Como selecionar bem? Um Estudo Prático de Um Processo Dinâmico de Seleção de Pessoal



Baixar 80.55 Kb.
Encontro21.12.2018
Tamanho80.55 Kb.


    Como selecionar bem? Um Estudo Prático de Um Processo Dinâmico de Seleção de Pessoal

    Américo Nobre G. F. Amorim, Armando Loureiro Amorim, Fúlvio Alves Santos, Pedro Felipe Matias, Phillipe Antônio Freitas de Araújo, Dra Tânia Nobre G. F. Amorim.



    Resumo: O processo de seleção de pessoal é parte essencial na função de Recursos Humanos. Os principais problemas decorrentes de seleções fracassadas vão desde o desperdício dos investimentos efetuados pela organização no colaborador escolhido, o alto custo envolvido na demissão e ainda a redução da produtividade provocada pela substituição de um colaborador. Cientes destas conseqüências, as empresas estão cada vez mais preocupadas em desenvolver e utilizar métodos eficazes de seleção, para garantir sua eficácia. Este trabalho, através da revisão bibliográfica do tema e de um estudo de caso, visa levantar as práticas de seleção mais defendidas pela academia, comparando-as com o que ocorre no dia-a-dia das empresas brasileiras. O estudo de caso foi realizado na unidade de Paulista/PE da Santista Têxtil, empresa que vem obtendo destaque com os bons resultados de seu departamento de RH. As conclusões da pesquisa apontam para um alinhamento entre os procedimentos adotados pela empresa estudada e as práticas advogadas pela literatura da área. Alguns fatores identificados na organização foram: a ocorrência de profissionais qualificados para efetuar processos seletivos, procedimentos definidos e institucionalizados, visão estratégica do processo de seleção e a valorização das práticas de seleção pela alta gestão da organização. Uma das limitações do estudo deste caso é o fato da organização em análise ser uma grande empresa, o que contrasta com a realidade da maioria das demais empresas brasileiras, as micro e pequenas. Nestas organizações, é provável que os processos de seleção sejam dificultados pela falta de recursos qualificados.

    Palavras-chave: recursos humanos, gestão de pessoas, recrutamento e seleção


  1. Introdução

A seleção é um processo que vem ganhando cada vez mais destaque e importância nas organizações, envolvendo a escolha do candidato que passa pela análise de sua capacidade em desempenhar melhor as funções do cargo e de conviver bem com seus colegas. Isto pode ser visto como resultado da tendência das empresas em se dedicarem à formação de equipes unidas, que através da satisfação com o trabalho e a qualidade de vida possam ser mais produtivas.


Além disso, a modernização da gestão transforma o setor de RH em um centro de custos. Assim, a gestão de pessoas passa a ser analisada com base nos seus custos, tarefas e ganhos estratégicos (ORLICKAS, 2001) que proporciona para a organização. Verifica-se então a necessidade de, além de selecionar bem, medir e controlar os custos das seleções, que engloba desde os materiais de apoio (formulários, testes, etc) até o tempo dos mais diversos tipos de profissionais envolvidos no processo. A participação de administradores, psicólogos, médicos, supervisores e gerentes da área do cargo em seleção, dá-se para que seja atingido um nível mais elevado de eficácia na escolha do futuro colaborador. Esta pluralidade de análises e opiniões aumenta a responsabilidade de todos os envolvidos nas contratações, não sendo o resultado crédito ou culpa de um único profissional.


Talvez a principal razão pela qual as organizações precisam garantir o sucesso de suas contratações seja o custo do fracasso da seleção. Nos casos em que o profissional contratado não se adapta a função, por qualquer motivo, e tem que ser desligado da empresa, todo o investimento (treinamento, equipamentos, benefícios) realizado nesse funcionário é perdido (DESSLER, 2003). Além disso, a produção não conseguirá, de imediato, substituir a produtividade do colaborador desligado, pois o novo ocupante da função terá um período de adaptação até alcançar sua capacidade plena.


  1. Como se processa a seleção?

O processo de seleção é realizado pela grande maioria das organizações, sofrendo mudanças e adaptações à realidade de cada uma delas. Neste tópico, serão abordados os principais passos da seleção, de acordo com a bibliografia da área.




    1. Fontes de Informação sobre candidatos a emprego

São várias as fontes de informação que podem ser utilizadas como forma de tornar mais precisos e confiáveis os dados obtidos para que o candidato tenha sucesso no emprego para o qual está sendo selecionado. Dentre as fontes de informação podemos destacar: formulários de solicitação de emprego; fichas de informações pessoais; investigação de antecedentes; testes de honestidade e de integridade; teste grafológico; exames médicos.




  • Os formulários de solicitação de empregos

São utilizados em diversas empresas por serem um meio rápido e sistemático de obtenção de informações variadas sobre os candidatos. É de muita importância que os formulários sejam cuidadosamente desenvolvidos e freqüentemente revisados e atualizados (ALMEIDA, 2004). Os formulários de solicitação de emprego, se bem utilizados, servem como base para a formulação das entrevistas, pois neles constam informações sobre experiência, formação e fontes de verificação de referências.


As empresas utilizam esses formulários no inicio do processo seletivo, inclusive candidatos que tenham apresentado currículos devem fazer o preenchimento dos formulários. A empresa pode utilizá-los como um artifício a mais para saber se as informações colocadas nos currículos são verdadeiras. Com esta medida, a organização adquire mais respaldo para tomar uma atitude quando constata que algum funcionário prestou informações falsas durante a seleção.



  • Formulários de informações biográficas

Sendo um dos métodos mais antigos para avaliar o sucesso no emprego, o formulário biográfico abrange questões sobre a vida familiar, investimentos, hobby e outros. Serve para conseguir informações sobre a vida do candidato, ajudando a “modelar” o seu comportamento (CARVALHO, 2000).


Nesses formulários raramente temos como definir se uma resposta é certa ou errada, então é atribuída uma pontuação nos itens de maior relevância para o emprego. Estes pontos são somados e sua totalização é que define o perfil do candidato. Há estudos que uma pontuação objetiva dos formulários biográficos e nos de solicitação de emprego é muito válida para mostrar o comportamento do candidato, incluindo seu desempenho como funcionário, indícios de furto, rotatividade nas empresas entre outros.


  • Investigações dos antecedentes

É uma forma que as empresas utilizam para investigar informações sobre um candidato quanto a seu emprego anterior ou informações que foram fornecidas pelo mesmo. Este tipo de investigação, normalmente, é feita quando o entrevistador fica satisfeito com as qualificações do candidato e tem interesse de selecioná-lo para o emprego.


Na investigação dos antecedentes é muito utilizada a verificação de referências (SILVA e NUNES, 2001), que apesar de serem importantes para o processo seletivo, normalmente distorcem a real qualificação do candidato contribuindo, por exemplo, para o aumento da taxa de rotatividade das empresas. As referências de emprego, de forma geral, são muito importantes, pois diferem das referencias pessoais, discutindo informações especificas sobre o histórico de trabalho do candidato.
Por outro lado, devido à expansão que vem obtendo a legislação no que diz respeito à privacidade, muitas empresas, por medo de sofrerem ações judiciais, não fornecem informações negativas sobre seus antigos funcionários, tornando as referências de emprego meras confirmações de empregos anteriores.
Devido a pouca veracidade das informações obtidas nesse procedimento, muitas empresas o omitem do processo seletivo ou o substituem por um contato telefônico, ao invés dos dados escritos, pois além de proporcionar uma resposta mais rápida pode apurar pela hesitação ou entonação da voz, indícios de problemas subjacentes, etc.


  • Testes de honestidade e de integridade

São relevantes para apresentar o desempenho do candidato no emprego, além de uma ampla variedade de comportamentos como o absenteísmo, furto e problemas disciplinares de uma forma geral. Alguns fatos apresentados neste tipo de teste podem colocar o candidato em uma situação completamente fora dos padrões de sua personalidade e isto pode fazê-lo fracassar, portanto, é muito importante que estes tipos de testes tenham seus resultados utilizados de forma conjunta com outras fontes de informação, evitando que a empresa perca um bom funcionário.




  • Teste grafológico

Baseia-se na obtenção de uma amostra escrita e a partir dela examinam características tais como o tamanho da letra, distribuição da escrita na pagina, pressão aplicada sobre o papel, e assim, especialistas definem traços de personalidade, criatividade, capacidade organizacional, integridade, tendências de empreendedorismo, maturidade emocional, dentre outros aspectos (MANDRUZATO, 1997).


Várias empresas optam pelo teste grafológico por serem mais rápidos e menos custosos que outros testes de personalidade, porém embora haja evidências que mostram a grafologia como um meio confiável de predição de personalidade, sua validade quanto a definições para o desempenho do emprego continua questionável e seu uso na tomada de decisões para um emprego tem sido visto de forma bastante ceticista.


  • Exames médicos

No processo de seleção pode ser incluída uma avaliação medica do candidato antes de ser tomada a decisão de contratar. O exame medico é feito para assegurar, de uma forma geral, que o candidato tem saúde adequada para atender aos requisitos do cargo.


Os exames médicos devem ser feitos conforme o Programa de Controle Medico de Saúde Ocupacional (PCMSO) que é regulamentado pela NR7 e portaria 3.214/78, tendo como objetivo a promoção e preservação de saúde do conjunto dos trabalhadores. Este programa deverá ser elaborado por um medico do trabalho. Conforme o Art. 168 da CLT, todos os trabalhadores devem ter o controle de sua saúde de acordo com os riscos aos quais são expostos no trabalho.
É de grande importância à interpretação dos exames e que os mesmos sejam feitos periodicamente, para poder determinar deficiências causadas pelo trabalho, e que devem ser indenizadas segundo a Lei de remuneração dos trabalhadores. Em algumas empresas são solicitados exames para identificar uso de drogas. Na maioria dos casos, o candidato que não apresenta resultado positivo não tem chance de ser contratado, porém, normalmente estes são enviados para tratamento ou podem receber algum tipo de ação disciplinar.


    1. Entrevistas

No processo de seleção, a entrevista assume um papel central, pois é a partir da análise dos candidatos que se seleciona alguém para determinado cargo. A entrevista é importante no processo seletivo pois é extremamente prática quando o número de candidatos não é tão grande e serve para outras finalidades como relações públicas da empresa e também porque os candidatos têm fé nos próprios julgamentos.


As entrevistas (WEISS, 2002) podem ser guiadas por uma pessoa, membros de uma equipe de trabalho ou outros indivíduos da empresa, dependendo do tipo de entrevista que se utilize. Quanto a estas pessoas, as empresas devem tomar um certo cuidado para que o processo de seleção não seja afetado. Os entrevistadores devem ser pessoas humildes, com a capacidade de pensar objetivamente, ter maturidade e serenidade, não falar demais e nem ter opiniões radicais ou serem parciais. As entrevistas podem ser não dirigidas e estruturadas ou dirigidas.


  • Entrevistas não dirigidas

Nesse tipo de entrevista o entrevistador evita influenciar os comentários do candidato ao máximo possível, dando liberdade para ele determinar o rumo da entrevista. O entrevistador faz propostas ou perguntas bem abertas e permite que o candidato discurse livremente sobre o assunto, interrompendo pontualmente. O entrevistador pode ainda fazer perguntas do tipo follow-up, para que o candidato tenha uma maior continuidade e elabore respostas mais curtas.


Essa maior liberdade do candidato pode ser extremamente importante no sentido de trazer à tona informações que podem ser ocultadas por perguntas mais estruturadas, porém. poucas informações permitem aos entrevistadores chegar a algum acordo com outros entrevistadores sobre decisões de seleção em geral. Esse método de entrevista pode ser utilizado na seleção de candidatos para cargos de elevado nível hierárquico de gerência ou aconselhamento (HACKETT, 2000).


  • Entrevistas estruturadas

A entrevista estruturada, por utilizar um conjunto de perguntas padronizadas baseadas na análise do cargo a que se pleiteia e um conjunto de respostas usadas como comparação com as respostas dos candidatos, cria uma base mais consistente para a avaliação do candidato. Desta maneira, fornece as informações necessárias para que sejam tomadas decisões na seleção. É o formato preferido pelos entrevistadores. A entrevista estruturada contém algumas variações quanto ao formato das perguntas.


Na entrevista situacional, é apresentada ao candidato uma situação hipotética onde ele deve responder como reagiria naquele momento. Essas respostas são avaliadas mediante padrões de ação preestabelecidos pela organização.
Já na entrevista de descrição comportamental, a situação que se avalia é um fato real que tenha ocorrido com o candidato. O entrevistador pode por exemplo perguntar ao candidato como ele agiu na última vez que ele demitiu alguém por corte de despesas e a partir daí avaliá-lo.

Existe ainda a entrevista coletiva, onde o candidato é entrevistado por uma banca formada por 3 a 5 entrevistadores. Estes conduzem a entrevista de forma alternada e depois avaliam em conjunto cada candidato, para então decidir qual o selecionado naquela entrevista.


Uma nova forma de entrevista, que cada vez mais é utilizada, é a entrevista pela Internet. Várias empresas já estão se utilizando desse tipo de entrevista como um complemento às entrevistas tradicionais. Esta entrevista é feita na forma de questionário estruturado onde é feita uma avaliação preliminar do candidato a ser entrevistado face-a-face, para uma melhor determinação de seu perfil, bem como, para uma economia de tempo na obtenção desses dados.



    1. Testes de Admissão

Basicamente a seleção tem o papel de analisar com mais profundidade os candidatos através de provas e entrevistas. As provas são elaboradas segundo as exigências do cargo e procuram medir aptidões e habilidades que são essenciais à função que será preenchida. A entrevista também é um método bastante eficiente apesar da sua subjetividade, podendo ser bem aproveitada se conduzida com objetivo estabelecido pelo entrevistador. As entrevistas têm sido muito utilizadas pelos empregadores para medir e avaliar habilidades e capacidades quando poderiam ser medidas e avaliadas com mais exatidão pelos testes (RABAGLIO, 2002). Com relação à escolha e aplicação dos testes, cabe ao RH a avaliação de sua validade e aplicabilidade, a fim de proporcionar à organização uma boa seleção, que irá suprir as necessidades do cargo pleiteado.




  • Testes de Personalidade e de Interesse

Podem ser associados com outros testes de capacidade cognitiva a fim de tentar prever o futuro desempenho do funcionário através de seus traços de personalidade, além de ajudar no planejamento de carreira (ANASTASI, 1977). Apesar do grande número de testes de personalidade, não são mutuamente excludentes podendo ser combinadas no desenvolvimento de um único inventário de personalidade. Alguns são mais utilizados, como o MMPI (Inventário Multifásico de Personalidade de Minnesota) que originariamente foi criado para verificar traços de anormalidades psicológicas prejudiciais através de 550 afirmações que apresentam 14 resultados em escalas clínicas como hipocondria, depressão paranóia dentre outras. Outro teste é o CPI (Inventário Psicológico da Califórnia) que consiste em 480 itens do tipo certo ou errado apresentando resultados em 18 escalas de dimensões como domínio, responsabilidade, feminilidade, dentre outras. Esses testes causam polêmicas entre os analistas de RH por mensurar algo tão subjetivo quanto a personalidade e por não demonstrar a relação entre cargo e algumas características da personalidade, sendo inclusive restringidos em alguns lugares.


Os testes de interesse mensuram as preferências por certas atividades em relação à outras (escolhas). Obtendo-se informações do candidato sobre interesses em diferentes tipos de trabalho, de currículos educacionais ou de atividades recreativas fazendo-lhe perguntas. Um dos testes mais utilizados é o Inventário Kuder de Interesse, que trata da mensuração de interesses de diferentes ângulos e destina-se a objetivos um pouco diferentes. A validade dos testes, ou seja, o grau de mensuração é a questão mais importante a ser proposta a qualquer teste psicológico, apresentando a possibilidade de satisfazer sua função.


  • Testes de Capacidade Cognitiva

Medem as capacidades mentais do candidato. Fazem parte dessa classificação os testes psicométricos que são medidos por sete fatores: Fator V ou Compreensão Verbal envolvendo leitura e vocabulário. Tem-se O Fator W ou Fluência das Palavras que é a fluência verbal ou extensão de vocabulário. O Fator N ou Numérico que é relacionado com a rapidez e exatidão dos cálculos aritméticos simples, o Fator S ou Relações Espaciais que é a capacidade de visualizar relações espaciais em duas e três dimensões, o Fator M ou Memória Associativa que é identificado através de testes de memória mecânica. Também é composto pelo Fator P ou Rapidez Perceptual que é a habilidade para rápida e exatamente detalhes visuais e por fim o Fator R ou Raciocínio proposto por Thurstone.




  • Testes de Capacidade Física

São testes que medem a capacidade física para a realização de atividades que requeiram o uso de capacidades como resistência e força para a realização das mesmas ou para prevenção de possíveis acidentes ou lesões.




  • Teste de Rorschach

De acordo com Hermman Rorschach (GOROSPE e SAINZ, 1994), “A interpretação das manchas de tinta situa-se dentro do campo da percepção e a percepção.”. Este teste poderá revelar a organização básica da estrutura da personalidade do candidato, com características como a vida interior, energia psíquica e até indícios sobre o estado intelectual (ANDRADOS, 1973). Através da utilização de pranchas com imagens simétricas, esse teste tem por objetivo de, por exemplo, avaliar potencialidades intelectuais do indivíduo o que não deixa de ser um aspecto da personalidade segundo o autor.




  • PMK

O teste psicodiagnóstico miocinético é muito discutido ultimamente pela forma com que vem sendo aplicado e principalmente como é interpretado. O teste baseia-se no princípio do movimento expressivo da Mio-músculo / Cinese-movimento. A postura muscular é um reflexo das características de personalidade segundo seus autores, Mira y Lopez.




    1. Prova Situacional

É um processo de avaliação que permite observar o desempenho do candidato e compará-lo com padrões estabelecidos de produtividade (PONTES, 2001). Os tipos de provas situacionais podem ser individuais ou grupais. O conteúdo da prova analisa como o candidato irá reagir diante de uma situação hipotética ou analisar problemas surgidos numa relação chefe-subordinado.


Uma das limitações deste tipo de teste é a forma com que o analista poderá julgar ou fazer observações, imparciais ou não, dessa forma é fundamental a capacidade de quem aplica e analisa este teste. No que se refere às vantagens da prova situacional, exige-se grande participação do candidato provocando uma interação produtiva e fornece maior garantia de certeza quando se trata de um cargo que cujo erro de preenchimento acarreta problemas para a empresa.


  1. A Organização em Análise

Na pesquisa exploratória e investigativa que originou este trabalho sobre o processo de seleção, utilizou-se o método do estudo de caso, onde buscou-se levantar e classificar as práticas de seleção na organização estudada.


Com relação aos meios de pesquisa, foram utilizadas diferentes fontes de dados: o levantamento telematizado no site da organização estudada, pesquisa documental em jornais, revistas e entrevistas estruturadas com três profissionais do departamento de RH, envolvidos diretamente com o processo de seleção da empresa. Com isto, procurou-se garantir confiabilidade aos dados obtidos.
A Santista Têxtil S/A é a única multinacional Brasileira do setor têxtil, com 7 unidades produtivas no Brasil sendo uma em Pernambuco, duas em Sergipe, uma no Ceará e três em São Paulo. Possui ainda uma Unidade na Argentina e outra no Chile somando cerca de 5.200 funcionários.
A unidade de Paulista/PE, que foi estudada neste trabalho, foi a primeira fábrica do grupo fora de São Paulo, fundada em 1967. Atua no segmento de Workwear, tecidos para roupas profissionais como é mais conhecida. As demais unidades do grupo atuam nos segmentos de Jeanswear e Denim. Seus produtos são utilizados nas forças armadas e na área de serviços, em hotéis e restaurantes.
Em Paulista, a Santista conta com todo o processo de fabricação do tecido, desde a transformação do algodão e poliéster em fios, através do setor de Fiação, até o processo de transformar o fio em tecido, que ocorre na Tecelagem. A partir daí, o produto segue para a unidade de Socorro em Sergipe, onde recebe a tintura e acabamento.
No ano de 2002, a unidade Paulista tornou-se a primeira do setor têxtil brasileiro a contar com o chamado Sistema de Gestão Integrado, por ter conseguido as três certificações disponíveis: ISO 9001/2000 (Qualidade), ISO 14001 (Gestão Ambiental) e OHSAS 18001 (Segurança e Saúde Ocupacional). Em 2003, recebeu o Prêmio Mérito da regional da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) pela difusão dos conceitos sobre Gestão de Pessoas.
A unidade pernambucana possui a unificação da Gerência de Produção com a Gerência de Recursos Humanos, esta foi a maneira encontrada de garantir a obtenção e manutenção do Sistema de Gestão Integrada e eficácia de custo de produção. Hoje, conta com 345 funcionários, além de 11 estagiários e 83 prestadores de serviços que atuam nas áreas de segurança e manutenção predial.


    1. A função de RH na organização estudada

A Santista adota o modelo de gestão de RH por competências, onde há uma avaliação 360 graus a cada dois anos. A avaliação é realizada com os funcionários que são avaliados e por sua vez avaliam seus líderes, pares, subordinados e “fornecedores” no contexto de 360°, para verificar como eles estão e como está sendo seu desempenho de acordo com o que é esperado. A busca pelo desenvolvimento é canalizada para o atendimento das competências que apresentaram insuficiência, de cada colaborador. As competências eleitas pela empresa que dão sustentação ao seu negócio são:




  • A comunicação, que se refere à capacidade de expressar clara e homogeneamente seus pensamentos e ações, bem como repassar informações, de modo a garantir a fluidez dos processos inter e intra-departamentais.

  • A imagem refere-se ao comprometimento de manter uma conduta coerente com os valores da companhia, fortalecendo a imagem pessoal e institucional.

  • A qualidade trata do compromisso de se manter alinhado aos princípios de qualidade do grupo.

  • A criatividade aborda a capacidade de inovar processos, padrões e comportamentos, visando encontrar novas soluções para problemas vivenciados na organização.

  • A gestão de pessoas refere-se à habilidade de liderar pessoas, mobilizando esforços para os resultados da companhia.

  • O autodesenvolvimento trata do empreendimento contínuo de ações e mudanças de paradigmas, que promovam seu crescimento pessoal e profissional.

  • A orientação para resultados cuida da visão do ambiente interno e externo, permitindo identificar oportunidades para gerar vantagens competitivas, conciliando investimentos com administração de recursos e custos.




    1. A estrutura da Área de Recursos Humanos

A equipe de RH da Santista é composta de aproximadamente 12 pessoas. O gerente da área acumula também a gerência de Produção, assim unificando as estratégias das unidades. O supervisor de administração de pessoal e o analista de pessoal são responsáveis pela parte legal e burocrática, desde a contratação e demissão até mesmo na negociação de contratos de terceirização, nas áreas de segurança e manutenção predial.


O Analista de Benefícios é o responsável pela intermediação na relação entre os colaboradores e a gerência, em questões que envolvem os benefícios oferecidos pelo grupo. Outra atribuição deste Analista é a gestão do relacionamento com os prestadores dos benefícios.
Já o Analista de Comunicação atua na melhoria da comunicação entre o público interno da unidade e também com a comunidade externa: governo, imprensa e sociedade civil. A comunicação visual e sinalização dentro da unidade também é responsabilidade deste profissional, que deve zelar para que todas as comunicações estejam em conformidade com os padrões.
O Supervisor de Segurança trabalha na prevenção de acidentes e na melhoria ergonômica das instalações. A equipe médica é composta por técnicos de enfermagem, que se revezam de forma que a fábrica sempre possua um auxílio médico de plantão. O médico do trabalho atua na empresa na realização de exames admissionais, demissionais e periódicos além de inspeções rotineiras nos diversos locais de trabalho. O atendimento de primeiros socorros é realizado na fábrica através de uma equipe da EASE – Equipe de Atendimento em Situação de Emergência, havendo, inclusive serviço de remoção através de ambulância, caso necessário.
O setor de Desenvolvimento de Recursos Humanos é composto por psicólogos, que efetuam as tarefas de planejamento, seleção, acompanhamento e controle dos treinamentos prestados à equipe.


    1. O processo de seleção

Na organização estudada existe o processo formal de seleção, que é executado pelo setor de RH em parceria com outros setores. Nos próximos itens, iremos abordar com mais detalhes cada etapa do processo seletivo adotado.




      1. Fontes de Informação

As fontes de informações são importantes para que as empresas possam somar dados que sejam relevantes para um bom processo seletivo. Na Santista Textil são várias as formas utilizadas para fazer com que os candidatos possam fornecer as informações que serão utilizadas para determinar se ele, deve ou não, ser contratado para o cargo ao qual está pretendendo.


A ficha de solicitação de emprego é a primeira fonte de obtenção de informações utilizada pela Santista, pois além de ser um meio de rápida aplicação, fornece informações direcionadas e variadas sobre o candidato. As fichas de Solicitação de emprego são comparadas com os currículos, que foram entregues, como forma de verificar se as informações que o candidato está passando não entram em contradição.
Na Santista, as informações biográficas são absorvidas na própria entrevista, não havendo por tanto, uma ficha pré-definida que deve ser preenchida pelo candidato como uma etapa do processo seletivo da empresa.
Devido a pouca credibilidade dada a esse tipo de procedimento, as verificações de antecedentes só são feitas em alguns casos, onde seja considerado de extrema necessidade, como candidatos a cargos que exigem muita especialização e que sejam difíceis de ter disponibilidade no mercado. Nestes casos, em que o candidato apresenta um currículo muito bom e uma carta de recomendação, a Santista entra em contato telefônico com a organização anterior, para tentar descobrir o porque dela ter dispensado o bom profissional.

Um procedimento que também é aplicado pelas psicólogas responsáveis pelo processo de seleção é o teste grafológico. A utilização deste teste é considerado pela equipe como de grande utilidade, devido a seu nível de acerto, quando comparados seus resultados com os de outros testes. Apesar de não ser um teste eliminatório para o candidato, é de grande importância para auxiliar na formulação do parecer final.




      1. Testes de Admissão

Para obter o máximo de informações que possam gerar subsídios para identificar se o perfil do candidato está de acordo com as exigências para o preenchimento da vaga, a empresa procura aplicar alguns testes de admissão. O resultado dos testes é então comparado com as demais etapas do processo seletivo. A empresa utiliza o teste não verbal de inteligência - R1 que pode ser aplicado em grupo ou individualmente. O R1 é composto de um caderno de questões e uma folha de respostas e pretende medir o nível de inteligência do candidato.


Outro procedimento adotado é Teste Tipológico Quati, que trata do levantamento de interesses e de personalidade. Nele são avaliados os traços da personalidade, através de escolhas situacionais do candidato. Sua aplicação também é feita individualmente ou em grupo, dependendo da quantidade de candidatos. É baseado na tipologia que tenta definir estilos cognitivos e de comportamento individual, classificando semelhanças e diferenças em determinados grupos. O Quati pode também indicar tendências de se sair melhor em determinada profissão, de acordo com a classificação da tipologia do indivíduo.
Outro teste aplicado é o PMK - Psicomiocinético, que procura verificar, através do levantamento de dados quantitativos e qualitativos, a personalidade do indivíduo e alguns tipos de patologias. É aplicado individualmente, sendo utilizadas quatro das seis lâminas do teste. É utilizado apenas nas seleções para determinadas funções que, de alguma forma envolvam perigo, como vigilantes ou eletricistas e envolvam questões de percepção de espaço e movimento, como no caso de empilhadores. Foi detectada uma grande preocupação dos profissionais que aplicam este método em reforçar que na Santista, o método é aplicado consciente e corretamente.
São aplicados também testes de conhecimento específicos, testes estes que não obedecem a uma ordem em relação aos testes de admissão. Todos são realizados no período de uma manhã, quando os candidatos se apresentam à empresa. São formulados de acordo com o perfil da vaga. Para a admissão de Ajudantes de Produção, cargo de entrada para a área operacional, é aplicada uma prova de português e matemática em nível de 1º grau, que é a formação mínima exigida para esta função. Esta prova é eliminatória. Nos demais casos, segundo a informação das Psicólogas as provas de conhecimento só são aplicados nos casos de menor aprendiz e estagiários, sendo estes testes dentro da área de conhecimento de cada um. A Controladoria tem uma prova que engloba aspectos de Engenharia de manutenção (Elétrica, Edificações e Utilidades) e Engenharia de Produção, também.
Uma exceção dessa metodologia, ocorre com os candidatos a estagiários de Psicologia e Administração, por serem áreas da empresa que dão preferência a estagiários que já tenham alguma experiência. Nestes casos, a prova poderá ser suplantada, a critério do supervisor. Isto ocorre quando a empresa acredita que os candidatos já possuem a formação necessária.
Nas últimas fases do processo seletivo para os candidatos a ajudantes de produção, os que têm parecer favorável, junto à Psicóloga, são encaminhados à treinadora da área onde irão atuar. Lá, são aplicados testes que procuram verificar a habilidade e rapidez do candidato. Um dos testes é composto por uma tábua com pinos onde o candidato tem que deslocá-los de um lado para outro, tanto os deixando na mesma posição quanto os virando de cabeça para baixo. O tempo que o candidato leva para realizar a tarefa é comparado com os tempos médios já estabelecidos, levando assim a classificação ou não do funcionário.
A empresa não utiliza provas práticas apenas leva os candidatos para conhecer de perto o local de trabalho, quais são as atividades e atribuições. Isto também serve para verificar, no caso dos ajudantes de produção, se eles realmente têm interesse na função. O que é extremamente importante dada a natureza do trabalho, que consiste em varrer, limpar, etc.


        1. Exames Médicos

Os exames médicos são de grande importância para definir se o candidato realmente tem condições de desempenhar de maneira satisfatória as tarefas e atividades exigidas pelo cargo para o qual pretende ser contratado. Seguindo as especificações legais e baseadas no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), realizam-se exames diferenciados para cada cargo. Para ilustrar uma das razões que levam os exames médicos a serem aplicados apenas no final do processo, na tabela abaixo descrevemos os principais procedimentos e seus custos, medidos em Agosto de 2004.





  • Seleção para Ajudante de Produção




Exame

Custo

Espirometria

R$ 36,00

Teleradiografia do tórax

R$ 13,00

Bioquímicos: Ac. Hipúrico, Ac. Metil Hipúrico, Hexanodiona, Hemograma Completo, Completo de Urina

R$ 58,15




  • Seleção para Eletricista ou Empilhador




Exame

Custo

Espirometria

R$ 36,00

Teleradiografia do tórax

R$ 13,00

Bioquímicos: Ac. Hipúrico, Ac. Metil Hipúrico, Hexanodiona, Hemograma Completo, Completo de Urina

R$ 58,15

EEG

R$ 100,00

ECG

R$ 100,00




      1. Entrevistas

Como o artifício da dinâmica é muito pouco utilizado na Santista, por preferência dos gerentes, as entrevistas são extremamente importantes e definidoras, na hora da escolha dos candidatos.


A entrevista utilizada como processo de seleção, dura cerca de 40 minutos e verifica os aspectos sociais, profissionais e comportamentais do indivíduo. O método de entrevista utilizado no processo de seleção da Santista é a entrevista não dirigida, onde o entrevistado pode dar o “rumo da conversa”, mas não deixando de seguir e contemplar todos os assuntos propostos pelo entrevistador, que apenas conduz essa entrevista. Dependendo da quantidade de candidatos, um ou mais entrevistadores podem entrevistar um único candidato. Ou seja, a entrevista pode ser individual, quando apenas um entrevistador conduz a entrevista ou coletiva, quando mais de um, e no caso mais especifico da Santista, dois entrevistadores tomam parte na entrevista.
Em um primeiro momento, o candidato faz uma entrevista com uma psicóloga do próprio departamento de recursos humanos. A partir da conversa com os candidatos, esta entrevistadora irá emitir o parecer sobre cada um deles, para os gerentes de Áreas que estão selecionando os candidatos. Na segunda entrevista, o gerente, supervisor, especialista da Área vai escolher, dentre aqueles que obtiveram parecer favorável na primeira entrevista, o selecionado para a vaga. Nesse segundo momento, a primeira entrevistadora pode também fazer parte da entrevista ao candidato, que é sempre individual, ou seja, apenas um candidato é entrevistado por vez.
Nessas entrevistas, a Santista não utiliza modelos estruturados com perguntas predefinidas e respostas esperadas, pois acredita que esse tipo de entrevista, seja ela situacional ou de descrição comportamental, faz com que o candidato fuja mais um pouco da realidade na hora de responder as questões em relação à entrevista não dirigida, mesmo com o fato de que entrevistas estruturadas formam mais base para este tipo de tomada de decisão.
Um outro ponto de grande importância é a escolha dos entrevistadores. Na Santista, os entrevistadores são sempre as pessoas mais experientes de seus departamentos. As psicólogas da Área de Recursos Humanos, que fazem a primeira entrevista, são profissionais experientes, de fácil comunicação, serenas e maduras. Isto é encarado como necessário para que elas conduzam da melhor forma essa comunicação com o candidato, afim de extrairem realmente o que interessa dele.
Os profissionais de seleção estão sempre passando por treinamentos e reciclagens, que visam manter a qualidade das entrevistas. A aquisição de novas técnicas e conceitos que venham a surgir é incentivada, sempre com o objetivo de melhorar a entrevista e dar mais insumos para uma melhor escolha na hora da contratação.


    1. Feedback

Verificou-se que a equipe de RH tem uma constante preocupação em fornecer um feedback aos candidatos que passam pelas seleções. Todos os candidatos não selecionados são notificados por telefone ou por telegrama. Isto demonstra profissionalismo e respeito pelos que estão pleiteando uma oportunidade de trabalho na organização.




  1. Conclusões

Durante a elaboração deste trabalho, os autores constataram que a seleção é uma das atividades estratégicas do setor de RH. Na organização estudada, também é notada a grande importância da atividade, através dos investimentos, seriedade e profissionalismo, que são empregados no processo seletivo.


Foi detectado um alto grau de conhecimento dos profissionais envolvidos com as teorias, práticas e técnicas de seleção, o que demonstra e atesta a capacidade da equipe. Este fator deve ser um dos principais responsáveis pelo sucesso da Santista no processo de seleção.
Das práticas de seleção adotadas, destacou-se a entrevista, que possui um papel fundamental na escolha do candidato. Outro procedimento interessante é o parecer, emitido pela psicóloga responsável pela seleção. O parecer é elaborado com base nos resultados do conjunto de testes (R1, Grafológico, Quati e PMK, etc), e parece ser bastante útil para eliminar eventuais falhas que ocorreriam nos resultados de cada teste, isoladamente.
Fica claro então que, a organização estudada, busca utilizar as melhores práticas de seleção, fato que pode ser, em parte, creditado por se tratar de uma grande empresa, pertencente a um conglomerado empresarial. Em organizações menores, como as micro e pequenas empresas, o processo de seleção fica dificultado pela escassez de recursos e pessoal qualificado.
Destaca-se que as organizações com visão estratégica da área de RH valorizam o processo de recrutamento e seleção de seus colaboradores por ser importante fase no suprimento de pessoal, que irá influir diretamente nos resultados organizacionais. Nosso estudo nos confirma a importância do processo, e nos leva a refletir como esta consciência por parte da cúpula organizacional favorece aos resultados, tanto operacionais como estratégicos.
Registramos porem, nossa preocupação com as pequenas e médias empresas que normalmente não utilizam processos de recrutamento e seleção de seus colaboradores de forma estruturada e sistemática, tanto pelo desconhecimento como pela falta de investimentos para tal. E como são maioria entre nossas organizações, grandes são as conseqüências em termos de gestão de pessoal e resultados dessas organizações.
A área de Recursos Humanos / Gestão de Pessoas já atingiu reconhecimento estratégico em grandes organizações, onde processos e técnicas são desenvolvidos em sua plenitude com especialidade e cuidados que favorecem ao desempenho organizacional.


  1. Referências Bibliográficas

ALBUQUERQUE, Edna. Apostila do curso: Teoria e pratica de rotinas trabalhistas e previdenciárias. Consultoria e Treinamento Empresarial LTDA.


ALMEIDA, Walnice. Captação e Seleção de Talentos: Repensando a Teoria e a Prática. São Paulo: Atlas, 2004.
ANASTASI, Anne. Testes Psicológicos. São Paulo: Pedagógica, 1977.
ANDRADOS, Isabel. Teoria e Prática do Teste de Rorschach. Rio de Janeiro: Vozes, 1973.
AQUINO, Cleber Pinheiro de. Administração de RH : Uma Introdução. São Paulo: Atlas, 1980.
BOHLANDER, G.; SNELL, S.; SHERMAN, A. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Pioneira Thomsom Learning, 2003.
CARVALHO, Antonio Vieira de. Seleção: Princípios e Métodos. São Paulo: Thomson Learning, 2000.
CHIAVENATO, Idalberto. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, 1981.
CHIAVENATO, Idalberto. Planejamento, Recrutamento e Seleção de Pessoal. São Paulo: Atlas, 2004.
DESSLER, Gary. Administração de Recursos Humanos. 2ª Edição. São Paulo: Prentice Hall, 2003.
HACKETT, Penny. Como Fazer Entrevistas de Seleção. São Paulo: Nobel, 2000.
MANDRUZATO, Maria Lucia. A Grafologia e a Empresa. São Paulo: Qualitymark, 1997
ORLICKAS, Elizenda. Seleção Como Estratégia Competitiva. São Paulo: Futura, 2001.
PONTES, Benedito Rodrigues. Planejamento, Recrutamento e Seleção de Pessoal. São Paulo: LTR, 2001.
RABAGLIO, Maria Odete. Seleção por Competências. São Paulo: Educator, 2002.
SAINZ, F.; GOROSPE, L. El test de Rorschach y su aplicación en psicología de las organizac. Barcelona: Paidos, 1994.
SILVA, Marilene Luzia; NUNES, Gilvan da Silva. Recrutamento e Seleção de Pessoal. São Paulo: Érica, 2001.
TOLEDO, Flavio de. O que são RH. São Paulo: Brasiliense, 1984.
WEISS, Donald H. Entrevista de Seleção: Como Conduzi-la com Êxito. São Paulo: Nobel, 2002.
WERTHER, William B.; DAVIS, Keith. Administração de Pessoal e Recursos Humanos. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.





Compartilhe com seus amigos:


©aneste.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
universidade federal
terapia intensiva
Excelentíssimo senhor
minas gerais
Universidade estadual
união acórdãos
prefeitura municipal
pregão presencial
reunião ordinária
educaçÃo universidade
público federal
outras providências
ensino superior
ensino fundamental
federal rural
Palavras chave
Colégio pedro
ministério público
senhor doutor
Dispõe sobre
Serviço público
Ministério público
língua portuguesa
Relatório técnico
conselho nacional
técnico científico
Concurso público
educaçÃo física
pregão eletrônico
consentimento informado
recursos humanos
ensino médio
concurso público
Curriculum vitae
Atividade física
sujeito passivo
ciências biológicas
científico período
Sociedade brasileira
desenvolvimento rural
catarina centro
física adaptada
Conselho nacional
espírito santo
direitos humanos
Memorial descritivo
conselho municipal
campina grande