Consulta de enfermagem



Baixar 26.47 Kb.
Encontro16.11.2017
Tamanho26.47 Kb.

Estudo de Caso: Doença Gastrite

Danilo José Moreira Fernandes¹

Marislei Brasileiro²
1.1 IDENTIFICAÇÃO
D.J.M.F tem 22 anos e do sexo Masculino de cor branca, acadêmico do curso de enfermagem de religião católica; natural de Pires do Rio - Go é Brasileiro e procedente de Goiânia - Go.
1.2 EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES
Tem grande preocupação, pois não está se sentindo bem devido ao problema de estomago.
1.3 NECESSIDADES BÁSICAS
Não pratica exercícios físicos se alimenta mal, queixa falta de apetite, reclama dores intensas no estômago, principalmente quando come comidas pesadas, almoça as 13:00hs e janta as 19:00hs, se hidrata bem, come diariamente: feijão, arroz, verduras cozidas e cruas, frutas, leite; apesar de não sentir apetite, informa mastigar e deglutir sem nem uma dificuldade. Evacua duas vezes ao dia.

Toma banho duas vezes ao dia.



Reside em casa própria que possui 3 quartos, sala, cozinha, 1 banheiro, a casa não e abastecida por esgoto tratado, possui água retirada do posso mesmo tendo água tratada abastecendo sua casa, o lixo e recolhido por caminhões devidamente apropriado fornecido pela prefeitura, a casa é abastecida por energia elétrica e possui um quintal pequeno e cimentado.
1.4 EXAME FÍSICO
Pulso radial 75 e apical 74 com características normais, respiração 19, PA=140X110 mmgh, não fuma nem toma bebidas alcoólicas, não é alérgico a drogas e a alimentos.

Condições dos segmentos: pele integra, sem lesões, limpa, umidade normal, couro cabeludo não apresenta lesões, postura deitada, sentada e de pé normais e em perfeito estado.

Cavidade bucal com dentes limpos, sem mal hálitos.

Queixas: referiu Ter dores no estômago.

Impressões do entrevistador: paciente tranqüilo, falando somente o que é perguntado o mesmo, mostra preocupação pelas dores de estomago.
2. ANÁLISE INTEGRAL

2.1 ANATOMIA DO ESTÔMAGO

O estômago tem aproximadamente a forma dum J e para melhor localizarmos as lesões dividimo-lo em 3 partes:

» O fundo do estômago que é a porção mais alta

» O corpo do estômago - porção do estômago entre o fundo e antro.

» O antro que vai do corpo do estômago até ao piloro

A porção inicial do estômago logo depois do esófago chama-se cárdia. Através do piloro o estômago comunica com a parte inicial do intestino delgado - o duodeno.

A parede do estômago é constituída por fibras musculares.
2.2 ASPECTOS FISIOPATOLÓGICOS
O estômago tem sobretudo uma função mecânica. Faz o armazenamento dos alimentos e, através de movimentos de vaivém, mistura-os e transforma-os em pequenas partículas que irão facilitar a digestão. A digestão é a transformação dos alimentos, de maneira a poderem ser absorvidos.

A face interior da parede do estômago é coberta por uma mucosa que contêm células especializadas na secreção de várias substâncias: nos dois terços superiores do estômago essas células da mucosa segregam umas, ácido clorídrico e factor intrínseco ( células parietais ) e outras pepsinogénio ( células principais ). O pepsinogénio dá origem a um enzima, a pepsina, com funções na digestão. No terço inferior do estômago, que corresponde ao antro, as células da mucosa segregam gastrina ( células G ). A gastrina é uma hormona que estimula as células parietais do corpo do estômago a produzir ácido clorídrico. O ácido clorídrico baixa o pH do estômago para valores que são necessários para activar as enzimas da digestão e servir de barreira às bactérias. O Helicobacter pylori, uma bactéria patogénica que vive no estômago, arranjou mecanismos, para se defender do ácido.

A digestão começa na boca por ação de duas enzimas, a amilase e a lipase, que transformam o amido e as gorduras e, continua no estômago por acção da pepsina que transforma as proteínas. A maior parte da digestão é, no entanto, feita no intestino delgado pelas enzimas do pâncreas, pela ação detergente da bílis e, pelas enzimas da mucosa do intestino delgado.

Com excepção do factor intrínseco, que é necessário para que a absorção da Vitamina B12 seja possível no intestino delgado, as outras secreções do estômago são pouco importantes para a digestão normal. Podemos viver, perfeitamente, sem estômago.

Como o factor intrínseco é indispensável para que se faça a absorção da Vitamina B12 no intestino delgado, é necessário, injectar Vitamina B12 às pessoas com gastrite auto-imune, cujo estômago não produz factor intrínseco e, às pessoas, às quais, cirurgicamente foi retirado o estômago. Sem factor intrínseco, a Vitamina B12 não se absorve no intestino delgado e, como consequência da fata de Vitamina B12 aparecem alterações neurológicas.

As doenças do estômago, com expressão clínica, mais frequentes são, a Dispepsia Funcional ( de longe a doença mais frequente do estômago ), a Úlcera do Estômago , Gastropatia Erosiva ( "Gastrite" erosiva ) e o Cancro do Estômago. A gastrite causada pelo Helicobacter pylori é, a lesão mais frequente do estômago mas, habitualmente, não causa sintomas. Outras doenças do estômago são pouco frequentes: tumores benignos, volvo do estômago, gastrite auto-imune, gastrites específicas, doença de Ménétrier, divertículo do estômago, bezoares, estenose hipertrófica do piloro.

A endoscopia alta é, hoje, a técnica mais utilizada para observar o estômago. O estudo radiológico do estômago passou a realizar-se muito menos desde que na década de 70, apareceu a endoscopia. A endoscopia permite, não só, observar e fotografar as lesões do estômago, mas também, colher fragmentos para exame histológico, colher fragmentos para pesquisar o Helicobacter pylori e, realizar várias técnicas terapêuticas: tratamento de lesões sangrantes, extracção de pólipos, extração de corpos estranhos etc.


2.3 ASPECTOS BIOQUÍMICOS

2.31 RELATÓRIO DA ENDOSCOPIA

O exame do esôfago revela sinais de esofagite leve, caracterizada por esbranquiçamento da mucosa e perda do padrão vascular habitual.

No antro gástrico onde as contrações são regulares, a mucosa apresenta lesões enantematosas em pequena intensidade e distribuídas difusamente.

2.32 LAUDO DE ULTRA-SONOGRAFIA DO ABDOME SUPERIOR

Achados Eco-gráficos sugestivos de esteatose hepática leve (Grau I)

2.33 RELATÓRIO HISTOPATOLÓGICO

Fragmentos de mucosa gástrica (antro) exibindo edema e congestão vascular em lamina própria.

2.4 ASPECTOS FARMACOLÓGICOS

Cimetidina 2x ao dia sempre que sentir dor.

Pantozol 20mg em jejum.

Motilium 200mg Antes do almoço e antes do jantar.

3. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM

Com base dados do histórico, os principais diagnósticos de enfermagem do paciente incluir os seguintes.

  • Náusea

  • Ansiedade

  • Hipertensão

  • Dor epigástrica após as refeições

  • Nutrição desequilibrada: mais do que as necessidades corporais, com risco para obesidade.

4. PRESCRIÇÃO DE ENFERMAGEM

  • Orientar o paciente a manter o autocontrole emocional, para evitar o aumento de acides do estomago.

  • Orientar o paciente a tomar o medicamento prescrito nos horários corretos.

  • Orientar o paciente a praticar atividades físicas para ajudar a obter um controle de sua Pressão Arterial e garantir uma melhor qualidade de vida.

  • Sugerir ao paciente que em suas atividades físicas não sejam forçadas e que ele procure ajuda de um profissional de Educação-Física.

  • Sugerir ao paciente que se alimente nos horários corretos das refeições pra evitar exageros alimentares.

5. REFERÊNCIAS


  1. HORTA, A. Wanda. Processo de Enfermagem (sied) São Paulo. 1979

  2. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA: definições e classificação – 2001/2002 / organizado por North American Nursing Association; Porto Alegre: Artmed, 2002

  3. COTRAN, Ramzi S. KUMAR, Vinay, COLLINS, Tucker. Patologia Estrutural e Funcional. 6ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2000.

  4. DANGELO, José Geraldo, FATTINI, Carlo Américo. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 2ª ed. São Paulo, SP: Ed. Atheneu, 2002.



Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
união acórdãos
Universidade estadual
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande