Dados pessoais



Baixar 30.14 Kb.
Encontro03.11.2017
Tamanho30.14 Kb.



UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

DIRETORIA ACADÊMICA



PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS
1º período letivo de 2017








FN477 - Avaliação e tratamento da disfagia no adulto: ambiente clinico

OF:S-2 T:00 P:002 L:000 O:000 D:000 HS:002 SL:002 C:002 AV:N EX:S FM:90%


Pré-Req.: FN466 Princípios da Disfagia

Ementa:  Desenvolver raciocínio–clinico na avaliação e no tratamento de indivíduos com disfagia orofagíngea em ambiente clinico.







Horas Semanais

Nº semanas

Carga horária total

Aprovação (NOTA)













17

60

5















Objetivos:

Geral

1. Propiciar aos alunos bases teórico-práticas para a avaliação e tratamento clinico de pacientes com disfagia atendidos em ambiente clinico.

Específicos


  1. Propiciar bases teóricas para compreensão do processo avaliativo das disfagias;

  2. Propiciar conhecimento para a realização da avaliação fonoaudiológica de sujeitos com disfagia, bem como correlacionar a queixa do sujeito com as alterações observadas;

  3. Propiciar conhecimento para a elaboração de intervenção fonoaudiológica adequada às necessidades do sujeito com disfagia.

  4. Propiciar conhecimento sobre os procedimentos interdisciplinares necessários na condução dos casos clínicos com disfagia;

Propiciar subsídios para as orientações aos pacientes e cuidadores para o tratamento, bem como para o gerenciamento da disfagia.




Programa:

- Apresentação do estágio

- Revisão de Anatomia e Fisiologia da Deglutição, Anamnese e Avaliação Clínica

- Revisão da Avaliação Clínica e da terapia das disfagias

- Biossegurança no ambiente clinico

- Estudo de caso clinico sobre avaliação e tratamento das disfagias nas diferentes doenças neurológicas e mecânica, bem como no envelhecimento







Bibliografia:


Referências básicas:

BAHIA, M. M. ; MOURÃO, L. F. ; CHUN, R. Y. S. . Condições de deglutição e linguístico-cognitivas pós-AVC. In: Min LL, Fernandes PT, Avelar WM, Martins S.. (Org.). AVC: da pesquisa à aplicação clínica. 2ed.Sao Paulo: Pleiade, 2014, v. 26, p. 205-210.


CARRARA DE ANGELIS, Elisabete, et al. Tratado de disfagia. Rio de Janeiro, Editora Revinter, 2009.
Corbin-Lewis, Liss, Sciortino. Anatomia Clínica e Fisiologia do Mecanismo de Deglutição. Cangage Learning. Sao Paulo, 2008.
Cruz. (Org.). Reabilitação pós-acidente vascular encefálico: Atividades de vida diária e Interdisciplinaridade. 1ed.São Paulo: Editora Santos, 2012, v. 1, p. 323-338.
FERNANDES, F. D. M.; MENDES, B. C.A.; NAVAS, A.L.P. G. P. – Tratado de Fonoaudiologia, 2ª edição. 2010.
LUCCHESI, K. F. ; Mourão L . Plano Terapêutico fonoaudiologico (PTF) para disfagia na Doença de Parkinson. In: Heliane Campanatti-Ostiz. (Org.). Plano Terapêutico Fonoaudiológico (PTF) volume 2. 1ed.Sao Paulo: Pro-Fono, 2015, v. 2, p. 600-606.
LIMA, D. P.; MOURÃO, L. F.. Plano Terapêutico fonoaudiologico (PTF) Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e saúde na deglutição de idosos. In: Heliane Campanatti-Ostiz. (Org.). plano Terapêutico Fonoaudiológico (PTF) volume 2. 1ed.Sao Paulo: Pro-Fono, 2015, v. 1, p. 630-635.
Marquesan, Silva, Tomé. (Org.). Tratado das especialidades em Fonoaudiologia. 1ed.São Paulo: Grupo Editorial Nacional, 2014, v. 1, p. 70-80.
Neri. (Org.). Fragilidade e Qualidade de vida na velhice. 1ed.Campinas: Editora Alínea, 2013, v. 1, p. 171-188.
Otavio B Piltcher, Sady Selarmen da Costa, Gerson Schulz Maahs, Gabriel Kuhl. (Org.). Rotinas em Otorrinolaringologia. 1ed.Sao Paulo: Artmed, 2014, v. 1, p. 338-343.
Silvério, Cola, Silva. Ações Educativas para Pacientes Adultos com Disfagia Orofaríngea. Pulso, Sao Paulo, 2006.
ZEMLIM. W. R. Princípios de Anatomia e Fisiologia. Porto Alegre: Artmed. 2000.
Referências Complementares:
LOGEMANN, J. A. – Evaluation and treatment of swallowing disorders. San Diego College – Hill Press. 1983.
LOGEMANN, J. A. – Dysphagia in movement disorders. Adv. Neurol. 49:307-16, 1988.








Critérios de Avaliação:

O aluno será avaliado diariamente quanto ao seu desempenho durante o estágio e pelo desenvolvimento das atividades propostas (provas, apresentação de caso, relatório de estudo complementar). A avaliação de desempenho será estabelecida conforme os critérios a seguir:

Aulas teóricas e prática de atendimento: frequência, pontualidade, postura e ética professional, participação e desempenho nas atividades, interação (grupo e paciente), discussão de caso com o supervisor.

Prova escrita: domínio dos conteúdos ministrados em aula, linguagem/clareza;

Apresentação de caso clinico: postura e ética professional, domínio do conteúdo, clareza na apresentação, qualidade das apresentações;

Trabalho escrito: domínio do conteúdo, linguagem/clareza, qualidade da pesquisa bibliográfica.





Observações:





ASSINATURAS:







CÓDIGO DE AUTENTICAÇÃO

Verifique a autenticidade deste documento na página www.dac.unicamp.br/link

Código Chave: xxxxxxxxx









EMISSÃO: 3 de November de 2017

PÁGINA: de


UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas

DAC – Diretoria Acadêmica

Rua Sérgio Buarque de Holanda, 251 - Cidade Universitária – Barão Geraldo – Campinas/SP – 13083-970

Diretoria de Registro e Gerenciamento Acadêmico – 00 55 19 3521 6662

www.dac.unicamp.br



Rubrica:










©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal