Diretoria legislativa


Resumo do que disse EMMANUEL OPOK SPHIEL, Testemunha



Baixar 9.04 Mb.
Página19/81
Encontro07.10.2019
Tamanho9.04 Mb.
1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   81

Resumo do que disse EMMANUEL OPOK SPHIEL, Testemunha:


Que, conviveu com narcotraficantes durante três anos porque esteve detido na Colônia Penal de Rio Branco.

Que, dentro da cadeia começou a se inteirar sobre quem comandava as redes de drogas e crimes no Estado do Acre.

Que, conheceu vários elementos que carregavam drogas da Bolívia para o Estado do Acre.

Que a droga chega por estradas vicinais normais, por auto‑estrada. porque eles têm um salvo conduto assinado por HILDEBRANDO PASCOAL, sempre com a mesma frase: "companheiros, passe livre para o nosso amigo...".

Que, uma ordem de HILDEBRANDO PASCOAL ou qualquer um dos seus familiares era cumprida no exato momento que chegasse na colônia penal.

Que, conheceu dentro do presídio Alemão, que "já era conhecido como assassino de Hildebrando Pascoal". Que certa vez Alemão foi tirado do Presídio com autorização de HILDEBRANDO PASCOAL para fazer um acerto de contas com um passador de drogas do Ponto da Conquista, que trabalhava para HILDEBRANDO PASCOAL e demais pessoas vendendo droga e que lhe deu um "tombo" de 15 quilos. Alemão foi mandado para que estourasse a cabeça dele, em plena rua, com uma escopeta, escoltado por um policial militar fardado, a mando de HILDEBRANDO PASCOAL.

Que, Alemão tinha autorização de HILDEBRANDO PASCOAL para cometer homicídios com armas militares do próprio soldado, cujo qual estava o acompanhando, até mesmo cometer assaltos, como foi cometido em várias bocas de drogas que não pertenciam à organização de HILDEBRANDO PASCOAL.

Que, com a influência de HILDEBRANDO PASCOAL foi dada fuga a vários bolivianos que foram pegos em flagrante, presos com 5O, 60 quilos de drogas e conseguiam sair com menos de três, quatro meses de cadeia. E era dito na Colônia Penal que eles eram libertados pelo Juiz, enquanto ele estava sendo levado a uma fuga facilitada.

Que, em troca disso teria que passar urna certa quantidade de tóxico para HILDEBRANDO PASCOAL. Que no caso dessa droga, geralmente era passada por Fortaleza do Abunã, que faz fronteira com a Bolívia. Que do outro lado, uns quatro a cinco quilômetros, por uma trilha mato a dentro, encontra‑se o quartel de fronteira do exército boliviano, cujo qual as entregas de drogas a soldados e oficiais, que faziam parte da guarda de elite de HILDEBRANDO PASCOAL HILDEBRANDO.

Que, todas as pessoas que faziam parte da quadrilha de HILDEBRANDO PASCOAL, que haviam saído da cadeia e que não queriam mais fazer parte do seu bando, foram exterminados, como "RONALDO DO PALHEIRAL".

Que, a organização de HILDEBRANDO PASCOAL é dividida em duas etapas. A primeira com os policiais que fazem parte do COI, que seria o primeiro esquadrão de extermínio do Estado do Acre. Que matava todos os ex-presos envolvidos com HILDEBRANDO PASCOAL e que não queriam mais fazer parte da organização.

Que, conhece bolivianos que até hoje, para pagar as suas fugas da colônia penal de Rio Branco, ainda continuam mandando pasta base e “crack” para a organização de HILDEBRANDO PASCOAL.

Que, os presos no Acre saíam à noite com autorização de HILDEBRANDO PASCOAL para assaltar e retornava no outro dia.

Que, viu todos esses fatos narrados, dentro do presídio, aonde cumpriu pena.

Que, os presos eram soltos por ordem direta de HILDEBRANDO PASCOAL.

Que, HILDEBRANDO PASCOAL é vinculado ao narcotráfico.

Que, os presos podiam sair do presídio desde que traficassem ou fizessem algum serviço para HILDEBRANDO PASCOAL HILDEBRANDO.

Que, os presos traficavam para ganhar a liberdade, porque uma vez que eles saíssem para fazer isso, eles saíam duas, três, quatro vezes. Na Quinta, ele não voltava, ele ficava como foragido. E andava, anda na cidade, na Capital, no interior, legalmente, e ninguém o incomodaria, porque ele era protegido.

Que, o trato era mais ou menos o seguinte: tu vai e volta quatro vezes, na Quinta tu fica liberado, mas vai ficar registrado na cadeia como fugitivo.

Que, os traficantes bolivianos disseram que continuavam mandando pasta base de cocaína para pagar a fuga da cadeia e segundo disseram essa pasta base ia para HILDEBRANDO PASCOAL e era entregue em Fortaleza do Abunã para oficiais da Polícia Militar do Acre.

Que, isso acontecia até o ano de 1996. Sobre o ano de 1996 para cá não pode comentar.

Que, os policiais do COE andavam encapuzados.

Que, o Sargento Alex é envolvido com tráfico de drogas e que já tirou diversos presos da cadeia. Que fazia parte da guarda de elite do HILDEBRANDO PASCOAL.

Que, o traficante “Açúcar", que era amigo do depoente, traz a droga da Bolívia com o dinheiro de HILDEBRANDO PASCOAL HILDEBRANDO e trafica para ele na Cidade Nova, no Quinze, no mercado e passa para as demais. "E ele sempre prestava conta. Quando ele se dava mal, que era pego pelo pessoal da entorpecente, ele ia passar uns dias na cadeia, mas com dois, três meses ele estava na rua".

Que, o "Roxo", motorista de HILDEBRANDO PASCOAL e preso como estuprador, saía da cadeia para fazer transporte de presidiário para a fazenda de HILDEBRANDO PASCOAL, e passava o dia, ia dormir na cadeia, até um dia Que, não sabe como é que foi, ele já ia direto para a casa de HILDEBRANDO PASCOAL. Que a caminhonete de HILDEBRANDO PASCOAL dormia na casa dele.

Que, a caminhonete vermelha de HILDEBRANDO PASCOAL, com vidro fumê chama‑se a caminhonete da morte, quando o vidro abre perto de você, você está morto.

Que, os traficantes eram soltos a mando de HILDEBRANDO PASCOAL.

Que. o sargento Alex nunca teve dificuldades financeiras.

Que, quase 50% dos policiais do Acre têm patrimônio incompatível com o que eles ganham.

Que, tudo indica que o ex‑Governador Orleir Cameli é sócio de HILDEBRANDO PASCOAL, porque a corrente do narcotráfico, existe uma carta denúncia, cuja qual ele relata, "o meio de transporte usado da droga que vem do Peru, ela vem sido trazida pela balsa da família Cameli. Essa balsa ela vai para Boca do Acre. E a balsa que traz o gás, tá? Então ela desce lá de cima, a droga vai até a balsa que vem de Manaus ‑ tá? ‑, o pessoal leva a droga através de canoa até a balsa ‑ tá ‑, aí passam essa droga para a balsa e essa balsa entra para a Boca do Acre, aonde que daí faz a distribuição também para o Acre. Porque lugares para passar a droga no Acre é o que não falta, tá ?”

Que, a droga é carregada na balsa da família Cameli.

Que, essa balsa carrega droga para o HILDEBRANDO PASCOAL e para a Ney Veículos. "Que os dois parece que têm uma parceria nesse sentido de traficantes".

Que, segundo dizem o Betão não mata, manda matar. Que o Betão é muito temido.

Que os traficantes diziam que quando se passa com droga por Tarauacá, era só fazer o acerto com o Damasceno, que não tinha problema nenhum.

Que, no Acre devem passar aproximadamente 1500 quilos de pasta base de cocaína por ano.



1   ...   15   16   17   18   19   20   21   22   ...   81


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal