Desenvolvimento da face embriOral



Baixar 28.99 Kb.
Encontro24.10.2017
Tamanho28.99 Kb.

AULA DE DESENVOLVIMENTO DA FACE

REFERENCIAS

  1. CONTEÚDO DOS SLIDES (NESTE DOCUMENTO)

  2. CAPITULO DE DESENV. DA FACE DO LIVRO MJOR, FEJERSKOV 1990



DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral




  • Blastocisto ------------


Constituintes: cavidade em contato com ectoderma; saco vitelino em contato com endoderma; emvoltório de mesoderma extra-embrionário.
Ao final da 2ª SVIU: disco tridérmico: surgimento do mesoderma a partir do ectoderma.Surge placa precordal (espessamento do endoderma na região cranial).
Durante 3ª SVIU: formação da linha primitiva, do mesoderma intra-embrionário e do processo notocordal ( a partir do nó primitivo). Uniões do ecto e do endoderma: membrana buço-faríngea e membrana cloacal.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral




  • Placa e tubo neurais ------------


Placa neural: origina-se de um espessamento do ectoderma na porção mediana da porção cefálica.

Sulco neural: depressão limitada pelas pregas neurais (com cristas neurais).


Tubo neural: origina-se da fusão das pregas neurais, separa-se do ectoderma e fica envolto por mesoderma. Origina encéfalo e medula espinhal.
Células da crista neural: formam massas celulares paralelas ao tubo e separadas do ectoderma. As células migram e contribuem pra formação de diversos tecidos (polpa, dentina, cemento, ligamento periodontal, etc).
Somitos:blocos de meseoderma que surgem a partir do mesoderma paraxial. Originam as vértebras e os músculos do tronco e dos membros.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral







Mesoderma paraxial: origina os somitos;
Mesoderma intermediário: origina o aparelho urogenital;
Mesoderma lateral: origina as membranas serosas pleural, pericárdica e peritoneal.
Flexões cefalocaudais: na menbrana buço-faríngea e na membrana cloacal. Durante a 3ª e a 4ª SVIU. Formação do estomodeo (cavidade bucal primitiva).
Curvatura lateral: contribui para a formação do estomodeo.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral




Limites do estomodeo:proeminência cefálica (anterior), eminência cardíaca (posterior) e membrana buço-faríngea (teto).

Membrana bucofaríngea: rompe-se ao final da 3ª SVIU e desaparece durante a 4ª SVIU.
Processo fronto-nasal:se forma por uma migração de células da crista neiral, formando uma expansão frontal ao cérebro anterior.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Aparelho braquial ------------4ª SVIU

Constituído por 6 pares de barras espessas formadas no mesoderma lateral. São expansões laterais (dorsoventrais) do mesoderma, entre o estomodeo e o coração primitivo, na porção lateral da faringe. Cada arco é separado por uma depressão (sulco braquial – externa – ou bolsa faríngea – interna).


Mais proeminentes: 1º (mandibular) e 2º (hióide). O arco mandibular forma toda a região inferior da face e parte da região mediana. Os demais arcos estão envolvidos na formação do pescoço.
Conteúdo: um músculo, uma cartilagem (derivado do ectomesênquima), um nervo e uma artéria.
Suprimento nervoso: o nervo motor supre a musculatura do arco e o nervo sensitivo supre o componente epitelial.

1º arco: nervo trigêmio; 2º arco: nervo facial;

3º arco: nervo glossofaríngeo; 4º, 5º, e 6º arcos: nevo vago.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Aparelho braquial ----------- Processos faciais


Limites do estomodeo na 5ª SVIU: processo mandibular (caudalmente), processo maxilar (lateralmente) e processo frontoñasal.
Processos frontonasais placóides nasais processos nasais laterais e mediais.Os placóides formarão o soalho das fossas nasais (surgem a partir das depressões entre os processos nasais).
Processos maxilares: crescem ventralmente, formam o sulco nasolacrimal, unem-se aos p. nasais latrerais e depois aos p. nasais mediais.
Processos nasais mediais: formam palato primário, filtro do lábio superior, porção média do processo alveolar superior.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Cavidade nasal -------------- 5ª SVIU


Cavidade nasal primitiva:formada pelo aprofundamento das fossas nasais. Delimitada ântero –inferiormente pelo processo palatino mediano (palato primário).
Membrana oronasal: separa o estomodeo com a CNP. Rompe-se e forma a coana primitiva.
Septo nasal primário: expansão profunda do processo frontonasal.
Septo nasal definitivo: borda inferior em contato com o dorso da língua.
DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral



  • Processos palatinos laterais ------------------6ª SVIU

Surgem da superfície interna de cada processo maxilar, atrás dop palato primário.


7ª SVIU: rebaixamento da língua migração dos p. palatinos laterais em direção à linha média

fusão dos PPL com o p. palatino mediano fusão dos PPL entre si formação do

palato secundário fusão dos PPL com o septo nasal.



Forame incisivo: entre o palato primário e o secundário.
União dos PPL: entre a 8ª e 12ª SVIU.
Cavidades nasais e oral definitivas: formadas após formação do palato secundário.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Formação do palato ------------------ 6ª SVIU


Palato mole e úvula: formados por expansões das extremidades dorsais dos processos palatinos.
Hipóteses para abaixamento da língua:

  1. abertura da cavidade oral, por atividade muscular ou pela expansão da cabeça;

  2. crescimento acelerado da mandíbula e alongamento da base do crânio;

  3. mudança de posição dos PPL, por hidratação dos mucopolissacarídeos ácidos ou por atividade mitótica localizada.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Ossificação do complexo maxilar ---------------

Cápsula nasal: esqueleto cartilaginoso localizado na porção mediana do processo frontonasal.





OSSO

OSSIFICAÇÃO

INÍCIO

maxilar

intramembranosa

6ª SVIU

zigoma

intramembranosa

8ª SVIU

palatino

intramembranosa

8ª SVIU

vômer

intramembranosa

12ª SVIU

etmóide

endocondral



DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Língua --------------

Expansões na parede ventral da faringe primitiva:



  1. broto mediano da língua (tibérculo ímpar): se forma entre e caudalmente aos arcos mandibulares.

  2. Brotos (dois) laterais da língua: nas extremidades ventrais dos arcos mandibulares.

Terço anterior da língua: formado pela fusão dos brotos laterais com o mediano.

Eminência hipobranquial (cópula): formada caudalmente ao broto mediano e entre as extremidades ventrais do 2º, 3º e 4º arcos branquiais. Forma a porção posterior da língua e as papilas valadas.

Eminência epiglótica: porção caudal da cópula, separada desta pelo sulco transverso, e que origina a epiglote.

Ducto tireoglosso/forame cego: entre o broto mediano e a cópula.

Obs.:os músculos da língua são derivados dos somitos occipitais, sendo inervados pelo nervo hipoglosso.



Porção anterior: inervada pelo nervo lingual e pelo nervo corda do tímpano.

Porção posterior e papilas valadas: nervo glossofaríngeo.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Mandíbula ------------

-Cartilagem de Meckel: dá origem à mandíbula.



Porção média: se degenera;

Extremidades posteriores: originam martelo e bigorna;

Dois terços anteriores: dão suporte para ossificação intramembranosa da mandíbula.

Extremidades anteriores: formação endocondral da sínfise mandibular.

DESENVOLVIMENTO DA FACE EmbriOral





  • Mandíbula ----------------- Ossificação


Início: na 6ª SVIU

Sínfise: ossificação intramembranosa fusão das cartilagens de Meckel ossificação endocondral da região canina ossificação IM das porções vestibular e lingual das cartilagens rompimento da fusão das cartilagens formação de fibrocartilagem

(ossifica-se ao final do 1º anos de vida).


Côndilos: ossificação endocondral a partir da extremidade da ossificação intramembranosa.




©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal