Dicionário pessoal



Baixar 1.35 Mb.
Página26/28
Encontro21.10.2017
Tamanho1.35 Mb.
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   28

Gás Carbônico: gás pesado desprovido de odor, não tóxico, porém asfixiante, existente no ar numa proporção de 0,03%. É alimento indispensável para os vegetais, sendo eliminado pelos seres vivos como resultado da respiração celular.

Genésico: relativo à capacidade de gerar.

Gonídia: designação das células verdes que forma, nas algas e nos líquens, uma camada contínua, na qual parece residir todo o poder vegetativo dessas plantas.

Habitat: lugar com características ecológicas próprias para servir de habitação a um organismo ou a uma população.

Hausto: ato de haurir, aspirar; figurativamente, fluido produzido pela respiração, atuando sobre o meio.

Haustórico: ramificação pela qual certos vegetais absorvem o alimento.

Hifa: filamento de um talo de fungo (cogumelo).

Histeria: psiconeurose que se manifesta através de um conjunto variado de distúrbios psíquicos, sensoriais e motores, considerados como expressão orgânica de conflitos inconscientes.

Hístero-epilepsia: histeria com características epiléticas, em que ocorrem espasmos e convulsões.

Hormônio: substância produzida pela atividade das glândulas de secreção interna (endócrinas), ou pela atividade de tecidos de secreção interna. É lançado, em parte, no sangue ou na linfa, e, em parte, nos tecidos. Atua sobre as funções orgânicas como excitante ou como regularizador.

Hospedador: no parasitismo, um organismo em que vive outro como parasito.

Hospedeiro: mesmo que hospedador.

Imanizar: imantar, submeter a um efeito semelhante ao da ação do ímã.

Impulso Fragmentário: impulso descontínuo, intermitente, que caracteriza um estado muito rudimentar.

Leguminosa: vegetal do grupo dos legumes (vagens) que são plantas ou partes destas utilizadas na alimentação humana. Suas sementes localizam-se dentro de vagens. Ex.: feijão, ervilha.

Letal: mortal, mortífero.

Líquen: vegetal formado pela íntima associação de uma alga verde ou azul com um fungo (cogumelo) superior. A alga fica dentro do talo, formando uma camada verde. Essa associação constitui exemplo de perfeita simbiose, em que a alga fornece matéria orgânica ao fungo, e este fornece sais minerais e umidade à alga.

Mentossíntese: espécie de metabolismo operado com base nas trocas de fluidos mentais, tomada a fotossíntese como analogia.

Metamorfose: mudança de forma ou de estrutura; transformação.

Micológico: relativo aos cogumelos.

Micorriza: associação simbiótica da raiz de uma planta com os filamentos do talo de determinados fungos.

Molusco: animal de corpo mole e mucoso, coberto por um manto que em geral congrega uma concha; não tem segmentação perceptível nem apêndices articulados. São as lesmas, as ostras, os caramujos, etc.

Nodosidade: saliência, proeminência, com aparência de nó.

Opistótono: contração espasmódica em que a cabeça e os calcanhares se voltam para trás, enquanto o tronco se dobra para a frente, assumindo o corpo uma postura em forma de arco.

Orquidácea: grupo de plantas a que pertencem as orquídeas, e que vivem basicamente nos países tropicais, sendo inúmeras as espécies. São vegetais epífitos, isto é, que crescem sobre outros sem parasitá-los.

Oxidação: entrada de oxigênio em uma sustância, modificando-a.

Parabiose: união permanente de organismos vivos, como a de gêmeos xipófagos (ligados um ao outro).

Parasitismo: associação entre dois seres de espécies diferentes, na qual um se beneficia com o prejuízo do outro. Para viver, o parasito depende de seu hospedeiro, que ele não destrói, mas explora, causando-lhe dano. Em certos casos, essa peculiar associação pode produzir, no correr do tempo, a morte do hospedeiro.

Parênquima: tecido constituído de células do mesmo diâmetro, que se relaciona sobretudo com a armazenagem e distribuição de substâncias nutritivas.

Patologia: parte da Medicina que se ocupa das doenças, suas origens, sintomas e natureza.

Pensamento Contínuo: pensamento constante, ininterrupto, que caracteriza a capacidade mental do homem, em oposição ao pensamento fragmentário (descontínuo), próprio dos animais irracionais.

Plasma: massa formadora e essencial de um órgão.

Protozoário: designação dos animais unicelulares (uma só célula), que constituem um grande sub-reino, tendo-se como exemplo a ameba.

Psiconeurose: transtorno funcional, que se manifesta mediante perturbações orgânicas (respiratórias, digestivas, excretoras, genitais) e desequilíbrios psíquicos.

Quimiossíntese: síntese (formação) de substâncias orgânicas, a partir de inorgânicas, realizada por bactérias sem o concurso da luz solar, mas com uso da energia restante de um processo químico.

Radiação: emissão de raios portadores de energia.

Rádícula: minúscula raiz.

Simbiose: associação de dois seres de espécie distinta, com influência de um sobre o outro, ou de ambos entre si, podendo essas relações, ser úteis ou prejudiciais às duas partes, favoráveis ou nocivas para uma delas apenas.

Tubérculo: caule curto e grosso, rico em substâncias nutritivas. Ex.: a batata.

Tuberlário: espécime dos turbelários, cujo corpo é revestido de epiderme ciliada com muitas glândulas mucosas, e que tem tubo digestivo incompleto e boca ventral, podem ser terrestres, de água doce ou marinhos, e geralmente de vida livre. São comumente representados pelas lesmas ou planárias.

Vampirismo: processo de domínio ou exploração psíquica, levado a efeito por entidade desencarnada, sobre aquele que está submetido à influência de tal entidade.

Verdugo: indivíduo que inflige maus-tratos; carrasco.

Vibratório: referente ao grau de ponderabilidade e contextura da matéria, resultante do movimento das partículas elementares que a compõem.
Capítulo XV – 1ª Parte

Vampirismo Espiritual
Alcantocéfalo: animal enterozoário (com cavidade digestiva) de simetria bilateral, corpo vermiforme (forma de verme) e extremidade anterior com tromba retrátil armada de espinhos curvos.

Ácaro: designação comum a aracnoides muito pequenos, que parasitam o homem e os animais, com aparelho bucal para morder, picar ou sugar; são os carrapatos, piolhos de galinha, micuins. Ocorrem também em substâncias açucaradas e no queijo. No homem, provocam a sarna.

Aglutinina: substância que faz com que as bactérias e os glóbulos sanguíneos se aglutinem; termo usado como analogia.

Anelídeo: animal invertebrado, alongado, de secção circular e segmentado; ao grupo pertencem as minhocas e sanguessugas.

Anfitrião: o hospedeiro do parasito.

Automatismo: atuação compulsiva, sem orientação consciente de quem a exerce.

Biológico: relativo ao desenvolvimento e às condições de vida dos seres vivos.

Célula: a menor unidade de função e de organização, nos seres vivos, que apresenta todas as características de vida.

Centro Coronário: centro de força vital, no perispírito, responsável pela supervisão dos demais centros de força vital, porque recebe em primeiro lugar os estímulos do espírito. (Vide Centro Vital: Do Capítulo II – 1ª Parte.)

Cestoide: animal parasito, de corpo alongado, em forma de fita, segmentado, sem tubo digestivo; fixa-se por meio de ventosas e ganchos. É a tênia (solitária).

Córtex Frontal: camada externa dos lobos frontais do cérebro.

Crustáceo: animal de esqueleto externo e respiração por brânquias, de cujo grupo a maior parte é aquática. Ex.: o caranguejo, o camarão e a lagosta.

Desforço: desforra, desagravo.

Diencéfalo: parte do cérebro situada entre o proencéfalo (porção anterior do cérebro) e o mesencéfalo (porção mediana do cérebro).

Ectoparasito: parasito que vive na superfície de outros seres vivos. Ex.: numerosos fungos, ervas-de-passarinho, piolhos.

Encistamento: formação de resistência, por animais inferiores, em face de condições adversas do meio, e corresponde a períodos simultâneos de latência ou repouso. Ex.: cistos de larva de solitária em músculos; enquistamento.

Endocelular: relativo ao que se situa no interior das células.

Endoparasito: parasito que vive no interior do organismo de outros animais. Ex.: vermes intestinais.

Feixe Amielínico: feixe de fibras nervosas formando nervos sem bainha de mielina (substância gordurosa).

Feto: denominação do embrião depois que este adquire o aspecto semelhante do adulto de sua espécie.

Fisiológico: relativo ao corpo, levando-se em conta as funções orgânicas.

Fisiopsicossomático: que pertence, simultaneamente, aos domínios do corpo físico e do psicossoma (corpo espiritual ou perispírito).

Formas-pensamento: formas plasmadas pela mente, isto é, produzidas e animadas pela energia mental que constitui o pensamento.

Fulcro: ponto ou base de sustentação; pivô de rotação.

Genésico: relativo ao órgão de reprodução.

Glândula Genital: a glândula sexual, o ovário ou o testículo.

Hematófago: animal que se alimenta de sangue.

Hemíptero: tipo de inseto cujo grupo na maioria, se nutre de vegetais, sendo que algumas espécies são parasitos e se alimentam de sangue. São os percevejos e barbeiros.

Heteroxênico: relativo aos parasitos que, durante sua vida, se desenvolvem no organismo de hospedeiros diferentes.

Hiperparasito: parasito que tem como hospedeiro outro parasito.

Hipotálamo: região do cérebro, abaixo do tálamo, que forma o soalho e parte da parede lateral do terceiro ventrículo (cavidade no âmago do cérebro). É a parte do diencéfalo onde se encontra o centro regulador da pressão sanguínea, assim como os centros reguladores da respiração e da temperatura.

Hospedador: no parasitismo, um organismo em que vive outro na condição de parasito.

Hospedeiro: mesmo que hospedador.

Injuriante: que exerce ação prejudicial.

Larva: o primeiro estágio por que passam certas espécies animais antes de atingirem a fase adulta.

Lesão: alteração patológica de um órgão ou função do organismo.

Letal: mortal, mortífero.

Madraço: vadio, ocioso, preguiçoso.

Medula Óssea: tecido que enche as cavidades dos ossos, conhecido como tutano.

Monoideísmo: estado da alma dominado por uma ideia central, fixa.

Mórbido: doentio; doente, enfermo.

Morfologia: forma e características.

Neurônio: a célula nervosa com vários prolongamentos chamados dendritos, e, no polo oposto, um só prolongamento denominado axônio.

Obliterar: obstruir; bloquear; fazer esquecer.

Osmose: transporte de uma solução através de tecidos ou membranas semipermeáveis.

Ovoide: em morfologia, ovoide é a qualificação de órgão ou parte maciça em forma de ovo; a que se assemelha o “ovoide” resultante da deformação perispiritual causada por uma ideia fixa (monoideísmo).

Parasitismo: associação entre dois seres de espécies diferentes, na qual um se beneficia com o prejuízo do outro. Para viver, o parasito depende de seu hospedeiro, que ele não destrói, mas explora, causando dano. Em certos casos, essa peculiar associação pode produzir, no correr do tempo, a morte do hospedeiro.

Parasito: organismo que retira o alimento de outro organismo.

Parasitologia: estudo científico dos parasitos.

Parassimpático: parte do sistema nervoso autônomo, cujas fibras nervosas retardam os batimentos cardíacos, contraem a pupila, aumentam as secreções digestivas e aceleram os movimentos peristálticos (dos músculos interiores dos órgãos ocos).

Platelminto: animal sem cavidade corporal, de simetria bilateral, corpo achatado, e que em sua maioria é parasito. Ex.: a solitária.

Protoplasmático: relativo ao plasma, substância gelatinosa que constitui a massa celular.

Pseudoparasito: animal de vida livre que, casual ou acidentalmente, se fixa corpo de outro animal, simulando um parasito.

Psicossomático: referente ao psicossoma (corpo espiritual ou perispírito).

Quimismo: conjunto de combinações ou de composições de um organismo.

Reduviídeo: inseto de asa curtas, em cujo grupo se encontra o transmissor da doença de Chagas: o barbeiro.

Sacculina Carcini: crustáceo rizocéfalo, isto é, que possui prolongamentos ocos semelhantes a raízes, e que é parasito de caranguejo.

Simbionte: relativo a organismo que toma parte em uma simbiose.

Simbiose: associação de dois seres de espécie distinta, com influência de um sobre o outro, ou de ambos entre si, podendo, essas relações, ser úteis ou prejudiciais às duas partes, favoráveis ou nocivas para uma delas apenas.

Simpático: parte do sistema nervoso autônomo, que regula a atividade da musculatura cardíaca, da musculatura lisa e de várias glândulas.

Simpatina: substância semelhante à adrenalina, produzida nas terminações nervosas do simpático; termo usado como analogia.

Somático: referente ao corpo físico.

Tálamo: massa de substância cinzenta, constituída de dois núcleos situados de cada lado do ventrículo médio do cérebro, e que forma o soalho dos ventrículos laterais; funciona como ativo centro de transmissão, recebendo fibras nervosas aferentes de quase todas as zonas do córtex cerebral. Uma de suas importantes funções é a de interveniência na sensibilidade superficial e profunda.

Terapêutica: parte da Medicina que estuda e põe em prática os meios adequados para aliviar ou curar os doentes.

Trato: sistema de órgãos ou partes do corpo com determinada função.

Triatoma: um gênero de percevejo do grupo dos barbeiros, encontrável às vezes dentro das casas de habitação.

Tripanossomo: nome genérico de protozoários dotados de uma membrana ondulatória, os quais são agentes causadores de doenças no homem e nos animais, como doença de Chagas e doença do sono.

Trypanossoma Cruzi: germe causador da doença descoberta e estudada pelo cientista Carlos Chagas (1879-1934), veiculada por um inseto hemíptero (asas curtas), mais conhecido como barbeiro, sendo a doença conhecida pelo nome de doença de Chagas.

Vampirismo: processo de domínio ou exploração psíquica, levado a efeito por entidade desencarnada, sobre aquele que está submetido à influência de tal entidade.

Vaso: conduto orgânico pelo qual circulam os líquidos do organismo (sangue, linfa, etc.).

Ventosa: sugadouro ou dispositivo de fixação de certos animais.

Verdugo: indivíduo que inflige maus-tratos; carrasco.

Vindita: vingança; desforra.

Visceral: relativo à víscera, designação comum dos órgãos alojados na cavidade craniana, na torácica e na abdominal.
Capítulo XVI – 1ª Parte

Mecanismos da Mente
Ablação: ação de cortar uma parte do corpo.

Afasia: enfraquecimento ou perda da faculdade de transmissão ou compreensão de ideias, devido uma perturbação ou lesão dos centros cerebrais, sem haver lesão dos órgãos vocais.

Aferente: no sistema nervoso, classe de fibras nervosas que conduzem o impulso dos órgãos sensoriais para o sistema nervoso central.

Amnésia: perda total ou parcial da memória.

Automatismo: funcionamento do organismo e prática de atos sem a participação consciente do ser.

Batráquio: anfíbio anuro (desprovido de cauda), cabeça fundida ao corpo, membros locomotores posteriores mais desenvolvidos; são os sapos, rãs e pererecas.

Célula: a menor unidade de função e de organização, nos seres vivos, que apresenta todas as características de vida.

Centro Cerebral: centro de força vital, no perispírito, relacionado com os lobos frontais do cérebro e a hipófise (pituitária), no corpo físico; exerce influência decisiva sobre os demais centros de força vital, sendo responsável pelo funcionamento do sistema nervoso central e dos centros superiores do processo intelectivo. (Vide Centro Vital: Do Capítulo II – 1ª Parte.)

Centro Coronário: centro de força vital, no perispírito, relacionado com a epífise (glândula pineal), no corpo físico; supervisiona todos os demais centros de força vital, porque recebe em primeiro lugar os estímulos do espírito. (Vide Centro Vital: Do Capítulo II – 1ª Parte.)

Corpo Espiritual: o perispírito, psicossoma.

Córtex: córtice, camada externa dos órgãos, de estrutura mais ou menos arredondada, como o córtice cerebral.

Cortical: relativo ao córtex.

Cremasteriano: referente ao cremáster, um dos dois músculos que sustentam os testículos.

Críptico: relativo ao que se localiza ou processa na parte mais profunda ou oculta.

Curto-circuito: perturbação num circuito devido à ligação direta de dois condutores de diferente polaridade, quase sempre por defeitos de isolamento da rede.

Descorticação: corte ou remoção do córtex.

Diencéfalo: parte do cérebro situada entre o prosencéfalo (porção anterior do cérebro) e o mesencéfalo (porção mediana do cérebro).

Disfunção: função que se efetua de maneira anômala.

Distonia: queda de resistência ou de elasticidade ocorrida num tecido ou órgão.

Eferente: relativo à fibra nervosa que conduz a ordem motora do sistema nervoso central para um órgão responsável pela resposta ao impulso sensorial, denominado órgão efetor.

Encéfalo: referente ao encéfalo, parte do sistema nervoso central contida na cavidade do crânio, compreendendo o cérebro e outros órgãos, onde se situa a região centralizadora dos nervos que percorrem o corpo.

Encefalização: organização encefálica.

Espástico: relativo à tonaticidade excessiva na extensão de um tecido muscular, provocando espasmo e rigidez.

Extensão: extensão de tecido muscular.

Feixe Ascendente: feixe de fibras nervosas relacionadas com o sistema nervoso periférico.

Feixe Piramidal: feixe de fibras nervosas que se originam no córtex cerebral e vão até o ponto de ligação, na medula, com as colunas de fibras motoras que lhe dão continuidade.

Fibra Nervosa: cada uma das estruturas alongadas que, dispostas em feixes, constituem os nervos.

Fisiopsicossomático: que pertence, simultaneamente, aos domínios do corpo físico e do psicossoma (corpo espiritual ou perispírito).

Fulcro: ponto ou base de sustentação, pivô de rotação.

Hipotálamo: região do cérebro, abaixo do tálamo, que forma o soalho e parte da parede lateral do terceiro ventrículo (cavidade no âmago do cérebro). É a parte do diencéfalo onde se encontra o centro regulador da pressão sanguínea, assim como os centros reguladores da respiração e da temperatura.

Insulto: abalo orgânico.

Internuncial: relativo à comunicação ou transmissão de impressões entre as diversas partes do corpo, como entre os nervos.

Labiríntico-cerebelar: referente ao que compreende o labirinto e o cerebelo. Labirinto é o conjunto das partes que compõem o ouvido interno; cerebelo é a parte encefálica que ocupa a porção posterior do crânio, e que tem função de conservação do equilíbrio do corpo.

Medula: a parte do sistema nervoso central contida na coluna vertebral, também conhecida como medula espinhal ou dorsal. Dela partem trinta e um pares de nervos raquianos com raízes sensitivas (levam mensagem ao cérebro) e raízes motoras (executam ordens do cérebro).

Mesencéfalo: porção mediana do cérebro, resultante da evolução da vesícula média do embrião. Vesícula é cada uma das três dilatações ou divisões que demarcam o cérebro em desenvolvimento.

Monoideísmo: estado da alma dominado por uma ideia central, fixa.

Motilidade: movimento-reação de organismo vivo diante de estímulos; faculdade de mover-se.

Neurônio: a célula nervosa com seus prolongamentos chamados dendritos, que formam uma espécie de arborização, e, no polo oposto, um só prolongamento, diferente, denominado axônio, que termina em finas ramificações. O estímulo nervoso passa do axônio de um neurônio para os dendritos de outro, e esse ponto de transmissão da excitação tem o nome de sinapse.

Neurotomia: corte de um cordão nervoso.

Núcleo Nervoso: denominação de grupos de células nervosas situadas no cérebro e na medula espinhal; pontos de origem ou terminais dos nervos cranianos ligados ao encéfalo (pares cranianos).

Obliteração: obstrução; bloqueio mental que faz esquecer.

Oclusão: fechamento de uma abertura natural do organismo.

Onda: forma de propagação de uma energia.

Paraplegia: paralisia dos membros inferiores, que compromete parcialmente também o tronco.

Pedartículo: dedo do pé.

Pensamento Contínuo: pensamento constante, ininterrupto, que caracteriza a capacidade mental do homem, em oposição ao pensamento fragmentário (descontínuo), próprio dos animais irracionais.

Plasmar: dar forma a algo.

Psicossoma: o corpo espiritual ou perispírito.

Reflexão: processo mental em que o pensamento se volta sobre si mesmo e toma seus próprios atos como objeto de conhecimento.

Reflexo: movimento coordenado mais simples que se pode executar, produzido por um impulso nervoso, como reação automática e involuntária a um estímulo exterior.

Secção: ato de seccionar, isto é, cortar.

Segmento: parte do corpo distinta de outra de que é continuação.

Sensitivo: referente ao que se processa no campo sensorial.

Sensorial: relativo ao sensório, centro nervoso através do qual são transmitidas as sensações.

Simpático: parte do sistema nervoso autônomo, que regula a atividade da musculatura cardíaca, da musculatura lisa e de várias glândulas. A musculatura lisa é encontrada nas paredes intestinais, nos vasos sanguíneos, na bexiga, no estômago e no útero.

Sinal de Babinski: movimento reflexo no dorso do dedo grande do pé, quando faz cócegas na sola deste, ao contrário da usual reflexão de sua planta, indicando assim uma lesão orgânica no cérebro ou no feixe piramidal.

Sincronia: coordenação perfeita de movimento entre as partes relacionadas, resultando em simultaneidade de ação.

Sinergia: ato ou esforço coordenado de vários órgãos na realização de uma função.



1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   28


©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal