Curso de medicina plano de ensino



Baixar 0.49 Mb.
Encontro18.09.2019
Tamanho0.49 Mb.

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA PARAÍBA

CURSO DE MEDICINA


PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

EIXO: Desenvolvimento Pessoal e Profissional

MÓDULO HORIZONTAL: Práticas Investigativas - II



  1. Ementa:

Medicina baseada em evidências. Habilidades para avaliar criticamente a leitura científica. O processo da pesquisa científica e suas fases. Estudos epidemiológicos. Regras da ABNT para redação de textos científicos. O Comitê de ética em pesquisa com seres humanos.

  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Desenvolver o pensamento crítico e autônomo, baseado na busca, classificação e aplicação de informações científicas para a elaboração, reflexão e busca de soluções para problemas na área clínica. Utilizar os principais instrumentos de coleta e análise de dados. Identificar as principais técnicas epidemiológicas utilizadas na área da saúde, seus limites, contribuições e sua adequação aos objetivos da pesquisa.



  1. objetivos específicos:



  • Revisar os fundamentos da construção do conhecimento científico.

  • Desenvolver o pensamento crítico e autônomo, baseado na busca, classificação e aplicação de informações científicas para a elaboração, reflexão e busca de soluções para problemas na área clínica.

  • Desenvolver pesquisas científicas.

  • Realizar revisão bibliográfica.

  • Coletar e analisar dados de pesquisa em saúde.

  • Estruturar e redigir relatório de pesquisa de acordo com as normas da ABNT e do Comitê de Ética.

  • Publicar e apresentar resultados de pesquisa científica.



  1. CONTEÚDO:



  • Medicina Baseada em Evidências: o processo de produção de evidências científicas no campo de saúde. Identificação, seleção e avaliação da informação científica. Regras formais de evidência. Diversas modalidades de publicação da literatura científica.

  • Fases da Pesquisa Científica - formulação de problemas, busca de referências bibliográficas, definição do tema a ser estudado, perguntas condutoras, objetivos da pesquisa, métodos a serem utilizados para atingir os objetivos propostos.

  • Método clínico-epidemiológico: características, vantagens e desvantagens de cada tipo de estudo. Seleção de amostra, instrumentos e coleta de dados, análise de dados.

  • Moldes da ABNT para redação de projetos de pesquisa e artigos científicos.

  • O Comitê de Ética em Pesquisa com seres humanos: Princípios, Fases para submissão e aprovação de projetos científicos.

  • Apresentação de pesquisas: relatórios e comunicação oral.



  1. METODOLOGIA:



  • Aulas teóricas expositivas dialogadas e práticas;

  • Exercícios de fixação;

  • Trabalho de produção do projeto de pesquisa;

  • Leitura autônoma; leitura colaborativa; leitura e análise crítica de textos;

  • Participação em grupos de discussão; levantamento de dados;

  • Utilização do programa estatístico (EPI-INFO) para análise de dados;

  • Utilização da internet para busca de informações em saúde.



  1. AVALIAÇÃO:



  • Avaliação individual de assiduidade, pontualidade, postura pessoal e participação em sala de aula das atividades propostas;

  • Apresentação de seminários sobre temas diversos;

  • Desenvolvimento de projeto de pesquisa.



  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



  1. ALMEIDA FILHO, N.; ROUQUAYROL, M. Z. Introdução à epidemiologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. Medsi, 2006.

  2. ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalho na graduação. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

  3. BARROS, A. J.; LEHZELD, N. A. S. Fundamentos de metodologia científica. 3 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

  4. MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Ed. Atlas, 2007.



  1. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:



  1. CALLEGARI-JACQUES, S. M. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed, 2003.

  2. CARVALHO, A. et al. Aprendendo metodologia científica. São Paulo: O nome da rosa, 2006.

  3. GUSMÃO, S.; SILVEIRA, R. L. Redação do trabalho científico na área biomédica. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

  4. SANTOS, H. H. Manual prático para elaboração de projetos, monografias, dissertações e teses na área de saúde. 2.ed. João Pessoa:Ed. UFPB, 2004.

PLANO DE ENSINO


  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

IXO: Interação Ensino Serviço Comunidade

MÓDULO HORIZONTAL: Atenção em Saúde VI – Saúde, Ambiente e Trabalho


  1. EMENTA:

Reflexão acerca do tema saúde, ambiente e trabalho e sua relação com o padrão de saúde da população. Dá-se ênfase a compreensão dos problemas que envolvem este tema. Discute-se também o papel das Vigilâncias Ambiental em Saúde e do Trabalhador no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Compreender e identificar os problemas ambientais e processos produtivos, e os riscos inerentes a estes problemas, relacionando-os com o padrão de saúde da população, na perspectiva da Vigilância ambiental em saúde e do trabalhador, no âmbito do SUS.




  1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:




  • Propiciar o entendimento sobre a Atenção Primária Ambiental (APA) e sua importância na promoção da saúde;

  • Propiciar o entendimento sobre o funcionamento/papel da Vigilância Ambiental em Saúde/no âmbito do SUS;

  • Propiciar o entendimento sobre papel da Vigilância em Saúde do Trabalhador no âmbito do SUS;

  • Fornecer subsídios sobre a compreensão da complexidade que envolve os processos produtivos e sua relação com os ambientes de trabalho na geração/origem das doenças do trabalho;

  • Promover uma reflexão sobre a importância do trabalho integrado, multidisciplinar e intersetorial como fundamento para a atuação efetiva da prática profissional.




  1. CONTEÚDOS:



  • Ambiente e Saúde: na realidade atual e no contexto do SUS.

  • Ambiente, Trabalho e Saúde.

  • Medicina do Trabalho à Saúde do Trabalhador

  • Ações em saúde do Trabalhador/ Vigilância: Estruturação da Vigilância em Saúde do Trabalhador no âmbito do SUS;

  • Processos produtivos e saúde: doenças/ acidentes relacionados ao trabalho (organização e condições de trabalho), mais prevalentes no Brasil e consideradas de notificação compulsória (Portaria GM/MS n. 777 de 28 de abril de 2004).




  1. METODOLOGIA:

O módulo será ministrado por meio de discussão de casos contextualizados que exigirá do estudante um esforço individual de pesquisa com vistas o alcance das competências esperadas (Quadro 1). O estudante deverá elaborar o diagnóstico de dois casos (problema) de forma contextualizada, ou seja, relacionar com os aspectos do ambiente em seu sentido mais abrangente considerando todas as questões sociais: políticas, econômicas, culturais e éticas. Ainda serão discutidos temas sob a forma de seminários como também haverá momentos de laboratório de informática para que o estudante acesse os sites oficiais relacionados às temáticas desenvolvidas no módulo. Espera-se a participação ativa dos estudantes em todos os momentos do aprendizado.

Quadro 1- Competências e seqüência de atividades - VI período de medicina/FCM/2010

Competências

Metodologia

Recurso

Local

Conhecimentos necessários (o que precisa saber)

Habilidades correspondentes (o que precisa fazer)

Compreender a relação entre Ambiente e Saúde, sob o olhar teórico e do contexto da realidade

Conhecer os conceitos necessários para a construção das ações em vigilância ambiental em saúde no seu contexto de atuação, em uma perspectiva interdisciplinar e intersetorial.


Assistir o filme “Heróica Natureza”, com discussão em grupo e construção individual de resenha.

Vídeo

Sala de aula.

Entender o papel da Vigilância Ambiental em Saúde no âmbito do SUS.

Promover intervenções adequadas voltadas para os problemas de saúde relacionados ao ambiente.

Estudo de caso e discussão de conceitos chaves

Pesquisa em sites oficiais.



Internet, artigo científico, manuais do Ministério da Saúde

data show





Sala de aula, laboratório de informática, biblioteca.

Entender o papel da Vigilância em Saúde do Trabalhador no âmbito do SUS.

Desenvolver ações de saúde e vigilância do trabalhador.

Estudo de caso e discussão de conceitos chaves

Pesquisa em sites oficiais.



Internet, revistas científicas e livros

Sala de aula, laboratório de informática, biblioteca

Entender o contexto de acontecimento das doenças/acidentes relacionados aos ambientes de trabalho (complexidade).

Intervenção de forma adequada no campo das doenças relacionadas ao trabalho/estabelecer nexo causal/ contribuir com ações de saúde integral do trabalhador.

Apresentação dos seminários sobre a forma de rodas de conversa.

Internet revistas científicas e livros

Sala de aula, laboratório de informática, biblioteca



  1. AVALIAÇÃO:

Baseia-se na participação dos estudantes na modalidade individual e em grupo. Para isso, serão realizadas duas avaliações cognitivas: uma sobre a temática saúde ambiental e do trabalhador e a outra sobre processos produtivos e saúde, neste caso referente ao Seminário, com apresentação oral, dispensando resumo escrito. Serão realizadas quatro processuais, correspondendo à participação/apresentação dos resumos referentes aos casos - Grupo, resenha e relato da visita técnica ao CEREST – individual. O plano de recuperação será aplicado segundo o regimento e estarão previstos horários para o reforço de conteúdos não adequadamente apreendidos. Avaliações, cognitiva e processual, terão peso 5 (cinco).

  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



  1. MENDES R. Patologia do trabalho. 2 ed. São Paulo: Ed. Atheneu, 2005.

  2. ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia e saúde. 6 ed. Rio de Janeiro: Ed. Medsi, 2003.

  3. PEREIRA, M. G. Epidemiologia: teoria e prática. Rio de janeiro: Guanabara, 2008.




  1. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:



  1. AUGUSTO, L. G. S.; FLORÊNCIO, L.; CARNEIRO, R. M. Pesquisa (ação) em saúde ambiental (contexto, complexidade, compromisso social). Recife: Universitária. 2001.

  2. BRASIL, Ministério da Saúde. Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória: PORTARIA N.º 2.472, DE 31 DE AGOSTO DE 2010.

  3. BRASIL, Ministério da Saúde. Lista de doenças relacionadas ao trabalho: Portaria nº 1339/GM de 18 de novembro de 1999. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

  4. BRASIL. Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental. Informe unificado das informações sobre agrotóxicos existentes no SUS. Disponível em:

  5. BRASIL.Vigilância Ambiental em Saúde/Fundação nacional de Saúde.-Brasilia:FUNASA, 2002

  6. CORTEZ, J. C. V. Pressupostos teóricos-metodológicos para a compreensão das relações entre trabalho, meio ambiente e saúde. In: CORTEZ, J. C. V. (Org.). Meio ambiente: trabalho, saúde e segurança. João Pessoa: Ed. da UFPB, 2007.

  7. DIAS, E. C. HOEFEL M. G. O desafio de implementar as ações de saúde do trabalhador no SUS: a estratégia da RENAST. Rio de Janeiro: Ciência e Saúde Coletiva, 2005.

  8. MEDRONHO, R. A.; BLOCK, K. V.; LUIZ, R. R. Epidemiologia. 2 ed. São Paulo: Ed. Atheneu, 2009.

  9. PERES, F.; MOREIRA, J. C.; LUZ, C. Os impactos dos agrotóxicos sobre a saúde e o ambiente. Rio de Janeiro: Ciência & Saúde Coletiva, 2007.

  10. SILVA, J. M et al.. Agrotóxico e trabalho: uma combinação perigosa para a saúde do trabalhador. Rio de Janeiro: Ciência e Saúde Coletiva, 2005.

  11. Dias, EC.,Hoefel,MG, O Desafio de implementar as ações de Saúde do Trabalhador no SUS: a estratégia RENAST. Ver. Ciências & Saúde Coletiva, 10 (4):817-828, 2005

  12. Mendes, R.& Dias, E.C. Da Medicina do Trabalho à Saúde do Trabalhador in: Rev. Saúde Públ., São Paulo, 25 (5):341-9, 2001

PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO:

CURSO: Medicina

EIXO: Interação Ensino Serviço Comunidade

MÓDULO HORIZONTAL: Atenção em Saúde VI – Gestão de Serviços de Saúde


  1. EMENTA:

Fundamentação teórica de Administração no âmbito dos Serviços de Saúde Pública, Contextualização da Saúde Pública no Brasil; Gestão Participativa; Planejamento em Saúde; Administração de Recursos Humanos, Financeiros e Materiais; Noções básicas de Planejamento e Economia da Saúde; o planejamento e a Gestão do SUS.




  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Compreender conceitos e aspectos de Administração Geral, Administração Pública, Administração em Saúde e Administração em Serviços de Saúde. Refletir sobre aspectos da conjuntura da Gestão em Saúde no Brasil, identificando tendências construtoras e inovadoras. Reconhecer as mudanças do Sistema de Saúde no Brasil a partir do início do século XX, relacionando-os como a constante reformulação organizacional do Sistema de Saúde. Desenvolver o senso crítico para a reformatação dos Sistemas Gerenciais dos Serviços Públicos de saúde tendo como base o Planejamento.



  1. CONTEÚDO:



  1. Conceitos e aspectos importantes da Administração Geral, Administração Pública e Administração de Serviços de Saúde;

  2. O Planejamento como base para Gestão dos Serviços de Saúde;

  3. As Organizações prestadoras de Serviços de cuidados em Saúde;

  4. Modelos de Gestão em Saúde no Brasil;

  5. Experiências inovadoras em Gestão de Saúde;

  6. Gestão de recursos Humanos, Financeiros e Materiais;



  1. METODOLOGIA:

Exposições dialogadas, seminários e aulas práticas.

  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



  1. CHIAVENATO, I. Administração nos novos tempos. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

  2. MERHY, E .E. et al. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 4ed. São Paulo: Ed. Hucitec, 2007.

  3. SILVEIRA, M. M. Política nacional de saúde pública. 2 ed. Rio de Janeiro: Revan, 2008.




  1. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:




  1. BOHLANDER, G.; SNELL, S.; SHERMAN, A. Administração de recursos humanos. São Paulo: Ed. Pioneira, 2003.

  2. BRASIL, Ministério da Saúde, ANS. Regulação & saúde: estrutura, evolução e perspectivas da assistência médica suplementar. Rio de Janeiro: ANS, 2002.

  3. Brasil, Ministério da Saúde, CONASEMS. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

  4. BRASIL, Ministério da Saúde. Aplicação de recursos financeiros: critérios e procedimentos. 7 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

  5. BRASIL, Ministério da Saúde. Gestores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

  6. BRASIL. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Saúde: textos básicos de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

  7. CAMPOS, G. W. S.; MINAYO, M. C. S.; AKERMAN, M.; JÚNIOR, M. D.; CARVALHO, Y. M. (orgs). Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2006.

  8. CHIAVENATO, I. Teoria Geral da administração. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

  9. KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 12 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2006.

  10. Organização Pan-americana de Saúde. A transformação da gestão dos hospitais na América Latina e Caribe. Brasília: OPAS/OMS, 2004.

  11. SANTANA, José F.N. Paranaguá. Desenvolvimento gerencial de Unidades Básicas do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Org. Pan. de Sa, 1997

  12. RIVERA, F. J. U. (org.). Planejamento e programação em saúde: um enfoque estratégico. São Paulo: Cortez, 1989.

  13. SILVA, M. G. C.; SOUSA, M. H. L. Temas de economia da saúde. Fortaleza: UECE/Expressão, 2005.

PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

EIXO: Desenvolvimento técnico-científico

MÓDULO VERTICAL: Atenção aos Portadores de Distúrbios Abdominais - GASTROENTEROLOGIA


  1. EMENTA:

Fisiopatia, Diagnóstico e Tratamento das Principais Doenças do Sistema Digestório e órgãos anexos. Doenças do esôfago, estômago, duodeno, pâncreas, vias biliares, fígado, intestinos delgado e grosso, ânus e parede abdominal em adulto e crianças. Laboratório e imagenologia em gastroenterologia. Tratamento cirúrgico de afecções gastroenterológicas.



  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Estabelecer diagnóstico sindrômico, anatômico e etiológico a partir de dados clínicos (quadro clínico, conhecimentos de epidemologia, etiopatogenia e fisiopatologia). Elaborar um plano terapêutico das doenças em gastroenterologia clínica e cirúrgica.



Buscar informações utilizando os meios de informação disponíveis em gastroenterologia.

  1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

Propiciar ao estudante:

  • Capacidade de interagir com ferramentas de informações disponíveis em gastroenterologia.

  • Capacidade de estabelecer diagnóstico sindrômico, anatômico e etiológico a partir de dados clínicos (quadro clínico, conhecimentos de epidemologia, etiopatogenia e fisiopatologia)

  • Capacidade para buscar informações utilizando os meios de informação dentro da área.

  • Capacidade para estabelecer um plano terapêutico das doenças em gastroenterologia clínica e cirúrgica.



  1. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO



  • Doença do refluxo gastroesofágico

  • Esofagites

  • Megaesôfago

  • Atresias do trato gastro intestinal

  • Hérnias da parede abdominal

  • Tumores do aparelho digestivo

  • Neoplasias do esôfago

  • Doença cloridopéptica do estômago e do duodeno

  • Dispepsias- Diagnóstico diferencial das dispepsias

  • Gastrites

  • Neoplasias do estômago

  • Neoplasias do fígado

  • Hepatites

  • Encefalopatia

  • Cirrose

  • Doença inflamatória intestinal

  • Neoplasias do cólon

  • Hemorróidas

  • Abdome agudo

  • Pancreatites

  • Neoplasias do pâncreas e das vias biliares

  • Doenças do canal anorretal

  • Doença celíaca

  • Diagnóstico diferencial das diarréias

  • Parasitoses intestinais

  • Esquitossomose hepato- esplêncica

  • Hipertensão portal

  • Diagnóstico diferencial das icterícias.

  • Doença divertcular.





  1. METODOLOGIA:

Aulas teóricas e práticas (enfermaria, ambulatório e laboratórios) e seminários desenvolvidos pelos estudantes com supervisão dos docentes.

  1. AVALIAÇÃO:

Avaliação contínua das atividades práticas, participação e domínio de conhecimentos. Prova. Avaliação de atitude junto aos colegas, professores, pessoal administrativo, profissionais de outras áreas e especialmente o paciente.

  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



    1. DANI, R.. Gastroenterologia essencial. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 2006.

    2. TOWNSEND JR, Courtney M. et al. Sabiston, Tratado de cirurgia: a base biológica da prática cirúrgica moderna. 18ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

    3. WAY, L. W.; DOHERTY, G. M.(editor). Cirurgia: diagnóstico e tratamento. 11 ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 2004.



  1. Bibliografia ComplementaR:



  1. FERRAZ, A. A. B.; MATHIAS, C. A. C.; FERRAZ, E. M. Condutas em cirurgia geral. Rio de Janeiro: Medsi, 2003.

PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

EIXO: Desenvolvimento técnico-científico

MÓDULO VERTICAL: Atenção aos Portadores de Distúrbios Abdominais: UROLOGIA



  1. EMENTA:

Estudo teórico prático sobre as doenças que acometem o aparelho urinário e o aparelho genital masculino. Diagnóstico e tratamento das patologias do aparelho urinário e reprodutor masculino e suas principais complicações. Aspectos preventivos e sociais das doenças do aparelho urinário e reprodutor masculino.

  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Articular as informações da anamnese e do exame físico para construir hipóteses diagnósticas e decidir sobre a necessidade de exames complementares. Construir um plano terapêutico, incluindo medidas de prevenção primária e secundária.



  1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

1. Entender o processo de formação do aparelho genitourinário e identificar seus principais desvios.

2. Reconhecer e tratar adequadamente as afecções inflamatórias que atingem os órgãos do aparelho urinário (Rim, bexiga e Uretra).

3. Reconhecer e tratar adequadamente as afecções que atingem a próstata, com especial atenção ás patologias inflamatórias e a fisiopatologia e o manejo adequado da Hiperplasia Prostática Benigna (HPB).

4. Reconhecer e tratar adequadamente as que atingem os testículos, os epidídimos e a bolsa testicular.

5. Entender os diversos mecanismos envolvidos na gênese dos Tumores Genitourinários (principalmente os malignos), seus principais aspectos clínicos e de diagnóstico assim como tratamento e prognóstico.

6. Entender as principais disfunções sexuais masculinas e seus aspectos psicológicos e sociais.

7. Entender a dinâmica das disfunções miccionais e seu tratamento.

8. Conhecer o e discutir os principais aspectos do diagnóstico e tratamento cirúrgico dos cálculos urinários.

9. Identificar e diagnosticar o Trauma Genitourinário em todos os seus níveis, o adequado manejo bem como suas principais complicações


  1. CONTEÚDO:



  • Malformações congênitas do Sistema Urinário;

  • Malformações congênitas do Aparelho Genital Masculino;

  • Afecções inflamatórias do rim, bexiga e uretra;

  • Afecções inflamatórias da próstata

  • Hiperplasia prostática benigna (HPB);

  • Afecções da bolsa testicular e seu conteúdo;

  • Tumores do Rim;

  • Câncer da próstata;

  • Tumores de Urotélio e Câncer da Bexiga;

  • Câncer do testículo;

  • Câncer do pênis;

  • Disfunções miccionais e urodinâmica;

  • Disfunções sexuais masculinas;

  • Litíase urinária- tratamento cirúrgico;

  • Traumatismo urogenital: Rim

  • Traumatismo urogenital: Ureter

  • Traumatismo urogenital: Bexiga;

  • Traumatismo urogenital: Uretra

  • Traumatismo da genitália externa.



  1. METODOLOGIA:

O módulo utilizará como estratégia pedagógica para alcançar os objetivos definidos, aulas expositivas, aulas práticas, estudos dirigidos, discussões em grupo e seminários envolvendo os conceitos relacionados com cada tema.

Para as aulas práticas serão utilizados os recursos disponíveis no ambulatório de UROLOGIA do Hospital Escola/FCM Treze de Maio, nas enfermarias e centro cirúrgico do Hospital Escola/FCM Treze de Maio assim como recursos de informática sob orientação/supervisão dos professores envolvidos.



  1. AVALIAÇÃO:

A avaliação será realizada como um processo contínuo, através do acompanhamento das atividades realizadas, individual e coletivamente (seminários), observando-se atitudes, aquisição de habilidades e desempenho e avaliações cognitivas aplicando-se exames teóricos e práticos.

Ao final do módulo haverá um momento para a avaliação final de desempenho de alunos, professores e da metodologia utilizada para a obtenção dos objetivos previstos.



  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



  1. CURY, J.; SIMONETTI, R.; SROUGI, M. Urgências em urologia. São Paulo: Sarvier, 1999.

  2. FARIA, E. F.; SEABRA, D.; MACHADO, R. D. Uro-oncologia : dúvidas e controvérsias. Ribeirão Preto: Revinter, 2009.

  3. TANAGHO, E. A. Urologia geral de SMITH. 16 ed. São Paulo. Manole, 2007.




  1. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:




  1. Carvalhal, G. F. Urologia: princípios e prática. Porto Alegre: ArtMed, 1999.

  2. RUBINSTEIN, I. Urologia feminina. São Paulo: BYK, 1999.

  3. SCHOR, Nestor. Guia de urologia.. São Paulo: Ed. Manole, 2005.

  4. QUEIROZ e SILVA, Frederico Arnaldo de. Embriologia urogenital. São Paulo: Sarvier, 1997

  5. SHOUGI, M.; CURY, J. Urologia básica: curso de graduação médica. São Paulo: Manole, 2006.

  6. WROCLAWSKI, Eric Roger; BORGES JR., Edson (Coord.). Consenso Brasileiro de inferlidade masculina. Rio de Janeiro: SBU, 2003

PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

EIXO: Desenvolvimento técnico-científico

MÓDULO VERTICAL: Assistência aos Portadores de Distúrbios Abdominais – NEFROLOGIA



  1. EMENTA:

Estudo teórico prático sobre as doenças clínicas que acometem o aparelho urinário. Diagnóstico e tratamento das patologias do aparelho urinário e suas principais complicações. Aspectos preventivos e sociais das doenças do aparelho urinário.

  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Identificar as principais patologias renais, em sua relação com outros sistemas orgânicos. Reconhecer um paciente com suspeita de patologia renal após anamnese e exame físico. Interpretar um sumário de urina ou urina tipo I.



  1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

1. Entender o processo de formação do aparelho genitourinário identificar seus principais desvios.

2. Reconhecer e tratar adequadamente as afecções inflamatórias que atingem os órgãos do aparelho urinário (Rim, bexiga e Uretra).

3. Conhecer a gêneses dos cálculos urinários, seu diagnóstico e tratamento.

4. Conhecer aspectos do diagnóstico sindrômico, laboratorial e por imagem das doenças renais.

5. Entender a doença renal crônica e nefrites túbulo-intersticiais.

6. Compreender a fisiopatologia e principais aspectos diagnósticos e terapêuticos da Insuficiência Renal (Crônica e Aguda)

7. Identificar, entender e tratar as Síndromes Nefrítica e Nefrótica.

8. Identificar, entender e tratar as Glomerulopatias.

9. Entender os diversos mecanismos envolvidos na gênese da Hipertensão Renovascular.

10. Reconhecer os principais aspectos do rim em sua relação com as doenças sistêmicas.



  1. CONTEÚDO:



  • Afecções inflamatórias do rim, bexiga e uretra;

  • Litíase urinária;

  • Diagnóstico sindrômico, laboratorial e radiológico em Nefrologia;

  • Doença renal crônica;

  • Insuficiência Renal Crônica

  • Insuficiência Renal Aguda

  • Nefrites Túbulo-intersticiais

  • Síndrome Nefrótica

  • Síndrome Nefrítica

  • Glomerulopatias

  • Hipertensão arterial sistêmica

  • O rim e as doenças sistêmicas



  1. METODOLOGIA:

O módulo utilizará como estratégia pedagógica para alcançar os objetivos definidos, aulas expositivas, aulas práticas, estudos dirigidos, discussões em grupo e seminários envolvendo os conceitos relacionados com cada tema.

Para as aulas práticas serão utilizados os recursos disponíveis no ambulatório de Especialidade do CAIS Jaguaribe e Escola/ FCM assim como recursos de informática sob orientação/supervisão dos professores envolvidos.



  1. AVALIAÇÃO:

A avaliação será realizada como um processo contínuo, através do acompanhamento das atividades realizadas, individual e coletivamente, observando-se atitudes, aquisição de habilidades e desempenho e avaliações cognitivas aplicando-se exames teóricos e práticos.

Ao final do módulo haverá um momento para a avaliação final de desempenho de alunos, professores e da metodologia utilizada para a obtenção dos objetivos previstos.



  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



  1. BARROS, E. Nefrologia: rotinas, diagnóstico e tratamento. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

  2. CRUZ, J.; PRAXEDES, J. N.; CRUZ, H. M. M. Nefrologia. São Paulo: Sarvier, 2006.

  3. RIELLA, M. C. Princípios de nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos. 4 ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 2003.




  1. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:




  1. KNOBEL, E. Nefrologia e distúrbios do equilíbrio ácido-base. São Paulo: Atheneu, 2005.

PLANO DE ENSINO


  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

EIXO: Desenvolvimento técnico-científico

MÓDULO VERTICAL: Atenção aos Portadores de Afecções Dermatológicas


  1. EMENTA:

Organização morfofuncional da pele. Semiologia dermatológica. Etiopatogenia, quadro clínico, diagnóstico, diagnóstico diferencial e tratamento das patologias cutâneas mais freqüentes. Indicação de recursos semióticos complementares. Habilidade no manuseio das principais medicações de uso dermatológico (indicações, efeitos colaterais e contra-indicações)

  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Compreender e relacionar conceitos de anatomia microscópica e fisiologia da pele às dermatoses. Reconhecer e descrever as lesões elementares. Aplicar conhecimentos de semiologia dermatológica. Formular hipóteses diagnósticas após exame clínico e sugerir exames complementares. Elaborar plano terapêutico. Reconhecer os princípios básicos para pequenos procedimentos cirúrgicos dermatológicos.



  1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:



  1. Resgatar conhecimentos da anatomia microscópica e fisiologia da pele.

  2. Aprimorar conhecimentos de semiologia dermatológica.

  3. Desenvolver habilidade em formular hipóteses diagnósticas após exame clínico, sugerir exames complementares e indicar a terapêutica

  4. Conhecer os princípios básicos para pequenos procedimentos cirúrgicos.



  1. CONTEÚDO:



  1. Anatomia e fisiologia da pele

  2. Lesões elementares

  3. Erupções eczematosas: dermatite atópica, dermatite de contato, disidrose e eczema numular

  4. Erupções eritêmato-escamosas: psoríase e dermatite seborréica

  5. Erupções vésico-bolhosas

  6. Dermatoses causadas por fungos: micoses superficiais

  7. Dermatoses causadas por fungos: micoses profundas

  8. Dermatoses causadas por bactérias

  9. Dermatoses causadas por vírus

  10. Dermatozoonoses

  11. Hanseníase

  12. Leishmaniose

  13. Câncer de pele

  14. Colagenoses

  15. Farmacodermias

  16. Discromias

  17. Corticoterapia

  18. Fotoproteção

  19. Tricoses

  20. Onicoses

  21. Acne

  22. Rosácea

  23. Bases e veículos dermatológicos



  1. METODOLOGIA DO ENSINO:



  1. Aulas teóricas com exposição dialogada, estudo de casos clínicos, problematização do conteúdo vivenciado.

  2. Aulas práticas com atendimento aos portadores de dermatoses e discussão de cada caso.

  3. Seminários.

  4. Reunião anátomo-clínica.



  1. AVALIAÇÃO:

A avaliação será realizada de modo contínuo, através do acompanhamento das atividades realizadas, individuais e coletivas. Serão realizadas TRÊS avaliações cognitivas, sendo uma delas prática.

- Avaliações processuais (PESO 4)

1. Aulas práticas: freqüência, postura, interesse, relação médico paciente, aquisição de habilidades.

2. Seminários: participação na discussão, desenvoltura, segurança e domínio dos conhecimentos, além do pós-teste.

3. Caso clínico: A turma será dividida em grupos para estudo e discussão do caso. Haverá dois encontros por caso, com o tutor. No primeiro momento, o caso será lido e discutido utilizando conhecimentos prévios adquiridos dos alunos; no segundo, o debate será aprofundado, e será entregue um relatório por grupo. O relatório deverá conter a hipótese clínica principal (ressaltando elementos do caso que a justifiquem), os diagnósticos diferenciais, exames complementares, tratamento e prognóstico. Deverá ser feita uma revisão bibliográfica dos diagnósticos levantados. A avaliação será feita com base na participação no debate e no conteúdo do relatório apresentado.

4. Reunião anátomo-clinica: Será dividida em 2 partes. No primeiro momento os pacientes presentes serão examinados (no ambulatório), em seguida, serão liberados e os casos discutidos na sala de aula. Cada grupo de alunos será responsável por um paciente e deverá apresentar o caso clínico em data-show, para discussão das hipóteses clínicas, exames complementares e tratamento.

5. Avaliação sobre lesões elementares: o aluno descreverá as lesões projetadas no data-show.

6. Qualquer outra atividade desenvolvida durante o módulo.

- Avaliações cognitivas

a) teóricas (PESO 6): serão duas avaliações teórico com dia, hora e lugar pré-estabelecidos, inadiáveis, contemplando os temas abordados nas aulas teóricas, incluindo os seminários. Cada avaliação cognitiva constará de questões abertas e/ou fechadas.

b) prática (PESO 10): será uma avaliação prática com dia, hora e lugar pré-estabelecidos, inadiável. Será realizada em grupo (determinado pelo professor responsável pela aplicação). A avaliação será composta de anamnese, exame físico, hipóteses clinicas e conduta. NÃO SERÁ POSSÍVEL FAZER REPOSIÇÃO DESTA AVALIAÇÃO.

- REPOSIÇÃO: “O aluno tem direito por definição do Regimento da Faculdade (Art. 53 & 3) a UMA reposição de prova cognitiva, por falta em apenas uma das etapas do módulo

NÃO HÁ REPOSIÇÃO PARA AS AVALIAÇÕES PROCESSUAIS, NEM PARA AVALIAÇÃO PRÁTICA.


  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



  1. AZULAY, R. D.; AZULAY, D. R. Dermatologia. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 2004.

  2. RAMOS e SILVA, M.; CASTRO, M.C. Fundamentos de dermatología. Rio de Janeiro: Ed. Atheneu, 2009.

  3. SAMPAIO, S. A. P.; RIVITTI, E. A. Dermatologia. 3 ed. São Paulo: Ed. Artes Médic, 2001.



  1. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:



  1. BURNS, Tony et al. Rook's textbook of dermatology. 7 ed. Filadelfia: Blackwell, 2004.

  2. DU VIVIER, A.; MCKEE, P. H. Atlas de dermatologia clínica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

  3. FREEDBERG, Irwin M. et al. Tratado de dermatologia. Rio de Janeiro: REVINTER, 2005.

  4. RAPINI, R. P. Dermatopatologia prática. Rio de Janeiro: DiLivros, 2006.

  5. STOLTZ, W. et al. Atlas colorido de dermatoscopia. Rio de Janeiro: DiLivros, 2002.

PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

EIXO: Desenvolvimento técnico-científico

MÓDULO VERTICAL: Eletivo – Diagnóstico por Imagem


  1. EMENTA:

Esse módulo inicia-se com uma breve revisão do conteúdo abordado anteriormente no 3o período acerca das radiações, formação de imagem e anatomia imaginológica. Prossegue reforçando as bases das indicações de cada método no processo de investigação das doenças, especificamente para cada sistema do corpo. O aspecto imaginológico das doenças é aqui abordado com mais profundidade, chamando atenção para a sistematização da propedêutica e do raciocínio de elaboração de um diagnóstico principal e das possibilidades de diagnóstico diferencial. A didática aplicada também tem cunho prático, estimulando a participação em discussão de casos clínicos durante as aulas expositivas.

  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Compreender as funções de cada exame. Indicar a realização de exames de forma adequada em cada situação clínica. Interpretar as imagens, reconhecendo os aspectos imaginológicos das patologias mais prevalentes, de modo a elaborar o raciocínio diagnóstico.

  1. CONTEÚDO:

Unidade I:

Breve histórico, princípios físicos da formação da imagem e técnicas de exame

Radiografias convencionais

Tomografia computadorizada

Ultra-sonografia

Ressonância magnética

Medicina nuclear

Unidade II


Revisão da correlação anatômica,

Indicações dos métodos

Apresentação das principais doenças, com elaboração dos diangnósticos diferenciais

Sistema digestório

Sistema urinário e reprodutor masculino

Sistema reprodutor feminino

Desenvolvimento fetal e doenças da gravidez

Sistema cardiovascular

Sistema respiratório

Sistema locomotor

Sistema nervoso central e região da cabeça e pescoço

Doenças específicas da infância

Urgência e emergência


  1. METODOLOGIA:

O módulo utilizará como estratégia pedagógica aulas expositivas e dialogadas. Aulas práticas serão inseridas esporadicamente no conteúdo, baseadas em estudos de casos. Os estudos dirigidos, discussões em grupo e seminários poderão acontecer quando for oportuno.

  1. AVALIAÇÃO:

A avaliação será realizada como um processo contínuo, através do acompanhamento das atividades realizadas, individual e coletivamente, observando-se atitudes, aquisição de habilidades e desempenho e avaliações cognitivas, aplicando-se testes teóricos e práticos. Será aplicada uma avaliação teórica cognitiva no final do período. Avaliações práticas, com ênfase na discussão de casos clínicos, poderão também ocorrer em um ou dois momentos pontuais.

  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:


  1. FREITAS, L. O.; NACIF, M. S. Radiologia prática para o estudante de medicina. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.

  2. NOVELLINE, R. A. Fundamentos de radiologia de Squire. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 1999.

  3. WEIR, J. Atlas de Anatomia Humana em Imagens. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

9. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

  1. GREENSPAN. Radiologia ortopédica. 3 ed. Guanabara, 2001.

  2. KENNETH L. BONTRAGER. Tratado de técnica radiológica e base anatômica. 5 ed.Rio de Janeiro: Guanabara, 2001.

  3. KENNETH L. BONTRAGER. Tratado de técnica radiológica e base anatômica. 5ed . Rio de janeiro: Guanabara ,2001.
  4. KOCH, H. et al. Radiologia na formação do médico geral. Rio de Janeiro: Revinter, 1997.

  5. MOELLER / REIFF. Atlas de bolso de anatomia seccional – Vols I e II. 2 ed. Revinter, 2002.

  6. MONNIER, J. P.; TUBIANA, J. M. Manual de diagnóstico radiológico. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1999.

  7. PAUL & JUHL. Interpretação Radiológica. 7 ed. Guanabara, 2000.

PLANO DE ENSINO

  1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Medicina

EIXO: Desenvolvimento técnico-científico

MÓDULO VERTICAL: Eletivo - Farmacologia clínica


  1. EMENTA:

Relação da farmacologia com casos clínicos.

Fármacos com ação sobre o trato gastrintestinal, respiratório, fármacos hipoglicemiantes, hipolipidêmicos, anticoncepcionais, coagulantes, anticoagulantes, interação medicamentosa e prescrição médica.



  1. OBJETIVOS GERAIS DE APRENDIZAGEM:

Que os alunos ao final do módulo sejam capazes de:

Aplicar os conhecimentos da farmacologia na prática médica. Avaliar de maneira mais criteriosa a escolha dos medicamentos. Analisar a questão da interação farmacológica entre os fármacos e entre fármacos com alimentos, prescrevendo e orientando os pacientes de forma mais racional. Desenvolver um raciocínio crítico com relação aos conhecimentos da farmacologia com a visão ampliada para a pesquisa em várias fontes bibliográficas.



  1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS:



  • Motivar o aluno para o estudo da Farmacologia, destacando a relevância desta área do conhecimento dentro das ciências médicas.

  • Apresentar os fármacos de ação gastrintestinal, de ação no sistema nervoso central com aplicação clínica.

  • Desenvolver o raciocínio clínico-farmacológico dentro de uma Farmacologia racional de medicamentos.

  • Estimular o interesse por periódicos em Farmacologia por discussão de casos clínicos.



  1. CONTEÚDO:



  • Farmacologia gastrintestinal

  • Antipsicóticos e antidepressivos

  • Sedativo-hipnóticos

  • Anestésicos e analgésicos

  • Interação medicamentosa

  • Prescrição médica



  1. METODOLOGIA:

Aulas dissertativas;

Aplicação de listas de exercícios baseadas em casos clínicos;

Seminários;

Estudos em grupos;



Avaliações baseadas em casos clínicos;

  1. AVALIAÇÃO:

Avaliação contínua ao longo de todo o período, baseando-se principalmente na assiduidade e participação do aluno durante as aulas. Além de duas avaliações cognitivas durante o período.

  1. BIBLIOGRAFIA BÁSICA:



  1. FUCHS, F.D.; WANNMACHER, L.; FERREIRA, M.B.C. Farmacologia clínica. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

  2. KATZUNG, B. G. Farmacologia básica e clínica. 10 ed. Porto Alegre: Editora HMGH, 2010.

  3. RANG, H. P; DALE, M. M; RITTER, J. M. Farmacologia. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.



  1. Bibliografia Complementar:



  1. GOODMAN, L.S.; GILMAN, A. As bases farmacológicas da terapêutica. 10 ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2003.

  2. SILVA, P. Farmacologia. 7 ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 2006.





©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal