Controle de infecçÃo em odontologia



Baixar 74.85 Kb.
Encontro21.10.2017
Tamanho74.85 Kb.

CONTROLE DE INFECÇÃO EM ODONTOLOGIA

LORIANE RITA KONKEWICZ

INTRODUÇÃO

A prática da odontologia abrange uma grande variedade de procedimentos, que podem incluir desde um simples exame até uma cirurgia mais complexa. Estes procedimentos geralmente implicam em contato com secreções da cavidade oral, algumas vezes representados simplesmente pelo contato com saliva, outras vezes pelo contato com sangue, secreções orais, secreções respiratórias e aerossóis. Isto tudo acaba resultando em possibilidade de transmissão de infecções, tanto de paciente para paciente, como dos profissionais para pacientes ou dos pacientes para os profissionais.

Uma grande preocupação com o risco de transmissão de HBV e HIV entre pacientes e profissionais na prática odontológica tem sido encontrada (1-7). Apesar desta possibilidade de transmissão ser considerada baixa (6-8), alguns relatos de transmissão de HIV e HBV de pacientes para profissionais e profissionais para pacientes tem sido publicados sem, entretanto, identificar claramente as vias de contágio (9, 10). Os acidentes punctórios permanecem, ainda, como os maiores riscos de transmissão de HBV e HIV para os profissionais de saúde em geral e profissionais da odontologia em particular, através do contato com sangue (11-14). Em virtude de que nem todos os pacientes portadores de HIV, HBV, ou outros patógenos importantes, possam ser identificados previamente à realização de um procedimento invasivo, é recomendado que todos os pacientes, indiscriminadamente, sejam considerados potencialmente contaminados e que, consequentemente, precauções padronizadas sejam utilizadas em todos os procedimentos, com todos os pacientes (15).

Efetivas medidas de controle de infecção visam quebrar ou minimizar o risco de transmissão de infecções na prática da odontologia. Várias revisões sobre o assunto e recomendações de consenso, em diferentes países e estados do Brasil, tem sido publicadas no sentido de orientar os profissionais nessa prática (16-25).

A crescente aderência às precauções e recomendações tem provavelmente contribuído para a diminuição dos riscos de transmissão de infecções na prática odontológica (6, 26-27).

O objetivo deste capítulo é abordar todos os aspectos envolvidos no controle de infecção em odontologia, passando pelo bloqueio epidemiológico da transmissão de infecções, lavagem e anti-sepsia das mãos, proteção dos profissionais, tratamento de materiais, instrumentos, equipamentos e ambiente, uso de desinfetantes e descarte dos resíduos sólidos e líquidos.



BLOQUEIO EPIDEMIOLÓGICO DA TRANSMISSÃO DE INFECÇÕES E PROTEÇÃO DOS PROFISSIONAIS

VACINAÇÃO

A vacinação é considerada uma das mais importantes medidas de prevenção de aquisição de infecções. A vacinação contra hepatite B tem sido recomendada tanto para dentistas, como para auxiliares, técnicos de higiene dental e protesistas (20-25). Esta vacina deve ser aplicada em 3 doses: primeira dose, segunda dose após 1 mês e terceira dose após 6 meses. É recomendada a realização de sorologia (pesquisa de anticorpos anti-HBs) para comprovação de imunidade após o término do esquema vacinal.

Além desta, outras vacinas também são consideradas importantes dentre estes profissionais, tais como vacinas contra sarampo, rubéola, caxumba, tétano e influenza (20).

LAVAGEM e ANTI-SEPSIA das MÃOS

As mãos representam um dos maiores veículos de transmissão de infecções. A lavagem das mãos é, isoladamente, a ação mais importante para a prevenção e controle das infecções hospitalares (28). A educação e adesão dos profissionais ao hábito da adequada higiene das mãos não devem nunca deixar de serem enfatizados (29-32).

As mãos devem ser lavadas sempre que estiverem visivelmente sujas, antes de colocar luvas e após retirá-las, antes e após procedimentos com todos os pacientes, após contato com qualquer material, equipamento ou superfície potencialmente contaminados (22-24, 29). As mãos devem ser lavadas com sabão neutro, reservando o uso de sabão com anti-séptico antes de procedimentos cirúrgicos e em situações de extrema contaminação das mãos (22-24). Devem ser secas com papel-toalha descartável.

As torneiras recomendadas para lavagem das mãos são aquelas por acionamento não manual, ou seja, por pedal, cotovelo e célula foto-elétrica, entre outras (22-24). Quando utilizada uma torneira do tipo manual, deve ser evitada a recontaminação da mão durante o fechamento do registro, utilizando-se o papel-toalha como barreira.

A utilização de escovas nas mãos e antebraços não tem sido mais recomendada por causar lesões e colonização da pele, através do seu uso sistemático, além do risco de utilização de escovas com cerdas endurecidas e que não tenham sofrido uma adequada desinfecção e/ou esterilização. Deve-se dar preferência à anti-sepsia sem escovação, apenas com fricção das mãos (33). Quando utilizadas, as escovas deveriam ser estéreis, descartáveis e com cerdas macias, e destinadas apenas para a escovação das unhas.

Deve-se evitar a contaminação dos diferentes tipos de sabão, depositando o sabão em barra, em pedaços pequenos, em saboneteiras laváveis e que não acumulem água e o sabão ou anti-séptico líquido em dispensadores de pedal ou cotovelo, com frascos ou refis descartáveis ou passíveis de limpeza e desinfecção.

Os tipos mais comuns de anti-sépticos utilizados para anti-sepsia das mãos são: álcool, clorexidina, triclosan, compostos de iodo, como por exemplo polivinil pirrolidona iodo (PVPI) e outros iodóforos. Apesar das vantagens e desvantagens de cada tipo de anti-séptico, alguns estudos tentam demonstrar aqueles que apresentam maior eficácia (29, 34-35). A escolha, entretanto, do anti-séptico adequado para cada tipo de procedimento e cada instituição ou clínica deve respeitar as particularidades locais. Questões relacionadas a custos, tipo de dispensadores que acompanham os anti-sépticos, tolerabilidade e adaptação aos procedimentos predominantes em cada clínica, interferem na escolha do anti-séptico para as mãos.

Não são recomendadas, para a finalidade de anti-sepsia da pele, as formulações contendo mercuriais orgânicos, acetona, quaternário de amônio, líquido de Dakin, éter e clorofórmio (28).



USO DE LUVAS

As luvas devem ser usadas em todos os procedimentos com todos os pacientes. Também devem ser utilizadas para contato com materiais, instrumentos e equipamentos contaminados e durante o processo de limpeza destes materiais e do ambiente (20-25).

As luvas recomendadas para o processo de limpeza de materiais e ambiente são as luvas de borracha grossa, com cano longo, que podem ser reutilizadas, desde que lavadas e secas após cada uso.

As luvas recomendadas para os procedimentos gerais em odontologia são aquelas denominadas ‘luvas de procedimentos’, que consistem em luvas de látex, finas, geralmente com punho pequeno e não esterilizadas.

Para os procedimentos cirúrgicos, ou seja, procedimentos que envolvem incisões e suturas de tecidos, as luvas recomendadas são aquelas denominadas ‘luvas cirúrgicas’, que possuem punho mais longo do que as anteriormente descritas e são esterilizadas.

As luvas utilizadas para os procedimentos e cirurgias devem ser trocadas entre o uso em diferentes pacientes.

Não é recomendado o reprocessamento de luvas, nem a lavagem e reutilização das mesmas. A lavagem de luvas ou de mãos enluvadas não garante a remoção de microrganismos patogênicos aderidos ao látex das luvas (36).

As mãos devem ser especialmente protegidas com luvas em situações de contaminação extrema. Um estudo realizado por Kjølen e Andersen (35) demonstrou que quando as mãos de profissionais estavam pesadamente contaminadas com microrganismos, nem sucessivas lavagens das mãos, nem fricção com diferentes tipos de anti-sépticos foram suficientes para erradicar completamente estas bactérias patogênicas das mãos.



USO DE MÁSCARAS

As máscaras representam uma barreira física de proteção de transmissão de infecções, tanto do paciente para os profissionais, como dos profissionais para o paciente. Devem ser usadas pelos profissionais durante os procedimentos realizados nos pacientes e durante os processos de limpeza de materiais, em que haja possibilidade de espirramento de secreções ou sangue (20-25).

As máscaras devem ser com filtro duplo, descartáveis e de tamanho suficiente para cobrir completamente a boca e o nariz.

As trocas das máscaras devem ser frequentes, evitando permanecer com as mesmas durante muito tempo, especialmente quando umidade visível e excessiva. O tempo ideal de uso das máscaras não tem sido largamente descrito.



USO DE ÓCULOS DE PROTEÇÃO

Os óculos, assim com as máscaras, também representam uma barreira de proteção de transmissão de infecções, mais particularmente uma proteção para os profissionais, diante do risco de espirramento de secreções diretamente para os olhos ou contato com aerossóis (20-25).

Nas situações de grande quantidade de aerossóis no ambiente, os óculos também deveriam ser utilizados pelo paciente.

Os óculos adequados devem possuir barreiras laterais, devem ser confortáveis e de transparência o mais absoluta possível e, também devem ser de material de fácil limpeza.

Os óculos de proteção devem ser limpos pelo menos diariamente e sempre que sujidade visível. Devem ser guardados secos, preferentemente embalados. A desinfecção com álcool, após a lavagem, seria adequada em situações de excessiva contaminação.

USO DE VESTIMENTAS

As vestimentas recomendadas para uso diário, durante procedimentos odontológicos em geral, devem ser limpas, de material de fácil lavagem e secagem, de cores claras, confortáveis e discretas. Devem ser trocadas sempre que sujidade aparente. Devem ser usadas exclusivamente no trabalho (20-25).

A utilização de gorros pelo profissional visa evitar queda de cabelos na área do procedimento, além de oferecer uma barreira mecânica para a possibilidade de contaminação dos cabelos através do espirramento de secreções e aerossóis. Nestas situações também seria indicada a utilização de gorro pelo paciente.

Para realização de procedimentos cirúrgicos, é recomendado utilização de avental ou jaleco de mangas compridas esterilizado, em virtude do contato com o campo operatório, também esterilizado, utilizado no paciente.

Deve ser evitado o uso de adornos, tais como brincos, colares, correntes, pulseiras, relógios, anéis e alianças, já que representam materiais de difícil descontaminação. Um estudo comprovou que as mãos de profissionais que usavam anéis apresentavam-se mais colonizadas antes e após lavagem das mãos quando comparadas com grupo que não usava anéis (37).

TRATAMENTO DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS

A prática da odontologia inclui uma grande diversidade de materiais e instrumentais, de acordo com cada especialidade. A crescente tecnologia amplia cada vez mais esta variedade de instrumentais e equipamentos, felizmente fabricados, nos últimos tempos, de forma a facilitar seu processo de limpeza e esterilização ou descarte.

A escolha e organização dos métodos de desinfecção e esterilização deve ser baseada em recomendações de cunho científico e reconhecidas a nível nacional e internacional (38-42).

Para adequada escolha nos processos de utilização e tratamento dos materiais, estes devem ser divididos nas categorias críticos, semicríticos e não críticos (43). Materiais críticos são aqueles que entram em contato com tecidos cruentos, materiais semicríticos são os que entram em contato com mucosas e materiais não críticos aqueles que só entram em contato com pele íntegra. De uma forma geral, durante os processos de tratamento, os materiais críticos deveriam ser esterilizados ou de uso único (descartáveis), os materiais semicríticos deveriam sofrer esterilização ou no mínimo desinfecção e os materiais não críticos deveriam ser desinfetados ou no mínimo limpos. A periodicidade dos processos de limpeza, desinfecção e esterilização dos materiais deveria ser sempre entre o uso em diferentes pacientes (39).

Para uma melhor compreensão do processo de tratamento de materiais, alguns termos merecem ser definidos, conforme descrito a seguir.

Descontaminação: eliminação parcial ou total de microrganismos de materiais ou superfícies inanimadas.

Anti-sepsia: eliminação de microrganismos da pele, mucosa ou tecidos vivos, com auxílio de anti-sépticos, substâncias microbiocidas ou microbiostáticas.

Assepsia: métodos empregados para impedir a contaminação de determinado material ou superfície.

Limpeza: remoção mecânica e/ou química de sujidades em geral, (oleosidade, umidade, matéria orgânica, poeira, entre outros) de determinado local.

Desinfecção: eliminação de microrganismos, exceto esporulados, de materiais ou artigos inanimados, através de processo físico ou químico, com auxílio de desinfetantes.

Esterilização: destruição de todos os microrganismos, inclusive esporulados, através de processo químico ou físico.

Todo o processo de limpeza, desinfecção ou esterilização de materiais deve ser centralizado em um local especial, uma sala de tratamento de materiais. Portanto, após cada atendimento, todos os materiais utilizados devem ser levados para a sala de materiais, para seu adequado processamento. Os instrumentais não deveriam ser lavados na própria pia do consultório dentário, já que esta pia deveria servir exclusivamente para lavagem de mãos ou outras necessidades durante os procedimentos (23-24).



LIMPEZA DE MATERIAIS

Antes da desinfecção ou esterilização de qualquer tipo de material é fundamental que seja realizada uma adequada limpeza, para que resíduos de matéria orgânica que possam ficar presentes nos materiais não interfiram na qualidade dos processos de desinfecção e esterilização (39, 44).

A limpeza dos materiais pode ser realizada através de métodos mecânicos, físicos ou químicos.

Durante a limpeza mecânica é fundamental uma vigorosa escovação dos materiais, com auxílio de sabão e escovas de diferentes formatos. As escovas também devem sofrer processo de limpeza e desinfecção. Para uma adequada descontaminação, as escovas podem ser mergulhadas em hipoclorito de sódio a 1%, em recipiente plástico, durante 30 minutos, posteriormente enxaguadas e secas (em cima da estufa, por exemplo). Devem ser mantidas secas.

Devem ser utilizadas barreiras de proteção pelo profissional que exerce a limpeza dos materiais, através de luvas de borracha grossas e de cano longo, máscaras e óculos de proteção, em situações de possibilidade de espirramento de secreções.

Os materiais devem ser devidamente enxaguados e secos após sua limpeza. As compressas ou panos utilizados para secar o material devem ser somente para este fim e devem ser substituídos frequentemente.

Processos químicos também podem auxiliar na limpeza dos materiais, como por exemplo, através do uso de desencrostantes, soluções enzimáticas ou aparelhos de ultra-som, que auxiliam na remoção de matéria orgânica (41).

Podem ser utilizadas soluções anti-ferrugem em instrumentais e materiais metálicos, para aumentar a vida útil dos mesmos.



DESINFECÇÃO DE MATERIAIS

A desinfecção de instrumentais odontológicos geralmente é recomendada para os materiais termossensíveis, que não possam ser esterilizados em estufa ou autoclave, e para aqueles artigos com urgência de utilização.

Os métodos de desinfecção empregados na prática odontológica praticamente se resumem na desinfecção química, através de desinfetantes líquidos.

A decisão para escolha de um desinfetante deveria levar em consideração aspectos que envolvam efetividade, toxicidade, compatibilidade, efeito residual, solubilidade, estabilidade, odor, facilidade de uso e custos, entre outros (42). Além disso, é importante que o desinfetante seja recomendado e aprovado pelo Ministério da Saúde (41).

Uma avaliação referente ao tipo de procedimento (mais ou menos invasivo) e tipo de paciente (mais ou menos suscetível) também deve ser realizada antes da escolha do processo e tipo de desinfetante. Conforme já foi abordado, artigos críticos deveriam ser esterilizados. Portanto, artigos e instrumentos utilizados em cirurgias odontológicas deveriam ser, preferencialmente, autoclavados.

A desinfecção e/ou esterilização através de agentes químicos muitas vezes não se apresenta como um método seguro e confiável devido às interferências pertinentes ao uso de desinfetantes e suas dificuldades durante o processo, referentes à possibilidade de inadequada desinfecção ou recontaminação do material.

A escolha do tipo de desinfetante, métodos adequados de desinfecção, bem como a organização de todo este processo, não é uma tarefa fácil. Vários guias e manuais de recomendações têm sido publicados com o objetivo de orientar os profissionais para uma adequada desinfecção de materiais utilizados na assistência de saúde (39-42).

Os agentes químicos desinfetantes comumente utilizados em nosso meio são os álcoois, compostos clorados, glutaraldeído, formaldeído, iodóforos, peróxido de hidrogênio, ácido peracético, compostos fenólicos e quaternário de amônia (41). Os desinfetantes mais utilizados em odontologia são o álcool, o hipoclorito de sódio, os compostos iodados e o glutaraldeído. O álcool e o hipoclorito de sódio são os desinfetantes mais recomendados para superfícies, enquanto que o desinfetante mais comumente usado para instrumentais e outros materiais é o glutaraldeído. Em virtude da larga utilização do glutaraldeído em consultórios e clínicas odontológicas, estão descritas a seguir algumas recomendações específicas para este tipo de desinfetante.



Recomendações para adequada utilização do glutaraldeído a 2% (39-41):

- a solução de glutaraldeído, após ativada, deve ser colocada dentro de caixas plásticas fechadas. Não devem ser utilizadas caixas metálicas, nem devem ser misturados instrumentos de diferentes tipos de metais dentro da solução, pelo risco de causar ferrugem.

- a validade da solução após sua ativação será de 14 ou 28 dias, dependendo da marca de glutaraldeido que for comprada. A solução ativada de glutaraldeído deve ser identificada quanto ao seu prazo de validade. Preferentemente utililizar marcas de glutaraldeído que venham acompanhadas de fita para verificação da sua concentração. A concentração deve ser verificada diariamente e o glutaraldeído deve ser desprezado se sua concentração estiver abaixo de 1 a 1.5%, mesmo antes dos 14 ou 28 dias.

- este agente químico é bastante tóxico, por isto deve ser utilizado máscara com filtro de carvão ativado e luvas para proteção do profissional que estiver manuseando a solução. A máscara deve ser de uso individual e deve ser trocada quando danificada ou com o filtro gasto.

- a caixa deve ser mantida sempre fechada, para evitar a evaporação do desinfetante e toxicidade.

- os materiais devem ser limpos antes de colocados em solução de glutaraldeído, pois este desinfetante não tem capacidade de penetração na matéria orgânica (sangue, saliva, pus, gordura, etc...), além de cristalizar estes resíduos orgânicos, tornando mais difícil sua remoção.

- os materiais devem ser colocados em solução previamente secos, para evitar a diluição do desinfetante (o que poderia diminuir o seu tempo de ação).

- os materiais devem ficar completamente mergulhados dentro da solução, para uma ação efetiva.

- o glutaraldeído tem ação desinfetante em 20 a 30 minutos e ação esterilizante em 8 horas. Portanto, os materiais devem permanecer mergulhados na solução durante o tempo exato para se atingir o objetivo final do processo. Não deixar o material dentro da solução por tempo demasiado, pelo risco de danificar o material, sem necessidade.

- devido a sua toxicidade, os materiais devem ser bastante enxaguados após o tempo de desinfecção ou esterilização. Os materiais devem preferentemente ser enxaguados com água destilada estéril e secos com compressa estéril.

- o armazenamento dos materiais tratados em glutaraldeído deve ser em recipientes fechados e estéreis, por exemplo, cubetas metálicas esterilizadas, ou em campos esterilizados e fechados.

- o tempo de validade dos materiais que sofreram este processo não é muito garantido, portanto o ideal seria utilizar o material logo após a desinfecção ou esterilização.

ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS:

A esterilização de artigos odontológicos pode ser realizada através de métodos químicos ou físicos (44-46).

A esterilização química compreende a utilização de agentes esterilizantes líquidos, que são os mesmos utilizados no processo de desinfecção, porém com maior tempo de exposição. A esterilização química apresenta alguns aspectos negativos, especialmente referentes ao risco de recontaminação do material após o processo, dificuldade de armazenamento e de controle de qualidade ou monitoramento do processo, conforme já discutido anteriormente.

A esterilização física pode ser conseguida através de métodos ou equipamentos que empregam calor seco (por exemplo, estufa) e através de vapor saturado (por exemplo, autoclaves) (46).



Esterilização através de ESTUFA:

A estufa, na prática, ainda é o método de escolha para esterilização de instrumentais metálicos utilizados em odontologia. Através deste método não é possível esterilizar materiais plásticos ou outros materiais termossensíveis, assim como não é recomendável esterilizar roupas, papel, nem instrumentos metálicos cortantes.

Para uma efetiva esterilização dos materiais, a estufa deve ser mantida fechada ininterruptamente durante 60 minutos com a temperatura a 170 C, ou 120 minutos com a temperatura a 160 C, ou seja, a porta NÃO deve ser aberta neste período (41).

Todos os materiais devem ser esterilizados dentro de recipientes metálicos.

É importante colocar um pedaço de fita adesiva marcadora para estufa na tampa das cubetas e fita comum constando identificação do material e data da esterilização .

Os materiais esterilizados em estufa poderão ser armazenados para posteriores utilizações, desde que as cubetas não sejam abertas e recontaminadas.



Esterilização através de AUTOCLAVE a VAPOR:

A esterilização por autoclave a vapor tem se apresentado como o método que reúne mais vantagens para o tratamento de instrumentais odontológicos nos últimos anos. As vantagens deste método baseiam-se na sua maior segurança, menor dano aos materiais e menor tempo dispendido. A desvantagem encontra-se na impossibilidade de esterilização de materiais termossensíveis ou não resistentes ao calor, como por exemplo, materiais plásticos delicados.

A esterilização através de vapor sob pressão pode ser realizada em diferentes ciclos, com diversidades de tempo e temperatura, dependendo do tipo, tamanho e marca da autoclave e dependendo dos tipos de instrumentais e materiais, invólucros e tamanho dos pacotes. Os ciclos mais comumente utilizados são: 3 a 4 minutos a 134 C (esterilização ‘flasch’), 15 minutos a 134 C e 30 minutos a 121 C (17, 44-46).

Apesar de existirem algumas controvérsias sobre a esterilização em ciclos rápidos ou ‘flasch’ (47), esta ainda permanece sendo bastante adotada para instrumentais odontológicos. Deve ser levado em consideração o uso em pequeno espaço de tempo da grande maioria dos instrumentais odontológicos, o que não acontece com outros materiais hospitalares. Esta rapidez no uso do material recém esterilizado contribui para a não recontaminação do material. Todavia, a recomendação de esterilização ‘flasch’ é pertinente para instrumentais e materiais não porosos e não tubulares (47).

Todos os materiais devem ser esterilizados dentro de pacotes pequenos, utilizando embalagens papel grau cirúrgico, papel crepado ou tecido de algodão (22-24, 41, 46, 48). Os pacotes devem ser fechados com fita adesiva comum ou com seladora automática, contendo identificação do material e data da esterilização. Os pacotes devem ser colocados dentro da autoclave deixando espaços entre eles, permitido a circulação do vapor.

As embalagens de papel grau cirúrgico e papel crepado não devem ser utilizadas mais de uma vez. Elas são descartáveis. Os campos de pano devem ser lavados após cada esterilização, permitindo abertura da fibras do tecido.

A esterilização deve ser repetida se o pacote estiver danificado (rasgado, furado, aberto), se apresentar umidade ou gotículas aparentes de água, ou se o marcador físico não estiver com a cor alterada.

A água utilizada no reservatório da autoclave deve ser filtrada ou destilada. A qualidade da água e do vapor interferem na conservação e durabilidade dos instrumentais, podendo ocasionar manchas e corrosão (49).



CONTROLE DE QUALIDADE DE ESTERILIZAÇÃO - monitoramento e validação dos processos de esterilização

Para o controle de qualidade ou monitoramento do processo de esterilização, tanto através da estufa quanto da autoclave a vapor, podem ser utilizados marcadores físicos, marcadores químicos e testes biológicos.

Os marcadores físicos são aqueles encontrados em fitas adesivas específicas para esterilização a vapor ou calor seco (que ficam listradas após a esterilização), ou papéis de embalagem com marcadores específicos (que mudam de cor após a esterilização). Seu uso é recomendado em todos os pacotes ou caixas, uma vez que indicam pelo menos se o material passou pelo processo. As fitas adesivas marcadoras são distintas para estufa e para autoclave a vapor.

Outro método físico de monitoramento de esterilização, específico para estufas, são os termômetros, que devem ser colocados dentro da estufa, para controle da temperatura. Os termostatos e relógios que encontram-se na parte externa da estufa nem sempre representam uma real avaliação do processo.

Os métodos químicos consistem em pequenas tiras ou pedaços de papel, contendo um componente químico, que se alastra pelo papel ou modifica sua coloração, tornando o papel ‘marcado’ após o processo. É recomendada a colocação desses marcadores dentro dos pacotes, com periodicidade sistematicamente estabelecida (em cada ciclo de esterilização, diariamente ou semanalmente). Representam maior segurança em relação ao método anterior.

Os testes biológicos são, sem sombra de dúvida, aqueles que fornecem maior segurança em relação à qualidade de esterilização. Consistem na colocação de microrganismos vivos dentro da autoclave e seu posterior cultivo, para controle de sua eliminação. Os bacilos utilizados para esterilização a vapor são Bacillus stearothermophillus e para esterilização por calor seco são Bacillus subtilis. Alguns testes comerciais de fácil verificação (cuja cor do meio de cultura se altera na presença do bacilo vivo) já podem ser utilizados por profissionais não especialistas em microbiologia (50). Estes testes fornecem resultados em 48 horas, pelo método tradicional, e em apenas 6 horas, através de método rápido. Infelizmente não existem métodos comerciais para monitoramento biológico de esterilização em estufas, já que estes apresentam-se em embalagens plásticas, que não toleram a temperatura elevada das estufas. As recomendações quanto à periodicidade de realização desses testes biológicos variam de acordo com a legislação de cada estado ou país. As recomendações odontológicas americanas, por exemplo, recomendam periodicidade semanal (20). As recomendações canadenses são de periodicidade mensal (21), enquanto as recomendações nos diferentes estados brasileiros nem sempre estabelecem essa periodicidade (22, 24, 25).

As autoclaves a vapor também devem sofrer um processo de validação, através da realização de testes biológicos em todos os pontos internos da máquina, antes de sua primeira utilização e após cada manutenção.

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ESPECIAIS

As peças de mão (seringa tríplice, canetas de baixa e alta rotação), pontas dos aparelhos de profilaxia e fotopolimerizáveis deveriam sofrer tratamento de limpeza, desinfecção e, preferencialmente, esterilização entre o uso em diferentes pacientes. As canetas de baixa e alta rotação devem ser autoclavadas entre o uso em diferentes pacientes. Já que não é possível a autoclavação nas ponteiras dos outros equipamentos descritos, estes deveriam ser limpos e desinfetados com álcool a 70% e protegidos com papel alumínio ou plástico aderente após cada uso (22-24). Na medida em que este tipo de materiais tornarem-se disponíveis no mercado de forma a possibilitarem seu uso esterilizados, seja por autoclavação ou ponteiras descartáveis, esta recomendação deveria ser adotada.

Alguns estudos já demonstaram a contaminação de canetas após seu uso, tanto na superfície externa quanto na interna (51-54), inclusive com microrganismos mais patogênicos, como HIV. Outros estudos também demonstraram a contaminação da água utilizada nos procedimentos com estas peças de mão (55), sugerindo, a partir destas evidências, que os reservatórios de água sejam periodicamente limpos, desinfetados ou esterilizados, que a água utilizada seja sempre esterilizada e que, no início de cada dia, seja desprezado o primeiro jato de água, que provavelmente estava acumulada nas tubulações (20, 23-24).

Películas para radiografias devem ser posicionadas no paciente com técnica asséptica e, após o contato com o paciente, devem ser manipuladas com luvas.

Moldeiras metálicas utilizadas nos pacientes devem sofrer esterilização. As moldagens devem ser consideradas contaminadas após o contato com paciente, devem ser manipuladas com luvas e, respeitando os diferentes tipos de materiais utilizados nas moldagens, estas deveriam sofrer desinfecção química através de líquidos desinfetantes não prejudiciais ao material da moldagem (22-24). Moldagens de material de alginato e siliconas podem ser desinfetadas através da imersão em glutaraldeído, durante 10 minutos (56). Apesar destas indicações, deve ser levado em consideração que a compatibilidade dos desinfetantes com os materiais de impressão pode variar de acordo com o fabricante.

TRATAMENTO DE AMBIENTE E EQUIPAMENTOS FIXOS

O ambiente e equipamentos fixos que cercam o paciente durante o atendimento odontológico se tornam contaminados em função da possibilidade de espirramento de secreções e/ou sangue e, principalmente, pelo aerossol liberado no ambiente. Todos os equipamentos devem ser limpos e desinfetados após cada procedimento. Pode ser utilizado álcool para esta finalidade. Para limpeza do chão, paredes, teto, janelas e demais superfícies pode ser utilizado simplesmente água e sabão. A utilização de desinfetantes em superfícies fixas, tipo paredes, teto, chão, não se faz necessária, já que não contribue para a diminuição da incidência de infecções (57). A desinfecção em ambientes e superfícies só é recomendada em situações de contaminação com matéria orgânica e, nestas situações, a desinfecção localizada e próxima ao local do atendimento do paciente já é suficiente (41).

Para o procedimento de limpeza do ambiente e equipamentos fixos deve ser seguida uma ordem começando pela área mais limpa até a mais suja. Devem ser limpas a mesa do equipo, balcão, refletor e cadeira (nesta ordem). A cuspideira deve ser limpa posterior e separadamente. Se sujidade demasiada, retirar a cestinha para uma limpeza mais efetiva.

A seringa tríplice e todas as mangueiras devem ser limpas e desinfetadas com álcool. Colocar um canudo de proteção na ponteira da seringa tríplice, ou utilizar ponteiras descartáveis e/ou autoclaváveis.

Para evitar a recontaminação durante o procedimento, as peças de mão (seringa tríplice, canetas de baixa e alta rotação), pontas dos aparelhos de profilaxia e fotopolimerizáveis, alça do refletor, teclas de acionamento da cadeira, alça do aparelho de radiografias e outros aparelhos, que necessitam ser manipulados durante o procedimento, devem ser protegidos com sacos plásticos, lâminas de plástico aderente ou papel-alumínio.

A falta de um profissional para auxiliar o dentista durante o procedimento pode levar a contaminação de muitos outros equipamentos, incluindo gavetas, armários, telefone. Nestas situações poderia ser utilizada uma segunda luva, exercendo uma barreira de proteção para evitar contaminação do ambiente.



DESCARTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS

Em estabelecimentos odontológicos podem ser encontrados resíduos de diferentes tipos, tais como resíduos contaminados (algodão ou gazes sujas de sangue, pus, saliva, guardanapos, tubetes plásticos de medicamentos, luvas, máscaras, etc...), resíduos pérfuro-cortantes (agulhas, lâminas de bisturi, vidros contaminados quebrados, instrumentos cortantes, etc...), resíduos alimentares, resíduos secos e resíduos especiais para reaproveitamento (vidros, plásticos e latas não contaminados, papéis, caixas de papelão, invólucros de medicamentos ou materiais, etc..).

Os diferentes tipos de resíduos devem ser selecionados adequadamente (58-59). Os resíduos contaminados devem ser separados, identificados e colocados em saco plástico resistente, prevenindo seu espalhamento para o ambiente. Os resíduos pérfuro-cortantes devem ser colocados em recipientes rígidos com boca pequena ou recipientes resistentes. Os recipientes para pérfuro-cortantes devem estar localizados próximos a sua fonte, para evitar que o transporte deste tipo de material cause acidentes no trajeto. Os resíduos alimentares, secos ou para reaproveitamento devem ser colocados separados em sacos plásticos de diferentes cores ou adequadamente identificados, para não serem confundidos com os demais.

Os resíduos sólidos contaminados e não contaminados devem ser coletados pelo órgão municipal responsável, para seu adequado destino e reaproveitamento (20, 23-24).

Líquidos, sangue e secreções succionadas durante os procedimentos dentários devem ser drenadas diretamente para a rede de esgoto sanitária (20, 23-24).

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



  1. Barr CE, Miller LK, Lopez MR, et al. Recovery of infectious HIV-1 from whole saliva. JADA 1992, 123: 37-45.

  1. Bell DM. Human immunodeficiency virus transmission in health care settings: risk and risk reduction. Am J Med 1991, 91: 3B-294S-300S.

  2. Ciesielski C, Marianos D, Ou CY, et al. Transmission of human immunodeficiency virus in a dental practice. Ann Intern Med 1992, 116: 798-805.

  3. Comer RW, McCoy BP, Pashley EL, et al. Analyzing dental procedures performed by an HIV-positive dental student. JADA 1992, 123: 51-4.

  4. Gerbert B, Bernzweig J, Bleecker T, et al. Risks of the "big three". JADA 1992, 123: 82-8.

  5. Gruninger SE, Siew C, Chang SB, et al. Human immunodeficiency virus type I infection among dentists. JADA 1992, 123: 57-64.

  6. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Hepatites, AIDS e herpes na prática odontológica. Brasília, 1996. 54 p.

  7. Gooch B, Marianos D, Ciesielski C, et al. Lack of evidence for patient-to-patient transmission of HIV in a dental practice. JADA 1993, 124: 38-44.

  8. Centers for Disease Control. Possible transmission of human immunodeficiency virus to a patient during an invasive dental procedure. MMWR 1990, 39: 489-93.

  9. Rimland D, Parkin WE, Miller GB, et al. Hepatitis B virus traced to an oral surgeon. New England J Med 1977, 296: 953-8.

  10. Beekmann SE & Henderson DK. Managing occupational risks in the dental office: HIV and the dental professional. JADA 1994, 125: 847-52.

  11. Cleveland JL, Gooch BF, Lockwood SA. Occupational blood exposures in dentistry: a decade in review. Infect Control Hosp Epidemiol 1997, 18: 717-21.

  12. Cleveland JL, Lockwood SA, Gooch BF, et al. Percutaneous injuries in dentistry: an observational study. JADA 1995, 126: 745-51.

  13. Mandel ID. Occupational risks in dentistry: comforts and concerns. JADA 1993, 124: 41-9.

  14. Garner JS. Guideline for isolation precautions in hospitals. Infect Control Hosp Epidemiol 1996, 17: 53-80.

  15. Hamory BH & Whitener CJ. Nosocomial infections in dental, oral, and maxillofacial surgery. In: Mayhall CG. Hospital Epidemiology and Infection Control. Second Edition. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 1999. p. 719-28.

  16. Miller CH & Palenik CJ. Sterilization, disinfection, and asepsis in dentistry. In: Block SS. Disinfection, sterilization and preservation. 4 ed. Pennsylvania: Lea & Febiger, 1991. p. 676-95.

  17. Costa Cr. & Funari S. Odontologia. In: Rodrigues EAC, Mendonça JS, Amarante JMB, et al. Infecções Hospitalares. Prevenção e controle. São Paulo: Sarvier, 1997. p. 296-303.

  18. Zambon JJ. Controle da infecção. In: Genko RJ, Cohen DW, Goldman HM. Periodontia contemporânea. São Paulo: Livraria Editora Santos, 1996. p. 371-4.

  19. Centers for Disease Control. Recommended Infection-control practices for dentistry, 1993. MMWR 1993, 42: 1-12.

  20. Canadian Dental Association. Recommendations for infection control procedures. 1991.6 p.

  21. Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. Manual de biossegurança para estabelecimentos odontológicos. Porto Alegre. 1998. 52p.

  22. Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. Normas para biossegurança em estabelecimentos odontológicos. Norma técnica n 01/98. Diário Oficial de Porto Alegre. 12 de janeiro de 1998.

  23. Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul. Norma técnica de biossegurança em estabelecimentos odontológicos e laboratórios de prótese no Rio Grande do Sul. Portaria n 40/2000 SES. 29 de dezembro de 2000.

  24. Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar. Controle de Infecção na prática odontológica. São Paulo. 2000. 87 p.

  25. Nash KD. How infection control procedures are affecting dental practice today. JADA 1992, 123: 67-73.

  26. Gonçalves PMJ & Pordens IA. Controle da infecção cruzada na prática odontológica por periodontistas de Belo Horizonte. Rev Periodontol 1997, 6: 34-40.

  27. Ministério da Saúde. Programa de Controle de Infecção Hospitalar. Portaria n 2616, de 12 de maio de 1998. Diário Oficial, 1998, 13 maio, n 89: 133-5.

  28. Larson EL. APIC Guidelines for handwashing and hand antisepsis in health care settings. Am J Infect Control 1995, 23: 251-69.

  29. Hoefel HHK. Estratégias para a prevenção da transmissão de infecções dentro do ambiente hospitalar. Revista HCPA 1996, 16: 8-12.

  30. Torriani MS, Konkewicz LR, Kuplich NM, et al. Campanha interna de lavagem de mãos em um hospital universitário: "Vamos lavar as mãos". Rev HCPA 1996, 16: 109-10.

  31. Larson E & Kretzer EK. Compliance with handwashing and barrier precautions. J Hosp Infect 1995, 30: 88-106.

  32. Loeb MB, Wilcox L, Smaill F, et al. A randomized trial of surgical scrubing with a brush compared to antiseptic soap alone. Am J Infect Control 1997, 25: 11-5.

  33. Bending JW. Surgical hand disinfection: comparison of 4% chlorhexidine detergent solution and 2% triclosan detergent solution. J Hosp Infect 1990, 15: 143-8.

  34. Kjølen H & Andersen BM. Handwashing and disinfection of heavily contaminated hands - effective or ineffective? J Hosp Infect 1992, 21: 61-71.

  35. Doebling BN, Pfaller MA, Houston AK, et al. Removal of nosocomial pathogens from the contaminated glove: implications for glove reuse and handwashing. Ann Intern Med 1988, 109: 394-8.

  36. Salisbury DM, Hutfilz P, Treen LM, et al. The effect of rings on microbial load of health care workers’ hands. Am J Infect Control 1997, 25: 24-7.

  37. Kolstad RA. The emergence of load-oriented sterilization. JADA 1994, 125: 51-4.

  38. Rutala WA. APIC guideline for selection and use of disinfectants. Am J Infect Control 1996, 24: 313-42.

  39. Rutala WA. Selection and use of disinfectants in health care. In: Mayhall CG. Hospital Epidemiology and Infection Control. Second Edition. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 1999. p. 1161-87.

  40. Ministério da Saúde. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. Processamento de artigos e superfícies em estabelecimentos de saúde. 2 ed. Brasília, 1994. 49 p.

  41. Molinari JA, Gleason MJ, Cottone JA, et al. Comparison of dental surface disinfectants. Gen Dent 1987, may-june: 171-5.

  42. Spaulding EH. Chemical disinfection of medical and surgical materials. In: Lawrence CA & Block SS, eds. Disinfection, sterilization and preservation. Philadelphia: Lea & Febiger, 1968. p. 517-31.

  43. Miller CH. Cleaning, sterilization and disinfection: basics of microbial killing for infection control. JADA 1993, 124: 48-56.

  44. Miller CH. Sterilization and disinfection: what every dentists needs to know. JADA 1992, 123: 46-54.

  45. Guia elaborado por enfermeiros brasileiros. Recomendações práticas para processos de esterilização em estabelecimentos de saúde. Parte I: esterilização a calor. Editora Komedi. São Paulo. 2000. 95 p.

  46. Howard WJ. The controversy of flash sterilization. Today’s OR Nurse 1991, 13: 24-7.

  47. Gorayb SBS, Carneiro MTR, Gonçalves MRCB. Avaliação de invólucros de esterilização: algodão cru e papel grau cirúrgico. Rev SOBECC 1997, 2: 24-6.

  48. Fonseca RMP. Qualidade da água e do vapor interferindo na conservação do instrumental. Rev SOBECC 1997, 2: 20-3.

  49. Scali NMP. Indicadores biológicos de terceira geração: tecnologia rompe a barreira do tempo. Rev SOBECC 1997, 2: 16-8.

  50. Lewis DL, Arens M, Appleton SS, et al. Cross-contamination potencial with dental equipment. Lancet 1992, 340: 1252-4.

  51. Lewis DL & Boe RK. Cross-infection risks associated with current procedures for using high-speed dental handpieces. J Clin Microbiol 1992, 30: 401-6.

  52. Matsuyama M, Usami T, Masuda K, et al. Prevention of infection in dental procedures. J Hosp Infect 1997, 35: 17-25.

  53. Mills SE, Kuehne JC, Bradley DV. Bacteriological analysis of high-speed handpiece turbines. JADA 1993, 124: 59-62.

  54. Pankhurst CL & Philpott-Howard JN. The microbiological quality of water in dental chair units. J Hosp Infect 1993, 23: 167-74.

  55. Pucci HC. Influência da desinfecção nos moldes de hidrocolóide irreversível: reprodução de detalhes e estabilidade dimensional. Dissertação de mestrado. Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Canoas, RS. 1999.

  56. Vesley D & Streifel AJ. Environmental services. In: Mayhall CG. Hospital Epidemiology and Infection Control. Second Edition. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 1999. p. 1047-53.

  57. Gordon JG, Reinhardt PA, Denys GA, Alvarado CJ. Medical waste management. In: Mayhall CG. Hospital Epidemiology and Infection Control. Second Edition. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 1999. p. 1387-97.

  58. Crow S. Dissolving the problem of infectious medical waste. Infect Control Hosp Epidemiol 1996, 17: 434-7.





©aneste.org 2017
enviar mensagem

    Página principal