos de entrada de drogas e armas na Baia de Guanabara e condições de fiscalização de entrada e saída de mercadorias do Porto do Rio de Janeiro.

2. DILIGÊNCIA: Nos dias 03/04 de novembro de 1999, os Senhores Deputados designados procederam visita ao Núcleo Especial de Polícia Marítima do Rio de Janeiro, ao Porto do Rio de Janeiro e foram recebidos em audiência pelo Sr. Governador Anthony Garotinho e pelo Sr. Prefeito Luiz Paulo Conde.

2.1. Núcleo Especial de Polícia Marítima:

O NEPOM Rio, criado em 18 de outubro de 1999, conta com trinta e cinco profissionais em sua fase de implantação e tem por finalidade prevenir e reprimir os crimes cometidos a bordo de embarcações, principalmente “atos de pirataria”. Trabalha em apoio às Delegacias Especializadas de Crime Ambientais, Imigração Ilegal, Contrabando de Descaminho, Tráfico Ilícito de Drogas e Tráfico de Armas.

Alguns projetos devem ser relacionados como prioridade do NEPOM Rio: Blindagem das três lanchas existentes no DPF; monitoramento da Baía de Guanabara com câmeras de longo alcance e laser; baseamento de um helicóptero, obtenção de uma overcraft necessária a operações principalmente nas áreas de mangue.

Foram recolhidos os seguintes dados sobre a Baía de Guanabara:

ÁREA:15MN x 16MN (aproximadamente 400 km2)

PROFUNDIDADE: Varia de 20cm a 30m

PRINCIPAIS PROBLEMAS:

- Cercada por várias áreas favelizadas constituindo situação de risco;

- Navegação dificultada pela poluição, pedras e águas rasas;

- Cerca de quatrocentas pequenas embarcações, em sua maioria pesqueiras causando intenso trânsito;

- Inúmeras colônias de pesca e iate-clubes;

- Existência de vários navios abandonados e sucateados de propriedade do Loyd Brasileiro.



FUNDEADOUROS DE NAVIOS MERCANTES:

- Fundeadouros cinco e seis ao norte da ponte Rio-Niterói;

- Terminais da Petrobrás;

- Fundeadouro da Ilha Rasa, cuja lotação é ampliada em razão da isenção de pagamento de taxa junto a CIA Docas do Rio de Janeiro.



CRIMES COMETIDOS NA BAÍA DE GUANABARA:

- Ambientais: Pesca ilegal e despejo de óleo. Nestes crimes o NEPOM atua em conjunto com o IBAMA e DELEFAZ;

- Pirataria contra navios mercantes;

- Contrabando e descaminho;

- Imigração ilegal;

- Tráfico ilícito de entorpecentes e armas: A área é potencialmente favorável a pratica de tais delitos muito embora poucos sejam os registros de inquéritos instaurados, provavelmente em razão da fragilidade na fiscalização, motivo inclusive para criação do NEPOM.

2.2. Porto do Rio:

A Comissão Parlamentar de Inquérito foi recebida pela Diretoria da CIA Docas do Rio de Janeiro, ocasião em que foi colocado à disposição transporte e oferecidas todas as facilidades para a visita ao Porto.

A visita teve como objetivo principal mostrar os aspectos que envolvem a entrada e saída de mercadorias no porto, bem como o controle das cargas embarcadas e desembarcadas nos terminais.

No âmbito do Porto do Rio de Janeiro, o percurso foi realizado em ônibus que percorreu os oito quilômetros das instalações do porto, especialmente os locais onde as cargas são operadas e a forma como se dão a entrada e saída das mesmas no Porto.

A primeira parada se deu no Terminal de Produtos Siderúrgicos, arrendado à firma TRIUNFO, onde os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer os procedimentos operacionais.

A seguir, foi feita uma parada no Terminal de Contêineres arrendado a MULTITERMINAIS e outra nas instalações do portão de acesso ao porto que está sendo construído no Caju, o qual contará com instalações modernas de controle e um equipamento especial para verificação de cargas (scaner).

Durante o percurso e nas paradas acima citadas, foram dadas diversas explicações sobre o sistema de controle de entrada e saída de carga, conforme abaixo:

A RECEITA FEDERAL, informou que as vistorias físicas são realizadas em cerca de 20% dos contêineres descarregados no porto, e que dos 80% restantes, cerca de 20% serão verificados através do scaner, equipamento com um ano de funcionamento e de custo de aproximadamente setecentos mil dólares.

A Alfândega informou ainda que este processo de fiscalização de carga é feito por amostragem e pode ter seus percentuais modificados conforme a necessidade, tipo da carga e tipo do navio. Registre-se que cerca de duzentos mil contêineres ano, quatorze mil/ mês são movimentados no Porto do Rio. Cada contêiner pesa vazio 3.8 ton, sendo que vários estudos estão em andamento para viabilizar a perda de peso, já existindo contêineres de alumínio.

Os membros da CPI verificaram a impossibilidade de utilização do terminais de granel para transporte de entorpecentes.

Atualmente, a Alfândega mantém pessoal próprio nos portões, que em conjunto com a Guarda Portuária, respondem pelo controle de acesso ao porto.

O Porto do Rio de Janeiro, tem 9 (nove) terminais arrendados, sendo: 2 (dois) para Produtos Siderúrgicos, 2 (dois) de contêineres, 1 (um) roll on-roll off, 1 (um) para trigo, 1 (um) para papel, 1 (um) para açúcar e 1 (um) de passageiros.

Com os arrendamentos, a responsabilidade da operação, bem como aqueles inerentes ao fiel depositário, passaram a ser da responsabilidade dos arrendatários.

Hoje, os Terminais de Contêineres estão alfandegados sendo que os demais estão em processo de alfandegamento junto à Receita Federal.

Nos berços não arrendados, o Porto do Rio exerce o controle das cargas embarcadas e desembarcadas, conforme liberação da Alfândega do Porto do Rio de Janeiro.

Cabe ressaltar que as operações de carga e descarga são realizadas por operadores portuários registrados pela CDRJ.

Estão em funcionamento regular, 4 (quatro) portões rodoviários que permitem a entrada e saída de mercadorias, quais sejam: 1/2 (veículos) , 13/14 (terminal de açúcar), 24 (roll on/roll off - contêiners) e 32; 3 (três) ferroviários, quais sejam: 9/10, Arará e Caju. O portão 32, será fechado com a conclusão das obras do portão do Caju, informatizado, que servirá de modelo para os novos portões a serem construídos, incorporando padrões de alta tecnologia.

A visita foi acompanhada pelo Srs. Alexandre Tavares e Helio Schmayzen da Gerência do Porto, Murilo Amaral de Oliveira e Silva.



A
nexo: (1)
Desenho esquemático de localização de portões no Porto do Rio de Janeiro.

2.3. Audiência com o Governador:

Na ocasião estava presente toda a equipe de Segurança Pública do Governador à época: Dr. Luiz Eduardo Soares, Sub-Secretario; Dr. Ícaro Silva, Chefe da DRE; Dr. Roberto da Costa Gomes, Corregedor da Polícia Civil; Comandante Sergio da Cruz, Comandante Geral da PMERJ; Dr. Zaqueu da Silva Teixeira, Superintendente das Especializadas; Dr. Carlos Alberto D’Oliveira, Chefe de Polícia; Dr. Heralmir Ramirez Gomes, Sub-Diretor do CISP; Tenente-Coronel PM Marcilio Faria da Costa, Chefe do Serviço de Inteligência (PM-2); Tenente-Coronel Gilson Pita Lopes, Chefe de Divisão do CISP; Major PM Luiz Arthur Lutterbach Erthal, Analista de Inteligência do CISP e ainda o Sr. Procurador Geral de Justiça, Dr. José Muinos Piñero e o Sr. Secretário de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Dr. Sergio Sveiter. Toda a equipe foi disponibilizada pelo Sr. Governador para auxiliar nos trabalhos da CPI do Narcotráfico.

O Sr. Governador falou da necessidade de recuperação das instituições policias exemplificando com a criação da Delegacia Legal. Falou da deficiência do processo investigativo, da soma de sessenta milhões de reais no ano de 1999 para investimentos ressaltando que nos últimos cinco anos o total de investimentos foi de cinco milhões. E explicou estar nos seus planos a desativação das carceragens, sendo que vinte já teriam sido desativadas e três mil presos retirados das delegacias.

Sobre a Polícia Militar explicou da necessidade de recuperação de seu efetivo hoje de 29 mil homens, necessários 8 mil para reposição, estando 2,5 mil concursados em fase de treinamento. Quanto ao número de viaturas aduziu a compra de 600 novas viaturas esperando outras 400 ainda em 1999.

Sobre o combate ao narcotráfico decidiu como primeira tarefa a coleta de informações e sua informatização uma vez que nada existia, para tanto dividiu o Estado em 36 áreas chefiadas por um Delegado e um Comandante.

No aspecto da prevenção/recuperação apresentou sucintamente o Projeto Vida Nova, a ser instalada em 50 comunidades através dos Programas: Tele-Curso, Verde Que Te Quero Verde, Bom de Bola, Viva Legal, Meu Médico Meu Amigo, Cidadania (Defensoria Pública), Justiça e Paz e Leitinho. Noticiou a inauguração do primeiro hospital para dependentes químicos, a retomada do PROERD (Programa contra drogas nas escolas) e o treinamento de 3.500 policiais para o policiamento comunitário, referindo como meta a faixa de 20.000 homens.

Dentre outros assuntos, foram discutidos ainda a problemática das armas no Brasil e as dificuldades de acesso aos dados telefônicos, em especial dos telefones celulares pré-pagos. Na oportunidade o Sr. Governador fez a entrega de alguns documentos, referidos no próximo item e ainda de documento reservado de apenas uma página de fax cuja transcrição encontra-se em anexo reservado.(Anexo 1-Reservado)



CONCLUSÃO

Depreendeu-se desta visita a necessidade urgente da aquisição de outros “scanners” para que a fiscalização dos containeres embarcados e desembarcados nos portos do Rio de Janeiro seja intensificada, visando inibir a ação dos narcotraficantes.

Mostrou-se necessário, também, um maior suporte material e de pessoal para o Núcleo Especial de Polícia Marítima, priorizando a aquisição de uma overcarft necessária a operação nas áreas de mangue, a disponibilização de um helicóptero para ficar baseado na área portuária, a blindagem das três lanchas utilizadas pelo Departamento de Polícia Federal para fiscalizar a área e por último, a viabilização do monitoramento da Baía de Guanabara com câmeras de longo alcance e laser.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   71   72   73   74   75   76   77   78   ...   81


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande