Dast nº 04/2001 – R4 4ª Revisão: 15/06/2012



Baixar 27.22 Kb.
Encontro22.02.2018
Tamanho27.22 Kb.




ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE CAPACETES DE SEGURANÇA, SUSPENSÃO E JUGULAR

DAST nº 04/2001 – R4

4ª Revisão: 15/06/2012




  1. OBJETIVO

Determinar a sistemática para aquisição de capacete de segurança e suspensão e definir as características técnicas dos tipos que serão utilizados pela CHESF.




  1. DESCRIÇÃO DOS CAPACETES DE SEGURANÇA




    1. CAPACETES DE SEGURANÇA COM ABA FRONTAL

Código do material no SIGA: 041967
É um dispositivo rígido composto por copa, de classe B, aba frontal, suspensão e jugular. É usado para dar proteção a cabeça ou partes dela, contra impacto, penetração, choque elétrico, respingos de produtos químicos; deve ser provido de fendas laterais para acoplamento de protetores auriculares e faciais ter alta resistência à penetração e boa ventilação, de maneira que ofereça conforto ao usuário. Estes capacetes deverão possuir um Selo de Identificação da Conformidade com características definidas pelo INMETRO, de acordo com a Portaria INMETRO nº 73/2006 e posteriores alterações.




      1. CARACTERÍSTICAS DA COPA DO CAPACETE




  1. Casco

É a parte rígida e externa do capacete, sem a suspensão e demais acessórios. O casco deve ser confeccionado em polietileno de alta densidade, na cor branca, com reforço na parte superior, de alta rigidez dielétrica, sem porosidade, trincas e emendas, nem partes metálicas ou perfuração. O capacete deve ser provido de fendas laterais para acoplamento de protetores auriculares e faciais, apresentar alta resistência mecânica e rigidez dielétrica. Deve possuir a logomarca indelével da CHESF gravada na região frontal da copa. Logomarca CHESF, nas dimensões: 50mm de Largura x 50mm de Altura – Conforme proporções do desenho ao lado, na cor branca.




  1. Aba frontal

Parte inferior do casco que se prolonga para frente sobre os olhos. A aba terá a largura definida entre 38 mm e 76 mm, medidas a partir de sua linha de junção com o casco, o declive da aba deve ser compreendido entre 15o a 37o




      1. DESCRIÇÃO DE SUSPENSÃO

É a armação interna do capacete composta pela carneira e a coroa tem a função de amortecer o impacto; mantém o capacete na devida posição, evitando que o casco encoste-se à cabeça do usuário. Deve possuir algumas características importantes, tais como: carneira ajustável por sistema de catraca giratória, de alta resistência, com testeira absorvente de suor e abertura para encaixe de jugular. A suspensão deve se ajustar perfeitamente ao capacete utilizado, sendo do mesmo fabricante da copa do capacete.

Código do material no SIGA: 041968




  1. Carneira

Parte da suspensão ajustável para todas as medidas de cabeça, com ou sem tira refletiva, confeccionada em polietileno de baixa densidade, de alta resistência, composta de cinta dupla ajustável, em tecido de poliéster, deslizante entre as fendas dos clips de fixação da suspensão ao capacete ou suspensão três cintas de tecido cruzadas, destinadas a absorver o impacto. A carneira deve ter um mínimo de quatro pontos de fixação. O sistema de fixação, por catraca giratória, deve impedir que a suspensão se solte facilmente durante a utilização. Deve ser acoplado como acessório uma tira jugular e tira absorvente de suor.




  1. Testeira absorvente de suor

Peça que integra a carneira, revestida de material absorvente e que fica em contato com a testa do usuário. Deve ser confeccionada em laminado de PVC atóxico, dublado com espuma multiperfurada em poliéster, na cor cinza ou preta.










      1. DESCRIÇÃO DA JUGULAR

Código do material no SIGA: 18297
Peça regulável em tecido de elástico, com largura de mín de 1,5cm e máxima de 2,00cm, na cor cinza ou preta, com ganchos de encaixe nas extremidades, que se encaixam à suspensão do capacete de segurança para melhor fixação deste à cabeça, não devendo possuir componentes metálicos.


    1. CAPACETE DE SEGURANÇA SEM ABA (PARA ALTURAS)

Código do material no SIGA: 025438

Capacete Classe B, com alta resistência dielétrica, para uso em trabalhos com eletricidade, e proteção da cabeça contra impactos e penetração. Deve possuir casco rígido, leve, balanceado para um dia inteiro de uso, confortável, injetado numa única peça em polietileno de alta densidade, sem porosidade. O casco deve ser de cor amarela, gravado com a logomarca indelével da CHESF na região frontal da copa. Logomarca CHESF: Apenas na cor preta, nas mesmas características, proporções do desenho e dimensões abaixo da figura abaixo. Deve ser provido de carneira acolchoada regulável e substituível. Deve Atender a NBR 8221:2003 e possuir um Selo de Identificação da Conformidade com características definidas pelo INMETRO, de acordo com a Portaria INMETRO nº 73/2006.






        1. Suspensão:

Código do material no SIGA: 164614


  1. Carneira: ajustável para todas as medidas de cabeça. Confeccionada em polietileno de baixa densidade, de alta resistência.Com cinta dupla posicionada na forma de cruz, para receber o impacto e deslizar entre as fendas dos clips de fixação, da suspensão ao Capacete para um perfeito sistema de amortecimento.




  1. Tira de Nuca: mantém o Capacete no lugar, mesmo quando o usuário inclinar a cabeça.




  1. Testeira Absorvedora de suor: produzida em laminado de PVC atóxico, dublado com espuma multiperfurada em poliuretano, na cor cinza. Estes materiais absorvem e evaporam o suor, refrescando a testa.




  1. Cinta dupla amortecedora: é formada por fitas de polyester posicionadas em forma de cruz com 4 pontos de apoio.




  1. Testeira Absorvedora de suor: poderá ser produzida em laminado de PVC atóxico, dublado com espuma multiperfurada em poliuretano ou confeccionada em neoprene. Estes materiais deverão absorver e evaporar o suor, refrescando a testa.




  1. Jugular: A jugular será confeccionada de fita de poliéster com três pontos de ancoragem na parte interna do casco, de maneira que evite que o capacete saia da cabeça, conforme figura abaixo.



3. DISPOSIÇÕES FINAIS


    1. todas as instruções em língua estrangeira devem ser obrigatoriamente traduzidas;




    1. o licitante melhor classificado deverá apresentar:

    • cópia do Certificado de Aprovação (CA), emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego – MTE e ficha técnica do produto e laudo de ensaio, se for o caso.

    • documentos comprobatórios, que atestem a eficiência e qualidade oferecida pelo EPI;

    • O fornecedor deverá disponibilizar, se solicitado da CHESF, a seu custo, amostras necessárias para a realização de verificações pertinentes ao EPI, além de possuir gravação indelével e visível no seu corpo, dos seguintes dados: O nome da empresa fabricante do EPI ou o nome do importador, se importado, a identificação da data de fabricação, se houver, nº do lote e nº do CA válido. Estas informações também serão verificadas no EPI e registradas nos relatórios de ensaio, se submetidos à inspeção técnica.




    1. o EPI deve atender, além dos critérios de proteção e durabilidade, aos critérios de qualidade de acabamento e conforto.




    1. os ensaios de resistência, e a fabricação dos componentes dos capacetes de segurança, devem estar em conformidade com a NBR 8221/83 e posteriores alterações.




    1. o EPI deve atender, além dos critérios de proteção e durabilidade, aos critérios de qualidade de acabamento e conforto.




    1. na entrega do material pelo fornecedor, não serão aceitos os capacetes e as suspensões com mais de 6 (seis) meses de fabricação.

IN-RH.02.007 – 3ª Edição

Anexo Ic











©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal