Dificuldades e distúrbios de aprendizagem: implicaçÕes pedagógicas



Baixar 82.56 Kb.
Encontro14.06.2018
Tamanho82.56 Kb.

DIFICULDADES E DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM: IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS1

Odânia Cordeiro da Silva2

Orientador3

RESUMO: Tendo em vista o quanto não se faz uma distinção conceitual e prática de dificuldades de aprendizagem e de distúrbios de aprendizagem, ocorrendo uma igualização destes termos, e consequentemente implicações nas atuações pedagógicas no cotidiano escolar, mostrando o quanto se faz necessário o conhecimento das causas destes transtornos de aprendizagem, e suas características, de modo a se fazer corretas intervenções profissionais que contribuam com as ações pedagógicas que se intercalam com ações psicopedagógicas nos processos de aquisição de aprendizados na evolução humana.

PALAVRAS-CHAVE: Aprendizagem; Dificuldades; Distúrbios.

INTRODUÇÃO:

Trata o presente artigo do estudo de dificuldades e distúrbios de aprendizagem e o que eles acarretam para a prática pedagógica do professor. Partindo do ponto de que existe no meio docente uma complexibilização dos termos distúrbios de aprendizagem e dificuldades de aprendizagem acarretando em uma igualização desses problemas distintos.

A avaliação feita através de leituras de situações de aprendizagem se faz necessária para que se perceba a maneira com que os distúrbios e as dificuldades de aprendizagens trazem implicações pedagógicas nas construções cognitivas na educação sistemática e assistemática. Onde temos a avaliação Psicopedagogia como uma modalidade de avaliação que se desenvolve no processo de ensino-aprendizagem para aprofundar no conhecimento de aspectos pessoais e escolares.

Partindo deste ponto, visar facilitação da permanência de alunos que apresentam tais transtornos no meio escolar. Visto que a aprendizagem é resultado de experiências que se tornam concretas numa mudança adquirida de comportamentos, regidos por condições internas e externas, inerentes ao individuo movido por interações psicosociológicas e neurológicas.

Diferenciando assim distúrbios de aprendizagem de dificuldades de aprendizagem, de modo a propiciar uma intervenção pedagógica e ou psicopedagógica coerentes, incumbindo-se adequadamente profissionais para tais atendimentos tanto na individualidade como na coletividade, visando um aprendizado não preconceituoso, um aprendizado que contemple a todos de maneira igualitária.

DESENVOLVIMENTO:

Os termos dificuldades e distúrbios de aprendizagem têm gerado muita controvérsia entre profissionais, tanto na área da saúde como da educação, devido a sintomatologias muito amplas, com uma diversidade de fatores etiológicos que envolvem o aprendizado, tomando terminologias por vezes diferenciadas por vezes igualizadas.

As alterações na aprendizagem por conta de enfoques pedagógicos apresentam nas dinâmicas educativas escolares variações, modificações e/ou adaptações nas conceituações e caracterizações destas, na tentativa de se poder revelar a sua presença nas classes escolares, sem deferir rótulos às crianças, rótulos estes que por vezes prende quem os recebe em um conceito que vem em prejuízo de suas aquisições do conhecimento, bem como causam temor e sentimentos de culpa aos responsáveis por estas. Dentro de um sistema educacional complexo e dinâmico, onde atualmente e dado uma importância relevante e significativa aos problemas relacionados à aprendizagem, colocando-os em lugares privilegiados nos sistemas educacionais, devida em grande parte ao fato de que cada vez mais a sociedade visa o sucesso pessoal do sujeito, conectando esse sucesso diretamente ao bom desempenho escolar.

Se a criança não apresenta um desenvolvimento onde a aquisição da aprendizagem esteja em conformidade com o esperado para suas faixas etárias e aos conceitos que contemplam o desenvolvimento humano, logo ela tem problemas.

Na atualidade percebe-se que cresce consideravelmente o numero de alunos no nosso sistema de ensino, que são avaliados como tendo algum tipo de dificuldade e ou distúrbio relacionados ao processo de aprender. Pondo-se uma classificação aos transtornos de aprendizagem, considerando-se as funções cognitivas afetadas, resultantes de modificações estruturais e funcionais no sistema nervoso central (SNC). Modificações que ocorrem a partir de um ato motor e perceptivo que elaborado no córtex cerebral, dão origem a cognição. E aí fica a questão será que estamos falhando em nossas percepções junto aos alunos e suas múltiplas faces, histórias, moldes sociais que fazem com que estes exijam cada vez mais em nossos fazeres pedagógicos, ou realmente devido ao novo mundo social onde as crianças atuais nascem e desenvolvem ocorre um aumento significativo de transtornos de aprendizagem afetados pelas condições do meio.

Como o aprender é próprio do ser humano a expectativa é de sucesso incondicional, porém dificuldades para aprender são inerentes e pertinentes devido aos múltiplos e complexos fatores envolvidos.

Considerando que a palavra aprendizagem irá compor este documento variadas vezes, torna-se relevante buscar aqui conceituá-la: Aprendizagem é o processo pelo qual um sujeito, em sua interação com o meio, incorpora a informação oferecida por este, segundo suas necessidades e interesses. Bessa (2010, p.62), reforça a idéia de interação colocando que: “A aprendizagem pode ser definida como o despertar de processos de desenvolvimento no interior do sujeito que não ocorreriam sem o seu contato com o ambiente cultural.”. Processos que existem levados por dois tipos de condições para a aprendizagem: as externas que definem o campo do estimulo, e as internas que definem o sujeito.

Bessa (2010, p.10), cita Ferreira (1986), que define aprendizagem como: “Aprendizado; ato ou efeito de aprender; tomar conhecimento de: reter na memória mediante o estudo, a observação ou a experiência; tornar-se apto ou capaz de alguma coisa em conseqüência de estudo [ ]”, reforçando a idéia de que somente quem estuda adquire algo beneficente.

Seria muito fácil planejar aulas, com as mais vaiadas dinâmicas, que alavancam a aquisição dos mais diversos conhecimentos previstos nos currículos escolares, partindo do principio que uma classe de aula, é composta por iguais, organizadas em turmas e escolas, por faixa etária e localização habitacional, assim sendo com comportamentos caracterizados pelo meio e pelo período de vida em que se encontram então a aprendizagem fluiria igualmente para todos, porém sabe-se que não é bem isso que ocorre,cada ser que constitui uma turma é único, tem sua própria história evolutiva, construtiva de seu eu, e muitos destes apesar de um curto período de vida já apresentam déficits de aprendizagem, de causas diversas que vem a caracterizá-los como portadores de dificuldades e distúrbios de aprendizagem.

Neste sentido Serra (2009, p. 31) coloca que:


As teorias que embasam o construtivismo também podem ajudar o professor a compreender o conhecimento e a aprendizagem humana como um processo singular. A sala de aula é um espaço dialético, pois, ao mesmo tempo em que aprender é um processo individual, na escola, ele ocorre na coletividade. Cabe ao professor oferecer momentos de individualidade e momentos de coletividade na construção da aprendizagem.

Dificuldades de aprendizagem não se constituem em um fenômeno de fácil analise, são por vezes confundidas com patologias da aprendizagem. Porém quando as pistas e sinais são pesquisados nos contextos sociais e escolares se faz possível identificar e diferenciar possíveis dificuldades de aprendizagem de distúrbios de aprendizagem, visto que dificuldade de aprendizagem está relacionada a problemas de ordem pedagógica e/ou sócio culturais, e em uma perspectiva preventiva e com melhores condições há maiores possibilidades de atender o sujeito globalmente.

Distúrbios de aprendizagem sugerem a existência de comprometimento(s) neurológicos em funções corticais específicas, ocorrendo comprometimento no processamento de informações devido à existência de disfunções neuropsicológicas, levando a uma perspectiva clinica e/ou remediativa.

De acordo com a definição estabelecida no de 1981 pelo National Joint Comitee for Learming Disabilities (Comitê Nacional de Dificuldades de Aprendizagem). Nos Estados Unidos da América:


Distúrbios de aprendizagem é um termo genérico que se refere a um grupo heterogêneo de alterações manifestadas por dificuldades significativas na aquisição e uso da audição, fala, leitura, escrita, raciocínio ou habilidades matemáticas. Estas alterações são intrínsecas ao indivíduo e presumivelmente devidas à disfunção do sistema nervoso central. Apesar de um distúrbio de aprendizagem poder ocorrer concomitantemente com outras condições desfavoráveis (por exemplo, alteração sensorial, retardo mental, distúrbio social ou emocional) ou influências ambientais (por exemplo, diferenças culturais, instrução insuficiente/inadequada, fatores psicogênicos), não é resultado direto dessas condições ou influências. (Collares e Moysés, 1992, p.32).

Ainda temos a seguinte definição de distúrbio de aprendizagem:

Etimologicamente, a palavra distúrbio compõen-se do radical turbare e do prefixo dis. O radical turbare significa alteração violenta da ordem natural. O prefixo dis tem como significado alteração com sentido anormal, patológico e possui valor negativo. Ross (2003, p.65).

Nesta perspectiva, a expressão distúrbios de aprendizagem apresenta significado de anormalidade patológica por alteração violenta na ordem natural da aprendizagem, portanto distúrbio de aprendizagem remete a um problema ou a uma doença que acomete o sujeito em nível individual e orgânico.

Os distúrbios de aprendizagem não são óbvios e são vários, ou seja, há variadas maneiras de se manifestarem e se combinarem. Por exemplo, distúrbios psicomotores e distúrbios afetivos estão estreitamente ligados se influenciam e se esforçam mutuamente, indicam perturbações ou falhas na aquisição e utilização de informações ou na habilidade para a solução de problemas, implica na modificação dos padrões de assimilação e transformação seja por vias internas ou externas no/ao individuo. Distúrbios psicomotores são os de ordem física.

A psicomotricidade sempre leva em conta o individuo como um todo, tendo como características, além da coexistência de problemas motores de maior ou menor gravidade, transtornos na área do ritmo, da atenção, do comportamento, esquema corporal, orientação espacial e temporal, lateralidade e maturação.

Segundo Silva (2009, p.14) a “Educação psicomotora: Abrange todas as aprendizagens da criança, processando-se por etapas progressivas e específicas conforme o desenvolvimento geral de cada indivíduo.” Quando docentes se deten em observações detalhadas dos sintomas percebe-se que estes manifestam-se e combinam-se de diferentes modos de sujeito a sujeito.

Contribuindo com a importância da psicomotricidade no processo de aprendizagem e a prevenção dos distúrbios neste, Bessa (2010, p.83), coloca que:


A prática psicomotora na Educação é uma atividade de caráter essencialmente educativo e preventivo. Esta se utiliza do movimento corporal e de atividades lúdicas para estimular o desenvolvimento psicomotor, promover a integração dos aspectos motores, cognitivos e socioafetivos, além de preparar as crianças para aprendizagens futuras, favorecendo consideravelmente a alfabetização e prevenindo distúrbios de aprendizagem.

Refiro-me aos docentes, por ser nos momentos de aprendizagem sistemática que se percebe com maior clareza as sintomatologias que caracterizam as dificuldades e os distúrbios que afetam a aquisição das linguagens oral e escrita, bem como dos conhecimentos matemáticos, conhecidos como: Dislexia, Disgrafia, Discalculia.




  • Dislexia: De acordo com a, Internacional Dislexia Associaton, 1994, a dislexia é um distúrbio de linguagem, de origem constitucional, caracterizado pela dificuldade de decodificar palavras simples. Mostra uma insuficiência no processo fonológico (...) a criança falha no processo de aquisição da linguagem com frequência, incluindo aí os problemas de leitura, aquisição e capacidade de soletrar.

  • Disgrafia: É uma deficiência na linguagem escrita, mais precisamente na qualidade do traçado gráfico, é geralmente associada à dificuldade de integração Visio motora e habilidades motoras finas, sem comprometimento neurológico e/ou intelectual.

  • Discalculia: É a dificuldade ou a incapacidade de realizar atividades aritméticas básicas, tais como quantificação, numeração ou cálculo.

É importante frisar que os processos de leitura e de escrita não são natos no individuo, não são de ordem genética, mas não podem ser separados do processo de desenvolvimento da espécie humana, e para que façam parte do ser suas aquisições requerem esforços, dedicações, interesses pelas partes (professor, aluno, família) envolvidas na aquisição destes processos. Para Vygostsky os processos mentais não são inatos, mas se originam entre indivíduos, e se devolvem ao longo do processo de internalização de formas culturais de comportamentos.


Estudos concebem a linguagem enquanto prática social oferecem elementos para compreender que, apesar da comunicação e da representação constituírem-se como funções da linguagem, elas não definem a sua natureza. Em outras palavras, podemos representar ou comunicar a partir da linguagem. Contudo, a linguagem implica um fenômeno que extrapola tais funções. Concebe-se, portanto, a linguagem como uma atividade constitutiva dos sujeitos, das relações sociais e das formas de organização da sociedade. Berberian, Bergamo (2009, p.15)

Em pesquisa realizada em uma EMEI da rede municipal de Santa Maria /RS, fora aplicado questionários, como instrumento de pesquisa, aos profissionais da educação que nesta atuavam, com finalidade de visualizar como os profissionais da educação desta, compreendem dificuldades e distúrbios de aprendizagem, e quais ações são tomadas a partir da percepção de que há alunos com características físicas e mentais que determinam que estes apresentam déficits na aprendizagem dentro do contexto escolar:

Questões que solicitaram aos entrevistados a colocação do que é mais comum na escola, se distúrbio, se dificuldades de aprendizagem, que atitudes professores/escola tomavam quando se deparavam com tais transtornos da aprendizagem, se existiam na escola profissionais para atendimento individualizado/especifico a essas crianças.

As respostas na sua maioria levaram a um contexto único. Apesar de ocorrer certa homogeneização aos fatos/causas que levam o individuo a apresentar dificuldades e/ou distúrbios de aprendizagem.

Há quase que um senso comum quando ao papel do professor e da escola, com pontuações comuns quanto há um envolvimento social não somente da escola, mas que envolvem família e outros profissionais, em especifico um educador especial, de que há de se realizar sempre um trabalho conjunto que englobe na busca por soluções professor, escola, família.

O atendimento se dá de maneira a solucionar/sanar os problemas que causam prejuízos no desenvolvimento global do aluno.

E quando percebível que não compete aos profissionais que constituem o quadro da escola, a criança com sintomatologias mais definidas de dificuldades de aprendizagem, de distúrbios de aprendizagem e outros patologias, são encaminhadas com conhecimento e consentimento da família para profissionais adequados. Visto que para se diagnosticar transtornos de aprendizagens é preciso que o sujeito, a criança seja submetida a uma avaliação multidisciplinar, que envolve diversos profissionais, tanto da educação como da saúde (neurologistas, psicólogos, fonodiólogos, pedagogos, psicopedagogos, outros).

Algumas crianças podem apresentar distúrbios neurológicos específicos, cujo o diagnostico é eminentemente clinico, mas não existem exames específicos para diagnosticar uma dificuldade escolar, está analise exige do pedagogo em sala de aula um olhar mais atento, uma real compreensão de fartos/fatores e causa que levam a criança a apresentar dificuldades em seu processo de aquisição de conhecimentos e armazenamento destes. E condicionado a isto, está o encaminhamento para uma ação preventiva conjunta com a família e outros profissionais, em especial o psicopedagogo que é profissional habilitado a intervenções dentro do contexto de aprendizagem, de modo a acrescentar melhoras e evoluções no aprendizado da criança com dificuldades de aprendizagem.

A Psicopedagogia é uma área de conhecimento e de atuação dirigida para o processo de aprendizagem humana. Seu objeto de estudo é o aluno com problemas de aprendizagem tanto orgânicos, como físicos, emocionais, psicológicos, culturais.

Serra, (2009, p.5), coloca que:


A Psicopedagogia tem por objetivo estudar, compreender e intervir na aprendizagem humana. Ao contrario do que o senso comum imagina a Psicopedagogia não se restringe ao estudo das dificuldades e dos distúrbios de aprendizagem, mas à aprendizagem de um modo geral, seja no estado normal ou patológico. Além disso, todos os seres humanos, em qualquer faixa etária, podem fazer uso da Psicopedagogia para aprender de forma mais eficaz ou compreender o seu próprio processo de aprendizagem.

Reforçando que a atuação do psicopedagogo é fundamental, tanto nos momentos de avaliação, quanto no acompanhamento das dificuldades escolares, por dar suporte onde o distúrbio principal é de natureza psicológica, e auxilia muito onde as dificuldades maiores são emocionais ou orgânicas, tendo como via final um rendimento escolar favorável ao aluno.

Não somente na escola pesquisada, quando colocados em pauta dificuldades de aprendizagem e distúrbios de aprendizagem, logo surge uma homogeneização relacionada a esses termos, porém não devem ser percebidos de forma igual ou como sinônimos, pois são de natureza distinta cada um possui causas próprias, características próprias, diagnósticos próprios e tratamentos próprios. Estudos recentes colocam que as áreas cerebrais envolvidas são específicas a cada um dos casos podendo ser simultâneos, como conseqüência um levando ao outro.

Dificuldades de aprendizagem: é um tipo de desordem de aprendizagem ou transtorno de aprendizagem, pela qual um indivíduo apresenta dificuldade em aprender efetivamente. Essa desordem afeta a capacidade do cérebro de receber e processar informações tornando complicado para o individuo o aprendizado tão rápido quanto o de outros não afetados por ela, são geralmente identificados na fase da escolarização. Serra (2009, p.38) refere-se ao termo dificuldades de aprendizagem como uma desvantagem para aprender, seja uma desvantagem cognitiva ou social.

As dificuldades de aprendizagem têm origem em uma ampla gama de problemas que afetam áreas do conhecimento causando déficits no desempenho acadêmico, raramente atribuídas a uma única causa, pois são muitos os aspectos que podem prejudicar o funcionamento intelectual, os ambientes tendem a estimular determinadas habilidades e/ou dificuldades de aprendizagem, problemas psicológicos freqüentemente complicados por ambientes domésticos e escolares, levam a classificar crianças como tendo baixa inteligência, indisciplina, preguiça, forçando-as a corrigirem-se, esforçarem-se por táticas comuns de recompensa ou punição.

É comum presenciarmos professores em suas praticas pedagógicas fazendo uso de material de ensino aprendizagem desestimulantes, desatualizado, totalmente fora de contexto, desprovido de significado para os alunos, sem levar em conta as diferenças individuais, os conhecimentos prévios de cada sujeito, o que de fato estes estão buscando na instituição além de um currículo pré estabelecido, elaborado por secretarias, e por vezes pelos corpos docentes das instituições de ensino, mas muito que raramente construído com a participação e/ou colaboração dos seus maiores executores/ praticantes, os alunos.

Em se tratando de currículos, Vergara (2011, p. 6) coloca que:
o currículo deve estar centrado nas habilidades, nos interesses e nas curiosidades da criança. Certas condições estruturais, como mobiliário, materiais educativos, horários, segurança e higiene do local, também são determinantes. As atividades oferecidas devem ser bem planejadas e ter objetivos concretos, deixando de lado a mera intuição e espontaneidade. (...) permitindo que as crianças se desenvolvam no seu próprio ritmo na aquisição de destrezas importantes, incluindo as de escrita, leitura, ortografia e matemática, ciências naturais, sociais, artes, musica, saúde e atividades físicas. Deve haver uma flexibilidade que permita criar modalidades que compreendam a diversidade de grupos de crianças atendidas, considerando-se cultura o território onde se insere cada programa, o tipo de necessidades e interesses das crianças. (...)
Neste sentido faz-se necessário trabalhar um currículo que estimule o aluno a buscar a construção de novos conhecimentos, a aquisição de novos aprendizados, isto ajudaria muito a diminuir as “complicações pedagógicas causadas por falsas dificuldades de aprendizagem. pois em se tratando de alunos com dificuldades de aprendizagem, devemos aprender a esperar pelo inesperado, e nunca presumir que um aluno não tem conhecimento prévio, não importando sua idade, inteligência, esperteza o progresso é uma questão de tentativas e erros. Crianças com dificuldades de aprendizagem perdem a motivação por não conseguir acompanhar as aulas, passam a usar o tempo para fazerem outras coisas, dificultando a aquisição de saberes, competências, habilidades intelectuais, sociais e afetivas de que todos necessitam. Outras por vez lutam com comportamentos problemáticos como:


    • Dificuldades para seguir instruções;

    • Fraco alcance de atenção;

    • Imaturidade social;

    • Dificuldades com conversões;

    • Inflexibilidades;

    • Fraco planejamento e habilidades organizacionais;

    • Distração;

    • Falta de destreza;

    • Falta de controle dos impulsos;

    • Inatividade física;

    • Competitividade;

    • Desencorajamento a compartilhar idéias e trabalhos;

    • Inadaptação a escola.

Situações que podem surgir por diversos motivos, como problemas na proposta pedagógica, capacitação de professores, problemas familiares que levam o aluno a desenvolver déficits que transgridem as esferas das relações escolares complicando ainda mais suas vidas acadêmicas. Com freqüência são os ambientes em que a criança vive, convive com iguais e diferentes, se desenvolve, e suas relações afetivas familiares e escolares que determinam o impacto da dificuldade.

Como, já colocado, não existem testes neurológicos para dificuldades de aprendizagem, a constatação deste problema ainda se dá por percepções, por olhares mais atentos, primeiramente pelos pais dentro do contexto familiar tão logo a criança passe a frequentar a escola este olhar perceptivo passa a ser executado pelos professores em coerência com seus olhares avaliativos cotidianos onde um tratamento afetivo. Um programa de educação apropriado, planejado para abordar as necessidades especificas de cada individuo, se fazem importante na procurara por ajuda de profissionais, que trabalhem com a criança no sentido de favorecer seu processo de aprendizagem, compreender os aspectos familiares e orientar a família (pais).

Segundo Serra (2009, p.99), “É na família que a criança tem contato com as primeiras aprendizagens, as denominadas proto-aprendizagens.” Assim sendo a criança não chega à escola nua de conhecimentos.

Dificuldade de aprendizagem na infância é uma ferida aberta para a família, pode ser um sintoma, as crianças precisam pedir ajuda de alguma forma é como se dissessem estou aqui, me ajudem meninos e meninas que passam por frustrações pessoais que acarretam em inseguranças (separação dos pais, nascimento de irmão menor, pais familiares que fazem uso do álcool e outras drogas), carências afetivas, emocionais, e até mesmo financeiras passam por abalos psicológicos que tem como conseqüência menor interesses e rendimentos escolares.

Ir mal na escola é uma situação comum em alunos integrantes de famílias desestruturadas, são alunos também desestruturados emocionalmente que desejam chamar a atenção sobre si.

Podemos observar que as histórias devida de cada sujeito tem um peso significativo em seu processo de aprendizagem. Processo que inscreve uma dinâmica de transmissão da cultura, que constitui a definição da palavra educação, sendo esta definida por quatro funções interdependentes: função mantenedora da educação, função socializadora da educação, função repressora da educação e função transformadora da educação.

As causas mais freqüentes para dificuldades de aprendizagem são fatores intra escolares como inadequação de currículos, de programas, de sistema de avaliação, de métodos de ensino, e relacionamento professor – aluno. E entre outras possíveis causas temos:




  • Defeitos ou erros na estrutura do cérebro;

  • Abuso de drogas;

  • Má nutrição;

  • Fatores socioeconômicos diversos;

  • Falta de envolvimento dos pais (família);

  • Problemas de ordem familiar;

  • Problemas metodológicos;

  • Falta de preparo de quem ensina;

  • Quantidades incorretas de vários neurotransmissores, ou problemas de comunicação entre várias partes do cérebro;

  • Condições precárias de ensino.

Não necessariamente sempre presentes, nem toda dificuldade escolar corresponde a um distúrbio de aprendizagem. Por outro lado, quando falamos em distúrbio de aprendizagem há uma referência, mais exata a um transtorno a um déficit, com características de graus variados, presentes no aprendiz. Isto quer dizer que, mesmo em condições muito favoráveis, ele pode a vir apresentar limitações em sua aprendizagem, tendo em vista diferentes razões para uma mesma manifestação (complicações no aprendizado).

Devemos ter cuidado para distinguir dificuldades escolares dos verdadeiros distúrbios de aprendizagem, que tem origem de fatores extrínsecos, mas que igualmente podem limitar o desenvolvimento escolar, tais dificuldades quando mal interpretadas, caracterizam o que podemos chamar de falsos distúrbios de aprendizagem.

Falsos distúrbios de aprendizagem são aplicados a crianças que embora tenham condições gerais favoráveis para aprender, faltaram-lhes principalmente por ordem social econômica, oportunidade para viverem situações propicia para novas aquisições principalmente de caráter acadêmico, distinguindo dificuldade de aprender de falta de oportunidade para aprender, por vezes estar inserido num núcleo escolar fisicamente não significa que o individuo está de forma igualitária aos demais tendo a mesma oportunidade de aprender.

As oportunidades dentro de uma instituição devem ser estendidas a todos que dela necessitam para o aprendizado se fazer homogeneamente no grupo.

Neste sentido Berberian e Bergamo (2009, p.92), colocam que:


(...), sabemos que as crianças desde o nascimento, desenvolvem-se na interação com as pessoas de seu convívio social, entrando em contato com seus valores, crenças e costumes. (...). Algumas crianças desde pequenas tem oportunidade de manusear livros, “ler” diferentes livros, jornais, revistas com o pai e mãe, “escrever” bilhetinhos com os pais, perceber e vivenciar sua função social. Outras crianças, porem, quase não tem material escrito: na sua casa não há livros, o jornal tem função de embrulhar coisas, os pais não lêem ou escrevem no seu cotidiano.

A colocação dos autores acima citados torna claro o papel das escolas em oportunizar a todos alunos o acesso e utilização dos mais variados recursos e métodos que motivam o aprendizado.

Podemos dividir o desenvolvimento em vários aspectos, como o cognitivo, afetivo, social, intelectual, comunicativo, motor, quando encontramos dois ou mais destes aspectos alterados, podemos falar em distúrbios mais globais do desenvolvimento.

Distúrbios globais de desenvolvimento constituem uma classe variada de problemas, como as deficiências mentais, o autismo e uma série de outras alterações que podem vir a provocá-los em graus diversos, dependendo da gravidade e da extensão das dificuldades encontradas.

Atenção, criança com dificuldade de aprendizagem é diferente de criança com dificuldades escolares, a ultima faz referencia a incompetência das instituições educacionais em desempenhar seus papeis sociais não podendo ser considerado como problema do aluno.

Ao se tratar de transtornos de aprendizagem percebem-se fatores que apontam para a necessidade de mudanças na postura familiar e nos investimentos em políticas públicas em educação que inserem nas escolas profissionais (psicopedagogos) para atender tais necessidades melhorando o acesso ao aprendizado e a uma qualidade de ensino igualitária a todos os educandos, redimensionando o olhar e as práticas sobre as dificuldades de aprendizagem e sobre os distúrbios de aprendizagem.

Chama atenção nas escolas a existência de crianças que apresentam dificuldade de aprendizagem e que aparentemente não apresentam defeitos físicos, sensoriais, intelectuais ou emocionais, e que, no entanto são rotuladas com uma série de síndromes, hipercinética, hiperatividade, autismo, lesão cerebral mínima, disfunção cerebral mínima, classificadas como portadores de distúrbios de aprendizagem, sendo que se fosse esclarecido ao corpo docente o que realmente caracteriza estes transtornos de aprendizagem, um acompanhamento correto com uma intervenção preventiva, realizada com professores família, psicopedagogos, com um programa individualizado que trabalhe o universo sócio afetivo de cada criança, bastaria para que estas apresentassem o rendimento escolar tão almejado por pais e professoras.

Uma intervenção pedagógica preventiva que de suporte ao educador pode favorecer a criança num futuro mais próximo, dando-lhes garantias de melhor qualidade de vida à medida que suas necessidades especiais são atendidas, antes que aumentem/evoluem.

Ao mesmo tempo em que seu contexto sócio familiar é também contemplado por esses serviços, com orientações sobre formas mais apropriadas de lidar com possíveis barreiras de natureza variada ao pleno desenvolvimento do potencial da criança. Pois é papel da escola o acolhimento á diversidade, criando condições de permanência e de progressão dos alunos na instituição, criando situações mobilizadoras onde não se esgotem os recursos e métodos de estimulação à permanência destes alunos na escola, ao mesmo tempo em que resgatem e aproximam as famílias, as integrando ao alcance das metas e objetivos comuns a todos.

Importante colocar aqui que dificuldades de aprendizagem não se restringem apenas à criança, visto que surgem devido a condições (físicas, de trabalho, temporárias, eventuais), fatores físicos e psicológicos (ansiedade, stress, depressão,...), que podem alterar o curso do desenvolvimento humano, causando limitações independentemente da faixa etária em que se encontra o individuo.

Cassol, Coradini, Rambo, Pauletto, (2003, p.155) nos colocam que:
O número expressivo de alunos com dificuldades na aprendizagem é preocupante em diversas localidades do país, na zona rural e urbana e em todos os níveis, da educação infantil ao ensino superior. Essas dificuldades não devem ser consideradas como um fator isolado, mas vistas como um conjunto de componentes afetivos, cognitivos e sociais. O desempenho cognitivo não se refere somente ao processo de maturação biológica, mas também ao resultado de uma longa trajetória em que se combinam fatores biológicos e a realidade sociocultural do aluno. (...)

Dando obrigatoriedade ao atendimento de crianças que apresentam transtornos de aprendizagem; o Ministério da Educação Secretária de Educação Especial Brasília no ano de 2006 elabora o documento intitulado: Educação Infantil Dificuldades acentuadas ou limitações no processo de desenvolvimento Saberes e práticas da inclusão, contendo orientações pedagógicas que tem como base o Referencial curricular nacional para a educação infantil (Brasil, 1998), com o objetivo de adaptar os conteúdos curriculares de modo a dar respostas a todas as necessidades educacionais de crianças com dificuldades acentuadas de aprendizagem.

Este trabalho apresenta propostas de organização de serviços de apoio educacional na educação infantil para crianças com dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento, ou que corram o risco de vir a tê-las devido à condições que podem alterar o curso do desenvolvimento, prejudicando o processo de adaptação da criança ao contexto em que vive, ao mesmo tempo, seu contexto sócio-familiar é também contemplado por esses serviços com orientações sobre formas mais apropriadas de lidar com possíveis barreiras de natureza variada ao pleno desenvolvimento do potencial da criança.

Estas colocações tornam claro que o compromisso da escola e dos profissionais da educação que integram o corpo docente, é o de garantir a aprendizagem a todos mesmo que para isto seja necessária a interseção com profissionais que atuam fora da escola. Todo suporte educacional, social e de saúde deve ser provido, por meio de observações e interações com a criança para descobrir como ela pensa, raciocina, como processa sua aprendizagem, bem como se dá sua aquisição de conhecimentos.

Veja a seguinte colocação:
Queremos que a escola infantil seja um lugar onde as crianças, famílias e profissionais convivam, cresçam e aprendam juntos. Onde todo esse conjunto de experiências, vivencias, relações que a escola infantil proporciona e que conformam a vida cotidiana seja fonte de crescimento e de aprendizagem para toda comunidade educativa. onde todos participemos aprendendo uns com os outros. Onde exista espaço para a estabilidade, mas também para a surpresa, para a novidade como algo normal, para o extraordinário como algo comum. Nós adultos, somos responsáveis por configurar o cenário de vida para a infância. Por isso a equipe de profissionais da escola infantil precisa refletir, repensar planejar o quadro de vida que oferece, conhecer as necessidades e possibilidades das crianças e das famílias para configurar uma vida cotidiana que conte efetivamente com seus protagonistas. É nesses quadros de vida que a infância dota de significado as palavras e as ações, que a comunicação adquire sentido, que expandem as potencialidades do ser humano. (VÉLEZ 2008, p.15).

Faço aqui das palavras escritas por Vélez, quando coloca “como querermos viver na escola infantil”, minhas palavras. Esperando que o citado acima não se restrinja apenas as escolas de educação infantil, mas sim a todo rede de ensino seja pública ou particular, de educação básica ou superior. Que os papéis educativos não mais se confundam pondo a outros seus deveres e sim, intervenham sempre na busca do objetivo final, a aprendizagem.



CONCLUSÃO:

Com este trabalho concluo que a idéia de fracasso escolar ligada ao insucesso de quem é colocado na posição de aprendente, aquele que não conseguiu absorver e armazenar os conhecimentos que lhe foram passados, e então colocados como portadores de algum transtorno de aprendizagem, no caso aqui denominados como dificuldades de aprendizagem e/ou distúrbios de aprendizagem, por vezes colocados erroneamente. Para tanto investigar as causas que levam as dificuldades de aprendizagem e aos distúrbios de aprendizagem, é a melhor maneira de se percebê-los, e diferenciá-los, dentro de perspectivas de conhecer e tornar-se ciente de que por de trás de cada individuo que se mostra com dificuldades e/ou distúrbios de aprendizagem a um conjunto de causas sociais e orgânicas, que o envolvem, seus familiares, seu meu social, a escola e seus professores.

Professores, profissionais que atuam diretamente com alunos com dificuldades de aprendizagem, com distúrbios de aprendizagem, e outras variadas situações e casos que fogem do programado para aulas sistemáticas, buscando na coletividade das salas de aula um aprendizado homogêneo, que contemple a todos, seguindo currículos pré determinados, que não visam propostas inclusivas, amplamente existentes nos currículos ocultos.

A diversidade humana que compõem as salas de aula, suas reais condições de aprendizado, e demais fatores que contribuem para que as dificuldades de aprendizagem e os distúrbios de aprendizagem ocorram, traz para dentro das instituições de ensino, além da capacidade dos educadores de possuir um olhar diferenciado para cada educando e suas especificidades a necessidade da intersecção de diversos profissionais: educadores especiais, psicólogos, pedagogos, psicopedagogos, ..., num trabalho único que visa à construção do conhecimento nos processos de ensino aprendizagem que constituem o ciclo natural da evolução humana.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BERBERIAN, Ana Paula. BERGAMO, Alexandre. Psicogênese das Linguagens Oral e Escrita: Letramento e inclusão. Curitiba, PR: IESDE Brasil, 2009.

BESSA, Valéria da Hora. Teorias da Aprendizagem. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2010.

BRASIL. Referencial curricular para a educação infantil. Estratégias e orientações para a educação de crianças com necessidades educacionais especiais. Brasília: MEC/SEESP, 2001.

LAKOMY, Ana Maria. Teorias cognitivas da aprendizagem. Ed. IBPEX - Curitiba: FACINTER, 2003.

OLIVEIRA, Mari Angela Calderari. Intervenção psicopedagógica na escola. 2. Ed. – Curitiba. PR: IESDE Brasil, 2009.

PAULA, Ercília Maria Angeli Teixeira de: Mendonça, Fernando Wolff. Psicologia do Desenvolvimento. 3. Ed. – Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2009.

QUADROS, Claudemir de. AZAMBUJA, Guacira de. (Orgs). Saberes e dizeres sobre formação de professores na UNIFRA. Santa Maria: Centro Universitário Franciscano, 2003.

ROSS, Paulo. Fundamentos biopsicossociais do desenvolvimento humano. Ed. IBPEX – Curitiba: FACINTER, 2003.

SERRA, Dayse Carla Gênero. Teorias e Práticas da Psicopedagogia Institucional. – Curitiba: IESDE Brasil S> A>, 2009.

SILVA, Daniel Vieira da. Educação Psicomotora. – Curitiba: IESDE Brasil S. A., 2009.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. METODOLOGIA DA PESQUISA. 2 ed. – Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2009.

VÉLEZ, Mercedes Blasi. Vínculos entre famílias e profissionais na construção do projeto educativo. Revista Pátio – Educação Infantil, ano VI. nº 17 jul/out 2008.

VERGARA, Ofélia Reveco. A qualidade como base para o bem-estar das crianças. Revista Pátio – Educação Infantil, ano IX nº26 jan/mar 2011.



VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.


1 Artigo apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Psicopedagogo.

2 Pedagoga; Curso de Psicopedagogia – Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto SP, Brasil - Pólo Renascer em Santa Maria. odaniacor02@hotmail.com.

3 Orientador: Prof. Dr. Silvio Reinod Costa; e-mail: scosta@baraodemaua.br.

: ava -> includes -> arquivos ta -> anexo temas
anexo temas -> Marinalva lima santos
anexo temas -> Centro universitário barão de mauá ZÉlia maria do nascimento a dificuldade de aprendizagem ressaltando o fracasso escolar
anexo temas -> Dificuldades e distúrbios de aprendizagem: implicaçÕes pedagógicas
anexo temas -> A afetividade – visão de Paulo Freire
anexo temas -> 2012 celia verônica porciuncula ferreira dificuldades de aprendizagem detectadas nas etapas iniciais alfabetizaçÃO
anexo temas -> Eduardo ribeiro de souza crimes ambientais bom Jardim – rj 2012 eduardo ribeiro de souza crimes ambientais
anexo temas -> Dificuldades de aprendizagem na leitura
anexo temas -> Hosana dos santos siqueira batista
anexo temas -> Marcia kister soares o lugar do desejo no processo ensino-aprendizagem




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal